Conectado com
VOZ DO COOP

Avicultura

Suplementação com parede celular premium de levedura beneficia aves expostas à redução de antibióticos

Produtos alternativos aos antibióticos estão exercendo um papel crescente na indústria avícola, e uma medida preventiva para melhorar a resiliência das aves é o uso de parede celular premium de levedura nas dietas

Publicado em

em

Artigo escrito por Alain Riggi, gerente global de Avicultura da Phileo

Nas últimas cinco décadas, o desenvolvimento genético tem beneficiado a produtividade das aves, mas isto também tem deixado os animais mais sensíveis a desordens digestivas que podem ocorrer durante o ciclo de produção. As consequências disto, normalmente, se dão por diferentes tipos de estresses (infecção, calor ou frio, qualidade do alimento e da água de bebida, etc.), que podem levar a uma baixa performance, imunossupressão e altas mortalidades.

O intestino é o órgão mais importante ao considerarmos que é ele quem converte alimentos caros em carne. Como adaptações genéticas têm proporcionado maior ingestão de alimentos, a consequência é que mais nutrientes estão disponíveis para bactérias indesejáveis e uma porção menor está disponível para auxiliar o crescimento das aves. A redução da performance devido a inflamação intestinal crônica causada por estas bactérias soma-se aos impactos digestivos negativos causados por outras fontes de estresse e realça o quão importante é a saúde intestinal no sucesso financeiro de um empreendimento avícola.

Os antibióticos são rotineiramente utilizados para dirimir a preocupação com a saúde das aves e garantir a máxima performance. Contudo, hoje em dia os consumidores e os abatedouros têm cada vez mais solicitado que as carnes sejam oriundas de criações que pouco utilizem antibióticos, ou até sejam livres deles.

Um artigo publicado em 2016 por Jim O’Neil e colaboradores revelou que pelo menos 700 mil pessoas morrem todos os anos devido a doenças que não respondem aos medicamentos disponíveis hoje. Se nenhuma atitude for tomada para reverter este quadro, aproximadamente 10 milhões de pessoas morrerão em 2050 devido a doenças resistentes aos medicamentos. Mais que o total de mortes por câncer.

Alternativas

Antibióticos promotores de crescimento têm sido banidos da avicultura europeia desde 2006 e o uso de antibióticos que possuem capacidade para prevenir doenças tem diminuído. Entretanto, ainda são necessários esforços se desejarmos manter a eficácia dos antibióticos quando animais doentes realmente necessitam ser tratados, utilizando-os com cautela no intuito de preservar sua eficiência no futuro. Quando se fala em antibióticos, prevenção é a palavra-chave para o futuro da produção animal: bom manejo nas granjas, alto grau de biossegurança e alta qualidade de alimentos são necessários para prevenir desordens fisiológicas e produzir aves mais saudáveis, mais resistentes e, consequentemente, que necessitem de menos antibióticos. Produtos alternativos aos antibióticos estão exercendo um papel crescente na indústria avícola, e uma medida preventiva para melhorar a resiliência das aves é o uso de parede celular premium de levedura nas dietas.

Efeitos positivos na saúde intestinal

Como já foi mencionado, poedeiras e frangos de corte estão altamente produtivos nos dias de hoje, e uma boa saúde intestinal é importante para assegurar que as aves estão aproveitando as dietas da forma mais eficiente. Cerca de 70% da capacidade do sistema imune das aves está concentrado no intestino ou em seus arredores (Galt, placas de Peyer, baço, fígado, bursa de Fabricius), sendo fácil entender que uma boa integridade intestinal terá um impacto positivo no status imunitário das aves e, por conseguinte, na performance das mesmas.

A fração premium de levedura é obtida através da fermentação primária de uma cepa específica de Saccharomyces cerevisiae, ou seja, não é co-produto da indústria de produção de álcool ou cerveja. Esta cepa de levedura é geneticamente selecionada por ter um impacto positivo no sistema imune e na saúde intestinal. Na fermentação primária há o controle completo de todas as fases de produção desde o cultivo da cepa até a expedição, para garantir uma consistente composição de mananas e β-glucanas balanceada, resultando em um efeito positivo na saúde intestinal das aves.

