Conectado com

Suínos / Peixes Novas oportunidades

O peixe além do filé

Oferecer produtos variados, pré-prontos ou mesmo com embalagem distintas fazem a diferença no momento da compra e agregam valor ao produto

Publicado em

em

Divulgação

Segundo a Associação Brasileira de Piscicultura (Peixe BR), o Brasil produziu mais de 722 mil toneladas de peixes de cultivo em 2018, um crescimento de 4,5% se comprado a 2017. Deste total, 55,4% é representado somente pela tilápia, hoje considerada a espécie mais importante de peixes cultivados no país. Dessa forma, o Brasil é o quarto maior produtor de tilápia do mundo. Porém, apesar de todo este montante, o setor ainda “patina” em muitos quesitos se comprado a outras proteínas. Seja na questão exportação, consumo e, até mesmo, marketing, o peixe ainda fica muito atrás.

Durante o 1º Fórum de Piscicultura das Cooperativas Paranaenses, que aconteceu em junho em Toledo, no Oeste do Estado – principal polo produtor de tilápia do país –, o doutor em Ciências Ambientais e pesquisador de piscicultura Aldi Feiden falou sobre mercado, expectativas do consumidor e o que fazer para agregar valor ao produto que o piscicultor e as cooperativas estão entregando ao mercado.

De acordo com Feiden, atualmente a tilápia se tornou uma commodity, já que é vendida em grandes volumes. “Por conta disso os preços internacionais estão caindo. Dessa forma, o Brasil acaba não se tornando muito competitivo no setor de exportação”, comenta. Ele explica que o principal mercado atualmente são os Estados Unidos, que abrangem mais da metade da produção mundial. “Mas existem outros mercados que são interessantes e que o Brasil pode entrar, a exemplo do que foi feito na área de suínos e aves. Estes são mercados que chamamos de periféricos, mas estáveis, onde se consegue um valor agregado maior”, afirma.

O estudioso diz que o Oeste do Paraná é uma região onde o custo de produção é menor que em todas as outras do país, mas que ainda existem detalhes que podem ser feitos para reduzir ainda mais estes custos. Apesar de uma grande produção e baixos custos de produção, o país enfrenta a dificuldade do consumo. “Ainda é muito baixo (o consumo). Fiz uma pesquisa nesta região em junho deste ano, peguei o município de Toledo, que é uma cidade que consome bastante peixe, mas se comparado proporcionalmente, ainda é uma proteína pouco consumida, sendo, inclusive, abaixo da média nacional”, informa.

Já quando o assunto é exportação, Feiden comenta que o Brasil ainda ocupa uma parte irrisória desse mercado. “Como comentei, o principal mercado, que é os Estados Unidos, não atendemos nem 0,01% dele. Enquanto isso, há países que dominam isso, como é o caso da China, que ocupa 61%”, conta. Há outros países que também abocanham este mercado e exportam bastante, explica o estudioso, como é o caso de Honduras, México e Equador. “Neste mercado nós temos algumas barreiras e o câmbio ainda é um grande problema. Então, para exportar para esse mercado mais exigente é complicado”, diz. A Europa, cita, também é um local complicado, visto que o Brasil ainda conta com barreiras sanitárias para ele. “Então é preciso estudar muito em quais mercados atuar, principalmente os periféricos, mas que o país tem parcerias consolidadas com outras cadeias de produção”, afirma.

Quanto ao mercado nacional, o pesquisador diz que a tendência é crescer ainda mais nos próximos 20 anos. “Estamos crescendo mais de 20% ao ano nos últimos 10 anos. Isso é melhor que o mercado chinês. E a lucratividade está muito boa”, assegura. Porém, diz que ainda existe um problema, que é repassar os custos. “E nesse sentindo as cooperativas têm esse papel, porque elas têm uma estrutura de logística já instalada, além de diversos pontos de venda, o que facilita muito”, afirma.

Mais que filé

Algo que ainda é um desafio para o peixe, assim como para outras proteínas animais, é a agregação do valor do produtor. “Hoje é usada somente o filé da tilápia, que é um terço do peixe. Então, temos uma série de outros produtos que poderiam ser usados de forma industrial, como é o caso das escamas, a fabricação de farinhas, entre outros”, comenta. Uma das indicações de possibilidade de agregação de valor ao produto é muito simples, explica Feiden. “Há a possibilidade de fazer diferentes formas de embalagem e processamento. São inovações para o mercado e que possibilitam esse aumento do valor. Há ainda os produtos em pratos prontos, novos processados. Já tem no Brasil e no exterior, mas é preciso explorar mais”, afirma.

