Conectado com
VOZ DO COOPERATIVISMO

Notícias

Pesquisadores preconizam uso de bioinsumos e soluções que preservem tecnologias químicas e biotecnologias

Encontro técnico reuniu consultores, pesquisadores e agricultores de dentro e fora do Brasil.

Publicado em

em

Foto: Divulgação

Um encontro na capital Goiânia, com apoio de 20 profissionais de pesquisa agrícola, alertou para urgente necessidade de o campo adotar medidas ancoradas no uso de bioinsumos e outras práticas, entre estas o monitoramento de mariposas, visando a assegurar o manejo eficaz de lagartas, pragas mais desafiadoras safra após safra.

Participaram da reunião temática profissionais e entidades do Brasil e do exterior. Os pesquisadores discutiram também, na ocasião, o agravamento da pressão de lagartas na Bahia, em Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e no Maranhão, áreas nas quais as espécies Helicoverpa spp, Spodoptera frugiperda e Rachiplusia nu, entre outras, causam danos cada vez mais severos à soja, ao milho e ao algodão.

Entre órgãos de pesquisa, consultorias, e associações brasileiras participantes estavam Esalq-USP, Universidade do Estado da Bahia, Universidade Federal de Goiás, UNESP Jaboticabal, Embrapa, IMA – Instituto Mato-Grossense do Algodão, Fundação ABC, Fundação MT, Ceres, Gapes, Desafios Agro, Kasuya, Multcrop, Evoterra, Delolo, IGA, Agro Rattes, Agrum, IRAC-BR e GBio.

Marcaram presença no modo virtual os pesquisadores australianos Paul Grundy (Department of Agriculture and Fisheries, Queensland) e Kristen Knight (Bayer Australia). Agricultores brasileiros bem-sucedidos no manejo integrado de pragas, referenciados na fronteira agrícola por aderir fortemente a produtos biológicos, também tiveram voz no encontro, presencialmente.

Biotecnologias e agricultura insustentável

Presente à reunião, o professor doutor Celso Omoto, entomologista da Esalq-USP, especialista em resistência de pragas, lembra que entraves mais complexos para controle de lagartas no Brasil tornaram-se ainda mais desafiadores a partir de 2013, com a “invasão” de Helicoverpa armigera. “Foi um alvoroço, não sabíamos manejar a praga, inseticidas químicos não davam bom controle.”

Omoto chama atenção para outros fatores que, segundo ele, hoje potencializam as pragas no Brasil. “Não temos mais períodos de entressafra, isso é uma loucura. Chegamos a um ponto em que a agricultura pode se tornar insustentável”.

Com a invasão de H. armigera no Brasil, Omoto participou de uma missão à Austrália, visando a observar de que maneira, naquele país, a praga vinha sendo controlada eficazmente com uso de baculovírus. Pesquisadores australianos trouxeram à luz o que Omoto chama de “mais uma jogada de mestre”.

“Eles aproveitam a tecnologia do algodão transgênico e reduzem inseticidas químicos no controle de Helicoverpa. Valorizam produtos seletivos a inimigos naturais, caso dos baculovírus. Preservam, assim, os agentes naturais que controlam pragas não-alvo das biotecnologias, como insetos sugadores. Esta é uma combinação perfeita.”

Pela bagagem que trouxe da Austrália, diz Omoto, “baculovírus têm sido uma importante ferramenta frente ao manejo de lagartas no Brasil. Senão uma ‘bala de prata’, é uma alternativa que funciona integrada a outras táticas”. Ele defende, por exemplo, enfaticamente, a adoção de baculovírus em áreas de refúgio.

“Para preservar a biotecnologia, uma recomendação é a de plantar de 10% a 20% em áreas de refúgio, dependendo da cultura. Se essa medida for seguida em soja, milho e algodão, baculovírus se encaixam perfeitamente no controle de todas as lagartas, inclusive das que são alvos da biotecnologia”, reforça Omoto.

“Além da exploração em área de refúgio, inseticidas à base de baculovírus podem ser recomendados para o controle de lagartas que não são alvos da biotecnologia, como por exemplo Spodoptera spp. na cultura da soja.”

