Conectado com
VOZ DO COOP

Avicultura

Stephanie Etzel: a colunista de O Presente Rural que encantou o MasterChef Brasil

Nesta reportagem exclusiva, mergulhe na jornada de Stephanie, desde seus primeiros passos na cozinha até sua recente participação no MasterChef Brasil Temporada 10, com destaque para sua influência marcante no universo da culinária rural e saudável.

Publicado em

em

Fotos: Divulgação

Que tal dar uma pausa na granja e na agroindústria e embarcar em uma viagem gastronômica na cozinha? Topa? Conheça a história de uma estrela em ascensão que conquistou o Brasil com sabores e inovações. Stephanie Petenon Etzel, nascida em São Paulo e criada na Alemanha, voltou ao Brasil para se tornar ícone no cenário gastronômico. Stephanie assinou a coluna O Presente Rural na Cozinha, ensinando receitas de pratos saborosos a base de proteína animal e conquistando grande audiência dos leitores. Agora ela levou o mundo rural até o MasterChef Brasil, o programa de maior influência entre os atores gastronômicos do país.

Nesta reportagem exclusiva, mergulhe na jornada de Stephanie, desde seus primeiros passos na cozinha até sua recente participação no MasterChef Brasil Temporada 10, com destaque para sua influência marcante no universo da culinária rural e saudável.

Stephanie Petenon Etzel é formada em Designer de Comunicações Visuais e Marketing pela ESPM em 2013, Natural Chef pela Natural Chef Brasil concluído em 2021

Stephanie, hoje uma influencer com mais de 220 mil seguidores somente em uma rede social, relembra que a experiência de escrever para o jornal O Presente Rural, em 2020, foi uma oportunidade única, pois foi o primeiro contato dela como colunista gastronômica. “Vi o desafio como uma boa oportunidade em trazer receitas inusitadas para o dia a dia dos leitores. Os pratos que mais me marcaram com certeza foram a receita tradicional do Frango de Natal e o Pudim de Natal da minha mãe, o Pão de Abóbora com Calabresa e Erva Doce e a Mini Kafta de Carne de Frango Moída. E que por sinal, guardo as páginas das receitas como recordação até hoje”, revela.

Stephanie continuou a aperfeiçoar as suas técnicas. Neste ano, entrou para o MasterChef, um reality show de competição culinária que foi criado no Reino Unido e se tornou um fenômeno internacional. Ela compartilha que ter participado deste programa foi uma experiência inexplicável. “Após conquistar o avental da 10ª temporada com um petit gateau, e de ter ganhado a colher com uma receita vegana e sem glúten, entrei como cozinheira amadora para o time de 18 competidores que disputam o troféu do MasterChef em 2023. Participar desta temporada, quando vivi momentos de muita tensão, aprendizado, elogios e conquistas foi extremamente gratificante”, frisa.

O programa

“O elogio do Jacquin quando entreguei a bala baiana foi muito gratificante. Ele disse que o meu caramelo estava impecável. Eu estudei esta técnica somente na teoria, mas nunca tinha aplicado na prática”

O programa é formado por diversos episódios nos quais os participantes competem em vários desafios, como cozinhar pratos específicos, preparar refeições em um tempo limitado e superar desafios criativos. Stephanie participou de inúmeros episódios, ficando entre os nove melhores. Ela conta que ter participado do talent show foi a oportunidade perfeita para colocar em prática duas paixões: cozinhar com criatividade e compartilhar o que sabe sobre uma rotina mais positiva. “O meu maior objetivo foi ter espaço para mostrar que é possível ter uma vida mais saudável, independente de classe social e de conhecimento, e que isso pode revolucionar a saúde e o bem-estar dentro de uma casa, com coisas muito básicas”, reflete.

