Conectado com

Empresas Avicultura

Variante brasileira do vírus de Gumboro, cepa G15 afeta desempenho zootécnico de aves e impacta produção

A Doença de Gumboro é uma das principais causas de problemas imunológicos em aves

Publicado em

em

Foto>: O Presente Rural

Recorrente e difícil de controlar, a Doença de Gumboro é uma das principais causas de problemas imunológicos em aves, sendo responsável por importantes prejuízos para a cadeia da produção de frangos e de ovos. Esse cenário tem se agravado com a identificação de lotes testados positivos para a cepa G15, variante brasileira do vírus causador da doença.

“Não é muito difícil encontrar lotes de animais infectados pela variante brasileira, que é bastante conhecida por causar quadros de imunossupressão e doença subclínica. Essa variante consegue se manter por longos períodos na cama do aviário, muitas vezes resistindo ao tratamento do ambiente e passando de um lote para o outro”, informa Eva Hunka, gerente de negócios biológicos da Phibro Saúde Animal.

De acordo com Eva Hunka, que é mestre em medicina veterinária preventiva pela Universidade Estadual Paulista (Unesp), a cepa brasileira tem alto poder para colonizar a Bursa de Fabricius e se aproveita do período de janela imunológica para infectar os lotes. A Bursa é um importante órgão linfoide primário das aves e sua infecção compromete a produção de anticorpos nos animais.

“Por vezes, não se dá atenção necessária ao problema, tendo em vista que a variante G15 – uma cepa de campo – não causa doença clínica e promove depleção linfoide muito parecida com a de algumas cepas vacinais. Contudo, a depleção – que é uma perda elementos fundamentais – causada pelas cepas de campo, diferentemente das causadas pelas cepas vacinais, não tem regeneração”, explica a especialista da Phibro.

A médica veterinária alerta que o quadro de imunossupressão causado pelas vacinas é transitório, enquanto com a G15 passa a ser permanente, o que acaba consumindo recursos energéticos que seriam convertidos em desempenho nas aves. “Estudos já apontaram a inferioridade de resultados zootécnicos em lotes com a cepa brasileira em comparação a não infectados”, destaca Eva Hunka.

Um desses estudos foi conduzido por José Emílio Dias, assistente técnico da Phibro e mestre em produção sustentável e sanidade de aves e suínos pelo Instituto Federal Catarinense (IFC), e outros seis pesquisadores – entre eles Eva Hunka. O trabalho aborda como as cepas vacinais de vírus vivo são importantes para conter a variante brasileira do vírus causador da Doença de Gumboro.

 

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 − sete =

Empresas Durante o 14º SBSS

Lançamento da MSD no mercado de suinocultura auxilia a manutenção da sanidade animal na maternidade

Com a maior concentração de Toltrazuril entre todas as soluções atualmente disponíveis no mercado, novidade que combate a coccidiose é apresentada no 14º SBSS.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/MSD

Na suinocultura moderna, quadros de diarreia na maternidade associados à piora na conversão alimentar estão entre as principais consequências da coccidiose, doença parasitária presente em mais de 80% das granjas brasileiras e que acomete suínos, sobretudo nos primeiros dias de vida. De difícil eliminação, por ser um agente altamente resistente ao ambiente, seu controle está diretamente ligado a um rígido manejo de limpeza, melhoria da biosseguridade e medidas profiláticas e terapêuticas.

Após a entrada da doença na granja, é praticamente impossível sua erradicação, por isso é necessário investir em soluções que unem ciência e tecnologia, reforçando o programa sanitário. “A saúde intestinal na maternidade é uma das premissas mais importantes para um bom desempenho dos suínos nas fases seguintes do sistema de produção. Dessa forma, além da adoção de medidas como vazio sanitário e higienização adequada das instalações, é preciso associar a uma medicação eficaz”, diz a médica-veterinária Amanda Daniel, coordenadora de território de Suinocultura da MSD Saúde Animal.

Com olhar atento às necessidades dos produtores e à inovação, a companhia apresenta no 14º Simpósio Brasil Sul de Suinocultura (SBSS) uma solução que atualiza o mercado quando o assunto é prevenção de coccidiose em suínos. O Powerzuril® tem uma maior concentração do agente quimioterápico toltrazuril quando comparado com as demais soluções atualmente disponíveis no mercado, garantindo proteção por toda a fase de maternidade, tanto de forma preventiva quanto terapêutica, e chega para auxiliar o produtor na conquista de mais lucratividade.

Nos estudos de avaliação, o produto permitiu uma melhor condição intestinal dos animais, resultando em maior ganho de peso corporal – chegando a 0,959kg a mais ao final do estudo. “A coccidiose pode ser responsável por até 20% de perda no ganho de peso, e a solução que trazemos agora ao setor é efetiva no tratamento e na manutenção da saúde dos animais, minimizando as consequências sanitárias e econômicas”, afirma Renata Laudisio, gerente de marketing de Suinocultura da MSD Saúde Animal.

Fonte: Ascom
Continue Lendo

Empresas

Cobb-Vantress aborda importância da temperatura para ovos férteis e impactos na qualidade do pintinho

Especialista da Cobb, Guilherme Seelent, apresentou manejo no armazenamento e transportes de ovos para melhor desempenho durante SIAVS 2022.