Biólogo, mestre e doutor em entomologia agrícola, o pesquisador Jacob Crosariol Netto atua no IMA – Instituto Mato-Grossense do Algodão há nove anos, na área de manejo integrado de pragas. Após participar da reunião de Goiânia, ele também ressaltou considerar baculovírus “uma ferramenta fundamental dentro de um programa de manejo integrado de pragas”.

“É seletiva, preserva inimigos naturais. Além disso, tem modo de ação único, diferente dos químicos. Pode ser trabalhada no manejo de resistência, dar sobrevida às moléculas químicas”, salienta Crosariol Netto. “Com a adoção de novas biotecnologias, no futuro próximo deverá aumentar a resistência de lagartas em soja e algodão”, antecipa o pesquisador.

Biológicos em toda a lavoura

Com áreas que somam 2,8 mil hectares nas goianas Silvânia, Vianópolis, Orizônia e Luziânia, o agricultor Cristiano Lutkemeyer, da Agromeyer, cultiva milho, milho-doce, feijão, tomate e ervilha. Ele relata que em sua lavoura de milho-doce (para a indústria), 95% das variedades são convencionais.

Lutkemeyer adianta, ainda, que faz pouco tempo passou a utilizar baculovírus associados a inseticidas químicos. “Começamos numa área pequena (32 hectares) e hoje fazemos isso em toda a área cultivada das fazendas.”

“Eu estava 100% no químico, aumentando a dosagem e a frequência de aplicações”, prossegue o agricultor. “Com a integração dos baculovírus, baixou a dosagem, subiu a performance e o custo caiu. No milho-doce, que tem alta pressão de Spodoptera e Helicoverpa, diminuímos os danos às espigas. Reduzimos com isso o desconto da indústria sobre espigas danificadas, o que significa ganhar de R$ 600 a R$ 800 a mais por hectare plantado”, exemplifica.

“Não tem mais volta, o biológico veio para ficar. A utilização do químico com o biológico mostrou ser uma integração de sucesso”, finaliza Lutkemeyer.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × 1 =

Notícias

Exportação de frango para Argélia pode começar em 2024

País abriu mercado para frango brasileiro em outubro. Negociações para redução de tarifa já estão em curso no governo e poderão ser próximas de zero.

Publicado em

em

Foto: Ari Dias

Após anos de negociações, a Argélia abriu o mercado para importação de frango do Brasil em outubro. Para as vendas terem início, contudo, ainda é preciso que as tarifas de importação, que hoje chegam a 100%, sejam reduzidas. De acordo com o diretor de Mercado da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Luis Rua, a partir do momento em que as tarifas caírem, as empresas brasileiras poderão exportar no dia seguinte, pois já estão capacitadas a atender as demandas daquele mercado, seja conforme o tipo de produto demandado, seja por já serem produtoras e exportadoras de produtos halal, que seguem os preceitos do Islã.

“O Brasil comemorou e segue comemorando a abertura desse mercado. Primeiro, acho que é o reconhecimento do status sanitário, a qualidade, a sanidade que o Brasil hoje já exporta para mais de 150 países e a Argélia também passa a reconhecer todos esses atributos que a gente sabe que estão presentes na nossa carne de aves”, afirma Rua, acrescentando: “Segunda questão é o fato de os argelinos estarem atravessando um momento conturbado em relação à inflação de alimentos”.

Após a abertura daquele mercado com a publicação do Certificado Sanitário Internacional (CSI) em 12 de outubro, tanto agentes privados como instituições governamentais de abastecimento começaram a se preparar para importar frango brasileiro. Uma missão com integrantes da ABPA, do Ministério das Relações Exteriores, da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec) e da Câmara de Comércio Árabe Brasileira visitou o país entre 15 e 19 de outubro.

