Conectado com
VOZ DO COOP

Empresas

Sucesso da inseminação em suínos depende diretamente da qualidade do material genético, explica médica veterinária

Laura dos Santos ressalta que a qualidade da dose de sêmen define o nível de sucesso reprodutivo do plantel e, consequentemente, do programa de inseminação artificial.

Publicado em

em

Divulgação

Uma das biotécnicas reprodutivas mais adotadas da atualidade, a Inseminação Artificial (IA) de suínos, é amplamente utilizada devido ao alto nível de praticidade e eficiência. Segundo a médica-veterinária da Auster Nutrição Animal, Laura dos Santos, atualmente, a técnica é empregada em mais de 90% dos países produtores – incluindo o Brasil. “Para ter sucesso na inseminação artificial, um fator em especial deve ser levado em consideração: a qualidade da dose espermática – determinante para o bom desenvolvimento dos suínos”, ressalta Laura.

A IA confere uma série de vantagens à suinocultura, destacando-se o ganho genético e a redução de custos da reprodução. O procedimento é simples, mas exige cuidados para ser eficiente. Os produtores contam com as Centrais de Processamento de Sêmen (CPS) à disposição, que garantem a qualidade e a garantia de melhores índices reprodutivos. “Os benefícios são inúmeros. Além da qualidade garantida, as CPS possuem protocolos rígidos de biossegurança, o que resulta em produção de doses provenientes apenas de animais saudáveis do plantel”, afirma Santos.

Em relação ao bem-estar e à sanidade dos suínos, a inseminação artificial apresenta importantes diferenciais. Por evitar o contato direto entre macho e fêmea, há redução do risco de lesões e transmissão de doenças. Além disso, a técnica permite controle mais rigoroso da qualidade do sêmen utilizado, minimizando a propagação de enfermidades genéticas e infecciosas.

Outro ponto importante é a motilidade espermática (critério adotado para analisar a capacidade de deslocamento do esperma do trato reprodutivo até a penetração no óvulo: oócito). De acordo com estudo do Departamento de Zootecnia (DZO), da Universidade Federal de Viçosa (UFV), quando a motilidade fica abaixo de 60% as taxas de penetração do espermatozoide são comprometidas, impactando a taxa de prenhez e o tamanho da leitegada. “O ejaculado tem aprovação somente quando obtém motilidade mínima de 70%, com intuito de prevenir falhas no processo”, explica a médica veterinária.

Laura dos Santos ressalta ainda que “a temperatura incorreta do copo utilizado na coleta, o armazenamento indevido da dose de sêmen e as contaminações no momento de coletar o ejaculado também podem impactar diretamente a motilidade espermática”.

A análise da morfologia do sêmen suíno também é imprescindível, já que colabora com a assertividade no descarte de amostras e de machos que apresentam determinada quantia de anormalidades no material. “Esse exame é importantíssimo para identificar defeitos relacionados à idade do reprodutor, intervalo entre as coletas, estresse térmico e problemas causados pelo processamento do sêmen, como contaminação bacteriana e qualidade do diluente utilizado. Estes fatores estão intrinsecamente conectados aos resultados reprodutivos”, alerta Laura.

O nível de concentração do sêmen suíno é crucial para determinar sua qualidade – visto que permite determinar a quantidade de doses que podem ser produzidas com o ejaculado de um mesmo reprodutor. “Um macho atende em média a 200 fêmeas (1:200; doses de 2 a 3 bilhões de espermatozoides), pela inseminação tradicional, já na inseminação pós-cervical ou intrauterina, um reprodutor pode atender, em média, a 400 fêmeas (1:400; doses de 1,5 bilhões de espermatozoides)”.

Laura dos Santos ressalta que a qualidade da dose de sêmen define o nível de sucesso reprodutivo do plantel e, consequentemente, do programa de inseminação artificial. “A nutrição de qualidade para machos reprodutores e as boas práticas de manejo e bem-estar aos animais também fatores importantes para o sucesso da IA”, diz.

