Conectado com
VOZ DO COOP

Sem categoria

Banco Central aumenta projeção de crescimento do PIB de 2% para 2,9%

PIB acumula alta de 3,2% no período de 12 meses. No semestre, a alta acumulada é de 3,7%.

Publicado em

em

Foto: Wenderson Araujo/Trilux

O Banco Central (BC) elevou a projeção para o crescimento da economia este ano. A estimativa para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB, a soma de todos os bens e serviços produzidos no país) passou de 2% para 2,9%, em razão, sobretudo, da “surpresa com o crescimento no segundo trimestre”. A projeção consta do Relatório de Inflação, publicação trimestral do BC, divulgado na quinta-feira (28).

Além disso, e em menor medida, o BC faz previsões “ligeiramente mais favoráveis” para a evolução da indústria, de serviços e do consumo das famílias no segundo semestre de 2023.

No segundo trimestre do ano a economia brasileira, superando as projeções, cresceu 0,9%, na comparação com os primeiros três meses, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em relação ao segundo trimestre do ano passado, a economia brasileira avançou 3,4%. O PIB acumula alta de 3,2% no período de 12 meses. No semestre, a alta acumulada é de 3,7%. “A atividade econômica surpreendeu novamente no segundo trimestre”, destacou o BC no relatório, ponderando que o forte crescimento no primeiro semestre do ano se deve, em parte, a fatores transitórios. “Permanece a perspectiva de que a atividade cresça em ritmo menor nos próximos trimestres e ao longo de 2024”, avalia.

No primeiro trimestre deste ano, o setor agropecuário puxou o crescimento do PIB de 1,9%, devido ao ótimo resultado das safras recordes de soja e milho. No segundo trimestre, os desempenhos da indústria e dos serviços explicaram também a alta do crescimento da economia. “Os impactos diretos e indiretos da forte alta da agropecuária no primeiro semestre de 2023 devem se dissipar no restante do ano e, para 2024, não se projeta alta tão expressiva do setor”, avalia o BC.

Outro impulso transitório no primeiro semestre, e que não deve se repetir na mesma magnitude, segundo o relatório, foi a expansão dos benefícios previdenciários – influenciados por alta do salário mínimo e por mudanças de calendário que anteciparam pagamentos para o primeiro semestre – e de assistência social sobre a renda das famílias.

A política monetária se situa “em terreno contracionista e há a expectativa de que se mantenha assim no horizonte de previsão, ainda que esteja sendo gradualmente flexibilizada”.

“Por fim, o cenário externo mostra-se mais incerto, com perspectiva de desaceleração da atividade econômica nos países avançados, em ambiente de pressões inflacionárias persistentes, e de menor crescimento para a economia chinesa”, explicou o BC.

Na política de juros, na semana passada o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC decidiu reduzir a taxa básica de juros, a Selic, de 13,25% ao ano para 12,75% ao ano. O comportamento dos preços fez o BC cortar os juros pela segunda vez no semestre, em um ciclo que deve seguir com cortes de 0,5 ponto percentual nas próximas reuniões.

Ainda assim, em ata divulgada na terça-feira (26), o Copom reforçou a necessidade de se manter uma política monetária ainda contracionista, para que se consolide a convergência da inflação para a meta em 2024 e 2025 e a ancoragem das expectativas. As incertezas nos mercados e as expectativas de inflação acima da meta preocupam o BC e são fatores que impactam a decisão sobre a taxa básica de juros.

A Selic é o principal instrumento do BC para alcançar a meta de inflação, porque a taxa causa reflexos nos preços, já que juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança, evitando a demanda aquecida. Os efeitos do aperto monetário, entretanto, são sentidos no encarecimento do crédito e na desaceleração da economia. Já para incentivar a produção e o consumo, diante de preços controlados, o Copom diminui a Selic.

Setores
Em 2022, a economia brasileira cresceu 2,9%, após alta de 5% em 2021 e recuo de 3,3% em 2020. O setor de serviços foi o que mais contribuiu para o crescimento do PIB no ano passado. Segundo o BC, os segmentos do setor foram severamente afetados pela pandemia da covid-19, inicialmente, mas desde então apresentam trajetórias de crescimento.

