Conectado com
VOZ DO COOP

Avicultura

Mãos que cuidam

Amor pela avicultura e pelo modelo de trabalho do cooperativismo faz com que a técnica Camila Parada seja uma peça importante dentro de toda essa engrenagem

Publicado em

em

De acordo com o dicionário Aurélio, cooperativismo é um “sistema que preconiza o princípio cooperativo como meio de progresso e distribuição de riqueza”. Mas, para esse sistema funcionar, é preciso de pessoas. E são as pessoas que fazem o cooperativismo ser o que é hoje. Uma importante personagem neste meio, e que faz toda a diferença, é o profissional de assistência técnica.

A médica veterinária e sanitarista do fomento de aves da Cooperativa Agroindustrial Copagril, Camila Cristiane Parada, é um exemplo disso. O primeiro emprego foi na cooperativa, e de lá, não saiu mais. “Comecei na cooperativa fazendo estágio. Agora, nove anos depois, ainda estou na Copagril”, conta. Camila iniciou a faculdade de Medicina Veterinária em 2005. Dois anos depois teve a primeira oportunidade de trabalhar no fomento de aves da cooperativa como estagiária. No ano seguinte, em 2008, novamente fez um curto estágio. “Os dois foram estágios de 20 a 30 dias”, conta.

Em 2009 ela fez o estágio final também na Copagril e novamente com avicultura. “Foi no período de 13 de julho a 24 de setembro daquele ano. Foram 90 dias fazendo estágio”, lembra. Camila recorda que logo depois que terminou o período do estágio, a cooperativa já a chamou para fazer uma entrevista de emprego para a vaga na Assistência Técnica que havia sido ofertada. “Na época, a técnica que fazia a extensão de campo foi promovida e surgiu essa vaga. Então, na entrevista eles perguntaram se eu tinha interesse em ocupar essa vaga. Claro que aceitei!”, expõe. Camila comenta que facilitou muito, principalmente por já conhecer todos os produtores e regiões que precisava atender, já que havia sido aquela área na qual tinha feito estágio. “Na época, eram aproximadamente 80 aviários que eu atendia”, conta.

A cooperativa abriu as portas para o primeiro emprego de Camila. “E nove anos depois continuo aqui”, reforça. Ela lembra que a oportunidade dada pela Copagril fez toda a diferença em sua vida. “Quando acabamos a faculdade é difícil arrumar um emprego logo. E eu já estava empregada logo depois de apresentar o meu TCC (Trabalho de Conclusão de Curso)”, diz.

Outro ponto destacado pela profissional é que mesmo quando ainda era estagiária a cooperativa sempre a oportunizou de realizar diferentes capacitações. “Mesmo quando ainda estava no estágio, eles me possibilitaram fazer treinamento em simpósios, em congresso internacional. Sempre que tinha eles me proporcionavam. Então, eu sempre tive a oportunidade de me capacitar para aprender mais”, cita. Para Camila, esta era também uma forma de a cooperativa mostrar que via nela o potencial para continuar na empresa e crescer profissionalmente. “E foi indo assim. Todas as vezes que havia um treinamento, um curso ou algo assim, eu participava. Agora que estou na empresa continua sendo assim, é bem bacana”, afirma.

Além das capacitações em simpósio e congressos, a oportunidade de ver como tudo acontece no campo também sempre lhe foi proporcionado. Camila diz que a turma dela foi uma das última a poder realizar estágio de oito horas. Dessa forma, a maior parte do tempo ela ficava no campo, o que proporcionava um grande aprendizado. “Além do mais, muitas vezes quando havia uma necropsia legal para fazer ou um treinamento diferente, o pessoal do fomento de aves sempre me chamava”, diz.

Segunda família

A escolha pela avicultura para seguir carreira não foi difícil para Camila. De acordo com ela, o sentimento pela área já veio logo no primeiro estágio. “Eu já havia feito estágio também na parte de bovinos de leite e de corte, frigorífico e pequenos animais. Mas sentia que aquilo não era bem o que eu queria”, recorda. Foi mesmo na avicultura que a técnica se apaixonou. “Percebi que a avicultura é o que mais combina comigo, sempre gostei bastante. O fato de você ir até o produtor, todos os dias estar em um lugar diferente e conhecer bastante gente, fez a diferença”, diz.

E estas idas e vindas para dar assistência aos produtores fez a diferença também na vida pessoal de Camila. “Realmente acabamos fazendo outra família, porque na cooperativa todo o pessoal é bastante unido, companheiro e se preocupa com você. São amigos mesmo, não somente colegas de trabalho”, afirma. Este sentimento vem também por parte dos produtores. “Muitas vezes você vai até a propriedade, faz a visita e atende a chamada, mas não conseguiu levar todo o medicamento ou produto que ele precisava – seja por já estar na estrada ou outro motivo – e pede se ele pode passar até a cooperativa para buscar, e eles são compreensíveis quanto a isso”, exemplifica. Sem contar que o produtor também se transforma em um amigo. “Muitos produtores, nós vamos na casa durante o final de semana para tomar um chimarrão ou comer algo diferente que eles fizeram. Ou ainda tem aqueles que fazem artesanato, e acabamos virando clientes deles”, conta.

Camila acrescenta que trabalhar na cooperativa tem sido fantástico para ela. “Eu me sinto realizada trabalhando aqui”, revela a assistente técnica. De acordo com ela, a Copagril sempre abriu as portas para ela, tanto no estágio quanto para o primeiro emprego, o que fez a diferença. “Eles dão a oportunidade para qualquer funcionário, claro que desde que você respeite a empresa e faça um serviço de qualidade”, revela. “É ótimo trabalhar na cooperativa, porque existe aquele carinho, a compreensão, além de você conseguir conversar com todos de uma forma igual”, aponta.