A própria indústria, de acordo com o pesquisador, pode usar estratégias de marketing para atender a estes mercados segmentados e mais exigentes. “Desde produtos humanos até pets, há nichos de mercados que podem ser explorados. Como produtos de certificação orgânica, utilização da pele do peixe para pacientes com queimaduras, uma série de atividades que envolvem a tilapicultura no Brasil”, comenta.

Outras estratégias que podem ser utilizadas, de acordo com Feiden, é que a indústria pode trabalhar para colocar o filé, por exemplo, em mercados que são melhores pagadores, que têm um nível de receita melhor, como em grandes centros, onde as pessoas têm um poder aquisitivo maior.

Outros produtos que podem ser desenvolvidos nesse sentido, segundo o pesquisador, é fazer alimentos prontos, como lasanhas, pratos prontos, congelados e processados. “Produtos que o consumidor só precisa colocar no micro-ondas. Até porque o que o consumidor quer hoje é praticidade, peixe que não tem cara de peixe”, afirma. Para Feiden, é preciso desenvolver ainda estratégias para os outros nichos de mercado. “Por exemplo, é produzido o frango halal, que é para o mercado árabe. Por que não produzir peixe dessa forma? Atender este mercado?”, questiona.

Além do mais, Feiden afirma que o mercado para investir na piscicultura ainda é grande no Brasil. “Temos várias cooperativas menores, principalmente no Oeste do Paraná, que poderiam investir em plantas frigoríficas. O mercado é amplo e cabe muito mais gente do que temos hoje. Somente nesta região do Paraná são utilizadas menos de um terço da área. Ainda há muito o que explorar”, diz.

Consumidor quer produto diferenciado

A agregação de valor tão comentada por Fedein vai, inclusive, atender ao que o consumidor está pedindo. “Hoje os jovens querem peixe sem cara de peixe. Eles querem almôndega, nuggets, este tipo de produto. Quem gosta deste peixe tradicional são pessoas com idade acima de 40 anos”, afirma. Segundo o pesquisador, os produtos processados são para os mais jovens, aqueles que querem tirar o produto da embalagem e ele já estar pronto para o rápido preparo. “O cara não quer descongelar o peixe, temperar, empanar e depois fritar”, explica.

Assim, comenta, esses produtos diferenciados tem um grande apelo de mercado. “Nesse sentindo ainda temos poucos produtos brasileiros. O que existe no mercado é basicamente o filé empanado, tipo frango, em um plástico e pronto. Você não vê produtos em várias marcas diferentes, como acontece com a linguiça, por exemplo”, diz. “Em grandes centros já vemos pratos prontos, uma tilápia com molho tal e tal acompanhamento, além de balanço nutricional. E quem faz isso cobra por este diferencial, agrega valor”, afirma. Para Feiden, são nestes detalhes que muitas empresas ainda precisam trabalhar. “O que falta bastante é o marketing, embalar o produto de uma forma diferente, melhorar ele. Para o consumidor, estes detalhes fazem toda a diferença”, crava.

Outras notícias você encontra na edição de Suínos e Peixes de julho/agosto de 2019 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × 3 =

Suínos / Peixes Mercado

Embarques de carne suína aumentam 13,2% em novembro

Em receita, o saldo das exportações de novembro totalizou US$ 149,3 milhões

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

As exportações brasileiras de carne suína (considerando todos os produtos, entre in natura e industrializados) alcançaram 66,4 mil toneladas em novembro, volume 13,2% superior às 58,7 mil toneladas embarcadas no mesmo período do ano passado, informa a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

Em receita, o saldo das exportações de novembro totalizou US$ 149,3 milhões, número 42,3% maior que o efetivado no mesmo período de 2018, com US$ 104,9 milhões.

Já no acumulado do ano (janeiro a novembro), os embarques de carne suína alcançaram 674,2 mil toneladas, saldo 14,4% superior ao efetivado no mesmo período do ano passado, com 589,2 mil toneladas.

