Conectado com
VOZ DO COOP

Empresas

Investimentos e tecnologia de automação condicionam novo paradigma da suinocultura de precisão 

Ferramentas, a exemplo da robotização e gestão em tempo real, tornaram Santa Catarina referência mundial em eficiência e produtividade na suinocultura, à frente de países como Estados Unidos, Alemanha, Canadá e Itália

Publicado em

em

Divulgação Roboagro

Resultado de investimentos, ampliações e evolução na produtividade das granjas, a suinocultura no Brasil cresce a cada ano, já sendo considerada uma das atividades econômicas mais importantes, geradora de emprego e renda, além de sua parcela de participação no saldo positivo da balança comercial do agronegócio. Dados apresentados pela Embrapa comprovam este cenário que coloca o país na 4ª posição em relação à produção de carne suína mundial, atrás apenas da China, União Europeia e Estados Unidos. Na exportação, ocupa a 4ª posição, enquanto ao consumo, assume o 5º lugar. Da produção total nacional, 81% é destinada ao mercado interno e 19% é voltada às operações de exportação.

Avanços na tecnologia de automação e na engenharia de processos permitiram que os sistemas de criação animal evoluíssem em termos de gerenciamento integrado da produção. Hoje, a indústria de equipamentos para alimentação, monitoramento de animais e controle ambiental oferecem opções diversificadas, possibilitando que grande parte das atividades de rotina seja automatizada nas granjas. Tais fatores contribuem para o resultado final: a qualidade da carne suína, que assumiu o protagonismo da segurança alimentar como uma das proteínas mais consumidas e apreciadas em território nacional. Este tema também constituiu o estudo elaborado pela Associação Brasileira de Criadores de Suínos (ABCS) e Sebrae, em parceria com Markestrat – empresa expertise no mapeamento e quantificação de sistemas agroindustriais, apresentando números atualizados sobre produção e consumo da carne suína no Brasil e exterior.

A zootecnia de precisão pode ser considerada estratégia de gestão inteligente com diversas vantagens sobre os sistemas convencionais. O uso de ferramentas tecnológicas para a gestão dos sistemas de produção tornou a suinocultura mais competitiva, sendo adequadas às exigências dos mercados consumidores por produtos sustentáveis e com qualidade sanitária garantida por rastreabilidade. Aliado a isso estão as técnicas de precisão, que podem beneficiar os produtores, dispondo maior controle sobre o rebanho e seus índices produtivos. Cuidados voltados à garantia de saúde têm diferenciado a suinocultura praticada em Santa Catarina, estado maior produtor de carne suína e segundo maior produtor de carne de frango do Brasil.

O exemplo de Santa Catarina

O estado continua ampliando mercados e firmando sua presença internacional. No primeiro semestre de 2021, exportou mais de 775,6 mil toneladas de carnes com faturamento superior a US$ 1,5 bilhão (5,6% a mais em relação ao mesmo período do ano anterior). Os números foram divulgados pelo Ministério da Economia e analisados pelo Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Epagri/Cepa). O desempenho positivo nos embarques para o mercado externo deve-se à alta nas vendas para compradores de peso, como Arábia Saudita, Japão, Chile, China e Filipinas. No acumulado do ano, Santa Catarina embarcou 283 mil toneladas de carne suína, arregimentando um faturamento de mais de US$ 705 milhões.

Se o critério de avaliação for a conversão alimentar – um dos principais indicadores de eficiência e produtividade do setor – Santa Catarina é ainda mais promissora, contemplando o melhor resultado mundial, perdendo apenas das pequenas produções da Bélgica e Países Baixos. O estado da Região Sul do Brasil é mais eficiente/produtivo que os Estados Unidos, Alemanha, Canadá e Itália em 10%, 7,39%, 4% e 13%, respectivamente. Em termos de produtividade das matrizes, faz frente aos países mais desenvolvidos e os números revelam que não há o que copiar do exterior. A referência mundial nunca esteve tão próxima de terras brasileiras como agora.