De acordo com ela, o momento mais desafiador foi a primeira prova, que pedia a elaboração de um clássico francês: o Macaron. “Eu nunca tinha feito isso, pois a confeitaria clássica francesa não era algo que eu tinha prática e com certeza os processos minuciosos me pegaram. Fazer uma receita tão técnica sem nunca nem ter visto um vídeo de como é feito, sem saber a receita de cor e sem ajuda de ninguém foi o momento mais desafiador! Ser destaque negativo logo de cara me abalou muito, mas foi o que me impulsionou a estudar muito e correr atrás dos destaques positivos que vieram depois”, recorda.

Stephanie reforça que participar do programa trouxe muitos aprendizados. “Participar do MasterChef me ensinou a importância de acreditarmos nas nossa capacidade de aprendizado e desenvolvimento. Falo isso para todos que me perguntam. Acredite em si! Se você tem um sonho, vá atrás, faça acontecer, estude, prepare-se. Nada é fácil, mas a dedicação sempre é recompensada. Lembre-se sempre que ninguém vai fazer nada por você. É sua tarefa correr atrás dos seus sonhos”, recomenda.

Memórias da Alemanha

Stephanie relembra que a relação dela com a gastronomia começou quando era criança e morava na Alemanha, pois a mãe dela à incentivava bastante em ser ativa na cozinha. “Foi uma excelente experiência morarmos lá. Minha família sempre prezou por uma alimentação saudável, sem deixar de lado o sabor. Desta forma, fui explorando muito por conta própria meus limites na cozinha”, relembra, acrescentando a fascinação que ela enxerga ao ver chefes que conseguem transformar alimentos simples em “explosões de sabor”. “Adoro estudar técnicas diferentes para manipular ingredientes simples, bem como testar combinações inusitadas. Juntar ingredientes que jamais as pessoas juntariam no dia a dia e fazer com que isso traga uma nova leitura para quem está comendo é fascinante”.

Ela também enaltece a visão que possui da importância do estudo, tanto de experiências teóricas quanto práticas. “Eu leio bastante, mas também observo outros chefes cozinhando, porque estou sempre buscando entender mais e mais sobre os benefícios dos alimentos e isso acaba refletindo no que mostro para os meus seguidores no dia a dia. Prezo demais por trazer informações científicas e explicar de maneira simples sobre o porquê do consumo de certos alimentos, visando a degustação de excelentes pratos de comida”, explica.

A arte de usar a comida

O jurado Rodrigo disse que a Stephanie foi a participante que mais surpreendeu nas combinações dos pratos e que ela foi a participante que entregou os pratos mais lindos da 10ª edição

Stephanie conta que possui uma história de amor em trabalhar com legumes da estação e tentar combinar eles com as proteínas. “Adoro fazer pratos com pescados, frutos do mar, aves e ovos. Acho a variedade de aplicação de ovos uma coisa fascinante. Eles vão bem com tudo e podem ser preparados de tantas maneiras que a gente até se perde. Existem muitas possibilidades para alcançar uma experiência fascinante com a degustação das proteínas, pois são muitos os temperos e condimentos que podem trazer experiências únicas”, sugere.

Ela explica que a cozinha possibilita experiências multissensoriais e que sempre estão presentes no ato de cozinhar. Com relação as técnicas que ela utiliza para criar boa gastronomia, ela diz que busca entender os pilares e as técnicas clássicas. “A partir deste entendimento, tento aplicar isso em cima dos meus experimentos. Principalmente as técnicas francesas que caminham ao contrário da gastronomia funcional e saudável, eu tento adaptar utilizando os mesmos pilares técnicos. É uma belo desafio, mas que adoro e que possibilitam experiências únicas e incríveis, algumas até conseguem trazer memorias positivas da nossa infância”, descreve.

O futuro

O restaurante próprio é a próxima meta da colunista do jornal O Presente Rural que conquistou o Brasil. “Vou continuar investindo e estudando na área da gastronomia. Estou aberta e procurando investidores para abrir o meu próprio restaurante. Continuarei como influenciadora nas redes sociais e com certeza teremos lançamentos de produtos relacionados ao assunto. Mas também continuarei sonhando em ter ou participar de um programa de TV”, revela.

