Conectado com

Empresas

Cobb-Vantress apoia eventos em celebração ao Dia do Avicultor

Com objetivo de contribuir com a disseminação de informações estratégicas e valorizar o avicultor, empresa patrocina dois eventos diferentes

Publicado em

em

Contribuir com iniciativas de disseminação de informações e valorização da avicultura, e sobretudo do trabalho do avicultor, foi um dos objetivos da Cobb-Vantress ao participar de dois eventos diferentes em comemoração ao Dia do Avicultor que aconteceram na última sexta-feira. A data, celebrada no dia 28 de agosto, envolveu, nesta sexta, profissionais da cadeia produtiva em uma celebração em encontros virtuais e híbrido.

Foram debates sobre gestão, tendências de mercado, cenários para 2022 e sanidade, além de homenagens a profissionais que dedicam suas vidas à produção avícola. “Gostamos de apoiar iniciativas que valorizam a avicultura e as pessoas que fazem dessa atividade um sucesso do agronegócio brasileiro e mundial”, destacou o médico veterinário e diretor Associado de Marketing da Cobb-Vantress na América do Sul, Cassiano Bevilaqua.

O médico veterinário e gerente de Vendas da Cobb-Vantress, Gustavo Triques, destaca a importância de contribuir com informações capazes de contribuir com a tomada de decisões do avicultor. “A Cobb sempre foi conhecida por estar muito presente no campo, com o avicultor e as equipes técnicas. Nosso objetivo é contribuir com informações necessárias para a melhor tomada de decisão no campo e melhoria constante de resultados técnicos e financeiros. Sendo assim, a Cobb está feliz em apoiar e estar presente em mais um evento que valoriza nossa avicultura e todas as pessoas envolvidas”.

 

Avicultura Brasileira

A data é mesmo para comemoração. A avicultura brasileira é uma atividade robusta. Sozinha, ela é responsável pela geração de 4,1 milhões de empregos e um PIB de R$ 120 bilhões. O Brasil é o maior exportador mundial de carne de frango e terceiro maior produtor do mundo. Os números impressionam. Em 2020 o país exportou 4,23 milhões de toneladas e produziu 13,845 milhões de toneladas de carne de frango, de acordo com dados divulgados pela ABPA, a Associação Brasileira de Proteína Animal.

O cenário de avanço de doenças, como Influenza Aviária e Peste Suína Africana em países da Ásia e Europa, levou a um aumento da demanda pela carne de frango brasileira, livre dessas enfermidades. Assim, nossas exportações no primeiro semestre deste ano cresceram 6,5% em volume na comparação com o mesmo período do ano passado, quando subiu de 2.107 mil toneladas para 2.244 mil toneladas. Em receita, o crescimento foi ainda maior, da ordem de 10,6%, com aumento de US$ 3,144 milhões no primeiro semestre do ano passado para US$ 3,477 milhões neste primeiro semestre, ainda de acordo com a ABPA. “E a expectativa é de crescimento nos próximos anos”, pontuou Bevilaqua.

 

Os Eventos

Para celebrar, a Cobb-Vantress patrocinou o Dia do Avicultor, realizado pela Avimig, a Associação dos Avicultores de Minas Gerais, que aconteceu gratuitamente e de forma online, e também o Dia do Avicultor O Presente Rural, organizado em formato híbrido, de Marechal Cândido Rondon, no Oeste do Paraná.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × 3 =

Empresas

O que é a Pleuropneumonia Suína?

Patologia respiratória é responsável por perdas econômicas significativas na suinocultura mundial

Publicado em

em

A Pleuropneumonia Suína (PPS) é uma das mais importantes doenças respiratórias dos suínos, responsável por perdas econômicas significativas na suinocultura mundial. Causada pela bactéria Actinobacillus pleuropneumoniae (APP), tem como característica principal a broncopneumonia fibrino-hemorrágica e necrosante, que pode evoluir para pleurite adesiva com formação de nódulos.

Dentre as pneumonias bacterianas, a Pleuropnneumonia Suína é uma das mais relevantes em todo o mundo. Com 19 sorotipos conhecidos, a enfermidade foi relatada pela primeira vez no Brasil em 1981, tendo vários surtos epidemiológicos registrados desde então, com os sorotipos 3, 5 e 7 sendo os mais prevalentes no país.

Fatores como ambiente e manejo sanitário dos animais influenciam na sua ocorrência, sendo facilitada pelo sistema de produção intensiva. A principal forma de contaminação é a introdução de animais provenientes de granjas infectadas e que não apresentam sinais clínicos evidentes ou lesões características da doença.

