Conectado com
OP INSTAGRAM

Notícias Avicultura

A confiança na indústria da carne

O setor se especializou em um tripé que o levou ao topo do mercado global de proteína animal: sanidade, nutrição e genética

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A Associação Comercial e Industrial de Chapecó (ACIC) e a Comissão Central Organizadora da MERCOAGRO (Feira Internacional de Negócios, Processamento e Industrialização da Carne), programada para março de 2021, manifestam publicamente seu apoio e confiança na indústria de processamento de proteína animal de Santa Catarina e do Brasil.

Em mais de seis décadas, a agroindústria brasileira vem desenvolvendo um produto de alta qualidade no mercado mundial. Os pioneiros do agronegócio na produção nacional de aves e suínos são empresas que surgiram em Santa Catarina e se tornaram empresas globais. As cadeias produtivas da avicultura e da suinocultura catarinense situam-se entre as mais avançadas do planeta.

O setor se especializou em um tripé que o levou ao topo do mercado global de proteína animal: sanidade, nutrição e genética. No aspecto sanitário, o Estado foi pioneiro na erradicação da febre aftosa sem vacinação do rebanho em suínos e na eliminação de doenças em aves e detém um monitoramento rigoroso de suas ações junto ao poder público em interação constante para manutenção do status sanitário concedido pela OIE. Quanto à nutrição as agroindústrias desenvolveram rações balanceadas para a alimentação dos animais fazendo com que o aproveitamento energético destes traga um produto nutritivo e saudável. Por fim, o melhoramento genético da cadeia produtiva fez com que o rebanho de suínos e aves seja de excelência, inclusive com a exportação de matrizes.

Além da qualidade dos animais é importante destacar toda a logística envolvida na produção, desde o homem do campo que produz os insumos da alimentação como milho, por exemplo, bem como os criadores de animais no sistema de cooperação e integração.

O parque agroindustrial de carnes mantém, em Santa Catarina, mais de 60.000 empregados diretos, 480.000 postos de trabalho indiretos, produzindo em torno de 3 milhões de aves e 30 mil suínos por dia, respondendo por 34% do PIB catarinense. O setor representa praticamente 70% de toda a exportação do Estado e envia seu produto para mais de 190 países.

O Brasil atualmente é o 1° produtor e exportador de aves em escala mundial e o 4° maior produtor e exportador de suínos, sendo que a carne suína é a proteína animal mais consumida no mundo. Santa Catarina ocupa o topo brasileiro em produção e exportação de carne suína e o 2° lugar na produção e exportação de aves.

Esse sucesso se deve ao esforço conjunto de empregados, que trabalham em um ambiente de extrema segurança para sua saúde, empresas que investem no desenvolvimento de tecnologias para melhoramento de seus processos produtivos e o homem do campo que se profissionalizou, principalmente ao longo destes últimos 20 anos. O mercado consumidor reconhece a produção catarinense como a melhor do mundo.

Essas considerações ganham especial significado quando autoridades chinesas informam que detectaram o novo coronavírus em carga de frango exportada pelo Brasil. Em face da escassez de informações, o Ministério da Agricultura e a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) solicitaram informações mais completas ao GACC (autoridade sanitária oficial da China). Ainda não está claro em que momento houve a contaminação, constatada pelo município de Shenzhen, na China. A contaminação da embalagem pode ter ocorrido no transporte.

Como se sabe, não há evidências científicas de que a carne seja transmissora do vírus, conforme ressalta a Organização Mundial da Saúde (OMS), a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO), a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA).

O setor exportador brasileiro adotou e aprimorou todas as medidas para proteção dos trabalhadores e a garantia da inocuidade dos produtos, ao longo dos últimos meses, desde o início da pandemia global.

