Conectado com

Avicultura

Nutrigenômica: a nutrição que cura

Fernando Rutz, da Alltech, fala sobre como a nutrigenômica pode contribuir para a produção de aves na era livre de antibióticos promotores de crescimento

Publicado em

em

O jornal O Presente Rural entrevistou o expoente pesquisador Fernando Rutz, da Alltech, para saber como a nutrigenômica pode contribuir para a produção de aves na era livre de antibióticos promotores de crescimento. Mas o que é nutrigenômica? Ela chega à propriedade rural? Essas e outras respostas estão na entrevista exclusiva. Informe-se. Boa leitura.

O Presente Rural (OP Rural) – O que é nutrigenômica? Para que serve?

Fernando Rutz (FR) – A nutrigenômica nos mostra como os nutrientes afetam os genes, ou seja, as interações entre eles. A nutrigenômica pode ser subdividida em áreas específicas como: proteômica, metabolômica e transcriptômica, complementares entre si: alterações no RNA mensageiro (transcriptômica) e as proteínas correspondentes (proteômica) controlam o transporte de determinados nutrientes e metabólitos (metabolômica) na rota bioquímica.

OP Rural – Cite exemplos práticos da nutrigenômica e seus benefícios na avicultura?

FR – A partir do conhecimento da nutrigenômica é possível detectar e indicar como a ação dos nutrientes pode afetar genes específicos que possam propiciar um melhor metabolismo e desempenho das aves. Ex. O selênio se apresenta comercialmente na forma orgânica ou inorgânica. Entretanto, a expressão de genes que codificam enzimas como a superóxido dismutase e a glutationa peroxidase, que atuam na proteção antioxidante celular, é maior em aves que recebem selênio na forma orgânica. Neste contexto, a vitamina E, por exemplo, é um potente sequestrador de radicais livres e o mais poderoso antioxidante lipossolúvel da natureza, sendo associada à defesa das membranas extra e intracelulares contra espécies reativas que danificam as células, conferindo, consequentemente, proteção ao conteúdo genético destas estruturas.

Efeitos positivos para força de cisalhamento (força de corte) em músculos de frangos de corte suplementados com níveis crescentes de vitamina E nas dietas foram constatados. Tem sido atribuído esta maior firmeza à função de proteção da vitamina E a lesões na membrana celular durante o processo de congelamento. Contudo, tal resultado pode ser utilizado para uma investigação mais profunda, associando a composição estrutural muscular de frangos suplementados com vitamina mais firme à expressão de genes para a síntese de proteínas estruturais da fibra muscular, por exemplo. Desta forma, uma avaliação genômica da ação da vitamina E no organismo animal conduziria a uma determinação mais específica sobre a função estrutural deste nutriente. Fato semelhante envolvendo a proteção de membrana celular e de proteínas intracelulares da fibra muscular (actina e miosina) tem sido atribuído a produtos contendo selênio orgânico.

Além disso, a vitamina E é uma das vitaminas mais caras que compõem o premix. Produto à base de selênio orgânico, vitamina C e extrato de algas deu origem a composto capaz de substituir parcialmente a vitamina E na dieta de aves. Este fato foi constatado por meio de técnicas que envolvem a nutrigenômica.

Atualmente existe um movimento global muito grande no sentido de banimento de antibióticos como promotores de crescimento. Como parte do processo alternativo para solucionar o problema, é possível utilizar mananoligossacarídeos (MOS). Uma purificação do MOS gera um produto capaz de se ligar à bactéria patogênica Gram negativa, além de propiciar melhora na imunidade, um aumento de proteínas carreadoras e de enzimas ao nível de membrana da mucosa intestinal, favorecendo a digestão e a absorção de nutrientes. Estas observações foram feitas utilizando técnicas de nutrigenômica.

Também por meio de técnicas de nutrigenômica foi possível constatar que a nutrição in ovo (18 dias de incubação) altera a expressão gênica dos embriões, condicionando os genes e propiciando que a ave ao nascer já esteja com o trato gastrintestinal mais desenvolvido, entre outros fatores. Uma redução do tecido adiposo em frangos de corte e uma melhora na eficiência alimentar são trabalhos que têm envolvimento com a nutrigenômica.

