Conectado com
VOZ DO COOP

Sem categoria Em Santa Catarina

Programa da Academia Fiesc de Negócios busca reinventar o setor de alimentos e bebidas

Curso oferece aprofundamento teórico com conteúdo de alto nível ministrado por especialistas de mercado, prática com apoio de ferramentas internacionais de alto valor agregado, acompanhamento e mentorias.

Publicado em

em

Fotos: Divulgação

Uma etapa do programa Master in Business Reinvention (MBR) Priori Alimentos e Bebidas, da Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc), realizado por meio da Academia Fiesc de Negócios, aconteceu em Chapecó (SC), no dia 20 de outubro.

O programa oferece aprofundamento teórico com conteúdo de alto nível ministrado por especialistas de mercado, prática com apoio de ferramentas internacionais de alto valor agregado, acompanhamento e mentorias. Além disso, proporciona networking e estimula a formação de alianças setoriais.

O business leader da Academia Fiesc de Negócios Leonardo Costa destacou que o fundamento do programa é acompanhar a meta de dobrar o PIB industrial de Santa Catarina até 2030 e esse desafio da Academia Fiesc de Negócios entrou com uma linha de soluções, uma delas Master Business Reinvention. O MBR já foi realizado com o setor da moda, eletrometalmecânico e agora contemplará o setor de alimentos.

“Fomos buscar lá no Vale do Silício uma metodologia de planejamento no processo de inovação para estimular a criatividade. As metodologias abordadas entusiasmam o pensar no futuro da empresa. O dia do MBR será para hands-on ou a “mão na massa”, a metodologia de planejamento para imaginar nova possiblidades, desenhar novas estratégias e acelerar a criação de valor das companhias. A reinvenção das empresas com foco em novos vetores de valor para adaptar-se e sobreviver ao mercado, maior valuation para crescer e prosperar e relevância no futuro para perpetuar-se e gerar impacto.

Além das empresas dos setores o programa recebe companhia da cadeia industrial. “Hoje recebemos a Aurora, entre várias outras organizações, temos a Videplast, produtora de embalagens.” Ainda lembrou Costa dos institutos de inovação e tecnologia do sistema indústria que prestam serviço e desenvolvem soluções para as empresas.

A gerente corporativa de recursos humanos da Videplast indústria de embalagens Mariângela Pizzatto salientou que a empresa completará 37 anos na próxima semana, considerando uma jovem perto de outras empresas que estão no programa, mas que o processo de melhorias, reinvenção, a busca por inovações está no DNA. “Quando nós recebemos o convite da Academia de Negócios para compor esse grupo, que ao nosso ver é um grupo de elite, ficamos honrados com o convite. Já podemos perceber algumas mudanças no olhar com uma expectativa ótima e dispostos a desenvolver o que nos for proposto”.

A turma também realizou uma atividade extracurricular de visitas aos laboratórios e acompanhamento de projetos do Instituto Senai de Tecnologia de Chapecó, durante semana, com o acompanhamento da business leader da Academia Fiesc de Negócios Martina Kostolowicz.

Fonte: Assessoria Fiesc
Continue Lendo

Empresas

Equipe da Agroceres PIC tem 10 trabalhos científicos selecionados para apresentação no IPVS 2024

Ao todo são 23 trabalhos selecionados nas últimas edições do Congresso, marca que evidencia o protagonismo da Agroceres PIC na produção científica na suinocultura.

Publicado em

em

Foto: Divulgação

Esta é a sexta edição consecutiva que a equipe da Agroceres PIC tem trabalhos selecionados pelo Comitê Científico do IPVS. Ao todo são 23 trabalhos selecionados nas últimas edições do Congresso, marca que evidencia o protagonismo da Agroceres PIC na produção científica na suinocultura.

As equipes de Serviços Técnicos, Boas Práticas e Bem-estar Animal e Serviços Veterinários da Agroceres PIC tiveram 10 trabalhos científicos selecionados para apresentação oral e em pôsteres no International Pig Veterinary Society Congress 2024 (IPVS). Um dos mais tradicionais e importantes eventos da suinocultura mundial, o IPVS é célebre por reunir a elite da comunidade científica suinícola internacional para debates acerca dos principais desafios produtivos e sanitários do setor.

Nos seus 55 anos de realização, o Congresso IPVS foi responsável por apresentar inúmeros avanços e soluções tecnológicas que melhoraram a produção comercial de suínos, tornando-a mais produtiva, robusta, econômica e sustentável.

Esta é a sexta edição consecutiva que a equipe da Agroceres PIC tem trabalhos selecionados pelo Comitê Científico do IPVS. Ao todo são 23 estudos selecionados nas últimas edições do Congresso, marca que reafirma a relevância da produção científica da equipe da Agroceres PIC.