Para este ano, sob a ótica da oferta, a alta na projeção de crescimento do PIB reflete elevação nas projeções para os três setores: agropecuária, indústria e serviços.

A estimativa para o crescimento da agropecuária passou de 10% para 13%, refletindo melhora nos prognósticos do IBGE para a produção agrícola, principalmente de soja, de milho e de cana-de-açúcar, e crescimento do abate de animais no primeiro semestre maior do que o antecipado. “Apesar da contribuição bastante positiva da agropecuária para o resultado do PIB no ano, o setor deve contribuir negativamente para as variações trimestrais do PIB ao longo do segundo semestre, sobretudo no terceiro trimestre, visto que a maior parte da colheita dos produtos com os maiores crescimentos anuais ocorreu na primeira metade do ano”, explicou o BC.

Para a indústria, a previsão foi alterada de 0,7% para 2%, com melhora nos prognósticos para a construção; para a “produção e distribuição de eletricidade, gás e água”; e, especialmente, para a indústria extrativa. Nesse último componente, houve elevado crescimento da produção de minério de ferro e de petróleo na primeira metade do ano. “Tal expansão se deu em ritmo superior ao compatível com os guidances [orientações] de produção dos principais produtores dessas commodities disponíveis à época do relatório anterior [em junho]”, diz o documento.

Ainda sobre a oferta, para o setor de serviços a projeção foi revista de 1,6% para 2,1%, com melhora nas previsões para todas as atividades, com exceção de comércio, bastante influenciado pelo desempenho da indústria de transformação, que segue com previsão de recuo em 2023. “A alta da projeção reflete surpresas positivas no segundo trimestre bastante disseminadas, bem como a ligeira melhora nos prognósticos para as variações trimestrais das atividades do setor terciário no segundo semestre”, explicou a autoridade monetária.

Com relação aos componentes domésticos da demanda, houve alta nas projeções para o consumo das famílias de 1,6% para 2,8% e para o consumo do governo, de 1% para 1,8%. Para a formação bruta de capital fixo (investimentos) das empresas o recuo previsto passou de 1,8% para 2,2%.

A projeção para a variação das exportações este ano foi revisada de 3,7% para 6,7%, repercutindo, principalmente, prognósticos mais favoráveis para os embarques de produtos agropecuários e da indústria extrativa. A previsão para as importações continuou sendo de estabilidade em relação ao ano anterior.

Previsão para 2024
Pela primeira vez, o BC apresentou a previsão de crescimento do PIB para 2024, de 1,8%, com variações nos componentes da oferta e da demanda mais homogêneas do que as previstas para este ano.

Pelo lado da oferta, agropecuária, indústria e serviços devem crescer, respectivamente, 1,5%, 2% e 1,8%.

Na demanda doméstica, as taxas de variação esperadas para o consumo das famílias, o consumo do governo e a formação bruta de capital fixo são 1,9%, 1,5% e 2,1%, respectivamente.

Exportações e importações de bens e serviços devem crescer 1,5% e 1,6%, respectivamente.

Inflação
A previsão de inflação, calculada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), para este ano se manteve em 5%, a mesma do relatório de junho. Para isso, o BC projeta cenário com taxa básica de juros em 11,75% ao ano e câmbio em R$ 4,90.

Para 2024 e 2025, a expectativa é que o IPCA fique em 3,5% e 3,1%, respectivamente. Nessa trajetória, a taxa Selic chega ao final de 2024 e 2025 em 9% e 8,5% ao ano, respectivamente.

O relatório destaca que a chance de a inflação oficial superar o teto da meta este ano subiu de 61% no relatório de junho para 67% agora em setembro.

A meta para este ano, definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), é de 3,25% de inflação, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Ou seja, o limite inferior é 1,75% e o superior 4,75%. Para 2024 e 2025, o CMN estabeleceu meta de 3% para o IPCA, nos 2 anos, com o mesmo percentual de tolerância. “Na comparação com o Relatório de Inflação anterior, no cenário de referência, as projeções de inflação tiveram poucas alterações. Vários fatores atuaram para cima e para baixo, mas tenderam em boa medida a se compensarem”, explicou o BC.

