Conectado com

Empresas

ORO AGRI projeta crescimento recorde no Brasil

Este planejamento ambicioso já é resultado imediato da aquisição da empresa pelo Grupo Omnia, em uma negociação na ordem de US$ 100 milhões.

Publicado em

em

Presente em mais de 100 países, a ORO AGRI planeja elevar sua participação em 200% no Brasil, nos próximos cinco anos. Este planejamento ambicioso já é resultado imediato da aquisição da empresa pelo Grupo Omnia, em uma negociação na ordem de US$ 100 milhões.

A matriz da Omnia fica em Johanesburgo, na África do Sul, e tanto ela como a ORO AGRI atuam na agricultura brasileira desde 2008. “Tornar-se uma divisão internacional da Omnia aumentou nossa capacidade de investimento, não só no desenvolvimento de novos produtos como também na ampliação do número de fábricas”, avalia Luís Carlos Cavalcante, gerente geral da ORO AGRI  na América do Sul.

Segundo o executivo, o perfil inovador da ORO AGRI foi o que mais chamou a atenção da Omnia. A empresa buscava ampliar presença global e maiores oportunidades em novas tecnologias e produtos. Em outras palavras, a ORO AGRI proporcionou à empresa compradora acesso a uma geografia mais abrangente e, pelo menos, dez lançamentos mundiais previstos para os próximos anos.

Para dar suporte à chegada dos novos produtos, a fábrica brasileira da ORO AGRI, localizada em Arapongas (PR), terá a capacidade produtiva multiplicada. Desde 2012, essa será a quarta ampliação. Antes mesmo da negociação, a companhia já vinha de um crescimento de 90% no mercado brasileiro em 2017.

“Muito em breve a ORO AGRI será a divisão mais importante dos negócios da Omnia, tanto em faturamento quanto em lucratividade”, garante Cavalcante. A sinergia existente entre as duas empresas e o fato dos produtos da primeira estarem em franca expansão deverão encurtar a jornada.

ORO AGRI no Brasil

Tendo iniciado suas atividades em 2002 e presente no Brasil desde 2008, ORO AGRI é o acrônimo de Orange Oil for Agriculture ou Óleo de Laranja para Agricultura, traduzido para o português. O uso do óleo essencial da casca de laranja na agricultura e pecuária é exclusivo da ORO AGRI, devido a uma patente mundial da companhia, que, atualmente, possui quatro fábricas no mundo e operações bastante estabelecidas nos Estados Unidos, Europa, Ásia, África e Oceania.

“O empresário sul-africano Erroll Pullen fundou a ORO AGRI ao descobrir que o óleo essencial da casca de laranja utilizado na mineração tinha propriedades extremamente úteis na agricultura”, relembra Jeferson E. Philippsen, gerente de Produtos da ORO AGRI.

Segundo Philippsen, o principal diferencial é que os produtos da empresa precisam de apenas 15 minutos para serem absorvidos pela planta, mesmo que chova após esse intervalo, algo garantido apenas pela ORO AGRI. Foi a partir desta descoberta que nasceu a tecnologia Trans-Rapid™. Posteriormente, foi lançada a TransPhloem™, que aborda o processo de translocação dentro das plantas.

“A inovação está em nosso DNA. Começamos com um produto sem igual e sempre buscamos algo novo. Os lançamentos previstos para os próximos anos, por exemplo, serão soluções para problemas graves da agricultura e da pecuária para os quais ainda não existem produtos eficientes”, adianta Philippsen.

Como resultado, a empresa registra crescimento substancial. Em 2016, foi de 40%; em 2017, aumentou as vendas em 90% e deve encerrar 2018 com um faturamento de R$ 100 milhões. “Isso não nos deixa satisfeitos. Nosso mote é continuar na vanguarda das inovações tecnológicas da agricultura brasileira e mundial”, frisa Cavalcante

O gerente geral das operações na América do Sul atribui os números à credibilidade dos produtos perante os produtores rurais, à capilaridade da rede de distribuição e à qualidade da equipe de campo. A ORO AGRI  não possui representantes comerciais autônomos. Os técnicos regionais são Engenheiros Agrônomos contratados em regime CLT e respondem juridicamente pela empresa, condições que favorecem o âmbito das negociações, conferindo responsabilidade, compromisso e credibilidade junto aos clientes.

Nos demais países, o foco da empresa está na fruticultura, já no Brasil os maiores mercados são as culturas de soja, milho e algodão. “O Brasil também é o único país onde desenvolvemos produtos voltados para pastagens”, ressalta Philippsen. Com 10% de um mercado bastante pulverizado, a Oro Agri lidera as vendas de surfactantes no País.

