Conectado com

Avicultura

Pontos críticos no manejo e ambiência de verão

Publicado em

em

*Marcus Briganó
A avicultura brasileira é uma das cadeias de produção mais eficientes do mundo. Sua competitividade e eficiência na obtenção de índices zootécnicos de excelência são as marcas registradas deste setor, que move um grande montante de investimentos e pessoas, anualmente.
Apesar desta grande eficiência, ainda encontramos diversos desafios e entre os mais impactantes, estão nossa biosseguridade, aspectos relacionados à nutrição, manejo e ambiência. Destes citados, os mais frequentes no cotidiano das empresas produtoras de frango são os dois últimos, pois se observa com frequência que erros de manejo e ambiência são os principais entraves na melhoria de resultados.
Quando falamos do verão propriamente dito, não há como não citarmos a sazonalidade que encontramos nos resultados das empresas no decorrer de um ano. É extremamente frequente observarmos que os números das empresas nos períodos que compreendem de outubro a fevereiro têm pioras consideráveis em Conversão Alimentar, Ganho de Peso e Mortalidade. Este fato  se deve à variável ineficiência que temos em estruturas, equipamentos e mão-de-obra.
Quando falamos de manejo de verão, o principal fato notado é a necessidade de mantermos a ave isolada do principal desafio nesse período: o calor.
No Brasil, a grande maioria dos aviários tem uma capacidade limitada de manutenção da temperatura interna, devido ao fato desta grande maioria ser constituída de aviários abertos, que utilizam ventiladores como forma de expulsar o excesso de calor e umidade de dentro da granja (granjas de pressão positiva).
Conhecer a ave com que trabalhamos é importantíssimo para que consigamos resultados adequados. O frango de corte, no decorrer dos anos, sofreu diversas melhorias no que diz respeito ao seu desempenho, porém, suas estratégias para manutenção da temperatura, como outros mecanismos fisiológicos, continuam praticamente inalterados. 
A ave tem três formas de manter a temperatura corpórea: condução, convecção e evaporação. Nas duas primeiras, a ave perde calor para o ambiente usando suas regiões corpóreas mais expostas, ou seja: sua barbela e crista, suas pernas e a região abaixo das asas. Nestes processos ocorre a troca de calor sem grande mobilização fisiológica, o que do ponto de vista de desempenho é muito bom, pois não ocorrem grandes gastos de energia para que ocorra a termorregulação. O grande limitante neste processo é o fato deste artifício ser muito limitado e, na grande maioria das vezes, não ser suficientemente eficiente para transpor os desafios de calor a que a ave é submetida.
Quando os dois mecanismos acima citados não são mais suficientes para manter a temperatura da ave em níveis de conforto, o artifício utilizado pela ave é a evaporação, muito mais eficiente na troca, porém com custos muito mais onerosos à ave, causando queda de desempenho e, em casos mais extremos, até a morte da ave por estresse térmico.
Pensando nesta necessidade constante da ave por conforto, alguns cuidados devem ser tomados, para que a temperatura do aviário esteja sempre dentro do determinado para cada idade. 
Para que tenhamos boas trocas térmicas da ave com o ambiente, o aviário deve ter um bom potencial para velocidade de vento. Pois, quando o frango estiver em idades mais avançadas, as boas velocidades de vento ajudarão as aves nas trocas térmicas e assegurarão que o processo de troca de calor por evaporação ocorra o mínimo possível.
Quando falamos de velocidade de vento, existem dois aviários muito distintos na maneira com que tentamos dar o conforto que a ave necessita: os aviários de pressão positiva e os de pressão negativa.
Quando manejamos aviários de pressão positiva, assume-se que temos um menor controle do ambiente e as aves estão mais sujeitas às alterações climáticas. Os ventiladores utilizados neste tipo de aviário têm eficiência limitada no que diz respeito à padronização da velocidade de vento dentro do aviário, sendo que aves mais próximas aos ventiladores têm um excesso de velocidade e as aves mais distantes tem níveis de ventilação aquém da necessidade. Isso, somado a alguns “pontos mortos”, geram uma grande despadronização ambiental, muitas vezes agravada pela falta de equipamentos  e pela carência de manutenção, são situações relativamente comuns em grande parte dos aviários presentes no Brasil.
Em aviários de pressão negativa, a movimentação do ar dentro do aviário ocorre pela ação dos exaustores, equipamentos muito mais eficientes para propiciar padronização de velocidades de vento. Porém, existem diversas situações que dificultam o trabalho deste tipo de aviário na tarefa de propiciar conforto à ave.
Quando desenhamos um aviário de pressão negativa, sugere-se que o potencial de velocidade de vento seja em torno de 3 m/s em média, sendo que esta média deve ser feita em pelo menos 12 pontos, igualmente distribuídos dentro do galpão. 
Para que tenhamos a referida velocidade de vento, é necessário o número correto de exautores e que os mesmo tenham potência para propiciar o deslocamento de ar necessário. Outro importante detalhe é que a abertura de ar seja proporcional à quantidade de exautores em funcionamento e, finalmente, que o aviário tenha o menor número possível de “falsas entradas de ar”, já que as mesmas “roubam” potência dos exautores, diminuem a velocidade de vento e promovem “pontos mortos” onde, inclusive, podem ocorrer excessos de mortalidade.
Vale lembrar que toda tecnologia, por mais nova que seja, sempre vai despender manutenções, revisões e checagens periódicas para que todos os aspectos relacionados ao bom funcionamento do aviário sejam observados.
*Marcus Briganó é especialista em frangos de corte da Cobb-Vantress

