Conectado com
VOZ DO COOP

Avicultura

Mercado da Malásia é importante para carne de frango brasileira

Publicado em

em

O mercado da Malásia é mais um importante destino com excelente potencial de crescimento nos embarques de carne de frango do País. A afirmação é do presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Francisco Turra, ao avaliar o anúncio de que o país asiático habilitou quatro novas plantas frigoríficas. O novo acordo foi divulgado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), no último dia 13 de outubro.
As vendas externas de carne de frango para a Malásia devem representar US$ 35 milhões ao ano para o Brasil, segundo estimativas da ABPA. A entidade ainda espera exportar 15 mil toneladas ao ano do produto, podendo representar 31% do total das 48 mil toneladas importadas por aquele mercado asiático. As comercializações também devem incrementar a balança comercial brasileira em US$ 35 milhões, conforme prevê a instituição.
"Além de representar uma grande oportunidade de negócios para os exportadores brasileiros, a abertura do mercado da Malásia exalta dois importantes diferenciais do País: nosso status sanitário e nossa capacidade de produzir frango "halal" de alta qualidade, dentro dos padrões determinados por este exigente mercado", analisa Turra.
Até agora, somente uma planta do município de Amparo (SP) está habilitada para exportar carne de frango para a Malásia. "A produção halal segue uma série de preceitos determinados pelo islamismo quanto à produção de alimentos. Seu cumprimento é fiscalizado pelas certificadoras halal instaladas no Brasil", explica o executivo.
De acordo com o presidente da ABPA, são considerados diversos pontos para exportação de carne de frango para a Malásia ou para outros países islâmicos, "como a forma de degola (corte transversal que minimize ao máximo o sofrimento do animal, com rápida sangria), o abate ser virado para Meca, o profissional da linha de abate ser obrigatoriamente professante da religião islâmica, entre outros pontos".

Outras plantas

No início de outubro, o Ministério da Agricultura e o Serviço Federal de Vigilância Veterinária e Fitossanitária da Rússia (Rosselkhoznadzor) também assinaram protocolo que deve viabilizar a habilitação de, pelo menos, 74 plantas brasileiras exportadoras de tripas.
Para Turra, "quando for concretizado, será bastante relevante para o incremento das exportações do setor de proteína animal". "No caso do setor de suínos, que entre janeiro e setembro exportou 1,6 mil toneladas do produto, deveremos ver uma boa elevação, favorecendo a ampliação do saldo geral dos embarques", afirma.
Em entrevista coletiva, durante assinatura de acordo com a Rússia, a secretária de Relações Internacionais do Agronegócio do Mapa, Tatiana Palermo, disse que o Brasil está vivendo "um momento especial" em sua relação comercial com este mercado.
"Os próprios russos reconhecem que há uma agilidade inédita na interlocução entre os dois ministérios. Basicamente limpamos nossa pauta com o país", comemorou a secretária.

Fonte: SNA

Continue Lendo

Avicultura Neste início de ano

Ovos registram menor disponibilidade nas gôndolas dos supermercados brasileiros

Oferta chegou a ser 20,6% menor entre o fim de 2023 e o início de 2024, ante uma média de 14% em dezembro de 2022 e janeiro de 2023.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Arquivo OPR

O Índice de Ruptura da Neogrid, indicador que mede a ausência de produtos nas gôndolas dos supermercados brasileiros, chegou a 13,8% em dezembro de 2023 e 15,3% em janeiro de 2024. O número segue a média do mesmo período dos anos anteriores.

De acordo com o diretor de Customer Success da Neogrid, Robson Munhoz, a ruptura que costuma acontecer em janeiro é um movimento natural por conta das festas de final de ano e o período de férias coletivas na indústria: “A indústria volta das férias de final de ano no começo de janeiro e daí o ciclo de pedidos, faturamento e entrega começam a acontecer, fazendo com que a ruptura seja maior em janeiro, comparada a outros meses”, pontua.

Munhoz também destaca que há um comportamento, em especial nas capitais brasileiras, de êxodo em janeiro para o litoral e, por isso, os supermercados dessas cidades não investem tanto em estoque, ao passo que os estabelecimentos das localidades que recebem esses turistas aumentam a dinâmica de reposição.