Diante disso, causa estranheza a decisão posterior de Hong Kong e Filipinas em suspender a importação de carne de frango do Brasil. No caso das Filipinas, o governo brasileiro acionará a Organização Mundial do Comércio (OMC). Sem ter recebido nenhuma notificação oficial, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) aguarda uma explicação sobre o embargo. A decisão tomada é de cunho protecionista, já que não há confirmação sobre a suposta contaminação em embalagens do produto exportado para a China e que nem os chineses bloquearam as compras até o momento.

Nas duas situações a decisão foi precipitada, já que o caso relatado pela China ainda está sob investigação e não há provas oficiais sobre a contaminação. O governo brasileiro – se a questão com as Filipinas se alongar – poderá apresentar uma Preocupação Comercial Específica (Specific Trade Concern) na próxima reunião do Comitê da OMC sobre Acordo Sanitário e Fitossanitário (SPS).

Em relação a Hong Kong, em razão da confirmação daquele governo de resultado negativo de 40 testes para coronavírus realizados nas amostras de carne de frango congelada, o Brasil aguarda a retomada das exportações nos próximos dias. A província autônoma da China havia suspendido a compra dos produtos de uma unidade industrial catarinense em caráter preventivo. Esse resultado é mais um elemento de que a presença do vírus em uma embalagem apontada pelo governo chinês foi um “achado ocasional”.

A carne de frango é essencial na dieta nutritiva para consumidores em todo o mundo e continua confiável nessa era de pandemia. A segurança do processo produtivo desse alimento é mundialmente reconhecida. De acordo com as instituições nacionais de pesquisa, até agora não foi registrado um único caso de transmissão de COVID-19 através de embalagens alimentares ou do próprio alimento. A detecção de material genético pertencente ao vírus COVID-19 não é um índice de infectividade da embalagem ou produto amostrado, mas apenas que a superfície testada entrou em contato com material viral que pode não estar vivo, viável e infeccioso. Fragmentos inativos do vírus podem permanecer nas superfícies, mas esses fragmentos inativos não podem transmitir COVID-19 e a maioria dos testes não consegue diferenciar entre fragmentos de vírus inativos não infecciosos e vírus viáveis. Portanto, é necessário cautela na interpretação dos resultados do teste.

O atual consenso científico da OMS, FAO, OIE, Codex e OMC em relação ao COVID-19 estabelece que essa doença não se constitui em um problema de segurança dos alimentos, mas sim uma doença respiratória e sua principal via de transmissão é pessoa a pessoa por meio de gotículas respiratórias. O vírus não se multiplica em alimentos e não afeta as aves.

Não há evidências de que o vírus COVID-19 possa ser transmitido por alimentos ou carnes, frescas ou congeladas. No entanto, a indústria de alimentos continua a praticar procedimentos rigorosos de segurança do alimento. Os procedimentos HACCP (Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle) que estão em vigor globalmente são uma abordagem preventiva sistemática para os riscos biológicos de segurança alimentar, incluindo o vírus COVID-19.

É notório que a indústria brasileira de processamento de carne está totalmente comprometida em garantir o mais alto nível de segurança em cada etapa do processo produtivo, do campo ao consumidor, ao mesmo tempo em que garante a segurança de seus trabalhadores e o fornecimento contínuo aos consumidores de proteínas de alta qualidade em todo o mundo.

Todos as indagações que surgiram durante a pandemia e os temas que dominaram a preocupação das autoridades sanitárias estarão em debate na vasta programação científica que acompanhará a 13ª edição da MERCOAGRO, incluindo o 13º Seminário Internacional de Industrialização da Carne, o Salão de Inovação, a Clínica Tecnológica, o Laboratório Experimental, o Painel de Oportunidades, as Sessões de Negócios e o Mercoshow.

