Conectado com
FACE

Empresas Avicultura

Cobb discute elaboração de programas de biosseguridade na avicultura

Médico veterinário gerente Regional da Cobb-Vantress, Cristiano Emanuelli Pereira, defendeu conceito One Health na elaboração de planos de biosseguridade  

Publicado em

em

Médico veterinário gerente Regional da Cobb-Vantress, Cristiano Emanuelli Pereira   - Foto: Divulgação

A segurança sanitária da população mundial é pauta diária com a pandemia de Covid-19. Medidas de higiene e distanciamento social são necessárias para reduzir a transmissão da doença. Em algumas atividades, como na avicultura industrial, esse tema é conduzido com particular sucesso no Brasil. O controle sanitário em granjas é tão rigoroso que o país é um dos únicos no mundo que nunca detectaram um foco de Influenza Aviária (IA). “Todas as ações que fazemos para proteger nossas aves agora fazemos para proteger a saúde humana contra a Covid-19”, destacou o médico veterinário e gerente Regional da Cobb-Vantress, Cristiano Emanuelli Pereira, durante webinar promovido pela empresa, uma das maiores fornecedoras de matrizes do mundo. A palestra online aconteceu simultaneamente para vários países da América Latina, com a participação de centenas de pessoas.

O evento teve o objetivo de manter os produtores e profissionais de agroindústrias atualizados em programas de biosseguridade. Para ele, o principal é saber que sempre é possível melhorar. Ou seja: um programa de biosseguridade deve estar em constante aperfeiçoamento. “Nunca devemos pensar que estamos bem, mas sempre que podemos melhorar”, destacou, reforçando que a biosseguridade está relacionada com saúde e bem-estar das aves. “O entendimento pleno de biosseguridade tem que ser visto com conceitos de saúde e bem-estar”.

Na avicultura, destacou, desafios como “micoplasmas, salmonela, influenza, laringotraqueíte e doença de Newcastle podem ser introduzidos por vários meios, como aves doentes, calçados, roedores ou água. Para tudo isso temos que ter ferramentas para bloquear ou reduzir os riscos. São muitos os riscos de contato das aves com microrganismos, mas 90% das infecções são passadas pelo homem”, orientou o médico veterinário.

Pereira destacou algumas medidas que a avicultura toma no processo de biosseguridade, como isolamento das granjas, controle do tráfego, limpeza e desinfecção das instalações, divisão entre zonas limpa e suja, controle de vetores, como ratos e cascudinho, tratamento térmico das granjas, quarentena de funcionários que tiveram contato com outras aves, mesmo pássaros de estimação, monitoramento da saúde dos funcionários e manutenção de programas de auditoria de boas práticas de produção. Para isso, frisou Pereira, “o treinamento das pessoas é muito importante”.

De acordo com ele, o arco sanitário, que higieniza veículos na entrada das granjas, precisa ser mais eficiente. “O arco sanitário é a primeira barreira em qualquer etapa da produção. Além de arco, precisamos outros mecanismos, pois muitas vezes ele não consegue tirar toda a sujeira só com desinfetante”, sugeriu.

Em algumas etapas da produção, como na criação dos pintinhos que vão povoar as granjas, as práticas de biosseguridade são ainda mais intensas. Para trabalhar, os funcionários precisam tomar dois banhos. Pereira destacou que essas instalações precisam dar o máximo conforto possível para que os funcionários o façam de maneira correta. “O banho dos funcionários tem que ter boa qualidade, com disponibilização de sabão, shampoo, bom espaço. É preciso desinfetar a área todo dia”. O álcool em gel e a limpeza de mãos frequente é outra prática necessária, alertou o médico veterinário. Em sua apresentação, Pereira também ressaltou a importância de manter limpos os arredores dos galpões. Isso ajuda no controle de roedores, e de insetos, como moscas e o cascudinho.

Citou outros pontos importantes na avicultura, como a monitoria da qualidade das rações, da água, e dos fornecedores de maravalha para a cama de aviário, além da execução de um plano de vacinação bem realizado e monitorado. “A biosseguridade requer compromisso e disciplina. É um trabalho diário. Nunca teremos um ponto pleno”, reforçou Pereira. O webinar teve a moderação do diretor Associado de Serviço Técnico da Cobb na América do Sul, Marcus Briganó, do diretor Associado de Marketing da Cobb na América do Sul, Cassiano Bevilaqua e do gerente Sênior de Serviço Técnico da Cobb-Vantress na América do Sul, Luciano Keske.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × 5 =

Empresas Agricultura

FMC reforça parceria com produtor em mais um ano de apoio ao Rally da Safra

Companhia participa pela quarta vez consecutiva do expedição

Publicado em

em

Divulgação FMC

A FMC empresa de ciências para agricultura, participa por mais um ano do Rally da Safra, principal expedição técnica privada para monitoramento da safra de grãos no país. Organizado pela Agroconsult, a 18ª edição do Rally da Safra teve seu formato renovado para colaborar com as medidas de distanciamento social e conter a disseminação da Covid-19. Com isso, a expedição terá dois pilares: o digital, com reuniões virtuais com agricultores por meio de plataformas de videoconferência, eventos na internet e a nova TV Rally, e o tradicional, com equipes de campo viajando com mais segurança, visitas aos produtores nas propriedades e eventos regionais.

