Conectado com
VOZ DO COOP

Notícias

Preços do suíno vivo em outubro teve média mensal superior a de setembro

Demanda aquecida por carne suína no mercado atacadista para a formação de estoques para o fim do ano levou unidades industriais a aumentarem a busca por novos lotes de animais. No entanto, a oferta de suínos com peso ideal para abate esteve reduzida, contexto que elevou os preços nas primeiras semanas do mês.

Publicado em

em

Foto: Julio Cavalheiro/Secom

As altas nos preços do suíno vivo no começo de outubro garantiram que a média mensal fechasse acima da registrada em setembro. Isso porque, nas últimas semanas do mês, os valores do animal recuaram em grande parte das regiões acompanhadas pelo Cepea. Ressalta-se, contudo, que, em muitas praças, a média de outubro ainda ficou inferior à do mesmo mês de 2021.

No começo de outubro, a demanda aquecida por carne suína no mercado atacadista para a formação de estoques para o fim do ano levou unidades industriais a aumentarem a busca por novos lotes de animais. No entanto, a oferta de suínos com peso ideal para abate esteve reduzida, contexto que elevou os preços nas primeiras semanas do mês.

Já as desvalorizações nas últimas semanas do mês foram influenciadas pela menor procura da indústria por lotes de animais para abate, devido às fracas vendas de carne no mercado atacadista e também ao feriado do dia 02 de novembro (Dia de Finados), que acarretou um dia a menos de abate na semana.

Desta forma, na região SP-5 (Bragança Paulista, Campinas, Piracicaba, São Paulo e Sorocaba), o suíno posto teve média de R$ 7,18/kg em outubro, alta de 3,6% frente à de setembro, mas 0,8% menor que a de outubro de 2021, em termos nominais. Na região de Belo Horizonte (MG), o avanço mensal foi de fortes 7,8%, com o suíno negociado à média de R$ 7,30/kg em outubro, 0,9% abaixo da de outubro de 2021.

No Oeste Catarinense, o suíno vivo se valorizou 5,2% de setembro para outubro, com a média a R$ 6,76/kg no último mês, 0,7% acima da de outubro de 2021, também em termos nominais.

Na região paranaense de Arapoti, o animal foi comercializado à média de R$ 7,09/kg em outubro, elevações de 5,8% no mês e de 2,1% em um ano. No mercado atacadista da carcaça, os preços seguiram a tendência do vivo.

Na Grande São Paulo, a carcaça especial teve média de R$ 10,32/kg em outubro, avanço mensal de 4,8% e anual de 0,6%. Para os cortes suinícolas, na média das regiões do estado de São Paulo, o carré foi cotado no atacado a R$ 11,39/kg em outubro, valorização de 7,1% em relação à média de setembro, mas recuo de 8,3% na comparação anual.

Quanto ao preço da costela, houve avanço de 6,3% no comparativo mensal, indo a R$ 15,57/kg em outubro, mas recuo de 3,2% em um ano.

 

Preços e exportações

As exportações brasileiras de carne suína, considerando-se produtos in natura e industrializados, recuaram em outubro. De acordo com dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), foram embarcadas 97,2 mil toneladas da proteína no último mês, 4,1% a menos que em setembro e 0,5% abaixo do volume escoado em outubro de 2021.

Ainda conforme a Secex, em termos financeiros, a receita obtida com as exportações de carne suína somou R$ 1,23 bilhão em outubro, 2,5% abaixo da arrecadada em setembro, mas ainda 3% superior à de outubro de 2021.

De janeiro a outubro deste ano, 909,8 mil toneladas de carne suína foram exportadas pelo Brasil, volume 4,8% menor que o escoado no mesmo período de 2021. A retração no volume embarcado neste ano está relacionada à menor demanda chinesa. De janeiro a outubro, os envios à China somaram 363,8 mil toneladas, 24,5% abaixo da quantidade do mesmo período de 2021. Em outubro, especificamente, 46 mil toneladas tiveram como destino a China, 2,1% a menos que em setembro.

A redução das compras chinesas se deve ao movimento de recuperação do rebanho daquele país. De acordo com dados do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção de suínos no país asiático passou de 43,5 milhões de cabeças em 2020 para 44,5 milhões de cabeças em 2021, elevação de 2,3% no período. Para 2022, a estimativa do USDA é de que o rebanho cresça 0,8% frente ao ano anterior.

