Conectado com
VOZ DO COOP

Notícias Boletim agropecuário

Santa Catarina registra queda na produção de milho e recorde na criação de suínos

As duas cadeias produtivas estão interligadas, pois a diminuição na oferta de milho tende a elevar os custos de produção das carnes

Publicado em

em

Foto: Wenderson Araujo/CNA

A estimativa de produção de milho na safra 2023/2024 foi reduzida na edição do Boletim Agropecuário de janeiro. Por outro lado, o mesmo informativo apresentou o levantamento da produção de suínos em Santa Catarina durante o ano de 2023, que foi recorde. As duas cadeias produtivas estão interligadas, pois a diminuição na oferta de milho tende a elevar os custos de produção das carnes.

A estimativa de produção para a safra de milho 2023/2024 foi revisada para baixo em virtude da redução na área de cultivo. Conforme o analista de Socioeconomia e Desenvolvimento Rural do Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Epagri/Cepa), Haroldo Elias, os dados referentes ao mês de dezembro apontam uma redução de aproximadamente 6,7% na produção estadual total, na comparação com a safra 2022/2023.

O Boletim Agropecuário é uma publicação mensal do Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Epagri/Cepa) disponibilizado nos sites da Epagri, do Observatório Agro Catarinense e da Secretaria de Estado da Agricultura e Pecuária.

Impacto na produção de milho

Esse impacto pode ser ainda maior a depender do levantamento que será realizado até o final de janeiro e que terá foco na avaliação da produtividade. “Nas lavouras já colhidas, especialmente no Extremo Oeste, a produtividade ficou bem abaixo das expectativas iniciais, principalmente em virtude dos problemas causados pelo excesso de chuva”, explica Elias.

Em termos de mercado, as perspectivas para o milho em 2024 são positivas. Espera-se que os preços sigam uma trajetória de elevação em virtude de uma redução da oferta do grão. No Brasil, essa redução na comparação com a safra passada foi ocasionada por problemas climáticos, como o excesso de chuvas no Sul do país e a estiagem no Centro Oeste, que causou atraso no plantio da soja e, por consequência, do milho segunda safra. Essa demora no plantio tende a reduzir a produtividade. Por outro lado, a demanda de milho no Brasil para a produção de carnes e de biocombustíveis tem elevado o consumo do cereal.

Recorde na produção de suínos

Em 2023, Santa Catarina exportou 658,2 mil toneladas de carne suína (in natura, industrializada e miúdos), alta de 9,3% em relação ao ano anterior. As receitas foram de US$ 1,57 bilhão, crescimento de 9,7% na comparação com as de 2022. Estes são os melhores resultados registrados desde o início da série histórica, em 1997. Os resultados positivos desse período devem-se ao crescimento dos embarques para a maioria dos principais compradores, em especial as Filipinas, o Chile e o Japão. A China, embora tenha reduzido suas aquisições de carne suína catarinense no ano passado (-21,4% em quantidade e -22,6% em receitas), foi o principal destino do produto, respondendo por 34,6% dos embarques.

Em 2023, foram produzidos em Santa Catarina e destinados ao abate um total de 17,86 milhões de suínos, crescimento de 2,1% em relação à produção de 2022. Essa é a maior quantidade de suínos já produzida no Estado.

Confira a atualização das condições de produção das principais cadeias produtivas monitoradas pela Epagri/Cepa.

Arroz

Os preços do arroz em casca pagos aos produtores catarinenses continuam com a tendência de aumento iniciada em julho. Entre os fatores que têm influenciado o mercado destacam-se a menor produção brasileira em virtude da quebra da safra gaúcha (2022/23), aumento das exportações em 2023 e expectativa de redução da produtividade na safra 2023/2024 em razão do El Niño. Outro fator importante é que a menor produção brasileira e o baixo estoque nacional vieram combinados com estoques baixos dos demais países do Mercosul, que também enfrentaram problemas climáticos, reforçando a tendência de alta dos preços pela menor oferta interna.

Em Santa Catarina, a safra de 2023/24 aponta expectativa de área estável e redução na quantidade produzida. O excesso de chuva afetou áreas produtoras de arroz, especialmente no Alto Vale do Itajaí e algumas áreas que já foram replantadas voltaram a ter problemas, o que reduziu a área e a expectativa de produtividade da região. Nas demais regiões do Estado, o excesso de chuva prejudicou a condução dos tratos culturais, especialmente a aplicação de herbicidas, e a falta de luminosidade, em decorrência dos dias nublados, tem prejudicado o desenvolvimento das plantas.