Santa Catarina também é referência internacional na produção de alimentos de qualidade, tendo acesso aos mercados mais competitivos do planeta. Com o tempo, o estado foi se consolidando como fornecedor de proteína animal, focado na saúde animal e na defesa agropecuária. Seu status sanitário diferenciado demonstra a qualidade produtiva, facilitando a comercialização da carne catarinense junto aos países mais exigentes do mundo. A Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc), em parceria com a iniciativa privada e os produtores, mantém um rígido controle das fronteiras e do rebanho catarinense. A atenção extrema com a sanidade animal – critério valorizado por importadores de carne – garantiu o reconhecimento da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) como área livre de febre aftosa sem vacinação. Junto ao Rio Grande do Sul e Paraná, Santa Catarina é zona livre de peste suína clássica.

Soluções tecnológicas à serviço da suinocultura de precisão

Alimentar os suínos individualmente com dietas formuladas, em tempo real, com base em seus próprios padrões de consumo de ração e crescimento representa uma importante mudança de paradigma na nutrição animal. Nos sistemas convencionais, os suínos, que são geralmente criados em grupos, não têm seus dados avaliados individualmente, com exceção daqueles utilizados em programas de melhoramento genético.

A aplicação da Instrução Normativa nº 113 (IN 113) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), publicada em dezembro de 2020, condicionou a modernização da suinocultura no Brasil. A adoção de técnicas e ambientes, que priorizam a sustentabilidade e permitem ao suíno demonstrar o comportamento típico da espécie cedeu maior espaço à tecnologia. Como consequência, granjas melhor estruturadas e a robotização – bem como outras ferramentas da suinocultura de precisão – passaram a ser vistas com maior frequência nas propriedades rurais.

Entre tais ferramentas pode-se considerar a tecnologia Agriness S4, nascida no Brasil e replicada no mundo inteiro, gerenciando mais de 2 milhões de matrizes por meio do software S2. A solução analisa e transforma a informação que vem da granja em conhecimento estratégico para ajudar a atuar, rapidamente, em todas as oportunidades de melhoria dos resultados. O Agriness S4 se comunica com a cooperativa ou agroindústria da qual o produtor faz parte, fazendo com que ele ou o gestor da corporação possam acessar dados atualizados da produção para decidir o que a granja precisa, em tempo real. Ainda dispõe de recursos alinhados ao P+1, um método de aceleração da produtividade de granjas produtoras de suínos, criado pela Agriness e usado por mais de mil profissionais na América Latina. Uma tecnologia que contribuiu para identificar os pontos críticos da produção, agilidade na resolução de problemas, dados produtivos integrados à corporação, qualidade e segurança nas informações. Outros benefícios dessa tecnologia podem ser conhecidos no site www.agriness.com

A robotização

O trabalho do produtor ao gerenciar a fase de crescimento e terminação dos animais que serão enviados ao abate, controlando o consumo da ração e o crescimento dos suínos, ganhou um forte aliado. Os resultados da produção, conferidos na grande maioria somente ao final do lote, podem ser feitos durante o lote, a cada dia, por um Robô Alimentador de Suínos.

O sistema permite a alimentação dos suínos nas baias em horários pré-determinados, com a possibilidade de ajuste em tempo real, conforme o consumo dos animais, e o mínimo de interferência humana. O controle é feito mediante uso de aplicativo e de um software, que facilita a análise individual de cada distribuição, aumentando os resultados para o produtor. O equipamento ainda permite a melhoria da competitividade e ganhos para toda a integração, produtores e agroindústrias, que podem usar ferramentas de gestão e inteligência artificial para corrigir eventuais gargalos de produção. “Temos uma solução completa, que atende e agrada todos os elos da suinocultura, assim como o bem-estar animal.