Fonte: Ass. Imprensa Cobb

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × um =

Avicultura Para 2019

Presidente de uma das maiores agroindústrias avícolas do Brasil mantém confiança com cautela

Presidente de uma das maiores cooperativas do Brasil na produção de frango, Alfredo Lang acredita em 2019 mais promissor, mas ainda mantém cautela

Publicado em

em

Divulgação/Copagril

Ter um bom pensamento e esperar o melhor para 2019 na avicultura brasileira é o que muitos têm nesses primeiros dias do ano. Quando o setor representa muito dentro de uma empresa, trabalhar para que ele dê certo é o que mais é feito. Na cooperativa C. Vale, de Palotina, PR, por exemplo, a avicultura é a segunda maior fonte de receita, atrás somente da soja. Sem contar que o setor é responsável por empregar mais de cinco mil pessoas e gerar milhões em impostos. Para se ter uma ideia, atualmente a cooperativa abate 530 mil frangos/dia.

Estes números mostram o quanto a avicultura representa para a cooperativa, uma das maiores do Estado e do Brasil. Porém, foi necessário enfrentar as intempéries que aconteceram em 2018 para continuar lucrando com o setor. Segundo o presidente da C. Vale, Alfredo Lang, ano passado foi bastante difícil e de resultados bem abaixo do que o setor obteve em 2017. “As limitações impostas pela Europa e pela China às exportações brasileiras dificultaram bastante os negócios. Isso levou ao aumento da oferta de carne de frango no mercado interno, que já estava consumindo pouco devido à crise econômica. A greve dos caminhoneiros complicou ainda mais a situação. Para quem opera grandes volumes diários, o impacto é proporcional. Deixou-se de abater e vender, e isso prejudicou produtores e empresas”, avalia.

Quanto à greve dos caminhoneiros, a liderança cooperativista diz que o principal prejuízo foi em relação à imagem do setor e do Brasil como um todo. “Quando você perde a confiança dos seus clientes, tem que fazer um esforço enorme e demorado para recuperá-la. Os seus concorrentes tratam de se aproveitar disso para ganhar espaço. Não podemos repetir” afirma. Para Lang, a greve dos caminhoneiros começou por motivo justo, o alto preço do diesel, mas tomou rumos que a prolongaram e trouxe prejuízos ao setor produtivo.

Segundo ele, é difícil encontrar soluções para uma greve de caminhoneiros em um país que prioriza o transporte rodoviário. “Esperamos que o novo governo saiba lidar melhor com os preços dos combustíveis”, diz.

