Conectado com

Notícias Agricultura brasileira

Nanotecnologia será utilizada para desenvolvimento de fertilizante de liberação lenta com matéria-prima de base florestal

Pesquisa visa desenvolver um revestimento com polímero biodegradável utilizando nanopartículas para recobrimento, proteção e liberação gradual de fertilizantes.

Publicado em

em

Divulgação/Embrapa Floresta

Um dos problemas da agricultura brasileira envolve a questão dos fertilizantes: são fundamentais para atingir alta produtividade e rentabilidade, mas, ao mesmo tempo, sua aplicação não é eficaz, com perdas principalmente por volatilização, lixiviação e baixa absorção. Pensando nisso, a Embrapa Florestas tem investido em pesquisas para desenvolvimento de fertilizantes de liberação lenta, uma tecnologia que auxilia na melhor incorporação do fertilizante ao solo, evita o desperdício e pode reduzir custos ao produtor rural.

Para isso, a nanotecnologia é um dos caminhos e um projeto, em parceria com a empresa Polli Fertilizantes Especiais, pretende desenvolver um revestimento com polímero biodegradável utilizando nanopartículas para recobrimento, proteção e liberação gradual de fertilizantes.

O projeto vai estudar o recobrimento de fertilizantes para promover sua liberação gradual. Para isso, vai trabalhar com nanotecnologia envolvendo celulose de eucalipto, sulfato de cálcio, carbonato de cálcio e alginato. Segundo o pesquisador Washington Magalhães, da Embrapa Florestas, “já temos resultados de pesquisas em escala de laboratório que demonstram a viabilidade. Agora, com este projeto, além de testar formulações, vamos dar escala e levar a campo, em diferentes cultivos agrícolas e florestais, e também analisar sua viabilidade econômica”.

Segundo Thais Ramari, da Polli Fertilizantes Especiais, “temos já um produto que, quando comparado com o convencional, tem solubilidade melhor e facilidade de movimentação em profundidade de solo, para atingir as diversas regiões do sistema radicular. Com a agregação das nanopartículas com a metodologia que a Embrapa Florestas vai estudar, pretendemos melhorar a ação e proporcionar benefícios que, hoje, o fertilizante convencional não apresenta”.

O polímero pode proteger, por exemplo, o potássio contra perda por lixiviação, ou o nitrogênio contra perda por volatilização.

Benefícios
Fertilizantes de liberação lenta, gradual ou controlada são constituídos de forma a liberar os nutrientes com uma velocidade inferior aos tradicionais, atrasando a disponibilidade dos seus compostos e, desta forma, também estendendo a sua disponibilidade. Isso auxilia para atender melhor às necessidades nutricionais da planta e a perda de nutrientes também é reduzida.

Biorrefinaria
Este projeto faz parte de uma série de pesquisas que a Embrapa Florestas têm desenvolvido dentro do conceito de biorrefinaria a partir de matéria-prima de base florestal. Segundo Magalhães, “os plantios florestais podem ser fonte para inúmeros produtos e serviços, além dos já conhecidos, como papel e móveis. A partir desta matéria-prima, podemos desenvolver muitos produtos com o conceito de química verde, com uma matéria-prima renovável e sustentável”.

Fonte: Embrapa Floresta
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × quatro =

Notícias 12 a 15 de Setembro

XXI CBSementes traz professor premiado pela Crop Science Society of America para ministrar palestras

Doutor Sabry Elias foi o vencedor do Seed Science Award 2022 por suas contribuições excepcionais para a ciência das culturas por meio da educação. Evento ocorre de 12 a 15 de setembro, em Curitiba (PR).

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Abrates/Pixabay

O prestigiado professor da Universidade do Estado de Oregon (EUA), doutor Sabry Elias, vencedor do Seed Science Award 2022 agraciado pela Crop Science Society of América (CSSA), estará no Brasil a convite da Associação Brasileira de Tecnologias de Sementes (Abrates) para ministrar três palestras no XXI Congresso Brasileiro de Sementes.

Maior evento na área de Ciência e Tecnologia de Sementes da América Latina, o CBSementes acontece de 12 a 15 de setembro na Expo Unimed, em Curitiba (PR).