Os principais fatores de revisão para cima são a trajetória mais baixa da taxa Selic da pesquisa Focus; a forte subida do preço do petróleo; e os indicadores de atividade econômica mais fortes do que o esperado. Já as revisões para baixo são influenciadas pela inflação observada recentemente menor do que a esperada e pela queda das expectativas de inflação. “Quando se consideram os grupos de preços livres e administrados, na comparação com o relatório anterior, destaca-se o movimento oposto entre preços livres e administrados. Em particular, para2023, houve queda significativa na projeção da inflação de preços livres, puxada principalmente por alimentação no domicílio, e forte aumento na projeção para administrados, impactada pelo acentuado crescimento do preço do petróleo”, diz o relatório do BC.

As previsões do mercado estão mais otimistas que as oficiais. De acordo com o boletim Focus, pesquisa semanal com instituições financeiras divulgada pelo BC, a inflação oficial deverá fechar o ano em 4,86%.

Fonte: Agência Brasil

Empresas

Equipe da Agroceres PIC tem 10 trabalhos científicos selecionados para apresentação no IPVS 2024

Ao todo são 23 trabalhos selecionados nas últimas edições do Congresso, marca que evidencia o protagonismo da Agroceres PIC na produção científica na suinocultura.

Publicado em

em

Foto: Divulgação

Esta é a sexta edição consecutiva que a equipe da Agroceres PIC tem trabalhos selecionados pelo Comitê Científico do IPVS. Ao todo são 23 trabalhos selecionados nas últimas edições do Congresso, marca que evidencia o protagonismo da Agroceres PIC na produção científica na suinocultura.

As equipes de Serviços Técnicos, Boas Práticas e Bem-estar Animal e Serviços Veterinários da Agroceres PIC tiveram 10 trabalhos científicos selecionados para apresentação oral e em pôsteres no International Pig Veterinary Society Congress 2024 (IPVS). Um dos mais tradicionais e importantes eventos da suinocultura mundial, o IPVS é célebre por reunir a elite da comunidade científica suinícola internacional para debates acerca dos principais desafios produtivos e sanitários do setor.

Nos seus 55 anos de realização, o Congresso IPVS foi responsável por apresentar inúmeros avanços e soluções tecnológicas que melhoraram a produção comercial de suínos, tornando-a mais produtiva, robusta, econômica e sustentável.

Esta é a sexta edição consecutiva que a equipe da Agroceres PIC tem trabalhos selecionados pelo Comitê Científico do IPVS. Ao todo são 23 estudos selecionados nas últimas edições do Congresso, marca que reafirma a relevância da produção científica da equipe da Agroceres PIC.

Descobertas científicas

Dos estudos científicos selecionados para esta edição do evento, um é da área de Produção, dois da de Sanidade, três da de Reprodução e quatro da área de Bem-estar animal.

“O Congresso IPVS tem um papel muito importante para o desenvolvimento técnico-científico do setor suinícola. Ter 10 trabalhos selecionados é uma distinção muito importante para nós e demonstra o valor científico dos estudos realizados por nossa equipe”, comenta Amanda Pimenta Siqueira, gerente de Serviços Técnicos da Agroceres PIC. “Esse reconhecimento reafirma nosso compromisso contínuo com a pesquisa de ponta e com o desenvolvimento de soluções que contribuam para o avanço da produção de suínos”, completa.

Neste ano, o IPVS acontece em Leipzig, na Alemanha, entre os dias 04 e 07 de junho.

 

Fonte: Assessoria Agroceres Pic
Continue Lendo

Avicultura Avicultura

Estudo encontra 100% de resistência bacteriana para formaldeído e 50% para amônia quaternária

Em uma ampla avaliação realizada com amostras de campo, foi evidenciado a alta prevalência de APEC resistentes aos antimicrobianos e aos desinfetantes

Publicado em

em

Arquivo / OP Rural - shutterstock

Artigo escrito por Gleidson Salles, Médico-veterinário, gerente de produto da Zoetis, e Giulia Pilati, pesquisadora pós-graduanda da Universidade Federal de Santa Cararina*

A colibacilose aviária, uma doença naturalmente oportunista com manifestação local ou sistêmica, é causada pela Escherichia coli patogênica aviária (APEC). A doença está distribuída em todo o mundo e tem um grande impacto econômico, especialmente na indústria de frangos de corte, devido à mortalidade, morbidade, falta de uniformidade no rebanho, redução da produção e aumento da condenação no abate.

