Conectado com
FACE

Suínos / Peixes Produção

Quanto perdemos em produção animal por fornecer água de má qualidade?

Impacto da qualidade da água reflete mais na produção e saúde animal do que na manutenção econômica da atividade

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Artigo escrito por Eder S. Brandeburgo, doutor, médico veterinário e gerente Técnico da MS Schippers

Estamos vivendo um forte apelo mundial para a redução imediata dos níveis do uso de antibióticos na produção animal, levando-nos a uma busca da excelência na biosseguridade e administração frequente de aditivos zootécnicos, tais como: ácidos orgânicos, óleos essenciais e probióticos, nas granjas de suínos e aves, no entanto tem-se negligenciado a água de bebida como um dos potenciais pilares de melhoria neste importante processo de segurança alimentar e ambiental.

Dos nutrientes ingeridos diariamente pelos animais em uma granja de suínos 70% é água e 30% ração. Para termos uma ideia de volume hídrico, uma suinocultura com 100 matrizes em sistema de criação de ciclo completo, portanto maternidade, creche e terminação, ao longo do ano consomem cerca de 260.000 litros de água de bebida. No entanto quando consideramos o aspecto financeiro, este volume de água consumida representa menos de 1% do custo total de produção, contra 70% da ração, por tanto o impacto da qualidade deste importante nutriente reflete mais na produção e saúde animal do que na manutenção econômica da atividade.

Diversos são os fatores que podem afetar o consumo adequado de água pelos animais, os quais podemos destacar: qualidade da água, quantidade de ração ingerida, vazão e pressão do sistema hidráulico, temperatura de ambiente, ocorrência de doenças, entre outros.

No tocante á qualidade de água de bebida, duas ações de monitoramento são as bases para um programa eficiente, sendo a primeira a realização de análises laboratoriais, e a outra, o acompanhamento do nível de limpeza da tubulação.

Quando avaliamos o sistema de abastecimento de água de uma granja precisamos observar diversos pontos, onde podemos destacar: o uso de aditivos, principalmente os antibióticos, fundos cegos, diâmetros e materiais do encanamento, pois estes pontos favorecem o acumulo de matéria orgânica e a elevação da temperatura da água. Estes elementos são fundamentais para a formação e aumento do biofilme microbiológico nas paredes da tubulação, com presença de bactérias altamente patogênica, tais como: Escherichia coli, Salmonella typhimurium, Staphylococcus aureus, Vibrio cholerae, entre outras, no entanto também estão presentes fungos (ex.: Aspergillus SPP e Penicillium SPP), leveduras e protozoários.

Figura 1: Ilustração de sistema de distribuição de água de bebida em granja de suínos

 

Problemas

Temos observado com frequência no Brasil, que as granjas têm utilizado fontes naturais de água para o consumo animal com excelente qualidade físico-química e microbiológica, comprovadas através de análise laboratorial, no entanto as amostras de água coletadas nos bebedouros dos animais apresentam-se comprometidas na qualidade microbiológica com presença ou aumento na contagem de bactérias heterotróficas, coliformes totais e Escherichia coli, quando comparada a fonte.

A literatura vem demostrando exaustivamente que a E. coli está entre os dois principais problemas patológicos da produção animal, com o agravante de apresentar de cepas multirresistência aos antimicrobianos.

A água contaminada pode levar, além da diminuição do seu consumo, a menor ingesta de alimento, causar redução da resistência imunológica, perda de produtividade, ineficiência de vacinas, medicamentos e suplementos, e formação de biofilme na tubulação.

Tubulação exclusiva para fornecimento de antibiótico via água de bebida com alta formação de biofilme

Tubulação para fornecimento de água de bebida com formação de biofilme

Tubulação limpa para fornecimento de água de bebida

 

Inimigo silencioso

Podemos notar em algumas situações, a alta formação de biofilme na tubulação de fornecimento de água de bebida aos animais, principalmente na de uso exclusivo para administração de antibióticos.

Em muitos aspectos o biofilme é um inimigo silencioso, pois não é diretamente visível, pode inativar aditivos zootécnicos, tem crescimento microbiológico rápido e descontrolado, contaminando a água de bebida, consequentemente aumentando a carga de microrganismos patogênico no trato gastrointestinal dos animais que a consumem. Estudos tem apontado a má qualidade da água como o fator determinante de altas incidências de problemas patológicos, mas principalmente: diarreias na maternidade e creche, cistites, nefrites, disfunções reprodutivas e síndrome MMA.

Podemos concluir que existe uma alta relação da qualidade da água, com a limpeza da tubulação, índice de doenças patogênicas e, consequentemente, ao uso de antibióticos na produção animal. Estamos certos que ferramentas como o Dióxido de cloro, que realiza a remoção do biofilme da tubulação e eliminação dos patógenos da água de bebida, fornecem condição favorável ao melhor desempenho zootécnico e saúde animal, e consequentemente retorno econômico para a atividade e segurança alimentar ao consumo.

