Conectado com
VOZ DO COOP

Suínos / Peixes

Suinocultura tem alívio, mas segue no vermelho

Apesar de melhoras tímidas em 2023, produtores continuam freando investimentos para fechar as contas. Mercado externo não trouxe alento ao setor.

Publicado em

em

Os produtores de suínos do Paraná seguiram firmes, ao longo de 2023, em uma caminhada rumo à saída da crise que assola a cadeia desde 2021. Mesmo com a melhoria no valor do animal pago pelas empresas integradoras, o resultado ainda está longe de ser lucrativo para os pecuaristas.

Para se manter na atividade, suinocultores precisam queimar gordura, segurar investimentos e até deixar de fazer algumas manutenções na propriedade para fechar as contas. Este cenário está detalhado no levantamento dos custos de produção da suinocultura, realizado pela Sistema Faep/Senar-PR, em novembro. “O levantamento de custos de produção tem uma série histórica com mais de 12 anos de dados. Nós investimos sistematicamente nisso porque conhecer quanto custa produzir faz parte da gestão de qualquer propriedade rural. Esses números são cruciais para a tomada de decisão, avaliação da saúde do negócio e para subsidiar as negociações a nível de Comissão para Acompanhamento, Desenvolvimento e Conciliação da Integração [Cadec]”, menciona o presidente do Sistema Faep/Senar-PR, Ágide Meneguette.

Para a presidente da Comissão Técnica (CT) de Suinocultura da Faep, Deborah Gerda de Geus, o ano de 2023 começou preocupante e termina “menos pior”. Apesar da reação nos repasses aos suinocultores, o cenário ainda traz apreensão, na visão de Deborah, pois a maioria das granjas está com as contas no vermelho. “O setor segue em alerta, pois existem especulações de que os grãos podem subir, dependendo do resultado da próxima safra. E temos ainda outras questões, como o gargalo histórico da falta de mão de obra, os altos custos com energia, a economia do país que segue com demanda em baixa e a conjuntura internacional”, resume a dirigente.

Terminação como pior resultado
Dentre as fases produtivas analisadas, a terminação registrou os piores resultados para o saldo sobre o custo total de produção. Na região Oeste, o produtor integrado contabiliza prejuízo de R$ 24,15 por suíno terminado. Os integrados nos Campos Gerais também amargam rombo de R$ 20,46 por cabeça.

Fotos: Arquivo/OP Rural

Em Toledo, no Oeste, o valor recebido por suíno cobre apenas os custos variáveis, o que reflete diretamente na continuidade do produtor na atividade a longo prazo. Essa é a situação da pecuarista Geni Bamberg, que aloja 1,7 mil animais no sistema de terminação em uma propriedade de cinco hectares. “Para nós, foi um ano positivo porque houve melhorias, conseguimos reajustes na remuneração junto à integradora a nível de Cadec. Mas ainda seguimos com dificuldades. Temos que deixar de lado até mesmo algumas manutenções menos urgentes, como a trocas de equipamentos que vamos remendando, sem fazer benfeitoria na estrutura”, afirma Geni Bamberg, suinocultora em Toledo.

Geni encontra problemas para gerenciar a mão de obra, um dos principais gargalos enfrentado pelos suinocultores. Ela não consegue contratar um funcionário fixo e precisa recorrer a diaristas – disputados na região e nem sempre com disponibilidade. Diante deste cenário, Geni e o marido realizam as atividades na propriedade. “A gente precisaria ampliar a granja, para ter remuneração melhor e poder dividir com algum colaborador fixo, ou ainda atrair uma das nossas duas filhas que poderiam terminar os estudos e se interessar em voltar para a granja. Mas, nesse momento, não há viabilidade econômica para isso”, lamenta Geni.

Segundo o suinocultor Paulo Moresco, de Ipiranga, na região dos Campos Gerais, as dificuldades encontradas na atividade são ainda piores para quem está há mais tempo na atividade. “Hoje, o produtor antigo não tem condição de melhorar sua infraestrutura, fazer as reformas necessárias e adquirir novos equipamentos. Quando entram novas tecnologias, ele não consegue acompanhar”, observa.