A fábrica brasileira fica em Arapongas (PR) e gera 70 empregos diretos. Os produtos mais comercializados por aqui são WETCIT, ORO-FAST, ORO-STAR, ORO-CINETIC, COWBOY e ORO-GRASS. Os dois últimos, voltados à pecuária.

Grupo Omnia

A empresa é uma multinacional que nasceu há mais de 60 anos na África do Sul, estando presente em 24 países. O grupo tem faturamento de US$ 2,5 bilhões e capital aberto na Bolsa de Valores de Johannesburgo, sendo dividido em quatro unidades de negócios: agricultura, químicos, mineração e trading de investimentos.

Na Agricultura é representada pela Omnia Fertilizantes, líder de mercado no continente Africano e pioneira na produção de NPK granulado e fertilizantes líquidos para aplicação no solo. Produz e comercializa fertilizantes no continente Africano e Oceania, além de exportar para Europa, Ásia e América.

Nas últimas décadas, o Grupo Omnia tem investido pesado em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) em nutrição vegetal, ciência do solo e uso eficiente de água. Qualidade evidente também na ORO AGRI, que possui parcerias com dezenas de instituições de pesquisas dentro e fora do Brasil.

Fonte: Ass. de Imprensa

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × três =

Empresas

Executiva da Boehringer Ingelheim fala sobre a detecção precoce de doenças respiratórias em suínos por meio de ferramentas inovadoras

A ferramenta SoundTalks® monitora e analisa os sons das tosses dos suínos na propriedade para detectar doenças respiratórias e intervir de maneira precoce, resultando em redução de custos com tratamentos e maior produtividade

Publicado em

em

FOTOS: JULIO VILELA e O Presente Rural

Durante o Sinsui 2022, realizado em Porto Alegre (RS), a Consultora de Novos Negócios para a área de Suínos da Boehringer Ingelheim no Brasil, Elisa De Conti, promoveu um painel com o tema “Tecnologia de precisão no combate de doenças respiratórias”, onde apresentou dados relevantes sobre a importância da detecção precoce de doenças respiratórias em suínos e os meios e ferramentas para atingir este objetivo.

Uma opção é a tecnologia SoundTalks®, da Boehringer Ingelheim. Ele é composto por dois equipamentos: um monitor que capta os sons do ambiente na granja e um aparelho que faz a filtragem dessa captação, separando apenas os sons respiratórios emitidos pelos suínos, que, por meio de inteligência artificial e machine learning, detecta possíveis doenças respiratórias nos animais antes de apresentarem sintomas clínicos. Esses alertas precoces são fundamentais para que o suinocultor interfira com antecedência, evitando a propagação da doença, infecções secundárias e grandes perdas econômicas. Além disso, evita uma intervenção mais incisiva por meio de antimicrobianos, garantindo o bem-estar dos animais.

Elisa explica que o SoundTalks® vai muito além de uma contagem de tosse nos suínos. “A ferramenta trabalha com sintomas clínicos respiratórios, fazendo uma métrica deles, trazendo um valor que vai de 0 a 100, indicando o status respiratório da granja de forma contínua, em tempo real”. E finaliza: “Esses dados ficam disponíveis ao produtor por meio de um aplicativo, favorecendo a rapidez de ação em casos de possíveis surtos”.

Já o diretor da área de Aves e Suínos da Boehringer Ingelheim, Abílio Alessandri, enfatiza o DNA de inovação da empresa: “Nós temos um compromisso com a cadeia de produção de proteína animal no Brasil. Por isso, procuramos sempre trazer novas vacinas, soluções e tecnologias para garantir proteína animal segura e nutritiva na mesa dos brasileiros”.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas Cuidados redobrados

Meses mais frios do ano e confinamento são ideais para aumento das doenças infecciosas em bovinos

O médico veterinário Thales Vechiato, esclarece o quanto se perde com esses problemas

Publicado em

em

Divulgação Syntec

Com a chegada do período mais frio do ano, as infecções respiratórias tornam-se mais frequentes em bovinos de todas as idades e podem causar queda de desempenho tanto no gado de corte quanto no de leite, aumentando os custos com a sanidade nas propriedades. O médico veterinário Thales Vechiato, gerente de produtos para grandes animais da Syntec do Brasil, esclarece o quanto se perde com esses problemas. “Estima-se que um bovino com pneumonia pode perder de 50 a 200g/dia de peso, ou seja, no final do período de confinamento de 90 dias o impacto negativo pode atingir 1,2 arroba por animal. Esse desafio é ainda maior devido à incidência da doença subclínica nos animais. Basta fazer a conta para ter noção clara das perdas em produtividade”.