Ainda há um desafio para que as exportações acelerem: atualmente há duas tarifas de importação que somam 100%, o que dificulta ao exportador vender naquele mercado. “A gente esteve lá, houve o compromisso por parte do governo, e a gente explicou para eles que com uma tarifa de 100% seria muito difícil fazer negócio. Eles entenderam isso, estão agora avaliando, internamente discutindo, isso passa em um processo legislativo e tudo o mais, o que leva seu tempo, e a gente entende e está esperançoso que seja retirado logo em breve, ou reduzido logo em breve para que possa efetivamente começar os negócios”, diz Rua.

A expectativa é que exista uma grande redução dessa tarifa para próximo de zero. “Esses ajustes são comuns em aberturas de mercado”, completa Rua, para quem, ajustada essa questão da tarifa, o Brasil no ano que vem terá na Argélia um importante parceiro comercial.

O tamanho do potencial ainda está sendo avaliado, mas o país tem 44 milhões de habitantes e o Brasil é, hoje, o segundo maior produtor e maior exportador mundial de carne de frango. É, também, o maior exportador halal de carne de frango, com remessas que somam duas milhões de toneladas por ano.

A principal demanda do mercado argelino é por frango inteiro congelado acima de 1,3 quilograma. Como comparação, o consumidor da Arábia Saudita, país que é um dos maiores importadores de frango brasileiro, prefere frango inteiro menor do que 1,3 kg. Há também, afirma Rua, oportunidades para a venda de frango inteiro desossado congelado, o shawarma, e de carne mecanicamente separada, utilizada para a produção de processados de frango. De acordo com dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (Mdic), não foram registradas remessas de carne de frango para a Argélia em outubro.

Fonte: ANBA
Continue Lendo

Notícias

Câmara de Comércio Árabe Brasileira convoca agro a explorar mercado halal

Em encontro voltado ao agronegócio e adidos agrícolas em Brasília, a diretora de Marketing e Conteúdo da Câmara de Comércio Árabe Brasileira, Silvana Gomes, falou sobre as oportunidades que o setor pode encontrar entre os consumidores muçulmanos.

Publicado em

em

A diretora de Marketing e Conteúdo da Câmara de Comércio Árabe Brasileira, Silvana Gomes, chamou representantes do agronegócio brasileiro a explorarem ainda mais o mercado internacional de produtos halal. A executiva falou a adidos agrícolas e outros profissionais do segmento na última sexta-feira (24) durante o 1º Encontro Nacional do Agro e 5º Encontro dos Adidos Agrícolas do Brasil, na capital federal.

Diretora de Marketing e Conteúdo da Câmara de Comércio Árabe Brasileira, Silvana Gomes – Fotos: Divulgação/ANBA

Os adidos agrícolas atuam na abertura, manutenção e ampliação de mercados para o agronegócio brasileiro. Eles trabalham em embaixadas ou missões diplomáticas, em coordenação com o embaixador e outros diplomatas, para identificar oportunidades, desafios e possibilidades de comércio, investimentos e cooperação no setor.

A Câmara Árabe leva adiante com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil) o Projeto Halal do Brasil, que tem como foco principal promover a presença de alimentos brasileiros com valor agregado e certificado halal no mercado internacional. Os produtos halal são consumidos em países árabes e outras nações muçulmanas, além de outras partes do mundo há essa demanda.

Silvana agradeceu o apoio que o projeto já encontra em ministérios e associações do agronegócio e disse contar com a colaboração de todos os adidos e instituições do segmento para trazer empresas a participarem do Halal do Brasil. O projeto arca com 50% do custo da primeira certificação halal de empresas interessadas. Silvana disse que o apoio ainda é pouco conhecido e chamou os presentes a divulgarem a oportunidade.

A executiva apresentou alguns dados que mostram o tamanho do mercado halal, avaliado em US$ 1,26 trilhões e formado por 2 bilhões de muçulmanos, ou um quarto da população mundial. Ela também contou como os consumidores muçulmanos estão preocupados em verificar a origem e certificação halal dos produtos em suas compras e relatou  algumas iniciativas do projeto Halal do Brasil, como ação durante a feira Mihas, na Malásia, neste ano.