Mais informações você encontra na edição de Aves de julho/agosto de 2018 ou online.

Fonte: O Presente Rural

Continue Lendo

Avicultura

Alta da carne de frango na primeira quinzena de fevereiro garante avanço na média mensal

Levantamento do Cepea mostra que a carne de frango resfriada é negociada no atacado da Grande São Paulo à média de R$ 7,22/kg em fevereiro (até o dia 21), com alta de 2,7% frente à de janeiro.

Publicado em

em

Foto: Jonathan Campos

Apesar das recentes desvalorizações da carne de frango nesta segunda quinzena de fevereiro -, quando geralmente as vendas se enfraquecem no atacado, devido ao menor poder aquisitivo da população brasileira -, o incremento da demanda na primeira metade do mês vem garantindo um aumento no valor médio mensal da proteína.

Levantamento do Cepea mostra que a carne de frango resfriada é negociada no atacado da Grande São Paulo à média de R$ 7,22/kg em fevereiro (até o dia 21), com alta de 2,7% frente à de janeiro.

Fonte: Assessoria Cepea
Continue Lendo

Avicultura Neste início de ano

Ovos registram menor disponibilidade nas gôndolas dos supermercados brasileiros

Oferta chegou a ser 20,6% menor entre o fim de 2023 e o início de 2024, ante uma média de 14% em dezembro de 2022 e janeiro de 2023.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Arquivo OPR

O Índice de Ruptura da Neogrid, indicador que mede a ausência de produtos nas gôndolas dos supermercados brasileiros, chegou a 13,8% em dezembro de 2023 e 15,3% em janeiro de 2024. O número segue a média do mesmo período dos anos anteriores.

De acordo com o diretor de Customer Success da Neogrid, Robson Munhoz, a ruptura que costuma acontecer em janeiro é um movimento natural por conta das festas de final de ano e o período de férias coletivas na indústria: “A indústria volta das férias de final de ano no começo de janeiro e daí o ciclo de pedidos, faturamento e entrega começam a acontecer, fazendo com que a ruptura seja maior em janeiro, comparada a outros meses”, pontua.

Munhoz também destaca que há um comportamento, em especial nas capitais brasileiras, de êxodo em janeiro para o litoral e, por isso, os supermercados dessas cidades não investem tanto em estoque, ao passo que os estabelecimentos das localidades que recebem esses turistas aumentam a dinâmica de reposição.

De acordo com a consultoria, o produto com menor disponibilidade nas gôndolas no período foi o ovo, com 20,6% de ruptura nos dois meses, ante uma média de 14% em dezembro de 2022 e janeiro de 2023. A falta do item nas prateleiras ocorreu mesmo com o aumento de 3,7% no preço do produto em janeiro ante dezembro, conforme levantamento feito pela Horus.

Apesar do aumento de preço registrado em janeiro, desde agosto de 2023 o preço dos ovos vem caindo, contribuindo para a ruptura ao longo dos últimos seis meses.

Altas temperaturas influenciam os hábitos de consumo

O ano de 2023 foi considerado mais quente da série histórica no Brasil, segundo a Organização Meteorológica Mundial (OMM). A temperatura ficou 0,69°C acima da média entre os anos de 1991/2020. Para 2024, a perspectiva é de que permaneça alta pelo menos até abril em razão do fenômeno climático El Niño.

Fonte: Assessoria Neogrid
Continue Lendo

Avicultura Rio Grande do Sul

Seapi conclui vigilância em propriedades no raio de 5 km do foco de gripe aviária em Rio Pardo

Além da checagem de medidas de biosseguridade nas granjas e ações de educação sanitária, que chegaram a 1.245 pessoas, as equipes da Secretaria da Agricultura também estão coletando amostras em casos suspeitos

Publicado em

em

Foto: Fernando Dias/Seapi

A Secretaria da Agricultura, Pecuária, Produção Sustentável e Irrigação (Seapi) do Rio Grande do Sul concluiu, na última segunda-feira (19), as ações de vigilância às propriedades localizadas em um raio de cinco quilômetros a partir do último foco confirmado de influenza aviária de alta patogenicidade, a H5N1, em Rio Pardo.

A vigilância na zona 1, referente ao raio de cinco quilômetros, ocorreu de forma simultânea às vistorias nas propriedades localizadas na zona 2, que compreende um raio de 10 quilômetros a partir do foco. Totalizando ambas as regiões, 616 propriedades foram vistoriadas até o momento, e a previsão é de que as ações na zona 2 se encerrem nesta semana. O número total é de 699 propriedades a serem visitadas.

Além da checagem de medidas de biosseguridade nas granjas e ações de educação sanitária, que chegaram a 1.245 pessoas, as equipes da Secretaria da Agricultura também estão coletando amostras em casos suspeitos. Após a observação de 1.029 aves, foram realizadas cinco coletas em criações de subsistência, com três laudos negativos e dois ainda à espera do resultado. “As visitações estão sendo muito boas. Estamos conseguindo explicar o nosso trabalho aos produtores, que têm nos recebido muito bem, entendendo a importância da atuação”, destaca o diretor adjunto do Departamento de Vigilância e Defesa Sanitária Animal, Francisco Lopes.

Fonte: Assessoria Seapi
Continue Lendo

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.