OP Rural – Como e porque se faz a leitura de genes?

FR – Em estudos de nutrigenômica, os níveis de RNA são avaliados em animais controle e nos que recebem dietas experimentais como um índice de atividade dos genes. O RNA ocupa uma posição intermediária entre o gene e a proteína que o gene codifica. Caso o gene seja estimulado no animal que recebe a dieta experimental, comparativamente ao controle, múltiplas cópias do RNA são geradas a partir daquele gene e o que difere a partir do mesmo gene do controle.

O RNA isolado dos animais que receberam as dietas experimentais e a dieta controle é identificado com uma tarja fluorescente no laboratório. Este RNA marcado é então exposto ao gene chip (microarranjo do DNA) e deixado incubar durante a noite. Cada animal tem o seu próprio gene chip. O RNA marcado encontra a sua sequência de genes correspondente na superfície do microarranjo e se liga a ela. Este processo (hibridização) é muito específico. O RNA somente ligará a sequência ao qual ele se identifica do DNA/gene específico encontrada no gene chip.

Na superfície do gene chip, cada gene é representado por cópias múltiplas de forma que o RNA obtido de genes altamente ativados podem ser identificados. Quando ocorrer o fim da hibridização, os chips são lidos em um scanner para o gene.

A alta intensidade do laser que estimula a tarja fluorescente mostra a expressão relativa de cada um dos genes na forma de um sinal de intensidade de luz. É importante lembrar que nós medimos a expressão de genes em um animal que recebeu dieta experimental e um que recebeu dieta controle. Desta forma, é gerado um mapa de genes que são estimulados, desestimulados ou inalterados nos animais que receberam dieta experimental e na dieta controle.

OP Rural – Que tipos de impactos os nutrientes têm na expressão gênica? Fale mais sobre isso.

FR – Por meio do estímulo ou silenciamento de genes, alguns fatos podem vir a ocorrer: A dieta e os componentes dietéticos podem alterar o risco de desenvolvimento de doenças, modulando os processos múltiplos envolvidos com o início, a incidência, a progressão e/ou severidade. Os componentes do alimento podem agir no genoma, direta ou indiretamente, alterando a expressão dos genes e dos produtos destes. A dieta pode potencialmente compensar ou acentuar efeitos de polimorfismos genéticos. As consequências de uma dieta são dependentes do estado da saúde ou da doença e da genética de cada indivíduo. Intervenções na dieta baseadas fundamentalmente no conhecimento das necessidades nutricionais e no genótipo podem ser utilizadas para o desenvolvimento de planos nutricionais individualizados que otimizem a saúde e previnam ou minimizem os efeitos das doenças crônicas e maximizem o desempenho produtivo.

OP Rural – Desde quando e quem estuda a nutrigenômica?

FR – A combinação de dados por meio de projetos para mapeamento do genoma das espécies e a disponibilidade de ferramentas de alta tecnologia para a investigação da expressão gênica permitem o esclarecimento sobre a complexa interação entre nutrição e genoma a qual afeta diretamente a função celular. Embora a nutrigenômica seja uma ciência assim intitulada no início deste século, o conhecimento de que componentes dos alimentos afetam a expressão de determinados genes e, por consequência, a expressão fenotípica, já está claramente evidenciada. Por exemplo, a ação da vitamina D sobre genes que codificam para a proteína transportadora de cálcio a nível intestinal, ou da vitamina A sobre os genes que compõem o DNA e consequente síntese de proteínas que atuam em vários sistemas são fenômenos que já se conhecem há várias décadas.      

OP Rural – Como ela chega na granja do produtor rural?