Presidente da ApexBrasil, Jorge Viana

O Halal do Brasil tem o intuito de inserir 500 empresas nacionais no mercado halal. Ele consta de várias fases: a capacitação, na qual as empresas ainda não certificadas recebem informações e são sensibilizadas sobre o halal, o treinamento online e segmentado para companhias interessadas em receber a certificação halal e a promoção comercial, com participação em feiras e em missões internacionais. Também há o apoio para obter a certificação.

O 1º Encontro Nacional do Agro e o 5º Encontro de Adidos Agrícolas foram organizados pela ApexBrasil em parceria com o Ministério da Agricultura e Pecuária, reunindo presidentes e diretores entidades setoriais, autoridades e adidos agrícolas.

O presidente da ApexBrasil, Jorge Viana, esteve presente e falou ao público. O objetivo do evento foi promover diálogo na busca por estratégias para potencializar o agronegócio brasileiro no cenário global. Representantes de vários setores fizeram palestras e debateram. No encerramento estava prevista a presença do vice-presidente e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, Geraldo Alckmin.

Fonte: ANBA
Continue Lendo

Notícias

El Niño ‘dos extremos’ prejudica planejamento da safra de grãos

Excesso de chuvas no Sul e precipitações abaixo do esperado no Centro-Oeste atrasam a semeadura da soja e podem prejudicar a janela ideal de cultivo de milho safrinha.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Arquivo OPR

As condições climáticas atípicas estão afetando o planejamento da safra de grãos. A incidência do fenômeno El Niño, cuja intensidade atingirá o pico no mês de dezembro, vem provocando eventos climáticos extremos, causando danos em áreas de cultivo na maioria das regiões produtoras.

De acordo com o monitoramento de safra realizado pela seguradora FF Seguros, embora a semeadura da safra de soja 2023/24 já esteja em torno de 70% da área estimada, o período vem sendo marcado por incertezas. O clima está prejudicando lavouras em várias regiões do Brasil de maneira diversa e o ritmo das operações de campo enfrenta lentidão, se comparado com as safras anteriores. “Temos um cenário de excesso de chuvas no Sul, principalmente em Santa Catarina e Paraná, então os trabalhos de plantio da safra de soja 2023/24 podem ser suspensos em alguns momentos e há preocupações com a necessidade de replantio causado por alagamentos ou erosão. No Centro-Oeste, há uma tendência de temperaturas acima da média e anomalias de chuvas, com precipitações abaixo do normal. De forma geral, o plantio da safra de soja está atrasado”, analisa o superintendente de agronegócios da FF Seguros, Guilherme Frezzarin.

Existe ainda a perspectiva de que o El Niño tenha influência prolongada, com previsão de manutenção do fenômeno até meados do outono de 2024. Dessa forma, a safra seguinte possivelmente será impactada. “Já começamos a mirar para o planejamento do milho safrinha e avaliar de que forma esse atraso no cultivo da soja poderá causar problemas e riscos de perda de janela ideal do plantio de milho, principalmente no Centro-Oeste”, afirma Frezzarin.

Além de alterar o planejamento das atividades de campo e prejudicar lavouras, esse contexto pode alterar a dinâmica de contratações de seguros. O fenômeno atual está sendo chamado de ‘El Niño dos extremos’, sendo comparável ao histórico de intempéries intensas que foi registrado na safra de grãos 2015/16. A elevação dos riscos associados ao clima leva à conscientização sobre o papel do seguro agrícola e impacta na precificação das apólices.

Outra tendência é o fortalecimento de mais alternativas de financiamento de safras. Esse movimento pode reduzir a dependência dos agricultores dos programas de incentivo governamental para o custeio rural, alterando a tradicional calendarização de contratação de seguros.

Além disso, a perspectiva de ocorrência de eventos climáticos com maior frequência e intensidade poderá ameaçar benfeitorias, como danos em silos causados por vendavais, morte de gado em decorrência de queda de raios, entre outros prejuízos possíveis. Dessa forma, outras modalidades de seguro se tornam cada vez mais relevantes.

Fonte: Assessoria FF Seguros
Continue Lendo
AJINOMOTO SEÇÃO SUÍNOS

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.