Conectado com
VOZ DO COOP

Notícias Começou o IFC

Saiba tudo o que vai acontecer no maior evento de aquicultura e pesca da América Latina

O evento conta com mais de 130 empresas na Fish Expo, apresentando soluções diversas, como para mitigação da deficiência hídrica, uso de energia, ganhos de produtividade e segurança alimentar. O Jornal O Presente Rural participa desse evento que molda o futuro da aquicultura e da pesca.

Publicado em

em

Fotos: O Presente Rural

A cidade de Foz do Iguaçu, no Oeste do Paraná, se torna o epicentro da aquicultura e pesca da América Latina com o início nesta terça-feira (19) da quinta edição do International Fish Congress & Fish Expo Brasil. Sob o tema “Das águas à mesa do consumidor: por uma cadeia competitiva, sustentável e focada no mercado global”, o evento, que ocorre até dia 21 de setembro no Maestra Convention Center do Recanto Cataratas Resort, reúne especialistas nacionais e internacionais de 12 países para discutir e apresentar alternativas sustentáveis para a produção de pescados, além de uma exposição com alguns dos principais fornecedores de insumos para a aquicultura. O jornal O Presente Rural é parceiro de mídia e expositor.

O evento conta com mais de 130 empresas na Fish Expo, apresentando soluções diversas, como para mitigação da deficiência hídrica, uso de energia, ganhos de produtividade e segurança alimentar. O Jornal O Presente Rural participa desse evento que molda o futuro da aquicultura e da pesca.

O gerente de contas do Jornal O Presente Rural, Jhonatan Meith, enfatiza a importância da participação no International Fish Congress & Fish Expo 2023 como uma oportunidade única para compartilhar informações relacionadas ao setor de aquicultura e pesca. “Além disso, este evento representa uma plataforma estratégica para estreitar relacionamentos com nossos parceiros comerciais, fortalecendo as conexões existentes e criando novas oportunidades de colaboração. Estamos empenhados em contribuir para o crescimento e o desenvolvimento deste setor crucial, e esta participação ativa nesse importante evento reforça o nosso compromisso com essa missão”.

O gerente de contas do Jornal O Presente Rural, Klaus Zachow, destaca que as novidades que os expositores estão trazendo para a Fish Expo 2023 apresentam tecnologias e soluções de vanguarda que prometem revolucionar a indústria da aquicultura e pesca. “Desde sistemas avançados de monitoramento e automação até produtos de nutrição e manejo de última geração, as novidades apresentadas nessa feira têm o potencial de contribuir para a eficiência, a sustentabilidade e a qualidade dos produtos no setor”, menciona.

O diretor de Comunicação e Marketing do Jornal O Presente Rural, Selmar Marquesin, destaca a amplitude dos debates promovidos no congresso. “Questões cruciais que englobam desde tecnologias de ponta e inteligência artificial até bem-estar animal, nutrição, dinâmicas de mercado e acesso a crédito estão em destaque. É uma oportunidade única para a indústria se aprofundar em tópicos específicos para o seu desenvolvimento. Além disso, a presença de grandes nomes da indústria reforça o caráter do IFC, que não apenas informa, mas também inspira a transformação e o avanço na aquicultura e na pesca”, aponta.

Programação

Dia 19

9H20 – O desenvolvimento da cadeia de pescado à luz das demais proteínas de origem animal – Os caminhos para a consolidação. Osler Desouzart – Consultor Internacional da Empresa ODConsulting Planejamento e Estratégia, membro da Diretoria Consultiva do World Agricultural Forum.

