Conectado com

Avicultura Nutrição

Probióticos: além de produtividade, bem-estar animal

Uso de probióticos, nas dosagens adequadas e conservados da forma correta, pode sim, ter resultado positivo zootécnico, sanitário e de bem-estar

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Artigo escrito por Sergio Wobeto, médico veterinário e consultor Técnico Comercial da Kera Nutrição Animal

O mercado da produção de proteína animal, atualmente, além das naturais preocupações com produtividade, está também focado na exigência cada vez mais forte por parte dos consumidores, principalmente no que diz respeito a diminuição do uso de antimicrobianos e bem-estar animal.

Tais exigências fizeram com que produtores e pesquisadores partissem na busca de soluções para atender essa demanda do mercado. Quanto a diminuição e uso racional de antimicrobianos, surgiram várias alternativas que atendem essa necessidade, dentre as quais podemos citar os acidificantes, fitoterápicos, óleos essenciais, prebióticos, probióticos, simbióticos, entre outros, que têm se mostrado altamente eficientes na manutenção dos índices zootécnicos e controle de patógenos quando usados de modo correto e se atende as boas práticas de produção.

Quando se fala em bem-estar animal, temos que ter em mente os cinco domínios que sustentam esse conceito, o qual fala que todos os animais devem: ser livres de medo e estresse; ser livres de fome e sede; ser livres de desconforto; ser livres de dor e doenças; ter liberdade para expressar seu comportamento ambiental.

Para atender cada um desses domínios, têm surgido várias práticas que vão desde enriquecimento ambiental até o abate humanitário, claro que passando por manejo, controle de patógenos, qualidade nutricional, instalações e transporte.

A tendência de um consumo mais consciente, consolidada na Europa, está crescente no Brasil. Em 2018 surgiu o primeiro selo brasileiro dedicado exclusivamente ao bem-estar dos animais de fazenda, idealizado pelo médico veterinário Leonardo Vega, da F&S Consulting e que contou com o apoio de uma equipe vinculada ao Departamento de Produção Animal da FMVZ (Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia) da Unesp, liderada pela doutora em Zootecnia Ianê Correia de Lima Almeida. Essa iniciativa visa fortalecer os procedimentos adotados pelo produtor e valorizar sua produção, levando ao consumidor a certeza de que está adquirindo um produto gerado por um sistema que se preocupa em criar os animais dentro dos melhores parâmetros de bem-estar.

Em trabalhos recentemente publicados, foi comprovado que o uso de probióticos na alimentação, além de melhorar o desempenho zootécnico e sanitário dos animais, lhes conferiu melhores parâmetros de bem-estar.

Em estudo realizado nas instalações da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Unesp, na área de ensino, pesquisa e extensão em avicultura de corte, pesquisadores chegaram à seguinte conclusão: O uso de probiótico melhorou significativamente a absorção de água, macro e micro nutrientes, fato evidenciado pela melhor conversão alimentar e melhor fator de eficiência produtiva, e  substituiu o promotor de crescimento com maior eficácia, apresentando melhores resultados de desempenho zootécnico e de comportamento, bem como melhor rendimento e qualidade de carnes nobres.

Em outro trabalho realizado em fevereiro deste, outro estudioso concluiu que diante do delineamento estudado e os resultados obtidos, o uso de probiótico contínuo na ração foi eficaz no controle da Salmonella Gallinarum durante os primeiros dias de vida de pintainhas de postura comercial, tanto em ceco como no fígado, seja pela redução qualitativa (presença/ausência) no fígado aos 7 dias de idade e no ceco aos 21 dias de idade ou quantitativa (UFC.g-1) no ceco aos 7 dias de idade, do agente patogênico desafiado.

Aves menos estressadas

Baseados nestes resultados concluíram que utilização de probiótico na dieta de frangos de corte proporcionou aves menos estressadas, consequentemente, em melhores condições de bem-estar, o que pode reduzir perdas de qualidade do produto final, como arranhões de carcaça ou asas quebradas.