Perfil da Stephanie por ela mesma

Stephanie Petenon Etzel, legítima taurina, ligada no 220V, nascida em 1991 na cidade de São Paulo e criada no Sul da Alemanha durante a infância e adolescência. Amante dos bons treinos, jogadora amadora de tênis, vidrada em emanar boas energias, diretora de criação, apreciadora dos bons drinks e apaixonada por transformar alimentos simples em receitas deliciosas e saudáveis. Formada em Designer de Comunicações Visuais e Marketing pela ESPM em 2013, Natural Chef pela Natural Chef Brasil concluído em 2021.

Quer aprender a mini kafta de carne de frango moída? É só acessar este link.

Para ficar atualizado e por dentro de tudo que está acontecendo no setor avícola acesse acesse gratuitamente a edição digital Avicultura Corte e Postura. Boa leitura!

 

Fonte: O Presente Rural

Avicultura

Avicultura em foco no segundo dia do Congresso O Presente Rural

Programação repleta de palestras e discussões voltadas para o setor avícola. Você pode acompanhar tudo pelo Facebook e YouTube do jornal O Presente Rural.

Publicado em

em

Fotos: Sandro Mesquita/OP Rural

O segundo dia do Congresso de Avicultores e Suinocultores O Presente Rural começou cedo em Marechal Cândido Rondon (PR), com uma programação repleta de palestras e discussões voltadas para a avicultura. Este dia promete trazer informações importantes e atualizações para os profissionais do setor. Você pode acompanhar tudo pelo Facebook e YouTube do jornal O Presente Rural.

A abertura do acontece às 09h30 com palestra de Paulo Sérgio Cândido, diretor do Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do Paraná (Sindiavipar). Em sua explanação ele aborda o mercado de carnes, Cândido o cenário atual e as perspectivas para a avicultura, destacando as oportunidades de crescimento e os desafios que o setor enfrenta.

Às 10h15, Rafael Gonçalves Dias, gerente de Saúde Animal da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), sobe ao palco para abordar o atual cenário da influenza aviária, seus impactos na avicultura comercial e as medidas de controle e prevenção necessárias. A palestra traz uma análise detalhada das ações necessárias para garantir a biosseguridade e prevenir surtos da doença.

Logo após, às 11 horas, Marcos Mores, pesquisador da Embrapa Suínos e Aves, apresenta estratégias de biosseguridade para evitar a entrada de doenças nos aviários. Mores destaca práticas eficazes para a proteção do plantel, enfatizando a importância de uma abordagem preventiva.

A programação da manhã encerra com uma pausa para visitação aos estandes dos expositores e interação entre os participantes. Esta é uma oportunidade para os produtores e profissionais do setor conhecerem as últimas inovações e tecnologias disponíveis no mercado.

Às 14 horas, a programação técnica é retomada com Rudolf Giovan Portela, da Associação Nacional dos Fabricantes de Equipamentos para Aves e Suínos (Anfeas), que fala sobre a escolha, manutenção e uso correto de equipamentos, ressaltando a importância da tecnologia para a eficiência produtiva.

Encerrando o evento, às 14h45, Irineo da Costa Rodrigues, presidente da Lar Cooperativa, detalha os 25 anos da avicultura na Lar e oferece uma visão para o futuro. Rodrigues traz uma retrospectiva das conquistas e os planos para o desenvolvimento contínuo do setor, destacando as estratégias de crescimento e inovação da cooperativa.

Selmar Marquesin, diretor de Comunicação e Marketing do jornal O Presente Rural, expressou seu entusiasmo com o segundo dia do evento: “Hoje focamos na avicultura, um setor vital para o agronegócio brasileiro. As palestras foram essenciais para compartilhar conhecimento e promover a inovação contínua na produção avícola nacional”, enlateceu Marquesin.

Realização, apoio e patrocínio

O evento é realizado pelo jornal O Presente Rural, Lar Cooperativa Agroindustrial e Frimesa, com o apoio do Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do Paraná (Sindiavipar) e da Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS).

