Conectado com
VOZ DO COOP

Notícias

Novos óleos essenciais são avaliados como anestésicos no transporte de tambaquis

Pesquisa mostra que os óleos essenciais de alecrim-pimenta, hortelã-pimenta e erva-cidreira/cidrão avaliados são eficientes como sedativos e anestésicos em tambaqui.

Publicado em

em

Foto: Siglia Souza

Pesquisa conduzida na Embrapa Amazônia Ocidental (AM) avaliou o uso de óleos essenciais como anestésicos e redutores de estresse no transporte de peixe. Definiu, ainda, as melhores concentrações dos óleos de três fontes vegetais que apresentaram maior biossegurança, de modo a garantir êxito no manejo do tambaqui (Colossoma macropomum), espécie nativa mais criada no Brasil. Os resultados representam um avanço no conhecimento voltado à prospecção de produtos naturais para uso na piscicultura.

A pesquisa foi desenvolvida pelo biólogo Franmir Rodrigues Brandão, como trabalho de doutorado, e avaliou os óleos essenciais das plantas alecrim-pimenta ou alecrim grande (Lippia sidoides), hortelã-pimenta (Mentha piperita) e erva-cidreira ou cidrão (Aloysia triphylla). Os objetivos foram determinar os tempos e as concentrações adequadas para indução e recuperação anestésica em tambaqui, e avaliar as respostas fisiológicas do estresse, em situação de transporte simulado em rodovia, sob a influência desses óleos essenciais.

Analisaram-se também parâmetros de qualidade de água, hormonais, bioquímicos e enzimáticos. Como resultados do estudo, foram definidas as concentrações dos óleos essenciais que induzem a anestesia segura dos peixes, bem como aquelas sedativas que contribuem para minimizar os efeitos do estresse nos juvenis de tambaqui.

Eerva-cidreira – Aloysia triphylla – Foto: Celio Chaves

Anestésicos em manejo de peixes

Edsandra Chagas, pesquisadora da Embrapa Amazônia Ocidental e orientadora da tese de Brandão, explica que o emprego de anestésicos em operações rotineiras na piscicultura, além de facilitar o manejo, contribui para garantir o bem-estar dos animais e minimizar as perdas na produção.

Óleos essenciais de pelo menos 30 espécies de plantas têm sido estudados quanto à sua aplicação sedativa e anestésica em peixes nativos do Brasil, de acordo com a pesquisadora. Mas o trabalho de doutorado de Brandão traz a primeira avaliação para o uso dos óleos essenciais das três plantas no transporte de tambaqui com a descrição mais detalhada das respostas fisiológicas.

Segundo Brandão, a escolha das três espécies de plantas avaliadas levou em consideração seus compostos majoritários anestésicos e informações da literatura científica sobre a atividade biológica em outros organismos.

Resultados positivos

Allecrim grande – Lippia sidoides – Foto: Celio Chaves

Um dos resultados da tese de Brandão aponta que os óleos essenciais de alecrim-pimenta ou alecrim grande, de hortelã-pimenta e de erva-cidreira avaliados são eficientes como sedativos e anestésicos em tambaqui. Desses, o óleo essencial de alecrim-pimenta na concentração de 30 miligramas por litro (mg/L) foi o que apresentou maior eficiência, com menor tempo de indução e de recuperação anestésica (4,52 e 9,84 minutos, respectivamente). De acordo com o biólogo, no emprego das concentrações anestésicas dos óleos essenciais de erva-cidreira (150 mg/L), alecrim-pimenta (30 mg/L) e hortelã-pimenta (90 mg/L), não foram registrados danos morfológicos nas brânquias dos tambaquis, como fibrose e necrose, considerados irreversíveis.

Na avaliação dos óleos essenciais como redutores de estresse no transporte de tambaqui, os resultados também foram benéficos. Os óleos essenciais de alecrim-pimenta e hortelã-pimenta influenciaram positivamente na qualidade da água do transporte, com redução dos níveis de amônia total e nitrito, promoveram a mitigação de respostas de estresse e não apresentaram efeitos neurotóxicos em tambaquis. De acordo com o estudo, a concentração de 20 mg/L do óleo essencial de alecrim-pimenta apresentou melhores resultados, e é a mais recomendada para o transporte do peixe.

Brandão acrescenta que o estudo de anestésicos naturais se faz necessário para desenvolver produtos que apresentem eficácia em baixa concentração, com rápida recuperação dos peixes, redução das respostas de estresse nos animais, baixos níveis de resíduos e menores custos. “É importante que os novos anestésicos a serem utilizados na aquicultura tragam resultados satisfatórios para os produtores, com respeito às diretrizes ambientais, contribuindo para desenvolvimento do setor produtivo e para a maior biosseguridade e biossegurança no segmento.”

Produto para o mercado

Tambaqui – Foto: Fernando Goss

De acordo com o biólogo, a aplicação dos resultados da pesquisa na preparação de um produto final que possa chegar ao mercado ainda depende de mais estudos. Ele sugere a avaliação de novas tecnologias com base na nanotecnologia, acrescentando que a equipe da pesquisadora Edsandra Chagas vem investindo nessa linha, nos trabalhos voltados a óleos essenciais.

