Conectado com

Notícias

Premiações, novos mercados para carne e eficiência da ILPF são destaques do segundo dia da InterCorte

Painel sobre integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF) foi o tema central da edição deste ano da InterCorte São Paulo

Publicado em

em

O segundo dia da InterCorte São Paulo, principal evento da cadeia produtiva da carne, que se realiza até sexta (23/11), no WTC Golden Hall, foi marcado por entrega de premiações, aprofundamento da integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF) e o potencial do mercado de alimentos preparados.

O último painel sobre integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF), que foi o tema central da edição deste ano da InterCorte São Paulo, como um desdobramento do projeto “Caminho do Boi”, teve palestras sobre a importância da água nos sistemas integrados, busca por índices zootécnicos para obter resultados financeiros, papel da nutrição e o modelo de gestão integrado.

“A água é o principal nutriente na dieta dos bovinos, o mais importante, porém, muitas vezes fica esquecido ou relegado, podendo comprometer o desempenho dos animais. Os produtores focados em produzir mais e em menor tempo buscam tecnologias de aumento de produtividade, integrando produção de grãos com pastagens, tendo benefícios de correção de solo e adubação, variedades de pasto mais produtivas, mas, muitas vezes, o fornecimento de água não é adequado para níveis máximos de produção. Muitos acabam por fornecer água em quantidade e/ou qualidade questionáveis, em bebedouros que não podem ou não são limpos com frequência, e os animais são penalizadas com queda de desempenho”, explicou o veterinário Fernando Loureiro, fundador da Rubber Tank.

O médico veterinário e consultor Luciano Penteado discorreu sobre a importância de entender os indicadores zootécnicos para um sistema de produção rentável. “O produtor precisa entender que os indicadores financeiros de uma fazenda são importantes, porém os indicadores zootécnicos são fundamentais. Se ele não se preocupar com índices zootécnicos, não vai conseguir ter resultados financeiros.

Não há economista que seja capaz de fazer dar resultado financeiro uma fazenda que tem taxa de desmame de 50%, intervalo entre partos de dezoito meses, que desmama bezerro de 150 Kg, e tem meia unidade animal por hectare. Primeiro é preciso ajustar os índices zootécnicos, definindo parâmetros a serem buscados, produzir e ajustar a parte financeira em conjunto”, destacou. Para Penteado, o aspecto financeiro não pode ser mais importante do que o zootécnico. É indispensável ter as referências zootécnicas para buscar produtividade e, consequentemente, conseguir resultados financeiros. “Sem produzir bem não tem como a fazenda ser rentável”, completou.

O zootecnista Pedro Veiga, da Cargill, tratou da necessidade de suplementação e nutrição adequadas nos sistemas integrados a fim de aproveitar o crescimento das forragens em épocas não convencionais, otimizando os ganhos na atividade.

“O modelo de negócio integrado” foi o tema abordado pelo médico veterinário Rodrigo Albuquerque. “A pecuária cada vez mais está se adaptando a um sistema novo de trabalho, que envolve janelas de atividades. Nos últimos 10 anos, principalmente os sistemas de cria e confinamento têm se habituado a trabalhar com limites claros de início, meio e fim das atividades produtivas ao longo do ano. Temos percebido que a pecuária intensiva tem se aproximado da agricultura, na qual o conceito de janelas de safra já é extremamente bem enraizado e definido. Então, quanto mais a pecuária se intensificar, mais vai se parecer com a agricultura. Ou seja, mais haverá atividades que precisarão ser feitas em determinados períodos para não perder um ciclo reprodutivo, por exemplo. Diante disso, é preciso considerar um modelo de negócio integrado, pois cada vez mais a pecuária tem início, meio e fim definido, mesmo na recria. Como as margens estão ficando cada vez mais estreitas, não pode ter erro na pecuária, tornando o modelo de gestão com início, meio e fim completamente necessário”, sublinhou Albuquerque.

