Conectado com
FACE

Empresas Aleris

Aleris inaugura primeira fábrica no Brasil e tecnologia exclusiva

Unidade fabril recebeu aporte de mais de R$ 2 milhões e será responsável pela produção de uma nova classe de aditivos nutricionais, um marco para a indústria de nutrição animal brasileira

Publicado em

em

A recém-inaugurada planta industrial da Aleris representa um marco na história da companhia especializada em nutrição animal sediada em Jundiaí e que está presente no mercado desde 2012. Uma trajetória de sucesso alicerçada em um produto com mais de 50 anos de mercado e o histórico profissional do fundador, o jovem empresário Daniel Nazarian de Morais que, após muitos anos atuando no mercado de nutrição animal em grandes companhias do segmento desempenhando funções correlatas a sua formação, administração de empresas com habilitação em comércio exterior, viu a oportunidade de iniciar o seu próprio negócio juntamente com um sócio, Dwayne Souza. “Nosso objetivo sempre foi se tornar referência no mercado mundial no fornecimento de soluções naturais em nutrição e saúde animal em todo o mundo e a resiliência é a principal competência da Aleris”, define o executivo.

Atualmente com atuação global, exportando produtos para 29 países, com 30 colaboradores diretos e subsidiárias nos Estados Unidos, México e Portugal, o empresário explica que a Aleris iniciou suas operações com uma proposta de valor sustentada na transparência, versatilidade e o compromisso em oferecer para o mercado tecnologias inovadoras e modernas para a nutrição animal. “Costumo dizer que a Aleris é o resultado das nossas experiências profissionais e sólidas parcerias criadas ao longo dos anos, possibilitando entregar para o mercado produtos alinhados as reais demandas de mercado. Em outras palavras, nos propomos a abrir a caixa preta das leveduras, mercado que ganhou projeção no fim dos anos 90 e começo dos anos 2000, mas com um método comparativo subjetivo atrelado a névoa do marketing e comumente recomendado por muitos como a bala de prata da nutrição. Nossa proposta é outra, transparência, e a consequência desta nossa vontade se traduz na fábrica que produzirá algo novo com um aporte tecnológico exclusivo Aleris e que abrirá as portas para uma nova classe de produto para o mercado de nutrição animal multiespécies”, completa Daniel.

Gerente Técnica da Aleris, Adriana Figueiredo

A fábrica será responsável pela produção da linha de produtos próprios Aleris. Ele destaca que em 2018 com a chegada de duas novas colaboradores para área técnica, as zootecnistas Adriana Figueiredo e Mariana Nascimento, gerente e coordenadora técnica respectivamente, o projeto de formulações próprias e exclusivas ganhou corpo. “Uma iniciativa que contempla o nosso plano inicial com validações científicas iniciadas em 2015 junto a importantes universidades do país, mas que antes do anúncio nossa fabricação era terceirizado”, lembra.

O projeto fabril foi executado em um ano com fornecedores nacionais e têm capacidade para 10 mil toneladas por ano, mas com possibilidade para triplicar a volume. Atualmente a Aleris conta com 16 itens no portfólio. “Este investimento possibilitou a criação de uma nova classe de produto, o MAC (Microbiota Activating Compounds) que será produzido na nossa planta fabril. Ou seja, ele é a combinação sinérgica de compostos capazes de modular de forma benéfica a microbiota intestinal”, detalha Daniel, mas para que essa tecnologia foi possível a Aleris desenvolveu o MAP (Modulation Advanced Program), inteligência artificial que sustenta o MAC e que é responsável pela identificação e correlação dos perfis de microbiota de cada animal com características voltadas para o bem-estar e saudabilidade.

A primeira linha desenvolvida com as tecnologias MAC e MAP é a Provillus. “O segmento pet é o primeiro setor a ter acesso a esta tecnologia inédita no mundo que relaciona o desempenho e saúde intestinal com a microbioma do animal”, revela e aponta que outros segmentos serão beneficiados, entre eles: avicultura, suinocultura, aquacultura e carcinicultura.

