Conectado com
VOZ DO COOP

Notícias

Mapeamento detalha de forma inédita a Bacia Hidrográfica Paraná III

O nível de detalhe favorecido pela escala usada no mapeamento traz, com precisão, informações sobre lagos, nascentes e rios e seus padrões de distribuição.

Publicado em

em

Foto: Gustavo Curcio

A Bacia Hidrográfica Paraná III (BHP III), localizada na região Oeste do Paraná (PR), passa a contar com mapeamento detalhado de sua hidrografia, graças a um amplo estudo realizado pela Embrapa Florestas (PR), com apoio técnico do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR Paraná), e suporte financeiro do Governo do Estado do Paraná e Itaipu Binacional. O trabalho inova ao usar uma escala  1:5.000, em que cada centímetro no mapa corresponde a 50 metros da área analisada. Esse nível de detalhe permite visualizar, com precisão, lagos, nascentes e rios, dos pequenos aos mais expressivos, e seus padrões de distribuição. Mapas hidrográficos pré-existentes, elaborados para toda a extensão territorial do estado, possuem escala 1:50.000 ou menor, não permitindo os detalhes necessários à análise aprofundada da bacia.

Com uma base de dados robusta, disponibilizada na plataforma GeoInfo –  Infraestrutura de Dados Espaciais da Embrapa, o novo mapa hidrográfico poderá subsidiar outras pesquisas, além de colaborar efetivamente para a construção de políticas públicas, com vistas ao desenvolvimento sustentável do Oeste do Paraná. A região possui uma área de quase 8 mil km2 e se destaca, no setor agropecuário brasileiro, na produção de grãos e proteína animal. Composta por 4.800 rios, aproximadamente, a BHP III alimenta o reservatório de Itaipu, onde se situa a Usina Hidrelétrica de Itaipu.

Segundo o pesquisador da Embrapa Gustavo Curcio, um dos responsáveis pelo estudo, fazer o mapeamento e vetorização da hidrografia da BHP III na escala 1:5.000 representou um grande avanço. O detalhamento foi uma condição básica exigida para a execução do Projeto PronaSolos (Programa Nacional de Levantamento e Interpretação de Solos do Brasil) no Paraná.

Em função do nível de detalhe exigido para o mapeamento de solos, sobretudo para a representação e interpretação da vegetação protetiva de rios, foi necessário gerar um novo mapa hidrográfico para as áreas a serem pesquisadas pelo Projeto.“Na escala atual é possível considerar, entre outros elementos, os diferentes níveis de hierarquia fluvial e padrões de leitos fluviais, e precisar as nascentes locadas em cabeceiras de drenagens, além das áreas de planície. Dadas as necessidades apresentadas, seria inviável utilizarmos os mapas de hidrografia pré-existentes, que eram na escala 1:50.000. Já na escala 1:5.000 a precisão é muito maior, e nos permite estimar com maior rigor o número de cabeceiras de drenagem por unidade de área (hectare) e sua densidade, entre outros elementos hidrográficos”, explica Curcio.

Shape disponibilizado 
O resultado do mapeamento detalhado da Bacia Hidrográfica Paraná III é a disponibilização gratuita de um shape, arquivo compatível com softwares de geoprocessamento, que mostra várias camadas sobrepostas de um mesmo mapa. “Qualquer pessoa que saiba trabalhar com esses programas pode acessar e gerar informações também sobre a APP, ou para a área toda da bacia. Pode, ainda, fazer um recorte de uma sub-bacia, e trabalhar em escalas diferentes, para avaliar a vegetação, ou qualquer outro estudo que utilize a base hidrográfica, por exemplo”, explica a técnica do projeto PronaSolos PR Dalila de Oliveira.