Feijão

No mês de dezembro, o preço médio mensal recebido pelos produtores catarinenses de feijão-carioca voltou a subir, passando de R$181,18 para R$228,36 a saca de 60 kg, um aumento de 26,04% em relação ao preço do mês de novembro. Para o feijão-preto, o preço médio pago aos produtores também subiu, fechando a média mensal em R$ 292,07 a saca de 60 kg, alta de 24,60%.

Na comparação com dezembro do ano passado, o preço médio da saca de feijão-carioca está 24,23% mais baixo em termos nominais. Para o feijão-preto, houve um incremento de 30,33% na variação anual. O mercado do feijão-preto vive um bom momento, impulsionado pelos sinais do mercado de que pode haver falta do produto disponível para venda em função dos problemas provocados pelo excesso de chuva nos estados da região Sul do País. A insuficiência de estoques pode gerar uma possível pressão de alta até a entrada do feijão da segunda safra.

Soja

A produção total prevista para a atual safra catarinense de soja é de 2,88 milhões de toneladas. Em relação à safra anterior, a perspectiva é de um aumento aproximado de 1,45%, principalmente em função do aumento da área cultivada. O comportamento do mercado da soja, no início de 2024, tem sido pautado pela recuperação da produção na América do Sul, em especial na Argentina, e pela expectativa de redução no processo de esmagamento de soja na China, com retorno dos estoques a níveis normais e redução da demanda por novas compras. Esses fatores apontam para uma tendência de manutenção dos preços atuais, sem perspectiva de aumento no curto prazo.

Trigo

Os preços do trigo apresentaram aumento em dezembro para os produtores catarinenses, com uma variação positiva de 2,12% em relação ao mês anterior. No entanto, em comparação com dezembro de 2022, os preços ainda estão 30,12% abaixo. No Rio Grande do Sul houve uma alta de 12,02% em relação ao mês anterior, mas uma queda de 22,69% na comparação com dezembro de 2022.

Apesar do mercado baixista ao longo de 2023, a demanda internacional, a redução da produção argentina e os custos menores resultaram em otimismo por parte dos produtores. A safra nacional teve um aumento na área plantada, mas a produtividade reduzida resultou em uma queda de 22,8% na produção em comparação com a safra anterior. O ano de 2024 inicia com perspectiva de alta nos preços devido à forte movimentação exportadora argentina e à baixa disponibilidade interna do produto.

Alho

A safra catarinense de alho 2023/24 já foi totalmente colhida e está em processo de comercialização. As fortes chuvas ocorridas no Estado afetaram severamente a produção. Cerca de 40% das lavouras apresentaram condição ruim, 30% média e apenas 30% foram consideradas boas. Por consequência, a produção total do Estado deve ser de aproximadamente 7,65 mil toneladas, uma das menores da história. Em dezembro, a quantidade de alho importada foi de 16,12 mil toneladas, com desembolso de US$16,72 milhões e preço médio de US$1,04/kg.

Cebola

A produção esperada para a safra 2023/24 de cebola se manteve estável no mês de dezembro no Estado. A estimativa atual é de pouco mais de 400 toneladas, redução de 27,43% em relação à estimativa no início de safra. Em 2023, foram importadas 134 mil toneladas, com desembolso de US$ 30,97 milhões e preço médio de US$ 0,23/kg – redução de 17,39 % em relação ao preço médio do ano passado, que foi de US$ 0,27/kg.

No mês de dezembro, a Argentina forneceu 5,63 mil toneladas, equivalente a 59,74% da importação do mês, os Países Baixos venderam 1,96 mil toneladas, 20,79%, a Espanha foi responsável por 1,48 mil toneladas, 15,75%, e o Peru forneceu 351 toneladas, 3,72% do total importado pelo país. No mês de dezembro, os produtores catarinenses de cebola receberam preço médio de R$2,64/kg, portanto acima do custo médio de produção estimado em R$1,67/kg.