Os resultados são melhores que os apresentados pelos Estados Unidos, Canadá, Alemanha, Itália e outros países que sempre nos serviram de referência, mas, a partir dessa tecnologia, estamos ocupando lugar de destaque e sendo considerados benchmarking em nível mundial”, aponta Giovani Molin, diretor da Roboagro, empresa de Caxias do Sul (RS), que desenvolveu o Robô Alimentador de Suínos. Ao percorrer toda extensão da granja, durante quatro a seis vezes ao dia, o equipamento proporciona a inserção de diversas tecnologias que, em outras situações, não seriam viáveis. Mais detalhes sobre o funcionamento podem ser conferidos no site www.roboagro.com.br

A robotização promoveu uma mudança estrutural no segmento, fazendo com que as agroindústrias adaptem os layouts das granjas, deixando as pocilgas preparadas para o novo padrão da suinocultura. O benefício dessa técnica, agregado às vantagens do sistema de distribuição de ração com comedouro linear, reforça a necessidade de sua prática. “Foi-se o tempo em que o milho custava R$25,00 a saca e poderíamos tratar os animais à vontade. Vivenciamos um novo momento e voltar o olhar a essas questões define quem terá, ou não, resultados nos próximos anos, uma vez que não vislumbramos um cenário de redução dos custos dos insumos nas próximas décadas”, adverte Molin, ao lembrar que a tecnologia – inédita no Brasil – permite erro zero na distribuição alimentar, valoriza a precificação e qualidade dos lotes, avaliados em diversos índices zootécnicos. Outro benefício é que, durante o processo, o robô reproduz música clássica, cuja eficácia voltada à fase de crescimento dos suínos foi comprovada por meio de estudos. E o suinocultor consegue identificar, com maior precisão, a condição sanitária da granja e o andamento do lote, por meio do aplicativo de gestão. Atualmente, há mais de 800 unidades do Robô Alimentador de Suínos em operação nos três estados da Região Sul, responsáveis por 66% da suinocultura nacional, além da presença em Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul e interior de São Paulo.

O mercado de suínos no Brasil

Com grandes números de produção e exportação, o mercado brasileiro de suínos é altamente representativo. No panorama interno, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul se destacam, uma vez que são os estados que mais produzem e exportam carne suína. De acordo com o Relatório Anual publicado pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), o volume de 750 mil toneladas de carne suína exportada representou uma receita de 1,59 bilhões de dólares ao mercado brasileiro. Um indício de que o setor está em constante crescimento e, cada vez mais, novas soluções se fazem necessárias para otimizar a produção.

Segundo do mapeamento realizado pela ABCS, Sebrae e Markestrat, o modelo produtivo da suinocultura nacional se diferencia de acordo com a região. No Sul predominam os pequenos suinocultores integrados ou cooperados, especializados em determinada fase de produção. O Sudeste é marcado por produtores independentes com produção de ciclo completo. Cada sistema está adaptado ao seu mercado, onde todos ganham eficiência e competitividade, mantendo o crescimento da produção nacional. A produção tecnificada está distribuída em cerca de 3,1 mil granjas de produção de leitões e quase 15 mil granjas de engorda. Nos estados do Sul, 60% das granjas de matrizes têm até 500 reprodutoras com predomínio de produção integrada ou cooperada. A região concentra 96% de granjas de terminação, 95% dos crechários e 56% das granjas de wean to finish – que consiste basicamente na eliminação da fase de creche dentro do sistema de produção convencional, ou seja, os animais, neste caso, são desmamados e alojados em um galpão onde permanecem até o abate – também vinculadas a agroindústrias ou cooperativas.

Na região Sudeste, Minas Gerais e São Paulo são referências para o mercado spot. Embora o tamanho médio das granjas seja bem superior (785 matrizes) aos das granjas do Sul (456 matrizes), a região tem 60% delas com menos de 500 reprodutoras. Devido à baixa expressividade dos modelos de produção cooperada, apenas 1,7% das granjas de engorda estão abrigadas no Sudeste. No Centro-Oeste, há maiores escalas de produção com 46% das granjas de matrizes, tendo pelo menos 1.000 reprodutoras. Mesmo que, em torno de 50% da produção seja integrada a agroindústrias, a região concentra somente 2,5% das granjas de terminação, cerca de 2,3% dos crechários e pouco mais de 44% das granjas wean to finish. No Norte e Nordeste, a produção é 100% independente, caracterizada por granjas de menor escala com tamanho médio de aproximadamente 200 matrizes.