FR – A importância da interação entre nutrição e saúde é evidente em um sistema de produção animal, ainda que fatores ligados a ambiente e manejo também influenciem o desempenho produtivo do indivíduo e do rebanho por consequência. Nesse contexto, alguns alimentos e nutrientes poderão apresentar-se como componentes bioativos na proteção do organismo contra enfermidades que possam acometer os rebanhos, sendo que alguns elementos como selênio, vitamina E, ácido ascórbico e carotenos, por exemplo, já foram identificados como agentes protetores. Assim, a nutrigenômica pode chegar ao produtor por meio do desenvolvimento de produtos, desenvolvidos e testados pela nutrigenômica, com o intuito de melhorar o desempenho dos animais.  

OP Rural – Qual a relação da nutrigenômica com desempenho econômico e zootécnico?

FR – Naturalmente que o objetivo da aplicação de novas tecnologias é maximizar o desempenho dos animais, minimizando custos de produção. Assim, cabe a cada técnico otimizar economicamente a aplicação do conceito de interação genes-nutrientes em suas condições. 

OP Rural – Com a produção AGP free, o que muda na nutrição e na nutrigenômica?

FR – Por meio do condicionamento de genes pela ação de nutrientes será possível estimular ou desacelerar genes envolvidos com aspectos imunológicos dos animais, aumentando a sua resiliência. Além disso, melhorar a saúde intestinal por meio de redução da inflamação intestinal ou manipular o ambiente microbiano. Esta condição auxilia a amenizar os efeitos adversos do ambiente. Alternativamente, o desenvolvimento de produtos que condicionem uma boa saúde intestinal associado a melhoria na performance enzimática endógena e na de transportadores na mucosa intestinal.

OP Rural – Quais são os estudos em andamento sobre nutrigenômica?

FR – Os componentes do alimento com potencial bioativo modificarão diversos processos simultaneamente. Assim, um dos desafios no campo da pesquisa é a identificação de quais processos, ou a interação entre processos, serão mais importantes para proporcionar uma mudança fenotípica. Outro aspecto relevante a ser observado é a identificação de quais doenças poderão ser prevenidas ou debeladas por uma intervenção por meio da dieta. No estudo da relação nutrição-gene também deverá ser considerado o fator ambiental como um agente modulador da resposta, a qual será única frente às variadas condições ambientais. A progressão de um fenótipo saudável para um fenótipo de doença crônica deve ocorrer por mudanças na expressão de genes ou por diferenças na atividade de proteínas e enzimas, sendo estas ativadas ou suprimidas por agentes extrínsecos ao animal.

A nutrigenômica em nutrição animal promete ser uma alternativa de grande utilidade principalmente em sistemas de produção intensiva, onde a alimentação contribui, associada a outros fatores inerentes ao ambiente e métodos de manejo, com uma parcela significativa para a melhoria do desempenho zootécnico dos lotes, bem como na rentabilidade econômica das unidades. Para este aumento na eficiência biológica, a aplicação de novas tecnologias em produção animal será responsável por custos de produção mais baixos e competitivos. Nos domínios metabólico, genético, reprodutivo e produtivo, novas técnicas que não apresentem riscos à saúde pública e que sejam eticamente aceitas pelo consumidor permitirão aplicar nos sistemas de produção intensiva tecnologias de produção que incrementem o setor primário de produção de alimentos.

Os princípios de nutrigenômica a serem aplicados para animais de produção poderão não ter somente o objetivo de prevenir doenças relacionadas às alterações genéticas, mas também correlacionar à utilização de certo nutriente em uma dieta animal com o aumento de índices produtivos. As descobertas a serem realizadas utilizando ferramentas moleculares, tais como os microarranjos, irão revolucionar nosso entendimento básico sobre a fisiologia dos rebanhos e auxiliarão a definir novos métodos para o controle nutricional dos animais.