Bovinos

Depois de atingirem altas históricas em 2022, os preços do boi gordo começaram o ano de 2023 em queda na maioria dos estados produtores. Em Santa Catarina, esse movimento manteve-se até novembro, com leve reversão nessa tendência em dezembro. No acumulado do ano, os preços do boi gordo em Santa Catarina apresentaram queda de 22,8%, situação que contrasta significativamente com o ano anterior. Os preços de atacado da carne bovina também apresentaram tendência de queda ao longo de 2023, embora perceba-se relativa estabilidade no último quadrimestre. No acumulado do ano, a variação foi de -17,5%. Em 2023, foram produzidos e abatidos em Santa Catarina um total de 614,7 mil cabeças, queda de 3,6% em relação à produção de 2022. Essa quantidade refere-se somente aos animais abatidos em estabelecimentos inspecionados.

Frangos

Santa Catarina exportou 1,10 milhão de toneladas de carne de frango (in natura e industrializada) em 2023 – alta de 8,6% em relação às exportações do ano anterior. As receitas foram de US$ 2,29 bilhões – alta de 4,1% na comparação com as de 2022. Em termos de receitas, no ano passado o Estado registrou seu segundo melhor resultado de toda a série histórica, atrás apenas de 2011.

No que diz respeito à quantidade, o montante exportado em 2023 é o terceiro melhor já registrado, somente menor que os embarques realizados em 2018 e 2019. Santa Catarina foi responsável por 23,8% das receitas geradas pelas exportações brasileiras de carne de frango em 2023. Os resultados do período são decorrentes do crescimento dos embarques para a maioria dos principais destinos, com destaque para a China, Arábia Saudita e Países Baixos. Em 2023, Santa Catarina produziu e destinou ao abate um total de 865,9 milhões de frangos, crescimento de 3,5% em relação à produção de 2022. Essa é a maior quantidade de frangos produzidos em Santa Catarina desde 2017.

Leite

Em 2023, as importações brasileiras de lácteos foram 63,8% maiores e as exportações 16,5% menores do que em 2022, o que resultou em um aumento de 85,5% no déficit da balança comercial de lácteos de 2022 para 2023. Em quantidade de lácteos, as importações de 2023 ainda ficaram bem abaixo dos patamares alcançados entre 1997 e 2000, mas são recordes quando convertidas em litros de leite equivalente. Mesmo assim, a quantidade importada representou cerca de 8,2% da oferta total de leite inspecionado no Brasil, o que fica acima do registrado nos anos recentes, mas abaixo do que era observado nos anos de 1990. O recorde desta participação foi em 1999, quando as importações representaram 15,7% da oferta total de leite inspecionado.

Fonte: Ascom Epagri

Colunistas

O Brasil da insegurança jurídica

Invasões, seja por demarcações injustas ou por atos de grupos como o MST, desencadeiam um efeito dominó de consequências prejudiciais.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Arquivo OPR

Enfrentamos um momento crucial em que a segurança jurídica no meio rural tornou-se vital para a sustentabilidade de nosso país. O risco iminente de demarcações indevidas de terras produtivas e invasões, promovidas por diferentes frentes, ameaça não apenas os produtores rurais, mas reverbera negativamente em toda a sociedade.

Ao permitir demarcações em áreas que têm sido fonte de sustento para gerações de agricultores, corremos o sério risco de desmantelar não apenas propriedades, mas o cerne da produção de alimentos que sustenta nossa nação. A história e os esforços incansáveis dos produtores, que adquiriram legalmente essas terras, estão em perigo.

Invasões, seja por demarcações injustas ou por atos de grupos como o MST, desencadeiam um efeito dominó de consequências prejudiciais. Afetam a produção agrícola, ameaçam o abastecimento de alimentos e geram instabilidade econômica em um momento em que precisamos mais do que nunca de segurança e tranquilidade.

Para ficar atualizado e por dentro de tudo que está acontecendo na suinocultura acesse a versão digital de Suínos clicando aqui. Boa leitura!

Fonte: Editor-chefe do Jornal O Presente Rural, jornalista Giuliano De Luca
Continue Lendo

Colunistas

Agricultura digital promove uma revolução tecnológica nos campos

Com o avanço contínuo da tecnologia e a crescente conscientização sobre a importância da sustentabilidade, é apenas uma questão de tempo antes que a agricultura digital se torne a norma em todo o mundo.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Arquivo OPR

Agricultura digital, também conhecida como agri-tech ou agtech, tem emergido como uma revolução nos campos agrícolas, impulsionada pela aplicação de tecnologia e ferramentas digitais. Este avanço abrange uma ampla gama de tecnologias, desde automação até biotecnologia, monitoramento de informações e análise de dados. A crescente demanda por alimentos e a ameaça das mudanças climáticas têm impulsionado a adoção dessas tecnologias nos últimos anos, e os resultados são notáveis.