Em março de 2021 o universo mundial da carne estará reunido em Chapecó.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis − 15 =

Notícias

Nova planta de proteína de soro de leite de Marechal Cândido Rondon é a maior da América Latina

A planta é destinada à produção de permeado non caking, um tipo de proteína extraída do soro de leite que é utilizado como insumo para a indústria de alimentos

Publicado em

em

Fotos Gilson Abreu/AEN

A Sooro Renner, líder nacional na produção de proteínas derivadas do soro de leite, inaugurou nesta quarta-feira (22) uma nova planta industrial em Marechal Cândido Rondon, no Oeste paranaense. O governador Carlos Massa Ratinho Junior participou do evento de lançamento do espaço, que teve investimentos privados na ordem de R$ 120 milhões para sua construção.

A planta é destinada à produção de permeado non caking, um tipo de proteína extraída do soro de leite que é utilizado como insumo para a indústria de alimentos. O novo espaço tem mais de oito mil metros quadrados de área, aumentando a capacidade de produção e estoque da empresa em mais de 100 toneladas por dia, chegando a 220 toneladas por dia. Com isso, a fábrica se solidifica como a maior planta em capacidade de produção para o permeado non caking na América Latina.

“O grande projeto social de um governo é a geração de empregos, dando uma oportunidade para a pessoa tocar sua vida, sustentar seus filhos e construir seu patrimônio. E o que o Paraná faz de melhor é produzir alimentos. Agora, queremos fazer com que esse alimento seja industrializado. Nessa nova fábrica é processada a proteína do leite – que é industrializar o produto. Isso gera emprego, renda, imposto e faz circular o dinheiro no nosso comércio”, afirmou o governador.

Com a nova planta, foram gerados 30 empregos diretos e 150 indiretos. No total, a Sooro Renner tem cerca de 350 colaboradores no Paraná.

 

SORO DE LEITE – A empresa foi criada em Marechal Cândido Rondon há 20 anos de forma pioneira no tratamento do soro de leite – um subproduto da fabricação de queijos que, no passado, era majoritariamente descartado. O permeado de soro é um dos derivados. Rico em lactose, é muito usado em achocolatados, sorvetes, na alimentação animal e outros alimentos. Já a característica de non caking garante que o produto não empedre quando entra em contato com umidade, agregando valor à indústria.

O secretário estadual de Agricultura e Abastecimento, Norberto Ortigara, destacou que o leite é um produto nobre e que, no Paraná, dezenas de milhares de pequenos produtores se dedicam a ele. “Normalmente as pessoas pensam no leite pronto para tomar, mas é um produto que permite inúmeros derivados. Mesmo após a extração da parte principal, que vira queijo e iogurte, sobra o soro. Essa empresa é especializada em recolher o soro, que é essencialmente água, gerando suplementos para enriquecer outros produtos”, explicou o secretário.

“Esse investimento ajuda o Paraná a alçar nossa cadeia leiteira a mais um ramo vencedor da agropecuária”, acrescentou.

O diretor-presidente da Sooro Renner, William da Silva, reforçou que, no início da empresa, o produto era descartado, apesar de altamente valioso. Ele destacou que o grupo recebe, hoje, cerca de 3,5 milhões de litros de soro por dia vindo da indústria de laticínios. Essa quantidade gera de R$ 16 milhões a R$ 18 milhões em receita por mês.

“Transformamos o soro em novos produtos por meio de um processo que não é simplesmente uma secagem: abrimos o soro de leite por meio de tecnologias de membranas e geramos produtos ricos em lactose, em proteína, entre outros. E, com a nova fábrica, passamos a ser o maior da América do Sul, decorrente desse longo processo de investimentos na área”, ressaltou o diretor-presidente.

 

NOVA PLANTA – Para a produção do permeado non caking, o empreendimento foi equipado com evaporadores, cristalizadores, spray dryer, sistema robótico de envase e paletização e docas de carregamentos para dar escoamento aos novos volumes de produção.

Outros R$ 25 milhões também foram investidos na modernização da torre de secagem, na instalação de um novo sistema de membranas de ultrafiltração em um novo evaporador. A empresa ainda aporta R$ 12 milhões na instalação de uma terceira caldeira, que vai ampliar a capacidade de produção dos subprodutos a vapor.

