Conectado com
OP INSTAGRAM

Empresas Bovinos

Protocolo sanitário antes da entrada no confinamento é fundamental para sucesso da intensificação

Manejo sanitário deve ter início de 21 a 30 dias antes de os animais entrarem no confinamento

Publicado em

em

O manejo sanitário deve ter início de 21 a 30 dias antes da entrada dos animais no confinamento - Fotos: Divulgação Biogénesis

Confinar animais para terminação é uma ferramenta imprescindível em qualquer projeto de intensificação pecuária. O que antes era uma simples estratégia de entressafra para explorar o “repique” do valor pago pela arroba se tornou um caminho para a evolução na pecuária para otimizar o modelo de produção. Estima-se que atualmente o sistema de confinamento representa cerca de 18% do volume de animais abatidos no Brasil.

Além do acompanhamento do peso dos animais, outras ações são importantes nos momentos próximos ao início do confinamento para prevenir problemas e garantir o máximo desempenho nas operações e na produtividade animal. Isso porque a intensificação traz riscos sanitários, que se não forem tratados de maneira estratégica podem comprometer os ganhos.

“Dentre os principais desafios dos animais de terminação estão os metabólicos, sanitários e de manejo, que podem influenciar na mortalidade e morbidade do rebanho. As principais causas de mortalidade no confinamento são pneumonia, clostridioses, fraturas, acidentes e as enterotoxemias”, explica o médico-veterinário e Coordenador de Serviços Técnicos a Biogénesis Bagó, João Paulo Lollato.

“As doenças respiratórias dos bovinos (DRB) ganham destaque nos desafios do confinamento porque decorrem dos desequilíbrios entre as defesas naturais dos animais e os fatores ambientais externos e estresse. As DRBs têm causas multifatoriais, como estresse, deficiência nutricional ou mudanças na dieta, exposição a agentes infecciosos, agrupamento de animais de diferentes origens e o transporte. Elas afetam índices produtivos e sanitários dos confinamentos, impactando diretamente na lucratividade do sistema”, ressalta Lollato.

Outra doença que representa um desafio nos animais de terminação é a clostridiose, que pode ser causada por mudança alimentar, manejos de curral ou concentração de animais.

Dessa forma, de 21 a 30 dias antes do início do confinamento os animais devem receber a primeira vacinação contra as principais doenças respiratórias e clostridioses. Além da vacinação, uma estratégia diferenciada que vem sendo aplicada em confinamentos de referência no Brasil é o uso de suplementação injetável contendo vitaminas (A e E) e micro minerais (Cobre, Zinco, Manganês e Selênio) para combater o estresse oxidativo.

“Os estudos sobre bem-estar animal revelam que o bovino gosta de rotina, de forma que qualquer mudança se torna um fator que catalisa a oxidação celular devido ao mecanismo de estresse. Alteração ambiental, nutricional, dominância, variação climática, transporte e poeira são situações muito presentes na rotina do dia a dia de um sistema de confinamento. Por isso, a suplementação injetável diminui os prejuízos do manejo e potencializam o metabolismo do animal para o período de confinamento”, pontua o médico-veterinário.

 

Manejo no dia do confinamento e rondas sanitárias

No dia em que os animais entram no confinamento eles devem passar pelo curral de manejo para receber a segunda dose da vacinação contra as principais doenças respiratórias e clostridiais. Nesse manejo recomenda-se uma dose de anti-helmíntico de amplo espectro à base de levamisol concentrado e mais uma dose da suplementação mineral e vitamínica injetável.

Entrada no confinamento requer protocolo sanitário

Um aspecto de vital importância no confinamento são as chamadas rondas sanitárias, procedimentos padronizados de vistoria e avaliação dos animais nos lotes que visam detectar os principais problemas nos estágios iniciais.