Descobertas científicas

Dos estudos científicos selecionados para esta edição do evento, um é da área de Produção, dois da de Sanidade, três da de Reprodução e quatro da área de Bem-estar animal.

“O Congresso IPVS tem um papel muito importante para o desenvolvimento técnico-científico do setor suinícola. Ter 10 trabalhos selecionados é uma distinção muito importante para nós e demonstra o valor científico dos estudos realizados por nossa equipe”, comenta Amanda Pimenta Siqueira, gerente de Serviços Técnicos da Agroceres PIC. “Esse reconhecimento reafirma nosso compromisso contínuo com a pesquisa de ponta e com o desenvolvimento de soluções que contribuam para o avanço da produção de suínos”, completa.

Neste ano, o IPVS acontece em Leipzig, na Alemanha, entre os dias 04 e 07 de junho.

 

Fonte: Assessoria Agroceres Pic
Continue Lendo

Avicultura Avicultura

Estudo encontra 100% de resistência bacteriana para formaldeído e 50% para amônia quaternária

Em uma ampla avaliação realizada com amostras de campo, foi evidenciado a alta prevalência de APEC resistentes aos antimicrobianos e aos desinfetantes

Publicado em

em

Arquivo / OP Rural - shutterstock

Artigo escrito por Gleidson Salles, Médico-veterinário, gerente de produto da Zoetis, e Giulia Pilati, pesquisadora pós-graduanda da Universidade Federal de Santa Cararina*

A colibacilose aviária, uma doença naturalmente oportunista com manifestação local ou sistêmica, é causada pela Escherichia coli patogênica aviária (APEC). A doença está distribuída em todo o mundo e tem um grande impacto econômico, especialmente na indústria de frangos de corte, devido à mortalidade, morbidade, falta de uniformidade no rebanho, redução da produção e aumento da condenação no abate.

O agente é responsável por causar diversas condições clínicas em aves, como aerossaculite, celulite, coligranuloma, colisepticemia, pericardite, peritonite, pleuropneumonia, pneumonia, onfalite, salpingite, síndrome da cabeça inchada (LM), panoftalmia, osteomielite e sinovite.

Os antimicrobianos mais comumente usados no tratamento da colibacilose aviária são β-lactâmicos (penicilinas, cefalosporinas), fluorquinolonas, lincosamidas, macrolídeos, quinolonas, sulfonamidas e tetraciclinas. Atualmente, muitos dos antimicrobianos utilizados na produção avícola também são utilizados na medicina humana. Isto levantou preocupações sobre a potencial transferência de genes de resistência a antibióticos entre animais e humanos.

Além de serem utilizados no tratamento e profilaxia de infecções humanas e animais, os antibióticos são amplamente utilizados como agentes metafiláticos e promotores de crescimento na produção animal. Tais práticas, no entanto, aumentam a pressão seletiva e podem favorecer o desenvolvimento de resistência antimicrobiana.

O desenvolvimento da resistência antimicrobiana é um processo complexo. A resistência pode ser classificada como inerente ou adquirida. A resistência inerente é a capacidade natural de algumas bactérias de resistir a certos antibióticos devido a propriedades intrínsecas, como a estrutura da parede celular ou vias metabólicas. A resistência adquirida, por outro lado, é o resultado de alterações genéticas nas bactérias, como mutações ou transferência de genes de resistência de outras bactérias.

Nesse contexto, realizamos um estudo que avaliou 100 lotes de carcaças de frango ( Gallus gallus domesticus ), coletados no Brasil, com o objetivo de investigar o genoma completo de isolados de Escherichia coli patogênica aviária (APEC) de fêmures de frangos de corte brasileiros ( Gallus gallus domesticus ), a fim de investigar a presença de genes de resistência antimicrobiana associados a bacteriófagos.

Um total de 63 isolados característicos de Escherichia coli foram obtidos de fêmures. Todos os isolados foram confirmados como Escherichia coli por meio de sequenciamento. Dos 63 isolados, 58 (92%) tinham entre 3 e 5 dos genes considerados preditores mínimos e poderiam ser caracterizados como Escherichia coli patogênica aviária (APEC). Destes, 40 (63,4%) apresentaram os cinco genes, outros 14 (22,2%) apresentaram quatro genes. Quatro deles (6,3%) apresentaram três genes e outros quatro, (6,3%) apresentaram entre um gene e dois genes.

Na figura 1 é possível avaliar os perfis de resistência de diferentes classes de antimicrobianos e desinfetantes frente as APEC’s encontradas no estudo. A presença ou ausência de genes de resistência a antibióticos e desinfetantes foi avaliada em isolados de E. coli submetidos para sequenciamento. Cada linha no conjunto de dados corresponde a uma amostra única, enquanto as colunas representam os genes de resistência identificados e os antibióticos ou classes de antibióticos correspondentes.