Doutor Sabry Elias é professor de Ciência da Semente e Tecnologia, do Departamento de Crop & Soil Science, da Universidade do Estado de Oregon (EUA). Ele recebeu a premiação há cerca de um mês em reconhecimento às suas contribuições e realizações como cientista, durante a Reunião Anual da Sociedade Científica em Baltimore, Maryland.

Os prêmios anuais da CSSA são apresentados por contribuições excepcionais para a ciência das culturas através da educação nacional e serviço internacional e pesquisa.

“Estou verdadeiramente honrado por receber este prêmio. Para mim, é um voto de confiança de meus colegas cientistas acadêmicos de sementes da Universidade da Flórida, Universidade da Califórnia, em Davis, Universidade de Cornell e Universidade de Tecnologia da Virgínia, que me nomearam e escreveram cartas me apoiando. O prêmio me traz energia para continuar produzindo mais pesquisas e publicações para a comunidade científica”, afirmou ele.

Sabry Elias recebeu seu M.S. e Ph.D. da Universidade Estadual de Michigan e se tornou um reconhecido educador e pesquisador internacionalmente por suas publicações. É autor sênior de “Seed Testing: Principles & Practices”, um dos principais livros nesta área em todo o mundo e é usado em muitas universidades, laboratórios de sementes e na indústria de sementes. A obra tem um impacto crítico na compreensão e melhora dos testes de qualidade de sementes nacional e internacionalmente. É também autor e coautor de vários livros, manuais e muitos artigos.
 
Palestras  

No XXI Congresso Brasileiro de Sementes (CBSementes ) Sabry Elias fará três palestras. A primeira delas será na terça-feira, dia 13, das 8 às 09 horas, onde vai abordar o tema “Diferentes Organizações de Análise de Sementes – Um Objetivo”.

De acordo com Sabry, o objetivo desta apresentação é revisar as funções das organizações de análise de sementes, os sistemas de credenciamento em laboratórios de análise de sementes e a diferença entre testes de sementes e programas de certificação de sementes.

A apresentação também cobrirá os objetivos do sistema de gestão de qualidade em qualquer laboratório de teste de sementes e esclarecerá como as organizações de teste de sementes podem servir os laboratórios de sementes. Por fim, dará dicas sobre como um laboratório de sementes decide em qual organização ingressar.

Ainda no dia 13, Sabry Elias fará mais uma apresentação no final à tarde, das 17h50 às 18h30, sobre “Fatores que influenciam a variabilidade dos resultados dos testes entre os laboratórios e o impacto na indústria de sementes”. Segundo o pesquisador, a falta de uniformidade nos resultados dos testes de sementes entre os laboratórios causa problemas para a indústria de sementes.

O objetivo desta apresentação é identificar os tipos de erros na rejeição e aceitação de amostras de sementes, e discutir as fontes e fatores que contribuem para a variabilidade nos resultados dos testes dentro e entre laboratórios. Finalmente, discutirá tolerâncias em testes de sementes e fornecerá maneiras de medir e gerenciar a variabilidade dentro e entre laboratórios”.

Na quarta-feira, dia 14, das 10h30 às 12h30, Sabry Elias ministra palestra “Como a Secagem de Sementes Afeta a Qualidade das Sementes”? O objetivo desta apresentação, explica Sabry, é revisar o processo de secagem de sementes no campo e no laboratório em relação à qualidade.

A apresentação também discutirá os efeitos da super e subsecagem de sementes. Além disso, irá descrever os métodos de secagem mais comuns no campo e no laboratório e quando cada método deve ser usado. Por fim, serão discutidos os fatores que devem ser considerados na secagem de sementes para manter a qualidade (viabilidade e vigor) das sementes armazenadas”, acrescenta Sabry.

Fonte: Ascom Abrates
Continue Lendo

Notícias 23 a 25 de agosto

Novas cultivares e produtos serão lançados durante Show Rural de Inverno

Em sua terceira edição, o Show Rural Coopavel de Inverno se transforma na maior vitrine brasileira para variedades de sementes e produtos destinados às culturas para os meses frios do ano.