No campo, serão 20 equipes para avaliar as condições das lavouras de soja de 25 de janeiro até o final de março. Outras 06 percorrerão as lavouras de milho segunda safra em maio e junho.

A FMC, que participa pelo quarto ano consecutivo, tem orgulho de apoiar a iniciativa tão fundamental para a cadeia produtiva. “Para nós, é de extrema importância fazer parte desse projeto que mapeia e revela dados sobre as condições das lavouras de soja e milho do país, ainda que de forma remota neste ano. Nosso propósito é sempre estar junto do produtor, para entender suas necessidades e contribuir com inovações, por isso, as informações obtidas pelas equipes do Rally são fundamentais e nos ajuda e entregar sempre as melhores tecnologias para o manejo pragas, doenças e plantas daninhas”, avalia o Gerente de Cultura da FMC, Ivan Jarussi.

O Gerente também lembra que a FMC tem investido fortemente nas culturas de soja e milho, com grande capacidade de descoberta e desenvolvimento de produtos. Além disso, a empresa realiza um extenso trabalho junto a todos elos da cadeia produtiva, chamado Projeto Soja, que visa discutir o presente e o futuro das culturas no país. São iniciativas que vão desde extensão rural digital, até parceria com consultores para avaliar o desempenho de soluções tecnológicas e construir posicionamentos em conjunto.

“Acreditamos que é mais produtivo quando a gente faz junto, por isso queremos aproximar todos os elos da cadeia e construir soluções eficientes e sustentáveis para o campo. Nosso compromisso é ser parceiro do sojicultor e ajudá-lo a enfrentar os desafios produtivos”, acrescenta Jarussi.

O levantamento de dados do Rally, ocorre durante a fase de desenvolvimento das lavouras e colheita e as equipes percorrerão polos produtores em 12 estados: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás, Minas Gerais, São Paulo, Bahia, Maranhão, Piauí e Tocantins, que respondem por 95% da área de produção de soja e 72% da área de milho.

Fonte: Ass. de Imprensa
Continue Lendo

Empresas suinocultura

Falhas reprodutivas e fluxo de produção

Unidade de Negócios Suinocultura Polinutri realiza treinamento virtual para mais de 40 participantes

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O primeiro treinamento virtual Polinutri aconteceu em 22 de janeiro e abordou o tema “Falhas reprodutivas e fluxo de produção” com a apresentação da médica veterinária e consultora Dra. Maria Nazaré Simões Lisboa da Consuitec (Paulínia/SP). “Mais que um encontro, desenvolvemos um programa extenso com objetivo de analisar de forma criteriosa as granjas de suínos”, iniciou o Representante Comercial da Polinutri, Marcílio Cesar Moreira dos Santos.

Ao abordar questões relacionadas as falhas reprodutivas, a consultora destacou a importância de obter resultados diferentes em função dos avanços genéticos da suinocultura. “Não podemos fazer as mesmas coisas, ainda mais pensando em fêmeas de alta reprodução”, destacou.

Avaliando o fluxo de produção, a especialista ressaltou a importância de entender as características da granja observando e agindo em diversas frentes, entre elas: sanidade, manejo, sistema de produção, capacidade de lotação, proposta do sistema produtivo (lote ou banda), número de matrizes, formação dos lotes, destino dos animais e vendas. Pontos importantes que predizem o impacto econômico da atividade. “Temos que entender qual é o perfil de cada granja atendida em especial no que tange ao controle da biosseguridade”, definiu.

A partir deste momento, enfatizou Nazaré, o suinocultor deve levar em consideração a taxa de parição e o número de leitões desmamados. “Hoje temos condições de melhorar esta relação, identificar e filtrar as oportunidades, a exemplo de fêmeas que repetem cio”, incluiu. Por isso, avaliou a especialista, o fluxo passa a ser uma ferramenta determinante para padronização, sanidade do plantel e impacto econômico da granja.

Ao encerrar a apresentação, a doutora deixou a grande lição: o olhar sobre o sistema produtivo. “A produção de leitões é quem determina a produtividade da granja. Devemos fazer a conta de traz para frente, ou seja, quantos animais venderemos para assim definir o sistema”, alinhou.

Marcílio encerrou o encontro com um balanço desta primeira ação virtual do ano. “A Dra. Nazaré deixou bem claro: devemos entrar nas granjas com ar de auditor. Contamos com uma infinidade de recursos e ferramentas que nos apoiam frente as tomadas de decisão. O primeiro treinamento foi muito enriquecedor e permitiu a abertura de novos horizontes para o nosso time”, salientou.