A parede celular premium de levedura tem demonstrado seus benefícios à saúde intestinal das aves de várias maneiras:

  • Auxilia na manutenção da capacidade absortiva do intestino

Diversos ensaios têm demonstrado o efeito da parede celular premium na preservação do comprimento dos vilos sob condições de desafio fisiológico (Clostridium, por exemplo), ajudando a manter uma ótima absorção de ingredientes chaves. Por controlar a liberação de certas citocinas pró-inflamatórias, a parede celular premium reduz o impacto da inflamação na mucosa intestinal, preservando o comprimento das vilosidades. Outro efeito positivo é a menor profundidade de criptas e maior relação comprimento de vilo/profundidade de cripta, que é um indicador de boa saúde intestinal.

  • Protege a parede celular do intestino da fixação de patógenos

Em ensaio realizado para demonstrar o efeito dessa parede celular premium de levedura na produção de células caliciformes, as quais secretam o muco que protege as paredes celulares do intestino, as aves que consumiram, produziram três vezes mais células caliciformes quando comparadas às que receberam a dieta controle.

  • Diminui a pressão por patógenos no intestino

Bactérias Gram negativas possuem a habilidade de se aderir à parede celular do intestino através de antígenos específicos – as Fímbrias. Estes antígenos, então, se aderem às mananas cobrindo a superfície do epitélio intestinal. Como a parede celular premium de levedura contém, pelo menos, 20% de mananas, as bactérias são atraídas e se ligam a ela. Estudiosos realizaram diversos ensaios para demonstrar esta teoria e a parede celular premium aglutinou 98% da Salmonella typhimurium utilizada, além de 75% de Clostridium perfringens, que é uma bactéria Gram+ e não possui Fímbrias.

  •  Impacto da parede celular premium de levedura no sistema imune

Uma boa saúde intestinal está intimamente relacionada à capacidade imunológica das aves, e quanto mais ativo estiver o sistema inume, melhor sua ação contra patógenos.

Temos observado que a parede celular premium de levedura auxilia na manutenção da saúde intestinal, mas a sua suplementação também age diretamente na melhoria do sistema imune das aves. Assim como as mananas, outros componentes importantes dessa parede celular são as β-glucanas. Junto com as mananas, as β-glucanas são reconhecidas por diferentes receptores contidos nas superfícies das células dendríticas e dos macrófagos. Este reconhecimento permite uma reação rápida do sistema imune adaptativo contra os patógenos.

A consequência é uma maior resposta vacinal em aves vacinadas contra doença de Newcastle, demonstrada por diversos ensaios. Outros estudiosos vacinaram frangos de corte aos 10 dias de idade com uma vacina de vírus vivo, e fizeram testes sanguíneos após uma, e após duas semanas da vacinação. O método sorológico utilizado para avaliar o impacto da parede celular premium foi o da inibição da hemaglutinação (HI), e observou-se um aumento significativo da resposta de anticorpos duas semanas após a vacinação (aos 24 dias de idade) no grupo que recebeu o produto.

Conclusão

Dependendo das circunstâncias, um bom monitoramento e um ótimo manejo das granjas irão auxiliar a limitar os estresses e problemas de saúde das aves durante o período de criação. Como a utilização de alguns medicamentos tradicionais (como os antibióticos) tem sido questionada, a parede celular premium de levedura representa um aditivo muito útil para a manutenção da saúde intestinal e do bom desenvolvimento das aves.

Mais informações você encontra na edição de Aves de setembro/outubro de 2018 ou online.

Fonte: O Presente Rural

Continue Lendo

Avicultura

Alta da carne de frango na primeira quinzena de fevereiro garante avanço na média mensal

Levantamento do Cepea mostra que a carne de frango resfriada é negociada no atacado da Grande São Paulo à média de R$ 7,22/kg em fevereiro (até o dia 21), com alta de 2,7% frente à de janeiro.

Publicado em

em

Foto: Jonathan Campos

Apesar das recentes desvalorizações da carne de frango nesta segunda quinzena de fevereiro -, quando geralmente as vendas se enfraquecem no atacado, devido ao menor poder aquisitivo da população brasileira -, o incremento da demanda na primeira metade do mês vem garantindo um aumento no valor médio mensal da proteína.

Levantamento do Cepea mostra que a carne de frango resfriada é negociada no atacado da Grande São Paulo à média de R$ 7,22/kg em fevereiro (até o dia 21), com alta de 2,7% frente à de janeiro.

