Conectado com
FACE

Suínos / Peixes Mercado

PSA vem mudando mercado mundial de carnes

Afirmação é do engenheiro agrônomo e analista do Rabobank Wagner Hiroshi Yanaguizawa

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A Peste Suína Africana (PSA) que tem atingido países da Europa e Ásia tem mexido muito com o mercado internacional. Por isso é necessário entender estas mudanças e de que forma elas afetam o mercado brasileiro. Foi sobre este assunto que o engenheiro agrônomo e analista do Rabobank Wagner Hiroshi Yanaguizawa falou durante o Pig Meeting, evento realizado pelo Núcleo Oeste de Médicos Veterinários e Zootecnistas (Nucleovet) de Santa Catarina.

Ele explica que fazendo uma análise dos relatórios da Organização Mundial da Saúde Animal (OIE), as notificações de PSA aconteceram em três períodos: janeiro e dezembro de 2019 e o mais recente que foi na segunda quinzena de setembro de 2020. “Em janeiro de 2019 havia uma concentração maior de casos no território chinês. Em dezembro daquele ano os casos passaram a aumentar no sudoeste asiático, mas ainda com uma concentração maior de casos na China, mas agora também em locais como Hong Kong e Tailândia. Neste último período os casos continuam ativos na China, mas eles se espalharam para locais como Filipinas e Vietnã”, explica.

De acordo com Yanaguizawa, as atenções estão mais voltadas para a China por conta da sua representação quando o assunto é produção e consumo de carne suína. “Em 2018 metade da produção mundial de suínos estava na China. Porém, algumas particularidades facilitaram a dispersão da PSA por lá. A doença ainda não tem uma vacina desenvolvida a nível comercial, é uma corrida mundial. Então, o que aconteceu na China? Basicamente o perfil de produção. Níveis de PSA são mais altos porque a produção chinesa vinha de propriedades pequenas, de fundo de quintal, sem escala de produção. E isso favoreceu a dispersão da doença”, avalia.

A doença fez com que houvesse uma redução forte no rebanho suíno de 2019 para 2020. “Metade do rebanho chinês foi perdido com animais contaminados. Isso acabou impactando no abate de matrizes e influenciou também o cenário para este ano”, conta. Segundo ele, o esforço chinês é reduzir com esse perfil de produção pequena e que não tem escala nem tecnificação.

Yanaguizawa comenta que com relação a este ano o principal desafio da China é a recuperação do rebanho. “A PSA trouxe um forte abate de matrizes, e isso afetou o poder de recuperação do rebanho suíno este ano. O primeiro semestre do ano foi desafiador porque eles passaram por um lockdown, o que impactou diretamente na logística para pegar animais para abate e chegar insumos para produção”, explica. Dessa forma, no segundo semestre os chineses tiveram um poder de recuperação mais forte. “Houve importação de matrizes. Mas isso está afetando o volume e também a qualidade da produção, porque a prioridade deles é aumentar o rebanho, o que faz com que a qualidade das matrizes seja um pouco baixa”, conta.

Segundo o analista, a recuperação chinesa está em torno de 1 a 2% do rebanho. “A queda do rebanho de suínos da China foi de 20 milhões de toneladas. É basicamente a produção do Brasil, EUA e Rússia juntos. Foi uma queda muito alta”, diz. Por conta disso, as importações chinesas também sofreram alterações. “Quando falamos na queda da importação, nós vimos que no ano passado, em relação a 2018, a China importou 13 milhões de toneladas. Eles representam somente 4% do mercado internacional, e mesmo assim são os maiores importadores mundiais”, informa.

Mesmo assim, é preciso ter atenção ao mercado chinês. “A China vai continuar demandando bastante, porém, a partir do ano que vem, a recuperação vai acontecer de uma forma mais forte e vai ser contínua até 2025. Esta é a projeção para a recuperação completa do rebanho chinês. Vai ser um pouco abaixo do nível de antes da PSA, mas isso por conta do padrão de consumo, que está reduzindo na China”, comenta. Segundo o analista, a partir do ano que vem já será possível ver a redução da demanda chinesa. “Temos o desafio de colocar essa oferta que era da China em outros mercados”, afirma.