Fonte: Ass. de Imprensa
Continue Lendo

Empresas Frangos Ross® 308 AP

“Conexão Aviagen” promove conhecimento a produtores em todo o Brasil

Cerca de 500 clientes participaram dos eventos nas cidades de Pará de Minas (MG), Goiânia (GO), Cascavel (PR), Maringá (PR), Garibaldi (RS), Chapecó (SC), Rio Claro (SP) e Recife (PE)

Publicado em

em

Conexão Aviagen em Goiânia (GO) / Divulgação

Durante os meses de março e abril, a equipe brasileira da Aviagen® realizou a sua tradicional série de eventos “Conexão Aviagen”, viajando pelo país fornecendo aos produtores avícolas as mais recentes experiências, para alcançar o melhor potencial dos frangos Ross® 308 AP. Cerca de 500 clientes participaram dos eventos nas cidades de Pará de Minas (MG), Goiânia (GO), Cascavel (PR), Maringá (PR), Garibaldi (RS), Chapecó (SC), Rio Claro (SP) e Recife (PE), e se beneficiaram de dicas para melhorar a saúde, o bem-estar e a performance de suas aves. O formato interativo dos seminários ofereceu oportunidades para importantes discussões entre todos os participantes.

O evento abordou temas como o ciclo de vida do Ross 308 AP, desde a criação até o abate, com destaque para o manejo durante o inverno e a qualidade da carcaça. Também foram discutidas abordagens práticas para a implementação do autocontrole e estratégias de melhoria de rendimento e redução de custos por meio de processos fabris.

Décadas de melhoramento genético balanceado

Durante o evento, a coordenadora de Produto da Aviagen, Jane Lara Grosso, falou sobre o impacto de 20 anos de seleção genética e apresentou detalhes do programa de melhoramento genético de frangos de corte da empresa. Jane destacou como décadas de seleção contribuíram para melhorias significativas no desempenho, saúde e bem-estar animal ao longo do tempo.

“Na Aviagen, as aves de pedigree passam por um rigoroso processo de seleção em diversos ambientes para expressar seu potencial genético. Tecnologias como a seleção genômica e a tomografia computadorizada aumentam a precisão da seleção e melhoram características como a saúde das pernas e a conversão alimentar”, explicou.

Um dos pontos destacados foi a importância da sustentabilidade e a busca por aves mais eficientes em termos de alimentação e produção. Os esforços da Aviagen não apenas impulsionaram o desempenho, mas também promoveram a sustentabilidade ambiental na produção de frangos de corte.

Jane também abordou os benefícios da seleção genômica, explicando como a técnica aumenta a precisão da estimativa do valor genético das aves, com ganhos esperados no aumento de peso, redução na conversão alimentar e na saúde das aves.

A importância de um manejo efetivo

Os supervisores regionais de Serviços Técnicos da Aviagen Brasil, Rodrigo Tedesco e Alessandro Lopes, apresentaram uma análise de desempenho do Ross 308 AP, destacando seus benefícios em termos de robustez óssea, crescimento muscular e eficiência de abate. Os especialistas compartilharam dicas sobre o manejo inicial e crescimento dos frangos, enfatizando a importância de um manejo adequado para maximizar o potencial de crescimento e evitar problemas de saúde. “Frangos bem manejados se destacam na saúde cardiovascular e esquelética e apresentam excelente conversão alimentar”, explicou Tedesco.

Ótimo controle ambiental – essencial para o manejo de inverno

Rodrigo Tedesco também abordou o tema “Manejo de inverno: ambiência como fator fundamental”, destacando a interdependência entre o comportamento das aves, o consumo, a ventilação e o controle de temperatura na produção avícola. Segundo ele, investir em sistemas de controle ambiental adequados e práticas de manejo responsáveis é essencial para maximizar a produtividade e rentabilidade do negócio avícola. Mudanças sutis no ambiente podem afetar negativamente a saúde e desempenho das aves.