Apesar da redução da demanda chinesa, países como Vietnã e Coréia do Sul intensificaram as compras da carne brasileira de setembro para outubro, em 15,1% e 34,1%, respectivamente, sendo destinos de 6,35 mil e de 1,35 mil toneladas. Vale lembrar que, em junho, a Coréia do Sul sinalizou a retirada das tarifas de importação para 50 mil toneladas, medida que vem beneficiando o setor exportador brasileiro.

Fonte: Secex

 

Relação de troca e insumos

Diante das altas nos preços do animal vivo em todas as praças acompanhadas pelo Cepea nas primeiras semanas de outubro, a média mensal do suíno ficou acima da registrada em setembro. Com isso, o poder de compra do suinocultor avançou frente ao milho, mas diminuiu frente ao farelo de soja, tendo em vista que, em algumas praças, o derivado da oleaginosa se valorizou na mesma proporção ou até mais que o animal.

Na média de outubro, o suíno vivo foi negociado a R$ 7,18/kg na região SP-5 (Bragança Paulista, Campinas, Piracicaba, São Paulo e Sorocaba), alta de 3,6% em relação à média de setembro, mas 0,8% abaixo da de outubro de 2021, em termos nominais. No Oeste Catarinense, o animal foi comercializado a R$ 6,75/kg, em média, em outubro, avanços de 3,4% frente ao mês anterior e de 0,5% na comparação com outubro de 2021.

No mercado de milho, segundo a Equipe Grãos/Cepea, a demanda internacional pelo cereal brasileiro esteve aquecida, devido a preocupações com a escalada dos conflitos relacionados à região do Mar Negro e também com a colheita nos Estados Unidos, que segue em ritmo inferior ao registrado na temporada passada.

Diante disso, em outubro, o Indicador ESALQ/BM&FBovespa (Campinas – SP) fechou com média de R$ 84,48/saca de 60 kg, alta de 0,5% frente a setembro, mas 6,1% inferior à de outubro/21, em termos nominais. No mercado de lotes da região de Chapecó (SC), o cereal foi comercializado a R$ 92,30/saca de 60 kg em

outubro, aumento de 1,7% frente ao mês anterior, mas queda de 0,1% em relação a outubro/21. Quanto ao farelo de soja, ainda conforme a Equipe Grãos/Cepea, a demanda externa pelo produto brasileiro seguiu firme. Problemas logísticos nos Estados Unidos, em decorrência do baixo nível do Rio Mississipi, levaram demandantes internacionais ao Brasil.

Com isso, o derivado foi negociado em Campinas a R$ 2.737,58/t em outubro, avanços de 3,6% na comparação mensal e de expressivos 15,1% na anual, em termos nominais. Em Chapecó, na mesma comparação, o farelo foi negociado à média de R$ 2.698,44/t no último mês, respectivas valorizações de 5,2% e de significativos 22,7%.

Assim, considerando-se o suíno negociado na região SP-5 e os insumos comercializados no mercado de lotes da região de Campinas, o suinocultor paulista conseguiu comprar 5,09 quilos de milho com a venda de um quilo de animal em outubro, quantidade 2,9% maior que a de setembro e ainda 5,6% acima da de outubro de 2021. De farelo de soja, o suinocultor pôde adquirir 2,62 quilos, recuo mensal de 0,1% e anual de 13,8%.

Em Chapecó, de setembro para outubro, o suinocultor conseguiu adquirir 4,39 quilos de milho com a venda de um quilo de animal, avanço mensal de 1,7% anual de 0,6%. De farelo de soja, o suinocultor do oeste catarinense pôde comprar 2,5 quilos em outubro, volume 1,8% menor que o de setembro e 18,1% inferior ao de outubro do ano passado.

Carnes concorrentes

Os preços da carne suína registraram forte alta de setembro para outubro, enquanto os da proteína de frango apresentaram ligeira elevação, e os da bovina, queda. Diante disso, em outubro, a competitividade da carne suína caiu em relação a essas duas proteínas substitutas.

Os preços da carne suína negociada no atacado da Grande São Paulo iniciaram outubro com forte incremento, impulsionados pela demanda doméstica aquecida e pela oferta controlada, principalmente de animais com peso ideal para abate.

Diante desse cenário, na média de outubro, a carcaça especial suína foi comercializada no atacado da Grande São Paulo a R$ 10,32/kg, alta de 4,8% frente à de setembro. No caso da carne de frango, apesar do enfraquecimento das vendas no atacado, em especial na segunda quinzena do mês, as cotações ainda registraram leve alta entre setembro e outubro.

Logo, o frango inteiro resfriado foi negociado no atacado da Grande São Paulo a R$ 7,64/kg, avanço de 0,2% em relação à média do mês anterior. Já para a proteína bovina, as fracas vendas domésticas limitaram reações de preços, mesmo com as exportações seguindo em ritmo intenso.

