Conectado com
VOZ DO COOP

Notícias

Sistema de integração melhora produção de soja no verão e pecuária no inverno

Família Garcia apostou na Integração Lavoura Pecuária para recuperar propriedade em Presidente Castelo Branco, potencializando a produção da oleaginosa e de carne.

Publicado em

em

Há 25 anos nas mãos da família Garcia, a Fazenda Santa Izabel, em Presidente Castelo Branco, no Noroeste do Paraná, passou por uma transformação desde que adotou o sistema de Integração Lavoura Pecuária (ILP). Hoje, a propriedade de 242 hectares registra resultados quase inimagináveis na produção de soja e gado de corte, diante das dificuldades na região do Arenito Caiuá, onde o solo é arenoso e com baixo teor de matéria orgânica (baixa capacidade de retenção de água e sujeito à erosão). As altas temperaturas no verão e a irregularidade no regime de chuvas também acentuam o déficit hídrico no solo.

André Garcia administra a Fazenda Santa Izabel ao lado do pai, João Garcia – Fotos: Divulgação/Faep

“Quando nós viemos para cá, mantivemos a monocultura com soja e milho e quase quebramos. Foi preciso arrendar uma parte da área para cana-de-açúcar, senão íamos perder a propriedade. Se você não diversificar o sistema e introduzir outras culturas em uma região como a do Arenito, o negócio não sobrevive”, afirma o produtor André Garcia, que administra a propriedade ao lado do pai, João Garcia.

A implantação de ILP na Fazenda Santa Izabel serviu de virada que a família Garcia precisava para salvar o negócio. Hoje, já são 15 anos com o sistema, que, ano após ano, mostra resultados cada vez mais satisfatórios. Nesta trajetória, a propriedade conta com assistência técnica da cooperativa Cocamar, a qual pai e filho são associados, e da Unicampo, cooperativa de trabalho de profissionais de agronomia de Maringá, em que André ocupa o cargo de presidente.

Rotatividade

Na safra de verão, 194 hectares são cultivados com soja. Em 19 hectares, a pastagem é fixa, onde são mantidas, em média, 200 cabeças de gado Nelore e Limousin em engorda intensiva. Após a colheita da oleaginosa, entra a braquiária na área de 194 hectares, ora solteira ora em consórcio com o milho (parte do cereal também será comercializado).

Normalmente, o plantio da braquiária (solteira ou consorciada) é realizado entre final de fevereiro e início de março, levando de 45 a 60 dias para chegar no ponto de pastejo. Dessa forma, em meados de maio, o gado é introduzido nessa área. O tempo em que os animais permanecem na fazenda varia entre 90 e 120 dias.

“Nesse caso, o boi entra como segunda safra, trazendo uma segurança maior. O manejo não é feito pensando somente no gado, mas para melhorar as áreas de soja. Como há maior oferta na época de reposição de animais, acaba sendo vantajoso”, avalia Willian Martins de Paula, engenheiro agrônomo da Cocamar.

Com esse tipo de manejo, os animais têm alimentação abundante durante o inverno e há aumento no ganho de massa corporal, o que vai na contramão da pecuária extensiva, ainda predominante na região Noroeste. Com o aumento da oferta do boi gordo a partir de maio e uma área de pastagem 10 vezes maior disponível, o rebanho dos Garcia pode chegar até 500 cabeças nesse período.

“Esse número varia de acordo com o ano, de 350 a 500 cabeças, mas a média é 400. Com o fim do inverno, quando retornamos o gado para o pasto fixo, não tem espaço para manter todos os animais. Parte desse gado, se já estiver apto, vai para o frigorífico. Se não, finalizamos no confinamento”, explica Garcia. “Se precisar, parte tenho que vender, para manter as 200 cabeças girando nesse sistema. Por isso é preciso planejamento”, acrescenta.