Há 23 anos na atividade, Moresco aloja 1,8 mil suínos em fase de terminação. “Minhas estruturas ficaram velhas, tenho que me atualizar”, afirma o produtor, que investiu cerca de R$ 120 mil para automatizar suas granjas e, assim, reduzir a necessidade de mão de obra. “Mas para os produtores pequenos, sem escala, é inviável fazer melhorias como essas nas granjas”, avalia.

Prejuízo ainda dá o tom
O resultado dos produtores está alinhado com os números do levantamento de custos de novembro, que mostram, de modo geral, um saldo insuficiente com a venda dos lotes para cobrir os custos de produção. Dentre todas as fases e regiões analisadas, nenhum modal produtivo obteve saldo acima dos custos totais e apenas a UPD nos Campos Gerais conseguiu cobrir os custos operacionais.

“Hoje, a suinocultura integrada expressa inviabilidade produtiva e, a curto e médio prazos, o produtor que não tiver reservas ou outras fontes de renda para cobrir os prejuízos tende a deixar a atividade”, analisa Nicolle Wislek, técnica do Departamento Técnico e Econômico (DTE) do Sistema FAEP/SENAR-PR, responsável por acompanhar a cadeia de suínos.

Apesar das perspectivas negativas, a atividade apresentou melhoria em 2023 em relação aos anos anteriores. A produção entre janeiro e setembro foi 1,9% maior em relação ao mesmo período de 2022. No mesmo movimento, as exportações de suínos tiveram aumento de 8% entre janeiro e outubro. “Durante a realização dos painéis identificamos alguns sinais de recuperação da atividade, como, por exemplo, aumento no número de fêmeas alojadas nas granjas, diminuição no tempo de intervalo de lotes e, principalmente, retomada no peso de abate padrão”, relata Nicolle.

Ricardo Adams se dedica ao sistema crechário, no Oeste do Paraná – Fotos: Arquivo pessoal

Crise nos leitões
Ricardo Adams, de Toledo, na região Oeste, aloja 10,3 mil animais em três barracões, no sistema crechário. A propriedade possui cinco funcionários, número que Adams considera o mínimo para garantir os índices zootécnicos satisfatórios. Em 2023, os negócios melhoraram, mas os repasses ainda precisam de reajustes para as contas ficarem no azul. “Ainda precisa de cautela para fazer investimento e melhorar a propriedade. Estamos envolvidos na Cadec e há negociações para conseguirmos melhorias”, aponta o suinocultor.

Diante da preocupação com o andamento da safra de grãos, o pecuarista espera que 2024 siga o ritmo de otimismo. “Se continuar estáveis os valores da soja e do milho, o custo de produção vai baixar e melhora para o suinocultor. Mas o fato preocupante é a escassez de chuva no Mato Grosso, que pode afetar a produção de grãos em 2024, atingindo em cheio o custo de produção, levando os resultados a patamares negativos”, resume Adams.

A situação está parecida na propriedade de Eloi Favero, em Toledo, que mantém 800 matrizes em uma Unidade Produtora de Leitões (UPD), com um total de seis funcionários. Para o pecuarista, 2023 foi um ano de avanços, mas as contas ainda não estão fechando. “Deu uma pequena recuperada, mas nada de extraordinário”, resume. “O mercado ainda está se equilibrando e temos uma oferta alta. Além disso, ainda não estamos conseguindo vender para novos mercados mesmo com o reconhecimento do Paraná como área livre de febre aftosa sem vacinação”, problematiza.

Exportações em queda
De janeiro a junho deste ano, o Brasil enviou ao exterior 791,5 mil toneladas de carne suína, conforme números da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC). As projeções de mercado apontam para um acréscimo de 10% em volume de janeiro a dezembro de 2023, em comparação com o período equivalente do ano anterior.

Vice-presidente da CT de Suinocultura da Faep, Wienfried Matthias Leh: “Não basta ter status sanitário e menor custo de produção do mundo para ter o mercado [internacional] na mão”

De acordo com dados da Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS), 55% das exportações brasileiras tinham destino à China em 2021. Esse percentual caiu para 36% em 2023, diante da recuperação da crise interna causada pela epidemia de Peste Suína Africana (PSA) em seu rebanho. Ainda, os resultados econômicos menores do que os esperados desaceleraram as compras chinesas de uma série de produtos, como a carne suína.

