Conectado com
VOZ DO COOP

Notícias Sanidade Vegetal

Produtor precisa eliminar milho tiguera para evitar cigarrinha

Planta voluntária pode servir de refúgio ao inseto, oferecendo riscos à próxima safra

Publicado em

em

Divulgação

O Sistema FAEP/SENAR-PR reforça uma prática importante a agricultores do Paraná: eliminar o milho voluntário, conhecido como tiguera ou guaxo. A erradicação dessas plantas é uma prática de manejo determinante para manter longe da lavoura a cigarrinha do milho (Dalbulus maidis), inseto que causa doenças conhecidas como enfezamentos e que vêm provocando prejuízos no Estado há três safras. O problema é tão preocupante que a Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento (Seab) criou um grupo de trabalho com instituições e empresas para erradicar a cigarrinha.

Até o final de julho, 7% da área plantada com milho safrinha foram colhidas em todo o Paraná. A técnica Ana Paula Kowalski, do Departamento Técnico e Econômico (DTE) do Sistema FAEP/SENAR-PR, explica que o agricultor deve ficar de olho em grãos e/ou espigas inteiras que ficam para trás no processo de colheita, pois eles podem brotar, dando origem ao milho tiguera ou guaxo. Há o risco de essas plantas servirem de refúgio para a cigarrinha até o próximo ciclo. Quando a nova safra for plantada, o inseto pode se alastrar pela lavoura, ocasionando prejuízos. Nos anos anteriores, algumas propriedades do Paraná tiveram perdas de até 70% por danos causados pela cigarrinha.

“Esse milho tiguera fica na lavoura, às vezes, até em meio a plantas de soja. A cigarrinha pode ir migrando de um milho para o outro e, quando chegar o plantio na próxima safra, pode contaminar a lavoura”, ressalta Ana Paula. “Precisamos conscientizar o produtor. Às vezes, ele pensa que tem que combater a cigarrinha só no plantio da safra em setembro, ou a safrinha, em janeiro. Mas uma das medidas mais importantes é a erradicação do milho tiguera durante o avanço da colheita”, acrescenta.

Por isso, o ideal é que o produtor faça o monitoramento de sua propriedade à medida que a colheita for avançando. O agricultor não pode dar chance para que o milho tiguera se mantenha, levando riscos à futura lavoura. “Tem que ser praxe: fazer esse monitoramento constante, ver se tem incidência e fazer o controle. O controle é feito com herbicida, já que o milho tiguera é considerado uma planta daninha. Tem que ser eliminado antes que se reproduza”, explica Ana Paula.

Cigarrinha

As doenças causadas pela cigarrinha são transmitidas por meio de bactérias, disseminadas quando o inseto se alimenta do milho. Os efeitos são percebidos nos chamados enfezamentos – pálido e vermelho. “Os problemas costumam ocorrer com maior intensidade nos estágios iniciais de desenvolvimento das plantas, pois a praga migra para outras lavouras nas fases de reprodução e colheita. As temperaturas acima de 25 graus também favorecem o ciclo dessa praga”, diz Ana Paula.

O inseto está presente em todas as regiões do Estado. Em novembro de 2020, a Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar) coletou 64 amostras e constatou que 40% estavam contaminadas com enfezamentos decorrentes de ações da cigarrinha do milho.

Fonte: Sistema Faep

Notícias

Clima favorece atividades de campo; comprador de milho segue retraído

Nem mesmo as recentes valorizações do dólar, que aumentam a paridade de exportação, foram suficientes para elevar os valores do cereal na última semana, ainda conforme apontam pesquisadores do Cepea.

Publicado em

em

Foto: Gilson Abreu

Favorecidas pelo clima (chuvas intercaladas de dias ensolarados), a colheita da safra verão de milho já passou da metade no Brasil e a semeadura da segunda safra 2023/24 está praticamente finalizada.

Nesse contexto, segundo pesquisadores do Cepea, compradores seguem retraídos, indicando ter estoques e na expectativa de que o bom andamento das safras possa manter as cotações em baixa no spot nacional.

Nem mesmo as recentes valorizações do dólar, que aumentam a paridade de exportação, foram suficientes para elevar os valores do cereal na última semana, ainda conforme apontam pesquisadores do Cepea.

Fonte: Assessoria Cepea
Continue Lendo

Notícias

Preços dos ovos caem com força no Brasil

Segundo pesquisadores do Cepea, as baixas já eram esperadas, devido à demanda enfraquecida típica do período pós-Quaresma.

Publicado em

em

Foto: Rodrigo Felix Leal

Os preços médios dos ovos caíram nesta parcial de abril em praticamente todas as praças acompanhadas pelo Cepea, tanto frente a março quanto em relação a abril de 2023.

Segundo pesquisadores do Cepea, as baixas já eram esperadas, devido à demanda enfraquecida típica do período pós-Quaresma.

Na parcial de abril (até o dia 18), a média da caixa de 30 dúzias do ovo tipo extra branco a retirar (FOB) na região produtora de Bastos (SP) recuou 3,7% na comparação com março e expressivos 11% em relação a abril de 2023 (em termos nominais), passando para R$ 162,50 neste mês.

Para o produto entregue (CIF) na Grande São Paulo (SP), os valores do ovo tipo extra branco caíram 3,4% e 11,5%, respectivamente, com a caixa com 30 dúzias negociada à média de R$ 170,00.

 

Fonte: Assessoria Cepea
Continue Lendo

Notícias

Valorização do dólar sustenta altas de preços da soja no Brasil

Por outro lado, as fortes quedas dos contratos futuros negociados nos Estados Unidos limitaram os aumentos domésticos.

Publicado em

em

Foto: Shutterstock

Os preços da soja seguem em alta no mercado doméstico. Segundo pesquisadores do Cepea, o impulso vem principalmente da valorização do dólar frente ao Real, que torna a oleaginosa brasileira mais atrativa a demandantes externos, além de elevar a liquidez interna.

Por outro lado, as fortes quedas dos contratos futuros negociados nos Estados Unidos limitaram os aumentos domésticos.

Em relação à colheita de soja no Brasil, pesquisas do Cepea apontam que, apesar da redução do ritmo dos trabalhos por conta das chuvas registradas no Sudeste e Centro-Oeste do País, as atividades se aproximam da reta final.

De acordo com dados da Conab, 83,2% da área cultivada com oleaginosa no País havia sido colhida até o dia 14 de abril.

 

Fonte: Assessoria Cepea
Continue Lendo
SIAVS 2024 E

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.