Conectado com
LINKE

Avicultura

Ubabef discute com italianos parcerias pró-sustentabilidade

Publicado em

em

O presidente executivo da União Brasileira de Avicultura (UBABEF), Francisco Turra, recebeu, nesta terça-feira (05) o prefeito da comuna italiana de Arsié, Ivano Faoro. O encontro aconteceu na sede da UBABEF, em São Paulo (SP).
 
Faoro participa de uma delegação italiana que está na capital paulista em busca de parcerias voltadas para a produção sustentável de diversos setores.  Neste sentido, Turra e o prefeito da comuna italiana debateram alternativas de intercâmbio de informações e tecnologia entre as produções avícolas brasileira e italiana.
 
“Eles estão focando, especialmente, a busca por fontes energéticas renováveis, como a produção de biogás. O setor avícola brasileiro é referência em pesquisa e desenvolvimento com foco na sustentabilidade, o que desperta grande interesse de missões internacionais como esta, da Itália”, destaca Turra.

Fonte: Assessoria

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro − 3 =

Avicultura Manejo

Qualidade da carcaça e as vantagens do correto manejo pré-abate

Não adianta o lote produzido apresentar excelentes resultados se no abatedouro apresenta condenação parcial ou total elevada

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Artigo escrito por Bárbara Vargas, supervisora Regional de Serviços Técnicos da Aviagen

Sempre quando se fala de qualidade de carcaça é importante lembrar que à campo existem vários desafios, desde os cuidados com biosseguridade, intervalo de lote, manejo de cama, ambiência e manejo com as aves, sem perder o foco nos indicadores produtivos, principalmente conversão alimentar, ganho de peso diário (GPD), mortalidade e índice de eficiência produtiva (IEP). Porém, é necessário ter em mente que este processo não produz apenas frango de corte, mas sim alimento.

E esse alimento precisa ter a melhor qualidade e segurança alimentar, pois, quando o consumidor escolhe um produto na gôndola do supermercado ele opta por uma marca de acordo com a qualidade oferecida por ela. A campo, é fundamental ter os cuidados e preocupação com as questões zootécnicas, mas, lembrando sempre, que o alimento produzido precisa levar a melhor qualidade para dentro do abatedouro.

Isso porque não adianta o lote produzido apresentar excelentes resultados se no abatedouro apresenta condenação parcial ou total elevada. É preciso ter equilíbrio, buscando sempre a eficiência produtiva a campo e qualidade de carcaça.

Como o manejo pré-abate pode impactar a qualidade da carcaça?

O jejum pré-abate não corresponde apenas ao tempo em que a ave está no aviário sem consumir ração, ele é composto por quatro etapas, sendo:

  • Retirada de ração: o período em que a ave fica sem se alimentar até a chegada da equipe de apanhe;
  • Apanha mais carregamento: tempo no qual as equipes levam para coletar as aves e fazer o carregamento;
  • Transporte: período em que o motorista leva da granja até o abatedouro;
  • Área de espera: aves aguardam para serem abatidas.

Essas quatro etapas correspondem a apenas 1% do período de vida dos frangos. No entanto, em caso de manejo incorreto, é possível impactar a qualidade dessas aves mesmo nesse período tão curto da produção.

É importante que se tenha todo o cuidado e se siga todos os procedimentos do manejo correto, para entregar, também nessa fase final, qualidade dentro do abatedouro. Os principais cuidados nessa fase são caracterizados por:

Retirada de ração:

  • Não é recomendado a secagem total dos pratos antes da retirada do sistema de alimentação;
  • Pode ser feita em duas etapas (jejum parcial);
  • Manter o acesso aos bebedouros com água;
  • A água precisa estar disponível até o momento do carregamento, medida importante para o bem-estar e fluxo do conteúdo entérico;
  • Antes do carregamento, é recomendado que se caminhe com cautela entre as aves a cada 35-45 minutos para garantir o consumo de água;
  • Manter o ambiente em zona de conforto para as aves;
  • Não alterar o consumo de ração na última semana de vida antes do abate das aves:
  • Aumento exacerbado de ração em função de uma falta anterior = alteração da taxa de esvaziamento do TGI.
  • Mudança na forma física da ração pode acarretar em alteração na velocidade do consumo.
  • 23 horas de luz nos três dias anteriores ao carregamento;
  • Cuidado com a temperatura, ela pode alterar o consumo da ração:
  • Principalmente para o abate de madrugada, pode ser necessário um tempo maior de retirada.
  • Avaliar o período de retirada em função do horário de carregamento e temperatura ambiental.