Esperança se estende ao mercado internacional

As expectativas de um bom ano também estão depositadas na melhora das relações do Brasil com seus mercados externos. A recuperação do mercado europeu, por exemplo, merece atenção, segundo Lang. “É um trabalho que exige tempo e muita negociação. Só que o que deixamos de vender, isso não tem mais volta”, lamenta. O presidente diz que o embargo ocorreu logo após a Operação Carne Fraca, e que uma ação pode ser considerada sequela da outra. “Houve uma divulgação equivocada, superdimensionada. O Brasil deu um tiro no próprio pé, colocou empregos e produtores em risco”, afirma.

Já quando o assunto é o mercado chinês, quanto as tratativas do fim do antidumping ao frango brasileiro, o presidente comenta que todas as informações solicitadas já foram fornecidas sobre a formação dos custos do setor. “Mostramos que não há subsídios, que a competitividade da carne brasileira está ligada a grande quantidade de matéria-prima, soja e milho, e à eficiência do setor. Confiamos que eles retomem os volumes de compra anteriores, mas isso é um processo que exige paciência”, menciona.

2019 para confiar

Para a avicultura deste ano, Lang acredita que o setor deve voltar a investir. “Mas isso vai depender muito das condições das linhas de crédito. Além disso, o setor vai retomar investimentos se houver perspectiva de um aumento de consumo a curto prazo”, avalia.

O ânimo vem ainda das expectativas quanto ao que o novo governo fará. “Esperamos medidas que facilitem os investimentos: crédito com custos que viabilizem os investimentos, agilidade nas questões ambientais, articulação da nossa diplomacia para negociar acordos com novos mercados e melhorias da estrutura para o escoamento da produção”, menciona.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de janeiro/fevereiro de 2019 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Avicultura Foram 3,6 bilhões de dúzias

Produção de ovos é recorde em 2018

Aumentos mais intensos ocorreram em São Paulo, que detém 29,4% da produção nacional, e no Espírito Santo

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Informações, divulgadas nesta quinta-feira (14) pelo IBGE, da Estatística da Produção Pecuária mostram que a produção de ovos de galinha subiu 8,6% e atingiu a marca recorde de 3,6 bilhões de dúzias em 2018, a maior desde 1987. Essa atividade foi maior em todos os meses do ano passado, quando comparado ao mesmo período de 2017. Os aumentos mais intensos ocorreram em São Paulo, que detém 29,4% da produção nacional, e no Espírito Santo, que ultrapassou Minas Gerais e concentrou 9,5% do total produzido em 2018.

O resultado do quarto trimestre também foi o maior da série, com produção de 936,32 milhões de dúzias, uma alta de 1,6% em relação ao terceiro trimestre e de 9,1% na comparação com o quarto trimestre de 2017. “A cada trimestre é uma produção acima da anterior”, diz o supervisor da pesquisa, Bernardo Viscardi.

Além de ganhos na produtividade, Viscardi ressalta que a deflação de 4,03% no preço dos ovos no ano passado, pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), e a mudança de hábitos da população estimulou o aumento na produção. “Está relacionado à questão de aumento do consumo, caiu aquele mito de que o ovo faz mal”, conta.

Fonte: IBGE
Continue Lendo

Avicultura Otimismo

“Estamos convictos na retomada da avicultura”, afirma Francisco Turra

Liderança diz estar convicta que o ano será de retomada para o setor

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

 O ano de 2019 começou com boas expectativas para a avicultura brasileira, uma das proteínas mais importantes da cadeia produtiva nacional. Em entrevista exclusiva para o jornal O Presente Rural, o presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Francisco Turra, diz estar convicto que o ano será de retomada para o setor. Ele atrela isso à competência técnica e gestão altamente profissionalizada dos agentes da cadeia, que permitiu que o setor sobrevivesse e se fortalecesse em meio às mais intensas tempestades.

O Presente Rural (OP Rural) – Como foi o ano de 2018 para a avicultura e suinocultura brasileira?

Francisco Turra (FT) – Entre os fatores positivos ocorridos, estão a habilitação de 26 novas plantas para exportações de carne de frango para o México, a viabilização do mercado cambojano para o setor avícola brasileiro e a abertura dos mercados da Coreia do Sul e da Índia para a carne suína. A Rússia, após 11 meses de negociação, também reabriu seu mercado para o setor de suínos.