Além disso, a maior oferta de animais para abate, sobretudo de confinamento, também acabaram resultando em pressão sobre os valores da carne. Com isso, no atacado da Grande São Paulo, a carcaça casada foi comercializada à média de R$ 19,34/kg em outubro, recuo de 1,2% em relação a setembro.

Dessa forma, o preço da carcaça especial suína ficou 2,69 Reais/kg acima do valor do frango inteiro em outubro, significativo aumento de 20,4% frente à diferença registrada em setembro.

Com relação à carcaça casada bovina, a diferença foi de 9,02 Reais/kg, recuo de 7,2% frente à observada em setembro. Vale ressaltar que a proteína suinícola perde competitividade à medida que seu preço médio se distancia do valor do frango e se aproxima do da carne bovina.

Fonte: Ascom Cepea

Notícias Em evento híbrido

Cenário desafiador será debatido pela Câmara Setorial do Trigo de São Paulo

Reunião ocorrerá em Capão Bonito (SP), no dia 20 de junho, com transmissão ao vivo, via YouTube.

Publicado em

em

Foto: José Henrique Chagas

Em meio a um cenário de muitos obstáculos para a cadeia do trigo, debater sobre o presente e o futuro do setor é imprescindível para que o mercado brasileiro saiba como se posicionar nos próximos meses. Pensando nisso, a Câmara Setorial do Trigo de São Paulo realizará sua segunda reunião deste ano, em Capão Bonito, no dia 20 de junho, às 10h.

O evento híbrido, com transmissão ao vivo pelo canal do YouTube do Sindicato da Indústria do Trigo de São Paulo (Sindustrigo), contará com apresentações e reporte de cooperativas e cerealistas, assim como análise mercadológica, apresentada por Douglas Araújo, em nome da Aliança Agrícola do Cerrado.

Para o presidente da Câmara Setorial, Nelson Montagna, o encontro tem como objetivo aferir estimativas de produção para 2024, reforçar os estímulos para o aumento do volume de produção no País e nortear os elos da cadeia para que se atinja a melhoria na qualidade do trigo e, assim, atenda os requerimentos da indústria de moagem.

O encontro conta com apoio da Capal Cooperativa Agroindustrial, do Sindustrigo – Sindicato da Indústria do Trigo no Estado de São Paulo, da Coordenação das Câmaras Setoriais e da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo.

Cenário global

No panorama global, Montagna destaca o início da colheita do cereal no Hemisfério Norte, resultando na baixa momentânea dos preços em decorrência da pressão de venda e deixando o mercado do trigo pressionado. “Por outro lado, não podemos deixar de ressaltar que os preços internacionais – e o mercado interno acompanhou, subiram, recentemente, cerca de 30% e, um recuo pontual, não deveria desestimular a produção nacional”, pontua.

“Nos últimos anos, acompanhamos a diminuição dos estoques finais por quedas na produção e aumento da demanda global que, associada a uma esperada queda nos juros nos Estados Unidos e na União Europeia, pode sustentar os preços das commodities”, analisa.

Produção paulista de trigo

Segundo Montagna, a produção paulista de trigo tem enfrentado gargalos expressivos, como o longo período de seca que não só retardou o plantio, como afetou o desenvolvimento das áreas já plantadas. Esse cenário, de acordo com o presidente da Câmara, não deve favorecer os resultados do Estado.

“Não esperamos para este ano um aumento na produção total. No entanto, esse seguirá sendo o objetivo permanente da Câmara, uma vez que temos espaço para seguir aumentando a produção paulista do cereal”, afirma.

Fonte: Assessoria Sindustrigo
Continue Lendo

Notícias No Rio Grande do Sul

Servidores  da Seapi atuam no levantamento das perdas agrícolas e pecuárias

Publicado em

em

Foto: Maurício Santini

Após auxiliarem das mais variadas formas as vítimas da catástrofe socioambiental que atingiu o Rio Grande do Sul, agora os servidores da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural atuam no levantamento das perdas agrícolas e pecuárias. O trabalho consiste em visitar as propriedades afetadas e preencher um questionário – as áreas foram mapeadas por georreferenciamento. No Vale do Taquari, região que teve mais prejuízo, a força-tarefa contou com quatro fiscais estaduais agropecuários, dois técnicos agrícolas e oito servidores da defesa agropecuária de São Paulo.