Jejum pré-abate x qualidade intestinal

Não é interessante ter um jejum muito estendido, pois pode-se impactar a qualidade do intestino, podendo aumentar a fragilidade intestinal em 10% se a retirada for maior que 14 horas.

Dentro do abatedouro, quando ocorre a evisceração, a víscera mais frágil pode se romper e o conteúdo que escapa contaminar a carcaça. O procedimento indica que essa parte contaminada seja removida, resultando em uma perda dentro do abatedouro.

Então, qual seria o período ideal para que não ocorra contaminação dentro do abatedouro?

Alguns trabalhos mostram que esse período seria de 8 a 12 horas, porém, para não impactarmos tanto em qualidade e rendimento de carcaça, a nossa orientação é que se trabalhe entre 8 a 10 horas. Lembrando que o período de 8 a 10 horas é de janela total, desde a retirada da ração até a pendura das aves.

Finalizando, é importante que toda a equipe técnica, assim como os produtores e granjeiros, tenham conhecimento da importância deste período pré-abate e dos impactos que pode causar, para que estes, juntamente com a equipe do abatedouro, consigam obter os resultados desejados pela empresa.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de julho/agosto de 2021 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Avicultura Nutrição Animal

Colina herbal é alternativa para suplementar dietas de frangos

Diversas vantagens podem ser observadas com utilização da colina herbal na nutrição de aves e suínos

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Artigo escrito por Hebert Silveira, gerente técnico da Natural BR Feed

A colina é considerada um nutriente essencial para os animais e sua ausência na dieta pode manifestar evidências claras de deficiências e comprometer o desempenho. Ela é classificada como uma vitamina do complexo B, com algumas características diferentes das demais vitaminas do complexo.

A colina pode ser sintetizada no fígado diferentemente das demais vitaminas do complexo B, mas essa síntese não é suficiente para atender à exigência dos animais, sendo necessário sua suplementação em maiores quantidades na dieta. Além disso, ela atua como um constituinte estrutural das membranas celulares e não como uma coenzima como as demais vitaminas do complexo B.

A colina tem importantes funções no organismo: (1) participa na formação da acetilcolina, um importante neurotransmissor e (2) faz parte da estrutura da fosfatidilcolina, forma predominante em que se apresenta nas membranas celulares do organismo. Além disso, (3) atua como doador de grupamentos metílicos.

Uma das formas de suplementação de colina nas rações de monogástricos se dá pelo uso do cloreto de colina. Este sal composto é produzido por síntese química a partir de óxido de etileno, ácido clorídrico e trimetilamina. Entretanto, a forma química de cloreto de colina proporciona uma absorção ineficiente no trato gastrointestinal dos animais, onde aproximadamente 2/3 dessa colina é convertida pelas bactérias intestinais em trimetilamina, ficando indisponível para os animais. Esse composto ainda é toxico para os animais, comportando-se como uma amina biogênica no organismo, sendo necessário sua metabolização para que ocorra sua excreção. A colina herbal ingerida na forma de fosfatidilcolina, não está sujeita a esta degradação.

Os compostos de trimetilamina formados pelas bactérias intestinais, além de indisponibilizar a colina, prejudica a aceitação de ovos pelo consumidor. A trimetilamina é depositada nos ovos, gerando um sabor indesejável (Figura 1).

Outro ponto negativo da utilização do cloreto de colina em pó, nas dietas e premixes, é a sua capacidade higroscópico, o que acelera as perdas de outras vitaminas do premix, quando em contato com estas (Tabelas 1 e 2).

Essa capacidade higroscópica do cloreto de colina pode levar a erros de dosagens em fábricas de ração, pois se ela estiver com alto conteúdo de água adsorvida, no lugar de se pesar cloreto de colina está sendo incluído água na dieta. Esse erro de dosagem pode levar a uma piora da conversão alimentar dos animais, aumentando com isso o custo de produção. Outro ponto para atenção, é a dosagem de cloreto de colina na forma liquida, que pode acarretar erros de dosagens decorrente da viscosidade do produto, aumentando a ocorrência de entupimento dos bicos aspersores de ingredientes líquidos às rações.

Com o avanço da utilização de extratos herbais na nutrição animal, diversos estudos têm sido realizados levando em consideração as vitaminas conjugadas em plantas. Com isso, a colina herbal, à base de plantas medicinais das espécies: Andrographis paniculata, Azadirachta indica, Citrullus colocynthis, Silybum marianum e Ocimum Sanctum podem substituir integralmente o uso de Cloreto de Colina nas rações de aves, suínos, bovinos e peixes, sendo utilizada como fonte de fosfatidilcolina.