Em longo prazo, provavelmente a transcrição destes perfis será capaz de fornecer diversas ferramentas elementares para a avaliação do status nutricional e fisiológico de um indivíduo, animal ou grupo de animais. As técnicas utilizadas para a elucidação da genômica nutricional não são diferentes daquelas utilizadas nas pesquisas em genética molecular. Uma rede integrada que simultaneamente examina a genética e associa polimorfismo com doenças ligadas a dietas (nutrigenética), nutrientes induzindo a metilação do DNA, nutrientes que induzem mudanças na expressão gênica (transcriptômica nutricional), que alteram a formação e/ou bioativação de proteínas (proteômica) irá permitir um completo entendimento da interrelação entre dieta e desenvolvimento de doenças.

OP Rural – O que esperar para o futuro nesse ramo?

FR – Trata-se de uma área da ciência em expansão e que ainda necessita de muitos estudos para que ações sejam adotadas a fim de maximizar os benefícios do melhor entendimento das interações gene-nutrientes. Muitos trabalhos existem sobre nutrigenômica em humanos. Para animais domésticos, embora já existentes, cada vez são mais adotados em investigações. Serão muito importantes estudos ou revisões que procurem informar técnicos e pesquisadores dedicados as áreas de ciências biológicas e agrárias sobre os conceitos e aplicações da nutrigenômica em sistemas de produção animal.

O surgimento dos estudos em nutrigenômica e em nutrigenética, dois campos com diferentes abordagens para a elucidação da interação entre dieta e genes, possui um objetivo final em comum: otimizar a saúde por meio de uma dieta personalizada e fornecer poderosa aproximação para decifrar a complexa relação entre moléculas nutricionais, polimorfismo genético e o sistema biológico por inteiro.

A nutrigenômica descreve o uso de ferramentas para investigar um sistema biológico em particular, de acordo com um estímulo nutricional que irá permitir o conhecimento de como nutrientes influenciam mecanismos metabólicos e de controles homeostáticos. Por outro lado, a nutrigenética visa compreender como o tipo genético de um indivíduo coordena a resposta deste a uma dieta, e isto considerando o polimorfismo genético. O polimorfismo genético é reconhecido como um fator que pode alterar a resposta a componentes da dieta (efeito da transcrição nutricional) por influenciar a absorção, metabolismo ou sítio de ação. A nutrigenética se aplica muito bem para animais de companhia, como cães e gatos.

As recomendações nutricionais variam conforme a espécie, sexo, categoria, linhagem ou raça e, considerando estas características, diversos manuais são elaborados baseados em exigências específicas. Em muitas situações a formulação das dietas não permite a máxima expressão do potencial genético dos animais de produção, desconsiderando o manejo nutricional como favorecedor do desempenho. Na maioria das vezes, tal medida é realizada por meio de ensaios que avaliam o desempenho dos animais submetidos a uma dieta e também por estudos de digestibilidade que determina, por meio das excretas do animal, a porção do alimento ingerido que realmente foi aproveitada pelo organismo.

Estes ensaios, comuns nos estudos de nutrição animal, necessitam de um melhor aproveitamento de seus resultados, sendo necessário o conhecimento do sistema orgânico que está sendo favorecido por determinado nutriente. Nesse sentido, estudos de nutrigenômica permitiriam o entendimento do efeito de alimentos bioativos nas diversas funções celulares.

Estudos em nutrigenômica têm progredido consideravelmente, a complexidade da interação entre nutrientes e genes desenvolve e promove respostas ou questionamentos ainda não esclarecidos, possibilitando de maneira lenta e gradual a aplicação dos benefícios relacionados a este novo conceito nos sistemas de produção animal.

Mais informações você encontra na edição de Aves de setembro/outubro de 2018 ou online.

Fonte: O Presente Rural

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete − cinco =

Avicultura Saúde Animal

As principais diferenças entre as fontes de ácido butírico

Para driblar os fatores limitantes e se beneficiar de tais resultados, o ácido butírico é usualmente disponibilizado para os animais em duas diferentes formas

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Artigo escrito por Rodrigo Slembarski, médico veterinário e gerente de Produtos Aves de corte da Auster; e Cassio Oura, médico veterinário e trainee Aves de Corte São Paulo da Auster

Os ácidos orgânicos são utilizados como melhoradores de desempenho na produção animal, buscando eficiência similar aos antibióticos promotores de crescimento de modo a não provocar resistência microbiana. Sua ação possui como principais características o controle da carga microbiana no trato digestório, inibição do crescimento de bactérias patogênicas e efeito redutor do pH gástrico, resultando em maior proteólise e consequente melhor digestão de proteínas e aminoácidos.