A estratégia para a terminação, segundo o produtor, é a dieta de alto grão, que utiliza milho no confinamento ou semiconfinamento. Como possui alto teor de energia, esse tipo de alimentação proporciona ganho de peso acelerado, melhor acabamento e rendimento de carcaça. Na Fazenda Santa Izabel, a média de ganho de peso diário na terminação chega a 1,5 quilo por animal. “A maior parte de ganho de peso o animal faz no pasto. No alto grão, geralmente se faz o acabamento de gordura e marmoreio”, complementa.

Apesar das vantagens observadas com o alto grão, um dos empecilhos é o preço do milho. Por isso, é importante que o produtor que adere ao sistema de integração saiba se adaptar conforme as necessidades. “Tem que trabalhar de acordo com o mercado. No último ano, não fiz alto grão por causa do preço do milho, que estava muito elevado. Acabei finalizando com ração e silagem”, observa.

O momento de retirada do gado da área de pastagem é crucial para que o sistema continue funcionando plenamente. Por isso, em agosto, acontece esse manejo, para que o tamanho da braquiária esteja adequado para dessecação e para não fugir à janela de plantio da soja, que começa em outubro na região.

Durante o inverno, a área fixa de pasto fica em pousio, quando acontecem correções de fertilidade e cobertura do solo, para que a pastagem se reestabeleça até o início do verão, quando o gado retorna.

Resultados em produtividade

Antes de implantar a ILP na propriedade, eram colhidos de 30 a 35 sacas de soja por hectare. Com o sistema, a média saltou para 60 sacas por hectare. A pecuária também vem mostrando excelentes resultados, maximizando a produtividade em uma área reduzida, visto que o potencial de produção de carne por hectare com ILP é mais eficiente. São praticamente 10 cabeças por hectare no verão, dez vezes mais que a média da região.

“Quando se pensa em sistema, significa que você ganha na soja em um ano, em outro no milho, e assim por diante. Se eu mantiver 500 cabeças de gado o ano inteiro, a estrutura não suporta. Tem produtor que se preocupa que, por estar colocando braquiária, perde um pouco da produtividade do milho. Mas esse não deve ser o foco”, salienta Garcia.

Os benefícios ambientais também colaboram para que a produtividade cresça a cada ano. No caso da soja, há aumento de resistência às intempéries climáticas, principalmente os veranicos, comuns na região Noroeste. Isso porque, com a palhada decorrente do plantio de braquiária no inverno, o solo ganha mais matéria orgânica, o que aumenta sua capacidade de retenção de água e nutrientes, e fica mais estruturado, com menos tendência à erosão. Há cerca de cinco anos, o produtor começou a introduzir o plantio de eucaliptos no entorno e nas divisas da fazenda.

Até o momento, o componente florestal do sistema ainda está em fase de testes, mas já contribui para o bem-estar animal, oferecendo mais conforto térmico aos bovinos por meio da sombra projetada pelas árvores.

“É um sistema que permite produção em equilíbrio e manejo sustentável, com variáveis para o produtor, de acordo com o clima, situação do mercado, objetivos do negócio, entre outros fatores. É preciso persistência, pois os resultados não aparecem de um ano para o outro. Mas, a cada ciclo com ILPF [Integração Lavoura Pecuária Floresta], o solo ganha estrutura para dar melhor suporte às adversidades”, esclarece Mariucélio Santos Lima, gestor do Projeto Astec da Unicampo.

Programa vai ampliar o sistema ILPF no Arenito Caiuá
O Sistema FAEP/SENAR-PR e a cooperativa Cocamar, com apoio da Associação Rede ILPF, Embrapa e Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR-Paraná), criaram o Programa de Capacitação em ILPF, para treinar profissionais para prestar assistência técnica e fomentar a tecnologia entre os produtores paranaenses.

A iniciativa vai ocorrer ao longo de 13 meses, de março de 2023 até abril de 2024, totalizando 139 horas de formação com Dias de Campo, visitas técnicas e consultorias. De forma paralela, os técnicos da Cocamar e do IDR-Paraná e instrutores do SENAR-PR vão desenvolver projetos em propriedades rurais de cooperados da Cocamar para implementação das técnicas de ILPF ao longo do programa.

