Conectado com
FACE

Notícias Nova diretoria

Nova diretoria da ABRASS toma posse para gestão do biênio 2021/2023

Novo presidente e diretoria prometem seguir diretrizes para representar os multiplicadores de sementes de soja no agro brasileiro

Publicado em

em

Divulgação

A nova diretoria da Associação Brasileira dos Produtores de Sementes de Soja (ABRASS) foi empossada na quinta-feira (29), na sede da associação em Brasília/DF. A cerimônia foi realizada de forma híbrida – presencial e virtual – em respeito às medidas sanitárias e de isolamento provocadas pela pandemia da COVID-19.

O evento contou com a participação presencial do presidente do Instituto Pensar Agropecuária (IPA), Nilson Leitão, que mostrou seu total apoio à nova diretoria da associação e enalteceu as parcerias entre as organizações que trabalham pelo desenvolvimento do setor.

“Nossa responsabilidade é enorme, precisamos produzir mais e fazendo isso com tecnologia respeitando o meio ambiente. Nós temos bons números, desde a era Collor o Brasil abriu 67% de novas áreas e aumentou em 360% a produtividade. Isto significa que nós somos bons exemplos! E vamos precisar ampliar ainda mais essa tecnologia. O produtor brasileiro já entendeu isso, e o nosso grande avanço foi a organização do setor e das entidades fizeram a diferença. Hoje não tenho dúvida que o setor mais organizado do Brasil é o setor do agronegócio brasileiro”, afirmou o presidente do IPA.

A missão de continuar os trabalhos realizados pela associação com diretrizes para reforçar a representatividade dos multiplicadores de sementes de soja dentro da cadeia produtiva do agro brasileiro foram destacadas como objetivos e metas a serem cumpridas. Assim, apontaram Gladir Tomazelli e os novos diretores.

“É necessário mostrarmos a grande relevância e importância que os multiplicadores têm na cadeia produtiva de sementes de soja. Afinal, é fundamental que se entenda o quanto um multiplicador investe para poder levar uma semente de qualidade até a lavoura do agricultor, proporcionando a ele colher o melhor resultado possível”, esclareceu o novo presidente, Gladir Tomazelli.

Diante deste cenário, a nova direção da ABRASS traça algumas metas que ainda precisam ser conquistadas. Dentre elas, a legitimidade de um sistema de produção de sementes de soja  de qualidade que seja possível e praticada por todos, com a participação efetiva dos multiplicadores, a interação com obtentores vegetais e detentores de processos biotecnológicos, na busca do desenvolvimento de um sistema de licenciamento mais equilibrado, alinhando as boas práticas comerciais com a remuneração adequada das tecnologias.

“O nosso maior desafio será fazer com que todos os elos da cadeia, como multiplicadores, obtentores, distribuidores, cooperativas e agricultores, conversem e unam forças para que juntos consigam superar todas as adversidades do setor”, finalizou Gladir Tomazelli, em nome da nova diretoria.

Neste contexto, durante o encerramento da solenidade, os diretores empossados afirmaram que irão desempenhar um papel significativo para alcançar maior participação e novos associados. O intuito é fomentar o trabalho da entidade de classe e de seus multiplicadores divulgando a sociedade sobre a magnitude de uma boa semente, com procedência, garantindo melhores produtividades para todos os agricultores.

Após os pronunciamentos, o multiplicador de sementes de soja, Marcelo Vendrame – Sementes Campeã – MT – produtor e  associado da ABRASS, falou sobre as expectativas dos com relação à nova direção da ABRASS.

“Uma das coisas que precisamos buscar é a integração de novos players, com essa nova diretoria conseguiremos trazer esses novos associados para somar nos trabalhos do setor. A representatividade é a bandeira que esperamos desta nova direção da associação”, declarou o produtor Marcelo Vendrame.

Composição da diretoria:

  • Presidente – Gladir Tomazelli;
  • Vice-presidente – André Schwening;
  • Diretor Financeiro – Luís César Miranda Júnior;
  • Diretora Administrativa – Cristiane Morinaga;
  • Diretora de Comunicação e MKT – Manoela Bertagnolli;
  • Diretor de Projetos e Comissões – Gilvanio Pereira da Silva;
  • Diretor de Soluções e Benefícios – Leandro César Ribeiro de Oliveira;
  • Diretor de Integração Regional – Idone Luiz Grolli;

Conselho Fiscal:

  • José Fava Neto;
  • Kleber Sosnoski;
  • Paul Aernoudts;
  • Manoel Pedrosa;
  • Gregory Sanders;
  • Emmanuel Six.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 + 4 =

Notícias Suinocultura

Ritmo de negócios no mercado suíno volta a ganhar força no Brasil

Mercado brasileiro de suínos apresentou um ritmo de negócios mais fluído ao longo da semana

Publicado em

em

Divulgação

O mercado brasileiro de suínos apresentou um ritmo de negócios mais fluído ao longo da semana, o que fez com que o quadro de oferta e demanda mais ajustado contribuísse para uma melhora nas cotações, tanto do quilo vivo quanto dos cortes negociados no atacado.

Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Allan Maia, apesar do avanço nas cotações, as margens dos produtores se mostram deprimidas pelos elevados custos de produção, o que pode levar a novos movimentos de correções nos preços.

Maia sinaliza ainda que a expectativa para a reposição entre o atacado e o varejo é otimista para o curto prazo, em linha com a capitalização das famílias nesta primeira quinzena do mês. “É importante destacar que a carne suína ganhou atratividade frente aos cortes bovinos após o forte declínio de preços registrados ao longo das últimas semanas”, explica.

Levantamento semanal de SAFRAS & Mercado apontou que a média de preços do quilo do suíno vivo na região Centro-Sul do Brasil subiu 13,51%, de R$ 5,61 para R$ 6,37. A média de preços pagos pelos cortes de pernil no atacado avançou 4,80% no decorrer da semana, de R$ 11,61 para R$ 12,17. A carcaça registrou um valor médio de R$ 9,60, aumento de 11,14% frente à semana passada, quando era cotada a R$ 8,64.

As exportações de carne suína “in natura” do Brasil renderam US$ 41,896 milhões em junho (3 dias úteis), com média diária de US$ 13,965 milhões. A quantidade total exportada pelo país no período chegou a 15,787 mil toneladas, com média diária de 5,262 mil toneladas. O preço médio ficou em US$ 2.653,70.

Em relação a junho de 2020, houve alta de 56,27% no valor médio diário da exportação, ganho de 27,03% na quantidade média diária exportada e valorização de 23,01% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

A análise semanal de preços de SAFRAS & Mercado apontou que a arroba suína em São Paulo subiu de R$ 100,00 para R$ 145,00. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo mudou de R$ 5,60 para R$ 5,65. No interior do estado a cotação passou de R$ 5,60 para R$ 5,70.

Em Santa Catarina o preço do quilo na integração seguiu em R$ 5,70. No interior catarinense, a cotação aumentou de R$ 5,40 para R$ 6,70. No Paraná o quilo vivo subiu de R$ 5,40 para R$ 6,50 no mercado livre, enquanto na integração o quilo vivo caiu de R$ 5,65 para R$ 5,60.

No Mato Grosso do Sul a cotação em Campo Grande mudou de R$ 5,00 para R$ 5,60, enquanto na integração o preço continuou em R$ 5,50. Em Goiânia, o preço passou de R$ 6,10 para R$ 7,00. No interior de Minas Gerais o quilo do suíno mudou de R$ 6,50 para R$ 7,50. No mercado independente mineiro, o preço aumentou de R$ 6,50 para R$ 7,60. Em Mato Grosso, o preço do quilo vivo em Rondonópolis subiu de R$ 4,95 para R$ 5,40. Já na integração do estado o quilo vivo permaneceu em R$ 5,50.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Safra 2021/2022

Lento, mercado de soja absorve dados do USDA e da Conab

Semana foi de poucos negócios e de preços entre estáveis e mais baixos no mercado brasileiro de soja

Publicado em

em

Divulgação

A semana foi de poucos negócios e de preços entre estáveis e mais baixos no mercado brasileiro de soja. O período foi marcado pela divulgação no relatório de junho do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) e pela nova estimativa da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

O levantamento do USDA indicou que a safra norte americana de soja deverá ficar em 4,405 bilhões de bushels em 2021/22, o equivalente a 119,88 milhões de toneladas. O mercado esperava safra de 4,414 bilhões ou 120,13 milhões. Não houve alteração na comparação com o levantamento de maio.

Os estoques finais estão estimados em 155 milhões de bushels ou 4,22 milhões de toneladas. O mercado apostava em carryover de 139 milhões ou 3,78 milhões de toneladas. Em maio, o número era de 140 milhões de bushels ou 3,81 milhões de toneladas.

O USDA indicou esmagamento em 2,225 bilhões de bushels e exportação de 2,075 bilhões, inalterados na comparação com o número anterior.

Em relação à temporada 2020/21, o USDA elevou os estoques de passagem de 120 milhões de bushels, o equivalente a 3,27 milhões de toneladas, para 135 milhões de bushels ou 3,67 milhões de toneladas. O mercado apostava em estoques de 122 milhões de bushels ou 3,32 milhões de toneladas.

O relatório projetou safra mundial de soja em 2021/22 de 385,52 milhões de toneladas. Os estoques finais estão estimados em 92,55 milhões de toneladas. O mercado esperava por estoques finais de 91,6 milhões de toneladas. Em maio, o USDA indicou produção de 385,53 milhões e estoques de 91,1 milhões de toneladas.

A projeção do USDA aposta em safra americana de 119,88 milhões de toneladas. Para o Brasil, a previsão é de uma produção de 144 milhões de toneladas. A safra da Argentina está estimada em 52 milhões de toneladas. As importações chinesas deverão ficar em 103 milhões de toneladas. Os números são os mesmos do relatório anterior.

Para a temporada 2020/21, a estimativa para a safra mundial ficou em 364,07 milhões de toneladas. Os estoques de passagem estão projetados em 88 milhões de toneladas. O mercado apostava em estoques de 86,7 milhões de toneladas.