Em receita, o valor total das vendas em 2019 alcançou US$ 1,413 bilhão, número 27,9% acima do registrado no mesmo período de 2018, com US$ 1,105 bilhão.

“O impulso das vendas para a Ásia segue sólido nas exportações do setor. Na comparação entre novembro deste ano e do ano passado, a diferença é positiva em 117%.  No mesmo passo, Hong Kong incrementou suas compras em 25%”, ressalta Francisco Turra, presidente da ABPA.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Suínos / Peixes Sanidade

Salmonella na suinocultura: como prevenir-se contra este inimigo?

Além de cuidados com a biosseguridade, a vacinação é uma medida muito eficaz na redução do agente nos suínos

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Artigo escrito por Luciana Fiorin Hernig, médica veterinária e coordenadora Técnica de Território da Boehringer Ingelheim

A Salmonelose é um tema de extrema importância na saúde pública em todo mundo, pois é uma das principais doenças transmitidas por alimentos, incluindo a carne de frango e de suínos, que pode causar intoxicação alimentar. A avicultura já há alguns anos vem enfrentando fortes exigências em todos os níveis da produção com foco em redução deste agente no produto final, atendendo inclusive exigências do comércio internacional para exportação da carne brasileira.

Na suinocultura a Salmonelose caracteriza-se por quadros que variam de acordo com a suscetibilidade dos animais e a virulência das cepas. A Salmonella é endêmica no Brasil e sua prevalência é alta em suínos, que podem se infectar com vários dos mais de 2500 sorovares já identificados. Essa bactéria é transmitida principalmente pela via fecal-oral e os quadros clínicos mais comuns são enterites agudas ou crônicas, podendo passar despercebidas, e a septicemia, que pode ocorrer em um curto prazo, levando inclusive a alta morbidade e mortalidade. Esses sinais clínicos em suínos são causados majoritariamente pela S. Tiphymurium e S. Choleraesuis (sorovar adaptado ao suíno). Nos últimos anos, a ocorrência de quadros septicêmicos causados por essa bactéria em suínos aumentou no Brasil, principalmente nas fases de creche e crescimento, gerando prejuízos consideráveis.

Além disso, sabe-se que existem suínos que portam a Salmonella nos linfonodos e tonsilas, sem manifestar sinais clínicos, e que em situações de estresse, como o transporte desses animais para o abate, por exemplo, aumentam a excreção desse agente através das fezes, contaminando outros suínos e o ambiente no frigorífico. Este fato associado as exigências do Mapa em relação a identificação deste agente nas carcaças ao abate, com a obrigatoriedade de coleta de amostras para análise laboratorial conduzido por cronograma oficial, tem tornado o controle da Salmonella na suinocultura um tema cada vez mais frequente de discussões. Despertou-se um alerta para necessidade de se agir no intuito de reduzir a prevalência de animais que portem este agente, não só na linha de abate, mas em todos os estágios de produção.

Contudo, manter o rebanho controlado em relação a algumas doenças através do uso massivo de antimicrobianos tem deixado de ser a opção de eleição, à medida que se entende e aceita que o uso exacerbado de algumas moléculas tem contribuído para o aparecimento de resistência na produção animal e em agentes que infectam inclusive humanos. Há ainda estudos mostrando que diferentes cepas de Salmonella encontradas em granjas no Brasil apresentam resistência a mais de uma molécula.

Medicar os suínos com antimicrobianos reduz a presença de sinais clínicos e a mortalidade em casos onde os animais adoecem, porém, esta é uma ação curativa que precisa ser aliada a medidas preventivas mantidas em prática diariamente. Neste caso, a prevenção está diretamente relacionada a redução dos fatores de risco no ambiente, ou seja, a adoção de medidas de biosseguridade. Os postos-chave estão associados aos cuidados para minimizar a transmissão as Salmonella, que pode acontecer de várias formas. Estas podem ser através da entrada de animais portadores no plantel, água e/ou ração contaminadas, falhas no processo de limpeza/desinfecção/vazio sanitário (Figura 4), mistura de leitões de diferentes origens, presença de agentes que carreiam a bactéria, como roedores, pássaros, moscas, pessoas, veículos.

