Conectado com
Suínos e Peixes – Maio

Notícias No Mato Grosso do Sul

Novo método é capaz de prever a ocorrência de geada

É possível saber ainda em dezembro a temperatura mínima aproximada que será atingida em junho

Publicado em

em

Paulo Kurtz

Danilton Flumignan, pesquisador da Embrapa Agropecuária Oeste (MS), desenvolveu um método capaz de prever com bastante antecedência a ocorrência de geadas da região sul do estado de Mato Grosso do Sul. É possível saber ainda em dezembro a temperatura mínima aproximada que será atingida em junho. Essa informação é atualizada no mês de maio, quando é confirmada ou não a ocorrência de geada. O pesquisador revela que, segundo dados coletados até o momento, a região não deverá sofrer com geadas este ano.

Flumignan salienta que, especialmente no mês de junho, as geadas são motivo de grande preocupação dos produtores de milho safrinha. “Naquele mês, o milho ainda se encontra em uma fase sensível de seu desenvolvimento e a geada pode ser prejudicial à cultura”, esclarece o cientista, frisando que a extensão do prejuízo está associada à intensidade da geada.

Como é o método

O sistema usa dados de chuva medidos na estação agrometeorológica Guia Clima da Embrapa Agropecuária Oeste, localizada em Dourados (MS), e da temperatura da superfície do mar fornecidos pela agência americana National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA).

Com índice de confiança de 95%, o sistema é capaz de prever em dezembro, e com uma margem de erro conhecida de ±2,3ºC, qual a temperatura mínima deverá ocorrer em junho, no sul do Mato Grosso do Sul. Baseando-se nessa temperatura prevista, é possível prever se ocorrerá a geada e com qual intensidade.

Como as geadas representam um fator de risco à produtividade no campo, a Embrapa Agropecuária Oeste vem analisando alguns métodos de previsão.

Sem geada este ano

Segundo o pesquisador, para 2019 o sistema específico de previsão de geadas para o sul de Mato Grosso do Sul demostrou que a temperatura mínima prevista para junho é de 10,9 ºC. “Considerando-se a incerteza associada ao modelo matemático que faz a previsão, estima-se que a temperatura poderá ficar entre 8,6 ºC e 13,2 ºC. As geadas geralmente ocorrem com temperaturas abaixo de 4ºC, e somente abaixo desse patamar é que podem vir a ser classificadas como fraca, moderada ou forte”, explica Flumignan.

Em 2018, a previsão divulgada foi a de risco de geada moderada em junho, com temperatura mínima prevista de 5º C, podendo oscilar entre 2,7 e 7,3 ºC. Os dados divulgados pela previsão se confirmaram e a temperatura mínima registrada em junho de 2018, foi de 6 ºC, em Dourados, e 5,2 ºC, em Rio Brilhante.

Dados históricos

O Guia Clima da Embrapa Agropecuária Oeste mantém informações organizadas dos últimos 40 anos do município de Dourados. A série histórica mostra que 25,4% das geadas na região ocorreram em junho. “Dessas, a maioria, 77,8%, foram de intensidade média ou forte, provocando danos às lavouras e prejuízos aos produtores”, conta Flumignan. Desde 1979, em junho, ocorreram geadas em 21 anos, totalizando 38 episódios.

Em outros meses, os riscos de geadas não chegam a preocupar os produtores de milho safrinha. É o caso de julho que, apesar apresentar geadas mais frequentes (51% dos registros), é uma época em que as lavouras estão em fase final de ciclo ou já foram colhidas, o que reduz potencial de dano. Em maio, por sua vez, as geadas são raras (4% dos registros) e, quando ocorrem, costumam apresentar intensidade fraca.

Protegendo o milho safrinha

O milho de segunda safra é a principal cultura de inverno de Mato Grosso do Sul. Em 2018, foram cultivados no estado cerca de 1,7 milhão de hectares de milho safrinha. Aproximadamente 70% dessas lavouras estavam na região sul de Mato Grosso do Sul.

O Zoneamento Agrícola de Risco Climático (ZARC) estabelece que, nessa região, o milho safrinha deve ser semeado até 10 de março a fim de minimizar os riscos de perdas nas lavouras.

