Conectado com
OP INSTAGRAM

Empresas Avicultura

Uma revisão aprofundada sobre casos exitosos de controle e prevenção da Laringotraqueíte Infecciosa

Granjas avícolas livres e controladas da LTI deram o tom e conduziram as apresentações do painel virtual sanidade realizado pela Unidade de Negócios Aves da CEVA Saúde Animal

Publicado em

em

Fotos: Divulgação

Quando o assunto é sanidade na avicultura é de suma importância ter em mente a relação impacto sanitário e produtividade. Esta avaliação do Diretor Geral da Ceva Brasil, Giankleber Diniz, profissional com 33 anos de experiência dentro da indústria de saúde animal, se deu logo após suas boas-vindas durante a abertura dos trabalhos para os participantes no Painel Ceva de Sanidade, um evento on-line realizado em 26 de maio. “Um dos grandes impactos dentro do segmento de produção de ovos mundial e de carne de frango em diversos países se deu em torno da Laringotraqueíte”, iniciou Giankleber e alertou os presentes sobre o quanto representa o custo da sanidade na produção avícola no Brasil.

De acordo com o líder da Ceva Brasil, o desembolso relacionado à sanidade da produção é um dos menores dentro dos investimentos totais da produção. Em abril por exemplo, o custo Embrapa de produção de carne de frango foi de 0,16%. Adicionalmente, o trabalho do Laboratório de Análises Socioeconômicas de Ciência Animal (LAE) da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ/USP) elaborado por Fabíola Schwartz e Augusto Gamero sobre diferentes tipos de produção apontou que o custo geral em se manter a sanidade na avicultura vária entre 0,4 e 1%. “Por isso devemos ter muito cuidado com a escolha dos insumos que estão contidos dentro dos 0,4%”, defendeu e pegando carona em um ditado indiano disse: “muitas vezes cuidamos muito dos mosquitos, mas estamos engolindo elefantes.”

Assim, quando voltamos os olhos para o centro da discussão do Painel Sanidade Ceva, a LTI no Brasil, Giankleber deixou a pergunta: “quanto custa a prevenção desta doença?”. Segundo ele, o Brasil possui condições relativamente privilegiadas, pois a LTI não abrange 100% da produção nacional, com maior presença no segmento de aves de postura. “Se considerarmos o impacto econômico da LTI pelas experiências Ceva em regiões como os estados de São Paulo, Minas Gerais e Santa Catarina por exemplo, podemos dizer que o custo médio da intervenção de um surto da enfermidade sempre será muito maior que qualquer impacto do aparecimento da doença”, alertou e foi taxativo: “Pior ainda é ter que conviver com a doença e as pressões do surto dentro de uma granja por muitos anos”, concluiu.

As apresentações ficaram à cargo dos Gerentes de Marketing Aves Ciclo Longo e Curto, Felipe Pelicioni e Tharley Carvalho, respectivamente, responsáveis pela coordenação do evento, interação com o público virtual e os palestrantes que trouxeram nesse dia experiências exitosas do Brasil, América Latina e Estados Unidos. “O nosso Diretor Geral foi muito feliz ao contextualizar a visão do quão é importante a gestão da sanidade como uma ferramenta de eficiência produtiva”, discorreu Felipe.

Na sequência foi a vez do Diretor de Serviços Veterinários da América Latina da Ceva, Dr. Luiz Sesti, abordando pontos importantes dos riscos e impactos que a LTI pode causar na produção avícola. “Tive como missão trazer uma visão geral de um tema extremamente extenso”, abriu.

De acordo com ele, atualmente, a LTI está presente em quase toda a América Latina com surtos clínicos eventuais de maneira repetitiva, sendo que três países – Venezuela, Bolívia e Uruguai – há mais de 20 anos não apresentam surto clínico de LTI e somente um grupo pequeno ainda não há formações epidemiológicas comprovadas. “Ela está presente em quase a totalidade da América Latina”, informou.

A LTI tem como agente etiológico Gallid Herpevirus 1, vírus que, ao infectar o indivíduo, permanece por toda a vida no organismo infectado. “Um vírus que é muito facilmente transmitido e disseminado por meio de secreções respiratórias e vias indiretas. Os surtos são propagados entre quatro e cinco semanas de idade das aves, seu período de incubação ocorre de seis a doze dias, logo após os sinais clínicos se dão pela excreção viral extremamente ativa iniciando quatro dias antes dos sintomas clínicos”, apresentou Luiz Sesti e salientou que o vírus é reativado em aves portadoras e, em tempos em tempos, excretado novamente no ambiente. “Esse é o grande problema, a perenização do vírus no ambiente”, alinhou.

