Conectado com
VOZ DO COOP

Empresas Prejuízos econômicos

Leptospirose bovina requer mais atenção em meses quentes e chuvosos

A doença provoca perdas econômicas à pecuária, pois influencia diretamente o potencial reprodutivo do gado

Publicado em

em

Divulgação Syntec

A leptospirose é uma doença infectocontagiosa de caráter zoonótico que ocorre com maior frequência em países de clima tropical e subtropical, principalmente em períodos com altos níveis pluviométricos – mais favoráveis à sobrevivência de bactérias do gênero Leptospira. No verão, por exemplo, a intensificação das chuvas aumenta o risco de exposição e contaminação dos bovinos, resultando em prejuízos produtivos e reprodutivos no rebanho.

Fernando Santos, médico-veterinário e Gerente Nacional de Vendas de Grandes Animais da Syntec do Brasil

“A doença provoca perdas econômicas à pecuária, pois influencia diretamente o potencial reprodutivo do gado. Isso acontece porque a leptospirose está direta e indiretamente ligada a falhas reprodutivas, como infertilidade e abortamento, à queda da produção de carne e de leite, além dos custos para o tratamento dos animais”, explica o médico-veterinário Fernando Santos, Gerente Nacional de Vendas de Grandes Animais da Syntec do Brasil.

A principal via de transmissão é a urina de animais infectados, que pode contaminar a água, o solo e os alimentos, podendo ocorrer também via mucosas e lesões na pele. O principal transmissor são os roedores infectados, que eliminam a bactéria Leptospira via urina, podendo infectar os humanos e animais domésticos. Fernando explica que um único bovino pode urinar mais de 30 litros por dia, tendo em vista que a urina é a maior fonte de transmissão da leptospirose e que os bovinos são animais gregários, passando a maior parte do tempo juntos. O contágio acontece de forma rápida e acentuada, assim como o surgimento dos prejuízos econômicos para o produtor. “Um animal acometido com a Leptospirose pode eliminar a bactéria por 180 dias em sua urina, o que totaliza 5.400L de urina contaminada eliminada por animal. Por isso, um animal acometido pode facilmente contaminar os demais animais da propriedade.”

A leptospirose pode se manifestar de forma aguda ou crônica. Os sintomas incluem febre, perda de apetite, depressão, icterícia (coloração amarela da pele e das mucosas), assim como os já citados, abortos e infertilidade. “Em animais jovens e adultos, ocorrem lesões nos rins que podem levar à falência desses órgãos fundamentais para a manutenção da vida. A forma crônica pode ser assintomática e, nesse caso, é mais perigosa, pois um único animal pode ser fonte de infecção para o rebanho inteiro”, alerta o especialista.

O veterinário informa que a leptospirose em bovinos pode ser causada por diferentes sorovares (variantes) de Leptospira, sendo o sorovar Hardjo um dos mais comuns em bovinos. “o sorovar Hardjo é o mais prevalente no rebanho bovino, causando importantes prejuízos econômicos e ao bem-estar animal na propriedade. “Até pouco tempo, não tínhamos disponível no mercado veterinário brasileiro uma vacina para prevenção contra esse importante sorovar.”

De acordo com Santos, para controlar e prevenir essa enfermidade, é importante a aplicação de medidas de higiene e identificação de fontes de transmissão. Outras ações essenciais são o diagnóstico e tratamento adequado dos bovinos acometidos e sempre manter o calendário de vacinação em dia. “Assim, é possível evitar a leptospirose e proteger a saúde do rebanho e, também dos próprios criadores – por se trata de uma zoonose”, finaliza.

Para auxiliar os criadores na prevenção da leptospirose bovina, a Syntec do Brasil disponibiliza a vacina Leptotec 8, que conta com os principais sorovares que acometem os bovinos, equinos e suínos, sendo a única no mercado que possui 3 sorovares de Hardjo. A vacina possui 30 doses e possui como diferencial o adjuvante CFM, que causa menores reações vacinais e melhor resposta imunológica.