Fonte: Assessoria Cepea
Continue Lendo

Avicultura Neste início de ano

Ovos registram menor disponibilidade nas gôndolas dos supermercados brasileiros

Oferta chegou a ser 20,6% menor entre o fim de 2023 e o início de 2024, ante uma média de 14% em dezembro de 2022 e janeiro de 2023.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Arquivo OPR

O Índice de Ruptura da Neogrid, indicador que mede a ausência de produtos nas gôndolas dos supermercados brasileiros, chegou a 13,8% em dezembro de 2023 e 15,3% em janeiro de 2024. O número segue a média do mesmo período dos anos anteriores.

De acordo com o diretor de Customer Success da Neogrid, Robson Munhoz, a ruptura que costuma acontecer em janeiro é um movimento natural por conta das festas de final de ano e o período de férias coletivas na indústria: “A indústria volta das férias de final de ano no começo de janeiro e daí o ciclo de pedidos, faturamento e entrega começam a acontecer, fazendo com que a ruptura seja maior em janeiro, comparada a outros meses”, pontua.

Munhoz também destaca que há um comportamento, em especial nas capitais brasileiras, de êxodo em janeiro para o litoral e, por isso, os supermercados dessas cidades não investem tanto em estoque, ao passo que os estabelecimentos das localidades que recebem esses turistas aumentam a dinâmica de reposição.

De acordo com a consultoria, o produto com menor disponibilidade nas gôndolas no período foi o ovo, com 20,6% de ruptura nos dois meses, ante uma média de 14% em dezembro de 2022 e janeiro de 2023. A falta do item nas prateleiras ocorreu mesmo com o aumento de 3,7% no preço do produto em janeiro ante dezembro, conforme levantamento feito pela Horus.

Apesar do aumento de preço registrado em janeiro, desde agosto de 2023 o preço dos ovos vem caindo, contribuindo para a ruptura ao longo dos últimos seis meses.

Altas temperaturas influenciam os hábitos de consumo

O ano de 2023 foi considerado mais quente da série histórica no Brasil, segundo a Organização Meteorológica Mundial (OMM). A temperatura ficou 0,69°C acima da média entre os anos de 1991/2020. Para 2024, a perspectiva é de que permaneça alta pelo menos até abril em razão do fenômeno climático El Niño.

Fonte: Assessoria Neogrid
Continue Lendo

Avicultura Rio Grande do Sul

Seapi conclui vigilância em propriedades no raio de 5 km do foco de gripe aviária em Rio Pardo

Além da checagem de medidas de biosseguridade nas granjas e ações de educação sanitária, que chegaram a 1.245 pessoas, as equipes da Secretaria da Agricultura também estão coletando amostras em casos suspeitos

Publicado em

em

Foto: Fernando Dias/Seapi

A Secretaria da Agricultura, Pecuária, Produção Sustentável e Irrigação (Seapi) do Rio Grande do Sul concluiu, na última segunda-feira (19), as ações de vigilância às propriedades localizadas em um raio de cinco quilômetros a partir do último foco confirmado de influenza aviária de alta patogenicidade, a H5N1, em Rio Pardo.

A vigilância na zona 1, referente ao raio de cinco quilômetros, ocorreu de forma simultânea às vistorias nas propriedades localizadas na zona 2, que compreende um raio de 10 quilômetros a partir do foco. Totalizando ambas as regiões, 616 propriedades foram vistoriadas até o momento, e a previsão é de que as ações na zona 2 se encerrem nesta semana. O número total é de 699 propriedades a serem visitadas.

Além da checagem de medidas de biosseguridade nas granjas e ações de educação sanitária, que chegaram a 1.245 pessoas, as equipes da Secretaria da Agricultura também estão coletando amostras em casos suspeitos. Após a observação de 1.029 aves, foram realizadas cinco coletas em criações de subsistência, com três laudos negativos e dois ainda à espera do resultado. “As visitações estão sendo muito boas. Estamos conseguindo explicar o nosso trabalho aos produtores, que têm nos recebido muito bem, entendendo a importância da atuação”, destaca o diretor adjunto do Departamento de Vigilância e Defesa Sanitária Animal, Francisco Lopes.

Fonte: Assessoria Seapi
Continue Lendo

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.