Divididos em cinco equipes, percorreram cerca de 5.800 quilômetros para visitar 200 propriedades em 13 municípios. “Não teríamos condições de terminar um trabalho como esse em uma semana sem o apoio dos colegas de São Paulo”, avalia a fiscal estadual agropecuária Vanessa Dalcin, da inspetoria de defesa agropecuária de Arroio do Meio, gestora da atividade de campo no Vale do Taquari. Na região, há pelo menos 1.600 propriedades atingidas. O levantamento está sendo realizado em parceria com o Senar.

O mesmo formato está sendo aplicado nas demais regiões do Estado. “É um trabalho que está mobilizando colegas de todo o Rio Grande do Sul. Essa força-tarefa mostra a importância dos servidores públicos em um momento como este. Realizamos uma atividade que é essencial para o Estado”, ressalta o vice-presidente da Associação dos Fiscais Agropecuários do RS (Afagro), Giuliano Orlandi Suzin.

Todo o levantamento está sendo feito a partir de informações da Plataforma de Defesa Sanitária Animal do RS (PDSA). A ferramenta, que já era utilizada pelo serviço de defesa agropecuária, foi aperfeiçoada para uso após a catástrofe.Assim como na pandemia, desde o início da tragédia, os fiscais estaduais agropecuários dedicam sua força de trabalho para manter o abastecimento e a economia do Estado.

Para além de suas atribuições, cada servidor tem ajudado como pode a população atingida. A categoria, que já vinha atuando nos resgates, tem trabalhado na entrega de doações em abrigos e nas propriedades rurais, abastecendo comunidades locais e população de animais sobreviventes.

Fonte: Assessoria Seapi
Continue Lendo

Notícias

Vacas Girolando batem recorde no Torneio Leiteiro da Megaleite 2024

Vaca Fanny FIV Kingboy 131 FGS Sapucaia é a nova recordista nacional de produção total entre os animais 5/8, na categoria Vaca Adulta.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Gadoleite

O 33º Torneio Leiteiro da Megaleite 2024 terminou com o registro de dois recordes nacionais. A vaca Fanny FIV Kingboy 131 FGS Sapucaia é a nova recordista nacional de produção total entre os animais 5/8, na categoria Vaca Adulta. Ela produziu no total 306,960 kg/leite, com média de 102,320 kg/leite. Com essa produção, ela quebra um recorde que foi estabelecido em 2015, na Exposição de Araxá/MG, que era a média de 99,340 kg/leite. Fanny, de propriedade do expositor Fernando Gonçalves dos Santos, sagrou-se Grande Campeã de Produção Absoluta do Torneio Leiteiro de Girolando.

Outro recorde foi registrado na categoria Vaca Jovem, entre os animais CCG 1/2. A campeã da categoria Tradição FIV Elixir Santa Luzia produziu 268,670 kg/leite, com média de 89,557 kg/leite. De propriedade do expositor José Freire Neto, ela bateu o recorde que vinha sendo mantido desde a Megaleite de 2019, que era a média de 89,153 kg/leite.

A Grande Campeã de Sólidos foi a vaca adulta Paloma Jedi FIV F. Congonhas, do expositor Gustavo Frederico Burger Aguiar. Ela produziu 225,543 kg/leite, com média de 75,181 kg/leite.

Os expositores das Grandes Campeãs de Produção Absoluta e de Sólidos foram premiados com uma moto 0 km, cada um. O 33º Torneio Leiteiro da Megaleite 2024 começou no domingo e foi encerrado nesta quarta-feira. Concorreram 17 animais.

Sobre a Megaleite
Realizada de 11 a 15 de junho, no Parque da Gameleira, em Belo Horizonte, a Megaleite 2024 é promovida pela Associação Brasileira dos Criadores de Girolando e terá em sua programação mostra de várias raças leiteiras, palestras, minicurso, lançamentos, julgamento de animais, torneio leiteiro, espaço kids, área gourmet, dentre outras atrações.

A feira tem o patrocínio da Codemge, Governo de Minas e Sicoob Central Crediminas. Apoio institucional do Sebrae/MG, Sistema Ocemg e CNA/FAEMG e a Rádio Itatiaia como Media Partner. O Parceiro Premium é a Alvoar Lácteos e os Parceiros Master são: Allflex, Tortuga, uma marca DSM, Agener União, UCBVET Saúde Animal, Agroceres Multimix, Zoetis, Alta, Genex Brasil, Boehringer Ingelheim, CRV Lagoa, Nutron e Semex. Canal Master: Terraviva; Apoio Master: Bebamaisleite.

Fonte: Assessoria Gadolando
Continue Lendo
AJINOMOTO SUÍNOS – 2024

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.