Publicado em

em

Para o médico-veterinário, gerente Sênior e especialista em Incubação da Cobb-Vantress, Guilherme Seelent, os cuidados no transporte dos ovos são fundamentais para evitar perdas e atingir melhores resultados de eclosão - Fotos: Divulgação/Cobb-Vantress

O manejo de ovos férteis tem impacto direto na qualidade de pintos de um dia, por isso os cuidados em seu armazenamento devem começar desde o momento da postura dos ovos e vão até o transporte, uma parte importante do processo e que precisa ser controlado”, disse o médico veterinário e gerente Sênior e especialista em Incubação da Cobb-Vantress, Guilherme Seelent, na última quarta-feira (10), durante sua palestra “Pontos-chave no armazenamento e transporte de ovos incubáveis da granja ao incubatório”, que aconteceu no SIAVS 2022, em São Paulo. “A qualidade dos pintos de um dia começa com a qualidade dos ovos incubáveis e seu manejo, já que eles estão tão vivos quanto os pintos de um dia”, destacou o especialista.

Especialista da Cobb, Guilherme Seelent, apresentou manejo no armazenamento e transportes de ovos para melhor desempenho durante o Siavs 2022

Neste processo, ele destaca o controle de temperatura entre os fatores mais importantes para atingir melhores resultados. “Se o embrião for submetido a uma temperatura abaixo do ponto chamado zero fisiológico, conhecido como a temperatura mínima para se desenvolver, e que é de 23,9°C, a sua taxa de desenvolvimento é reduzida”, salientou Seelent lembrando que a temperatura de armazenamento na granja depende do tempo em que os ovos permanecem na granja. “Se os ovos são transportados diariamente para o incubatório, uma temperatura adequada seria entre 24 e 25°C, mas se ovos ficam na granja por dois ou três dias, a temperatura ideal cai para 21 e 22°C. Já no transporte, é importante que a temperatura esteja entre 1 e 2 graus abaixo daquela na sala de ovos da granja”.

Transporte

Os cuidados no transporte dos ovos são fundamentais para evitar perdas e atingir melhores resultados de eclosão, defendeu o executivo. “Dessa forma, o transporte dos ovos da granja para o incubatório deve ser feito de preferência nos horários mais frescos do dia através de um caminhão baú́ climatizado, limpo e desinfetado. Aqui vale ressaltar que o caminhão deve ter capacidade de aquecimento e refrigeração para manter a temperatura adequada em todo o período o ano”.

Durante a apresentação, Seelent também alerta para a vibração que passam os ovos durante o transporte e seus impactos na qualidade. “A vibração do transporte pode afetar a qualidade interna e favorecer a ocorrência de trincas e micro trincas. Por isso, os motoristas devem estar treinados para os cuidados que devem ser tomados com a carga e com o veículo para manter a integridade e qualidade dos ovos”, encerrou.

Fonte: Ascom Cobb-Vantress
Continue Lendo

Empresas

Alltech leva biotecnologias à Agroleite

A empresa apresentará soluções que aumentam a produtividade e imunidade de vacas leiteiras com segurança e saúde

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Alltech

Mesmo sendo um dos maiores produtores de leite do mundo, contabilizando, segundo a Embrapa, quase 35 bilhões de litros por ano, o Brasil ainda enfrenta alguns desafios, como qualidade e custos de produção.  Pensando nisso, a Alltech apresentará durante a Agroleite, que acontece entre os dias 16 e 22 de agosto, em Castro (PR), duas soluções tecnológicas que potencializam o aproveitamento alimentar de bovinos e proporcionam mais segurança aos animais, aumentando a rentabilidade e a produtividade do setor.

Sendo a eficiência alimentar um fator capaz de reduzir custos e equilibrar o desempenho do rebanho, o Milk Sacc + é um dos destaques da empresa líder em nutrição animal. O blend de aditivos naturais, à base de leveduras, auxilia no melhor desempenho metabólico de vacas leiteiras e ameniza estresses ambientais.

De acordo com o gerente de vendas para ruminantes da Alltech, Thomer Durman, a estratégia nutricional otimiza a digestibilidade dos alimentos ingeridos. “Por meio do Milk Sacc +, equilibramos a microbiota ruminal e intestinal, favorecendo a absorção de vitaminas e minerais. Também permitimos um maior consumo de matéria seca e aumentamos a produção de leite e a quantidade de sólidos presentes na bebida”. O aditivo ainda colabora para o fortalecimento da imunidade e da resistência às micotoxinas, resultando em um rebanho mais saudável e produtivo. “Isso tudo com a segurança de eficácia na recomendação de doses com uma grande avaliação na USP e publicação na Journal of Dairy Science em 2021, mostrando eficácia até em condições de estresse térmico”, afirma o especialista.

A segunda solução a ser apresentada no evento é um potente adsorvente de micotoxinas de amplo espectro, desenvolvido para proteger o desempenho, a imunidade e a saúde intestinal dos animais. “As micotoxinas são substâncias que afetam índices zootécnicos, como ganho de peso, consumo e eficiência alimentar, reprodução e saúde. Com o Mycosorb A+, tecnologia elaborada a partir de leveduras e carboidratos funcionais, evitamos contaminação do rebanho, danos à produção, reprodução e sanidade”, afirma Durman.

Fonte: Ascom
Continue Lendo
PORK 2022

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.