Avanços

Vários aspectos foram caracterizados pelo estudo em cada um dos cinco subplanaltos que constituem a BHP III, como geologia, geomorfologia, solos, vegetação fluvial, ordem hierárquica fluvial, densidade de drenagens, entre outros. O mapa hidrológico proporcionou outros avanços, a exemplo da avaliação e interpretação das densidades de drenagem por unidade de área, relacionadas indiretamente com o grau de dissecação da paisagem e a subsequente ocupação por solos distintos. A densidade de drenagem expressa a relação entre o comprimento dos rios e sua área total, podendo indicar tipos de solos e suas ca­pacidades de infiltração de água. Outra caraterística levada em conta foi a densidade de rios por unidade de área, que mensura o quanto uma bacia é capaz de produzir maior ou menor quantidade de água. “Na pesquisa, foram realizadas avaliações de densidade de drenagem por quilômetros lineares em cada subplanalto, algo inédito feito no Paraná. Além disso, foi considerada a hierarquia fluvial, com rios de primeira ordem (menores), de segunda ordem, que nas­cem da junção de dois canais de primeira ordem, e de terceira, que surgem da confluência de dois rios de segunda ordem e, assim, sucessivamente”, relata Curcio.

Já sob o ponto de vista geológico, a pesquisa observou que a rede de drenagem da BHP III se desenvolve sobre dois ambientes distintos, rochas eruptivas e arenitos, com relevos de baixa declividade e con­formação convexa. Nesses ambientes, encontram-se solos profundos e de alta declividade, que propiciam a ocorrência de solos rasos, características essas que, em seu conjunto, determinam elevada pluralidade para a rede de drenagem e seus atributos. “A Bacia Hidrográfica Paraná III é rica em padrões hidrográficos, o que influencia diretamente o desenvolvimento das atividades humanas e a qualidade de vida. Os impactos gerados pelo homem repercutem em toda a bacia hidrográfica, pois são reações ocorrendo em cadeia“, afirma Annete Bonnet, pesquisadora da Embrapa Florestas, responsável, no estudo, pela análise da vegetação.

Para ela, o trabalho pode colaborar na elaboração de políticas públicas mais precisas. Pode, ainda, au­xiliar na elaboração de projetos de pesquisa e iniciativas de empresas privadas para fins diversos, entre outras finalidades, como subsídio para o desenvolvimento de ações em consonância com o potencial de uso das paisagens, além de precaver áreas para resguardo de funcionalida­des ecológicas especificas.

Fragilidade
“Foi um trabalho de quase três anos. Além de realizarmos campanhas de campo, olhávamos as imagens trecho a trecho, rio a rio, descobrindo as nascentes para se chegar ao resultado final”, conta Annete Bonnet. As nascentes, segundo a pesquisadora, exercem um papel fundamental não só para as atividades nas propriedades rurais, mas para a formação e existência de rios, pois elas são a ligação entre o subterrâneo e a superfície, e a parte mais frágil no ciclo hidrológico.

“Quanto maior o número de rios, maior a fragilidade. O rio é fruto, principalmente, de alimentação do lençol freático e é de onde vem a água que todo mundo bebe. Ao demonstrarmos a quantidade de cabeceiras, com qualidade de escala, mostramos como a hidrografia é frágil e tem alto potencial de contaminação”, aponta a pesquisadora. “Portanto, ao identificar e caracterizar os locais com as cabeceiras de drenagem, é possível implementar políticas públicas para protegê-las e assegurar sua existência”, conclui.

Gustavo Curcio chama atenção para o fato de que, além de possibilitar a melhor preservação de nascentes e rios, o novo estudo fornece informações que permitem maior acurácia nas avaliações prévias para construção de estradas e instalação de aterros sanitários, por exemplo, subsidiando estudos de solos e de vegetação.

“Um dos resultados futuros do mapeamento detalhado será a geração de documentos gráficos com informação sobre a vegetação fluvial da área rural ocupada da BHP III, com base nas métricas do Novo Código Florestal. Por meio desses documentos, poderão ser apontadas as regiões que necessitam de recomposição das florestas fluviais, servindo como base para trabalhos de conscientização da importância e necessidade das APPs, acrescenta Dalila de Oliveira, técnica do projeto PronaSolos PR.