SUSTENTABILIDADE – Junto da instalação das novas plantas, a Sooro Renner também mantém um plano de mitigação de riscos ambientais para a região. Atualmente, mais de R$ 15 milhões estão sendo investidos em uma nova estação de tratamento de efluentes e sistemas de polimento de água extraída do próprio soro, etapa que faz parte do processo da produção. O sistema vai ampliar a capacidade de reutilização de água da planta de Marechal Cândido Rondon de 40% para 85%.

O prefeito do município, Marcio Rauber, ressaltou a importância do projeto de sustentabilidade, especialmente durante a crise hídrica vivida pelo Estado. “Atualmente, essa empresa se propõe a buscar água a 35 quilômetros daqui para que as caldeiras não parem de funcionar. Esta empresa tem um belo projeto responsável de captação de água, que vai auxiliar a manter as reservas do município”, destacou Rauber.

 

Governador Carlos Massa Ratinho Junior participou da inauguração da Nova planta de proteína de soro de leite inaugurada em Marechal Cândido Rondon é a maior da América Latina
prefeito de Marechal Cândido Rondon, Marcio Rauber
diretor-presidente da Sooro Renner, William da Silva
Foto Gilson Abreu/AEN

PRESENÇAS – Compareceram ao evento os secretários estaduais da Administração e da Previdência, Marcel Micheletto; de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex; e do Desenvolvimento Urbano e de Obras Públicas, João Carlos Ortega; o diretor-geral do DER/PR, Fernando Furiatti; Éder Eduardo Bublitz, diretor-presidente da Ceasa Paraná; os deputados estaduais Hussein Bakri (líder do governo na Assembleia Legislativa), Élio Rush e Ademir Bier; e outras autoridades regionais.

Fonte: AEN
Continue Lendo

Notícias Medida Provisória

Governo suspende PIS/Cofins na importação de milho para desonerar custo do grão no mercado interno

Com isso, os custos dos criadores de animais devem ter redução. A medida vale até 31 de dezembro deste ano

Publicado em

em

Divulgação

O Governo Federal suspendeu a cobrança de PIS e Cofins na importação de milho até 31 de dezembro deste ano. O objetivo é desonerar o custo de aquisição externa com foco no aumento da oferta interna buscando reduzir a pressão de preços e os custos dos criadores de animais, já que o grão é importante insumo na alimentação de bovinos, suínos e aves.

A medida consta na Medida Provisória Nº 1.071, publicada nesta quinta-feira (23) e foi proposta pela ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento), em razão da quebra na produção de milho por causa da seca, e do cenário de aperto no abastecimento, o que provocou alta no preço do milho para os criadores de animais.

Segundo a MP, ficam reduzidas a zero, até 31 de dezembro de 2021, as alíquotas de contribuição incidentes na importação do milho. A Medida Provisória entra em vigor no quinto dia útil após a data de sua publicação.

A suspensão permitirá a compra de milho de outros mercados fora do Mercosul de maneira competitiva, melhorando o abastecimento interno e evitando reajuste nos preços das carnes para o consumidor. A expectativa é que a retirada da cobrança da tarifa represente redução de 9,25% no custo de importação ou R$ 9 por saca.

De acordo com o levantamento mais recente da Conab (setembro), a produção nacional de milho safra 2020/2021 deve chegar a 85,7 milhões de toneladas, uma redução de 16,4% em comparação ao ciclo anterior (102,5 milhões de toneladas), impactada por problemas climáticos.

Outra medida tomada, recentemente, pela Câmara de Comércio Exterior (Camex), foi a retirada do imposto de importação (8%), a Tarifa Externa Comum (TEC), do milho até o fim deste ano, e a facilitação para as compras de milho geneticamente modificado cultivado nos Estados Unidos. Ambas normativas foram propostas pelo Ministério da Agricultura.