Além disso, conta com o patrocínio de importantes empresas do setor, incluindo na cota diamante Agrifirm, Agroceres PIC, American Nutrients, Biochem, Boehringer Ingelheim, Casp, Dandred, Grasp, MSD Saúde Animal, Oligo Basics, Sicredi e Vetanco; na cota ouro Cargill, Cobb, Huvepharma, Phibro, Salus, Suiaves, Vaccinar; na cota prata Agroceres Multimix, Aleris, Cinergis Agronegócios, DNA South America, Equittec, GD Brasil, HB Agro, Imeve, MS Schippers, NNATRIVM, Sanex, Sauvet, Sicoob, Suitek e Xcare; e na cota especiais BioSyn, MM2, Natural BR Feed, Ourofino, Polinutri, Vaxxinova e VetQuest.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Avicultura

Especialistas debatem em torno da vacinação contra Influenza aviária

Enquanto em muitos países as vacinas são uma estratégia à prevenção e controle da doença, no Brasil, sua aplicação é proibida, fundamentada pelas condições sanitárias, econômicas e de políticas públicas, além da não identificação da enfermidade em unidades comerciais de produção.

Publicado em

em

Foto: Renato Lopes/APA

Devido ao seu potencial devastador para as aves e possíveis riscos à saúde humana, a Influenza aviária (IA) representa uma preocupação crescente para a indústria avícola global. Enquanto em muitos países as vacinas são uma estratégia à prevenção e controle da doença, no Brasil, sua aplicação é proibida, fundamentada pelas condições sanitárias, econômicas e de políticas públicas, além da não identificação da enfermidade em unidades comerciais de produção. O Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) e outros órgãos reguladores justificam que a adoção de estratégias de vigilância ativa, controle de tráfego de aves e biossegurança nas granjas são mais eficazes na prevenção da enfermidade.

Durante o 21º Congresso APA de Produção e Comercialização de Ovos, realizado em Ribeirão Preto (SP), uma das discussões mais importantes girou em torno da mesa redonda dedicada às vacinas para Influenza aviária. Com a participação de especialistas da área, o debate proporcionou uma visão para explorar os desafios contemporâneos enfrentados nesse campo.

A zootecnista, diretora técnica da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) e coordenadora do Grupo de Trabalho de Sustentabilidade e Meio Ambiente do Conselho Mundial da Avicultura (IPC), Sula Alves, atuou como mediadora. Ela enfatizou que a vacinação preventiva não é permitida no Brasil e ressaltou que, no contexto internacional, o mercado tem se posicionado contra a vacinação como método de controle sanitário. “Esse é também o nosso posicionamento, que é sempre dependente do contexto atual e suscetível às mudanças conforme a situação e o momento exigirem”, ressaltou.

Brasil

A chefe da Divisão de Gestão de Planos de Vigilância do Departamento de Saúde Animal do Mapa, Daniela de Queiroz Baptista, detalhou estratégias para o enfrentamento da doença e o posicionamento do Mapa em relação ao uso da vacina. “A principal estratégia do Ministério da Agricultura para vigilância, controle e monitoramento da Influenza aviária é o nosso Plano de Contingência”, frisou.

Daniela ressaltou que a biosseguridade é uma peça-chave nesse processo. “A biossegurança é imprescindível para a prevenção, não apenas da IA, mas também de outras doenças”, salientou, adiantando que o Mapa está fazendo a vigilância genômica dos vírus que chegaram ao Brasil para fazer uma caracterização completa desses agentes patogênicos.

Quanto à vacinação, esclareceu que, segundo a Instrução Normativa 32 de 2002, a aplicação de vacinas contra IA só é permitida em situações excepcionais quando da comprovação da doença em aves comerciais, avaliação do risco, análise da situação epidemiológica e após autorização do Departamento de Saúde Animal do Mapa, e não como medida preventiva rotineira. “O registro de vacinas contra Influenza aviária ainda não é autorizado pelo Mapa, mas existe a prerrogativa de solicitar a importação desses produtos para vacinar um lote em uma situação de emergência, se necessário, por meio do decreto 5053 para atendimento aos programas oficiais a qualquer momento, mesmo que essas vacinas não estejam registradas no Brasil. E isso quer dizer que a aplicação deste imunizante é proibida no Brasil, mas pode ser aplicado mediante avaliação”, explicou.