10H – Evolução das exportações brasileiras de pescado e os desafios no mercado internacional
Manoel Xavier Pedroza Filho – Pesquisador em Economia Aquícola da Embrapa
Deborah Rossoni – Analista de Comércio Internacional da APEX Brasil

10H50 – O que esperar para o próximo período em relação ao mercado e a rentabilidade da piscicultura?
Anderson Serafim – Supervisor de Pricing e Inteligência Comercial – Mar &Terra Indústria e Comércio de Pescados LTDA
Luiz Alberto Barreto de Souza – CEO da empresa Riviera Pescados
Ramon Amaral – CEO da empresa Brasilian Fish

13H30 – Políticas públicas para aquicultura com o novo Ministério da Pesca
Tereza Neuma Barbosa de Oliveira – Secretária Nacional de Aquicultura do Ministério da Pesca e Aquicultura

14H10 – Mercado da tilápia em Números
Juliana Rodrigues Ferraz – Gestora de área das cadeias de suínos, frango, ovos e tilápia no CEPEA da ESALQ/USP.

14H40 – Acesso ao crédito no Brasil: Como destravar?
Cresol, Agência de Fomento, Cef, BBSA

15H30 – A Internacionalização dos peixes amazônicos – Desafios e estratégias
André Macedo Brugger – Gerente de Sustentabilidade e Complice da Netuno EUA, empresa que apresentou a costelinha de tambaqui, premiada como melhor produto para food service, na Seafood North América
Glauber Cruvinel – Diretor Comercial da RondoFish
Bruno Leite – Sócio da empresa Zaltana Pescados

19H – Abertura oficial e coquetel de recepção

Dia 20/09

Bloco: Tecnologias: Inteligência Artificial, Automação e Internet das Coisas

8H10 – Perspectivas para o processamento de pescado frente às transformações na demanda dos consumidores
Christian Jensen – Diretor Interino de Vendas da Área de Pescados da Marel – Espanha

8H40 – Inteligência artificial na aquicultura
Revolução tecnológica na aquicultura – Felipe Matias – Dr. em biotecnologia de recursos pesqueiros, engenheiro de pesca e administrador de empresas
Uso da inteligência artificial na alimentação e sanidade na aquicultura – Victor Valério – Empresa AISBERG – Chile
Inteligência territorial no mapeamento de atividades de piscicultura – Patricia Godoi Silva e Kleberson Rodrigo do Nascimento – Parque Tecnológico Itaipu – Itaipu Binacional

9H20 – Rastreabilidade e certificação do pescado:
Anderson Luis Alves – Pesquisador e supervisor da área de negócios da Embrapa Digital – Campinas
Pedro Henrique Di Martino – Relações Governamentais e Institucionais da GS1 Brasil

10H30 – O Bem-estar se paga: melhorar a qualidade de vida dos peixes eleva a produtividade e rentabilidade
Dra. Caroline Marques Maia – FishEthoGroup e Alianima
Dr. Leonardo José Gil Barcellos, Professor da Universidade de Passo Fundo

Bloco: Nutrição

11H10 – Otimizando a nutrição com carboidratos para promover a sustentabilidade econômica e ambiental da aquicultura
Dr. Delbert M. Gatlin – Professor da Texas A&M University – EUA

11H40 – A Tilapicultura no Sudeste Asiático e África: tendências globais de produção e estratégias nutricionais
Maarten Jay van Schoonhoven – Especialista em aquicultura, em gestão de produto e marketing da De Heus – Holanda

13H30 – Como melhorar os índices de conversão alimentar em pisciculturas de alto rendimento?
Dr. Giovani Sampaio Gonçalves – Pesquisador do Instituto de Pesca de São Paulo

14H – Uso de minerais quelatados como ferramenta de sustentabilidade na aquicultura
Dr. Wilson Massamitu Furuya – Professor e Pesquisador da Universidade Estadual de Ponta Grossa

Bloco Sanidade

14H30 – O uso de Saponinas de Quillaja para melhorar a saúde intestinal de tilápias
Benny Shapira – Diretor Senior da Phibro Aqua – Israel

15H – Revolução das vacinas e o controle de enfermidades virais
André Blanch – Gerente de Mercado – Aqua MSD Saúde Animal