Chagas informa que as perspectivas do seu grupo de pesquisa se abrem para a avaliação de substâncias isoladas dos óleos essenciais ou de combinações destes óleos. Estão focadas também em nanoencapsulados contendo óleos essenciais, com o intuito de potencializar as suas atividades biológicas, a partir de uma liberação direcionada.

A pesquisadora afirma que, na continuidade das ações de pesquisa, estão previstas a padronização e a disponibilização de protocolos para o manejo seguro dos peixes, assim como para o controle de doenças que acometem o tambaqui em cultivo.

“São exemplos a acantocefalose e a piscinodiníase, causadas pelos parasitos acantocéfalo Neoechinorhynchus buttnerae e pelo dinoflagelado Piscinoodinium pillulare, respectivamente, e doenças bacterianas causadas por Aeromonas hydrophila e Aeromonas jandaei”, cita a pesquisadora.

Para esses últimos patógenos, o protocolo de avaliação será o de terapia combinada com substâncias isoladas dos óleos essenciais e antimicrobianos comerciais. “A intenção é contribuir com práticas de manejo e tratamentos alternativos naturais para promoção da aquicultura sustentável”, acrescenta Chagas.

Equipe de pesquisa

A pesquisa conduzida por Franmir Brandão teve a orientação da engenheira de pesca Edsandra Campos Chagas, e a coorientação da veterinária Fernanda Loureiro Almeida O`Sullivan, também pesquisadora da Embrapa Amazônia Ocidental. Para a realização do estudo, foi feito o cultivo das plantas sob a coordenação do pesquisador agrônomo Francisco Célio Maia Chaves, e a destilação dos óleos essenciais pelo biólogo Marcelo Róseo de Oliveira, ambos do Laboratório de Plantas Medicinais e Fitoquímica, do mesmo centro de pesquisa.

O estudo contou com a colaboração do pesquisador Humberto Ribeiro Bizzo, da Embrapa Agroindústria de Alimentos (RJ), que realizou a caracterização química dos óleos essenciais. O professor Wallice Paxiúba Duncan, também colaborador, conduziu a determinação das análises bioquímicas e enzimáticas nos tecidos dos peixes no Laboratório de Morfologia Funcional da Universidade Federal do Amazonas (Ufam).

Melhor tese

Hortelã-pimenta – Mentha piperita – Foto: Celio Chaves

O trabalho de doutorado recebeu, em 2021, o prêmio de melhor tese do ano de 2020 produzida no Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal e Recursos Pesqueiros, da Ufam. Resultou em três artigos em revistas científicas internacionais. O mais recente, de 2022, foi “Essential oils of Lippia sidoides and Mentha piperita as reducers of stress during the transport of Colossoma macropomum”, na Aquaculture.

Além do reconhecimento acadêmico, a pesquisa é uma importante contribuição para a piscicultura regional e nacional, conforme destaca Brandão, por trazer resultados de um produto natural com atividade anestésica comprovada, oferecendo uma alternativa para uso no manuseio e transporte dos peixes. “Alguns dos anestésicos comerciais disponíveis promovem alterações em parâmetros fisiológicos dos peixes, com eventuais registros de resíduos nos tecidos dos animais e também um alto custo de aquisição”, aponta.

Fonte: Assessoria Embrapa Amazônia Ocidental

Colunistas

O Brasil da insegurança jurídica

Invasões, seja por demarcações injustas ou por atos de grupos como o MST, desencadeiam um efeito dominó de consequências prejudiciais.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Arquivo OPR

Enfrentamos um momento crucial em que a segurança jurídica no meio rural tornou-se vital para a sustentabilidade de nosso país. O risco iminente de demarcações indevidas de terras produtivas e invasões, promovidas por diferentes frentes, ameaça não apenas os produtores rurais, mas reverbera negativamente em toda a sociedade.

Ao permitir demarcações em áreas que têm sido fonte de sustento para gerações de agricultores, corremos o sério risco de desmantelar não apenas propriedades, mas o cerne da produção de alimentos que sustenta nossa nação. A história e os esforços incansáveis dos produtores, que adquiriram legalmente essas terras, estão em perigo.

Invasões, seja por demarcações injustas ou por atos de grupos como o MST, desencadeiam um efeito dominó de consequências prejudiciais. Afetam a produção agrícola, ameaçam o abastecimento de alimentos e geram instabilidade econômica em um momento em que precisamos mais do que nunca de segurança e tranquilidade.

Para ficar atualizado e por dentro de tudo que está acontecendo na suinocultura acesse a versão digital de Suínos clicando aqui. Boa leitura!