América Latina

Autoridade em sanidade avícola reconhecido mundialmente, o médico-veterinário Luiz Sesti apontou como preocupante a falta de informação sobre a vacinação contra a gripe aviária no mundo, especialmente entre a indústria avícola e as autoridades de diversos países. “É impressionante a desinformação sobre vacinação contra a gripe aviária no mundo”, apontou.

Em alguns países da América Latina, a aplicação da vacina é restrita a aves de longa vida, como poedeiras comerciais e aves de reprodução pesadas e medianas, sendo adotada apenas por Equador, Peru, Bolívia e Uruguai, contudo nenhum lote de frango de corte destes países foi vacinado até o momento. México, Guatemala e República Dominicana vacinam todas as aves.  “Uma limitação importante é que nenhum desses países na América Latina possui a capacidade de realizar o teste de diferenciação entre aves vacinadas e infectadas (DIVA), devido ao uso de plataformas de vacinas que não permitem essa tecnologia”, evidenciou.

Já o doutor em Medicina Veterinária, Filipe Fernando, destacou as tecnologias de imunizantes disponíveis no mercado e os países que já adotam a vacinação em escala. Ele ressaltou que os desafios enfrentados no mundo atualmente não se limitam apenas às aves, mas afetam todos os elos da cadeia avícola global e têm implicações na segurança alimentar do planeta.

Com sua atuação no Peru, o médico-veterinário Cesar Alfredo Reyes Macedo trouxe uma perspectiva regional, destacando os desafios únicos enfrentados pelo Peru na luta contra a Influenza aviária, destacando os conceitos aprendidos ao longo de mais de um ano do registro da gripe aviária no país, onde a imunização das aves é uma prática consolidada.

Com 85% da indústria avícola peruana situada na costa, Macedo ressaltou a preocupação com a propagação do vírus através da migração. Ele sublinhou a importância da saúde única em nível global, destacando os impactos ecológicos da doença nos países afetados. “É preciso cada vez mais reforçar que o controle do vírus não apenas protege a indústria avícola, mas também é imprescindível para prevenir novas pandemias e garantir a segurança alimentar global”.

O médico-veterinário Marcelo Zuanaze encerrou a mesa redonda com uma visão sobre o futuro da pesquisa e o desenvolvimento de vacinas. Sua apresentação destacou a importância da inovação contínua e da colaboração global para enfrentar os desafios impostos pela Influenza aviária. “Não existe uma solução única. Devemos adotar uma abordagem abrangente, incluindo biossegurança, vigilância ativa e passiva, além de educação e comunicação. Seguir as diretrizes do plano nacional contra a doença é essencial para garantir transparência e confiança na segurança alimentar. Educar a população é vital para evitar impactos negativos tanto no consumo como nas relações comerciais do Brasil”, enfatizou.

Para ficar atualizado e por dentro de tudo que está acontecendo no setor avícola acesse a versão digital de Avicultura de Corte e Postura clicando aqui. Boa leitura

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Avicultura

Congresso de Avicultores e Suinocultores O Presente Rural: programação para impulsionar conhecimento e inovação

Evento anual reúne os principais nomes da avicultura e suinocultura, oferecendo uma programação abrangente e diversificada destinada a promover o conhecimento e a inovação nesses setores vitais para o agronegócio brasileiro.

Publicado em

em

Em uma semana, nos dias 11 e 12 de junho, Marechal Cândido Rondon, no Oeste do Paraná, será o palco do Congresso de Avicultores e Suinocultores O Presente Rural. Este evento anual reúne os principais nomes da avicultura e suinocultura, oferecendo uma programação abrangente e diversificada destinada a promover o conhecimento e a inovação nesses setores vitais para o agronegócio brasileiro. O evento será realizado em formato híbrido, com participação presencial para convidados e com transmissão ao vivo pelo Facebook e YouTube do jornal O Presente Rural.