Fonte: Ass. de imprensa
Continue Lendo

Empresas APA

Novonesis reforçará benefícios dos probióticos na saúde e nutrição de aves no Congresso APA de Ovos 2024

Resultado da combinação de negócios entre Novozymes e Chr. Hansen, a empresa de biociência é líder mundial em Soluções Biológicas para promoção de um planeta mais saudável. São 10.000 pessoas em todo o mundo e uma experiência que abrange mais de 30 setores diferentes

Publicado em

em

Head de Saúde e Nutrição Animal Latam, Alberto Yocyitaca Inoue - Foto e texto: Assessoria

A Novonesis apoia a avicultura de postura e é parceira do XXI Congresso APA de Produção e Comercialização de Ovos 2024, entre 11 e 14 de março, em Ribeirão Preto (SP). A empresa conta com soluções nutricionais alinhadas às tendências globais para sustentabilidade, bem-estar animal e redução do uso de antibióticos melhoradores de desempenho na produção avícola.

Para o Head de Saúde e Nutrição Animal Latam, Alberto Yocyitaca Inoue, que há mais de duas décadas participa do encontro, o Congresso é um “evento tradicional e fundamental para a avicultura de postura no Brasil”.

“O Congresso APA de Produção e Comercialização de Ovos é uma oportunidade ímpar para discutir questões atuais, tendências e promover interações entre profissionais de diferentes áreas e regiões. Reforçamos o compromisso com esse mercado essencial”, reforça Inoue.

Entre os destaques da Novonesis está a linha Gallipro, composta por aditivos probióticos para controle de patógenos, melhoria de performance, bem-estar animal, integridade intestinal e melhor qualidade de ovos. “Um destaque da linha é Gallipro Fit, que vem apresentando excelentes resultados para o segmento de ovos, como aumento de tempo de prateleira (shelf life), melhoria nos parâmetros de bem-estar e qualidade interna e externa dos ovos”, ressalta Alberto Inoue.

Para ficar por dentro das novidades do XXI Congresso APA de Produção e Comercialização de Ovos 2024 basta acessar, curtir e seguir: https://linktr.ee/congressodeovosap

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas Prejuízos econômicos

Leptospirose bovina requer mais atenção em meses quentes e chuvosos

A doença provoca perdas econômicas à pecuária, pois influencia diretamente o potencial reprodutivo do gado

Publicado em

em

Divulgação Syntec

A leptospirose é uma doença infectocontagiosa de caráter zoonótico que ocorre com maior frequência em países de clima tropical e subtropical, principalmente em períodos com altos níveis pluviométricos – mais favoráveis à sobrevivência de bactérias do gênero Leptospira. No verão, por exemplo, a intensificação das chuvas aumenta o risco de exposição e contaminação dos bovinos, resultando em prejuízos produtivos e reprodutivos no rebanho.

Fernando Santos, médico-veterinário e Gerente Nacional de Vendas de Grandes Animais da Syntec do Brasil

“A doença provoca perdas econômicas à pecuária, pois influencia diretamente o potencial reprodutivo do gado. Isso acontece porque a leptospirose está direta e indiretamente ligada a falhas reprodutivas, como infertilidade e abortamento, à queda da produção de carne e de leite, além dos custos para o tratamento dos animais”, explica o médico-veterinário Fernando Santos, Gerente Nacional de Vendas de Grandes Animais da Syntec do Brasil.

A principal via de transmissão é a urina de animais infectados, que pode contaminar a água, o solo e os alimentos, podendo ocorrer também via mucosas e lesões na pele. O principal transmissor são os roedores infectados, que eliminam a bactéria Leptospira via urina, podendo infectar os humanos e animais domésticos. Fernando explica que um único bovino pode urinar mais de 30 litros por dia, tendo em vista que a urina é a maior fonte de transmissão da leptospirose e que os bovinos são animais gregários, passando a maior parte do tempo juntos. O contágio acontece de forma rápida e acentuada, assim como o surgimento dos prejuízos econômicos para o produtor. “Um animal acometido com a Leptospirose pode eliminar a bactéria por 180 dias em sua urina, o que totaliza 5.400L de urina contaminada eliminada por animal. Por isso, um animal acometido pode facilmente contaminar os demais animais da propriedade.”

A leptospirose pode se manifestar de forma aguda ou crônica. Os sintomas incluem febre, perda de apetite, depressão, icterícia (coloração amarela da pele e das mucosas), assim como os já citados, abortos e infertilidade. “Em animais jovens e adultos, ocorrem lesões nos rins que podem levar à falência desses órgãos fundamentais para a manutenção da vida. A forma crônica pode ser assintomática e, nesse caso, é mais perigosa, pois um único animal pode ser fonte de infecção para o rebanho inteiro”, alerta o especialista.

