Conectado com
VOZ DO COOP

Bovinos / Grãos / Máquinas

Pecuarista não será o último a receber de frigorífico falido

Publicado em

em

O projeto de lei que concede “privilégio especial” aos pecuaristas sobre o pagamento de dívidas de frigoríficos em processo de recuperação judicial ou falência foi sancionado pela presidente Dilma Rousseff no último dia 21 de outubro.
Antes da aprovação, os produtores eram ressarcidos pela venda de bois apenas após o acerto de contas trabalhistas, fiscais e bancárias pela indústria. Agora, passarão na frente dos bancos, ficando em terceiro lugar na escala dos credores. A informação é de Guarim Liberato, assessor do senador Acir Gurgacz (PDT-RO), responsável por propor o projeto em 2011.
Segundo Francisco Maia, ex-presidente da Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul (Acrissul), na prática, pouca coisa muda com a nova lei. “Quando chegava a vez do pecuarista receber o que lhe era de direito já não havia patrimônio para saldar as dívidas e agora, é provável que continue assim", afirma Maia. 
Ele acredita que a lei possa beneficiar alguns produtores, mas não a maioria. “Subimos um degrau nessa escada, mas, na minha opinião, o privilégio não é tão vantajoso quanto parece”.
Maia lembra que quando o projeto foi levado a votação no Congresso o contexto da medida também era diferente. “O pecuarista passava por um momento de insegurança muito grande com a falência de pequenos e médios frigoríficos e a entrega do mercado a três ou quatro empresas”, relembra o ex-presidente da Acrissul. 
Hoje, ele diz que a maior parte da venda de gado é feita à vista, com o animal sendo pesado ainda dentro da propriedade. “Esse cuidado do produtor e a diminuição do número de recuperações judiciais mudou o cenário que se tinha”, explica. De qualquer forma, ele considera que a lei é bem-vinda.
Guarim Liberato, assessor do senador Acir Gurgacz, comentou a sanção presidencial e disse que, apesar de o mercado estar sob controle, no interior do Brasil ainda é comum os produtores ficarem no prejuízo diante da falência dos frigoríficos. 
“A lei não perdeu importância nem validade, processos de fusões e incorporações continuam a acontecer, e o que se propôs foi diminuir o risco que o pecuarista corre nessas situações”, diz o assessor de imprensa. A lei foi publicada no Diário Oficial da União em 22 de outubro e é válida para todo território nacional.

Fonte: Portal DBO

Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas

Singapura abre mercado para extrato de carne bovina brasileira

Essa decisão se une à recente abertura do mercado singapurense para carnes e produtos derivados de ovinos no início do mês.

Publicado em

em

Foto: Shutterstock

O governo de Singapura anunciou a aprovação sanitária para a importação de extrato de carne bovina do Brasil, abrindo novas oportunidades no mercado asiático para este produto. O anúncio foi feito na noite de terça-feira (27) pelo ministro da Agricultura e Pecuária (Mapa), Carlos Fávaro. “Fevereiro nem terminou e o primeiro bimestre do ano já é recorde de abertura de mercados”, frisou.

Essa decisão se une à recente abertura do mercado singapurense para carnes e produtos derivados de ovinos no início do mês.

Em 2023, o Brasil exportou cerca de US$ 685 milhões em produtos agrícolas para Singapura.

Este é a décima sexta barreira comercial agrícola que o Brasil supera somente este ano, destacando uma tendência positiva nas relações comerciais entre os dois países.

Fonte: Com informações Mapa
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas Na Expodireto Cotrijal

2º Fórum da Carne Bovina vai debater tecnologia e mercado futuro para o setor

Palestras organizadas pelo Instituto Desenvolve Pecuária ocorrerão na Expodireto Cotrijal, em Não-Me-Toque (RS).

Publicado em

em

Comunicação como instrumento de crescimento da agropecuária no Brasil será tema da palestra ministrada pelo professor doutor José Luiz Tejon Megido - Foto: Divulgação

O Instituto Desenvolve Pecuária, juntamente com a Cotrijal e Cotripal, vão promover o 2º Fórum da Carne Bovina, dentro da programação da Expodireto Cotrijal. A feira ocorrerá entre os dias 04 e 08 de março, em Não-Me-Toque (RS). A Expodireto Cotrijal é uma das maiores feiras do agronegócio, focada em tecnologia e negócios. O tema do 2º Fórum da Carne será “Tecnologia, Mercado e Cultura da Carne: conexões para o futuro da carne no Rio Grande do Sul”. O fórum ocorrerá no dia 5 de março a partir das 13h30min no auditório da produção e contará com três palestras.