Entretanto, nem todos apresentam atividade antimicrobiana, sendo restrita aos ácidos de cadeia curta (C1 – C7). Como representante desta classe, o ácido butírico (C4H8O2) é derivado da fermentação microbiana de carboidratos. Por ser utilizado pelas células do epitélio intestinal como fonte de energia para diferenciação e multiplicação e se enquadrar nas características citadas, este é amplamente empregado nas criações animais. Porém, em suas primeiras utilizações nas rações foram encontrados fatores limitantes: o mau cheiro e caráter corrosivo, que dificultava sua utilização em fábricas; e a rápida absorção no estomago, que reduzia a quantidade de produto que chegava ao intestino, limitando sua atividade.

Desta forma os benefícios associados à sua utilização; como a influência no crescimento e saúde intestinal, melhor aproveitamento de cálcio e fósforo da dieta e melhor desempenho animal não eram alcançados. Para driblar os fatores limitantes e se beneficiar de tais resultados, o ácido butírico é usualmente disponibilizado para os animais em duas diferentes formas: sais microencapsulados (butirato de sódio e butirato de cálcio) e em forma de ésteres, podendo os últimos serem disponibilizados na conformação de mono-, di- e tributirina.

O butirato de sódio consiste em um produto seco por pulverização, produzido após a neutralização completa do ácido butírico com NaOH, resultando em concentrações muito baixas do ácido butírico livre. O butirato de cálcio é constituído a partir da neutralização do ácido butírico com CaC03 ou Ca (OH) 2. Sendo o processo de neutralização incompleto, resultando em níveis mais altos de ácido butírico livre. As butirinas, (mono-, di- e tributirinas) são produtos da esterificação do ácido butirico com o glicerol, onde o hidrogênio (H) do ácido butírico reage com o grupo hidroxila (OH) do glicerol, formando uma molécula de água e a ligação covalente entre o oxigênio do ácido butírico e o carbono do glicerol. Processo que forma moléculas estáveis, que são dissociados apenas por lipases pancreáticas liberando o butirato e glicerol no lúmen intestinal.

Cheiro

O cheiro é proporcionalmente relacionado com o nível de ácido butírico livre, que é uma molécula extremamente volátil e corrosiva. O butirato de sódio consiste em um produto mais estável e menos odoroso que o ácido butírico, característica importante para o uso do produto em fábricas de pré-mistura de alimentos para animais. O butirato de cálcio possui odor mais típico e característico do ácido, dificultando sua utilização. Já os ésteres não possuem relatos de problemas com o odor do produto.

Peso molecular e efeito antibacteriano

Os ácidos orgânicos com maior peso molecular possuem menor capacidade de difusão, portanto, menor facilidade em atravessar as membranas celulares e exercer efeitos anti-bacterianos. O peso molecular do butirato de sódio é de 111 g/mol, sendo o peso molecular do butirato de cálcio 214,28 g/mol, o que é aproximadamente o dobro. Já os ésteres possuem o peso molecular de 162,18 g/mol (monobutirina), 232, 37 g/mol (dibutirina) e 302,36 g/mol para a tributirina.