Fonte: Ass. de Imprensa
Continue Lendo
2 Comentários

2 Comments

  1. Mario Lucena

    17 de março de 2021 em 16:57

    Meus Parabéns aos Executivos da ALERIS, por acreditarem que há necessidade de uma nova linguagem e inclusive de novas Matrizes Nutricionais no dinâmico Mercado de Produção de Proteína Animal.
    Gostaria de conhecer a linha de Produtos ALERIS para Aves, Suínos e Peixes.

  2. Adrian Escobosa

    25 de março de 2021 em 20:30

    Felicitaciones a Aleris y a su fundador Daniel NAZARIAN de MORAIS. Que ha crecido esta empresa con unos productos de la mejor calidad y ahora sigue innovando con nuevos productos que seguramente sreán un éxito en la optimización de la producción animal.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dez − oito =

Empresas Pecuária responsável:

Aditivo melhora a saúde do rúmen de vacas leiteiras, permitindo maior eficiência na produção e menor perda de energia

Publicado em

em

Foto: Assessoria

O investimento em aditivos que ajudam no processo digestivo das vacas, além de auxiliar na saúde ruminal e longevidade do animal, melhora em especial o desempenho na lactação.

“V-Max, nome comercial da molécula virginiamicina, é uma excelente opção para os produtores de leite que buscam não somente maior produção, mas, sim, melhor qualidade do leite, além de maior longevidade dos animais. Em outros países, a virginiamicina também possui indicação no auxílio da prevenção e no controle da acidose ruminal e de abcessos hepáticos em bovinos”, relata Cleocy Junior, que é zootecnista e gerente de pecuária leiteira da Phibro.”

“A virginiamicina é altamente eficaz contra bactérias associadas ao baixo pH ruminal, melhorando a saúde ruminal das vacas e, consequentemente, ajuda os animais a utilizarem os nutrientes de forma mais eficiente. Além disso, ao melhorar a eficiência do processo fermentativo, há diminuição na produção de metano, o que representa perda de energia e também aumenta a retenção de nitrogênio pelos animais, diminuindo assim, a sua excreção”, detalha Cleocy. “Esses benefícios são favoráveis para uma pecuária mais sustentável, pois contribui com o meio ambiente.”

Além dos benefícios encontrados na eficácia da molécula na produção e saúde ruminal, existem diversos estudos que comprovam a segurança alimentar com a utilização da virginiamicina. O consenso científico é de que a virginiamicina é atóxica, devido à baixa absorção no trato gastrointestinal dos animais. Em adição, a gerente técnica de bovinos da Phibro, Vanessa Carvalho, informa que diversas pesquisas relacionadas à virginiamicina, utilizando diferentes espécies, mostraram a ausência de resíduos acima dos limites máximos estabelecidos por autoridades europeias, australianas e japonesas. “Assim, a molécula produzida exclusivamente pela Phibro possui carência zero para a produção de leite”, complementa.

Ao permitir maior saúde ruminal, maior eficiência de produção e menor perdas de energia e, tudo isso, com segurança alimentar e sem exigir perdas temporárias na produção, o aditivo da Phibro é um aliado importante para o desenvolvimento sustentável – ambiental e econômico – da pecuária leiteira, atividade que produz 35 bilhões de litros de leite por ano, com o movimento de mais de R$ 43 bilhões a partir da produção de 16,3 milhões de vacadas ordenhadas.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas

Planta da Evonik em Castro promove alto nível de sustentabilidade

A aplicação de “Avaliações do Ciclo de Vida” (ACV) objetiva mensurar as práticas sustentáveis desde a estrutura fabril até o produto final

Publicado em

em

Unidade Evonik em Castro / Divulgação.