Alimentos preparados

O mercado de alimentos preparados foi destaque do painel “A carne além do churrasco”, promovido pela JBS, no segundo dia da InterCorte. Foram oferecidas palestras que apresentaram aos participantes informações sobre o setor, que tem conquistado espaço no Brasil e no mundo.

“Queríamos mostrar aos produtores uma parte da indústria que é pouco conhecida e hoje tivemos essa chance. Com as apresentações, os participantes puderam conhecer um pouco mais sobre a área de alimentos preparados e entender a relevância disso para o seu negócio”, explicou o diretor de Relacionamento com Pecuarista da JBS, Fabio Dias.

Após o painel os visitantes do evento foram convidados para uma degustação dos alimentos comercializados pela empresa. “Ainda temos na cabeça algumas ideias preconceituosas sobre esse segmento, mas com a degustação as pessoas puderam conferir quão saudáveis e seguros são esses alimentos”, finaliza Dias.

Touro de Ouro

A InterCorte sediou ainda a entrega do prêmio Touro de Ouro, promovido pela Revista AG há 10 anos, prestigiando as empresas mais lembradas do setor pecuário, em 35 segmentos diferente, incluindo duas novas categorias inauguradas em 2018: Aplicativo para Pecuária e Programa de Avaliação Genética.

“São 10 anos de muito empenho e dedicação a essa premiação tão diferenciada. Nossos leitores e assinantes formam uma importante parcela de produtores e pessoas relacionadas com o meio pecuário e as suas preferências são muito importantes para nós. É com grande alegria que fazemos a entrega do prêmio na InterCorte São Paulo. Esperamos manter e fortalecer essa parceria por muito tempo”, declarou o diretor-executivo da Revista AG, Eduardo Hoffmann.

Caminhos do Leite

Pela primeira vez, a InterCorte São Paulo abriu espaço para a pecuária leiteira, em um painel. Denominado “Caminhos do Leite”, o espaço reuniu representantes de diversos elos da cadeia produtiva do leite para debater o cenário atual e os desafios da produção leiteira no país, além de apresentar casos de sucesso.

“Trazer o público do leite para a InterCorte em São Paulo demonstra que precisamos fortalecer ainda mais a cadeia. As apresentações e cases nos mostraram que o setor leiteiro está unido, mas também que precisamos trabalhar muito para o setor e pelo setor. Isso que ficou como responsabilidade para o IZ: trabalhar para fomentar e aumentar o consumo de produtos lácteos”, afirmou a diretora Instituto de Zootecnia, Renata Branco, que moderou o painel.

Em seguida, os participantes foram convidados para uma degustação de mais de 100 variedades de queijos artesanais produzidos no estado de São Paulo, em parceria com a Associação Paulista do Queijo Artesanal (APQA) e com o Caminho do Queijo Artesanal Paulista, além de vinhos de seis vinícolas paulistas.

“Ficamos muito felizes pela oportunidade de apresentar nossos produtos ao público da InterCorte, que ficou bastante impressionado com a qualidade e a diversidade dos queijos produzidos em São Paulo, demonstrando a criatividade do produtor paulista”, salienta o presidente da APQA, Christophe Faraud.
 

Fonte: Ass. de Imprensa

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro + cinco =

Notícias Tarifa Rural

Produtor rural deve recadastrar unidades consumidoras até o fim deste ano

Faesc orienta produtor rural a atualizar informações junto a Celesc

Publicado em

em

Divulgação

A Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (Faesc) orienta aos produtores rurais catarinenses que efetuem o recadastramento de suas unidades consumidoras de energia elétrica junto a Celesc para garantir o benefício da Tarifa Rural. O cadastro deve ser renovado até o dia 13 de dezembro deste ano para garantir o benefício. A exigência é da Resolução nº 800/2017 da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL).