É fundamental também garantir a adoção de um bom manejo de colostro para promover uma maior proteção dos leitões durante a fase de lactação. Mas, com a queda da imunidade materna para Salmonella ao desmame, a vacinação dos leitões torna-se uma ferramenta muito importante como forma de prevenção para as fases seguintes da vida dos suínos. A vacina deve ser capaz de estimular a imunidade celular para auxiliar na eliminação desta bactéria nos órgãos alvos e sua excreção para o ambiente, bem como reduzir a presença desta nos linfonodos e tonsilas. Tendo em vista que trata-se de um agente intracelular facultativo, é importante que a vacina consiga estimular a imunidade celular. A opção de vacina viva atenuada é uma ótima ferramenta neste caso, pois estimula o desenvolvimento de imunidade celular e de mucosa (Imunoglobulina A – IgA).  Existe no mercado a opção de fornecimento da vacina viva por via oral, que não causa reações adversas nos leitões, reduzindo o estresse associado a este manejo nos animais.

O movimento de restrição no uso de antimicrobianos tem levado à busca de alternativas que propiciem a melhora na saúde intestinal dos suínos como o uso de probióticos, prébioticos, óleos essenciais, entre outros, para reduzir os efeitos causados pelo estresse nos animais que leva a um desequilíbrio da microbiota do intestino. Neste sentido, um estudo canadense, ao comparar diferentes estratégias para redução da quantidade de Salmonella carreada pelos suínos, mostrou que o uso de uma vacina viva inativada administrada por via oral para Salmonella foi associada a redução na presença de S. Typhimurium no íleo e nos linfonodos mesentéricos. Assim mostrando que a vacinação pode contribuir não apenas com a diminuição nos casos clínicos causados pelo agente, mas também ser benéfica quando a preocupação são os animais que carreiam o agente sem manifestar a doença e contaminam o frigorífico. Outro estudo mostrou ainda que o uso de vacina oral para Lawsonia intracellularis culminou com a redução na excreção de Salmonella Typhimurium em suínos co-infectados com estas bactérias.

Considerando, portanto, que a Salmonella é um agente relevante quando se trata de saúde pública e tem gerado prejuízos nas granjas com quadros não apenas de enterocolites, mas também septicêmicos, é imprescindível que se conheça as estratégias de prevenção a serem adotadas. Além de cuidados com a biosseguridade, a vacinação é uma medida muito eficaz na redução do agente nos suínos, promovendo a imunidade nos animais e, consequentemente, minimizando a excreção deste para o ambiente.

Outras notícias você encontra na edição de Suínos e Peixes de outubro/novembro de 2019 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Suínos / Peixes Sanidade

Suspeita de doença bacteriana: saiba como coletar e enviar amostras ao laboratório

Obtenção de um resultado correto para estabelecer o melhor tratamento a campo está intimamente ligada à qualidade da amostra recebida pelo laboratório

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Mariana Dall’Agnol, médica veterinária, residente em Sanidade Animal pela Universidade Federal de Goiás; Sarah Rodrigues Chagas, médica veterinária, mestranda em Ciência Animal pela Universidade Federal de Goiás; e Lívia Mendonça Pascoal, médica veterinária, professora de Sanidade de Suínos da Universidade Federal de Goiás

Há décadas são utilizados antimicrobianos na produção animal, tanto como promotores de crescimento quanto para tratamento de doenças. Sabe-se que a utilização indiscriminada – e muitas vezes incorreta – de antibióticos corroborou com a seleção de bactérias mais resistentes.

O surgimento dessas cepas resistentes no campo dificulta e onera o tratamento das doenças, diminuindo a produtividade e aumentando o custo de produção. Ainda, há o risco à saúde pública, visto que a grande parte das bactérias com potencial de resistência não é espécie-específica e pode causar infecção em humanos. Tendo isso em vista, o isolamento de agentes bacterianos e a determinação da sensibilidade aos antimicrobianos são essenciais para estabelecer o melhor tratamento para cada situação, evitando gastos desnecessários com antibióticos assim como o surgimento de bactérias multirresistentes.

Para um adequado diagnóstico bacteriológico, a qualidade da amostra é fundamental. Porém, erros nas fases de coleta, acondicionamento e envio das amostras continuam sendo comuns e interferem diretamente nos resultados obtidos, podendo até mesmo inviabilizar o processamento. Para minimizá-los, é fundamental atenção aos pontos a seguir.