Uma empresa sustentável tem suas ações e iniciativas pautadas pela ética e pelo respeito ambiental. Justamente dentro dessa proposta nasceu a planta da Evonik para a fabricação de Biolys® na cidade de Castro, Paraná, utilizando a mais avançada tecnologia de biofermentação. Desde 2015, cerca de 100 pessoas trabalham na produção de aproximadamente 60 mil toneladas por ano de Biolys® (Sulfato de L-lisina) na base equivalente de lisina HCl, empenhados em garantir que produtos e serviços sejam fabricados e fornecidos da forma mais sustentável possível e com a garantia de fornecimento ao mercado de produção animal.

Um dos meios utilizados pela Evonik para atingir tal meta foi a aplicação de “Avaliações do Ciclo de Vida” (ACV), que mensura os impactos ambientais de um produto ao longo de toda a sua vida, levando em consideração a extração e o processamento das matérias-primas, as práticas de fabricação, a distribuição, o uso, a reciclagem e, por fim, o descarte.

Utilizada pela empresa no mundo todo, trata-se de uma abordagem implementada a partir de 2003, ano da primeira ACV feita para o MetAMINO® (aminoácido DL-Metionina). Essa análise de sustentabilidade tem sido constantemente aplicada ao crescente número de produtos do portfólio e plantas de produção da Evonik.

 

Sustentabilidade da estrutura ao produto

Os inovadores processos de produção do Biolys® na planta de Castro/PR também passaram por essa avaliação. O enfoque foi a pegada de carbono, que representa o grau de emissões de gases de efeito estufa (GEE). Além disso, a Evonik também analisou todo o ciclo de vida, demonstrando o papel-chave dos aminoácidos como ferramenta para melhorar o desempenho e sustentabilidade das operações de produção animal.

De acordo com Miguel Menezes, gerente da fábrica da Castro, mais de 90% da demanda de energia elétrica da planta serão supridos por fontes renováveis em 2021, principalmente por energia hidrelétrica. Isso corresponde a um potencial de aquecimento global menor do que a matriz padrão da rede elétrica brasileira. O vapor necessário para a produção é totalmente gerado com cavacos de madeira de eucalipto, outra fonte renovável.

A principal matéria-prima necessária ao processo de produção do Biolys® (Sulfato de L-lisina) é o açúcar. Na unidade de Castro, é usada dextrose proveniente do milho, que captura grandes quantidades de CO2 durante o seu crescimento. A planta está localizada em uma região de cultivo de milho e justamente ao lado de um moinho produtor de dextrose, reduzindo assim as emissões com transporte, além de outros benefícios de sustentabilidade acumulados no processo de produção.

A fábric é altamente instrumentada e automatizada, o que favoreceu a utilização de “big data” para a otimização de processos, permitindo a redução no consumo específico das principais utilidades, nos 4 primeiros anos de funcionamento, conforme segue:

Água :  -14% ; Gás Natural: -6 % ; Vapor: – 41 % ; Eletricidade: – 6%

“As otimizações de processo realizadas pelos profissionais altamente preparados da planta de Castro/PR, com o suporte científico de pesquisadores e engenheiros da Alemanha, permitiram a produção e comercialização de um produto mais concentrado a partir de meados de 2020. Com isso, menos diesel é gasto para transportar a mesma quantidade de lisina HCl, além de diminuir a utilização de recursos naturais, por kg de lisina HCl, com embalagens e gás GLP para empilhadeiras”, explica Menezes.

 

Efeito cascata

As melhorias contínuas da produção permitiram à Evonik implementar uma nova formulação de produto: novo Biolys®, agora com 60% L-lisina, sendo um aumento de 10% no teor de lisina sulfato em comparação com a formulação do produto anterior. Tal aprimoramento trouxe benefícios específicos de sustentabilidade.

Segundo Victor Naranjo, Diretor Técnico América Latina, considerando que o processo para produzir o produto alternativo de lisina na forma HCl demanda quantidades significativas de HCl e gera subprodutos, o processo de produção do Biolys® não separa a biomassa (o que agrega valor nutricional ao produto) e não gera nenhum subproduto ou resíduo a ser descartado.