O engenheiro agrônomo da Embrapa Gessi Ceccon, especialista em cultivo de milho safrinha, explica que existem três tipos de ciclos de híbridos de milho: superprecoce, precoce e normal. No caso de lavouras com híbridos de milho superprecoce, a geada em junho não causa prejuízos porque o milho já terá formado grãos, prontos para colheita. “Entretanto, para os de ciclo precoce e normal, a geada em junho acarreta menor enchimento dos grãos e, consequentemente, menor produtividade”, destaca Ceccon.

De uma maneira geral, o analista salienta que é muito difícil prever os potenciais danos que a geada pode causar ao milho, caso ela ocorra em junho. “Muitas variáveis estão envolvidas, como relevo da propriedade, época de plantio e ciclo do híbrido. Porém, de maneira geral, é possível afirmar que ainda que a geada ocorra em junho e que venha a ser forte, não haverá uma perda completa da lavoura, pois o milho safrinha é semeado de forma escalonada nas propriedades rurais de Mato Grosso do Sul, ou seja, ocorre gradativamente conforme vai sendo realizada a colheita da soja”, acrescenta.

Ele chama atenção para a amplitude do prejuízo em situações específicas. “No caso de ocorrer uma geada forte, em uma lavoura localizada em uma baixada, com um hibrido de ciclo normal, a perda certamente será grande.” Ele frisa que mesmo ocorrendo perdas severas na plantação, o cereal pode ser colhido e fornecido como alimento para os animais, pois é uma rica fonte de energia. Dessa forma, é possível minimizar os prejuízos.

Fonte: Embrapa Agropecuária Oeste
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × um =

Notícias Mercado

Mercado de frango segue firme, apostando em boa demanda para China

Otimismo nos negócios leva em conta a expectativa de manutenção da boa demanda no mercado externo

Publicado em

em

Divulgação

A avicultura de corte manteve o cenário de alta nos preços no atacado ao longo da semana, em meio à boa reposição entre o atacado e o varejo. De acordo com o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Iglesias, o otimismo nos negócios leva em conta a expectativa de manutenção da boa demanda no mercado externo, puxada especialmente pela China, que enfrenta um surto de peste suína africana.

De acordo com levantamento de SAFRAS & Mercado, no atacado de São Paulo, os preços tiveram algumas mudanças para os cortes congelados de frango ao longo da semana. O quilo do peito no atacado subiu de R$ 5,85 para R$ 5,90, o quilo da coxa seguiu em R$ 4,90 e o quilo da asa passou de R$ 7,30 para R$ 7,35. Na distribuição, o quilo do peito seguiu em R$ 6, o quilo da coxa seguiu em R$ 5 e o quilo da asa aumentou de R$ 7,50 para R$ 7,55.

Nos cortes resfriados vendidos no atacado, o cenário também foi de algumas mudanças ao longo da semana. No atacado, o preço do quilo do peito subiu de R$ 5,95 para R$ 6, o quilo da coxa seguiu em R$ 5,02 e o quilo da asa passou de R$ 7,38 para R$ 7,43. Na distribuição, o preço do quilo do peito permaneceu em R$ 6,10, o quilo da coxa permaneceu em R$ 5,12 e o quilo da asa avançou de R$ 7,58 para R$ 7,63.

No cenário externo, os embarques se mostram promissores neste começo de mês. As exportações de carne de frango “in natura” do Brasil renderam US$ 173 milhões em junho (5 dias úteis), com média diária de US$ 34,6 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 105,6 mil toneladas, com média diária de 21,1 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 1.638,10.

Na comparação com maio, houve alta de 27,8% no valor médio diário da exportação, ganho de 32,2% na quantidade média diária exportada e baixa de 3,4% no preço. Na comparação com junho de 2018, houve alta de 120,4% no valor médio diário, ganho de 100,2% na quantidade média diária e alta de 10,1% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

O levantamento semanal realizado por SAFRAS & Mercado nas principais praças de comercialização do Brasil indicou que, em Minas Gerais, o quilo vivo seguiu em R$ 3,50. Em São Paulo o quilo vivo seguiu em R$ 3,60.

Na integração catarinense a cotação do frango subiu de R$ 2,34 pra R$ 2,50. No oeste do Paraná o preço baixou de R$ 3,11 para R$ 3,10 na integração. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo seguiu em R$ 3,10.

