Conectado com

Empresas

Manejo correto para a cura do umbigo em bezerros recém-nascidos evita infecções e doenças

No parto, o coto umbilical precisa cicatrizar de forma correta para evitar problemas futuros aos animais e prejuízos ao pecuarista

Publicado em

em

CTP Poliana Correia de Souza, do MT

Em épocas de estação de nascimentos, um tema importante que o pecuarista deve se atentar é a cura do umbigo nos bezerros recém-nascidos. Caso não seja feito o manejo correto, o animal pode ter diarreia, pneumonia, cistites e poliartrites – inflamações nas articulações dos bezerros –, causando prejuízos à propriedade e ao bem-estar do animal.

A explicação é do médico-veterinário e coordenador de Serviços Técnicos da Biogénesis Bagó, João Paulo Lollato, que esclarece o que deve ser feito nesta etapa de nascimento para evitar possíveis infecções e doenças nos animais.

O veterinário explica que o umbigo tem a função de fazer a ligação entre a mãe e o feto durante a gestação e é por onde ocorrem as trocas gasosas, de nutrientes, além da eliminação dos dejetos do feto. “No parto, essa ligação se rompe, restando o coto umbilical. Esse coto precisa cicatrizar corretamente para evitar problemas futuros como doenças e infecções”, alerta Lollato.

 

Passo a passo para o manejo correto da cura do umbigo

Para que essas situações sejam prevenidas, a cura do umbigo deve ser feita de maneira correta.

O especialista explica que o primeiro passo é utilizar um produto para secar esse coto umbilical. “No campo, utilizamos o iodo 10%, que tem uma eficácia excelente. Mas é importante reforçar que não basta só jogar o iodo: deve-se utilizar copos não retornáveis para mergulhar o coto na solução por cerca de 30 segundos. Ou seja, é recomendável utilizar um produto que realmente faça a queima do coto para secar essa estrutura e, a partir daí, o umbigo cairá com o tempo”.

O especialista frisa que é fundamental descartar o iodo utilizado por animal para que não haja reutilização, evitando assim a contaminação de um bezerro para outro.

Em um segundo momento, é recomendável realizar algumas medidas preventivas para reprimir problemas com os parasitas, especialmente as moscas, que depositam ovos que se transformam em larvas e bicheiras. “Neste processo, pode-se usar a doramectina injetável, que cumpre o papel de fazer essa prevenção interna, além do uso de repelente para espantar os parasitas”, explica.

Por último, Lollato relata a importância de usar a metafilaxia com antibióticos para evitar infecções posteriores a uma má cura do umbigo. O veterinário recomenda administrar em conjunto com antibiótico bacteriostático.

“Existem bactérias no organismo que são benéficas, responsáveis por formar, por exemplo, a flora intestinal do bezerro. É importante não eliminá-las. Quando se usa antibiótico bactericida, as bactérias boas são eliminadas. Isso não ocorre quando é administrado o antibiótico bacteriostático”, finaliza Lollato.

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × três =

Empresas

Vaccinar investe em seu laboratório para torná-lo referência no país

Sediado em Pinhais, no Paraná, o espaço está entre os cinco melhores do Brasil em nutrição animal 

Publicado em

em

Divulgação Vaccinar

A tecnologia é uma importante aliada para o desenvolvimento de soluções nutricionais que resultem no bem-estar e no alto desempenho dos animais. Por conta disso, a Vaccinar — empresa de nutrição animal 100% brasileira e com mais de 40 anos de mercado — investe continuamente em pesquisas, em infraestrutura técnica e na qualidade de suas análises laboratoriais que atestam o ótimo desempenho de seus produtos.

Neste ano, o Laboratório de Pinhais (PR) passou pela maior modernização desde a sua construção, em 2007. Dentre as mudanças, estão a ampliação da estrutura física, a compra de novos equipamentos, a aquisição de novos softwares, o aumento do escopo das análises e a otimização do sistema de gestão de amostras e de avaliações, aumentando a produtividade, a segurança e os controles em todo o processo produtivo da empresa, desde a aquisição das matérias-primas, o desenvolvimento e a fabricação dos produtos, até o resultado deles no campo.

