Conectado com
VOZ DO COOP

Suínos / Peixes

Resíduo da agroindústria de polpa de goiaba pode ser usado na alimentação de tambaqui

De acordo com pesquisadores, o uso de resíduo de agroindústria de polpa de goiaba pode ser recomendado como um modelo de economia circular na alimentação do tambaqui.

Publicado em

em

Pesquisadores da Embrapa Amazônia Ocidental, Cheila Boijink e Jony Dairiki, apresentam ingredientes usados nas rações

O resíduo da agroindústria de polpa de goiaba pode substituir parcialmente o milho na formulação de ração para juvenis de tambaqui (Colossoma macropomum). A substituição pode ser realizada em até 75%. Com esse nível, pesquisadores da Embrapa Amazônia Ocidental (AM) consideram que a aceitação do resíduo da goiaba foi positiva e comparável com alguns outros produtos não convencionais avaliados para a espécie, como o sorgo de baixo e alto tanino, a torta residual da extração do óleo de sacha- inchi e o feijão-caupi.

Tambaqui possui aptidão para o aproveitamento de fontes de origem vegetal, inclusive as não convencionais – Foto: Eliane Tie Oba Yoshioka

A busca por fontes vegetais não convencionais para a composição das rações para o tambaqui já foi realizada por diversos pesquisadores no intuito de encontrar alternativas aos ingredientes tradicionais: milho, farelo e óleo de soja, que são caros para os produtores de ração do Amazonas.

O tambaqui possui aptidão para o aproveitamento de fontes de origem vegetal, inclusive as não convencionais, entretanto, muitas dessas pesquisas esbarram em situações nas quais a produção desses ingredientes alternativos não atende às fábricas de ração locais, especialmente devido à quantidade, muitas vezes insuficiente, para a produção comercial; outros possuem sazonalidade de produção, não abastecendo as fábricas durante todo o ano; e em outros casos não possuem a qualidade nutricional adequada para substituir as commodities (milho, farelo e óleo de soja).

Os resultados desse estudo estão publicados no Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa, de agosto de 2023, intitulado “Uso do Resíduo da Agroindústria de Polpa de Goiaba na Alimentação de Juvenis de Tambaqui”, de autoria dos pesquisadores Jony Dairiki e Cheila Boijink, da Embrapa Amazônia Ocidental, em parceira com Amanda Silva (bolsista de iniciação científica), Francisco Simão (mestrando em aquicultura), Lorena Lanka Silva (mestranda em aquicultura) e Leonardo Takahashi (professor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho – Unesp).

O pesquisador Jony Dairiki explica que, no ensaio com o resíduo da agroindústria de polpa de goiaba, verificou-se que esse ingrediente não convencional pode atender a todos os quesitos abordados anteriormente, pois é oriundo de uma agroindústria que tem quantidade, escala de produção e, principalmente, qualidade nutricional.

Resíduo da agroindústria de polpa de goiaba atende aos quesitos de quantidade, escala de produção e, principalmente, qualidade nutricional – Foto: Marcos Luiz Leal Maia

Uma das poucas deficiências encontradas no produto está relacionada com o elevado nível de fibra bruta, que pode ter proporcionado um ganho de peso inferior nos peixes alimentados com 100% de substituição. Nessa situação, um melhor balanceamento da ração, aliado à diminuição da fibra oriunda de outras fontes vegetais da formulação, como, por exemplo, o farelo de soja, poderia potencializar o uso do resíduo da agroindústria de polpa de goiaba.

Economia circular e menor custo aos piscicultores
Vale ressaltar que as fibras alimentares são resistentes à hidrólise enzimática intestinal, com completa ou parcial fermentação microbiana no intestino grosso dos peixes. Em alguns casos, se a fibra fornecida for insolúvel, pode aumentar a velocidade do trânsito gastrointestinal, reduzir o tempo de digestão do nutriente e, consequentemente, sua absorção.

Segundo o pesquisador, a aceitabilidade das rações com níveis crescentes de resíduo de agroindústria de polpa de goiaba foi positiva. Com exceção do ganho de peso, não houve diferença significativa nas demais variáveis analisadas, comprovando a possibilidade da substituição parcial em até 75% do milho pelo resíduo da agroindústria de polpa de goiaba. Pode-se recomendar o uso desse resíduo como um modelo de economia circular na alimentação do tambaqui.