No primeiro dia, 11 de junho, as atividades serão dedicadas à suinocultura. A programação inicia às 09h40 com uma palestra sobre os desafios atuais da suinocultura, ministrada por Elias Zydek, presidente da Frimesa. Às 10 horas, Marcelo Lopes, presidente da Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS), discutirá o mercado da carne suína, abordando o cenário atual, perspectivas futuras, aumento do consumo interno e exportações. Em seguida, às 10h45, Charli Ludtke, diretora técnica da ABCS, falará sobre o papel do produtor no bem-estar animal.

Após uma pausa para interação com empresas, as atividades serão retomadas às 13h30 com Luciana Diniz dos Santos da Silveira, presidente regional da Associação Brasileira dos Médicos Veterinários Especialistas em Suínos (Abraves-PR), que discutirá a identificação e tratamento de doenças em suínos. Às 14h15, Marcos Mores, pesquisador da Embrapa Suínos e Aves, abordará a prevenção e os impactos de doenças respiratórias em suínos. A programação do dia será encerrada às 15 horas com Rafael Gonçalves Dias, gerente de Saúde Animal da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), que falará sobre biosseguridade na granja suína.

No dia 12 de junho, o foco será a avicultura. A programação começa às 09h30 com Paulo Cândido, diretor do Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do Estado do Paraná (Sindiavipar), discutindo o mercado de carnes e as perspectivas para a avicultura. Às 10h15, Rafael Gonçalves Dias retornará para abordar a Influenza aviária e suas implicações na avicultura comercial. Às 11 horas, Marcos Mores falará sobre biosseguridade.

Às 14h00, Rudolf Giovani Portela, da Associação Nacional dos Fabricantes de Equipamentos para Aves e Suínos (Anfeas), apresentará uma palestra sobre a escolha, manutenção e uso correto de equipamentos. Encerrando o evento, às 14h45, Urbano Inácio Frey, segundo vice-presidente da Lar Cooperativa, falará sobre os 25 anos da avicultura na Lar e sua visão para o futuro.

Selmar Marquesin, diretor de Comunicação e Marketing do jornal O Presente Rural, enfatiza a importância do evento: “A programação deste ano foi cuidadosamente elaborada em colaboração com especialistas do setor para atender às reais necessidades da avicultura e suinocultura nas propriedades rurais. Queremos proporcionar um ambiente de aprendizado e troca de conhecimento que seja verdadeiramente relevante e impactante para os produtores”, ressalta.

Feira de Negócios

Entre as novidades do evento deste ano está a Feira de Negócios com algumas das mais importantes empresas brasileiras e grandes multinacionais, com focos variados dentro da nutrição e saúde animal , equipamentos, genética, dentre outros segmentos.

Realização, apoio e patrocínio

O evento é realizado pelo jornal O Presente Rural, Lar Cooperativa Agroindustrial e Frimesa, com o apoio do Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do Estado do Paraná (Sindiavipar) e da Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS).

Além disso, conta com o patrocínio de importantes empresas do setor, incluindo na cota diamante Agrifirm, Agroceres PIC, American Nutrients, Biochem, Boehringer Ingelheim, Casp, Dandred, Grasp, MSD Saúde Animal, Oligo Basics, Sicredi e Vetanco; na cota ouro Cargill, Cobb, Huvepharma, Phibro, Salus, Suiaves, Vaccinar; na cota prata Agroceres Multimix, Aleris, Cinergis Agronegócios, DNA South America, Equittec, GD Brasil, HB Agro, Imeve, MS Schippers, NNATRIVM, Sanex, Sauvet, Sicoob, Suitek e Xcare; e na cota especiais BioSyn, MM2, Natural BR Feed, Ourofino, Polinutri, Vaxxinova e VetQuest.

Com uma programação tão rica e diversificada, o Congresso de Avicultores e Suinocultores O Presente Rural promete ser uma experiência enriquecedora para todos os envolvidos, refletindo o compromisso contínuo com a inovação e o avanço do agronegócio brasileiro.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
SIAVS 2024 E

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.