15H30 – Painel sobre Sanidade coordenado pela Peixe BR
Lançamento do manual de boas práticas para o controle da salmonela em tambaqui e peixes redondos
Dra. Juliana Galvão – Professora e Pesquisadora no Departamento de Agroindústria da USP/ESALQ

Análise dos 10 anos de vacinação de tilápia no Brasil
Dr. Henrique Figueiredo – Professor e Pesquisador da UFMG

18H – Happy Hour com Festival do Tambaqui na Fish Expo

Dia 21/9

8H10 – Do Diagnóstico à Solução – Vacinas Autógenas para Tilápia
Markus Schrittwieser – Diretor Global de Desenvolvimento de Negócios Aqua da SANVET

Bloco Desenvolvimento e Gestão

8H40 – Produção em Sistema de Recirculação – RAS – Avanços e desafios para o reuso eficiente dos recursos hídricos (15/15)
Marcelo Shei – Sócio fundador da Altamar Sistemas Aquáticos
Yedod Snir – Fundador e CEO da MAP AQUA, Bacharel em Aquicultura e Líder em Design RAS – Estados Unidos

9H20 – Planejamento e Gestão na Aquicultura
Resultados do Campo Futuro da Aquicultura (Análise dos custos de produção na aquicultura) – Larissa Pereira Mouro – Comissão Nacional de Aquicultura da CNA

Eficiência como suporte à gestão à aquicultura – Omar Sabbag – Professor e coordenador do curso de Agronomia na UNESP

10H30 – Perfil da tilapicultura do Paraná e sua importância para a compreensão da aquicultura brasileira e a formulação de políticas públicas
Dr. Dirceu Basso – Professor e Coordenar do Curso de Desenvolvimento Rural e Segurança Alimentar da Unila

11H – Estratégias de verticalização e acesso ao mercado para o pequeno aquicultor
Antonio Carlos Chidichima – Professor da FAG – Toledo

Bloco Genética

11H30 – Melhoramento Genético e Tecnologias Genômicas para a Aquicultura Brasileira: status, desafios e oportunidades
Dra. Liane Ney Bassini – Doutora em Aquicultura pela Universidade do Chile e Professora pela Universidade Andres Bello – Chile
Dr Eduardo Sousa Varela – Pesquisador de edição genômica da Embrapa Pesca e Aquicultura

Auditório 2

Dia 20

8H10 – Estação Experimental In Field – A pesquisa moderna na aquicultura
Dr. Wilson Massamitu Furuya – Professor e Pesquisador da Universidade Estadual de Ponta Grossa

8H40 – Avanços na análise da qualidade de rações para uma nutrição de precisão, mais econômica e sustentável
Mariana Dias – Gerente de Suporte Técnico da Buchi Brasil.
Lícia Lundstedt – Pesquisadora da Embrapa Pesca e Aquicultura

9H20 – Produção consorciada de tilápia e camarão
Eduardo Ballester – Professor e Pesquisador da UFPR, campus Palotina

10H30 – A concessão de outorgas no Paraná
Governo do Paraná

11H20 – Produção de Panga no Brasil
ABCPanga

Feira de tecnologias e negócios

A feira de negócios acontece em paralelo ao congresso com início às 10 horas da manhã.

Inova Aqua

Apresentação de trabalhos científicos sob coordenação da UNIOESTE

Rodada internacional de negócios e workshop de capacitação para exportações

APEX Brasil, em parceria com o IFC, estará realizando no dia 19 à tarde um Workshop de capacitação para exportação de pescado. E no dia 20 acontecerá a Rodada Internacional de Negócios com importadores de vários países, de diferentes continentes, com empresas brasileiras.

Mulheres de aquicultura

Durante o evento haverá uma programação específica promovida pelas mulheres da aquicultura com objetivo de discutir o fortalecimento da organização, direitos e participação na atividade e na sociedade.