Na avaliação do vice-presidente da CT de Suinocultura da Faep, Wienfried Matthias Leh, que atua no regime de produção independente, existe um excedente na produção mundial, que acaba por derrubar as margens dos produtores. “A partir de 2018, do primeiro surto de PSA, a China saiu comprando e pagando caro pelo suíno. Isso criou uma confusão no mercado mundial. O mundo, preocupado em suprir o mercado chinês, produziu acima da necessidade”, analisa.

Segundo Leh, enquanto não conseguirmos regular essa oferta, “vai continuar esse sofrimento”. Na avaliação do suinocultor, nem mesmo o status de área livre de febre aftosa sem vacinação, conquistado pelo Paraná em 2021, é capaz de amenizar o problema. “Não basta ter status sanitário e menor custo de produção do mundo para ter o mercado [internacional] na mão. Existe um protecionismo, barreiras tarifárias que não permitem que nós sejamos fornecedores exclusivos”, salienta Wienfried Matthias Leh, vice-presidente da CT de Suinocultura da Faep.

Levantamento foca relações de integração
Para calcular os custos de produção da suinocultura, o Sistema Faep/Senar-PR promove duas reuniões por ano com suinocultores, revendas de insumos, representantes da agroindústria, instituições financeiras e demais agentes do setor, nas principais regiões produtoras do Estado. Nestes encontros ocorre a apuração dos custos de uma propriedade modal, ou seja, tipo de propriedade que mais se repete naquela região, de modo a compor o retrato mais fiel daquela realidade produtiva.

Pela segunda vez em 12 anos, esses painéis foram realizados de forma exclusiva com os membros das Cadecs, formalizadas junto a cada unidade produtiva das empresas integradoras. Os produtores independentes e cooperados não fazem mais parte deste levantamento.

O principal benefício do levantamento dos custos de produção é a possibilidade de municiar os produtores integrados com dados econômicos reais sobre a atividade para futuras negociações junto às integradoras, que ocorrem por meio das Cadecs.

Segundo o produtor Gilberto Rentz, que aloja 2,7 mil suínos na fase de crechário em Piraí do Sul, nos Campos Gerais, e integrante da Cadec formada junto à agroindústria da região, o trabalho realizado pela FAEP traz vantagens na hora da negociação. “A gente leva estes custos para serem discutidos com a integradora. É um embasamento importante que ajuda na argumentação, sem ser impositivo”, destaca.

Energia solar ajuda a reduzir custos
Historicamente, a energia elétrica é um custo que mais pesa no bolso dos produtores de suínos. Com o incentivo para o uso de fontes de energia renovável dentro das propriedades, com participação direta nas reivindicações do Sistema Faep/Senar-PR junto ao poder público, parte dos pecuaristas está investindo em projetos de geração de energia fotovoltaica.

Foto: Divulgação/Faep

De 2017 a 2023, o número de propriedades rurais paranaenses que passou a contar com esse sistema ou com usinas de biogás decolou de apenas 47 para mais de 25,6 mil. Uma parte do sucesso envolve o Programa Paraná Energia Rural Renovável (Renova Paraná), lançado em julho de 2021, que impulsionou a instalação de conjuntos de painéis fotovoltaicos e de biodigestores no campo.

Desde julho deste ano, Geni Bamberg colocou em funcionamento um conjunto capaz de gerar, por meio do sol, 1,2 mil kW/h por mês na propriedade. A benfeitoria custou R$ 50 mil, por meio do financiamento do Programa Nacional da Agricultura Familiar (Pronaf) e do Renova Paraná, a juro zero. “Vamos pagar a primeira prestação somente em 2025. Antes, a conta dava R$ 500 por mês e agora pagamos R$ 20 de tarifa. Bem acessível para quitar as parcelas. Um excelente negócio”, compartilha.

A presidente da CT de suinocultura, Deborah Gerda de Geus, revela que muitos suinocultores pelo Estado têm seguido esse mesmo caminho. “Temos um movimento de investimentos em painéis de energia fotovoltaica. Os produtores estão visando ter uma fonte de renda no médio e longo prazos, para colher os frutos daqui seis ou sete anos”, avalia.

 

Fonte: Assessoria Sistema Faep/Senar-PR

Suínos / Peixes Diurante três dias

Aquishow Brasil movimenta R$ 173 milhões em negócios

A 13ª edição da maior feira de aquicultura do Brasil foi realizada em São José do Rio Preto (SP), reunindo público de sete mil participantes brasileiros, da América Latina e do mundo.