Fonte: Editor-chefe do Jornal O Presente Rural, jornalista Giuliano De Luca
Continue Lendo

Colunistas

Agricultura digital promove uma revolução tecnológica nos campos

Com o avanço contínuo da tecnologia e a crescente conscientização sobre a importância da sustentabilidade, é apenas uma questão de tempo antes que a agricultura digital se torne a norma em todo o mundo.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Arquivo OPR

Agricultura digital, também conhecida como agri-tech ou agtech, tem emergido como uma revolução nos campos agrícolas, impulsionada pela aplicação de tecnologia e ferramentas digitais. Este avanço abrange uma ampla gama de tecnologias, desde automação até biotecnologia, monitoramento de informações e análise de dados. A crescente demanda por alimentos e a ameaça das mudanças climáticas têm impulsionado a adoção dessas tecnologias nos últimos anos, e os resultados são notáveis.

De acordo com o relatório “Feeding the Economy” de 2023, a agricultura digital está transformando as indústrias agrícola e de cultivo nos Estados Unidos. Os números são impressionantes: mais de 8,6 bilhões de dólares em atividade econômica, o que representa quase 20% do total do país, e o apoio direto a quase 23 milhões de empregos. Esses dados refletem não apenas um avanço econômico, mas também uma mudança fundamental na forma como a agricultura é conduzida.

Uma das grandes vantagens da agricultura digital é sua capacidade de melhorar a eficiência e aumentar a produtividade. Tecnologias como monitoramento de precisão, automação de equipamentos e estufas inteligentes estão possibilitando aos agricultores otimizar seus processos de produção. Imagens de satélite e drones, juntamente com sensores IoT, permitem o monitoramento preciso da saúde das culturas e das condições do solo, contribuindo para uma gestão mais eficiente dos recursos hídricos e uma melhor previsão de padrões climáticos. Além disso, a automatização de equipamentos, como tratores autônomos e robôs agrícolas, reduz a dependência de mão de obra humana e aumenta a eficiência operacional.

A sustentabilidade também é um aspecto crucial da agricultura digital. Práticas agrícolas de precisão possibilitadas por essas tecnologias permitem aos agricultores implementar métodos sustentáveis que reduzem suas pegadas de carbono, enquanto aumentam os lucros. Com uma população global prevista para chegar a quase 10 bilhões até 2050, de acordo com as Perspectivas da População Mundial de 2022 da ONU, a agricultura digital se torna não apenas uma opção viável, mas uma necessidade urgente para atender às crescentes demandas alimentares.

Além dos benefícios econômicos e ambientais, a agricultura digital também promove uma maior transparência e conscientização na cadeia de suprimentos alimentar. A gestão eficiente da cadeia de suprimentos, com tecnologias como blockchain e análise de big data, permite uma rastreabilidade eficaz dos alimentos, garantindo a origem e a qualidade dos produtos alimentícios desde a fazenda até o consumidor final.

No entanto, apesar de todos esses benefícios, a agricultura digital enfrenta desafios significativos. Os altos custos iniciais e de manutenção, a vulnerabilidade a ataques cibernéticos e a falta de padronização são apenas alguns dos obstáculos que os agricultores enfrentam ao adotar essas tecnologias. Superar esses desafios é essencial para aproveitar todo o potencial da agricultura digital e garantir um futuro sustentável para a produção de alimentos.

Com o avanço contínuo da tecnologia e a crescente conscientização sobre a importância da sustentabilidade, é apenas uma questão de tempo antes que a agricultura digital se torne a norma em todo o mundo. Os agricultores que abraçarem essas tecnologias estarão à frente de uma nova era na produção de alimentos, impulsionando a inovação e garantindo um futuro próspero para a agricultura.

Fonte: Por Ricardo Martins, especialista em comunicação e tecnologia
Continue Lendo

Notícias

Déficit na balança comercial de produtos da piscicultura alcança US$ 914 milhões em 2023

Maior déficit foi registrado no 4º trimestre, totalizando US$ 678 milhões negativos.

Publicado em

em

Foto: Rodrigo Félix Leal

Em 2023, o déficit da balança comercial de produtos da piscicultura atingiu US$ 914 milhões. O maior déficit foi registrado no 4º trimestre, totalizando US$ 678 milhões negativos.

Destaque para o aumento das importações de salmão, que cresceram 4% em valor e 14% em peso, consolidando a espécie como o principal peixe de cultivo importado pelo Brasil no ano passado, alcançando US$ 837 milhões, equivalendo a 89% do total.

O pangasius se manteve na segunda posição, com US$ 97 milhões, seguido por curimatás, com US$ 1,7 milhões, e trutas, com US$ 1,1 milhões.

Por sua vez, a importação de 25 toneladas de tilápia, totalizando US$ 118 mil, na forma de filé congelado, proveniente do Vietnã e destinado ao Estado de São Paulo, fez com que a Associação Brasileira da Piscicultura (Peixe BR) questionasse os ministérios da Pesca e Aquicultura (MPA) e da Agricultura e Pecuária (Mapa) sobre os  riscos sanitários associados ao produto, levando a suspensão, no início de 2024, das importações de tilápia do Vietnã.

Fonte: Com assessoria Peixe BR
Continue Lendo

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.