Quanto a União Europeia, Yanaguizawa diz que desde 2019 é possível perceber uma queda no consumo doméstico de carne suína, por conta do aumento das exportações para o mercado chinês. “A Espanha e a Alemanha foram os dois maiores exportadores de carne suína para a China no ano passado. Isso tem pressionado o consumo, devido a expectativa de redução do mercado chinês, que é desafiador também para a União Europeia destinar a carne para outros mercados”, conta.

A partir disso, comenta o analista, é possível notar uma mudança no padrão de consumo. “Foi evidente a partir de 2019 a queda brusca no consumo de carne suína. Em contrapartida, houve o aumento de consumo de carne de frango e carne bovina, que já é uma tendência muito ligada a ascensão de classes de maior poder econômico na China. É importante lembrar que a China é também o principal mercado de carne bovina. Por conta da baixa oferta de carne suína, o consumo de carne bovina está também se dando no lar, onde antes era somente no selfservice”, diz.

Os novos casos de PSA

Yanaguizawa comenta que em dezembro aconteceu o pico de novos casos de PSA no mercado europeu, especialmente na Romênia, Polônia e Alemanha. “Aquela é uma região de mata densa, com um rebanho de javalis selvagens. Então, já tinha um risco elevado de ter a doença, o que de fato aconteceu”, conta. O analista explica que a Alemanha está com cerca de 65 casos confirmados de PSA em javalis selvagens em duas regiões diferentes. “Isso impacta o mercado da Alemanha, que hoje é o maior exportador de carne suína da Europa. É uma oportunidade de exportação limitada. Já está ocorrendo impacto de preços, mas limitado. A doença não atingiu a produção doméstica, somente javalis selvagens. Mas, sem dúvida a suspensão que a Alemanha sofreu vai ditar o ritmo da produção nos próximos anos no curto prazo”, afirma. “A estratégia da Alemanha hoje é fazer uma cerca física e estimular o abate de javalis”, conta.

O analista explica que neste ano o Brasil teve um crescimento nas exportações, especialmente para a China e Hong Kong. “Metade da exportação do Brasil está indo para o mercado chinês. A gente já viu essa história em 2017, esse risco de ter a dependência com um país só, como era com a Rússia. Esse ponto merece atenção”, destaca.

Mercado doméstico

Yanaguizawa comenta que o Brasil começou o ano com uma boa expectativa, com um aumento de 7% na produção. “Porém, com o lockdown a China teve queda nas exportações e depois no segundo trimestre, o aumento do consumo não aconteceu. Isso trouxe desequilíbrio e pressionou os preços. No final de março o mercado chinês voltou a comprar do Brasil e isso foi contínuo”, diz. “Então, em abril chegou o auxílio emergencial, que de fato foi uma das melhores coisas que aconteceu, que segurou muito a demanda doméstica. Mas é um pacto caro no orçamento, são R$ 50 bilhões ao mês, sendo que o Bolsa Família é de R$ 35 bilhões. Mas, em tese, esse pacote trouxe resultados positivos”, explica.

O analista informa que no primeiro semestre deste ano o Brasil teve um aumento de 18% na produção com relação ao ano passado. “O consumo de doméstico de carne suína teve um leve aumento na casa do 1% no mesmo período do ano passado”, explica. Segundo Yanaguizawa, dados mostram que desde o primeiro dia útil de março até o final da primeira semana de outubro, houve uma queda de 53% no setor de food service com relação ao ano passado. “O consumo no supermercado aumentou 17%, mostrando um padrão de mudança no consumo não somente na China, mas no Brasil também”, afirma.