Na primeira, Pedro Albuquerque falará sobre o tema “Papel da Pecuária na Estabilidade dos Sistemas de Produção em Áreas de Soja”. Ele é engenheiro Agrônomo formado pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), com doutorado e pós-doutorado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Albuquerque tem experiência nas áreas de ecologia do pastejo, manejo de pastagens e integração lavoura-pecuária.

A segunda palestra abordará o tema “Programas para Carnes de Qualidade: o Case Cotripal”. Irão palestrar o gerente no Frigorífico da Cotripal, Roberto Calza, e o produtor rural, agricultor e pecuarista Emerson Peukert Schaedler. Calza é Técnico Agropecuário, graduado em Administração pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), com MBA em Gestão Comercial pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e pós graduando em Gestão de Inovação em Organizações Cooperativas pela Escola Superior do Cooperativismo (Escoop). Schaedler é sócio proprietário da Fazenda Bela Vista e do Haras Santa Juvita, localizados em Boa Vista do Cadeado. Entre as distinções, Schaedler foi campeão por 2 anos consecutivos da Liga i2X de produtividade de soja em área de ILP e premiado no ano de 2022 pela Associação Brasileira de Angus na modalidade “Produtor Revelação”.

A terceira palestra terá como tema “A Comunicação como Instrumento de Crescimento da Agropecuária no Brasil. O palestrante é o professor José Luiz Tejon Megido, doutor em Educação pela Universidad de La Empresa/Uruguai, Mestre em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Mackenzie, é jornalista, publicitário, com especialização em Harvard, Pace University e MIT – USA e Insead – França. Tejon também é coordenador acadêmico do Master Science Food & Agribusiness Management da Audencia Business School em Nantes/França, Coordenador do Agribusiness Center da Fecap em São Paulo, professor convidado FIA/USP e Insper.

O presidente da Comissão de Relacionamentos Institucionais e Comerciais do Instituto Desenvolve Pecuária, João Gaspar de Almeida, ressaltou a qualidade dos palestrantes e a importância de discutir a pecuária do Rio Grande do Sul. “O Instituto Desenvolve Pecuária se sente orgulhoso de poder contribuir nesse debate numa feira tão importante como a Expodireto e discutir a pecuária na Metade Norte gaúcha”, concluiu.

O Segundo Fórum da Carne é uma parceria do Instituto Desenvolve Pecuária com a Cooperativa Agropecuária e Industrial (Cotrijal) e a Cotripal Agropecuária Cooperativa, com o apoio da Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado do Rio Grande do Sul (FecoAgro/RS).

Fonte: Assessoria Expodireto Cotrijal
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas

Baixa oferta de trigo com qualidade no Brasil eleva importações 

Ainda que muitos agentes de moinhos se mostrem abastecidos, os compradores ativos no spot estão em busca de trigo com qualidade superior

Publicado em

em

Foto: José Henrique Chagas

Em meio à baixa oferta de trigo com qualidade no mercado doméstico, as importações brasileiras do cereal estão aquecidas. Até a terceira semana de fevereiro, as compras nacionais do produto somavam 383,95 mil toneladas, acima das 291,63 mil toneladas adquiridas em todo o mês de fevereiro do ano passado – dados Secex.

Segundo pesquisadores do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), ainda que muitos agentes de moinhos se mostrem abastecidos, os compradores ativos no spot estão em busca de trigo com qualidade superior – no entanto, o clima desfavorável prejudicou o desenvolvimento da safra brasileira, elevando a importação do produto, sobretudo de países do Mercosul.

Do lado vendedor, produtores estão focados no planejamento de área para a nova temporada. Pesquisadores do Cepea ressaltam que as perdas de produtividade observadas em anos recentes e os preços internos operando nos menores patamares desde 2020 podem desestimular a semeadura de trigo.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.