Solubilidade

Se o ácido butírico se encontra em forma de sais (butirato de sódio ou cálcio), é necessário que esse produto tenha alta solubilidade para que o butirato se libere do cátion (Na ou Ca) e seja utilizado ou transformado em ácido butírico (dependendo do pH). In vitro, o butirato de sódio se apresenta mais solúvel em água comparado ao butirato de cálcio. Para os ésteres, há relato apenas da solubilidade da monobutirina, citando a possível solubilidade da mesma em água atribuindo o fato ao glicerol. Porém, no caso da monobutirina, para o ácido butirico se dissociar do glicerol é necessário a ação da lipase, ineficiente neste caso, pois normalmente quebra as ligações éster de moléculas com grandes diferenças de polaridade, como triglicerídeos com cadeias de 16 carbonos ou mais, não sendo facilmente reconhecida pela enzima. Não há relatos quanto a solubilidade da dibutirina e tributirina, sendo mínimos os dados de características físico-químicas dos produtos. Porém, como citado anteriormente, as ligações entre as moléculas obtidas durante o processo de esterificação não se desfazem no estomago, sendo estas liberadas apenas com a ação da lipase intestinal. Desse modo não há disponibilização de ácido butírico livre no estomago, comprometendo a redução do pH gástrico e melhor aproveitamento de proteínas e aminoácidos. Pois com a redução do pH há a maior ativação de pepsina (enzima proteolítica) no estômago e menor secreção do suco gástrico, tendo menor diluição do bolo alimentar. Passos cruciais para o controle microbiano, uma vez que, com menos substratos proteicos há menor desenvolvimento de bactérias patogênicas no intestino. Etapa disponível somente para os sais de ácido butírico, resultando em menor velocidade de esvaziamento gástrico e redução da taxa de passagem do alimento, melhorando assim sua digestibilidade.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de setembro/outubro de 2020 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Avicultura Avicultura

Uso de Inlets em galpões de postura comercial traz benefícios financeiros e zootécnicos

Inlets são ferramentas que nos auxiliam no controle do ingresso do ar nos modos de Ventilação Mínima e Transição

Publicado em

em

Foto: O Presente Rural e Cargill

Artigo escrito por Henrique Rosa Baltazar de Souza, zootecnista e assistente Técnico Comercial Avicultura da Cargill Nutrição Animal

O uso dos inlets em galpões de ventilação por pressão negativa, seja na criação de aves em piso ou em gaiolas, é de fundamental importância para que consigamos dar a correta dinâmica ao ar que entra no galpão, promovendo a melhor qualidade ambiental possível e garantindo o bem estar e desempenho das aves.

Os inlets (aberturas nas paredes laterais) são as ferramentas que nos auxiliam no controle do ingresso do ar nos modos de Ventilação Mínima e Transição. Nestes dois modos, nosso foco está na renovação do ar sem a necessidade de que se gere correntes de vento com altas velocidades.

A renovação do ar pelo modo Ventilação Mínima sempre ocorre quando a temperatura externa está menor do que a temperatura que desejamos internamente no galpão. Neste modo de ventilação, os exaustores trabalham em modo cíclico ficando uma parte do ciclo ligados e outra desligados.

Para entendermos porque os inlets são fundamentais neste modo, precisamos primeiro entender o porque precisamos renovar o ar dentro do galpão. O foco durante a Ventilação Mínima é manter a umidade relativa (UR%) do ar dentro do galpão em níveis adequados e o tempo ligado/desligado do ciclo deve ser ajustado baseado nesta variável. Um benefício indireto em se manter os níveis de umidade relativa controlados é que os níveis dos principais gases tóxicos produzidos dentro do galpão também estarão controlados. A umidade relativa tem uma forte correlação com a concentração de CO2 e amônia, ou seja, quanto maior a umidade relativa do ar dentro do galpão maior será a concentração destes gases.

Porém, apenas trazer o ar externo para dentro do galpão muitas vezes não é o ideal. Nos horários mais frios do dia ou em dias de alta umidade, simplesmente trazer esse ar mais úmido para dentro não nos auxiliará no controle da umidade relativa, muito pelo contrário. É por isso que precisamos condicionar esse ar para que chegue até as aves da melhor forma possível. Entra em cena então o papel fundamental dos inlets. Estes equipamentos são os responsáveis por direcionar o ar para que ele percorra todo o caminho até o centro do galpão o mais próximo possível do forro. É neste local que se encontra o ar mais quente, o qual é mais leve e se acumula no ponto mais alto da estrutura, que no nosso caso é a forração. A troca de calor entre o ar de dentro do galpão com o de fora faz com que o ar externo se aqueça e diminua sua umidade relativa (Figura 1). Quanto maior a temperatura do ar, maior é sua capacidade em reter vapor de água.