Fonte: Assessoria

Empresas

Safeeds anuncia Alisson Rotter como novo gerente de monogástricos

Com uma trajetória de 14 anos dedicados ao segmento de aves e suínos, Rotter traz uma rica experiência técnica e comercial para fortalecer ainda mais a equipe Safeeds.

Publicado em

em

Alisson Rotter, o novo Gerente de Mercado de Monogástricos - Foto: Assessoria

A Safeeds, reconhecida por sua inovação no setor de nutrição animal, tem o prazer de anunciar a contratação de Alisson Rotter como o novo Gerente de Mercado de Monogástricos. Com uma trajetória de 14 anos dedicados ao segmento de aves e suínos, Rotter traz uma rica experiência técnica e comercial para fortalecer ainda mais a equipe Safeeds.

Formado em Medicina Veterinária pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) – Campus Palotina, Rotter concluiu seu MBA em Gestão Estratégica pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) e possui um mestrado em Ciência Animal pela UFPR. Sua carreira inclui dois anos na agroindústria avícola, cinco anos em nutrição e formulação de produtos e dietas para aves e suínos, e sete anos em atendimento comercial nos segmentos de avicultura e suinocultura.

Ao falar sobre o mercado de atuação, o veterinário destaca o segmento avícola como um mercado em constante crescimento e evolução tecnológica. Apesar dos desafios enfrentados em termos de custos de produção e pressão sanitária, especialmente por causa da Influenza Aviária, ele observa uma recuperação significativa em 2024. A redução nos custos de produção e a abertura de novos mercados mantêm otimistas as perspectivas de crescimento anual em produção e exportação. Alisson atuará principalmente com clientes localizados no Oeste, Sudoeste e Norte do Paraná.

Em sua nova posição na Safeeds, Alisson pretende ser um facilitador na implementação de tecnologias inovadoras, apoiando a resolução de problemas enfrentados pela indústria avícola. Ele enxerga a Safeeds como uma empresa cuja história, pessoas e tecnologia ele admira profundamente, considerando sua contratação não apenas uma realização profissional, mas também pessoal.

“A expectativa é extremamente elevada”, afirma o novo gerente. “Conheço muito bem a história, as pessoas e a tecnologia da Safeeds e sempre quis fazer parte desta equipe”.

A Safeeds e Alisson Rotter partilham de uma visão comum de crescimento e inovação, prometendo um futuro promissor na evolução do setor de nutrição animal no Brasil.

 

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas

Coopavel conquista prêmio da Cargill com estação de tratamento de efluentes

O projeto de modernização da ETE (Estação de Tratamento de Efluentes), da Unidade de Produção de Leitões, em Juvinópolis, distrito de Cascavel, venceu o Open Farm Awards Cargill

Publicado em

em

Programa de tratamento de efluentes resulta de parceria da Coopavel com Nutron e Cargill - Fotos: Assessoria

Os programas e parcerias ambientais da Coopavel rendem à cooperativa prêmios e reconhecimentos de empresas do agronegócio e de instituições voltadas à sustentabilidade. O mais recente foi anunciado na segunda quinzena de março, quando se celebra (dia 22) o Dia Mundial da Água. O projeto de modernização da ETE (Estação de Tratamento de Efluentes), da Unidade de Produção de Leitões, em Juvinópolis, distrito de Cascavel, venceu o Open Farm Awards Cargill.

A ETE da UPL II derrotou outros cinco projetos na categoria sustentabilidade. “Não há como olhar para o futuro da civilização e do agronegócio sem pensar e sem praticar a sustentabilidade, que se torna indispensável ao nosso negócio e à produção de alimentos”, ressalta o presidente Dilvo Grolli. “Estamos muito felizes com esse prêmio, que mostra o quanto estamos empenhados em observar conceitos da responsabilidade ambiental e do ESG no dia a dia das empresas que integram o complexo da Coopavel”, conforme Dilvo.