E por fim falou sobre a importância de práticas de manejo e de biosseguridade como ferramentas de gestão capazes atenuar a problemática, mas foi enfático ao apontar o melhor caminho: “na minha concepção a vacinação é uma importante ferramenta dentro da cadeia de proteção do sistema produção”, concluiu.

Quem deu as honras na apresentação de outros países foi o Dr. Marshall Putnam (Ceva Estados Unidos) trazendo conceitos de prevenção, controle da enfermidade e sua experiência de mais de 30 anos no setor.

Durante sua apresentação, Marshall destacou a importância das vacinas recombinantes pela ausência de transmissibilidade ave a ave, por serem espécie específica – sem poder de replicação em espécie não alvo – e, principalmente, por não reverterem virulência. “Estudo realizado em aves comerciais em 2019 mostrou que a vacina HVT recombinante e a recombinante para Bouba Aviária são caracterizadas pela ausência de transmissão em aves”, pontuou e finalizou: “Precisamos pensar na segurança quando se está lidando com um herpevirus ativo que pode infectar as aves de forma permanente. É de grande importância a monitoria da circulação viral para quadros subclínicos por meio de teste de alta especificidade, monitoria dos lotes no abate e durante a postura, mas caso a granja tenha siso identificada com a doença clínica significa que esta granja está atrasada.”

Outro a se apresentar foi o Dr. Horácio Gamero (Granja Tres Arroyos/Argentina) com a abordagem “Prevenção e controle da Laringotraqueíte em frangos” compartilhando um pouco dos seus 18 anos de experiência com a patologia na Argentina.

O profissional destacou os sinais clínicos e lesões tais como: conjuntivites, retração laterais dentro dos aviários das aves em busca do ingresso do ar, raspagem da região do olho, atenção as penas, dificuldades ao respirar e secreções. Também apresentou lesões das traqueias, placas de membrana corioalantóide, entre outros. “A solução mais exitosa para se controlar o problema é por meio da biossegurança, biossegurança e biossegurança. E em caso de LTI gerar o alerta”, salientou e encerrou fazendo uma reflexão ao uso de vacinas: “Opte por vacinas modernas, tais como a Vectormune FP LT e Vectormune LT.”

Por fim Dr. Jorge Chacon (Ceva Brasil) fez sua apresentação abordando a experiência da multinacional junto à LTI no Brasil. “Aqui presenciamos a LTI especialmente em postura comercial com os primeiros surtos epidêmicos iniciados em 2003 nos grandes bolsões de postura”, lembrou.

Ele iniciou apresentando casos de LTI. “Em um aviário com 100 mil galinhas o impacto econômico foi de 18% na fase de produção incluindo as despesas com o custo da criação da ave que acaba morrendo pela doença, ovos que deixaram de ser produzidos, medicação e processo de desinfecção para eliminação da carga viral. Um impacto milionário que o setor precisa se atentar”, salientou.

No caso de matrizes pesadas, dados de um aviário com 50 mil aves de um país vizinho ao Brasil, o impacto foi de 20% em mortalidade, 18% pela queda de produção de pintinhos durante o surto, três semanas de desinfecção e sete dias de terapia com antibiótico. “Para um lote 50 mil galinhas o impacto foi de quase R$ 2 bilhões”, apontou Jorge e concluiu: “As vacinas vetorizadas é um meio preventivo e que tem sido uma excelente opção das granjas que sofreram com o surto e muitas que visam se proteger devido a sua segurança e eficácia”, finalizou.

“Oferecemos uma cesta de produtos e serviços em prol do bem mais precioso da avicultura: a sanidade. Não poderia deixar de destacar nossas vacinas para a prevenção e controle da LTI, a Vectormune FP LT e a Vectormune LT, bem como o programa global GPS Ceva, o qual integra a parte microbiológica, laboratorial e dados econômicos em uma ferramenta única para auxiliar os profissionais da indústria avícola para as melhores tomadas de decisões”, concluiu Tharley Carvalho.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × três =

Empresas Agrozootec

Lâmpadas de aquecimento são alternativas emergenciais para enfrentar a onda de frio

Publicado em

em

Divulgação Agrozootec

A ameaça de frio intenso acende o alerta para a possibilidade de geadas e quebra de safra, como também, para cuidados para aquecimento dos animais, em especial aqueles mais jovens. Buscar formas emergenciais de proteção é o que recomendam os técnicos para evitar que as baixas temperaturas possam causar problemas

Alternativa simples e eficaz está no uso de lâmpadas de aquecimento para aves e suínos, nos explica a veterinária Joana Meireles, técnica nacional da Agrozootec. “Elas mantêm o ambiente aquecido e consequentemente diminuem o estresse térmico, além de emitirem ondas infravermelhas que estimulam a circulação sanguínea dos animais”, alerta Joana, lembrando também da importância de uma boa dieta nutricional para que o animal tenha camada de gordura suficiente, que também protege contra o frio.