Publicado em

em

Fotos: Moura Comunicação Integrada

A organização da 13ª edição da Aquishow Brasil estima que mais de R$ 173 milhões foram gerados entre negócios realizados e prospectados nos três dias de evento. O número representa um aumento de 5% em relação à edição de 2023, que contabilizou R$ 165 milhões.

O evento foi realizado de terça (21) a quinta-feira (23), no Centro Avançado de Pesquisa e Desenvolvimento do Pescado Continental, do Instituto de Pesca (IP-Apta), órgão da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, com mais de 100 estandes das principais marcas do setor aquícola.

O público, contando com a abertura oficial realizada no Parque Tecnológico de Rio Preto, que teve a presença do ministro da Pesca e Aquicultura (MPA), André de Paula, e do secretário estadual de Agricultura e Abastecimento, Guilherme Piai, chegou a aproximadamente sete mil participantes.

A qualificação do público nesta 13ª edição representou um grande diferencial da feira, com representantes da cadeia produtiva de todas as regiões brasileiras com destaque para as caravanas dos estados de Minas Gerais, Santa Catarina, Amazonas, Tocantins e Mato Grosso. Isso sem contar os participantes do Chile, dos Estados Unidos, da Colômbia, de Moçambique, da Noruega, de Portugal, da Espanha, de Honduras, da Bolívia, do Equador, da França, da Angola, do Peru, do Chile, da Holanda e de Gana.  “A Aquishow Brasil 2024 foi um sucesso e atingiu o seu principal objetivo que é a geração de negócios, além de fomentar o setor aquícola com as mais modernas tecnologias e tendências do mercado”, disse Marilsa Fernandes, idealizadora e organizadora da Aquishow.

Uma das novidades da Aquishow Brasil 2024 foi o trabalho feito por um grupo de consultores cadastrados que realizaram mais de 80 atendimentos para assessoria e orientação aos participantes interessados na ampliação dos seus negócios ou para quem quer empreender na atividade aquícola.

Ainda de acordo com Marilsa, o evento gerou 400 empregos entre diretos e indiretos para a montagem, a manutenção do pavilhão (fornecedores) e a desmontagem, além de ter aquecido diversos setores de serviços, como rede hoteleira, transporte e alimentação. “Pela relevância regional e estratégica de Rio Preto, sediar o maior evento de aquicultura do país significa contribuir ativamente na construção de uma cadeia produtiva extremamente promissora. Assim como em outras iniciativas, a Prefeitura assume o papel de proporcionar um ambiente favorável ao crescimento e desenvolvimento de todos os envolvidos neste arranjo produtivo”, afirmou o prefeito de Rio Preto, Edinho Araújo.

Já o secretário municipal de Agricultura e Abastecimento, Pedro Pezzuto, explicou que “São José do Rio Preto está inserida numa macrorregião banhada pelos rios Grande, Tietê e Paraná. Temos uma relevante quantidade de tanques escavados que podem ser ativados com a organização da cadeia produtiva e o fomento dos canais de comercialização. A aquicultura é uma oportunidade de renda muito promissora, principalmente para o pequeno produtor. Além disso, o município é grande consumidor e canal de comercialização. A conjunção dessas coisas nos permite potencializar o mercado local e regional”.

Feira alavanca potencial da aquicultura

A Aquishow é um evento que, há mais de uma década, tem alavancado o potencial da aquicultura brasileira, consolidando-se como uma das principais feiras do segmento em todo o País e na América Latina. “Vários segmentos dos peixes de cultivo têm gerado soluções e oportunidades para a cadeia de produção. A Aquishow Brasil é uma feira que temos a participação massiva de quem realmente produz”, disse o presidente-executivo da Associação Brasileira da Piscicultura (Peixe BR), Francisco Medeiros.

O Estado de São Paulo, maior consumidor do produto do País, ocupa a terceira posição na produção nacional, um setor que movimenta cerca de R$ 1 bilhão por ano. “É inegável a importância econômica e social das atividades de pesca para o Estado. Existe um grande potencial de crescimento e desenvolvimento tecnológico e, por meio dos técnicos e pesquisadores, principalmente do Instituto de Pesca, estamos trabalhando para alavancar esse setor”, afirmou Guilherme Piai, secretário de Agricultura e Abastecimento de São Paulo.