A ILPF pode ser utilizada em diferentes modalidades, combinando dois ou três componentes em um sistema produtivo: Integração Lavoura Pecuária Floresta (ILPF) ou Sistema Agrossilvipastoril; Integração Lavoura Pecuária (ILP) ou Sistema Agropastoril; Integração Lavoura Floresta (ILF) ou Sistema Silviagrícola; e Integração Pecuária Floresta (IPF) ou Sistema Silvipastoril. Pode ser feita em cultivo consorciado, em sucessão ou em rotação, de forma que haja benefício mútuo para todas as atividades.

Fonte: Sistema Faep/Senar-PR

Notícias

Otimização de processos é desafio à indústria de aves e suínos no Brasil

Cerca de 150 profissionais, pesquisadores e especialistas de sete estados brasileiros participaram no auditório do Show Rural Coopavel, em Cascavel (PR), na quarta (19) e quinta-feira (20), do Simpósio de Otimização do Abate e Processamento de Aves e Suínos, organizado pela Fundação de Apoio à Ciência e Tecnologia Avícolas.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Coopavel

Cerca de 150 profissionais, pesquisadores e especialistas de sete estados brasileiros participaram no auditório do Show Rural Coopavel, em Cascavel (PR), na quarta (19) e quinta-feira (20), do Simpósio de Otimização do Abate e Processamento de Aves e Suínos, organizado pela Fundação de Apoio à Ciência e Tecnologia Avícolas. A abertura oficial da programação foi feita pela diretora de Projetos Especiais da Facta, Eva Hunka.

Eva lembrou que a indústria de aves e suínos é um pilar fundamental da economia agropecuária brasileira, contribuindo para o abastecimento alimentar, a geração de empregos e o desenvolvimento tecnológico. Mas para que o País siga crescendo na área, de maneira sustentável, deve-se buscar a otimização dos processos de abate e processamento. O apontamento feito por Eva Hunka foi aprofundado em painéis e oficinas nos dois dias de evento.

Do Brasil ao mundo

O presidente da Coopavel, Dilvo Grolli, fez a palestra de abertura do Simpósio e destacou o papel estratégico e essencial do Brasil como um dos grandes provedores de alimentos sustentáveis para o mundo. A previsão que deve se confirmar em alguns anos é de o País se consolidar como o maior exportador de grãos e proteínas do planeta. Atualmente, o Brasil já atende as necessidades alimentares de um bilhão de pessoas e esse número deverá crescer ainda mais.

A safra atual deverá colher entre 297,5 milhões de toneladas, mas em dez anos o Brasil deverá alcançar as 400 milhões anuais, fazendo do país “o maior supermercado do mundo”, como o governador do Paraná, Ratinho Júnior, tem afirmado em eventos dedicados ao agronegócio. Dilvo apresentou números que mostram o bom posicionamento do Paraná na produção de proteínas, principalmente de frangos e suínos, e do País como referência verde ao planeta.

Eva Hunka destacou que o objetivo da Facta ao promover esse Simpósio foi proporcionar um ambiente de aprendizado e troca de experiências, no qual cada participante pudesse adquirir novos conhecimentos e insights capazes ser aplicados em suas respectivas áreas de atuação. A diretora de Projetos Especiais da Fundação também agradeceu aos patrocinadores (Ceva e Phibro), ao apoio da Coopavel, e da Comissão Organizadora, moderadores, corpo técnico, mantenedores e equipe da Facta.

O evento contou com a participação de veterinários, agrônomos, zootecnistas, técnicos agrícolas, produtores rurais, empresários e executivos do segmento de aves e suínos, bem como professores, pesquisadores da área e outros profissionais. Os participantes são de cidades do Paraná, Santa Catarina, São Paulo, Rio Grande do Sul, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais.