“A frequência das vistorias depende do desafio momentâneo na operação: nos primeiros 20 dias de confinamento, quando a chance de ocorrência de problemas é grande, devem ser realizadas pelo menos duas vistorias por dia, uma de manhã e outra à tarde. Já entre o 21º e 40º dia, quando a chance de ocorrência é média, pode ser feita uma vistoria diária preferencialmente pela manhã. Se caso for detectado algum surto em algum momento deve-se adotar a prática inicial de duas vistorias por dia. A partir do 41º dia basta uma vistoria a cada dois de manhã”, orienta Lollato.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

15 − treze =

Empresas Avicultura

Especialista da Boehringer Ingelheim Saúde Animal explica como prevenir a devastadora doença de Newcastle em aves

Por ser uma doença com alta taxa de transmissibilidade, produtores devem seguir o controle oficial estabelecido pelo MAPA. Vacinação é a medida mais eficaz para conter a doença e proteger a cadeia avícola de riscos sanitários e econômicos

Publicado em

em

Arquivo / OP Rural

A doença de Newcastle, uma das mais letais na avicultura devido à sua alta taxa de transmissibilidade, acarreta elevadas perdas econômicas à cadeia avícola e ao país atingido, caso o surto não seja controlado. O vírus da família Paramyxoviridae, causador da enfermidade, traz problemas respiratórios, nervosos e digestivos para as aves e pode ser transmitido pela respiração, fezes, ovos ou restos mortais do animal infectado. As aves infectadas apresentam espirros e respiração ofegante, falta de apetite, paralisia completa, diarreia aquosa, desorientação (andar em círculos e de costas), entre outros sintomas.

Apesar de ser livre da doença de Newcastle desde 2006, o Brasil detém um controle oficial estabelecido pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) para estabelecimentos avícolas de reprodução e postura comercial e, caso algum surto ocorra, a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) deve ser notificada. De acordo com o gerente técnico de Avicultura da Boehringer Ingelheim, Tobias Filho, para evitar que ocorram surtos da doença nas granjas, o produtor deve seguir os protocolos de biosseguridade adequados e realizar a prevenção da doença por meio de vacinação: “Para garantir a segurança e evitar quaisquer tipos de surtos na propriedade, o produtor deve seguir os protocolos estabelecidos pelas autoridades locais e, no caso de exportação, os protocolos sanitários que regem os acordos comerciais. Qualquer tipo de negligência neste sentido pode acarretar perdas econômicas imensuráveis ao produtor e ao comércio do país”, explica. “Em caso de surto em uma propriedade com animais suscetíveis à doença, a incidência de mortes pode chegar a 100% das aves infectadas antes mesmo de apresentarem sinais clínicos evidentes, acarretando perda total de plantel do produtor”, conclui.

A vacinação, portanto, é fundamental para garantir o bem-estar dos animais, sustentar a produção e proteger a propriedade de perdas financeiras. Além disso, ela garante que a carne de frango e os ovos comercializados estejam dentro dos padrões estabelecidos pelas instituições competentes, chegando à mesa dos consumidores de forma segura e saudável, de acordo com os preceitos de “saúde única”, que corresponde os animais e humanos.

Vacina para doença de Newcastle

A Boehringer Ingelheim Saúde Animal lançou recentemente a vacina Newxxitek® HVT + ND, para proteção de aves contra as doenças de Newcastle e Marek. É a única vacina do mercado com o mesmo vetor da Vaxxitek® HVT+IBD – que protege contra Marek e Gumboro e já vacinou mais de 100 bilhões de aves no mundo –, expressando o gene da proteína F de um vírus velogênico do genótipo IV, o que traz maior segurança aos desafios de vírus de campo. Além disso, a solução combina a conveniência da administração única em incubatório (in ovo ou subcutânea) com a proteção de início rápido e de longo prazo contra Marek e Newcastle com a replicação do vetor HVT.

“A Newxxitek® HVT + ND se soma ao restante do portfólio da empresa de soluções para a avicultura, deixando-o mais completo e com flexibilidade de escolha, atendendo às necessidades da cadeia de produção”, afirma Filipe Fernando, gerente de marketing da área de Aves e Suínos da empresa. “Com esta solução, oferecemos uma cobertura vacinal robusta e variada para as principais enfermidades que acometem as aves, auxiliando no processo de produção e melhorando ainda mais os resultados”.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas Tecnologia

Novo recurso de áudio oferece praticidade dentro do agBlog

Agroceres Multimix realiza parceria com startup e oferece uma nova experiência aos seus usuários

Publicado em

em

Divulgação.

Relevante, atualizado e prático. O blog da Agroceres Multimix assume seu papel de fornecedor de conteúdo técnico de qualidade para o setor de produção de proteína animal e, agora, disponibiliza mais um recurso para seus usuários. Dentro do agBlog será possível consumir cerca de 500 publicações através de áudio, uma tecnologia que promove a inclusão e autonomia.