O Amazonas possui uma dependência de ingredientes convencionais oriundos de outras localidades, os quais são encarecidos pelo frete e têm seu custo repassado aos piscicultores quando adquirem a ração. Dessa forma, a proposição da economia circular por meio do aproveitamento de subprodutos gerados pela agroindústria estadual é uma alternativa interessante para reduzir o problema. O objetivo desse trabalho foi avaliar a substituição do milho, em 0% (controle), 25%, 50%, 75% e 100%, pelo resíduo da agroindústria de polpa de goiaba na nutrição de juvenis de tambaqui. Os animais foram alimentados durante 60 dias com rações experimentais em duas refeições diárias até a saciedade aparente.

Tambaqui consome na natureza alimentos de origem vegetal e animal, característica que torna esse peixe uma espécie facilmente adaptável à alimentação com base em rações completas – Fotos: Divulgação

O tambaqui é uma espécie onívora, ou seja, consome na natureza alimentos de origem vegetal, como frutos e sementes, e alimentos de origem animal, como insetos, zooplâncton, e caramujos, entre outros. Essa característica torna o tambaqui uma espécie facilmente adaptável à alimentação com base em rações completas, especialmente com uso de ingredientes vegetais.

Uso de ingredientes não convencionais
Uma das linhas de pesquisa desenvolvida pela Embrapa Amazônia Ocidental há mais de uma década avalia o uso de ingredientes não convencionais no intuito de diminuir a dependência dos ingredientes convencionais: farelo e o óleo de soja, além do milho, na composição das rações para peixes comerciais no estado do Amazonas, como o próprio tambaqui e o matrinxã (Brycon amazonicus), outra espécie de peixe amazônico.

Os principais resultados obtidos nessas pesquisas indicam a possibilidade de inclusão e substituição dos ingredientes convencionais por feijão-caupi (Vigna unguiculata); sacha inchi (Plukenetia volubilis) e seus subprodutos (farelo de folhas e torta residual da extração do óleo), uma planta amazônica rica em ácidos graxos do tipo ômega 3, cuja inclusão propiciou a incorporação desses ácidos na carcaça e no filé, comprovando a agregação de valor nutricional ao pescado; e os resíduos obtidos na bananicultura (farelo de folhas, coração e engaço), que podem propiciar desempenho zootécnico atrelado ao controle de parasitas.

Fontes alternativas para composição de rações
Outras pesquisas com o uso de ingredientes convencionais com menor escala de utilização no Amazonas, como a levedura de cana-de-açúcar, o sorgo de baixo tanino e o sorgo de alto tanino demonstraram que esses produtos podem compor rações para tambaqui e matrinxã, propiciando, além da diminuição do custo da ração, o controle de parasitas como o acantocéfalo e as monogeneas de brânquias. Todos esses resultados estimulam a produção massal de fontes alternativas para a composição de rações visando à recuperação do protagonismo do estado na produção de peixes comerciais nativos.

Uso do resíduo da polpa de goiaba se configura como um modelo de economia circular na alimentação do tambaqui

Dados da Associação Brasileira de Piscicultura (Peixe BR) apontam que o Amazonas ocupa atualmente a quinta posição entre os maiores produtores de peixes nativos do Brasil.

Nesse trabalho, o conceito de economia circular foi proposto visando à utilização racional dos recursos, de tal forma que os resíduos da agroindústria de polpa de goiaba possam ser utilizados como insumos para a fabricação de novos produtos, nesse caso, rações para tambaqui.

Parceiros na pesquisa
Para a realização da pesquisa, a Embrapa teve a parceria das empresas Amazônia Polpas e Nalto Polpas, que cederam os resíduos de goiaba, Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” Unesp (Campus Jaboticabal), Universidade Nilton Lins (Uninilton Lins), Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas (Ifam), e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), pela concessão de bolsas de iniciação científica e mestrado, e pelo apoio financeiro com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) ao projeto “Nutrição para a Produção Sustentável de Tambaqui: Tolerância aos Carboidratos, Efeito Poupador de proteína e Uso de Alimentos Alternativos”, liderado pelo pesquisador Jony Dairiki.