No Mato Grosso do Sul o preço do quilo vivo do frango continuou em R$ 3,45. Em Goiás o quilo vivo permaneceu em R$ 3,45. No Distrito Federal o quilo vivo seguiu em R$ 3,50.

Em Pernambuco, o quilo vivo permaneceu em R$ 4,55. No Ceará a cotação do quilo vivo continuou em R$ 4,55 e, no Pará, o quilo vivo seguiu em R$ 4,65.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Mercado

Exportação aquecida garante suporte ao mercado suíno no Brasil

Cenário doméstico a reposição entre atacado e varejo apresentou boa fluidez e, na exportação, a demanda permaneceu bastante aquecida

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado brasileiro de suínos apresentou bons negócios ao longo da semana. De acordo com o analista de SAFRAS & Mercado, Allan Maia, no cenário doméstico a reposição entre atacado e varejo apresentou boa fluidez e, na exportação, a demanda permaneceu bastante aquecida. Com um quadro de disponibilidade interna bem ajustado, o preço voltou a subir em todo o Centro-Sul do Brasil.

Levantamento de SAFRAS & Mercado apontou que a média de preços do quilo do suíno vivo na região Centro-Sul do Brasil ficou em R$ 4,44 na quinta-feira (13), subindo 4,21% frente aos R$ 4,26 praticados na semana passada. A média de preços pagos pelos cortes de pernil no atacado ficou em R$ 7,68, alta de 0,47% frente aos R$ 7,64 praticados no fechamento da semana anterior. A carcaça registrou um valor médio de R$ 7,28, avançando 3,65% frente ao preço praticado na semana anterior, de R$ 7,03.

Para Maia, o foco de atenção do mercado segue na China, que sofre com desequilíbrio de oferta interna devido à peste suína africana, levando o país atuar com maior intensidade nas importações de carne suína. No Brasil a expectativa é de que a demanda interna possa recuar um pouco nas próximas semanas, por conta do ingresso na segunda metade do mês, período em que tradicionalmente o consumo declina por conta do menor poder de compra da população.

As exportações de carne suína “in natura” do Brasil renderam US$ 30,6 milhões em junho (5 dias úteis), com média diária de US$ 6,1 milhões. A quantidade total exportada pelo país no período chegou a 13,4 mil toneladas, com média diária de 2,7 mil toneladas. O preço médio ficou em US$ 2.286,00.

Em relação a maio, houve alta de 1,3% na receita média diária, ganho de 0,2% no volume diário e avanço de 1,1% no preço. Na comparação com junho de 2018, houve aumento de 118,7% no valor médio diário exportado, incremento de 86,2% na quantidade média diária e ganho de 17,4% no preço. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

A análise de preços de SAFRAS & Mercado apontou que a arroba suína em São Paulo foi cotada a R$ 100, avanço frente aos R$ 94 registrados na semana anterior. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo passou de R$ 3,50 para R$ 3,60. No interior a cotação no estado subiu de R$ 4,50 para R$ 4,70. Em Santa Catarina o preço do quilo na integração avançou de R$ 3,50 para R$ 3,60. No interior catarinense, a cotação passou de R$ 4,60 para R$ 4,80. No Paraná o quilo vivo avançou de R$ 4,50 para R$ 4,65 no mercado livre, enquanto na integração o quilo vivo aumentou de R$ 3,55 para R$ 3,58.

No Mato Grosso do Sul a cotação na integração subiu de R$ 3,50 para R$ 3,60, enquanto em Campo Grande o preço passou de R$ 3,75 para R$ 3,85. Em Goiânia, o preço aumentou de R$ 4,90 para R$ 5,20. No interior de Minas Gerais o quilo do suíno avançou de R$ 5,00 para R$ 5,30. No mercado independente mineiro, o preço permaneceu em R$ 5. Em Mato Grosso, o preço do quilo vivo em Rondonópolis subiu de R$ 4,00 para R$ 4,10. Já na integração do estado a cotação aumentou de R$ 3,45 para R$ 3,50.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Safra de inverno

Plantio do trigo acelera no Brasil com leve melhora climática

Mercado brasileiro de trigo segue atento ao clima nas principais regiões produtoras do país

Publicado em

em

Cleverson Beje

O mercado brasileiro de trigo segue atento ao clima nas principais regiões produtoras do país. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Jonathan Pinheiro, os atrasos no plantio no Rio Grande do Sul geraram preocupação em relação a uma queda de área ante as estimativas iniciais.