Neste estudo, genes de resistência previstos contra β-lactâmicos foram encontrados em 63,49% dos isolados contendo um ou mais genes. 49,2% dos isolados abrigavam pelo menos um gene de resistência à tetraciclina. Um dos aminoglicosídeos mais comumente utilizados na medicina veterinária é a gentamicina. No presente estudo, 78,1% dos isolados APEC abrigavam um ou mais genes de resistência aos aminoglicosídeos. 74,6% dos isolados continham genes de resistência previstos contra sulfonamidas.

Além das classes dos antimicrobianos, foram avaliados alguns desinfetantes comumente utilizados na avicultura, como é o caso do formaldeído e amônia quaternária, onde 100% das amostras com presença de APEC’s apresentaram resistência para formol e 50% para amônia quaternária, evidenciando a capacidade das APEC’s resistirem ao uso desses produtos.

Esses resultados evidenciam uma alarmante situação quando olhamos para os perfis de resistência antimicrobiana e aos desinfetantes. Novas abordagens se fazem necessárias para prevenção de colibacilose aviária.

O estudo na integra pode ser solicitado ao autor: gleidson.sales@zoetis.com

Fonte: Assessorio com autores
Continue Lendo

Empresas Em Cascavel (PR)

Nutrição inteligente das aves de corte, com atenção à saúde intestinal, é assunto do Conexão Novus

Evento promovido pela empresa em Cascavel (PR), que recebeu gestores e técnicos de empresas avícolas da região.

Publicado em

em

Foto e texto: Assessoria

“O futuro da cadeia de proteína animal somente será bem-sucedido se tiver a nutrição inteligente como pilar. A Novus quer fazer parte dessa transformação e, por isso, disseminamos conhecimento técnico sobre esse tema para quem está no campo”, detalhou Alessandro Lima, diretor comercial Latam da Novus, no Conexão Novus, evento promovido pela empresa em Cascavel (PR), que recebeu gestores e técnicos de empresas avícolas da região.

Nutrição inteligente está muito conectada com saúde intestinal e o sistema ósseo. Para explicar o tema, a Novus convidou a Dra. Jovanir Inês Müller Fernandes, professora da Universidade Federal do Paraná. “Os desafios nutricionais e sanitários têm causas multifatoriais. Por exemplo, a cama úmida e mal higienizada pode ser responsável pela proliferação de bactérias que impactam a saúde intestinal. A consequência é que a nutrição animal fica comprometida, pois o ambiente interfere na absorção de importantes nutrientes, como o cálcio. Dessa forma, a mineralização óssea é afetada levando a problemas, como artrite”, explicou a Dra. Jovanir.

Ela destacou que o desdobramento de problemas locomotores resulta em frangos de corte com menor rendimento da carcaça. “Uma ave com a saúde óssea comprometida sente dor ao andar, dificultando inclusive a frequência de idas ao comedouro e ao bebedouro. Logo, ela permanecerá deitada por mais tempo, o que pode causar lesões de pele e dermatites, as quais resultam em condenação da carcaça no abatedouro. Fazer a correta limpeza do ambiente e proporcionar bem-estar são pilares importantes para que os lotes alcancem todo o seu potencial produtivo. E estamos falando também em rentabilidade”, detalhou a especialista.

O Dr. Edgar O. Oviedo-Rondón, professor da Universidade da Carolina do Norte (EUA), também falou sobre a importância da nutrição de matrizes para o desempenho dos lotes. “Estamos vendo a campo e também acompanhando na literatura que os minerais orgânicos ajudam a reverter os efeitos negativos, diminuindo o estresse oxidativo. É importante que os avicultores saibam que a qualidade da carcaça que está produzindo hoje é resultado da matriz que recebeu o correto manejo nutricional. Na produção avícola, o planejamento com antecedência é decisivo para bons e contínuos resultados”, completou.

Além de motivar o debate em torno do conhecimento técnico, a Novus desenvolve soluções acessíveis e de alta tecnologia para atender às necessidades dos avicultores. É o caso do Programa Scale Up, em que a equipe técnica orienta e acompanha o produtor com foco em melhorar a oferta de carne e a qualidade da carcaça a partir da nutrição inteligente e orientada de forma sustentável.

“A contribuição entre pesquisadores, empresas, cooperativas e agroindústrias é essencial para o contínuo avanço da produtividade na avicultura. Com conhecimento e a troca de diferentes experiências, conseguimos identificar os desafios e encontrar, juntos, as soluções para uma avicultura mais produtiva e que cumpre o seu papel de proporcionar alimentos de qualidade para a população. Essa é a ideia do Conexão Novus: conectar profissionais para somar forças e multiplicar conhecimento”, completou Kelen Zavarize, gerente de Serviços Técnicos para Avicultura da Novus.

Fonte: Assessoria Novus
Continue Lendo
SIAVS 2024 E

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.