A transmissão do agente ocorre pelo contato direto dos animais sadios com secreções respiratórias de animais infectados e a dissipação de aerossóis a curtas distâncias, posto que a bactéria permanece capaz de infectar novos animais por alguns dias no ambiente se estiver protegida por muco ou outro material orgânico. A doença pode acometer suínos de todas as idades, mas leitões antes dos 100 dias de vida são mais vulneráveis e severamente afetados.

As consequências da pleuropneumonia suína variam de acordo com a virulência da cepa infectante, do ambiente em que os animais se encontram e susceptibilidade imunológica, podendo ser potencializada se a granja apresentar problemas de manejo ou outras infecções concomitantes. Em situações de surto da enfermidade, a morbidade pode exceder a 50% dos animais, com mortalidade variando entre 1 e 10% dos animais acometidos, com a morte dos animais acontecendo pouco tempo após a infecção.

O diagnóstico da doença é laboratorial ou anatomo-patológico, realizado a partir do isolamento e identificação da bactéria APP em lesões características, por meio de sorologias ou através de PCR.

Seu impacto econômico na suinocultura está relacionado às despesas veterinárias, à mortalidade dos animais, ao atraso no crescimento e ganho de peso dos que sobrevivem e às proibições de consumo da proteína de animais contaminados e que apresentem lesões. Estima-se que as perdas financeiras com um plantel acometido pela PPS possam chegar a 38%.

A adoção de medidas de controle e profilaxia ambiental, como limpeza e desinfecção adequados das baias, vazio sanitário, e estratégia de manejo no esquema all in- all out, auxiliam na redução da incidência da doença. Mas, por ser uma enfermidade multifatorial, seu controle ainda é problemático.

A prevenção é a melhor forma de controle da doença, por isso a vacinação é extremamente importante e deve ser associada à outras medidas profiláticas principalmente para a inserção de novos animais no plantel.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas

Fazenda em Lagoa Formosa (MG) otimiza produção de leite com ajuda da tecnologia de monitoramento

Família Santana decidiu investir na otimização do seu rebanho, com o apoio do SenseHub, sistema da marca Allflex Livestock Intelligence

Publicado em

em

Divulgação ALLFLEX

A cidade de Lago Formosa, em Minas Gerais, abriga a Fazenda Lageado, propriedade dedicada à agricultura e à pecuária leiteira. Apesar de estar em atividade há quase 50 anos, o primeiro barracão foi construído em 2017 para acomodar o rebanho. Em busca de aumentar o desempenho dos animais e a sua produtividade, a família Santana buscou diversas tecnologias que dessem suporte para crescimento do negócio. Entre as escolhas está o sistema de monitoramento SenseHub, da Allflex, marca da MSD Saúde Animal Intelligence.

Sob o comando de três irmãos, o gestor da Lageado, João Paulo Santana, detalha que a propriedade hoje conta com 550 vacas em lactação, que produzem em torno de 18 mil litros/dia de leite. “A equipe tem hoje 40 pessoas, entre leite e agricultura, e não é a nossa intenção aumentar muito o número de vacas. Chegamos num momento em que a fazenda ficou saturada em questão de estrutura física e para produção de comida, mas estamos intensificando cada vez mais em produtividade e acreditamos que a tecnologia é o caminho para chegarmos ao nosso objetivo”.

Em poucos meses de utilização do sistema de monitoramento da Allflex já foram notadas melhorias na saúde, principalmente encontrar, diagnosticar e recuperar os animais mais rapidamente. “Tanto em doenças metabólicas como cetose, acidose, intoxicação e até mesmo mastite, o sistema tem nos ajudado identificar as enfermidades mais cedo. Outro ponto é na reprodução e está se refletido na nossa taxa de serviço, que já subiu 15% depois do início do uso da tecnologia”, pontua Santana.

“Na saúde o monitoramento tem sido muito importante, pois conseguimos tratar os animais antes que o aspecto físico apareça. Ele mostra quando o problema ainda é imperceptível, assim conseguimos começar o tratamento antes de o animal apresentar um quadro pior. Acompanhamos alguns casos pelo aplicativo e realmente coincide de a ruminação de um animal diminuir e quando vamos ver ele está com febre.”, completa o estudante de Medicina Veterinária e sanitarista da fazenda, Adriano Braga.

