Conectado com

Notícias Safra 2018/19

Quebra da safra de soja deve passar de 30% no Oeste e Sudoeste do Paraná

De acordo com presidentes de Sindicatos Rurais, sojicultores têm colhido abaixo da média histórica e já fazem cálculos para a renegociação de dívidas

Publicado em

em

Divulgação/Mapa

O impacto da falta de chuvas regulares na safra de soja do Paraná deve ser significativo nas regiões Oeste e Sudoeste do Paraná. A estimativa extraoficial do Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento do Paraná (Seab) é de que a quebra de safra seja superior a 30% nessas áreas. Nesta semana, o órgão havia divulgado um boletim que aponta que 12% da lavoura paranaense estão em condições consideradas ruins. O relatório detalhado da safra será publicado na última semana de janeiro.

“Em algumas áreas produtoras, principalmente as das regiões Oeste e Sudoeste, as perdas devem ser maiores que 30%. Isso ainda não está oficializado, mas as informações que temos apontam para isso”, ressaltou o diretor do Deral, Salatiel Turra, em entrevista ao Sistema FAEP-SENAR-PR.

A técnica do Departamento Técnico Econômico (Detec) do Sistema FAEP/SENAR-PR Ana Paula Kowalski explica que a falta de chuvas significativas na fase de formação dos grãos prejudicou a produtividade no ciclo atual. O principal impacto recaiu, principalmente, sobre os produtores que fizeram o plantio logo após o vazio sanitário. Os sojicultores que plantaram posteriormente ainda podem minimizar as perdas.

“Quem plantou mais cedo, de um modo geral, está tendo um prejuízo maior, porque enfrentou um período de estiagem mais crítico em uma fase que as lavouras precisavam de chuva, na fase de enchimento dos grãos. Para quem plantou mais tardiamente pode ter uma produtividade maior, se voltar a chover em níveis ideais”, diz.

Ainda, a técnica do Sistema FAEP/SENAR-PR acrescenta que as altas temperaturas registradas nos últimos 30 dias também prejudicaram o desenvolvimento dos grãos.

Em dezembro de 2018, quando a estiagem começou a se agravar justamente no período de desenvolvimento das lavouras, o Deral reduziu a estimativa de produção em 500 mil toneladas, para 19,1 milhões de toneladas. Nesta semana, o boletim atualizado apontou que 12% da área plantada está em condições consideradas ruins; 30% em condições intermediárias; e 58% em boas situações.

“Na região Oeste, temos produtores que vão apenas conseguir cobrir o custo operacional. Estão prevendo dificuldades com investimentos ou mesmo para pagar os financiamentos, cujas parcelas começam a vencer”, aponta Ana Paula.

Impacto

O vice-presidente do Sindicato Rural de Palotina, Edmilson Zabotti, afirmou que as perdas médias dos produtores do município serão superiores aos 35%. A produtividade esperada era de 4,2 mil quilos por hectare, mas os sojicultores têm colhido, em média, 2 mil quilos por hectare. O volume é bem menor que a produtividade registrada no município na safra passada: 3,6 mil quilos por hectare.

“As lavouras estavam bem conduzidas, com tudo certinho, mas nos últimos 30 dias faltou o principal: a chuva”, diz Zabotti. “Vamos ter produtores que vão colher 2,9 mil quilos por hectare. Mas tem regiões daqui em que o produtor retirou entre 1,2 mil e 2,4 mil quilos por hectares”, completou.

Segundo o presidente do Sindicato Rural de Cascavel, Paulo Orso, os informes dos sojicultores dão conta de que as lavouras “não se desenvolveram bem” e reforçou que, em alguns casos, a quebra vai bater na casa dos 60%. “Já teve produtor que plantou milho sem ter colhido a soja. A quebra vai ser muito significativa”, aponta.

Sudoeste

O mau desempenho provocado pela falta de chuvas não se restringe ao Oeste. Na região Sudoeste, o cenário é bem parecido. Em Verê, os produtores têm colhido, em média, 2 mil quilos por hectare, quando a produtividade dos últimos anos girava em torno dos 4,4 mil quilos por hectare. Segundo o presidente do Sindicato Rural do município, Jaimir Colognese, alguns sojicultores tiveram que antecipar a colheita, para não perder a produção.

“Eu, por exemplo, planto 217 hectares. Em 40%, a lavoura está completamente comprometida. Em 40%, eu vou conseguir uma produtividade baixa, na faixa de mil quilos por hectare. No restante, que eu plantei tardiamente, a produtividade deve ser boa, se tiver chuva”, diz. “De todo modo, é um início de colheita anormal e bem prejudicado para a gente”, completa.

Diante do cenário, as entidades sindicais manifestam preocupação em relação ao aspecto financeiro. Segundo os sindicalistas, produtores já fazem cálculos para renegociar dívidas. “Para gente, foi uma calamidade. O produtor que está colhendo 1,5 mil quilos por hectare nem irá conseguir cobrir os custos de produção”, destaca Orso. “Temos situações que não valeria nem a pena o produtor colocar a colheitadeira para trabalhar. Mas o produtor vai encaminhar a colheitadeira por causa do seguro rural”, ressalta Zabotti.