Dentre as alternativas, a veterinária explica que existem lâmpadas de vidro que emitem luz branca ou vermelha. “A luz vermelha é mais suave e promove maior conforto, já que a luminosidade é menos intensa”. Existem ainda lâmpadas de cerâmica que produzem calor, porém, sem emitir luz.

“Essas alternativas emergenciais estão a mão do produtor, pois podem-se encontrar lâmpadas próprias para aquecimento de animais em agropecuárias e cooperativas, com custo acessível e a potência pode variar entre 60 W até 250 W ”. Joana faz o alerta que as lâmpadas de led, muito comuns atualmente, não servem para aquecimento; apenas para iluminação.

Para reforçar o aquecimento de leitões há também como inserir tapetes térmicos, que auxiliam na manutenção da temperatura ideal protegendo a leitegada do frio.

Bezerros de leite – A onda de frio intenso tem assustado os produtores de leite, em especial aqueles responsáveis pela criação de bezerros. Quem não pode investir em roupas quentinhas pelo custo, pode valer-se das mesmas lâmpadas de aquecimento mais usadas em aves e suinos e adaptá-las para bezerreiros fechados ou em casinhas.

“Os bezerros com até 15 dias de vida merecem atenção especial, pois a camada de gordura ainda não possui espessura suficiente para proteção contra o frio e pode desencadear deficiências na imunidade” , alerta a veterinária Joana Meireles, técnica nacional da Agrozootec.

A veterinária ressalta que buscar alternativas de aquecimento durante períodos de frio intenso é importante, pois o “estresse térmico também pode ocorrer em situações de baixas temperaturas, principalmente em animais jovens e/ou mal-nutridos , sendo estes mais susceptíveis aos efeitos da hipotermia podendo ocorrer até surtos de mortalidade”. Animais em pastagens devem ter locais com proteção e abrigo. É importante estar atento e proteger o rebanho.

A AGROZOOTEC, com sede em Itu, SP, é uma indústria e importadora de equipamentos da Europa, América e Ásia para atender as cadeias produtivas de corte, leite, suínos, aves, equinos, ovinos e caprinos possuindo em seu portifólio mais de 2.200 itens, os produtos podem ser encontrados em distribuidores, cooperativas e lojas especializadas em produtos agropecuários.

Fonte: Ass. de Imprensa
Continue Lendo

Empresas SBSS

Vetanco debate a redução do uso de antimicrobianos na suinocultura durante SBSS

Após as rodadas de perguntas, será aberto espaço para questionamentos do público, conforme disponibilidade de tempo.

Publicado em

em

Foto: O Presente Rural

Pelo terceiro ano, a Vetanco Brasil promove a Mesa Redonda Ciência e Indústria, ação realizada durante o Simpósio Brasil Sul de Suinocultura (SBSS). Desta vez, o tema em pauta é a redução do uso de antimicrobianos e vai fazer o seguinte questionamento: em que fase estamos?

O debate será mediado pelo coordenador técnico da Vetanco – Latam, MSc. Eduardo Ternus, e vai contar com três profissionais para falar sobre o tema. O gerente corporativo de Suinocultura da BRF, MSc. Edilson Caldas; o Dr. Nelson Mores, consultor em sanidade suína; e o Dr. Caio Abércio, professor da Universidade Estadual de Londrina (UEL), compõem o time de profissionais desta Mesa Redonda. “Falar sobre redução no uso dos antimicrobianos é uma nova tendência na suinocultura, focada no uso consciente destas moléculas. Nessa mesa redonda vamos abordar quais são os preparativos básicos prévios à redução, os principais desafios encontrados durante o processo e, principalmente, quais os benefícios que podem ser colhidos ao final da redução do uso dos antimicrobianos. Essa é a ideia do nosso painel, que vai contar com profissionais de gabarito”, destaca Ternus.

O gerente Comercial – Suínos da Vetanco Brasil, Lucas Piroca, explica que a atividade acontece através de rodadas de perguntas. “Cada profissional vai responder de acordo com seu conhecimento e segundo as peculiaridades vivenciadas, seja no campo ou na área acadêmica. A proposta é que seja uma conversa bem prática, levando aos demais profissionais da suinocultura que vão estar acompanhando o evento, de maneira virtual, a experiência dessas pessoas”, comenta o médico-veterinário.

Segundo ele, o objetivo do debate é que cada um dos profissionais apresente, também, dicas, realidades, dificuldades e desafios. “Isso para que quem acompanhar possa estar em fases mais avançadas na retirada de antimicrobianos ou no uso prudentes destes medicamentos em relação às pessoas que não têm experiência alguma com essa demanda do mercado de proteína animal”, explica Lucas.

Após as rodadas de perguntas, será aberto espaço para questionamentos do público, conforme disponibilidade de tempo.