De acordo com o relatório “Feeding the Economy” de 2023, a agricultura digital está transformando as indústrias agrícola e de cultivo nos Estados Unidos. Os números são impressionantes: mais de 8,6 bilhões de dólares em atividade econômica, o que representa quase 20% do total do país, e o apoio direto a quase 23 milhões de empregos. Esses dados refletem não apenas um avanço econômico, mas também uma mudança fundamental na forma como a agricultura é conduzida.

Uma das grandes vantagens da agricultura digital é sua capacidade de melhorar a eficiência e aumentar a produtividade. Tecnologias como monitoramento de precisão, automação de equipamentos e estufas inteligentes estão possibilitando aos agricultores otimizar seus processos de produção. Imagens de satélite e drones, juntamente com sensores IoT, permitem o monitoramento preciso da saúde das culturas e das condições do solo, contribuindo para uma gestão mais eficiente dos recursos hídricos e uma melhor previsão de padrões climáticos. Além disso, a automatização de equipamentos, como tratores autônomos e robôs agrícolas, reduz a dependência de mão de obra humana e aumenta a eficiência operacional.

A sustentabilidade também é um aspecto crucial da agricultura digital. Práticas agrícolas de precisão possibilitadas por essas tecnologias permitem aos agricultores implementar métodos sustentáveis que reduzem suas pegadas de carbono, enquanto aumentam os lucros. Com uma população global prevista para chegar a quase 10 bilhões até 2050, de acordo com as Perspectivas da População Mundial de 2022 da ONU, a agricultura digital se torna não apenas uma opção viável, mas uma necessidade urgente para atender às crescentes demandas alimentares.

Além dos benefícios econômicos e ambientais, a agricultura digital também promove uma maior transparência e conscientização na cadeia de suprimentos alimentar. A gestão eficiente da cadeia de suprimentos, com tecnologias como blockchain e análise de big data, permite uma rastreabilidade eficaz dos alimentos, garantindo a origem e a qualidade dos produtos alimentícios desde a fazenda até o consumidor final.

No entanto, apesar de todos esses benefícios, a agricultura digital enfrenta desafios significativos. Os altos custos iniciais e de manutenção, a vulnerabilidade a ataques cibernéticos e a falta de padronização são apenas alguns dos obstáculos que os agricultores enfrentam ao adotar essas tecnologias. Superar esses desafios é essencial para aproveitar todo o potencial da agricultura digital e garantir um futuro sustentável para a produção de alimentos.

Com o avanço contínuo da tecnologia e a crescente conscientização sobre a importância da sustentabilidade, é apenas uma questão de tempo antes que a agricultura digital se torne a norma em todo o mundo. Os agricultores que abraçarem essas tecnologias estarão à frente de uma nova era na produção de alimentos, impulsionando a inovação e garantindo um futuro próspero para a agricultura.

Fonte: Por Ricardo Martins, especialista em comunicação e tecnologia
Continue Lendo

Notícias

Déficit na balança comercial de produtos da piscicultura alcança US$ 914 milhões em 2023

Maior déficit foi registrado no 4º trimestre, totalizando US$ 678 milhões negativos.

Publicado em

em

Foto: Rodrigo Félix Leal

Em 2023, o déficit da balança comercial de produtos da piscicultura atingiu US$ 914 milhões. O maior déficit foi registrado no 4º trimestre, totalizando US$ 678 milhões negativos.

Destaque para o aumento das importações de salmão, que cresceram 4% em valor e 14% em peso, consolidando a espécie como o principal peixe de cultivo importado pelo Brasil no ano passado, alcançando US$ 837 milhões, equivalendo a 89% do total.

O pangasius se manteve na segunda posição, com US$ 97 milhões, seguido por curimatás, com US$ 1,7 milhões, e trutas, com US$ 1,1 milhões.

Por sua vez, a importação de 25 toneladas de tilápia, totalizando US$ 118 mil, na forma de filé congelado, proveniente do Vietnã e destinado ao Estado de São Paulo, fez com que a Associação Brasileira da Piscicultura (Peixe BR) questionasse os ministérios da Pesca e Aquicultura (MPA) e da Agricultura e Pecuária (Mapa) sobre os  riscos sanitários associados ao produto, levando a suspensão, no início de 2024, das importações de tilápia do Vietnã.

Fonte: Com assessoria Peixe BR
Continue Lendo

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.