Clima

As perspectivas climatológicas para as próximas semanas, no entanto, não são muito animadoras aos produtores de soja do Estado. As frentes frias que virão do Sul não terão força para chegar ao Paraná. A estiagem deve afetar principalmente as áreas Central e Norte do Estado.

“Serão dias mais secos, com predomínio de sol e altas temperaturas. Se a chuva chegar, será em baixo volume e mal distribuída. Essa condição permanece até o dia 14 de janeiro”, aponta Graziella Gonçalves, meteorologista do Climatempo.

Entre o dia 15 e 21 de janeiro, as precipitações devem chegar em um volume maior ao Paraná, atingindo também toda a região Central. A faixa Norte, no entanto, deve continuar sofrendo com a estiagem.

“O alerta é que há possibilidades de tempestades, com quedas de granizo. E são fenômenos difícil de se prever com antecedência, porque serão ocorrências pontuais e bem localizadas”, diz a meteorologista.

As condições devem melhorar somente a partir da última semana de janeiro, com chuvas distribuídas ao longo dos finais de tarde. Esse panorama deve se manter até a metade de fevereiro, quando as precipitações voltam a oscilar.

“Fevereiro deve ir bem na primeira quinzena. Depois, as chuvas devem ser mal distribuídas. Isso dura até março e abril, quando devemos ter chuvas volumosas e generalizadas em todo o Estado”, projeta Graziella.

Fonte: Sistema Faep
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias Oportunidade de Negócios

Agência de governo australiano estará no Show Rural Coopavel

Confirmação vem do Consulado Geral da Austrália, em São Paulo, que enviará ao evento o diretor da Trade, Fábio Nave

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A Australian Trade and Investiment Commission, agência do governo federal australiano, estará representada na 31ª edição do Show Rural Coopavel. A confirmação vem do Consulado Geral da Austrália, em São Paulo, que enviará ao evento o diretor da Trade, Fábio Nave.

A função de Fábio é promover oportunidades de negócios e investimentos entre Brasil e Austrália. “Vemos neste evento, que é um dos maiores do mundo no seu segmento, uma grande chance de estabelecer novos contatos e parcerias”, afirma Fábio.

“Durante o Show Rural Coopavel, vou me reunir com clientes e expositores, além de conhecer a feira com mais detalhes para futura divulgação de potenciais e participantes na Austrália”, diz Fábio. As oportunidades de negócios entre os dois países, principalmente na área do agronegócio, serão apresentadas em Cascavel em encontros e reuniões na quarta-feira, 6 de fevereiro.

Caravanas

A exemplo do que ocorre todos os anos, o evento vai receber caravanas dos mais diferentes cantos do Brasil e também do exterior. Nos últimos meses foi feito um trabalho especial com autoridades e produtores rurais de províncias do Paraguai e Argentina, que vão participar ativamente do Show Rural Coopavel 2019, diz o coordenador-geral, o engenheiro agrônomo Rogério Rizzardi.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias FUNRURAL

Produtor rural deve escolher forma de pagamento do FUNRURAL até 31 de janeiro

Secretaria da Receita Federal deve publicar IN estabelecendo os procedimentos que deve adotar para fazer a escolha da modalidade

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (Faesc) orienta os produtores rurais catarinenses a escolherem a forma com que desejam recolher o Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (FUNRURAL) para o exercício de 2019, de acordo com as mudanças estabelecidas na Lei Federal 13.606/2018. O prazo para escolha é até o dia 31 de janeiro.

O assessor jurídico da Faesc, Clemerson José Argenton Pedrozo, explica que existem duas opções de recolhimento: a que calcula sobre o valor da folha de pagamento dos empregados, inclusive quanto aos avulsos, e a outra sobre o valor da comercialização dos produtos agropecuários.

“A nossa orientação é que os produtores procurem o Sindicato Rural mais próximo, contador ou advogado para fazer a análise de qual opção de recolhimento é mais vantajosa, de acordo com cada caso específico. Estamos preparados para ajudar nessa escolha”, destaca o presidente da Faesc, José Zeferino Pedrozo.

A Secretaria da Receita Federal deve publicar, nos próximos dias, uma Instrução Normativa estabelecendo os procedimentos que o produtor rural deve adotar para fazer a escolha da modalidade de recolhimento do FUNRURAL. “Apesar da lei que estabelece as opções de pagamento ter sido publicada em janeiro de 2018, até agora a Receita Federal ainda não disciplinou como as opções serão manifestadas, em que pese toda a pressão exercida pela CNA e por outras entidades do agro no sentido de que tal normativa já deveria ter sido publicada há muito tempo” destaca Pedrozo.

Conheça as opções 

Opção 1: Cálculo sobre a folha de pagamento (art. 22 da lei 8.212/91)

– O produtor rural deve fazer uma projeção, em reais, do valor total da folha de pagamentos para o ano de 2019 (de 1º de janeiro a 31 de dezembro), inclusive quanto aos avulsos e incluindo o valor do 13º salário, gratificações, etc.