O 13º SBSS acontece nos dias 10, 11 e 12 de agosto, totalmente on-line, e a Mesa Redonda Ciência e Indústria da Vetanco está agendada para o primeiro dia do evento (10/08), iniciando às 19h.

 

 

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas

Jacto estabelece parceria com a Green Eletron para logística reversa dos painéis eletrônicos, baterias e carregadores de equipamentos portáteis

Objetivo é colaborar cada vez mais com a prática da economia circular

Publicado em

em

A parceria entre a Jacto e a Green Eletron vai atuar na logística reversa dos painéis eletrônicos, baterias e carregadores dos pulverizadores e dosadores portáteis.

A Jacto firmou uma parceria com a Green Eletron, maior gestora sem fins lucrativos de logística reversa de eletroeletrônicos e pilhas, para coleta e destinação ambientalmente correta dos painéis eletrônicos, baterias e carregadores de equipamentos portáteis produzidos pela empresa para uso doméstico, como pulverizadores e dosadores.

Uma das premissas da Jacto ao longo de sua trajetória é maximizar a sustentabilidade de seus produtos e processos, reduzindo o uso de recursos naturais e a geração de resíduos.

Essa atuação vai ao encontro da Política Nacional de Resíduos Sólidos, que em seu Art. 33 diz: “São obrigados a estruturar e implementar sistemas de logística reversa os fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes de produtos eletroeletrônicos, pilhas e baterias”.

A Green Eletron é uma organização fundada em 2016 pela ABINEE (Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica), que atende à demanda crescente pela criação de alternativas para a coleta e tratamento adequado dos eletroeletrônicos, pilhas e baterias em seu fim de vida.

A organização criou um sistema coletivo para gerenciar toda a logística reversa das empresas associadas, que envolve desde a criação de Pontos de Entrega Voluntária (PEVs) até o envio dos itens descartados para recicladoras, responsáveis por transformar os produtos em matéria-prima que possam ser reutilizadas na indústria.

Para se ter uma ideia da importância do tema, de acordo com o relatório The Global E-Waste Monitor, feito pela Universidade das Nações Unidas, em parceria com diversos órgãos internacionais, que levanta dados qualitativos e quantitativos sobre a gestão do lixo eletrônico em todo o mundo, o Brasil produziu 2,1 milhões de toneladas de resíduos em 2020, figurando no quinto lugar do ranking mundial de produção, e primeiro lugar no cenário latino-americano.

O documento não apresenta dados atualizados do quanto desse montante foi reciclado, mas estima-se que seja de aproximadamente 3%.

 

Dinâmica da logística reversa

A parceria entre a Jacto e a Green Eletron vai atuar na logística reversa dos painéis eletrônicos, baterias e carregadores dos pulverizadores e dosadores portáteis produzidos pela empresa, precisamente os modelos DJB, DJB-S, PJB e linha urbana. Assim que outros equipamentos Jacto a bateria forem lançados, serão incluídos no mesmo programa.

Por meio da parceria, os painéis eletrônicos, baterias e carregadores dos equipamentos poderão ser entregues nos pontos de entrega voluntária (PEVs) da Green Eletron, encontrados em todo país nos principais centros varejistas. Encontre aqui o mais próximo de você.

A organização fará a logística da coleta desses resíduos, a destinação para reciclagem com empresas homologadas e o retorno desses equipamentos eletrônicos de forma adequada no ciclo produtivo.

Além dos pontos fixos de entrega, a Green Eletron realiza periodicamente campanhas alternativas, com coletas itinerantes, para potencializar as ações e incentivar o descarte correto dos produtos eletroeletrônicos.

“Como membro de um grande ecossistema, a Jacto está sempre cuidando dos seus processos e buscando oportunidades de torná-los mais sustentáveis. Essa parceria vai além do atendimento a uma legislação: faz parte de nossas práticas e valores, os quais temos muito orgulho de preservar e perenizar”, explica Carlos Daniel Haushahn, Presidente da unidade de equipamentos portáteis da Jacto.

“Os resultados positivos que alcançamos recentemente dependem das parcerias e é muito importante perceber que as empresas estão cada vez mais comprometidas em atender aos requisitos socioambientais, assim como a Jacto. Já conseguimos evitar que mais de 1,8 mil toneladas de pilhas e mais de 530 toneladas de produtos eletroeletrônicos acabassem na natureza”, conta Ademir Brescansin, gerente executivo da Green Eletron.

“Sustentabilidade é a palavra que vem norteando os setores da economia mundial. E nesse cenário, novos processos para reduzir a utilização de recursos naturais e ampliar a produção de forma eficiente são absolutamente necessários para suprir as demandas globais por alimentos, energia, saúde e infraestrutura”, finaliza Fernando Gonçalves, Presidente da Jacto.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.