Metodologia
No novo estudo na escala 1:5.000, os pesquisadores realizaram o processo de vetorização da rede de drenagem da BHP III, começando pela análise e interpretação de imagens de satélite, com um software de geoprocessamento (ArcGIS®). Em toda a extensão da rede de drenagem da BHP III foram identificadas nascentes e rios que aparecem mesmo em períodos de estiagem, e que representam a maior parte de toda a rede de drenagem. As imagens foram confrontadas em épocas distintas, visando auxiliar a diferenciação de tipos de canais de drenagem (Google Earth).

A presença ou não de cobertura vegetal no entorno dos cursos d’água também foi usada como elemento indicativo de hidrografia perene, por meio do recurso de visualização tridi­mensional e das curvas de nível associadas ao tratamento por sombreamento das imagens, que auxiliaram a percepção de alterações de altitude e incisões fluviais, e contribuíram para diferenciação de linhas de drenagem, mesmo em áreas com vegetação florestal mais densa.

Parceiros
O estudo e a realização do PronaSolos Paraná contam com investimentos físicos e financeiros da Itaipu Binacional, da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento do Estado do Paraná, da Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo do Estado do Paraná, da Secretaria do Planejamento e Projetos Estruturantes do Estado do Paraná, da Superintendência Geral de Ciência e Tecnologia e Ensino Superior do Paraná, do Instituto Água e Terra, da Fundação de Apoio à Pesquisa e ao Desenvolvimento do Agronegócio, do Museu Botânico Municipal de Curitiba, do Passos de Freitas e Oliveira Franco Advocacia Ambiental, bem como do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR-PR) e da Embrapa Florestas.

Teve grande importância no estudo o pesquisador João Henrique Caviglione, do IDR PR, já falecido e primeiro autor. O técnico do projeto Leonardo Feriani também participou dos trabalhos de mapeamento e respectiva publicação.

BHPIII e seus subplanaltos
As bacias hidrográficas, no Paraná, foram constituídas como unidades de gestão e planejamento territorial para a implementação da Política Nacional de Recursos Hídricos (Lei nº 9.433/97), bem como pela Política Estadual de Recursos Hídricos (Lei nº 12.726/99). A BHP III é uma das 16 bacias hidrográficas do estado, limitando-se a nordeste com a Bacia Hidrográfica Piquiri e à sudeste com a Bacia Hidrográfica Iguaçu. Possui dimensão territorial de 7.910,1 km2 e encontra-se inserida no Terceiro Planalto Paranaense. Para melhor desenvolvimento do estudo, a BHP III foi dividida em cinco subplanaltos (Cascavel, São Francisco, Foz do Iguaçu, Umuarama e Campo Mourão).

Fonte: Assessoria Embrapa Florestas

Notícias

Lar Cooperativa lança o programa Jovem Aprendiz Agro

Um projeto inédito, moldado por vários profissionais com o objetivo de desenvolver habilidades dos jovens, fortalecer laços e promover a sucessão familiar.

Publicado em

em

Fotos: Divulgação/Lar

Foi lançado na última quarta-feira (17), o programa Jovem Aprendiz Agro, uma iniciativa idealizada pela Lar Cooperativa destinada exclusivamente para filhos de associados. Um projeto inédito, moldado por vários profissionais com o objetivo de desenvolver habilidades dos jovens, fortalecer laços e promover a sucessão familiar. Uma reunião, com pais e os primeiros 30 jovens selecionados, marcou o lançamento do programa.

“A Lar tem o dever de proporcionar o caminho da educação aos seus associados e funcionários e com esse programa, cumprimos com a legislação brasileira e ao mesmo tempo com o nosso papel de ser uma cooperativa educadora. Uma iniciativa que partiu da Cooperativa, foi aprovada no Ministério do Trabalho e tem tudo para ser um sucesso”, destacou o diretor-presidente da Lar, Irineo da Costa Rodrigues em sua fala aos pais e jovens presentes.