Fazendo uma análise geral do mercado global, Yanaguizawa diz que a China teve uma queda de 17% no volume, por conta da diminuição do estoque de matrizes e também por conta do coronavírus. Além disso, a União Europeia também teve queda na produção, com destaque para a Romênia, Ucrânia, Espanha e Alemanha, sendo que este último teve queda de 1,5%. Já os EUA enfrentaram um grande desafio no primeiro semestre por conta do coronavírus, mesmo assim apresentou um aumento na produção de 1,3%. “O Brasil também teve aumento, e por conta da elevação recorde de exportação esperamos um aumento de 32% nas exportações e aumento de 4,5% na produção este ano”, diz.

Outras notícias você encontra na edição de Suínos e Peixes de outubro/novembro de 2020 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × dois =

Suínos / Peixes Mercado

Exportações da piscicultura crescem 8% e atingem receita de US$ 11,7 milhões

Exportações da piscicultura apresentaram aumento de 8% em peso em 2020 em comparação com o ano anterior

Publicado em

em

Divulgação

Segundo da Embrapa Pesca e Aquicultura, as exportações da piscicultura apresentaram aumento de 8% em peso em 2020 em comparação com o ano anterior, passando 6.201 t para 6.680 toneladas. Esse aumento é inferior ao registrado em 2019 (26%), porém reflete tendência consolidada nos últimos anos de crescimento das vendas para o exterior. O faturamento cresceu 4,4% e atingiu US$ 11,7 milhões.

De acordo com a Associação Brasileira de Piscicultura (Peixe BR), o incremento da demanda de pescado e a maior necessidade de insumos para a indústria de rações no mercado interno no segundo semestre de 2020 fizeram com que as empresas reduzissem as exportações.

Dentre as principais espécies exportadas em 2020, a tilápia mantém posição de liderança, respondendo por 88,17% das vendas externas e receita de US$ 10,3 milhões: crescimento de 5% em relação a 2019. Os curimatás mantiveram o segundo lugar com US$ 602 mil, porém com pequena queda comparado a 2019. O terceiro lugar ficou o tambaqui, com US$ 562 mil: crescimento expressivo de 648,6% frente a 2019.

Dentre os principais destinos das exportações da piscicultura em 2020, os Estados Unidos se mantiveram como maior importador, com US$ 5,9 milhões, tendo apresentado aumento de 19% nos volumes importados comparado a 2019. O Chile foi o segundo principal destino, com importações de US$ 1,4 milhão e crescimento de 260% frente ao ano anterior. A China foi o terceiro principal destino, com US$ 864 mil, porém com queda de 22%. Chama a atenção o crescimento das exportações para países sul-americanos (Chile, Peru e Venezuela), o que pode indicar tendência de consolidação destes mercados.

Exportações de tilápia totalizam US$ 10,3 milhões

As exportações de tilápia são compostas por diferentes categorias de produtos. Em 2020, a categoria dos filés de tilápia frescos ou refrigerados foi a mais importante, totalizando US$ 5,2 milhões e representando 51,03% do total. Os óleos e gorduras e os subprodutos impróprios para alimentação humana (que incluem peles e escamas) foram a segunda e terceira categorias com 20,56% e 14,50%, respectivamente.

Mato Grosso do Sul manteve a posição de maior exportador de tilápia, com US$ 5,8 milhões, apesar de ter apresentado redução de 10,94% em comparação a 2019. Santa Catarina foi o segundo maior exportador, com US$ 1,8 milhão e crescimento de 146,21%. A terceira posição ficou com o Paraná, com US$ 1,7 milhão e aumento de 32,59%.

Os Estados Unidos responderam por 58% das exportações brasileiras de tilápia em 2020, totalizando US$ 5,9 milhões. Chile e China foram, respectivamente, o segundo e terceiro maiores importadores de tilápia, com US$ 1,4 milhão e US$ 863 mil.