A engenheira ambiental Lucimar Novaes informa que a modernização da ETE elevou a qualidade final do efluente tratado, melhorando padrões ambientais e proporcionando o reuso parcial da água nas instalações da granja. “Todo efluente líquido gerado na UPL de Juvinópolis passa por um moderno sistema de tratamento. O biogás extraído do processo é reaproveitado na geração de energia e parte do efluente já tratado é empregado na higienização das instalações, reduzindo assim o consumo de água potável”, informa Lucimar.

 

Inovação

 Lucimar, Marcos e Ladionei: parceria por avanços ambientais

O gerente de Conta-Chave da Cargill, Laodinei Mossmann, lembra que o Open Farm nasceu de um projeto de relacionamento da multinacional com seus parceiros. A finalidade é trazer desenvolvimento, inovação e investimento nas pessoas. “Dialogamos muito com diretores da Coopavel para saber como e onde melhorar o negócio da cooperativa, levando a mais retorno, sustentabilidade e resultados”. O Open Farm, conforme Laodinei, é uma estratégia da Cargill de estar próxima do cliente no desenvolvimento de suas atividades e negócios. “O que conseguimos aqui, na UPL da Coopavel, é um modelo ao mundo”.

Segurança, economia e otimização de recursos estão entre os principais resultados da parceria, destaca o gerente da Unidade de Produção de Leitões, Marcos Sipp. “O tratamento dos efluentes garante a destinação correta desses materiais, observando toda a legislação ambiental sem qualquer dano à natureza”. A UPL de Juvinópolis existe há mais de oito anos e atualmente conta com 12,5 mil matrizes.

 

 

 

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas

Agroceres PIC inicia entrega dos primeiros reprodutores de elite produzidos na Granja Elite Gênesis

Líder no mercado brasileiro e argentino de genética de suínos, a Agroceres PIC inaugura um novo e decisivo capítulo de sua história ao iniciar as entregas dos primeiros reprodutores de elite produzidos na Granja Elite Gênesis, maior núcleo genético da América Latina

Publicado em

em

Foto e texto: Assessoria

Primeiros animais produzidos no maior núcleo genético de suínos da América Latina foram enviados a clientes da Agroceres PIC no Brasil e Argentina. Operação marca o início de uma nova era para suinocultura brasileira e sul-americana, garantindo reprodutores do mais alto nível genético aos produtores.

Líder no mercado brasileiro e argentino de genética de suínos, a Agroceres PIC inaugura um novo e decisivo capítulo de sua história ao iniciar as entregas dos primeiros reprodutores de elite produzidos na Granja Elite Gênesis, maior núcleo genético da América Latina. Os dois primeiros lotes de suínos de elite foram enviados nesta semana, dia 10 de abril, diretamente de Paranavaí (PR) para clientes no Brasil e Argentina.

A chegada dos reprodutores ao mercado representa um marco para a suinocultura brasileira e sul-americana, uma vez que oficializa o início da produção da Gênesis, primeira unidade para produção de reprodutores elite no Brasil.

“É um momento muito importante para todos nós, pois marca a produção inaugural da Gênesis, um centro de excelência genética idealizado e construído pela Agroceres PIC para dar suporte ao crescimento dos produtores em cenários mais complexos e competitivos”, observa Nevton Brun, gerente de Produção. “Temos plena convicção de que a altíssima qualidade genética e sanitária dos suínos produzidos na Gênesis impulsionará a eficiência zootécnica dos sistemas produtivos e potencializará o retorno econômico dos produtores”, acrescenta.

 

Uma nova era de eficiência e rentabilidade

Maior investimento da história da Agroceres PIC desde que implantou seu primeiro núcleo genético no país, a Granja Gênesis estabelece um novo modelo de melhoramento genético de suínos no Brasil, posicionando o país como produtor e exportador de material genético.

“A Gênesis é um divisor de águas em nossa trajetória e um investimento primordial para nossa estratégia de negócios. Ela foi concebida para quebrar paradigmas e carrega consigo uma missão ousada: revolucionar a eficiência e a rentabilidade dos nossos clientes”, finaliza Brun.

 

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
SIAVS 2024 E

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.