Conectado com

Notícias Paraná

Novo relatório do Deral aponta redução de 16% na safra de grãos 2020/21

As fortes geadas ocorridas no final de junho e meados de julho e a agressividade de algumas pragas levaram à redução na estimativa

Publicado em

em

Gilson Abreu/AEN

A conjunção de fenômenos como estiagem em momentos cruciais de algumas das principais culturas agrícolas paranaenses, as fortes geadas ocorridas no final de junho e meados de julho e a agressividade de algumas pragas levaram à redução na estimativa da safra de grãos 2020/21.

relatório divulgado na quinta-feira (29) pelo Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento, aponta que serão produzidas 34,4 milhões de toneladas em 10,4 milhões de hectares. O volume é 16% menor que os 41,2 milhões de toneladas de 2019/20, ainda que a área seja 4% maior.

“É um quadro bastante complicado, mas realista. Como era de se esperar, reposicionamos fortemente para baixo a nossa estimativa global”, disse o secretário da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara. Isso decorre, particularmente, da perda substancial no milho safrinha e no feijão de segunda safra.

“Fazemos agricultura como atividade biológica a céu aberto, sem muita proteção e este ano, particularmente, agravado pelo fato de termos plantado a safrinha de milho fora do melhor prazo recomendado pela ciência, pela pesquisa e pelo zoneamento agrícola”, disse. “Mas nos próximos 40 dias vamos iniciar a semeadura da safra de primavera/verão 2021/22 tentando refazer a vida, a renda, enfim refazer as possibilidades de obter recursos através da produção”.

O chefe do Deral, Salatiel Turra, salientou, sobretudo, a redução verificada na produção de milho em comparação com o previsto inicialmente. “Essa cultura atravessou diversas adversidades climáticas como estiagem, pragas e baixas temperaturas”, afirmou. “Entretanto, apesar desse cenário pessimista temos preços bastante interessantes para os produtores, um aumento em torno de 124% quando comparado com o mesmo período do ano passado”.

Milho

Em comparação com a estimativa inicial de se produzir 14,6 milhões de toneladas, já se tem como certa a perda de 8,5 milhões, o que representa 58% da produção. “Em termos de volume, é o maior da história do Paraná, e pode ser também o maior em termos percentuais”, disse o analista do Deral, Edmar Gervásio.

Segundo ele, esse volume equivale à perda de três primeiras safras de milho no Paraná, que tem produção normal em torno de 3 milhões de toneladas. Com menos produção, o preço ao produtor está superando R$ 90 a saca neste mês, o que aumenta os custos para empresas de frango e suíno.

Além disso, a importação de milho da Argentina começa a crescer. “Não é algo comum”, comentou Gervásio. Por ter sido plantada mais tarde, a cultura enfrentou seca, o que foi fundamental para os prejuízos. As geadas desta semana ainda não foram contabilizadas, o que pode reduzir ainda mais as expectativas. “Para o milho, a tempestade foi perfeita, com estiagem, geada e a praga do enfezamento em uma única safra e em intensidade grande”, disse.

Feijão

A segunda safra da cultura no Paraná teve a colheita finalizada este mês, e 92% já está comercializada. De acordo com o agrônomo Carlos Alberto Salvador, a geada praticamente não comprometeu a cultura. “O problema foi a estiagem”, afirmou. E ela acarretou grande prejuízo.

Os produtores retiraram do solo 282,3 mil toneladas de feijão, o que representa redução de 48% em relação ao previsto inicialmente. A falta de chuva provocou a perda de 257 mil toneladas. “É uma das maiores na história do Paraná”, disse Salvador. De uma média de 30 sacas por hectare, o produtor colheu este ano apenas 18 sacas por hectare.

Café

A produção do café no Paraná continua com a estimativa em torno de 870 mil sacas – 10% a menos que no ano passado, resultado da estiagem e de uma pequena redução na área. Neste momento, já estão colhidos 55% da área, que é um ritmo mais próximo do normal no Estado e não o que aconteceu ano passado quando, neste período, estava em 81%.

Os cafeicultores já comercializaram 8,5% do total da safra. Mas, de acordo com o economista Paulo Sérgio Franzini, deve ter uma aceleração maior a partir de agora, em razão de os preços, em algumas localidades, terem ultrapassado R$ 1 mil a saca, tendência que se observou desde dezembro do ano passado, e se intensificou com as geadas de agora.

“Isso é histórico e está mexendo como o mercado”, disse Franzini. Segundo ele, as geadas eram mais frequentes no Paraná e São Paulo, que são locais com menos expressividade produtiva. No entanto, em razão de o fenômeno ter atingido Minas Gerais em meados de julho, impactou muito no preço. “O mercado deu uma recuperada e o produtor precisava disso”, disse.