Planejamento

O procedimento para coleta e envio de amostras deve ser planejado. Nesse momento, entrar em contato com o laboratório ajudará a esclarecer dúvidas sobre os materiais necessários, a forma correta de coleta e envio das amostras e testes disponíveis.

Além disso, visitas com objetivo de coleta de amostras devem ser realizadas preferencialmente no início da semana, considerando também o tempo gasto entre a granja e o local de despacho para o laboratório. É importante se atentar aos horários de funcionamento desses locais.

Seleção de animais

A seleção dos animais para a coleta de amostras é de fundamental importância. As amostras devem proceder de animais vivos ou recentemente mortos e que apresentem sinais iniciais da doença, pois geralmente é na fase aguda quando há maior excreção do agente etiológico. Animais mórbidos ou mortos há horas não devem ser amostrados, pois esses geralmente apresentam infecções bacterianas secundárias e oportunistas que podem inviabilizar a identificação e isolamento do patógeno primário. Animais em tratamento, principalmente com antibióticos, também não devem ser amostrados.

Coleta de amostras

Deve-se coletar amostras das bordas das lesões pois a multiplicação bacteriana é mais ativa nesses locais, colhendo tecido macroscopicamente alterado e normal. A coleta deve ser feita de forma mais asséptica possível. Frascos, tubos, seringas, agulhas e demais instrumentais devem estar esterilizados e retirados de suas embalagens somente no momento da coleta. Amostras contaminadas dificultam a realização das provas diagnósticas e a interpretação dos resultados.

Identificação das amostras

É necessário que os frascos e embalagens contendo as amostras sejam corretamente identificados com etiquetas resistentes à umidade, como por exemplo, esparadrapo. É imprescindível que as informações estejam legíveis. Para escrever, use lápis ou caneta permanente resistente a água e cole as etiquetas no frasco, tampa e saco (figuras 1, 2 e 3).

Deve-se encaminhar uma ficha de identificação dos animais e da propriedade junto às amostras. Em geral, os laboratórios possuem uma ficha própria, e por isso é recomendável acessar o site ou entrar em contato com seu laboratório de preferência para obter esse documento. Normalmente, as informações pedidas incluem nome do solicitante, contato (endereço, telefone, e-mail), espécie animal, faixa etária, curso da doença, achados de necropsia e suspeita de diagnóstico.

Conservação das amostras e envio ao laboratório

As amostras devem ser embaladas de forma segura, impedindo vazamento e entrada de água no material coletado. Recomenda-se utilizar três embalagens: (1) as primárias, que ficam em contato direto com a amostra (tubos, sacos para coleta) e devem conter a identificação individual da amostra; (2) secundárias, que geralmente são sacos plásticos transparentes, envolvendo as embalagens primárias e que também devem ser identificadas; e (3) terciárias, que são as caixas isotérmicas, onde as amostras devem ser acondicionadas seguras e firmes, evitando o tombamento dos frascos.

As amostras devem ser mantidas em refrigeração (2 a 8°C) desde a coleta até a hora do processamento. Devem ser remetidas o mais rapidamente possível, dentro das caixas isotérmicas, as quais devem conter gelo reutilizável suficiente para manter a temperatura adequada até chegada ao laboratório. Pode-se refrigerar o material antes de enviá-lo (30 minutos no freezer ou 3 horas em geladeira) e também utilizar jornal para auxiliar no isolamento térmico.

Deve-se evitar o envio de materiais nas vésperas de feriados ou em finais de semana, pelo risco de ficarem parados nas empresas de transporte ou até mesmo não serem recebidas pelo laboratório.

Também é importante que o clínico responsável entre em contato com o laboratório comunicando o envio das amostras e a provável data de chegada. Esse momento é também oportuno para esclarecer eventuais dúvidas sobre material e exames solicitados.

Por fim, a obtenção de um resultado correto para estabelecer o melhor tratamento a campo está intimamente ligada à qualidade da amostra recebida pelo laboratório. Neste sentido, cabe ao clínico todo cuidado na coleta e remessa do material. Com muita frequência, os laboratórios são obrigados a descartar materiais que chegam inadequados ao processamento, gerando frustrações e prejuízos não só ao clínico, mas principalmente ao proprietário da granja.

Outras notícias você encontra na edição de Suínos e Peixes de outubro/novembro de 2019 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Mais carne
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.