Desta forma, diversas vantagens podem ser observadas com utilização da colina herbal na nutrição de aves e suínos, sendo elas:

  • Maior biodisponibilidade de colina quando comparado ao cloreto de colina;
  • Possibilidade de substituição total do cloreto de colina pela colina herbal utilizando a matriz nutricional do fabricante;
  • Não é higroscópico, preservando as vitaminas do premix e reduz a utilização de sílicas para evitar empedramento;
  • Facilidade de utilização em fábricas de rações, evitando erro de dosagens decorrente da higroscopicidade do cloreto de colina.
  • Redução de espaço de estocagem em fábrica de ração.
  • Reduz a ocorrência de síndrome de fígado gorduroso;
  • Reduz a deposição de gordura na carcaça via efeito sobre a Adiponectina;
  • A fosfatidilcolina também libera colina que é oxidada a betaína. A betaína serve como doadora dos grupos metil para reciclagem da homocisteína à metionina, resultando em um efeito poupador de metionina, o que pode permitir a redução da relação de metionina:lisina em situações de elevado custo de produção.
  • Melhora o balanço eletrolítico das dietas, pois reduz o excesso de cloro na dieta quando ocorre suplementação via cloreto de colina;
  • Permite aumento do uso de cloreto de sódio e redução do uso de bicarbonato de sódio, no balanceamento de sódio na dieta. Possibilitando redução do custo das dietas.

Outras notícias você encontra na edição de Avicultura de julho/agosto de 2021 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Avicultura Saúde Animal

A importância da escolha da cepa para o sucesso no uso de probióticos

Principal benefício de um probiótico ao hospedeiro, pensando em avicultura, é garantir a saúde intestinal

Publicado em

em

Divulgação

Artigo escrito por Camila Oro, coordenadora Técnico-Comercial da Cinergis Saúde Animal

Os probióticos são produtos naturais que estão em ascensão na cadeia avícola, principalmente pelo contexto de restrições no uso de antimicrobianos químicos, devido à pressão do mercado externo e do risco da resistência antimicrobiana aos princípios ativos, entre outros fatores.

Para que uma cepa de bactéria possa ser utilizada como probiótico, ela precisa passar por alguns critérios de avaliação:

O principal benefício de um probiótico ao hospedeiro, pensando em avicultura, é garantir a saúde intestinal, proporcionando melhores resultados zootécnicos e maior segurança sanitária. A saúde intestinal depende de três fatores principais:

  • Estrutura física íntegra, ou seja, adequado desenvolvimento e renovação da mucosa intestinal
  • Rápida e eficiente resposta do sistema imune associado ao intestino
  • Microbiota equilibrada

 

Compreendendo o efeito sistêmico da saúde intestinal

Novos estudos demonstram com frequência a relação da saúde intestinal com outros órgãos. Muitos mecanismos ainda são desconhecidos, mas o que já se sabe é que existem relações diretas e indiretas entre o equilíbrio da microbiota e a saúde sistêmica da ave.

  • Sistema vascular: o equilíbrio da microbiota pode proporcionar melhor desenvolvimento do sistema vascular do intestino e regular a pressão sanguínea;
  • Sistema adiposo: a eficiência na extração de nutrientes pelas bactérias probióticas possibilita aumento do comprimento de vilos, consequentemente, maior área de absorção de nutrientes e maior estoque energético, além da produção de ácidos graxos de cadeia curta que aumentam a disponibilidade de energia melhorando ganho de peso e
  • Tecido nervoso: o aumento de cortisol causa desequilíbrio na microbiota devido ao estímulo de produção de citocinas, à irregularidade da secreção de muco e ao aumento do peristaltismo. Além disso, alguns neurometabólitos produzidos por bactérias probióticas podem agir como neurotransmissores ou moduladores da neurotransmissão aumentando os níveis de serotonina e dopamina.
  • Tecido ósseo: a microbiota de forma indireta aumenta a reabsorção de cálcio ósseo pelos osteoclastos por meio do intermédio de células do sistema imune.

Compreendendo o microbioma intestinal das aves de produção

Na microbiota intestinal das aves de produção existem diversas bactérias que interagem entre si, controlando a densidade populacional e trabalhando de forma sinérgica com o hospedeiro. Essa interação intra e interespécies bacterianas é denominada Quorum sensing e se baseia em um sistema de comunicação por meio da emissão de estímulos e respostas. Desta forma, as bactérias que colonizam as aves não são inertes e sua modulação ocorre por diversos fatores, como:

  • Mudança na alimentação, rotina e ambiente
  • Doenças
  • Tratamentos químicos
  • Fatores estressantes

O desequilíbrio da microbiota possibilita a multiplicação de bactérias que resultam em risco sanitário e prejuízo econômico à indústria.