Mais que otimizar a infraestrutura, a empresa também está investindo na equipe, contratando e treinando os profissionais do Laboratório.  “Tudo isso é reflexo do crescimento da empresa nos últimos anos.  Assim, é fundamental contarmos com uma estrutura e um time que desenvolva, avalie e monitore, com agilidade e credibilidade, não só os nossos produtos atuais como todos aqueles que ainda estão em desenvolvimento”, frisa o Diretor de Nutrição da Vaccinar, Dr. Sebastião Borges.

Os recursos oferecidos pelo novo laboratório também podem ser usufruídos pelos clientes e parceiros da empresa. “Disponibilizamos serviços que permitem quantificar nutrientes e a presença de contaminantes (micotoxinas, microbiológicas e metais pesados) que afetam a qualidade e a segurança do alimento de um plantel”, exemplifica Sebastião.

Além de sua expertise, a Vaccinar também conta com a parceria de instituições de ensino na realização de pesquisas na área de nutrição animal.

 

Fonte: Ass. de imprensa
Continue Lendo

Empresas Cadeia suinícola

Consultor certificado pelo Mapa e OIE fala sobre o bem-estar à área de suínos da Coopavel

Cleandro Pazinato discorreu sobre bem-estar animal a criadores, técnicos e a profissionais integrados à cadeia da suinocultura da Coopavel.

Publicado em

em

Treinamento foi realizado em momentos e com públicos distintos - Fotos: Divulgação/Coopavel

A Coopavel e a Vetanco trouxeram a Cascavel um dos grandes nomes nacionais em saúde e bem-estar animal. Cleandro Pazinato é consultor e pesquisador com quase 30 anos de experiência na área, e tem certificação do Ministério da Agricultura e Pecuária e da OIE (Organização Mundial de Saúde Animal). Cleandro discorreu sobre bem-estar animal a criadores, técnicos e a profissionais integrados à cadeia da suinocultura da cooperativa. O encontro aconteceu nesta segunda-feira (04) na sala de reuniões do Frigorífico de Suínos.

Até a direção defensiva, no transporte, conta para o bem-estar animal

Cleandro dividiu o treinamento em três partes para potencializar o aprendizado e os resultados. Ele falou a motoristas e a equipes de carregamento sobre cuidados e práticas de direção defensiva e seus benefícios para os animais em percurso. Com os trabalhadores do frigorífico, o consultor destacou aspectos relacionados a recebimento e condução dos animais, tudo para evitar estresse e manter os suínos relaxados o máximo possível. E para os criadores integrados presentes ele falou sobre bem-estar nas granjas, jejum e carregamento.

Tema em evidência

Segundo Cleandro, a preocupação das pessoas, de empresas, criadores e consumidores com o bem-estar animal está cada vez mais evidente em todo o mundo. Com isso, os profissionais da área de produção devem conduzir diálogos sobre o assunto de forma responsável e com base científica, ajudando a promover mudanças sustentáveis na forma de produzir, transportar e abater. “Nisso tudo há um ingrediente essencial, que é o reconhecimento da senciência (entender, perceber algo por meio dos sentidos) dos animais”, observa Cleandro, um dos mais reconhecidos especialistas nesse assunto no País.

Durante o treinamento ao público ligado à Coopavel, Cleandro abordou, entre outras, questões de ética, direito e bem-estar dos animais, ciência do bem-estar animal, legislações de proteção e bem-estar animal e relação entre bem-estar animal e lucratividade. “A qualidade das informações repassadas vai ajudar a promover avanços junto a todos que formam a cadeia de suínos da cooperativa. Esse tema, bem-estar animal, está muito presente no cotidiano da Coopavel”, segundo o gerente da área de Fomento de Suínos, Genézio Garbin.