O veterinário informa que a leptospirose em bovinos pode ser causada por diferentes sorovares (variantes) de Leptospira, sendo o sorovar Hardjo um dos mais comuns em bovinos. “o sorovar Hardjo é o mais prevalente no rebanho bovino, causando importantes prejuízos econômicos e ao bem-estar animal na propriedade. “Até pouco tempo, não tínhamos disponível no mercado veterinário brasileiro uma vacina para prevenção contra esse importante sorovar.”

De acordo com Santos, para controlar e prevenir essa enfermidade, é importante a aplicação de medidas de higiene e identificação de fontes de transmissão. Outras ações essenciais são o diagnóstico e tratamento adequado dos bovinos acometidos e sempre manter o calendário de vacinação em dia. “Assim, é possível evitar a leptospirose e proteger a saúde do rebanho e, também dos próprios criadores – por se trata de uma zoonose”, finaliza.

Para auxiliar os criadores na prevenção da leptospirose bovina, a Syntec do Brasil disponibiliza a vacina Leptotec 8, que conta com os principais sorovares que acometem os bovinos, equinos e suínos, sendo a única no mercado que possui 3 sorovares de Hardjo. A vacina possui 30 doses e possui como diferencial o adjuvante CFM, que causa menores reações vacinais e melhor resposta imunológica.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas

Boehringer levará suas soluções para saúde avícola durante o XXI Congresso APA de Produção e Comercialização de Ovos 2024

Durante a 21ª edição do congresso, a Boehringer Ingelheim estenderá seu compromisso com a inovação e o bem-estar animal na avicultura

Publicado em

em

Filipe Fernando, Gerente de Marketing de Aves e Suínos da Boehringer Ingelheim - Crédito: Divulgação

A Boehringer Ingelheim, empresa especializada em saúde animal, confirma sua participação no XXI Congresso APA de Produção e Comercialização de Ovos 2024, que será realizado de 11 a 14 de março no Centro de Convenções de Ribeirão Preto (SP), um dos eventos mais importantes do setor avícola de postura do Brasil, organizado pela Associação Paulista de Avicultura (APA) e com o apoio da Coordenadoria de Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo (CDA), órgão ligado à Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Governo do Estado de São Paulo.

Durante a 21ª edição do congresso, a Boehringer Ingelheim estenderá seu compromisso com a inovação e o bem-estar animal na avicultura, apresentando seu portfólio de vacinas, entre elas, a Vaxxitek® HVT+ND, Vaxxitek® HVT+IBD+ND, Prevexxion® RN e Newxxitek® HVT+ND, . Além disso, a empresa prepara o anúncio de uma grande novidade para o setor, que promete trazer ainda mais tecnologia e inovação para o combate cruzado de três enfermidades recorrentes na avicultura.

Segundo Filipe Fernando, Gerente de Marketing de Aves e Suínos da Boehringer Ingelheim, o Congresso APA de Produção e Comercialização de Ovo é um evento crucial para reencontros com colegas da cadeia produtiva de ovos, entre eles clientes e parceiros, além de considerar o evento essencial para atualização e prospecção de negócios. “O congresso tem um papel fundamental para o setor produtivo dada a qualidade da programação que aborda as últimas tendências, inovações tecnológicas e conjunturas de mercado, essenciais para projetar o futuro da produção de uma atividade essencial para a economia nacional”, destaca.

As tecnologias e serviços que serão apresentadas, segundo Filipe, reforçarão o compromisso da multinacional com o setor de ovos por meio de uma linha abrangente de vacinas e sistemas de administração para garantir a saúde e o bem-estar das aves de postura, esforços que visam assegurar ovos seguros, acessíveis, abundantes e sustentáveis.

A expectativa da Boehringer Ingelheim para a edição 2024 é altamente positiva, pois representa uma oportunidade valiosa para troca de conhecimentos, estabelecimento de novas parcerias e fortalecimento de redes profissionais. “Estaremos ansiosos para contribuir com o setor de ovos, compartilhar nossas inovações e fortalecer parcerias. Estamos comprometidos em desempenhar um papel ativo no avanço do setor e esperamos que este evento seja um passo importante nesta jornada”, completa Filipe Fernando.

 

Serviço:

XXI Congresso APA de Produção e Comercialização de Ovos 2024

DATA: 11, 12, 13 e 14 de março de 2024

LOCAL: Centro de Convenções de Ribeirão Preto (Ribeirão Preto/SP)

Organização: Associação Paulista de Avicultura (APA)

Apoio: Coordenadoria de Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo (CDA)

Acesse: www.congressodeovos.com.br

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.