Figura 1 – Condicionamento do ar externo.

Para conseguirmos esse condicionamento do ar, precisamos que haja um espaço mínimo entre o topo das baterias e a forração de pelo menos 1,5 metro. Outro ponto importante é de que não haja obstáculos que alterem a trajetória do ar até o centro do galpão, como eletrocalhas ou vigas por exemplo. Caso estes pré requisitos não sejam atendidos o processo fica comprometido e criaremos problemas para a circulação de ar dentro do galpão, que pode ficar preso nas baterias laterais fazendo com que a umidade seja maior naquele ponto e a temperatura mais baixa do que no centro, criando microclimas diferentes dentro do aviário. (Figura 2)

Figura 2 – Espaço insuficiente entre a forração e gaiolas gerando uma zona morta de ventilação no meio do galpão.

Outro papel desempenhado no galpão pelos inlets é durante a Ventilação de Transição. Utilizamos este modo quando a temperatura externa está ligeiramente acima do que desejamos internamente e os exaustores, por este motivo, já trabalham em modo contínuo. Durante a Ventilação de Transição volumes grandes de ar são trocados dentro do galpão através dos inlets. Este modo de ventilação é o preferencial das aves, já que as mantém em uma zona de conforto térmico sem que seja necessário usar altas velocidades de ar diretamente sobre as aves para isso.

Como todo equipamento, o funcionamento ideal dos inlets depende de alguns fatores: seu correto dimensionamento, instalação e operação. Aspectos construtivos dos galpões, como a vedação por exemplo, também afetam diretamente a eficiência destes equipamentos. Cada projeto deve ser minuciosamente estudado levando-se em consideração as condições climáticas históricas da região onde estão localizados ou serão construídos os galpões, modelos de equipamento, assistência técnica disponíveis e o correto treinamento e acompanhamento dos responsáveis pela sua operação para que seja extraído o seu máximo potencial, trazendo os benefícios financeiros e zootécnicos esperados.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Avicultura Mercado

México abre mercados para ovos do Brasil

Maior consumo de ovos autorizou importação para produtos processados

Publicado em

em

Divulgação/AENPr

Nas prévias da Semana do Ovo, com produção e consumo recordes no mercado interno, o setor de ovos do país ganhará um novo impulso comercial nos próximos dias. O México, maior consumidor de ovos do mundo, abriu seu mercado para as importações de ovos produzidos no Brasil, conforme informação repassada à Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

A autorização foi emitida na última semana pelo Serviço Nacional de Sanidade, Inocuidade e Qualidade (SENASICA) do Governo Mexicano, e é válida para produtos processados em território brasileiro – um segmento que tem ganhado expressividade no segmento produtivo brasileiro.

Maior consumidor per capita de ovos do mundo, com 378 unidades anuais (no Brasil, o consumo é de 230 unidades), o México importou 20 mil toneladas de ovos em 2019, segundo dados da União Nacional de Avicultores (associação local).

“A abertura do México, conquistada com os esforços da Adidância Agrícola, Ministério da Agricultura e Ministério das Relações Exteriores, e apoiados pela ABPA, é estratégica para o setor produtivo brasileiro, que aposta no fortalecimento do mercado internacional. Não apenas pela força deste mercado, mas pela chancela que esta autorização representa em termos de reconhecimento sanitário. A qualidade e o status sanitário fizeram a diferença para inserirmos nosso produto nesse mercado altamente competitivo, com um produto de maior valor agregado”, avalia Ricardo Santin, presidente da ABPA.

Em 2019, o Brasil exportou 7,6 mil toneladas de ovos. A produção total do país alcançou 49 bilhões de unidades no ano passado, e deve chegar a 53 bilhões em 2020.

Fonte: Assessoria ABPA
Continue Lendo
Dia Estadual do Porco – ACSURS

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.