Workshop sobre licenciamento ambiental

O Ministério da Pesca e Aquicultura em conjunto com ABEMA e ANAMA, estará realizando um encontro nacional com autoridades estaduais e municipais para discutir a normatização e procedimentos no processo de licenciamento ambiental na aquicultura.

Reuniões setoriais e de empresas

Inúmeras agendas estão sendo organizadas por instituições públicas e empresas privadas para tratar de temas relevantes para a cadeia do pescado.

Fonte: O Presente Rural

Notícias

Sindiavipar, Ocepar e Sindicarne pedem apoio federal para a defesa sanitária no Paraná

Paraná é o maior produtor de carne de frango do Brasil

Publicado em

em

Foto O Presente Rural

Em uma ação conjunta, com o Sistema Ocepar e o Sindicarne, o Sindiavipar entregou um ofício ao Ministro da Agricultura Carlos Favaro, durante sua visita ao Show Rural, expressando preocupação com a escassez de profissionais federais para a defesa sanitária no Paraná, maior produtor de carne de frango do Brasil. “Solicitamos ao Ministério da Agricultura e Pecuária – MAPA a disponibilização de mais profissionais qualificados para fortalecer e contribuir com a defesa sanitária estadual. Juntos, precisamos unir esforços e compartilhar responsabilidades para garantir a segurança e qualidade dos produtos avícolas paranaenses”, destaca o presidente do Sindiavipar Roberto Kaefer.

O Paraná é responsável por 34,5% dos abates de frango do Brasil. Os bons índices do estado paranaense também têm reflexo do mercado internacional, com ampliações de vendas à China e abertura para o mercado de Israel.

Fonte: O Presente Rural com informações do SINDIAVIPAR
Continue Lendo

Notícias

Venda de sêmen para pecuária leiteira reage em 2023; queda no segmento de corte desacelera

Arrefecimento das vendas totais de sêmen no ano passado se deve à diminuição na comercialização de doses destinadas à pecuária de corte, que foi de 5,4% entre 2022 e 2023.

Publicado em

em

Fotos: Divulgação/Arquivo OPR

O mercado brasileiro de reprodução animal contabilizou a venda de 22,5 milhões de doses de sêmen (pecuárias de corte e leite) ao longo de 2023, queda de 2,8% frente ao ano anterior (quando 31,1 milhões de doses foram vendidas). Esses dados são resultados de pesquisas realizadas pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP, em parceria com a Associação Brasileira de Inseminação Artificial (Asbia), e fazem parte do relatório setorial Index Asbia, divulgado nesta semana. A Associação representa, segundo estimativas internas, cerca de 98% do share nacional de vendas de sêmen bovino.

Segundo o Cepea/Asbia, a arrefecimento das vendas totais de sêmen no ano passado se deve à diminuição na comercialização de doses destinadas à pecuária de corte, que foi de 5,4% entre 2022 e 2023. Ressalta-se, contudo, que essa retração na venda ocorreu em ritmo menor que a observada em 2022, que foi de 9,33% frente ao pico de negociação observado em 2021. Vale lembrar que, nos dois últimos anos, criadores nacionais têm enfrentado quedas constantes nos preços de comercialização de animais desmamados, o que, por sua vez, resultou em maior ritmo de descarte de matrizes e, consequente, em descapitalização de parte do setor.

Por outro lado, houve recuperação nas vendas de sêmen para o segmento de leite: de 6,44% de 2022 para 2023. De acordo com o Cepea/Asbia, isso se deve ao potencial ritmo de recomposição do plantel de vacas leiteiras, após o descarte exacerbado, em resposta aos consecutivos meses de retração nos preços do leite e à alta nos custos, registrada durante os períodos finais da pandemia. Isso pode evidenciar que, em um momento em que se observa o desânimo de pecuaristas sobre a atividade leiteira, um aumento no consumo de materiais para o melhoramento genético do rebanho aponta uma tendência de tecnificação do setor e possível saída da atividade de produtores com menor nível de tecnologia.