Fonte: Assessoria Peixe BR
Continue Lendo

Suínos / Peixes Nutrição

Uso de xilanase exógena e o papel da digestibilidade e fermentação de fibras em suínos

Concentração de energia na dieta é um determinante significativo do desempenho do crescimento do suíno, além disso trata-se do constituinte mais caro da dieta

Publicado em

em

Divulgação/Embrapa

Artigo escrito por Alexandre Barbosa de Brito, médico veterinário, PhD em Nutrição Animal e gerente técnico América Latina da AB Vista

O milho continua sendo a principal fonte de carboidratos nas dietas de suínos em muitas partes do mundo, e não é diferente nos diversos países das américas. Este cereal possui uma elevada densidade energética em comparação com outros grãos e é relativamente uniforme na composição dos nutrientes. Mesmo assim, algumas variações importantes podem ocorrer, como o caso da Energia Digestiva (ED) para suínos que é estimado em mais do que 110 kcal/kg, ou cerca de 3% da média. A energia fornecida pelo milho vem principalmente do amido, com contribuições menores de proteínas e gorduras. A porção de energia proveniente de polissacarídeos não amiláceos (PNA) é realmente mínima.

Apesar do pequeno rendimento energético destes PNA, a concentração de xilose, um monossacarídeo que representa cerca de 3% do grão, pode explicar cerca de 70% da variação no conteúdo de energia entre diversos coprodutos de milho.

Autores realizaram uma investigação para determinar um componente da fibra dietética (FD) que melhor se ajustasse para estimar o efeito de sua concentração na digestibilidade da energia e de aminoácidos em suínos. Para isso utilizaram 9 coprodutos de milho: farelo de milho com diferentes níveis de PNA. Os autores avaliaram um total de 20 suínos em crescimento (peso vivo inicial: 25,9 ±2,5 kg) com cânula ileal distal e distribuído em 10 grupos quanto ao tratamento dietético. Os tratamentos incluíram uma dieta à base de milho e farelo de soja e 9 dietas obtidas pela mistura de 70% da dieta basal com 30% do ingrediente em teste (farelo de milho com diferentes níveis de PNA). Nos ingredientes foram determinados 11 componentes da FD, sendo: FDA, FDN, fibra alimentar total, hemicelulose, PNA total, arabinose, xilose, manose, Glicose com ligação b1-4, galactose e arabinoxilano.

Resultados

Como conclusão desta investigação, os únicos componentes da FD que melhor se ajustaram para as características de digestibilidade avaliadas se trataram da composição de xilose e de arabinoxilanos. A concentração de arabinoxilanos melhor explicou a variação na digestibilidade ileal aparente (AID) da energia bruta (R2 = 0,65; cúbico, P <0,01) e matéria seca (R2 = 0,67; cúbico, P <0,01). O resíduo xilose melhor explicou a variância na digestibilidade aparente total do trato intestinal (ATTD) para energia bruta (R2 = 0,80; cúbico, P <0,01), matéria seca (R2 = 0,78; cúbico, P <0,01), AID de Met (R2 = 0,40; cúbico, P = 0,02), energia digestível (R2 = 0,66; linear, P = 0,02) e energia metabolizável (R2 = 0,71; cúbico, P = 0,01).

De uma forma geral, o conteúdo de arabinoxilano e xilose incrementaram a fermentação no intestino grosso (onde se situam as câmaras de fermentação do intestino dos suínos), proporcionando grande produção de ácidos graxo voláteis, o que representa uma fonte de energia direta para o animal, reduzindo assim as variações de conteúdo energético entre as amostras. Desta forma a utilização destes produtos nas câmaras de fermentação dos suínos pode gerar uma resposta mais homogênea ao padrão energético entre diferentes tipos de milho utilizados.

Outra publicação recente, realizado por uma equipe de pesquisadores da universidade de Iowa/EUA, aborda este tema de forma mais abrangente. Eles realizaram um experimento com o objetivo de avaliar as diferenças de digestibilidade e fermentação entre amostras de milho de alta e baixa energia e sua resposta à suplementação de uma xilanase exógena. Para isso, quatro amostras de milho, sendo duas com maior teor de ED (HE-1 e HE-2; 3740 e 3750 kcal ED/kg MS, respectivamente) e duas com menor teor de ED (LE-1 e LE-2; 3630 e 3560 Kcal ED/kg MS, respectivamente) foram selecionados com base em um teste de digestibilidade anterior.