Nesta primeira etapa, as inscrições foram limitadas aos municípios de Serranópolis do Iguaçu (PR) e Missal (PR), onde foi selecionado o primeiro grupo composto por 30 jovens entre 14 e 22 anos, que deverão iniciar as atividades no dia 19 de abril. O programa é uma parceria entre a Lar Cooperativa, o Sescoop/PR e o Semear, instituição responsável por aplicar o conteúdo. As aulas serão via internet, com práticas na propriedade de cada participante, sob a supervisão dos pais e remotamente por professores.

“Os jovens terão contrato de trabalho com duração de 23 meses, com todos os direitos que qualquer outro trabalhador possui. Moldamos esse programa para se encaixar com a rotina que já existe na propriedade e com isso buscamos não só uma contribuição para a formação pessoal e profissional, mas também um projeto de vida”, explicou o superintendente Administrativo e Financeiro da Lar, Clédio Marschall, também presente na reunião de lançamento do programa.

Os benefícios profissionais e pessoais são muitos, com disciplinas variadas, que vão desde matemática comercial até empreendedorismo, informática, gestão de custos, mercado agrícola, entre outros. As áreas de Gestão de Pessoas e Assessoria de Ação Educativa da Lar Cooperativa serão responsáveis por monitorar a evolução e o resultado do programa. A expectativa é ampliar o número de participantes, com abertura de vagas inclusive para outros municípios.

A Lar é a cooperativa singular que mais emprega no Brasil, encerrando o ano de 2023 com mais de 23.500 funcionários. A legislação brasileira diz que 5% do quadro de funcionários de uma empresa deve ser composto por jovens aprendizes, mas atender essa cota se tornou um desafio. Até a primeira quinzena do mês de abril de 2024, a Lar estava com cerca de 300 vagas a serem preenchidas por jovens aprendizes. Essa dificuldade na contratação foi um dos fatores que motivaram o desenvolvimento do programa Jovem Aprendiz Agro, que promete impulsionar o futuro do agronegócio.

 

 

Fonte: Assessoria Lar
Continue Lendo

Notícias

Considerada maior feira da avicultura e suinocultura capixaba, Favesu acontece em junho

Evento reunirá produtores, profissionais e especialistas do setor em dois dias de intensa troca de conhecimento, networking e exposição das mais recentes inovações do segmento.

Publicado em

em

Fotos: Divulgação/Favesu

Os preparativos para a 7ª edição da Feira de Avicultura e Suinocultura Capixaba (Favesu) estão em ritmo acelerado. O Centro de Eventos Padre Cleto Caliman (Polentão) é o local escolhido para o evento, que acontece de 05 e 06 de junho, e reunirá produtores, profissionais e especialistas do setor em dois dias de intensa troca de conhecimento, networking e exposição das mais recentes inovações do segmento.

O município de Venda Nova do Imigrante (ES) mais uma vez vai sediar o evento bienal que é organizado pela Associação de Suinocultores do Espírito Santo (ASES) e Associação dos Avicultores do Estado do Espírito Santo (AVES).

A programação inclui palestras com conteúdos técnicos e também palestras empresariais, painéis, apresentação de trabalhos científicos e reunião conjuntural, além da Feira de Negócios que reunirá, na área de estandes, grandes empresas nacionais e multinacionais apresentando seus produtos e serviços voltados aos segmentos.

O evento também é momento de avaliações do panorama atual para a avicultura e a suinocultura no contexto dos cenários econômicos brasileiro e mundial. O Presidente da ABCS, Marcelo Lopes e o Presidente da ABPA, Ricardo Santin farão a apresentação de painéis que abordarão os números,os desafios e as perspectivas para os segmentos.