Fonte: Assessoria Coopavel
Continue Lendo

Notícias

Competitividade é pauta de encontro multidisciplinar no Siavs 2024

Segmentos diversos debatem perspectivas e gargalos para a capacidade competitiva do Brasil.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Arquivo ABPA

Os desafios competitivos para a manutenção da liderança global da proteína animal brasileira é tema de debate programado durante o Salão Internacional de Proteína Animal (Siavs), maior evento dos setores no Brasil, que acontecerá entre os dias 06 e 08 de agosto no Distrito Anhembi, em São Paulo (SP).

Programado para o último dia do evento (08), o painel “desafios conjunturais para a competitividade sustentável” reunirá representantes do governo, órgãos de pesquisa e empresas do setor para abordar vertentes distintas que impactam diretamente a capacidade competitiva da cadeia agroindustrial, como logística ferro-portuária, oferta e comercialização de grãos e entraves tributários

O secretário Nacional de Portos, Alex Sandro de Ávila, abrirá o painel com desafios e perspectivas sobre os avanços da logística portuária e acesso ferroviário aos portos do Brasil. Em seguida, o pesquisador da Embrapa Suínos e Aves, Dirceu Talamini, abordará pontos estratégicos do abastecimento de grãos e a investida setorial nas culturas de inverno como alternativas ao abastecimento.

Presidente da Câmara de Assuntos Legislativos e Tributários da ABPA e membro da Seara Alimentos, Fernando Zupirolli apresentará pautas atuais que representam desafios tributários para a produção e competitividade do Brasil.

Mediado pelo coordenador do grupo de Logística da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), José Perboyre, o painel contará ainda com uma análise das oportunidades de desafios do mercado internacional para a proteína animal do Brasil, que serão apresentadas pelo Consultor Guillermo Henderson. “Reuniremos diversas frentes de atuação competitiva para construir insights sobre os problemas e soluções possíveis para a cadeia de proteína animal que buscamos para o futuro, com mais competitividade e capacidade de superação de obstáculos, focada na manutenção de sua posição como líder global”, destaca Perboyre.

Fonte: Assessoria ABPA
Continue Lendo

Notícias

ABPA e Apex Brasil promovem seminário com foco no apoio à segurança alimentar dominicana

Evento realizado em Santo Domingo contou com ampla participação de autoridades e stakeholders locais.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/ABPA

Terminou bem sucedida a ação organizada pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil) e a Embaixada Dominicana no Brasil, com a realização de um seminário sobre integração e promoção de segurança alimentar, realizado na última semana, em Santo Domingo (RD).

O Encontro Agropecuário Dominico Brasileiro – como foi nomeada a ação – contou com ampla cobertura da imprensa local e a presença de autoridades dominicanas – incluindo o Ministro de Agricultura, Limber Cruz Lopez – e brasileiras – como o Secretário-adjunto de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Agricultura, Julio Ramos.

Mais de 80 importadores e stakeholders locais estiveram presentes, juntamente com representantes brasileiros, com o objetivo reforçar a ampliação de laços entre Brasil e República Dominicana, com foco na segurança alimentar do país caribenho.

Durante o evento organizado pela equipe de marketing e promoção comercial da ABPA – representado pela coordenadora Nayara Dalmolin – o diretor de mercados da ABPA, Luís Rua, reforçou características relevantes da produção brasileira para o fortalecimento desta parceria – por meio das marcas setoriais Brazilian Chicken e Brazilian Pork.

Entre os pontos destacados estiveram o perfil sustentável da produção, os mais elevados critérios sanitários empregados pelo Brasil e ampla oferta de produtos de alta qualidade embarcados pela avicultura e pela suinocultura do Brasil para mais de 150 nações em todo o mundo. “Tivemos uma sólida interação com as lideranças dominicanas e com a sociedade.  Foi um momento ímpar para reforçarmos a nossa principal mensagem:  somos parceiros e queremos auxiliar a segurança alimentar dos dominicanos.  É dentro deste perfil de ação que o Brasil se construiu como grande player global das proteínas, e assim seguiremos com os parceiros caribenhos”, ressalta Rua.

Fonte: Assessoria ABPA
Continue Lendo
SIAVS 2024 E

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.