Milho balcão

O Governo Federal também autorizou leilões públicos de compra ou de remoção de estoque de milho realizados pela Conab de forma a garantir a regularidade do abastecimento do cereal, beneficiando pequenos criadores de animais, inclusive aquicultores.

A previsão é adquirir até 110 mil toneladas para atender o Programa de Venda em Balcão (ProVB) até o final do ano. Os leilões deverão ter início este mês.

Com a publicação da Medida Provisória 1.064, em 17 de agosto deste ano, foi definida a compra, anual, de até 200 mil toneladas de milho, em condições de mercado, para atendimento ao Programa, por meio da Política de Formação de Estoques Públicos. O anúncio foi feito pelo presidente Jair Bolsonaro e pela ministra Tereza Cristina.

Fonte: Mapa
Continue Lendo

Notícias Avicultura

Sanidade, epidemiologia e manejo encerram debates do Simpósio da ACAV

Três especialistas debateram, no painel da última tarde do evento, sobre o manejo de ovos, contaminação e os impactos na cadeia produtiva

Publicado em

em

Três especialistas do setor discutiram a qualidade e contaminação dos ovos no último painel do simpósio.(Fotos: Divulgação)

A avicultura brasileira avança em direção a uma produção cada vez mais tecnificada e atenta aos mais exigentes mercados. Com foco na qualificação dos profissionais do setor,  o Simpósio de Qualificação Técnica ACAV (Associação Catarinense de Avicultura) encerrou nesta quarta-feira (22) com palestras voltadas à qualidade de ovos, epidemiologia e prevenção de doenças.

Três especialistas debateram, no painel da última tarde do evento, sobre o manejo de ovos, contaminação e os impactos na cadeia produtiva. O médico veterinário Tiago Gurski destacou aspectos genéticos, sanidade, nutrição e os cuidados com a coleta, armazenamento e classificação dos ovos. “É primordial ter um bom programa de vacinação e de biosseguridade aplicada. Prevenir é sempre mais barato, especialmente quando falamos em reprodução. O desafio constante é manter as equipes treinadas e garantir o cumprimento correto dos protocolos.”

Uma nutrição bem balanceada também é componente-chave quando o assunto é qualidade dos ovos e dos pintinhos. “Aditivos ajudam muito na qualidade intestinal, que está diretamente relacionada aos resultados que obtemos com os ovos e pintinhos.” O especialista chamou a atenção para a coleta de ovos, momento que requer higienização correta dos colaboradores, classificação e o acondicionamento em bandejas limpas e secas. Para reduzir o tempo de permanência dos ovos em ambiente contaminado, ele ainda recomendou que a frequência das coletas não passe de uma hora.

Os ninhos e qualidade da cama também merecem uma dedicação extra. “É preciso ter cuidados com a limpeza, reposição da maravalha, revisão dos ninhos furados e fechar esses ninhos durante à noite, por exemplo. A cama é muito importante, pois uma cama úmida suja o ninho e, assim, aumenta os riscos de contaminação”.

O técnico em agropecuária Evair Basso pautou as etapas do processo incubatório, boas práticas de proteção e seus efeitos na qualidade dos ovos. O profissional destacou que os principais objetivos da incubação são produzir o maior número de pintinhos possível, com qualidade e menor custo, dentro de um sistema equilibrado, que envolva saúde, segurança e sustentabilidade. “Precisamos garantir qualidade em todos os processos de incubação para chegar ao nosso objetivo final na cadeia de produção”.

Basso citou pontos críticos no transporte de ovos, nas salas e incubadoras, no processo de vacinação e nos nascedouros. “No transporte, cabe ao incubatório o treinamento do motorista, é necessário ter veículo e baú em bom estado de conservação, um sistema de monitoramento, evitar trincas e condensações. Na higienização é importante retirar os ovos contaminados, ter um bom programa de desinfecção das incubadoras, manutenção periódica e contar com uma incubadora reserva. Já nos nascedouros o ideal é monitorar as temperaturas, fazer a desinfecção contínua e monitorar as janelas de nascimentos”, afirmou.