As reduções cumulativas da Tarifa Rural são de 10% a 30% na conta de luz dos agricultores pertencentes a dois grupos de unidades de consumo: os de fornecimento de alta tensão (acima de 2,3KV), enquadrados no “Grupo A Rural”, e os de baixa tensão (abaixo de 2,3 KV), classificados como “Grupo B Rural”.

Em Santa Catarina 75.634 consumidores rurais deverão se recadastrar enviando a documentação pelo e-mail recadastramentorural@celesc.com.br ou se deslocando até uma Loja de Atendimento da Celesc. A companhia de energia elétrica já emitiu, nas faturas, a informação para aqueles que necessitam se recadastrar. Deverão efetuar o recadastramento todas as unidades consumidoras da Classe Rural cadastradas como agropecuária, aquicultura, agroindústria e residências rurais.

Deste modo, os produtores rurais devem verificar nas faturas de energia elétrica se estão na lista de recadastramento e, em caso positivo, providenciarem o recadastramento até 13 de dezembro de 2019  evitando a retirada do benefício da tarifa rural.

O presidente da Faesc, José Zeferino Pedrozo, destaca que os Sindicatos Rurais vinculados a Faesc podem emitir a declaração para os produtores rurais comprovando o enquadramento como rural. “Quanto ao conteúdo da certidão, deve constar, caso o sindicato possua essa informação, que a pessoa sindicalizada possui atividade agrícola ou pecuária, ou que é trabalhador nesta área. Os sindicatos não devem emitir declaração para quem não seja sindicalizado ou de quem não possuam informações”, explica.

Documentação

Os documentos necessários para o recadastramento de Pessoa Física são: CPF, Carteira de Identidade ou outro documento de identificação oficial com foto, Registro Administrativo de Nascimento Indígena (RANI) no caso de indígenas.

Para Pessoa Jurídica os documentos são: Cartão do CNPJ, se for uma LTD a última alteração do Contrato Social Consolidado ou Contrato Social e as alterações existentes, se for empresa individual formulário de empresário individual, se for associação/condomínios/sociedades anônimas é necessário o estatuto social e ata com eleição da última diretoria, além de RG e CPF de representante.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Mercado Interno

Consumo mostra fraqueza e preço do suíno volta a declinar no Brasil

Movimento de alta das últimas semanas foi intenso e há dificuldade na absorção na ponta final de consumo

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado brasileiro de carne suína voltou a registrar queda nos preços ao longo da semana. De acordo com o analista de SAFRAS & Mercado, Allan Maia, o ambiente de negócios entre o atacado e varejo foi dominado por um sentimento de cautela, com agentes avaliando que a demanda evolui de maneira tímida.

Maia ressalta que o movimento de alta das últimas semanas foi intenso e há dificuldade na absorção na ponta final de consumo. “Além disso, as famílias estão pouco capitalizadas, o que deve inibir o consumo no decorrer da segunda quinzena de julho. Deste modo, o alto fluxo de exportação seguirá como fator chave para o ajuste da disponibilidade e sustentação dos preços domésticos”, sinaliza.

Levantamento de SAFRAS & Mercado apontou que a média de preços do quilo do suíno vivo na região Centro-Sul do Brasil ficou em R$ 4,65, queda de 1,55% em relação à semana passada, de R$ 4,72. A média de preços pagos pelos cortes de pernil no atacado ficou em R$ 7,95, baixa de 0,54% frente aos R$ 7,99 praticados na semana anterior. A carcaça registrou um valor médio de R$ 7,89, baixa de 1,25% frente à semana anterior, de R$ 7,99.

Maia afirma que os números dos embarques de carne suína podem ser considerados bons neste começo de julho, muito próximos aos registrados no mês passado, por conta da boa demanda por parte da China, que segue enfrentando um severo surto de peste suína africana.

As exportações de carne suína “in natura” do Brasil renderam US$ 60,7 milhões em junho (9 dias úteis), com média diária de US$ 6,7 milhões. A quantidade total exportada pelo país no período chegou a 26,4 mil toneladas, com média diária de 2,9 mil toneladas. O preço médio ficou em US$ 2.299,30.