Fonte: Assessoria Embrapa Amazônia Ocidental

Suínos / Peixes

ABCS apresenta Retrato da Suinocultura na Câmara Setorial de Aves e Suínos

Estudo mostra crescimento das granjas tecnificadas no país, sendo atualmente 2.210.840 dessas matrizes, o que representa um aumento de 22,71% em comparação a 2015. Às exportações aumentaram 130,3%, 54,4% em toneladas de carcaça e 42,3% em disponibilidade interna, movimentando cerca de R$ 371,6 bilhões.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Arquivo OPR

A Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS) participou da Câmara Setorial de Aves e Suínos do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa), na última terça-feira (21). Na oportunidade, o consultor da entidade, Iuri Machado, apresentou os dados do “Retrato da Suinocultura”. Machado, que é autor do estudo inédito, detalhou os números e sua importância para o setor político, entidades do setor e lideranças da cadeia.

O consultor explicou que o crescimento das granjas tecnificadas – aquelas que fornecem animais para serem abatidos em frigoríficos com inspeção veterinária – é um dos grandes destaques do estudo. Atualmente são 2.210.840 dessas matrizes em todo o país, o que representa um aumento de 22,71% em comparação a 2015.

O material mostra ainda um aumento de 130,3% em exportações; 54,4% em toneladas de carcaça e 42,3% em disponibilidade interna e movimentando cerca de R$ 371,6 bilhões.

Machado chamou atenção para a relevância dos dados apresentados. “Esta atualização é uma ferramenta para entender melhor a relevância da suinocultura, com intuito de dar suporte para construção de políticas públicas e ser referência para os novos investidores privados”.

No que diz respeito à geração de empregos, a suinocultura empregou diretamente cerca de 151 mil pessoas e criou mais de 1.102.422 empregos indiretos, resultando em uma massa salarial superior a R$ 6,2 bilhões apenas em 2023.

Por fim, Machado resumiu o balanço anual de carne suína brasileira de 2015 a 2023, trazendo os principais índices de produção, exportação e consumo doméstico.

O conteúdo, além de ter sido disponibilizado à Câmara, pode ser acessado na íntegra por demais interessados aqui.

Impacto das chuvas na suinocultura do Rio Grande do Sul

Ainda na pauta da Câmara Setorial, o presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Ricardo Santin, trouxe os números dos prejuízos causados pelas enchentes no estado do Rio Grande do Sul. Segundo dados da Associação de Criadores de Suínos do Rio Grande do Sul (Acsurs), o estado perdeu 12.698 animais, o que representa um prejuízo de mais de R$ 10 milhões para o setor; além de R$ 30 milhões em danos estruturais e R$ 8 milhões em danos causados de forma indireta.

Além da calamidade pública no Rio Grande do Sul, a Câmara tratou ainda sobre os números da produção de milho e soja no Brasil, mercados externo e interno de Aves e Suínos e projeções futuras. A próxima agenda da Câmara será no mês de agosto, no Siavs.

Fonte: Assessoria ABCS
Continue Lendo

Suínos / Peixes

Bem-estar animal e legislação: reflexões da agroindústria no manejo pré-abate

A crescente pressão dos consumidores por alimentos seguros, éticos e de alta qualidade impõe novos desafios e responsabilidades a todos os envolvidos na produção e no transporte de suínos.

Publicado em

em

Fotos: Shutterstock

Especialistas e profissionais do setor suinícola se reuniram para compartilhar conhecimentos e discutir os desafios e oportunidades envolvendo o delicado processo de carregamento e transporte de suínos para abate em meados de março, no Encontro Regional da Associação Brasileira de Veterinários Especialistas em Suínos (Abraves), realizado em Toledo, região Oeste do Paraná. Entre os holofotes desse evento crucial, despontou a palestra de Luana Torres da Rocha, médica-veterinária e gerente de Suprimentos Suínos na Frimesa, uma das maiores agroindústrias do país. Em sua abordagem, Luana delineou não apenas os intricados aspectos práticos do manejo pré-abate, mas também ecoou a preocupação uníssona da indústria com o bem-estar animal e a conformidade legal.