O agente é responsável por causar diversas condições clínicas em aves, como aerossaculite, celulite, coligranuloma, colisepticemia, pericardite, peritonite, pleuropneumonia, pneumonia, onfalite, salpingite, síndrome da cabeça inchada (LM), panoftalmia, osteomielite e sinovite.

Os antimicrobianos mais comumente usados no tratamento da colibacilose aviária são β-lactâmicos (penicilinas, cefalosporinas), fluorquinolonas, lincosamidas, macrolídeos, quinolonas, sulfonamidas e tetraciclinas. Atualmente, muitos dos antimicrobianos utilizados na produção avícola também são utilizados na medicina humana. Isto levantou preocupações sobre a potencial transferência de genes de resistência a antibióticos entre animais e humanos.

Além de serem utilizados no tratamento e profilaxia de infecções humanas e animais, os antibióticos são amplamente utilizados como agentes metafiláticos e promotores de crescimento na produção animal. Tais práticas, no entanto, aumentam a pressão seletiva e podem favorecer o desenvolvimento de resistência antimicrobiana.

O desenvolvimento da resistência antimicrobiana é um processo complexo. A resistência pode ser classificada como inerente ou adquirida. A resistência inerente é a capacidade natural de algumas bactérias de resistir a certos antibióticos devido a propriedades intrínsecas, como a estrutura da parede celular ou vias metabólicas. A resistência adquirida, por outro lado, é o resultado de alterações genéticas nas bactérias, como mutações ou transferência de genes de resistência de outras bactérias.

Nesse contexto, realizamos um estudo que avaliou 100 lotes de carcaças de frango ( Gallus gallus domesticus ), coletados no Brasil, com o objetivo de investigar o genoma completo de isolados de Escherichia coli patogênica aviária (APEC) de fêmures de frangos de corte brasileiros ( Gallus gallus domesticus ), a fim de investigar a presença de genes de resistência antimicrobiana associados a bacteriófagos.

Um total de 63 isolados característicos de Escherichia coli foram obtidos de fêmures. Todos os isolados foram confirmados como Escherichia coli por meio de sequenciamento. Dos 63 isolados, 58 (92%) tinham entre 3 e 5 dos genes considerados preditores mínimos e poderiam ser caracterizados como Escherichia coli patogênica aviária (APEC). Destes, 40 (63,4%) apresentaram os cinco genes, outros 14 (22,2%) apresentaram quatro genes. Quatro deles (6,3%) apresentaram três genes e outros quatro, (6,3%) apresentaram entre um gene e dois genes.

Na figura 1 é possível avaliar os perfis de resistência de diferentes classes de antimicrobianos e desinfetantes frente as APEC’s encontradas no estudo. A presença ou ausência de genes de resistência a antibióticos e desinfetantes foi avaliada em isolados de E. coli submetidos para sequenciamento. Cada linha no conjunto de dados corresponde a uma amostra única, enquanto as colunas representam os genes de resistência identificados e os antibióticos ou classes de antibióticos correspondentes.

Neste estudo, genes de resistência previstos contra β-lactâmicos foram encontrados em 63,49% dos isolados contendo um ou mais genes. 49,2% dos isolados abrigavam pelo menos um gene de resistência à tetraciclina. Um dos aminoglicosídeos mais comumente utilizados na medicina veterinária é a gentamicina. No presente estudo, 78,1% dos isolados APEC abrigavam um ou mais genes de resistência aos aminoglicosídeos. 74,6% dos isolados continham genes de resistência previstos contra sulfonamidas.

Além das classes dos antimicrobianos, foram avaliados alguns desinfetantes comumente utilizados na avicultura, como é o caso do formaldeído e amônia quaternária, onde 100% das amostras com presença de APEC’s apresentaram resistência para formol e 50% para amônia quaternária, evidenciando a capacidade das APEC’s resistirem ao uso desses produtos.