Fonte: Ass. de Imprensa.
Continue Lendo

Empresas Suinocultura

Protocolo vacinal de matrizes – para proteger fêmeas e leitões

Entenda a importância de imunizar seu plantel e em que momento isso deve ocorrer

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Chegar a quarto maior produtor e exportador mundial de carne suína não se deu da noite para o dia. Para alcançar esse posto, o Brasil passou por um processo longo de desenvolvimento e aperfeiçoamento de toda a cadeia – da produção à comercialização.

Na produção, as porcas ocupam um papel central – primeiro, porque estão diretamente relacionadas à produtividade e, segundo – e não menos importante -, porque esses animais são cruciais na disseminação ou no controle de doenças que podem acometer o plantel.

Muitas vezes assintomáticas, essas fêmeas atuam como disseminadoras de agentes invasores e, por esse motivo, a imunização desses animais tem papel fundamental. Tanto para protegê-los contra doenças que possam afetar sua própria saúde como para proteger a leitegada por meio da imunidade passiva, que é a transferência de anticorpos para os leitões pelo colostro.

Dentre as principais doenças que podem prejudicar a gestação, estão a parvovirose suína, a erisipela e a leptospirose.

A parvovirose suína pode infectar embriões e fetos em diferentes estágios de evolução. Os sinais de falhas reprodutivas podem ser diversos, como aborto, menor número de nascidos, leitões fracos, malformados ou natimortos, mumificados, entre outros.

Já a erisipela é uma zoonose causada pelo agente bacteriano Erysipelothrix rhuseopathie, podendo ser um dos fatores infecciosos direto dos abortamentos, uma enfermidade hemorrágica que provoca lesões cutâneas, articulares, cardíacas e septicemia, tanto em porcas em idade reprodutiva quanto em suínos na fase de crescimento, e lesões de células espermatogênicas em reprodutores. “A vacinação, nesse caso, garantirá proteção para a fêmea durante o período gestacional e, na fase pós-nascimento, para os leitões, que, ao mamarem o colostro, estarão protegidos”, explica o médico-veterinário Dalvan Veit, Gerente Técnico de Suínos da Zoetis.

Também transmitida por bactéria, a leptospirose causa natimortos e fetos mumificados, leitões fracos, que normalmente não sobrevivem, e abortos, que geralmente ocorrem no terço final da gestação. Os animais são infectados quando entram em contato com alimentos e/ou água contaminados, com urina e fetos abortados de animais portadores. A infecção pode ocorrer por via oral, via venérea, por intermédio da pele lesada, por via conjuntiva ou por meio das mucosas. Os roedores são uma frequente fonte de infecção para suínos e humanos, podendo excretar leptospiras vivas pela urina.

Além desses agentes que podem causar falhas reprodutivas nas fêmeas, há outros que podem acometer os leitões em seus primeiros dias de vida, por isso a imunização passiva garantirá à leitegada a proteção necessária.

Causada por bactérias, a rinite atrófica progressiva é uma doença infectocontagiosa do trato respiratório superior, de evolução progressiva e crônica, caracterizada por lesões nos cornetos nasais e atrofia do focinho. Disseminada por todas as principais áreas de produção de suínos no Brasil, tem um grande impacto econômico, devido à redução no ganho de peso e à piora na conversão alimentar.

A imunização passiva também protege os leitões contra outro problema bastante comum, a diarreia neonatal. Comumente provocada pelas bactérias Escherichia coli e Clostridium perfringens, que agem na parte entérica dos animais, apresenta-se como um desafio na suinocultura e causa grandes prejuízos para o setor. Além da perda no ganho de peso e atraso no crecsimento, a doença pode levar à morte.

Vacinação

“A vacinação é o método de controle específico mais seguro e eficaz de proporcionar a imunidade de um plantel e temos um pacote completo para a proteção das matrizes”, diz Veit.

No mercado há dez anos, Farrowsure® B Gold é a solução da Zoetis indicada para a vacinação de matrizes e reprodutores suínos sadios para a prevenção da parvovirose, da erisipela e da leptospirose. Já a ARadicator combate a rinite atrófica progressiva e a LitterGuard LT-C previne a diarreia neonatal.

“A Farrowsure® B Gold, indicada exclusivamente para proteção das fêmeas, pode ser aplicada em qualquer momento. No entanto nossa recomendação é que seja aplicada durante o período de gestação. Isso garante uma proteção duradoura contra os agentes alvo, e evita injúrias à matriz e aos leitões, caso seja aplicada durante a lactação. Já a ARadicator e a LitterGuard, que têm a função de produzir anticorpos para a leitegada, devem ser aplicadas no 100° dia de gestação – isso porque, após 14 dias da aplicação, a porca atingirá o pico da produção de anticorpos, que coincidirá com o nascimento dos leitões”, esclarece o médico-veterinário.

Fonte: Ass. de Impressa.
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.