A geada do final de junho pegou a região Central e Norte do Paraná e a de meados de julho atingiu o Norte Pioneiro. “Talvez a metade da área de café do Estado teve influência da geada do ponto de vista visual”, disse o economista. “Mas isso vai impactar para o ano que vem”.

Soja

A produção de soja fechou em 19,8 milhões de toneladas na safra 2020/21. Isso representa queda de 4% em relação às primeiras previsões e se deve à seca, que obrigou ao atraso no plantio.

Em relação à comercialização, o volume alcançou 81%. “São quase um milhão de toneladas a menos em produção, mas os preços acabam compensando”, salientou o economista Marcelo Garrido. “Das grandes culturas do Paraná, é uma das menos afetadas”.

Trigo

O agrônomo Carlos Hugo Godinho destacou que a cultura do trigo deve ter aumento de 5% na área plantada, ficando em 1,19 milhão de hectares. Segundo ele, as geadas influenciaram na qualidade das lavouras. Antes estavam com 5% em condições médias e 95%, boas. Agora, 2% aparecem como ruins, 8% médias e 90% boas.

“É um percentual bom, mas não leva em conta a geada desta quinta-feira (29), portanto, o próximo levantamento pode apontar perda maior”, disse Godinho. Segundo ele, 27% das lavouras entraram agora na fase suscetível a geadas, enquanto 73% ainda vão entrar. “Então, qualquer geada tardia pode ter alguma influência negativa também na produção”, afirmou.

Cevada

A área semeada de cevada no Paraná é de 77 mil hectares. Isso representa aumento de 21% em relação à safra anterior. A região de Guarapuava é a maior produtora, responsável por 60% do total. “As condições são boas, tivemos duas geadas que queimaram um pouco as plantas, mas ainda não dá para dimensionar perdas”, disse o agrônomo Rogério Nogueira.

Em Ponta Grossa, a cultura também se desenvolve bem. “As geadas afetaram um pouco em áreas mais baixas, onde 5% estão em fase de floração, mas ainda sem estimativas”, afirmou Nogueira. A expectativa é que a produtividade aumente em 30%, com produção de 354 mil toneladas. Cerca de 30% já está comercializada.

Fonte: AEN/Pr
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 − quinze =

Notícias

Associação Brasileira da Raça Holandesa lança genoma nacional no Agroleite

ABCBRH e Embrapa Gado de Leite atuam juntas no projeto.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/ABCBRH

Um marco para raça holandesa no Brasil. Na manhã desta quarta-feira (17), segundo dia do Agroleite 2022, a Associação Brasileira de Criadores de Bovinos da Raça Holandesa (ABCBRH) lançou oficialmente o genoma nacional da raça. O lançamento aconteceu na sede da entidade na Cidade do Leite e contou com a presença do presidente da ABCBRH, Hans Groenwold, da chefe geral da Embrapa Gado de Leite, Elizabeth Nogueira Fernandes, do presidente do Conselho Deliberativo Técnico, Hilton Ribeiro, e do superintendente Técnico Administrativo da ABCBRH, Timotheo Silveira.

Durante o lançamento, Groenwold ressaltou que a avaliação genômica é mais uma ferramenta da associação e suas filiadas a disposição do produtor, uma forma dele conhecer melhor o seu rebanho e ter mais assertividade no investimento em genética. O presidente destacou a importância da parceria com a Embrapa para o desenvolvimento do projeto, visto a credibilidade das pesquisas realizadas pela instituição. “Em nome da associação agradeço a Embrapa pelo bom ambiente que desenvolvemos para realizar esse trabalho, desejo sucesso a todos”, declarou.

Elizabeth Fernandes acredita que a avaliação genômica irá oferecer mais precisão ao produtor quanto aos resultados do rebanho e proporcionar vantagem competitiva aos que utilizarem o serviço.  “A missão da Embrapa é criar soluções tecnológicas para facilitar cada vez mais a vida do produtor, deixá-lo mais seguro na questão de estar na atividade e não permitir que saia da atividade. Espero que esse programa assuma novo patamar e os produtores tenham essas informações à mão para ser cada vez mais competitivos”, mencionou no encontro.

Para Hilton Ribeiro, esse é um dia de festa para a raça holandesa no Brasil. O presidente do Conselho Técnico enfatizou que a avaliação genômica é um anseio de muitos anos dos produtores e técnicos que trabalham com a raça. Ribeiro explicou que o genoma permitirá identificar os melhores animais do Brasil e mostrar que o país tem genética e animais de qualidade. “A prova genômica já demonstrou que temos um touro nascido no Brasil que é top cinco mundial na produção de leite. Com a avaliação genômica temos certeza que muitos animais serão destaque no Brasil e no mundo”, ressaltou.