Em março de 2019 a mesma equipe concluiu que a utilização de probiótico foi eficiente para diminuir os índices de ovos sujos, ovos trincados no útero, comportamento agonístico, apresentando-se mais calmo. Para aves vermelhas criadas em sistema cage-free houve melhora significativa no peso dos ovos, com manutenção da qualidade de casca.

Esses resultados confirmam que o uso de probióticos, nas dosagens adequadas e conservados da forma correta, pode sim, ter um resultado positivo zootécnico, sanitário e de bem-estar dos animais com eles alimentados, sendo um forte aliado do sistema produtivo na busca do atendimento dos anseios dos consumidores modernos.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de agosto/setembro de 2019.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × dois =

Avicultura Cooperativismo

Vagas do Condomínio Avícola serão ampliadas com novo galpão em 2020

Cotas de participação são ofertadas na modalidade de operação inovadora, iniciada pela cooperativa em 2016

Publicado em

em

Divulgação/Coopeavi

A Coopeavi disponibilizará novas cotas para os associados participarem do Condomínio Avícola para Postura Comercial em 2020. A cooperativa dará início à construção do quarto galpão em março e a participação obedecerá aos mesmos critérios de priorização utilizados nos lotes anteriores.

As cotas de participação são ofertadas na modalidade de operação inovadora, iniciada pela cooperativa em 2016. O objetivo é viabilizar a participação de cooperados em um modelo automatizado e de grande escala de produção de ovos, de forma eficiente e otimizando o processo produtivo, e sem a necessidade de investimento direto em infraestrutura.

O produtor investidor recebe mensalmente relatórios de desempenho, com indicadores sobre a produção diária, consumo de ração, temperatura média e mortalidade. No décimo dia de cada mês, a cooperativa apura e repassa aos cooperados cotistas os custos e o saldo mensal da comercialização.

“O objetivo principal é oportunizar aos nossos sócios, principalmente aos pequenos avicultores, o acesso a um sistema automático de produção, padronizar o manejo e, por consequência, obter melhoria na qualidade do produto, impactando de forma positiva a vida de nossos cooperados”, afirma o presidente da Coopeavi, Denilson Potratz.

Cada galpão aloja 100 mil poedeiras e, com a nova estrutura, o condomínio Avícola passará a ter 400 mil aves em produção. A capacidade total da área do empreendimento, na localidade de Alto Caldeirão (Santa Teresa), é para 22 galpões, que poderão acomodar 2,2 milhões de galinhas futuramente.

O Condomínio Avícola é um modelo de negócio pioneiro no Brasil, operando um modelo produtivo em forma de serviço a seus cooperados, e surgiu a partir da ideia de um associado com objetivo de democratizar uma produção de alta escala, com tecnologia para os associados. O projeto conquistou a segunda colocação na categoria “Inovação” do 11º Prêmio Somos Coop – Melhores do Ano, realizado pela Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB).

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Avicultura Nutrição

Especialista dá dicas de como nutrição pode auxiliar produtor no manejo de aves durante o verão

Altas temperaturas podem afetar o desempenho das aves nas granjas; manejo nutricional das aves pode amenizar os efeitos adversos do estresse térmico

Publicado em

em

Divulgação/Alltech

As altas temperaturas durante o verão, sem o manejo adequado, podem acarretar em menor produtividade nas granjas, elevando as taxas de mortalidade neste período do ano. Mais do que cuidados com a climatização dos aviários, o cuidado com a nutrição das aves exige atenção especial. Assim, soluções nutricionais surgem como grandes aliadas na manutenção do bem-estar e imunidade dos animais, contribuindo para que os efeitos térmicos excessivos não alcancem níveis críticos.

O gerente de vendas para avicultura da Alltech, Flavio Mello, explica que a queda na produtividade é normal para o período, mas pode ser amenizada com uma gestão eficiente da nutrição dos animais na granja. “Aves expostas a estresse térmico apresentam baixo consumo de ração, reduzindo o aporte de nutrientes levando a perda de peso, baixa produção e piora na conversão alimentar: o que a ave consome se converte em menos quilos de carne ou menos massa de ovos do que o desejado”, detalha.