Para o empresário do setor Júlio César Antônio, também presidente da Associação Brasileira de Fomento ao Pescado (Abrapes), a Aquishow Brasil representa um divisor de águas para a categoria e contribui efetivamente para a melhora do cenário da aquicultura no Brasil e na América Latina. “É um evento que sempre promove grande visibilidade ao setor, integrando todos os segmentos da cadeia, desde a produção até o consumo. Isso sem falar da troca de conhecimento, do acesso a tendências e inovações tecnológicas, e a atração de investidores”, reforçou.

Pesquisa com participantes

Pesquisa realizada de maneira presencial com os participantes da Aquishow valida a vocação de Rio Preto como anfitriã de grandes eventos: a movimentação econômico-financeira chegou a R$ 7,9 milhões em 2024, um aumento de 92% em relação ao ano anterior (R$ 4,1 milhões). “Rio Preto demonstra, mais uma vez, sua viabilidade do ponto de vista econômico, por conta de toda a logística e dos serviços que a cidade oferece. Os números refletem isso”, afirma o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico e Negócios de Turismo, Jorge Luis de Souza.

Os setores de hospedagem e alimentação foram os principais beneficiados pelo impacto financeiro da Aquishow. A pesquisa projeta que a feira movimentou R$ 5,5 milhões com hotéis em 2024, valor 89,7% maior que o registrado em 2023 (R$ 2,9 milhões). Nos restaurantes, o consumo subiu de R$ 517 mil em 2023 para R$ 1,6 milhão em 2024, um aumento superior a 209%.

O levantamento também registrou o crescimento aproximado de 17% no ticket médio de consumo de cada participante na feira, passando de R$ 676,53 em 2023 para R$ 789,32 em 2024. O impacto para os shoppings foi avaliado em R$ 619 mil e, para os bares, em R$ 90 mil.

Realização

A Aquishow Brasil foi realizada pela Associação de Piscicultores em Águas Paulistas e da União (PeixeSP). A coorganização é do Ministério da Pesca e Aquicultura, do Instituto de Pesca (IP-Apta), órgão da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, e da Prefeitura de São José do Rio Preto, por meio da Secretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento.

O evento é patrocinado pela Caixa e pelo Governo Federal, com apoio da Acirp (Associação Comercial e Empresarial de Rio Preto), INNA ImC (Instituto de Inovação Israelense), Sindicato Rural, Senar (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural), Faesp (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo), Banco do Brasil, Confea (Conselho Federal de Engenharia e Agronomia), Crea-SP (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de São Paulo) e Mutua SP – Caixa de Assistência dos Profissionais do Crea.

Fonte: Assessoria Aquishow Brasil
Continue Lendo

Suínos / Peixes

ABCS apresenta Retrato da Suinocultura na Câmara Setorial de Aves e Suínos

Estudo mostra crescimento das granjas tecnificadas no país, sendo atualmente 2.210.840 dessas matrizes, o que representa um aumento de 22,71% em comparação a 2015. Às exportações aumentaram 130,3%, 54,4% em toneladas de carcaça e 42,3% em disponibilidade interna, movimentando cerca de R$ 371,6 bilhões.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Arquivo OPR

A Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS) participou da Câmara Setorial de Aves e Suínos do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa), na última terça-feira (21). Na oportunidade, o consultor da entidade, Iuri Machado, apresentou os dados do “Retrato da Suinocultura”. Machado, que é autor do estudo inédito, detalhou os números e sua importância para o setor político, entidades do setor e lideranças da cadeia.

O consultor explicou que o crescimento das granjas tecnificadas – aquelas que fornecem animais para serem abatidos em frigoríficos com inspeção veterinária – é um dos grandes destaques do estudo. Atualmente são 2.210.840 dessas matrizes em todo o país, o que representa um aumento de 22,71% em comparação a 2015.

O material mostra ainda um aumento de 130,3% em exportações; 54,4% em toneladas de carcaça e 42,3% em disponibilidade interna e movimentando cerca de R$ 371,6 bilhões.

Machado chamou atenção para a relevância dos dados apresentados. “Esta atualização é uma ferramenta para entender melhor a relevância da suinocultura, com intuito de dar suporte para construção de políticas públicas e ser referência para os novos investidores privados”.