O superintendente técnico, Timotheo Silveira, complementa que o sonho da raça holandesa no Brasil é deixar de ser apenas um importador de genética e passar a ser também um exportador. Ele explica que o serviço de avaliação genômica já está disponível para todos os associados, basta entrar em contato com as filiadas ou diretamente com a associação brasileira.

As associações irão acionar as empresas parceiras, NeoGen ou ST Genetics, para realizar a coleta de pelo ou cartilagem das bezerras e realizar o sequenciamento genético. O material é então encaminhado para a Embrapa que realizará a avaliação e devolverá os resultados para que os produtores acessem junto do registro dos animais no sistema Web+Leite. No primeiro momento o produtor receberá os dados da prova nacional e americana e, posteriormente, poderá optar por receber as duas ou uma só. O superintendente relata que a associação brasileira está aberta para novas parcerias com mais empresas de genética.

Fonte: Ascom ABCBRH
Continue Lendo

Notícias 12 a 15 de Setembro

XXI CBSementes traz professor premiado pela Crop Science Society of America para ministrar palestras

Doutor Sabry Elias foi o vencedor do Seed Science Award 2022 por suas contribuições excepcionais para a ciência das culturas por meio da educação. Evento ocorre de 12 a 15 de setembro, em Curitiba (PR).

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Abrates/Pixabay

O prestigiado professor da Universidade do Estado de Oregon (EUA), doutor Sabry Elias, vencedor do Seed Science Award 2022 agraciado pela Crop Science Society of América (CSSA), estará no Brasil a convite da Associação Brasileira de Tecnologias de Sementes (Abrates) para ministrar três palestras no XXI Congresso Brasileiro de Sementes.

Maior evento na área de Ciência e Tecnologia de Sementes da América Latina, o CBSementes acontece de 12 a 15 de setembro na Expo Unimed, em Curitiba (PR).

Doutor Sabry Elias é professor de Ciência da Semente e Tecnologia, do Departamento de Crop & Soil Science, da Universidade do Estado de Oregon (EUA). Ele recebeu a premiação há cerca de um mês em reconhecimento às suas contribuições e realizações como cientista, durante a Reunião Anual da Sociedade Científica em Baltimore, Maryland.

Os prêmios anuais da CSSA são apresentados por contribuições excepcionais para a ciência das culturas através da educação nacional e serviço internacional e pesquisa.

“Estou verdadeiramente honrado por receber este prêmio. Para mim, é um voto de confiança de meus colegas cientistas acadêmicos de sementes da Universidade da Flórida, Universidade da Califórnia, em Davis, Universidade de Cornell e Universidade de Tecnologia da Virgínia, que me nomearam e escreveram cartas me apoiando. O prêmio me traz energia para continuar produzindo mais pesquisas e publicações para a comunidade científica”, afirmou ele.

Sabry Elias recebeu seu M.S. e Ph.D. da Universidade Estadual de Michigan e se tornou um reconhecido educador e pesquisador internacionalmente por suas publicações. É autor sênior de “Seed Testing: Principles & Practices”, um dos principais livros nesta área em todo o mundo e é usado em muitas universidades, laboratórios de sementes e na indústria de sementes. A obra tem um impacto crítico na compreensão e melhora dos testes de qualidade de sementes nacional e internacionalmente. É também autor e coautor de vários livros, manuais e muitos artigos.
 
Palestras  

No XXI Congresso Brasileiro de Sementes (CBSementes ) Sabry Elias fará três palestras. A primeira delas será na terça-feira, dia 13, das 8 às 09 horas, onde vai abordar o tema “Diferentes Organizações de Análise de Sementes – Um Objetivo”.

De acordo com Sabry, o objetivo desta apresentação é revisar as funções das organizações de análise de sementes, os sistemas de credenciamento em laboratórios de análise de sementes e a diferença entre testes de sementes e programas de certificação de sementes.

A apresentação também cobrirá os objetivos do sistema de gestão de qualidade em qualquer laboratório de teste de sementes e esclarecerá como as organizações de teste de sementes podem servir os laboratórios de sementes. Por fim, dará dicas sobre como um laboratório de sementes decide em qual organização ingressar.

Ainda no dia 13, Sabry Elias fará mais uma apresentação no final à tarde, das 17h50 às 18h30, sobre “Fatores que influenciam a variabilidade dos resultados dos testes entre os laboratórios e o impacto na indústria de sementes”. Segundo o pesquisador, a falta de uniformidade nos resultados dos testes de sementes entre os laboratórios causa problemas para a indústria de sementes.