Médica-veterinária e gerente de Suprimentos Suínos na Frimesa, Luana Torres da Rocha: “Somos parte integrante de uma extensa cadeia de valor, na qual cada elo desempenha um papel fundamental. Quando um desses elos se enfraquece ou se rompe, todos os demais são afetados” – Foto: Francieli Baumgarten/OP Rural

Luana aborda de maneira abrangente as complexidades envolvidas em cada etapa do processo e destaca a importância crucial do bem-estar animal e da conformidade com a legislação vigente. “Somos parte integrante de uma extensa cadeia de valor, na qual cada elo desempenha um papel fundamental. Quando um desses elos se enfraquece ou se rompe, todos os demais são afetados”, considera.

Ela frisa a crescente pressão dos consumidores por alimentos seguros, éticos e de alta qualidade, o que impõe novos desafios e responsabilidades a todos os envolvidos na produção e no transporte de suínos. “Estão cobrando cada vez mais os estabelecimentos de abate, as agroindústrias e cooperativas. E com aumento na produção e comercialização da proteína animal, principalmente exportação, estamos sendo cada vez mais cobrados. Com isso, além da busca por alimentos seguros, com qualidade sensorial, também há a busca por qualidade ética. Que são produtos derivados de animais que foram nascidos, criados e abatidos em sistemas que promoveram o bem-estar animal adequado”, relata.

Manejo pré-abate

No cerne das preocupações está o manejo pré-abate, considerado o momento mais estressante na vida dos animais. “Nele temos a etapa de jejum alimentar, manejo de embarque, transporte, manejo de desembarque no frigorífico, o período de descanso onde a insensibilização é propriamente dita, é o momento onde o suíno será insensibilizado então, posteriormente, sangrado. Sendo a sangria a última etapa do bem-estar animal”, explica a palestrante.

“É fundamental assegurar o bem-estar dos suínos em todas as etapas, desde o embarque até o momento do abate, conforme preconizado pela legislação, na qual somos legalmente responsáveis por sua proteção”, ressalta a médica veterinária. Ela também fez referência à legislação vigente, em particular ao Artigo 88 do Regulamento da Inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal (RIISPOA), que atribui aos estabelecimentos a responsabilidade de adotar medidas para garantir o bem-estar dos animais durante o transporte. “É importante ressaltar que estamos sujeitos a autuações caso ocorram intercorrências durante o embarque e transporte dos suínos”, alerta Luana.

Durante sua explanação, a profissional identificou diversos fatores estressantes para os animais, como a separação dos companheiros de baia, o tamanho dos grupos de condução, as condições de manejo, a locomoção em longas distâncias e a angulação do embarcadouro. “Além disso, há situações desafiadoras envolvendo os suínos ambulatoriais, sejam eles lesionados ou não. Com o aumento do peso médio dos animais abatidos e o embarque realizado em diferentes horários do dia, é comum encontrar suínos cansados e ofegantes durante o processo de transporte”, explica.

No que diz respeito ao transporte, Luana destaca o risco de mortalidade e lesões se não forem seguidas as práticas adequadas. “Muitas vezes o transporte já recebeu um suíno que

estava inapto, conduzirá o animal que vai acabar morrendo durante o transporte”, diz. Fatores como a densidade do transporte também são levantados por Luana. “É um espaço confinado e atualmente tem sido utilizado 235 kg/m², o que é considerado, hoje, bom para o Brasil, mas acredito que com o tempo isso mudará, pois, até mesmo a legislação europeia está aumentando esse espaçamento”.

Além disso, ela menciona a duração da viagem, que pode afetar diretamente o estado dos animais durante o transporte. “Podemos identificar a duração de uma viagem mais longa e uma mais curta, ambas com pontos positivos e negativos. Comumente as pessoas pensam que uma viagem curta é muito benéfica, mas observamos uma alta ocorrência de animais cansados e fadigados, pois acabaram de passar por um manejo de embarque, não tiveram tempo de descansar e já têm que ser desembarcados”, relata.