No encerramento da sua fala, ele destacou que para potencializar as boas práticas de proteção “é preciso garantir a qualidade da matéria-prima, o atendimento dos padrões em cada etapa do processo de incubação, gerenciar os indicadores meio, como coleta de dados, lançamentos e análises de ações, além de fortalecer a relação entre cliente e fornecedor com tratativas das não conformidades de forma efetiva”.

Sobre o frango de corte, o médico veterinário Carlos de Oliveira  abordou fatores que afetam o sistema imunológico das aves, como alimentação correta, trato intestinal, anticorpos naturais e estresse. “Dentro do sistema imune temos o estresse, que pode causar grandes danos. Uma ave que está em estresse, faz com que o desempenho do frango de corte seja menor. O trato intestinal também merece atenção, por ser fundamental para o sistema imune. Uma boa composição da dieta vai garantir integralidade do sistema imunológico intestinal e melhor conversão alimentar”, ressaltou.

Oliveira sugeriu o uso de ferramentas como a manipulação de probióticos, prebióticos, simbióticos, fito bióticos e vacinas. “Se a gente quer garantir a saúde ao frango de corte, podemos adotar essas tecnologias como recurso para um bom manejo”.

 

EPIDEMIOLOGIA

Médica veterinária Joice Leão abordou epidemiologia no Brasil e perspectivas

O debate sobre epidemiologia no Brasil e perspectivas ficou por conta da médica veterinária Joice Leão. “Sabemos que as enfermidades de aves estão relacionadas entre elas, por isso é muito importante que todos os setores da cadeia avícola estejam unidos para solucionar os problemas”.

A especialista em sanidade avícola destacou as doenças multifatoriais, imunossupressão,  enfermidades bacterianas e virais e outras, além da importância de fazer um bom diagnóstico. Ainda ressaltou sua preocupação com a influenza aviária e a Doença de Newcastle, reforçando que o setor deve sempre estar atento a essas patologias.

“Todas as enfermidades são importantes, algumas impactam mais determinadas empresas ou regiões, ou seja, é uma questão muito dinâmica. Algo que eu acho extremamente necessário é que nossos sanitaristas não só façam monitoria, mas também avaliem os dados. Os casos clínicos são cíclicos-sazonais e quanto mais alta concentração de aves, maior o desafio. É  fundamental o investimento em mão de obra, preparar os colaboradores do campo e do setor técnico. Nos próximos anos os desafios serão inúmeros, mas a avicultura brasileira é forte e vamos vencer todas as batalhas”, concluiu.

 

DOENÇAS ENDÊMICAS

Palestra de encerramento, com o médico veterinário Luiz Della Volpe, discutiu doenças endêmicas.

Para encerrar a programação do Simpósio, o médico veterinário Luiz Della Volpe discutiu o manejo adequado para a prevenção de doenças em áreas endêmicas. O especialista conceituou o que é uma doença endêmica, resumindo as principais ocorrências na avicultura, medidas de controle, a importância da investigação dos sintomas e o monitoramento das medidas empregadas e a tomada de decisão rápida e correta diante da constatação de anormalidades.

O palestrante listou seis itens que julga como primordial nas estratégias de manejo para a prevenção de doenças: biosseguridade; vacinação; higiene e desinfecção; incubatório; diagnóstico; e monitorias.

Para Della Volpe, outro fator essencial na tarefa de prevenção às doenças endêmicas é uma comunicação mais efetiva entre propriedades, empresas e governo. “Eu tenho que saber o que acontece na propriedade vizinha. Trocar informações é a melhor maneira de conter quadros de doenças endêmicas. Por fim, acreditem nas evidências que vocês têm nas mãos e estejam seguros das medidas adotadas para cada uma delas”, reforçou.

 

 

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
CONBRASUL/ASGAV

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.