“Com as melhorias tecnológicas introduzidas para a produção do Biolys®, foi obtida uma redução adicional das emissões de CO2 na planta, alcançando o valor atual de 0,23 kg de equivalentes de CO2 por kg de Biolys®. Esse baixo valor também se deve ao fato de que as áreas agrícolas do entorno da fábrica já são utilizadas há mais de 20 anos para a plantação de milho e de outros produtos agrícolas”, finaliza o executivo.

Vale destacar ainda que a adição dos aminoácidos à alimentação animal, combinada com a redução consistente de proteína bruta nos alimentos, é um método extremamente sustentável para garantir uma nutrição animal saudável para uma população mundial em crescimento. Tudo isso nos impõe a necessidade de fazer uso dos recursos naturais existentes com a maior eficiência possível.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas

Difusão de conteúdo técnico e inovação marcam participação da Vetanco no SBSA 2021

Nesta edição, outra novidade apresentada pela Vetanco foi o Happy Hour do Galo, em substituição ao tradicional Jantar do Galo, que não pode ser realizado de forma presencial devido aos protocolos de enfrentamento à pandemia de Covid-19

Publicado em

em

Foto: Divulgação

O Nucleovet/SC – Núcleo Oeste de Médicos Veterinários e Zootecnistas, realizou o 21º Simpósio Brasil Sul de Avicultura (SBSA) e 12ª Brasil Sul Poultry Fair, totalmente on-line. O evento contou com o apoio da Vetanco, assim como acontece desde a primeira edição. Para o Gerente Comercial – Aves Sul da Vetanco, médico-veterinário Mauro Renan Felin, o evento caracterizou-se como inovador. “Mais uma vez, o Nucleovet superou as expectativas de inscrições, já se posicionando como um evento de alto nível e, para 2022, deve ser promovido num modelo híbrido”, destaca.

A Vetanco participou do SBSA com estande virtual, onde disponibilizou conteúdo técnico variado como, por exemplo, a terceira edição do e-Book Micotoxinas: prevalência na América Latina – edição 2020, lançado na última semana de março deste ano. Além disso, profissionais do time Vetanco prestaram auxílio aos visitantes do estande através de chat. “A proposta foi muito bem recebida pelos nossos clientes. Todos os materiais foram disponibilizados para download, com muitos acessos, principalmente o e-Book sobre as micotoxinas. Também apresentamos um vídeo institucional, que teve um retorno muito bacana, deixou uma mensagem bastante positiva”, explica o Gerente Comercial – Aves Norte da Vetanco, médico-veterinário Bruno Milagres.

 

Happy Hour do Galo

Nesta edição, outra novidade apresentada pela Vetanco foi o Happy Hour do Galo, em substituição ao tradicional Jantar do Galo, que não pode ser realizado de forma presencial devido aos protocolos de enfrentamento à pandemia de Covid-19. “Fechamos com chave de ouro o SBSA com o Happy Hour do Galo, uma live que contou com a participação de mais de 400 pessoas”, comemora Felin.

O mesmo sentimento é compartilhado por Milagres, que ressalta a participação massiva dos clientes e feedbacks muito positivos. “Tanto para o SBSA quanto para a live, muitos clientes nos retornaram de forma muito positiva. Acredito que o objetivo foi atingido, pois conseguimos levar conhecimento, entretenimento e juntamos pessoas do Brasil inteiro: do Sudeste, do Nordeste, do Norte, Centro-oeste e do Sul, ouvindo a mesma música, batendo papo pelo chat da live, pelos grupos de WhatsApp, então, acredito que a Vetanco se superou mais uma vez, como sempre fizemos no SBSA”, avalia.

live foi transmitida pelo canal da Vetanco no YouTube a partir da Cave – Casa dos Amigos e Colaboradores da Vetanco. Contou com a apresentação do médico-veterinário Adair Junior Alves, Coordenador de Território – Aves. Busque por Vetanco no YouTube, inscreva-se no canal e receba as atualizações.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
CONBRASUL/ASGAV

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.