O objetivo desta apresentação é identificar os tipos de erros na rejeição e aceitação de amostras de sementes, e discutir as fontes e fatores que contribuem para a variabilidade nos resultados dos testes dentro e entre laboratórios. Finalmente, discutirá tolerâncias em testes de sementes e fornecerá maneiras de medir e gerenciar a variabilidade dentro e entre laboratórios”.

Na quarta-feira, dia 14, das 10h30 às 12h30, Sabry Elias ministra palestra “Como a Secagem de Sementes Afeta a Qualidade das Sementes”? O objetivo desta apresentação, explica Sabry, é revisar o processo de secagem de sementes no campo e no laboratório em relação à qualidade.

A apresentação também discutirá os efeitos da super e subsecagem de sementes. Além disso, irá descrever os métodos de secagem mais comuns no campo e no laboratório e quando cada método deve ser usado. Por fim, serão discutidos os fatores que devem ser considerados na secagem de sementes para manter a qualidade (viabilidade e vigor) das sementes armazenadas”, acrescenta Sabry.

Fonte: Ascom Abrates
Continue Lendo

Notícias 23 a 25 de agosto

Novas cultivares e produtos serão lançados durante Show Rural de Inverno

Em sua terceira edição, o Show Rural Coopavel de Inverno se transforma na maior vitrine brasileira para variedades de sementes e produtos destinados às culturas para os meses frios do ano.

Publicado em

em

Vinte e nove das 40 cultivares que serão apresentadas serão de trigo - Foto: Arquivo/Jaelson Lucas/AEN

Em sua terceira edição, o Show Rural Coopavel de Inverno se transforma na maior vitrine brasileira para variedades de sementes e produtos destinados às culturas para os meses frios do ano. De olho nisso, expositores farão lançamentos durante o evento, de 23 a 25 de agosto, em Cascavel, no Oeste do Paraná, mostrando aos visitantes o melhor resultado de suas pesquisas e investimentos.

Seis das 23 empresas e órgãos de pesquisa que estarão presentes na mostra de tecnologias confirmaram lançamentos. São elas: Corteva, OR Sementes, Biotrigo, Syngenta, Basf e Bionat. “Elas vão apresentar novidades para um público ávido por novas informações sobre as culturas de inverno que, devido aos avanços das tecnologias nos últimos anos, apresentam-se como excelentes opções de investimento e retorno”, destaca o presidente da Coopavel, Dilvo Grolli, convidando a todos a prestigiar o evento.

Lançamentos

A Corteva vai apresentar o inseticida Closer, destinado ao controle de pulgões, o fungicida Aproach Power para controle do complexo de manchas e ferrugem da cultura e também o herbicida Paxeo, desenvolvido para controlar plantas daninhas. A OR Sementes trará as cultivares de trigo ORS Soberano e ORS Premium. A Biotrigo terá entre suas novidades no Show Rural Coopavel de Inverno as sementes de trigo TBIO Motriz e TBIO Capaz.

A Syngenta lançará o Miravis, produto de uma nova geração de fungicidas que proporciona maior poder intrínseco de controle e amplo espectro de ação. A Basf vai trazer o Agrega, programa de relacionamento no qual o produtor ganha pontos na compra de itens da empresa que podem ser trocados por produtos e serviços. Por fim, a Bionat lançará o Sprinter, novo produto biológico desenvolvido para auxiliar no arranque das plantas.

Gratuito

O evento terá outras novidades, como programações nas áreas da inovação tecnológica no Espaço Impulso e no Centro Tecnológico de Avicultura, atividades especialmente destinadas à mulher agricultora e uma palestra diária, com início sempre às 15h, com o agrônomo e analista de mercados Vlamir Brandalizze. Vlamir falará, no auditório do Paraná Cooperativo, sobre Um olhar sobre o mercado de grãos. As cultivares de trigo seguem como sensação do evento. Das 40 apresentadas, 29 serão de trigo – as outras de aveia, triticale e plantas de cobertura.

A abertura dos portões do Show Rural Coopavel de Inverno será, diariamente, das 8h30 às 16h30. Os visitantes não pagarão nada para acessar o parque e também poderão utilizar o estacionamento gratuitamente. O restaurante do parque vai funcionar durante os três dias de evento, o que trará mais comodidade aos agricultores, filhos de agricultores, técnicos, acadêmicos e outros interessados nas culturas de inverno.

Fonte: Ascom
Continue Lendo
Yes 2022

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.