Eder S. Brandeburgo

Outras notícias você encontra na edição de Suínos e Peixes de maio/junho de 2019 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × quatro =

Suínos / Peixes Sanidade

Mapa inicia o Plano Estratégico Brasil Livre de Peste Suína Clássica em Alagoas

Será realizada uma ação conjunta entre os setores público e privado para a vacinação contra a PSC na Zona não Livre da doença

Publicado em

em

Divulgação

A partir de maio, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) dará início ao projeto piloto de implantação do Plano Estratégico Brasil Livre de Peste Suína Clássica (PSC) em Alagoas. O primeiro passo será uma ação conjunta entre os setores público e privado para a execução da vacinação contra a PSC de forma regionalizada na Zona não Livre da doença.

“O projeto piloto visa identificar as limitações e realizar os ajustes necessários para viabilizar a implementação da vacinação contra a PSC nos demais estados da Zona não Livre e, desta forma, reduzir os riscos na execução do Plano. A atuação das Equipes Gestoras Nacional e Estadual e a interação público-privada nas ações de vacinação também serão avaliadas”, explica o diretor do Departamento de Saúde Animal da Secretaria de Defesa Agropecuária, Geraldo Moraes.

O Plano Estratégico Brasil Livre de PSC tem por objetivo erradicar a doença nos estados que compõem a Zona Não Livre do Brasil: Alagoas, Amapá, Amazonas, Ceará, Maranhão, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Roraima.

O avanço no controle e na erradicação da PSC nessas zonas possibilitará o fortalecimento das capacidades do Serviço Veterinário Oficial (SVO) em desenvolver outros programas sanitários e a vigilância das doenças animais, assim como de proteger a atual Zona Livre e as exportações brasileiras de produtos suínos.

“O Brasil vem batendo recordes no volume de exportação de carne suína e tem expectativa de novo recorde na comercialização anual. A presença da PSC em parte do território nacional pode comprometer esse importante segmento da economia”, observou Moraes. Ainda segundo o diretor, o projeto é fruto da união entre governo federal, do governo de Alagoas e iniciativa privada.

O projeto piloto será executado de forma compartilhada pelo Mapa, pela Agência de Defesa e Inspeção Agropecuária de Alagoas (Adeal) e pela parceria com a Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS), a Associação Brasileira das Empresas de Genética de Suínos (Abegs), a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), a Confederação Nacional de Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), contando com apoio do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (Sindan), do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), do Fórum Nacional dos Executores de Sanidade Animal (Fonesa) e da Organização das Cooperativas do Brasil (OCB), além da Zoetis Indústria de Produtos Veterinários.

Fonte: MAPA
Continue Lendo

Suínos / Peixes Paraná

Fábrica de ração da Lar em Entre Rios do Oeste deve dobrar produção a partir de outubro

Indústria que hoje produz 20 mil toneladas por mês deve passar a 50 mil toneladas/mês

Publicado em

em

Divulgação/LAR

Produzindo 20 mil toneladas de ração por mês e empregando 60 funcionários atualmente, a fábrica de ração da Lar em Entre Rios do Oeste está prestes a mais que dobrar a produção e, consequentemente, impactar a realidade daquele município.

Desde o processo de intercooperação com a Copagril, oficializado no final do ano passado, a unidade fabril tem evoluído. “Se compararmos ao início das atividades da Lar na indústria, a produção já ampliou em torno de 25% e o quadro de funcionários 20%”, enaltece o diretor-presidente da cooperativa, Irineo da Costa Rodrigues.

A indústria passou por inúmeros processos de adaptações desde a fusão entre as cooperativas para que o produtor integrado fosse cada vez mais bem atendido. “Uma vez que essa indústria não possui ainda o processo de peletização, planejamos as produções de rações fareladas de matrizes produtoras de ovos férteis, matrizes produtoras de ovos comerciais e também para suprir os aviários de frango de corte de toda a região Oeste na fase em que a ração farelada é a mais recomendada. Com isso não temos prejuízos nos resultados zootécnicos”, ressalta o gerente das indústrias de rações da Lar, Carlos Varnier.

Produção dobrada e peletizada

Mais do que duplicar a produção, o produto ali produzido deve mudar e passar a ser peletizado. “A previsão é que possamos produzir 50 mil toneladas mensais de ração peletizada a partir de outubro”, projeta Rodrigues.

Segundo ele, a peletizadora é importada e tem previsão de chegar em junho deste ano, quando será incorporada às estruturas do local. “A Lar tinha adquirido os equipamentos para as novas indústrias de Medianeira. Em caso de uma compra a partir do zero o processo demora aproximadamente um ano”, expõe.

Resposta à cadeia avícola

Diante das altas no custo de produção, a Lar reformulou suas metas, mas segue ampliando a produção de frangos, conforme afirma o diretor-presidente, todavia, num ritmo mais lento.

A ampliação da produção de ração, por sua vez, está intimamente ligada ao aumento da produção de toda a cadeira avícola, segundo Rodrigues. “A produção de rações em Entre Rios está sendo considerada justamente para possibilitar um aumento de abate que já temos previsto”, evidencia, completando: “Isso interliga-se diretamente à produção no campo, pois depende de que os avicultores concluam os novos aviários”.