Estimativas realizadas pelo Cepea/Abia apontam que, tomando-se como base dados do efetivo de fêmeas em idade reprodutiva no rebanho nacional, observa-se que o percentual de fêmeas bovinas inseminadas no Brasil mantém-se em patamares acima de 20%, sendo o percentual por segmento de produção de 23,1 para as fêmeas de corte e de 12,3 para as do setor leiteiro. É importante destacar que, em termos proporcionais, os investimentos em uso de tecnologias de melhoramento genético são elevados no caso do setor de pecuária de corte brasileiro, mas ainda tímidos no leiteiro, sobretudo quando comparado a importantes players globais.

Quanto às vendas externas, em 2023 frente ao ano anterior, houve pequena retração de 0,9% nas exportações brasileiras de sêmen. Os países do Mercosul continuam sendo os principais clientes da genética nacional, mas evoluções importantes foram realizadas em 2023, especialmente com a Índia, que, vale lembrar, é berço das raças zebuínas, animais que foram responsáveis pelo início da evolução da produção pecuária no País. Pesquisadores do Cepea/Asbia ressaltam que novos parceiros comerciais para o segmento de genética evidenciam que o Brasil tem deixado de ser um importador de genética para ser um fornecedor da tecnologia.

No geral, observa-se que o uso de tecnologias para o melhoramento genético do rebanho nacional, apesar de ter grande influência das oscilações de preços de mercado, sobretudo das cotações do boi gordo, do bezerro e do leite, ainda está em expansão no País. Quando aplicado de forma técnica e acompanhado de planejamento estratégico adequado, os resultados são positivos tanto nos índices produtivos quanto no financeiro.

Fonte: Assessoria Cepea
Continue Lendo

Notícias

Indústria de alimentos do Brasil gera 70 mil vagas de emprego em 2023

Balanço anual da ABIA revela ainda que o número de trabalhadores diretos atingiu 1,97 milhão, registrando crescimento de 3,7% em relação a 2022. E o faturamento foi de R$ 1,161 trilhão, 7,2% acima do apurado no ano anterior, acompanhando o crescimento das vendas para o varejo e o food service, e das exportações.

Publicado em

em

Foto: Marcos Vicentti

A indústria de alimentos no Brasil abriu 70 mil novos postos de trabalho diretos e formais em 2023, de acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (ABIA). O montante representa 67% do total de empregos gerados na indústria de transformação. Juntamente os 280 mil postos indiretos, chega-se a 350 mil novos trabalhadores ao longo da cadeia produtiva do setor.

O balanço anual da associação revela ainda que o número de trabalhadores diretos atingiu 1,97 milhão, registrando crescimento de 3,7% em relação a 2022.

Para o presidente executivo da ABIA, João Dornellas, o resultado expressivo pode ser explicado pelo aumento de 5,1% da produção física (totalizando 270 milhões de toneladas de alimentos) e pelo incremento nos investimentos em inovação, pesquisa e desenvolvimento, ampliação e modernização de plantas.

Os investimentos alcançaram a cifra de R$ 35,9 bilhões, em 2023, mais de 50% acima do apurado no ano anterior. “O aumento significativo reflete os esforços do setor em impulsionar o crescimento e a competitividade. Além disso, estamos comprometidos em ampliar o espaço que a indústria ainda tem para produzir mais, pois a capacidade utilizada hoje é de 75%”, afirma Dornellas.

Faturamento

O faturamento em 2023 foi de R$ 1,161 trilhão, 7,2% acima do apurado no ano anterior (em termos nominais), acompanhando o crescimento das vendas para o varejo e o food service, e das exportações. O volume corresponde a 10,8% do PIB nacional. Deste total, R$ 851 bilhões foram oriundos das vendas no mercado interno e R$ 310 bilhões das exportações.

Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

As vendas reais totais (mercado interno e exportações) apresentaram expansão de 3,4%. Os principais destaques foram as exportações, que cresceram 5,2% em valor (dólar), alcançando o patamar recorde de US$ 62 bilhões.

No mercado interno, o balanço das vendas reais também se mostrou positivo, com expansão de 4,5%, puxado pelo mercado de food service, que manteve trajetória de retomada, e pelo varejo alimentar.

O presidente do Conselho Diretor da ABIA, Gustavo Bastos, lembra que, apesar dos desafios enfrentados ao longo de 2023, tanto econômicos quanto climáticos, a gestão eficiente das indústrias de alimentos permitiu que a produção se mantivesse robusta. “Mesmo diante dessas adversidades, nossa performance foi, mais uma vez, positiva. Nós nos destacamos não apenas no cenário internacional, mas também garantimos o abastecimento interno, contribuindo assim para a promoção da segurança alimentar de milhões de brasileiros.”

Bolso dos consumidores

Em 2023, o setor enfrentou menor variação de preços de itens como embalagens e combustíveis, o que aliviou os custos de produção de alimentos. Os preços de algumas das principais commodities agrícolas arrefeceram, a exemplo do milho, trigo e soja. Entretanto, outras como o cacau, café e açúcar sofreram aumentos significativos. O índice de preços de commodities da FAO registrou queda de 13,7% em relação ao ano anterior, porém permanece 19,2% acima do patamar de antes da pandemia.

O resultado dessa conjuntura pôde ser percebido nas prateleiras dos supermercados: o IPCA para alimentos e bebidas variou apenas 1,02% em 2023, ante 11,6% no período anterior. “O compromisso com a estabilidade de preços e a busca pela eficiência operacional permitiram que a comida chegasse mais barata à mesa dos brasileiros, o que representa uma contribuição relevante do setor para a queda da inflação. Importante ressaltar que em 2022 havíamos enfrentado aumentos expressivos nos preços dos insumos.”

Exportação de alimentos industrializados

Em 2023, o Brasil se consolidou como o maior exportador mundial de alimentos industrializados (em volume), com 72,1 milhões de toneladas, acima dos Estados Unidos. Isso representa um crescimento de 11,4% em relação a 2022 e de 51,8% em relação a 2019. Em valor, foram US$ 62 bilhões, 5,2% acima dos US$ 59 bilhões apurados no ano anterior e 82% acima do apurado em 2019. As exportações responderam por 27% das vendas do setor e o mercado interno por 73%.

Os principais destaques, em valor, foram produtos de proteínas animais (US$ 23,6 bilhões), produtos do açúcar (US$ 16,0 bilhões), farelo de soja e outros (US$ 12,6

Foto: Ari Dias

bilhões), óleos e gorduras (US$ 3,6 bilhões) e sucos e preparações vegetais (US$ 2,9 bilhões).

Os maiores mercados consumidores foram a China, com US$ 11 bilhões e participação de 17,7%, comprando principalmente produtos de proteínas animais; seguida dos 22 países da Liga Árabe, com US$ 10,2 bilhões e 16,4% de participação, consumindo produtos do açúcar e de proteínas animais; e União Europeia, com US$ 9,1 bilhões, participação de 14,6% e destaque para produtos do açúcar e farelo de soja.

Dornellas lembra que o Brasil vem se sobressaindo desde o início da pandemia como fornecedor global de alimentos.

“O Brasil tem uma indústria de alimentos muito forte com tecnologia e capacidade de produção para atender o mercado interno e ainda exportar para 190 países, além da condição de expandir essa capacidade. Apesar da nossa liderança como maiores exportadores mundiais de alimentos industrializados, estamos trabalhando para avançar na exportação de produtos com maior valor agregado.”

Fonte: Agência Brasil
Continue Lendo

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.