O gerente da propriedade, Ronaldo Santana, conta que a adoção do sistema de monitoramento ajudou a rotina da fazenda. “Na parte da manhã a gente vai no centro de manejo, por onde todos os animais vão passar em algum momento do dia e pela ordenha. Verificamos os animais em cio para acompanhamento reprodutivo e quais estão no relatório de saúde”, relata.

A responsável pelos dados zootécnicos, Lorena Santana, conta que a família tem gostado muito da solução. “Lanço os dados no sistema de gestão, faço a exportação para o aplicativo e ali eu posso ver na hora o que está acontecendo com o animal. É um sistema que simplifica muito a nossa vida”, atesta.

Para a Coordenadora de Território da MSD Saúde Animal Intelligence, Anna Luiza Belli, foi muito satisfatório observar que mesmo em uma fazenda que já tinha ótimos índices zootécnicos, o sistema de monitoramento ainda conseguiu agregar bastante. “Após o início do uso do monitoramento, a Fazenda Lageado conseguiu, por exemplo, aumentar o número de inseminações por cio natural, com uma taxa de concepção acima do que vinham trabalhando, reduzindo assim o custo com protocolos”, complementa a médica-veterinária que acompanha o trabalho na propriedade.

Fonte: Ass. de imprensa
Continue Lendo

Empresas

Bunge anuncia aquisição de 33% da Sinagro

Acordo com a UPL e demais acionistas da Sinagro fortalece a estratégia de originação de grãos da Bunge.

Publicado em

em

Bunge, UPL e demais acionistas da Sinagro anunciam acordo pelo qual a Bunge adquirirá participação de 33% na empresa. A Sinagro é uma importante revendedora de grãos e produtos agrícolas, com relevante atuação na região do Cerrado. O negócio está sujeito à aprovação pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE).

“Esta transação contribuirá para a capacidade de originação de grãos da Bunge e para seu acesso aos produtores da região. Além disso, como a Sinagro já utiliza os mesmos critérios socioambientais para avaliação de fornecedores que a Bunge, está alinhada à nossa visão global de ser o parceiro preferencial em soluções sustentáveis para oleaginosas, commodities e ingredientes relacionados, tanto para agricultores quanto para clientes finais”, afirma Rossano de Angelis Junior, vice-presidente de Agronegócios da Bunge.

A Sinagro foi uma das primeiras empresas a aderir à Parceria Sustentável da Bunge, iniciativa pioneira lançada em 2021, pela qual a Bunge auxilia os revendedores de grãos a implantarem sistemas de avaliação socioambiental de fornecedores, incluindo monitoramento por satélite, em escala de fazenda. Os participantes do programa podem adotar serviços de imagens geoespaciais independentes ou utilizar a estrutura da Bunge sem custos.

“A participação da Bunge deverá contribuir para a Sinagro em diversas frentes. Além de sua expertise em originação, logística e gestão de riscos, a Bunge tem uma reputação global destacada e uma forte presença no agronegócio brasileiro, que aliada à UPL fortalecerá as bases da Sinagro. Além disso, esta transação vai acelerar o plano de expansão da Sinagro, que é, afinal, o principal objetivo”, afirma Rogério Castro, CEO da UPL Brasil.

Com 20 anos de atuação, a Sinagro tem sua estratégia de originação voltada para produtores e apoiada por suas mais de 30 unidades, entre lojas e armazéns. Estrategicamente posicionada em relação a fornecedores, agricultores e clientes finais, está presente em sete estados brasileiros: Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Bahia, Tocantins, Pará e Minas Gerais.

“Com essa transação, fortalecemos ainda mais nossa parceria com a Bunge em um relacionamento que gerará benefícios mútuos. Do nosso lado, a expertise da Bunge em gestão de riscos e sua capacidade logística ampliam nossas oportunidades no mercado de grãos, ao mesmo tempo em que estamos alinhados em prol da produção sustentável, rastreável e verificável no Cerrado brasileiro”, afirma Renato de Almeida Guimarães, presidente da Sinagro.

 

Sobre o Grupo Sinagro

O Grupo Sinagro iniciou suas atividades em fevereiro de 2001, no mercado de agronegócios. Tornou-se referência e uma das maiores distribuidoras de insumos agrícolas do cerrado brasileiro. Atualmente, a empresa tem presença em sete estados, com 34 unidades de distribuição, 4 unidades de originação e comercialização de grãos e 2 unidades refrigeradas de armazenamento de sementes. Além disso, o Grupo Sinagro tem uma área agrícola de 23.000 ha destinados à produção de grãos, difusão de tecnologia e capacitação de profissionais da área agrícola.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
ADISSEO 2022

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.