– O resultado deve ser multiplicado por:

  1. a) 20% (inciso I do art. 22 da Lei 8.212/91);
  2. b) 1% a 3% de acordo com o risco de acidente de trabalho da atividade (inciso II do art. 22 da Lei 8.212/91);

– O produtor deve somar os dois resultados das multiplicações acima, sendo o valor encontrado a estimativa do FUNRURAL para o exercício de 2019, se optar pelo cálculo sobre a folha de pagamentos.

Opção 2: Cálculo sobre a comercialização da produção rural (art. 25 da Lei 8.212/91)

– O produtor rural deve fazer uma projeção, em reais, da expectativa de receita com a comercialização da produção rural no ano de 2019 (de 1º de janeiro a 31 de dezembro);

– O produtor deve subtrair os valores referentes às expectativas de receitas, no mesmo período, da venda de animais a outros produtores rurais pessoa física;

– O produtor deve subtrair, ainda, os valores referentes às expectativas de receitas, no mesmo período, da venda de mudas e sementes a outros produtores (essa isenção é condicionada à inscrição do estabelecimento vendedor como produtor de sementes e mudas junto ao MAPA);

– O resultado da conta acima deve ser multiplicado por 1,3% (alíquotas previstas nos incisos I e II do art. 25 da Lei 8.212/91). O valor alcançado será a estimativa do FUNRURAL para o exercício de 2019, se optar pelo cálculo sobre o valor da comercialização da produção.

Após fazer as estimativas com base nas duas opções elencadas na legislação, conforme acima explicitado, a opção que resultar menor valor de pagamento será a melhor para o produtor referente ao exercício de 2019.

No caso de o produtor não fazer a escolha até o dia 31 de janeiro corrente, caso nada mude em termos de regramento, o desconto do FUNRURAL será com base no valor da comercialização de sua produção agropecuária, somente podendo tal situação ser alterada no mês de janeiro de 2020, cuja opção valerá para aquele exercício.

Importante

Contribuição SENAR

O valor da contribuição de 0,2% sobre a comercialização, destinado ao SENAR, continua vigente e não se altera, qualquer que seja a opção do produtor (pela folha ou pela comercialização).

Produtor rural pessoa jurídica

O produtor rural pessoa jurídica também tem o direito de optar por qualquer das formas de contribuição descritas (art. 25, §7º da Lei 8.870/94).

Nunca optar sem antes simular

A Faesc aconselha que nenhum produtor faça opção, por uma ou por outra forma de recolhimento do FUNRURAL, sem antes fazer uma simulação muito próxima de sua realidade.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Caminhoneiros

ANTT publica nova tabela com valores do frete mínimo

Publicação da nova tabela tem que ser feita até os dias 20 de janeiro e 20 de julho de cada ano, ficando os valores válidos para o semestre

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A Agência Nacional de Transporte Terrestres (ANTT) publicou na sexta-feira (18) no Diário Oficial da União (DOU), nova tabela com os pisos mínimos de frete. A Lei 13.703, de 2018, que instituiu a Política Nacional de Pisos Mínimos do Transporte Rodoviário de Cargas, prevê que uma nova tabela com frete mínimo deve ser publicada quando houver oscilação superior a 10% no preço do óleo diesel no mercado nacional. De acordo com a lei, a publicação da nova tabela tem que ser feita até os dias 20 de janeiro e 20 de julho de cada ano, ficando os valores válidos para o semestre.

A política do frete mínimo foi uma das reivindicações dos caminhoneiros que paralisaram as estradas de todo o país em maio do ano passado. A lei especifica que os pisos mínimos de frete deverão refletir os custos operacionais totais do transporte, definidos e divulgados nos termos da ANTT, com priorização dos custos referentes ao óleo diesel e aos pedágios.

De acordo com a legislação, a tabela deve trazer os pisos mínimos referentes ao quilômetro rodado por eixo carregado, consideradas as distâncias e as especificidades das cargas, bem como planilha de cálculos utilizada para a obtenção dos pisos mínimos.

Apesar da publicação, na quarta-feira (16), a Justiça Federal em Brasília aceitou pedido liminar feito pela Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp) e suspendeu a aplicação do tabelamento do frete rodoviário para as entidades filiadas à entidade. A decisão é provisória e foi assinada no dia 7 de janeiro pelo juiz Márcio de França Moreira, da 8ª Vara Federal do Distrito Federal.

Com a decisão, a ANTT ficou proibida de aplicar multas pelo descumprimento da tabela de frete para as empresas filiadas à Fiesp. Cabe recurso da decisão. O juiz Márcio de França Moreira entendeu que houve problemas legais na tramitação da medida provisória (MP) editada no ano passado pelo então-presidente Michel Temer, que estabeleceu a política de preços mínimos. O órgão disse que vai recorrer da decisão.

De acordo com a resolução da ANTT as multas aplicadas a quem descumprir os preços mínimos da tabela do frete rodoviário se enquadram em quatro situações distintas, variando do valor mínimo de R$ 550 e podendo chegar ao máximo de R$ 10,5 mil.

Fonte: EBC
Continue Lendo
Nucleovet 2
APA

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.