Publicado em

em

Vinte e nove das 40 cultivares que serão apresentadas serão de trigo - Foto: Arquivo/Jaelson Lucas/AEN

Em sua terceira edição, o Show Rural Coopavel de Inverno se transforma na maior vitrine brasileira para variedades de sementes e produtos destinados às culturas para os meses frios do ano. De olho nisso, expositores farão lançamentos durante o evento, de 23 a 25 de agosto, em Cascavel, no Oeste do Paraná, mostrando aos visitantes o melhor resultado de suas pesquisas e investimentos.

Seis das 23 empresas e órgãos de pesquisa que estarão presentes na mostra de tecnologias confirmaram lançamentos. São elas: Corteva, OR Sementes, Biotrigo, Syngenta, Basf e Bionat. “Elas vão apresentar novidades para um público ávido por novas informações sobre as culturas de inverno que, devido aos avanços das tecnologias nos últimos anos, apresentam-se como excelentes opções de investimento e retorno”, destaca o presidente da Coopavel, Dilvo Grolli, convidando a todos a prestigiar o evento.

Lançamentos

A Corteva vai apresentar o inseticida Closer, destinado ao controle de pulgões, o fungicida Aproach Power para controle do complexo de manchas e ferrugem da cultura e também o herbicida Paxeo, desenvolvido para controlar plantas daninhas. A OR Sementes trará as cultivares de trigo ORS Soberano e ORS Premium. A Biotrigo terá entre suas novidades no Show Rural Coopavel de Inverno as sementes de trigo TBIO Motriz e TBIO Capaz.

A Syngenta lançará o Miravis, produto de uma nova geração de fungicidas que proporciona maior poder intrínseco de controle e amplo espectro de ação. A Basf vai trazer o Agrega, programa de relacionamento no qual o produtor ganha pontos na compra de itens da empresa que podem ser trocados por produtos e serviços. Por fim, a Bionat lançará o Sprinter, novo produto biológico desenvolvido para auxiliar no arranque das plantas.

Gratuito

O evento terá outras novidades, como programações nas áreas da inovação tecnológica no Espaço Impulso e no Centro Tecnológico de Avicultura, atividades especialmente destinadas à mulher agricultora e uma palestra diária, com início sempre às 15h, com o agrônomo e analista de mercados Vlamir Brandalizze. Vlamir falará, no auditório do Paraná Cooperativo, sobre Um olhar sobre o mercado de grãos. As cultivares de trigo seguem como sensação do evento. Das 40 apresentadas, 29 serão de trigo – as outras de aveia, triticale e plantas de cobertura.

A abertura dos portões do Show Rural Coopavel de Inverno será, diariamente, das 8h30 às 16h30. Os visitantes não pagarão nada para acessar o parque e também poderão utilizar o estacionamento gratuitamente. O restaurante do parque vai funcionar durante os três dias de evento, o que trará mais comodidade aos agricultores, filhos de agricultores, técnicos, acadêmicos e outros interessados nas culturas de inverno.

Fonte: Ascom
Continue Lendo

Notícias

Mato Grosso aumenta exportação de carne bovina para o Reino Unido

Até o mês de julho, o Estado mato-grossense já acumulava 1,83 milhão de toneladas em equivalente de carcaça (TEC) embarcadas.

Publicado em

em

Foto: Arquivo/Claudio Neves

Mato Grosso tem aumentado as exportações de carne bovina para o Reino Unido desde o Brexit, processo de saída dos países britânicos do Bloco Econômico da União Europeia. A maior participação das importações do Reino Unido da carne mato-grossense se elevou em 439,5% no comparativo de 2021 ante a 2020.

Em 2022, até o mês de julho, já se acumulam 1,83 milhão de toneladas em equivalente de carcaça (TEC) embarcadas. Os dados constam no boletim do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), que apontam que fatores como as mudanças nas taxas para produtos agrícolas também influenciaram neste movimento.

Apesar disso, o mercado chinês continua liderando com folga as compras da carne mato-grossense, que seguiram acima do patamar de 30 mil TEC no respectivo mês.

Ao todo, incluindo os demais países que importam carne de Mato Grosso, foram embarcadas 46,51 mil toneladas em equivalente carcaça durante o mês de julho – e as exportações mato-grossenses de carne bovina alcançaram o segundo maior volume de 2022.

Fonte: Ascom Acrimat
Continue Lendo
EVONIK 2022

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.