Dezesseis suínos (PIC 359 × C29; de peso inicial = 34,8 ± 0,23 kg) submetidos a cirurgia com cânula ileal distal foram alojados individualmente e distribuídos aleatoriamente seguindo os tratamentos organizados em esquema fatorial 4 × 2, sendo 4 tipos de milho (HE-1, HE-2, LE-1 e LE-2) e com e sem suplementação de xilanase exógena. As dietas foram formuladas usando uma das 4 amostras de milho, caseína, vitaminas, minerais e óxido crômico a 0,4% como marcador intestinal. Dietas, amostras ileais e fecais foram analisadas quanto ao conteúdo de matéria seca, energia bruta, fibra alimentar total, para determinar a digestibilidade aparente total do trato (ATTD), nível de fermentação intestinal, além dos coeficientes de digestibilidade ileal aparente (AID) de alguns nutrientes.

Resultados 2

Como resultados, não foram observadas interações entre a dieta x enzima para nenhuma das variáveis medidas (P>0,10). As dietas HE-1 e HE-2 apresentaram maior ATTD de energia bruta, e a dieta HE-2 apresentou maior ATTD de matéria seca (P<0,001 e P = 0,007, respectivamente). A xilanase, independente da dieta, melhorou a ATTD de energia bruta e matéria seca (Figura 01).

Figura 01. Comparação da digestibilidade ileal aparente (AID) e digestibilidade aparente total do trato (ATTD) e fermentação do intestino grosso (HF) em 2 amostras de milho com maior energia (HE) e 2 com menor energia (LE) com e sem xilanase exógena.

Estes resultados demonstram que as diferenças energéticas entre essas amostras de milho parecem ser motivadas pela fermentabilidade no intestino posterior (Figura 01) devido ao fato dos resultados serem positivos em base de ATTD e não de AID. Além disso, a suplementação com xilanase exógena melhorou a digestibilidade, independentemente do conteúdo energético do milho presente na dieta.

A concentração de energia na dieta é um determinante significativo do desempenho do crescimento do suíno, além disso trata-se do constituinte mais caro da dieta. Mesmo uma pequena variação na concentração ou de sua composição no milho pode ser problemática para a performance dos animais, e o uso de tecnologias que acelerem a fermentação no ceco de suínos podem mitigar essa variação, o que possui grande valor na indústria de carne suína.

Outras notícias você encontra na edição de Suínos e Peixes de fevereiro/março de 2021 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Suínos / Peixes Suinocultura

A origem do conceito saúde única e os antimicrobianos

No entanto, hoje essa complacência nos está custando muito caro, pois a geração de novas moléculas está cessando

Publicado em

em

Jairo Backes/Embrapa

 Artigo escrito por Eduardo Miotto Ternus, Msc. e consultor técnico Vetanco Brasil

O Brasil segue a linha de muitos países que já tomaram medidas para reduzir o uso de antibióticos em animais destinados a produção de alimentos, como é o caso da União Europeia (EU), que já em janeiro de 2006 proibiu o uso de antibióticos promotores de crescimento. A suinocultura nacional está em sintonia com as políticas internacionais sendo que estas restrições se enquadram em uma tendência global e, ao fazê-lo, a suinocultura brasileira fica alinhada com as políticas apoiadas pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) e Organização Mundial de Saúde (OMS). Na outra ponta da cadeia estão os consumidores, os quais vem aumentando a demanda por proteínas animais produzidas sem ou com uso restrito de antibióticos, e é devido isso que grandes players mundiais no setor de alimentação estão adotando a política de “ausência de antibióticos” para seus suprimentos de carne em suas redes de supermercados e/ou fast food.