Mais contratações

A comunidade entrerriense deve ser fortalecida no que diz respeito ao fornecimento de mão de obra. De acordo com o diretor-presidente da Lar, em um primeiro momento a equipe de colaboradores deve dobrar. “Temos previsão de ter 120 funcionários na indústria se mantivermos a frota de caminhões terceirizada”, menciona.

Rodrigues salienta, por outro lado, que caso a cooperativa migre para uma frota própria de distribuição na unidade, as contratações serão ainda mais volumosas. “Nesse caso, o quadro de funcionários iria para 200. Hoje temos 60, seriam mais 140 que seriam contratados para aquela indústria”, revela.

Investimento de R$ 40 milhões

A fábrica de ração de Entre Rios atualmente está em obras para ampliação civil e mecânica para receber o processo de peletização e aumento de produção. Conforme o dirigente da cooperativa, as ampliações devem ser concluídas em agosto. “As duas linhas de peletização representam um investimento na ordem de R$ 13 milhões, demais melhorias em torno de 27 milhões. O investimento total é de R$ 40 milhões na unidade fabril entrerriense”, evidencia.

A instalação das peletizadoras trava em um empecilho de infraestrutura, aponta Rodrigues. “Um fator limitante que existe na indústria diz respeito ao suprimento da rede elétrica. A Copel assumiu o compromisso de garantir energia elétrica suficiente e estável no local para a operação dos novos equipamentos”, frisa.

100 mil toneladas/mês

Como plano futuro, o diretor-presidente da Lar antecipa que a fábrica deve produzir cinco vezes mais que atualmente. “O projeto que estamos executando nessa indústria nesse momento é de elevar a capacidade de produção de 20 mil toneladas para 50 mil toneladas, permitindo que a estrutura-base esteja apta para que a indústria no futuro possa produzir 100 mil toneladas/mês”, expõe, acrescentando: “Estamos preparando toda a parte de recepção de matéria-prima, depósito de produtos ensacados e líquidos. Todo esse processo está sendo adequado para no futuro, se tivermos oportunidade, levar a indústria a produzir 100 mil toneladas mensais”.

Fonte: O Presente
Continue Lendo

Suínos / Peixes Suinocultura

ABCS lança campanha “Carne de porco: bom de preço, bom de prato”

Campanha conta com selo e jingle, além de amplo material publicitário que terá como foco o aumento do consumo da carne suína pelo brasileiro

Publicado em

em

Divulgação

De forma inédita, a Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS) lançou nesta sexta-feira (09) uma campanha nacional para a promoção de carne suína junto aos pequenos e médios varejistas. A campanha é intitulada “Carne de porco: bom de preço, bom de prato”. O trabalho foi pensado em consonância com os desafios econômicos enfrentados pelos brasileiros nos últimos anos, que fizeram com que as práticas de consumo e hábitos alimentares fossem repensadas.

De acordo com a diretora de Marketing e Projetos da ABCS, Lívia Machado, a carne suína tem conquistado mais espaço na mesa dos consumidores brasileiros, especialmente agora com o aumento expressivo da carne bovina. “O brasileiro tem a tradição de comer carne bovina porque ela sempre foi a proteína mais barata. Agora, com este aumento que vemos que vem acontecendo, nós podemos aproveitar o momento em que o preço é algo essencial para o brasileiro, mostrando uma alternativa de proteína para consumir”, conta.

Segundo dados mostrados pela diretora, enquanto no mundo outros países consomem 45 quilos per capita de carne suína (43%) o Brasil consome apenas 17 quilos per capita (15%). “Então nós precisamos trabalhar muito para mudar isso. Dessa forma, baseado nisso tudo, lançamos essa campanha inédita da ABCS e do FNDS (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Suinocultura) para alcançar o pequeno e o médio varejo”, diz.

Como a ABCS já conta com diversas outras campanhas com parceria com grandes parceiros do varejo, como Grupo BIG e o GPA, esta visa exclusivamente os pequenos varejos. Além disso, a parceria é para que associações estaduais e demais parceiros também sejam adeptos dessa nova campanha para incentivar o consumo da carne suína.

Lívia explica que a escolha em colocar “carne de porco” ao invés de “carne suína” é que, segundo uma pesquisa realizada, a maioria dos brasileiros conhecem a proteína como carne de porco. “Queremos dessa forma aproximar a campanha ainda mais do consumidor”, informa.

Selo e jingle

Para complementar a campanha que está sendo lançada, foi criado um selo e um jingle, além de um amplo material publicitário para ser divulgado nos comércios e redes sociais. A campanha irá atuar em diversas frentes midiáticas como PDV, redes sociais e diversas mídias digitais com uma linguagem visual e popular em conjunto com textos leves e informativos, que irão instigar a alternativa suína como melhor opção para qualquer hora.

Os pilares dessa comunicação são quatro frentes de conteúdo: economia, comparativos de cortes, bom humor e um foco especial em churrasco. Além disso, a campanha vem assinada por um selo de qualidade que acompanha todas as peças. Todo o Sistema ABCS, associações regionais, estaduais e contribuintes do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Suinocultura (FNDS), estarão unidos e engajados.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
CBNA 1

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.