De acordo com a consultoria, o produto com menor disponibilidade nas gôndolas no período foi o ovo, com 20,6% de ruptura nos dois meses, ante uma média de 14% em dezembro de 2022 e janeiro de 2023. A falta do item nas prateleiras ocorreu mesmo com o aumento de 3,7% no preço do produto em janeiro ante dezembro, conforme levantamento feito pela Horus.

Apesar do aumento de preço registrado em janeiro, desde agosto de 2023 o preço dos ovos vem caindo, contribuindo para a ruptura ao longo dos últimos seis meses.

Altas temperaturas influenciam os hábitos de consumo

O ano de 2023 foi considerado mais quente da série histórica no Brasil, segundo a Organização Meteorológica Mundial (OMM). A temperatura ficou 0,69°C acima da média entre os anos de 1991/2020. Para 2024, a perspectiva é de que permaneça alta pelo menos até abril em razão do fenômeno climático El Niño.

Fonte: Assessoria Neogrid
Continue Lendo

Avicultura Rio Grande do Sul

Seapi conclui vigilância em propriedades no raio de 5 km do foco de gripe aviária em Rio Pardo

Além da checagem de medidas de biosseguridade nas granjas e ações de educação sanitária, que chegaram a 1.245 pessoas, as equipes da Secretaria da Agricultura também estão coletando amostras em casos suspeitos

Publicado em

em

Foto: Fernando Dias/Seapi

A Secretaria da Agricultura, Pecuária, Produção Sustentável e Irrigação (Seapi) do Rio Grande do Sul concluiu, na última segunda-feira (19), as ações de vigilância às propriedades localizadas em um raio de cinco quilômetros a partir do último foco confirmado de influenza aviária de alta patogenicidade, a H5N1, em Rio Pardo.

A vigilância na zona 1, referente ao raio de cinco quilômetros, ocorreu de forma simultânea às vistorias nas propriedades localizadas na zona 2, que compreende um raio de 10 quilômetros a partir do foco. Totalizando ambas as regiões, 616 propriedades foram vistoriadas até o momento, e a previsão é de que as ações na zona 2 se encerrem nesta semana. O número total é de 699 propriedades a serem visitadas.

Além da checagem de medidas de biosseguridade nas granjas e ações de educação sanitária, que chegaram a 1.245 pessoas, as equipes da Secretaria da Agricultura também estão coletando amostras em casos suspeitos. Após a observação de 1.029 aves, foram realizadas cinco coletas em criações de subsistência, com três laudos negativos e dois ainda à espera do resultado. “As visitações estão sendo muito boas. Estamos conseguindo explicar o nosso trabalho aos produtores, que têm nos recebido muito bem, entendendo a importância da atuação”, destaca o diretor adjunto do Departamento de Vigilância e Defesa Sanitária Animal, Francisco Lopes.

Fonte: Assessoria Seapi
Continue Lendo

Avicultura

Vendas aquecidas elevam preço dos ovos para os maiores níveis desde julho de 2023

Maior procura por ovos típica de início de mês ganhou reforço com o retorno das aulas, além da intensificação das compras por parte de redes atacadistas e varejistas para o período de Quaresma.

Publicado em

em

Foto: Rodrigo Felix Leal

As vendas de ovos estiveram aquecidas no mercado brasileiro no balanço da primeira quinzena de fevereiro, segundo pesquisas do Cepea.

Como resultado, os preços subiram nas principais regiões produtoras do País, atingindo, na média parcial deste mês (até o dia 15), o maior patamar desde julho de 2023.

De acordo com pesquisadores do Cepea, a maior procura por ovos típica de início de mês (recebimento de salários) ganhou reforço com o retorno das aulas, além da intensificação das compras por parte de redes atacadistas e varejistas para o período de Quaresma.

Ainda conforme colaboradores do Cepea, apesar da pequena retração nas vendas durante o carnaval, a disponibilidade está limitada, levando à expectativa de novos reajustes positivos nas próximas semanas.

 

Fonte: Assessoria Cepea
Continue Lendo

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.