No que diz respeito à geração de empregos, a suinocultura empregou diretamente cerca de 151 mil pessoas e criou mais de 1.102.422 empregos indiretos, resultando em uma massa salarial superior a R$ 6,2 bilhões apenas em 2023.

Por fim, Machado resumiu o balanço anual de carne suína brasileira de 2015 a 2023, trazendo os principais índices de produção, exportação e consumo doméstico.

O conteúdo, além de ter sido disponibilizado à Câmara, pode ser acessado na íntegra por demais interessados aqui.

Impacto das chuvas na suinocultura do Rio Grande do Sul

Ainda na pauta da Câmara Setorial, o presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Ricardo Santin, trouxe os números dos prejuízos causados pelas enchentes no estado do Rio Grande do Sul. Segundo dados da Associação de Criadores de Suínos do Rio Grande do Sul (Acsurs), o estado perdeu 12.698 animais, o que representa um prejuízo de mais de R$ 10 milhões para o setor; além de R$ 30 milhões em danos estruturais e R$ 8 milhões em danos causados de forma indireta.

Além da calamidade pública no Rio Grande do Sul, a Câmara tratou ainda sobre os números da produção de milho e soja no Brasil, mercados externo e interno de Aves e Suínos e projeções futuras. A próxima agenda da Câmara será no mês de agosto, no Siavs.

Fonte: Assessoria ABCS
Continue Lendo

Suínos / Peixes

Bem-estar animal e legislação: reflexões da agroindústria no manejo pré-abate

A crescente pressão dos consumidores por alimentos seguros, éticos e de alta qualidade impõe novos desafios e responsabilidades a todos os envolvidos na produção e no transporte de suínos.

Publicado em

em

Fotos: Shutterstock

Especialistas e profissionais do setor suinícola se reuniram para compartilhar conhecimentos e discutir os desafios e oportunidades envolvendo o delicado processo de carregamento e transporte de suínos para abate em meados de março, no Encontro Regional da Associação Brasileira de Veterinários Especialistas em Suínos (Abraves), realizado em Toledo, região Oeste do Paraná. Entre os holofotes desse evento crucial, despontou a palestra de Luana Torres da Rocha, médica-veterinária e gerente de Suprimentos Suínos na Frimesa, uma das maiores agroindústrias do país. Em sua abordagem, Luana delineou não apenas os intricados aspectos práticos do manejo pré-abate, mas também ecoou a preocupação uníssona da indústria com o bem-estar animal e a conformidade legal.

Médica-veterinária e gerente de Suprimentos Suínos na Frimesa, Luana Torres da Rocha: “Somos parte integrante de uma extensa cadeia de valor, na qual cada elo desempenha um papel fundamental. Quando um desses elos se enfraquece ou se rompe, todos os demais são afetados” – Foto: Francieli Baumgarten/OP Rural

Luana aborda de maneira abrangente as complexidades envolvidas em cada etapa do processo e destaca a importância crucial do bem-estar animal e da conformidade com a legislação vigente. “Somos parte integrante de uma extensa cadeia de valor, na qual cada elo desempenha um papel fundamental. Quando um desses elos se enfraquece ou se rompe, todos os demais são afetados”, considera.

Ela frisa a crescente pressão dos consumidores por alimentos seguros, éticos e de alta qualidade, o que impõe novos desafios e responsabilidades a todos os envolvidos na produção e no transporte de suínos. “Estão cobrando cada vez mais os estabelecimentos de abate, as agroindústrias e cooperativas. E com aumento na produção e comercialização da proteína animal, principalmente exportação, estamos sendo cada vez mais cobrados. Com isso, além da busca por alimentos seguros, com qualidade sensorial, também há a busca por qualidade ética. Que são produtos derivados de animais que foram nascidos, criados e abatidos em sistemas que promoveram o bem-estar animal adequado”, relata.

Manejo pré-abate

No cerne das preocupações está o manejo pré-abate, considerado o momento mais estressante na vida dos animais. “Nele temos a etapa de jejum alimentar, manejo de embarque, transporte, manejo de desembarque no frigorífico, o período de descanso onde a insensibilização é propriamente dita, é o momento onde o suíno será insensibilizado então, posteriormente, sangrado. Sendo a sangria a última etapa do bem-estar animal”, explica a palestrante.