A produção do Brasil foi elevada de 136 milhões de toneladas para 137 milhões, acima do esperado pelo mercado, de 136,2 milhões. Já a safra argentina foi mantida em 47 milhões de toneladas. O mercado apostava em safra de 46,5 milhões de toneladas. A previsão para as importações chinesas foi mantida em 100 milhões de toneladas.

Conab

A produção brasileira de soja deverá totalizar 135,86 milhões de toneladas na temporada 2020/21, com aumento de 8,8% na comparação com a temporada anterior, quando foram colhidas 124,84 milhões de toneladas. A projeção faz parte do 9º levantamento de acompanhamento da safra brasileira de grãos, divulgado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Em maio, a Conab indicava produção de 135,41 milhões de toneladas. A revisão para cima entre uma estimativa e outra ficou em 0,3%.

A Conab trabalha com uma área de 38,51 milhões de hectares, com elevação de 4,2% sobre o ano anterior, quando foram cultivados 36,95 milhões de hectares. Em maio, a previsão era de 38,5 milhões de hectares.

A produtividade teve sua previsão elevada, entre uma temporada e outra, de 3.379 quilos para 3.528 quilos por hectare, com variação de 4,4%. No mês passado, o rendimento estava estimado em 3.517 quilos por hectare.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Mercado

USDA aponta produção e estoques de milho dos EUA abaixo do esperado

Estados Unidos deverão colher 14,990 bilhões de bushels na temporada 2021/22

Publicado em

em

Divulgação

O relatório de junho de oferta e demanda do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), divulgado nesta quinta-feira foi destaque para o mercado de milho, com dados relativos à safra 2020/21 e 2021/22. Segundo o USDA, os Estados Unidos deverão colher 14,990 bilhões de bushels na temporada 2021/22, mesmo volume previsto em maio, abaixo da estimativa do mercado, que previa uma produção de 15,018 bilhões de bushels. A produtividade média em 2021/22 deve atingir 179,5 bushels por acres, sem alterações frente ao mês passado. A área a ser plantada deve ficar em 91,1 milhões de acres e a área a ser colhida em 83,5 milhões de acres, sem modificações ante maio.

Os estoques finais de passagem da safra 2021/22 foram estimados em 1,357 bilhão de bushels, abaixo dos 1,507 previstos em maio, e aquém dos 1,414 bilhão de bushels previstos pelo mercado. As exportações em 2021/22 foram indicadas em 2,45 bilhões de bushels e o uso de milho para a produção de etanol em 5,2 bilhões de bushels, sem mudanças ante o relatório de maio.

Para a temporada 2020/21, a produção nos Estados Unidos foi mantida em 14,182 bilhões de bushels e a produtividade média em 172 bushels por acre. A área a ser plantada segue prevista em 90,8 milhões de acres e a área a ser colhida em 82,5 milhões de acres.

Os estoques finais de passagem da safra 2020/21 foram estimados em 1,107 bilhão de bushels, abaixo dos 1,257 bilhão de bushels indicados em maio. O mercado previa estoques de 1,205 bilhão de bushels. As exportações em 2020/21 foram elevadas de 2,775 bilhões de bushels para 2,850 bilhões de bushels. O uso de milho para a produção de etanol foi elevado de 4,975 bilhões de bushels para 5,050 bilhões de bushels.

Mundo

A safra global 2021/22 foi projetada em 1.189,85 milhão de toneladas, sem alterações ante maio. O USDA reduziu os estoques finais da safra mundial 2021/22 de 292,3 milhões de toneladas para 289,41 milhões de toneladas, enquanto o mercado previa volumes de 288,9 milhões de toneladas previstos pelo mercado.

A estimativa de safra brasileira foi mantida em 118 milhões de toneladas. A produção da Argentina deve atingir 47 milhões de toneladas, também sem mudanças ante maio. A Ucrânia teve sua projeção de safra mantida em 37,5 milhões de toneladas. A África do Sul teve a safra prevista em 17 milhões de toneladas, sem modificações. A China teve sua estimativa de produção apontada em 268 milhões de toneladas, mesmo volume previsto em maio.

Para a temporada 2020/21, os estoques finais da safra mundial foram indicados em 280,6 milhões de toneladas, abaixo dos 283,53 milhões de toneladas indicados no mês passado, enquanto mercado apostava em um número de 280,1 milhões de toneladas. A safra global 2020/21 foi reduzida de 1.128,46 milhão de toneladas para 1.125,03 milhão de toneladas.

A estimativa de safra brasileira é de 98,5 milhões de toneladas para 2020/21, abaixo das 102 milhões de toneladas previstas no mês passado, enquanto o mercado esperava safra de 97 milhões de toneladas. A produção da Argentina deve atingir 47 milhões de toneladas, sem alterações ante maio, enquanto o mercado previa safra de 47,1 milhões de toneladas. A Ucrânia teve sua projeção de safra mantida em 30,3 milhões de toneladas. A África do Sul teve a safra mantida em 17 milhões de toneladas. A China teve sua estimativa de produção apontada em 260,67 milhões de toneladas, sem alterações.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo
Dia Estadual do Porco – ACSURS

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.