Em relação a junho, houve baixa de 0,1% na receita média diária, ganho de 0,1% no volume diário e recuo de 0,1% no preço. Na comparação com julho de 2018, houve aumento de 40,3% no valor médio diário exportado, incremento de 13% na quantidade média diária e ganho de 24,1% no preço. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

A análise de preços de SAFRAS & Mercado apontou que a arroba suína em São Paulo foi cotada a R$ 100, recuo frente aos R$ 103 na semana anterior. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo seguiu em R$ 3,70. No interior a cotação no estado baixou de R$ 4,85 para R$ 4.70. Em Santa Catarina o preço do quilo na integração continuou em R$ 3,70. No interior catarinense, a cotação recuou de R$ 4,90 para R$ 4,80. No Paraná o quilo vivo baixou de R$ 5 para R$ 4,95 no mercado livre, enquanto na integração o quilo vivo continuou em R$ 3,75.

No Mato Grosso do Sul a cotação na integração passou de R$ 3,70 para R$ 3,72, enquanto em Campo Grande o preço permaneceu em R$ 3,90. Em Goiânia, o preço continuou em R$ 5,70. No interior de Minas Gerais o quilo do suíno retrocedeu de R$ 5,90 para R$ 5,70. No mercado independente mineiro, o preço também caiu de R$ 5,90 para R$ 5,70. Em Mato Grosso, o preço do quilo vivo em Rondonópolis se manteve em R$ 4,45. Já na integração do estado a cotação seguiu em R$ 3,70.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Mercado

Preços do boi gordo caem apesar de postura defensiva do pecuarista

Mercado físico de boi gordo teve preços mais baixos na terceira semana de julho nas principais regiões produtoras do país

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado físico de boi gordo teve preços mais baixos na terceira semana de julho nas principais regiões produtoras do país. “A pecuária de corte foi marcada por seguidos testes no decorrer da semana. No entanto, os produtores relutaram em negociar boiadas nos preços ofertados e optaram por reter a oferta. Com isso, o fluxo de negócios foi pouco representativo ao longo da semana”, disse o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Henrique Iglesias.

Já a carne bovina no atacado teve preços pouco alterados, sem grande espaço para reação até a virada de mês, uma vez que as últimas semanas sempre são marcadas por queda no consumo com a descapitalização do brasileiro médio. Enquanto isso, permanece boa a perspectiva para as exportações brasileiras com o surto de peste suína na China.

Os preços a arroba do boi gordo na modalidade à vista nas principais praças de comercialização do País estavam assim no dia 18 de julho:

  • São Paulo (Capital) – R$ 152 a arroba, contra R$ 155 a arroba em 11 de julho.
  • Goiás (Goiânia) – R$ 140 a arroba, ante R$ 143 a arroba.
  • Minas Gerais (Uberaba) – R$ 145 a arroba, contra R$ 148 a arroba.
  • Mato Grosso do Sul (Dourados) – R$ 141 a arroba, ante R$ 145 a arroba.
  • Mato Grosso (Cuiabá) – R$ 142 a arroba, estável.

Exportações

As exportações de carne bovina “in natura” do Brasil renderam US$ 190,7 milhões em julho (9 dias úteis), com média diária de US$ 21,2 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 49 mil toneladas, com média diária de 5,4 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 3.890,70.

Na comparação com junho, houve baixa de 6,5% no valor médio diário da exportação, perda de 7,2% na quantidade média diária exportada e alta de 0,8% no preço. Na comparação com julho de 2018, houve perda de 15,1% no valor médio diário, baixa de 8,4% na quantidade média diária e recuo de 7,3% no preço médio.

Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo
Biochem site – lateral
TOPIGS – BRASIL PORK EVENT 2019
Evonik Aminonir
AB VISTA Quadrado

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.