Outro ponto relevante de 2018 é a crise sanitária corrente na China. Uma vez que a mortandade histórica de animais no maior produtor de carne suína do mundo deverá incrementar a demanda de cárneos provenientes de países que hoje fornecem ao mercado chinês. Também está em fase final a negociação entre chineses e brasileiros para a construção de acordo de Price Undertaking (PU) para as exportações brasileiras de carne de frango, o que deverá suspender as sobretaxas provisórias de direito antidumping aplicados pela China. Fator importante: mesmo com a aplicação de tarifas, as exportações de carne de frango para a China devem encerrar o ano 10% superiores às realizadas em 2017.

Neste ano, são fatores relevantes, também, o embargo de 20 plantas (sendo que oito continuaram exportando carne de frango in natura sem sal adicionado) pela União Europeia, e a alteração dos critérios relativos ao abate halal, para a importação de carne de aves pela Arábia Saudita. Neste último caso, as mudanças com a readequação de mercado resultaram em uma retração superior a 100 mil toneladas nas exportações brasileiras – um dos mercados que mais reduziram as importações em 2018.

Também estão entre os fatores relevantes do ano os 10 dias de paralisação nas estradas brasileiras, com a greve dos caminhoneiros. Milhões de aves morreram durante o período. Os impactos superaram os R$ 3,1 bilhões – sendo R$ 1,5 bilhão irrecuperável. Além dos prejuízos, a greve trouxe à pauta o tabelamento do frete. Por questões sanitárias, os setores de aves, ovos e suínos dependem dos denominados transportes dedicados, que são fidelizados e cumprem distâncias curtas.

OP Rural – A greve dos caminhoneiros e a Operação Trapaça arrebentou, de forma irrecuperável, muitos setores da economia nacional, inclusive a avicultura?

FT – Milhões de aves morreram durante os 10 dias de paralisação. Com a nova tabela, em geral o custo logístico dos setores apresenta uma elevação média de 35% – chegando próximo de 80% em algumas modalidades, como o transporte de ração.

OP Rural – Quais as lições que essa greve deixa para um setor tão complexo e vulnerável como a avicultura industrial, tendo em vista que pairam ameaças de uma nova greve em 2019?

FT – A ABPA defende o diálogo entre o governo e as representações dos caminhoneiros na busca por uma solução, diante das reivindicações apresentadas. O diálogo é parte do jogo democrático e é fundamental para a construção de um caminho que não prejudique a população do Brasil. Ao mesmo tempo, a ABPA ressalta os riscos para a população e para o país diante de uma nova greve.

OP Rural – As exportações brasileiras de carne de frango foram duramente prejudicadas com a suspensão do mercado europeu. Poderemos recuperar?

FT – Este foi um ano atípico por razões como a greve dos caminhoneiros, suspensão de plantas no mercado europeu e outros pontos que impactaram fortemente o setor no primeiro semestre. Entretanto, tivemos forte recuperação no segundo semestre. Como colocamos em outra oportunidade, graças à média mensal de embarques de 377,3 mil toneladas no segundo semestre – o melhor desempenho dos últimos três anos – o setor reduziu perdas acumuladas nos seis primeiros meses de 2018 (-13,4% em relação ao 1° semestre de 2017) e encerrou o ano com resultado 5,1% menor em relação às 4,320 milhões de toneladas exportadas em 2017. Exatamente por isto há expectativa de que o bom fluxo obtido no segundo semestre do ano passado se mantenha em 2019. Isto devido, entre outros motivos, pelas ações que o setor produtivo, liderado pela ABPA, adotará por meio do Projeto 500K, que tem como meta alcançar a média mensal de 500 mil toneladas nas exportações somadas de carne de frango e de carne suína até o final de 2020.

OP Rural – A decisão do mercado europeu de suspender as importações de frango do Brasil foi justa?