A comercialização segue lenta, com a baixa oferta. Além disso, as oscilações cambiais, acompanhadas de uma maior dificuldade na negociação da farinha alongam os estoques das indústrias nacionais, reduzindo a necessidade de novas aquisições no mercado internacional.

Conab

A produção brasileira de trigo em 2019 deverá ficar em 5,474 milhões de toneladas, segundo o nono levantamento para a safra brasileira de grãos da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), subindo 0,9% sobre a temporada passada, quando foram colhidas 5,428 milhões de toneladas. Em maio, a previsão era de safra de 5,466 milhões de toneladas.

A Conab indica uma área plantada de 1,973 milhão de hectares, com queda de 3,4% sobre o ano anterior. A produtividade está projetada em 2.774 quilos por hectare, 4,4% acima do ano anterior, quando o rendimento ficou em 2.657 quilos por hectare.

O Paraná deverá ter safra de 2,739 milhões de toneladas, com queda de 3,4% sobre o ano anterior. No Rio Grande do Sul, a produção deverá subir 0,4% para 1,879 milhão de toneladas.

Paraná

O Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento do Paraná, informou, em seu relatório semanal, que o plantio da safra 2018/19 do estado atinge 74% da área prevista de 1,003 milhão de hectares, que deve ficar 9% abaixo dos 1,102 milhão cultivados em 2018. Segundo o Deral, 95% das lavouras apresentam boas condições de desenvolvimento e 5% condições médias, na fase de germinação (10%) e crescimento vegetativo (90%).

Rio Grande do Sul

Segundo boletim semanal da Emater/RS, a semana foi de grande avanço na semeadura da cultura do trigo em toda parte Noroeste do Rio Grande do Sul, consequência de dias com clima favorável, em função do qual o solo apresentou umidade adequada para a atividade, realizada inclusive durante a noite. No estado, a safra deve ser de aproximadamente 740 mil hectares, e o plantio totalizou 45% das áreas, tendo avançado 37 pontos percentuais desde a semana passada e superando os 43% para o mesmo momento do ano passado.

Muitas áreas destinadas à cultura passaram por nova dessecação antes da semeadura, em virtude de já apresentar grande quantidade de azevém germinado. Muitos produtores estão semeando sem financiamento e, consequentemente, sem seguro. As lavouras já implantadas apresentam boa emergência, retomando o desenvolvimento e apresentando coloração verde mais intenso.

Argentina

O plantio do trigo para a nova safra já atinge 36,1% da área na Argentina. Os trabalhos avançaram 16,4 pontos percentuais desde a semana passada. A superfície total é estimada em 6,4 milhões de hectares, 200 mil hectares acima do ano passado. Em números absolutos, foram semeados 2,313 milhão de hectares.

USDA

A safra mundial de trigo em 2019/20 é estimada em 780,83 milhões de toneladas, contra 777,49 milhões de toneladas em maio. Para a safra 2018/2019, a estimativa do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) é de 731,69 milhões de toneladas.

Os estoques finais globais em 2019/20 foram estimados em 294,34 milhões de toneladas, acima das 293,01 milhões de toneladas estimadas no mês passado. O mercado esperava 288,2 milhões de toneladas. Para 2018/19, os estoques são estimados em 276,57 milhões de toneladas, acima das 274,6 milhões de toneladas esperadas pelo mercado.

A safra 2019/20 do cereal nos Estados Unidos é estimada em 1,903 bilhão de bushels, acima dos 1,987 bilhão de bushels estimados em maio. Analistas de mercado consultados por agências internacionais antes do relatório esperavam o número em 1,891 bilhão de bushels. Para a safra 2018/19, a safra estadunidense ficou em 1,884 bilhão de bushels.

Os estoques finais do país em 2019/20 foram projetados em 1,072 bilhão de bushels, contra 1,141 bilhão de bushels no mês passado. O mercado esperava 1,115 bilhão de bushels. Os estoques ao final de 2018/19 são estimados em 1,102 bilhão de bushels, enquanto se esperavam 1,113 bilhão de buhels.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo
Evonik – Aminored
Conbrasul 2019
Biochem site – lateral
AB VISTA Quadrado

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.