Orientações

Uma das técnicas de manejo nutricional sugeridas pelo especialista é o adensamento da ração, concentrando os nutrientes necessários, para que a diminuição do consumo não afete tanto o desempenho do animal. “Na avicultura em especial, devido ao sistema intensivo de criação e com a nutrição baseada exclusivamente na ração fornecida diariamente às aves, o estudo de seus componentes e a interação entre eles têm fundamental importância no desempenho das aves. Aumentamos o adensamento da energia metabolizável e dos nutrientes da ração, sejam aminoácidos, minerais e vitaminas. Além disso, a utilização de enzimas auxilia neste manejo nutricional, uma vez que auxilia na digestão e absorção dos alimentos fornecidos, podendo até reduzir custos na dieta.”

No que se refere à hidratação, o especialista ainda ressalta que é possível adicionar soluções à água dos bebedouros, que diminuam a perda de nutrientes e melhorem a hidratação. “As aves expostas ao calor consomem mais água e menos alimentos, com frequente perda de eletrólitos e menor eficiência produtiva”.

É possível trabalhar o equilíbrio eletrolítico do organismo da ave. O balanço dos eletrólitos pode influenciar o crescimento do animal, o apetite das aves, o desenvolvimento ósseo, o nível da resposta ao estresse térmico e o metabolismo de nutrientes, tais como, aminoácidos, minerais e vitaminas.

Uma nutrição adequada diminui os impactos observados no período do verão, aumentando a imunidade e capacidade de absorção de nutrientes do animal, como explica Mello. “Ferramentas nutricionais como a adição de probióticos e prebióticos na ração também auxiliam neste desafio. Ao trabalhar a ave para que ela tenha mais imunidade e resiliência, além de maior absorção dos nutrientes da ração, ela ficará mais forte e adaptada para quando forem submetidas ao estresse térmico, permitindo que passe por ele com menores impactos”, finaliza o especialista.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Avicultura Perspectiva

Preços das carnes devem determinar ritmo de comercialização de ovos em 2020

Expectativa para 2020 é de que os valores dos ovos se estabilizem em patamares acima dos observados no ano anterior

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Em 2020, de acordo com informações do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, as cotações dos ovos devem seguir influenciadas pelas movimentações nos valores das principais proteínas de origem animal consumidas no mercado brasileiro: as carnes bovina, suína e de frango. Vale lembrar que valorizações nessas carnes tendem a levar o consumidor a optar por proteínas mais competitivas, como é o caso do ovo. Nesse sentido, a expectativa para 2020 é de que os valores dos ovos se estabilizem em patamares acima dos observados no ano anterior.

Projeções indicam um cenário macroeconômico mais favorável para 2020, o que pode impulsionar – ou ao menos sustentar – o consumo de ovos. Além disso, a demanda externa pelas carnes bovina, suína e de frango brasileiras também deve se manter aquecida neste ano, contribuindo para a valorizações dos ovos no mercado doméstico.

A expectativa do mercado para este ano é de que o crescimento do PIB se acelere em relação a 2019. De acordo com o relatório do Boletim Focus de 30 de dezembro, o PIB brasileiro deve crescer 2,3% em 2020 – contra 1,17% em 2019. Com a economia mais aquecida, a demanda da população por produtos alimentícios deve aumentar.

Por outro lado, os preços dos insumos, como milho e farelo de soja – que estão diretamente ligados ao cenário no mercado internacional e às condições climáticas –, podem limitar os ganhos do setor. No caso do milho, além da atratividade do preço do cereal no mercado internacional, um aumento da produção de etanol de milho também pode resultar em elevação nos preços desse insumo no mercado doméstico, o que desfavoreceria o setor.

Quanto ao farelo, o possível aquecimento na procura por parte do setor pecuário tende a sustentar as cotações desse derivado de soja. Além disso, o dólar em patamar elevado aumenta o interesse pela comercialização desse insumo no mercado externo.

Fonte: Cepea
Continue Lendo
Mais carne
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.