“É fundamental assegurar o bem-estar dos suínos em todas as etapas, desde o embarque até o momento do abate, conforme preconizado pela legislação, na qual somos legalmente responsáveis por sua proteção”, ressalta a médica veterinária. Ela também fez referência à legislação vigente, em particular ao Artigo 88 do Regulamento da Inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal (RIISPOA), que atribui aos estabelecimentos a responsabilidade de adotar medidas para garantir o bem-estar dos animais durante o transporte. “É importante ressaltar que estamos sujeitos a autuações caso ocorram intercorrências durante o embarque e transporte dos suínos”, alerta Luana.

Durante sua explanação, a profissional identificou diversos fatores estressantes para os animais, como a separação dos companheiros de baia, o tamanho dos grupos de condução, as condições de manejo, a locomoção em longas distâncias e a angulação do embarcadouro. “Além disso, há situações desafiadoras envolvendo os suínos ambulatoriais, sejam eles lesionados ou não. Com o aumento do peso médio dos animais abatidos e o embarque realizado em diferentes horários do dia, é comum encontrar suínos cansados e ofegantes durante o processo de transporte”, explica.

No que diz respeito ao transporte, Luana destaca o risco de mortalidade e lesões se não forem seguidas as práticas adequadas. “Muitas vezes o transporte já recebeu um suíno que

estava inapto, conduzirá o animal que vai acabar morrendo durante o transporte”, diz. Fatores como a densidade do transporte também são levantados por Luana. “É um espaço confinado e atualmente tem sido utilizado 235 kg/m², o que é considerado, hoje, bom para o Brasil, mas acredito que com o tempo isso mudará, pois, até mesmo a legislação europeia está aumentando esse espaçamento”.

Além disso, ela menciona a duração da viagem, que pode afetar diretamente o estado dos animais durante o transporte. “Podemos identificar a duração de uma viagem mais longa e uma mais curta, ambas com pontos positivos e negativos. Comumente as pessoas pensam que uma viagem curta é muito benéfica, mas observamos uma alta ocorrência de animais cansados e fadigados, pois acabaram de passar por um manejo de embarque, não tiveram tempo de descansar e já têm que ser desembarcados”, relata.

“Temos também as condições climáticas, já que no verão é observado um índice maior de mortalidade durante o transporte. A condução inadequada dos veículos também pode causar mortalidade, fraturas e contusões. E a parada do veículo em rodovias também pode ser maléfica aos animais. Além disso observamos a

mortalidade em transporte. Embarque realizado em períodos quentes do dia gera atraso no processo de embarque e mortalidade”, aponta Torres.

Problemas na carne

A questão da carne PSE (pálida, flácida e exsudativa) também foi abordada pela palestrante, que ressalta a importância de minimizar o estresse nos animais nas horas que antecedem o abate, a fim de evitar prejuízos financeiros e perda de confiança dos clientes. “Há toda uma mudança do metabolismo e da transformação do músculo, geralmente ocasiona esse tipo de carne quando o animal passa por estresse nas últimas horas que antecedem o abate. A carne baixa o pH ainda com a carcaça quente, o que acaba desnaturando as proteínas. Isso gera, obviamente insatisfação e reclamação por parte dos clientes, além das perdas financeiras graves, acarreta na perda de credibilidade com esses clientes”.

Luana reforça a importância da orientação contínua e do compromisso com a melhoria constante em todas as etapas do processo. “Quando a ‘batata quente’ chega no frigorífico não temos mais muito o que fazer, pois não podemos voltar atrás e fazer diferente. Mas temos o dever de repassar e orientar para que das próximas vezes mude”, ressalta. “Vale lembrar que o período de descanso no frigorífico tem que ser utilizado como aliado na recuperação adequada do suíno, utilizando também eletrólitos na recuperação do balanço hidroeletrolítico, que apresenta grande diferença. E também utilizar o enriquecimento ambiental visando a redução de brigas. Porém há uma incógnita por que esse fator pode aumentar a atividade dos animais durante o período de descanso e isso pode afetar a recuperação da musculatura”, menciona Luana ao proporcionar observações importantes para os profissionais do setor.

Para ficar atualizado e por dentro de tudo que está acontecendo na suinocultura acesse a versão digital de Suínos clicando aqui. Boa leitura!

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
IMEVE BOVINOS EXCLUSIVO

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.