Fonte: Ascom Coopavel
Continue Lendo

Empresas Suínos

Agroceres PIC intensifica investimentos e acelera expansão de sua estrutura de Genética Líquida

Inauguração da UDG Paranavaí, no Paraná, abre nova etapa de investimentos da empresa em seu negócio de Genética Líquida, que prevê a construção de mais duas unidades nos próximos anos. Com a UDG Paranavaí em operação, a produção total da Agroceres PIC salta para 4,5 milhões de doses inseminantes por ano.

Publicado em

em

Fotos: Divulgação

A Agroceres PIC, maior empresa de genética do país, inaugurou no dia 1º de julho, em Paranavaí (PR), uma nova Unidade de Disseminação de Genes (UDG). O empreendimento dá início a um novo ciclo de investimentos para expansão de seu negócio de Genética Líquida no país. O objetivo da empresa é ampliar sua estrutura para atender 70% de seus clientes por meio do fornecimento de sêmen, em no máximo 3 anos. Para tanto, pretende construir, no período, mais duas novas UDGs, uma no Centro-Oeste e outra na região Sul.

“A comercialização de sêmen fresco, produzido em unidades altamente tecnificadas como as UDGs, é um negócio consolidado no mercado brasileiro”, explica Alexandre Furtado da Rosa, Diretor Superintendente da Agroceres PIC. “Esse novo ciclo de investimentos, e a consequente ampliação de nossa estrutura de Genética Líquida, nos permitirá aumentar a eficiência da disseminação de genes superiores e acelerar o progresso genético nas unidades de produção comercial, agregando valor e competitividade ao negócio de nossos clientes”, completa.

Segundo o executivo, os novos investimentos – do qual a UDG Paranavaí é o primeiro passo – vai permitir à Agroceres PIC não apenas elevar sua produção de genética líquida, mas, principalmente, otimizar o uso dos reprodutores de maior índice genético.

Com a inauguração da UDG Paranavaí, a Agroceres PIC passa a operar com seis UDGs estrategicamente distribuídas pelo país. Uma moderna estrutura que reúne 3.500 reprodutores de altíssimo valor genético e responde por uma capacidade de produção instalada de 4,5 milhões de doses inseminantes por ano, volume capaz de atender um plantel aproximado de 700 mil matrizes tecnificadas em todo o Brasil.

 

Unidade-conceito de alto padrão tecnológico

Centro de excelência tecnológica, a UDG Paranavaí tem capacidade para alojar 800 reprodutores e potencial para processar 1,2 milhão de doses de sêmen por ano. A nova unidade vai atender a demanda da rede de multiplicadores de material genético Agroceres PIC, de parceiros Multiplicadores de Rebanho Fechado (MRF) e clientes instalados nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste. As primeiras doses de genética líquida da nova unidade paranaense devem chegar ao mercado em setembro.

A UDG Paranavaí tem o mesmo perfil construtivo e tecnológico das outras centrais da rede de Genética Líquida Agroceres PIC, o que lhe garante paridade com o que existe de mais moderno e inovador na suinocultura global. A unidade conta com alta tecnologia embarcada de ponta a ponta, desde a coleta, passando pelo processamento, avaliação, armazenagem, até o transporte do sêmen. Todos os seus processos produtivos são certificados, garantindo máxima qualidade, integridade e segurança das doses inseminantes.

À exemplo das outras centrais da Agroceres PIC, a UDG Paranavaí conta com rígidos protocolos sanitários, a começar por sua localização. A unidade está instalada em área isolada, distante de unidades de produção de suínos. Os galpões são equipados com filtros de ar que impedem o ingresso de agentes infecciosos. Os veículos para trânsito interno são exclusivos e a unidade vai atuar com dupla quarentena, certificada pela Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), o que não apenas reforça sua segurança sanitária, como possibilita um maior fluxo genético.

“A inauguração da UDG Paranavaí simboliza uma conquista importante para nossas atividades de Genética Líquida. A nova unidade fortalece ainda mais nossa estrutura, o que nos permite aumentar o atendimento aos nossos clientes e, por extensão, ampliar o acesso a uma tecnologia capaz de agregar mais qualidade genética ao plantel brasileiro”, afirma Nevton Hector Brun, gerente de Produção da Agroceres PIC.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
EVONIK 2022

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.