De forma natural, a microbiota se modifica durante a vida da ave, aumentando em diversidade e número. Fora isso, existem especificidades anatômicas e fisiológicas nos órgãos do trato digestório das aves e, consequentemente, diferentes espécies de bactérias colonizadoras. O entendimento da fisiologia e do microbioma do sistema digestório das aves é fundamental para escolher a melhor cepa probiótica.

Pontos-chaves para escolher a cepa probiótica:

  • Colonização precoce: a pouca diversidade de bactérias intestinais nos embriões ou pintinhos recém eclodidos possibilita e facilita a colonização intestinal de bactérias probióticas agindo preventivamente contra bactérias patogênicas por meio da exclusão competitiva e inibindo bactérias que são transmitidas via ovo como a Salmonella Portanto, é importante oferecer o probiótico o mais precoce possível e com cepas naturais da faixa etária e da espécie para garantir maior sucesso na colonização intestinal.
  • Fornecimento contínuo: quando o desafio com patógenos entéricos é muito alto no campo, por falhas de manejo e/ou biosseguridade, o fornecimento contínuo de probiótico, garantirá maior segurança que não existirão sítios de ligação no intestino para que essas bactérias patogênicas possam se fixar. Nessa fase do frango é importante aumentar a diversidade e a quantidade das cepas, simulando o aumento natural de bactérias que acontece com o decorrer da idade da ave.
  • Entender o mecanismo de ação das bactérias: algumas bactérias colonizam o intestino enquanto outras permanecem no lúmen intestinal, devido à rápida multiplicação que impede sua completa eliminação juntamente à excreta.

  1. Bactérias não colonizadoras: os Bacillus são bactérias que vivem no lúmen intestinal e agem no intestino por competição de nutrientes e por estimulação na produção de anticorpos, mas sua ação de importância é a competição com bactérias patogênicas na cama, impedindo sua proliferação no ambiente e inibindo outras bactérias de transformarem os uratos das excretas em amônia (vilã dos dias frios em aviários). Outra vantagem desse gênero é a formação de esporos que as tornam resistentes aos tratamentos na ração e na cama do aviário.
  2. Bactérias colonizadoras: as bactérias colonizadoras, também conhecidas como residentes, possuem diversos benefícios. Porém, como desvantagem, são bactérias mais sensíveis e que demandam das empresas fabricantes uma tecnologia que faça a proteção e a estabilização. Fazem parte desse grupo as bactérias láticas (gêneros Lactobacillus, Enterococcus, Pediococcus, etc) que, além de competirem por sítios de ligação e por nutrientes no intestino, são responsáveis por outras ações, como:
  • Imunomodulação: no intestino das aves existem células de tecido linfóide denominado de Galt (do inglês gut-associated lymphoid tissue) divididas em placas de peyer’s, com células M intermeadas nos enteróticos, responsáveis pelo reconhecimento dos antígenos e, folículos com células de memória B e T; existem também na lâmina própria células de resposta inata como células dendríticas e linfócitos. A estimulação antigênica provocada pela presença das bactérias probióticas e a capacidade de produzir sinalizadores que indicam para as células do sistema imune a presença da bactéria patogênica, tornam a resposta inflamatória mais rápida e eficaz (imunoestimulação).

  • Proteção estrutural: a presença de bactérias probióticas possibilita também proteção física à mucosa intestinal devido à quebra de nutrientes, dos quais as aves não possuem enzimas para extração, tornando-os disponíveis para a renovação de enterócitos em caso de reação inflamatória exacerbada diante de um desafio. Essas bactérias controlam também a produção de muco pelas células caliciformes presentes na mucosa intestinal, melhorando a barreira física contra patógenos entéricos.
  • Antagonismo: é na ação antagonista que essas bactérias se destacam. Além de produzirem ácidos que inibem indiretamente as bactérias sensíveis à mudança de pH, elas produzem pequenos peptídeos chamados de bacteriocinas que inibem outras bactérias patogênicas, produzindo também indutores que, como o próprio nome diz, induzem outras bactérias a expressarem genes que também produzirão essas bacteriocinas.

Desta forma, o probiótico de forma preventiva pode resultar em muitos benefícios para a saúde da ave, melhorando o desempenho e, consequentemente a lucratividade das empresas. Contudo, no momento da escolha do produto é importante levar em consideração os gêneros das bactérias e a forma de estabilização, proteção e utilização, além de considerar o uso estratégico com mais de um probiótico, entre outros produtos e medidas de biosseguridade, uma vez que, muitas doenças possuem causas multifatoriais.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de julho/agosto de 2021 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Biomin

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.