“Temos também as condições climáticas, já que no verão é observado um índice maior de mortalidade durante o transporte. A condução inadequada dos veículos também pode causar mortalidade, fraturas e contusões. E a parada do veículo em rodovias também pode ser maléfica aos animais. Além disso observamos a

mortalidade em transporte. Embarque realizado em períodos quentes do dia gera atraso no processo de embarque e mortalidade”, aponta Torres.

Problemas na carne

A questão da carne PSE (pálida, flácida e exsudativa) também foi abordada pela palestrante, que ressalta a importância de minimizar o estresse nos animais nas horas que antecedem o abate, a fim de evitar prejuízos financeiros e perda de confiança dos clientes. “Há toda uma mudança do metabolismo e da transformação do músculo, geralmente ocasiona esse tipo de carne quando o animal passa por estresse nas últimas horas que antecedem o abate. A carne baixa o pH ainda com a carcaça quente, o que acaba desnaturando as proteínas. Isso gera, obviamente insatisfação e reclamação por parte dos clientes, além das perdas financeiras graves, acarreta na perda de credibilidade com esses clientes”.

Luana reforça a importância da orientação contínua e do compromisso com a melhoria constante em todas as etapas do processo. “Quando a ‘batata quente’ chega no frigorífico não temos mais muito o que fazer, pois não podemos voltar atrás e fazer diferente. Mas temos o dever de repassar e orientar para que das próximas vezes mude”, ressalta. “Vale lembrar que o período de descanso no frigorífico tem que ser utilizado como aliado na recuperação adequada do suíno, utilizando também eletrólitos na recuperação do balanço hidroeletrolítico, que apresenta grande diferença. E também utilizar o enriquecimento ambiental visando a redução de brigas. Porém há uma incógnita por que esse fator pode aumentar a atividade dos animais durante o período de descanso e isso pode afetar a recuperação da musculatura”, menciona Luana ao proporcionar observações importantes para os profissionais do setor.

Para ficar atualizado e por dentro de tudo que está acontecendo na suinocultura acesse a versão digital de Suínos clicando aqui. Boa leitura!

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Suínos / Peixes Editorial

Juntos para transpor dificuldades

Investimentos em infraestrutura, treinamento e tecnologia podem ajudar a melhorar a eficiência e a segurança em todas as etapas do transporte de suínos.

Publicado em

em

Foto: Jaqueline Galvão/OP Rural

O transporte de suínos é uma etapa crucial na cadeia de produção que enfrenta desafios significativos. Desde a saída das fazendas até a chegada aos abatedouros, cada fase dessa jornada apresenta obstáculos que podem comprometer não apenas o bem-estar dos animais, mas também a eficiência operacional das agroindústrias.

Os problemas surgem desde o carregamento nas propriedades rurais até a última parada nas instalações de processamento. Infraestrutura inadequada, falta de capacitação da mão de obra, condições climáticas adversas e falhas no manejo podem resultar em atrasos, danos aos animais e prejuízos financeiros para as empresas.

Esses erros não apenas afetam a qualidade da carne suína, mas também atrapalham o fluxo de produção das agroindústrias. Carcaças condenadas devido a contaminação ou danos resultantes do transporte inadequado representam perdas significativas e podem impactar negativamente toda a cadeia de produção.

É fundamental que produtores, transportadores, agroindústrias e especialistas em bem-estar animal trabalhem em conjunto para identificar e resolver esses problemas. Investimentos em infraestrutura, treinamento e tecnologia podem ajudar a melhorar a eficiência e a segurança em todas as etapas do transporte de suínos.

O futuro da suinocultura depende da capacidade da indústria em superar esses desafios e implementar soluções que garantam não apenas o bem-estar dos animais, mas também a integridade e eficiência do processo de transporte.

Para ficar atualizado e por dentro de tudo que está acontecendo na suinocultura acesse a versão digital de Suínos clicando aqui. Boa leitura!

Fonte: Por Giuliano De Luca, jornalista e editor-chefe do Jornal O Presente Rural.
Continue Lendo
SIAVS 2024 E

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.