A Resistência aos Antimicrobianos

Os antimicrobianos têm sido utilizados na produção animal para tratamento, prevenção de doenças e como promotor do crescimento por mais de 50 anos e o impacto disso sobre o tratamento de doenças em humanos está sendo amplamente debatido. Segundo OMS, se seguirmos utilizando os ATB’s da maneira que estamos fazendo e não tomarmos nenhuma medida em relação ao tema estima-se que até 2050 praticamente todos os antimicrobianos serão ineficazes na prevenção e tratamento de doenças humanas.

A resistência aos antimicrobianos não é um fenômeno novo. Inicialmente foi reconhecido como uma curiosidade científica e, em seguida, como uma ameaça à eficácia dos tratamentos. No entanto, com o desenvolvimento de novas famílias antimicrobianas nas décadas de 1950 e 1960 e as modificações dessas moléculas nas décadas de 1970 e 1980 criaram uma falsa sensação de segurança e a crença de que sempre poderíamos nos antecipar aos patógenos. No entanto, hoje essa complacência nos está custando muito caro, pois a geração de novas moléculas está cessando.

Uma das  principais causas do aparecimento de resistência é o próprio uso dos antimicrobianos, pois a pressão seletiva surge da combinação de três fatores, a saber do uso excessivo, que se observa em muitas partes do mundo especialmente nos casos de infecções sem importância, do uso incorreto, por falta de acesso a diagnóstico apropriado e do uso em subdosagens. Uma metanálise publicada em 2017 na revista The Lancet Planetary Health mostrou que as intervenções restringindo o uso de antibióticos em animais de produção reduziram as bactérias resistentes a antibióticos em até 39%. De fato, qualquer uso inadequado de antimicrobianos (uso desnecessário, uso contra microrganismos não suscetíveis, subdosagem, etc.) aumenta o risco de desenvolvimento de resistência.

One World, One Health

O novo conceito, “Um mundo, uma saúde”, surgiu recentemente, demonstrando a preocupação da correlação entre doenças dos animais e humanos, logo um problema de saúde pública. Em maio de 2015, a 68ª Assembleia Mundial de Saúde reconheceu a importância do problema de saúde pública da resistência antimicrobiana e adotou um Plano de Ação Global que propõe intervenções para controlar tal resistência e, em particular, reduzir o uso desnecessário de antimicrobianos em humanos e animais. Estas novas recomendações da OMS visam preservar a eficácia dos antibióticos importantes para a medicina humana, reduzindo seu uso desnecessário. A saber:

– Redução geral no uso de todas as classes de antimicrobianos de importância médica em animais destinados de produção.

– Restrição completa ao uso de todas as classes de antimicrobianos de importância na medicina humana para uso como promotor de crescimento em animais de produção.

– Restrição completa ao uso de todas as classes de antimicrobianos de importância na medicina humana para uso como tratamentos preventivos (sem diagnóstico clínico) em animais de produção, podendo somente serem utilizados os antimicrobianos em animais saudáveis para prevenir uma doença se ela tiver sido diagnosticada em outros animais na mesma granja/instalação.

– Recomenda-se que os antimicrobianos considerados críticos à medicina humana não sejam utilizados para controle da disseminação de doenças clinicamente diagnosticadas em grupos de animais de produção.

Segundo a OMS, tais medidas se fazem necessárias, porque o uso excessivo e indevido de antibióticos em animais e em seres humanos está contribuindo para uma crescente ameaça de resistência aos antibióticos, o que faz com que muitos tratamentos existentes deixem de ser eficazes.

Segundo a OIE, todos temos um papel importante a desempenhar para preservar a eficácia dos antimicrobianos os quais são essenciais para a saúde e o bem-estar dos animais e humanos. A Organização Mundial de Saúde Animal (OMS) lançou uma campanha mundial de conscientização do uso racional de antibióticos para tratamento de infecções em animais. A campanha Only Five (Somente cinco) aborda as regras para o uso de antimicrobianos e é voltada tanto para médicos veterinários e sociedade, regras estas que resumem que foi abordado anteriormente.

Outras notícias você encontra na edição de Suínos e Peixes de fevereiro/março de 2021 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Dia Estadual do Porco – ACSURS

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.