Esses resultados evidenciam uma alarmante situação quando olhamos para os perfis de resistência antimicrobiana e aos desinfetantes. Novas abordagens se fazem necessárias para prevenção de colibacilose aviária.

O estudo na integra pode ser solicitado ao autor: gleidson.sales@zoetis.com

Fonte: Assessorio com autores
Continue Lendo

Empresas Em Cascavel (PR)

Nutrição inteligente das aves de corte, com atenção à saúde intestinal, é assunto do Conexão Novus

Evento promovido pela empresa em Cascavel (PR), que recebeu gestores e técnicos de empresas avícolas da região.

Publicado em

em

Foto e texto: Assessoria

“O futuro da cadeia de proteína animal somente será bem-sucedido se tiver a nutrição inteligente como pilar. A Novus quer fazer parte dessa transformação e, por isso, disseminamos conhecimento técnico sobre esse tema para quem está no campo”, detalhou Alessandro Lima, diretor comercial Latam da Novus, no Conexão Novus, evento promovido pela empresa em Cascavel (PR), que recebeu gestores e técnicos de empresas avícolas da região.

Nutrição inteligente está muito conectada com saúde intestinal e o sistema ósseo. Para explicar o tema, a Novus convidou a Dra. Jovanir Inês Müller Fernandes, professora da Universidade Federal do Paraná. “Os desafios nutricionais e sanitários têm causas multifatoriais. Por exemplo, a cama úmida e mal higienizada pode ser responsável pela proliferação de bactérias que impactam a saúde intestinal. A consequência é que a nutrição animal fica comprometida, pois o ambiente interfere na absorção de importantes nutrientes, como o cálcio. Dessa forma, a mineralização óssea é afetada levando a problemas, como artrite”, explicou a Dra. Jovanir.

Ela destacou que o desdobramento de problemas locomotores resulta em frangos de corte com menor rendimento da carcaça. “Uma ave com a saúde óssea comprometida sente dor ao andar, dificultando inclusive a frequência de idas ao comedouro e ao bebedouro. Logo, ela permanecerá deitada por mais tempo, o que pode causar lesões de pele e dermatites, as quais resultam em condenação da carcaça no abatedouro. Fazer a correta limpeza do ambiente e proporcionar bem-estar são pilares importantes para que os lotes alcancem todo o seu potencial produtivo. E estamos falando também em rentabilidade”, detalhou a especialista.

O Dr. Edgar O. Oviedo-Rondón, professor da Universidade da Carolina do Norte (EUA), também falou sobre a importância da nutrição de matrizes para o desempenho dos lotes. “Estamos vendo a campo e também acompanhando na literatura que os minerais orgânicos ajudam a reverter os efeitos negativos, diminuindo o estresse oxidativo. É importante que os avicultores saibam que a qualidade da carcaça que está produzindo hoje é resultado da matriz que recebeu o correto manejo nutricional. Na produção avícola, o planejamento com antecedência é decisivo para bons e contínuos resultados”, completou.

Além de motivar o debate em torno do conhecimento técnico, a Novus desenvolve soluções acessíveis e de alta tecnologia para atender às necessidades dos avicultores. É o caso do Programa Scale Up, em que a equipe técnica orienta e acompanha o produtor com foco em melhorar a oferta de carne e a qualidade da carcaça a partir da nutrição inteligente e orientada de forma sustentável.

“A contribuição entre pesquisadores, empresas, cooperativas e agroindústrias é essencial para o contínuo avanço da produtividade na avicultura. Com conhecimento e a troca de diferentes experiências, conseguimos identificar os desafios e encontrar, juntos, as soluções para uma avicultura mais produtiva e que cumpre o seu papel de proporcionar alimentos de qualidade para a população. Essa é a ideia do Conexão Novus: conectar profissionais para somar forças e multiplicar conhecimento”, completou Kelen Zavarize, gerente de Serviços Técnicos para Avicultura da Novus.

Fonte: Assessoria Novus
Continue Lendo
AJINOMOTO SUÍNOS – 2024

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.