Dentre os temas das palestras técnicas, a Favesu trará assuntos de suma importância na área de avicultura de corte, de postura e suinocultura, ambiência, exportação, influenza aviária, inspeção de produtos de origem animal, lei do autocontrole, modernização, entre outros temas.

Uma programação de alto nível que visa oferecer uma troca de conhecimentos e experiências fundamentais para impulsionar o crescimento e a inovação nos setores.

Mais informações sobre o evento entre em contato pelo telefone (27) 99251-5567.

Fonte: Assessoria Aves/Ases
Continue Lendo

Notícias

Produtores rurais podem renegociar dívidas do crédito rural até dia 31 de maio

Conforme a proposta do Mapa, poderão adiar ou parcelar os débitos os produtores de soja, de milho e da pecuária leiteira e de corte, que sofreram com efeitos climáticos e queda de preços.

Publicado em

em

Foto: Marcelo Casal Jr/Agência Brasil

Os produtores rurais que foram afetados por intempéries climáticas ou queda de preços agrícolas poderão renegociar dívidas do crédito rural para investimentos. A medida é uma proposta do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa), apoiada pelo Ministério da Fazenda (MF), e aprovada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), em março. O prazo limite para repactuação é até 31 de maio.

Com a iniciativa, as instituições financeiras poderão adiar ou parcelar os débitos que irão vencer ainda em 2024, relativos a contratos de investimentos dos produtores de soja, de milho e da pecuária leiteira e de corte. Neste contexto, as operações contratadas devem estar em situação de adimplência até 30 de dezembro de 2023.

A resolução foi necessária diante do fato de que, na safra 2023/2024, o comportamento climático nas principais regiões produtoras afetou negativamente algumas lavouras, reduzindo a produtividade em localidades específicas. Além disso, os produtores rurais também têm enfrentado dificuldades com a queda dos preços diante do cenário global.

“Problemas climáticos e preços achatado trouxeram incertezas para os produtores. Porém, pela primeira vez na história, um governo se adiantou e aplicou medidas de apoio antes mesmo do fim da safra”, destacou o ministro da Agricultura e Pecuária, Carlos Fávaro.

O ministro ainda explicou o primeiro passo para acessar a renegociação. “Basta, então, que qualquer produtor, que se enquadre na medida, procure seu agente financeiro com o laudo do seu engenheiro agrônomo, contextualizando a situação. Com isso, será atendido com a prorrogação ou o parcelamento do débito”, reforçou.

Alcance

A renegociação autorizada abrange operações de investimento cujas parcelas com vencimento em 2024 podem alcançar o valor de R$ 20,8 bilhões em recursos equalizados, R$ 6,3 bilhões em recursos dos fundos constitucionais e R$ 1,1 bilhão em recursos obrigatórios.

Caso todas as parcelas das operações enquadradas nos critérios da resolução aprovada pelo CMN sejam prorrogadas, o custo será de R$ 3,2 bilhões, distribuído entre os anos de 2024 e 2030, sendo metade para a agricultura familiar e metade para a agricultura empresarial. O custo efetivo será descontado dos valores a serem destinados para equalização de taxas dos planos safra 2024/2025.

Confira abaixo as atividades produtivas e os estados que serão impactados pela medida:

  • soja, milho e bovinocultura de carne: Goiás e Mato Grosso;
  • bovinocultura de carne e leite: Minas Gerais;
  • soja, milho e bovinocultura de leite: São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina;
  • bovinocultura de carne: Rondônia, Roraima, Pará, Acre, Amapá, Amazonas e Tocantins;
  • soja, milho e bovinocultura de leite e de carne: Mato Grosso do Sul;
  • bovinocultura de leite: Espírito Santo e Rio de Janeiro.

Para enquadramento, os financiamentos deverão ter amparo do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp) e dos demais programas de investimento rural do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), bem como das linhas de investimento rural dos fundos constitucionais.

Fonte: Assessoria Mapa
Continue Lendo
SIAVS 2024 E

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.