Além dos problemas, como a pneumonia, o veterinário da Syntec alerta que as doenças respiratórias não são as únicas que merecem atenção nesse período. “Os pecuaristas também devem ficar atentos aos processos infecciosos gastrointestinais, no gênito urinário e em decorrência de feridas, além do controle parasitário condizente com a época do ano”, diz. Ele complementa que os bovinos são acometidos por inúmeras infecções, ocasionando doenças respiratórias, locomotoras, reprodutivas e digestivas. “É o caso das diarreias em bezerros, que representam um problema recorrente e importante”, assinala o especialista.

Vechiato explica que as infecções respiratórias decorrem da contaminação por agentes microbianos, vírus ou bactérias, que invadem e colonizam o trato respiratório dos animais. “As portas de entrada podem ser o contato entre animais ou a queda de imunidade, predispondo o acesso de bactérias presentes na cavidade oro nasal dos bovinos”.

Para evitar processos infecciosos em bovinos, o gerente de produtos da Syntec recomenda que é preciso realizar rondas diárias nos lotes para identificar rapidamente bovinos doentes e proceder com tratamento imediato, minimizando perdas. “Para identificar animais com possíveis infecções, é preciso estar atento, primeiramente, à queda de desempenho produtivo (redução no ganho de peso e menor produção de leite). Esse é um indicativo de que algum quadro infeccioso pode estar ativo. Para descobrir a origem do problema, é fundamental a presença e o acompanhamento do médico veterinário”.

A Syntec do Brasil oferece Oxitetraciclina L.A. 20%, antibiótico injetável de amplo espectro de ação e que oferece ação prolongada em uma única aplicação. O medicamento tem a vantagem de atingir concentrações séricas em curto espaço de tempo e apresentar meia-vida por um período mais estendido quando comparado a formulações convencionais. Para efeito mais eficaz, Oxitetraciclina pode ser utilizado com Maxitec, anti-inflamatório à base de Meloxicam 3% que possui propriedades antipirética e analgésica, sendo indicado para o tratamento de inflamação, febre e dor associados às injúrias musculoesqueléticas, teciduais ou viscerais. E, para contribuir com o rápido retorno a produtividade, os medicamentos podem ser administrados com ADE, solução injetável à base de Vitamina A, Vitamina D3 e Vitamina E, indicada para animais que possuem deficiência clínica ou subclínica dessas vitaminas e auxiliam na recuperação animal.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas Reforço de equipe

Braga é o novo Gerente de Produtos Global Ruminantes da ICC

Profissional passa a integrar o time corporativo da ICC e contribuirá para o desenvolvimento da linha de soluções para ruminantes globalmente

Publicado em

em

Fernando Braga / Divulgação

Fernando Braga é graduado em Medicina Veterinária pela Universidade de São Paulo (USP), Mestre em Reprodução Animal pela mesma instituição de ensino, especialização em Administração de Empresas e Marketing pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Durante seus 14 anos de experiência com produção animal, dez foram dedicados ao desenvolvimento, posicionamento, geração de demanda, inteligência de mercado e suporte ao time de vendas.

Sua missão, em conjunto com o time de marketing corporativo, será dar apoio estratégico ao time comercial da ICC. “Vejo que a empresa está em momento de estruturação para um importante crescimento sustentável. Neste sentido, uma das minhas atribuições será padronizar a linguagem do marketing para a área de ruminantes nas regiões que estamos presentes com propostas de valores alinhadas. Em resumo, um posicionamento estratégico das nossas soluções e programas de forma integrada”, insere o recém-contratado.

Fernando destaca que este será um importante desafio e está motivado com esta oportunidade. “Isso porque a empresa traz uma abordagem sustentável, transformando coprodutos da indústria de etanol e açúcar em aditivos nutricionais naturais de alto valor agregado para produção animal”, considera e avalia este ponto como um dos principais focos de abordagem cuja missão é gerar valor aos clientes, seja pela diminuição dos custos de produção ou pelo aumento do desempenho produtivo.

“Este é mais um passo importantíssimo que mostra nosso investimento constante em pessoas altamente capacitadas. Fernando chega para apoiar os nossos sete gerentes de negócios e todas as suas equipes que estão espalhados em mais de 70 países, nos cinco continentes. Assim vamos servir cada vez melhor os nossos clientes e a produção animal sustentável”, destaca o Diretor Global de Marketing e Vendas da ICC Brazil, Otavio Fregonesi.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
EVONIK 2022

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.