Ao acessar qualquer texto disponível no agBlog, os usuários encontrarão uma caixa contendo um “play”, logo abaixo da imagem de capa que ilustra o artigo. Com apenas um clique, o software de inteligência artificial fará com que uma voz humana narre o texto na íntegra.

“Mesmo depois de atingirmos um grande nível de maturidade, achamos que o agBlog poderia oferecer ainda mais opções aos usuários, por isso, realizamos uma parceria com a startup Audima e disponibilizamos mais esse recurso a todos que buscam informações técnicas de qualidade sobre o agronegócio. Nosso objetivo sempre foi oferecer uma experiência excepcional aos nossos leitores, portanto não medimos esforços para aprimorar cada vez mais nossas plataformas digitais”, explica Eric Wood, coordenador de marketing da Agroceres Multimix.

A Agroceres Multimix é pioneira entre as empresas de nutrição animal ao oferecer essa funcionalidade. Praticidade para quem não tem tempo de se dedicar à leitura e uma ótima opção para aqueles que estão sempre viajando ou praticando outras atividades. Sem contar, é claro, que a nova função torna mais inclusivo e democrático o consumo de conteúdo técnico de qualidade.

Para curtir essa experiência, confira abaixo alguns textos do agBlog com o novo recurso de áudio:

BOVINOS DE CORTE

BOVINOS DE LEITE

AVES DE CORTE

AVES DE POSTURA

SUÍNOS

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas Reconhecimento.

Cobb recebe certificação de bem-estar animal pela PAACO

Empresa valida medidas de bem-estar no mês Abril Laranja, destacado para conscientizar e prevenir maus-tratos aos animais

Publicado em

em

Marcio Gereti / Divulgação

A Cobb-Vantress recebeu certificação de Bem-estar Animal em algumas de suas unidades do Brasil pela WQS, vinculada com a PAACO (Organização de Certificação de Auditores Profissionais de Saúde Animal, da sigla em inglês). “Essa validação assegura que estamos cumprindo todos os critérios do nosso programa de BEA, isso aos olhos de uma pessoa externa, ou empresa, é muito positivo, pois é uma certificação internacional”, destacou o biólogo e gerente de Laboratório e Bem-Estar Animal da Cobb-Vantress na América do Sul, Marcio Gereti.

Disponibilidade de alimento aos animais, checagem do conforto das aves, treinamentos dos colaboradores sobre bem-estar animal, relatórios de parâmetros técnicos e responsáveis pela aderência do programa nas unidades foram alguns dos critérios avaliados durante a certificação, explicou a bióloga e analista de Bem-Estar Animal e Controle Entomológico da Cobb-Vantress na América do Sul, Gracieli Araújo.

Ela salienta que a Cobb tem esta certificação anual no país e que todas as unidades estão 100% dentro do programa. “Assim como da última vez, tivemos agora 100% de aproveitamento, pois atendemos a todos os requisitos pedidos durante a auditoria”, afirmou.

Gereti defende que o bem-estar animal está diretamente atrelado ao processo produtivo. “Muitos dos indicadores que prezamos na produção animal podem ser melhorados e medidos através de melhorias no bem-estar dessas aves. Com isso, então, estamos cuidando de duas áreas ao mesmo tempo: o Bem-Estar Animal e a Produção. Uma não vive sem a outra, pois todos os recursos empregados na produção acabam impactando o bem-estar animal, e vice-versa”.

Ele ressalta a cultura do bem-estar animal. “Está enraizada em nossos colaboradores. Eles sabem muito bem do que se trata e o que fazer para nos mantermos com excelência nesse assunto. E, para o cliente, é uma garantia de que ele está comprando produtos de uma empresa que está cumprindo com o que há de mais exigente e atual no que se refere ao bem-estar animal”.

Gracieli reforça a importância do apoio da alta direção da empresa na implementação destas normas. “Demanda muito treinamento e mudança de cultura. Então, se eu pudesse pontuar os desafios desta conquista, diria que fora os investimos de tempo das pessoas e também a criação de um hábito de olhar para nossas aves pensando especificamente no Bem-Estar”.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Boehringer webinar

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.