FT – A ABPA considera infundada a decisão tomada pelos estados europeus, como uma medida protecionista que não se ampara em riscos sanitários ou de saúde pública. A decisão tomada pela comunidade europeia é desproporcional e inconsistente diante das regras estabelecidas pelo Acordo de Medidas Sanitárias e Fitossanitárias da Organização Mundial do Comércio (OMC). O protecionismo é ressaltado, por exemplo, na imposição de critérios determinados para os embarques de produtos salgados (com apenas 1,2% de sal adicionado), que são obrigados a cumprir critérios de análises para mais de 2,6 mil tipos de Salmonella. Para que se tenha uma ideia, ao produto estritamente in natura (sem sal adicionado) pesam apenas análises para dois tipos de Salmonella.

OP Rural – Acredita que neste ano, caso as tratativas com a China sobre o fim do antidumping ao frango brasileiro aconteçam, as exportações brasileiras melhorem?

FT – As exportações brasileiras seguem em bom fluxo e há expectativa de ampliação em relação ao desempenho de 2018. No caso da China, a questão do antidumping – que, ressaltamos, não prejudicou os negócios entre brasileiros e chineses. A China iniciou em 18 de agosto de 2017 uma investigação sobre práticas de dumping contra as exportações brasileiras de carne de frango. A ABPA e seus associados defenderam ao MOFCOM a ausência de nexo causal entre as exportações brasileiras e qualquer eventual situação mercadológica local, apresentando contraprovas ao longo do processo. Mesmo diante dos dados apresentados pelos brasileiros, o ministério chinês impôs uma tarifa provisória de direito antidumping às importações de carne de frango do Brasil. Apesar disto, os exportadores brasileiros decidiram avançar em um acordo proposto pela China que permitisse a manutenção da parceria, que hoje é uma das mais importantes no comércio internacional de proteína animal.

A construção do “Price Undertaking” (PU) – acordos de preços em conformidade e acordo com as regras da Organização Mundial do Comércio (OMC) – é uma das últimas etapas neste processo. Mesmo com a aplicação de sobretaxa de dumping, a China mantém ritmo ascendente nas compras de carne de frango do Brasil. O país asiático é o segundo entre os 160 mercados importadores do produto brasileiro e incrementou suas importações de carne de frango brasileira em 12% em 2018, alcançando 438 mil toneladas.

OP Rural – Quais as projeções para a avicultura em 2019 quanto ao mercado e exportações?

FT – O alojamento de matrizes em 2018 indica uma oferta moderada de carne de frango em 2019. A expectativa é que o ritmo de produção do próximo ano seja 1,39% superior, alcançando produção de 13,2 milhões de toneladas. Há expectativa, também, de elevação das exportações, acompanhando o bom fluxo do segundo semestre de 2018, intensificado, também, pela ampla estratégia aplicada pelo Projeto 500K da ABPA.

OP Rural – Muitos tem falado que este será o ano da retomada da avicultura brasileira. O senhor acredita nisso? Por que?

FT – Estamos convictos na retomada da avicultura. Graças à competência técnica e gestão altamente profissionalizada do setor, sobrevivemos e nos fortalecemos em meio às mais intensas tempestades. Neste ano, a expectativa é de melhores oportunidades para o setor produtivo, e a consolidação do fluxo de exportações para mercados importantes, como a Indonésia. Também confiamos na recuperação econômica do Brasil, o que deve influenciar positivamente no consumo interno.

OP Rural – O que espera do novo governo para o setor?

FT – A expectativa geral é por um momento de maior calmaria para o setor produtivo, pois há otimismo no setor com o novo momento político vivido pelo país. As expectativas relacionadas às promessas são muitas, entre elas podemos destacar maior apoio ao campo, desburocratização, liberdade de mercado, combate à violência no campo e nas estradas, privatização de estruturas importantes ao setor produtivo. O anúncio da presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), Tereza Cristina, como ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, também foi recebido com grande otimismo, por ela ser uma liderança fundamental para o setor produtivo nacional, com trabalho inquestionável à frente da FPA, que conhece e sabe do potencial da avicultura nacional. Está claro para o setor o total comprometimento do governo federal com o campo brasileiro.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de janeiro/fevereiro de 2019 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Nucleovet 2
APA
Biochem site – lateral
Conbrasul 2019
Abraves
Facta 2019

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.