“Estratégias de manejo adaptativas e sistemas de controle ambiental eficientes emergem como soluções para otimizar a criação das aves, promovendo seu bem-estar e maximizando a produtividade na indústria avícola”, explicou Tedesco.

Manejo visando qualidade de carcaça

“O manejo eficaz é crucial para garantir uma produção de carne de alta qualidade”, disse Lopes em sua apresentação. Na ocasião, o supervisor também debateu a necessidade de considerar não apenas o resultado na agropecuária, mas também o aproveitamento do frango dentro do frigorífico, destacando a relevância de práticas como alojamento adequado, programas de luz específicos e manejo eficiente de comedouros e bebedouros para evitar problemas de qualidade de carcaça.

“Um dos principais desafios durante a produção que pode prejudicar a qualidade da carcaça é a falta de manutenção da qualidade da cama. É fundamental trabalhar a cama desde a fase pré-alojamento até o final do ciclo de vida do lote, garantindo um ambiente adequado para o desenvolvimento saudável dos frangos, pois a qualidade da cama reflete diretamente no resultado, tanto para a agropecuária quanto para o frigorífico”, explicou.

Além disso, Lopes abordou como a genética desempenha um papel fundamental na busca pela qualidade da carcaça, influenciando diversos aspectos como a conformação do frango e seu desenvolvimento físico.

Inspeção moderna e processo regulatório

A pós-doutora, professora, pesquisadora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e coordenadora do Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA), Liris Kindlein, abordou a modernização da inspeção na indústria avícola, discutindo mudanças regulatórias que visam aprimorar a gestão de condenações e a qualidade das carcaças.

Kindlein enfatizou a importância da integração de informações do campo e do frigorífico para otimizar o processo de abate. Ela destacou as mudanças na portaria 736, que simplificam o processo de inspeção, melhorando a qualidade do produto. “É importante que o setor discuta as regulamentações, a modernização dos processos de inspeção e a adoção de medidas para garantir a segurança e qualidade dos produtos na indústria avícola”, explanou.

Melhorando o rendimento, reduzindo custos

O médico-veterinário e consultor Darwem de Araújo apresentou formas para melhorar o rendimento e reduzir custos nos abatedouros, principalmente relacionados à produção de frangos, destacando a necessidade de entender as matérias-primas e processos envolvidos.

“É preciso focar em áreas como gestão, agropecuária e abatedouro para identificar e resolver problemas. Falta de mão de obra e falhas na observação dos equipamentos são os principais gargalos enfrentados na indústria, sendo fundamental o aprimoramento contínuo para reduzir perdas e maximizar o rendimento”, explicou Araújo.

Análise geral do pacote: das reprodutoras ao abate

A palestra final, ministrada pelo gerente de Serviços Técnicos da Aviagen no Brasil, Marco Aurélio Romagnole de Araújo, apresentou os resultados de desempenho obtidos pelos clientes da Aviagen em 2023, destacando os principais indicadores de desempenho, como pintos produzidos por fêmea alojada, conversão alimentar, GPD, mortalidade a campo, rendimento e condenas na indústria.

“O Ross 308 AP apresentou, em toda cadeia (matrizes, frangos e abate) uma economia de R$ 39,2 milhões em custos de produção por ano, para um abate de 200 mil frangos/dia, em comparação com seu principal concorrente. Estes números destacam não apenas a eficácia do produto, mas também o impacto direto na rentabilidade e eficiência operacional dos clientes, o que faz do Ross 308 AP a melhor escolha”, afirmou Araújo.

Conexão bem-sucedida da Aviagen

A Aviagen promove oportunidades contínuas para se conectar com seus clientes, levando para as granjas os mais recentes desenvolvimentos tecnológicos, práticas de manejo e melhorias genéticas para fortalecer ainda mais o seu sucesso.

“Estamos muito satisfeitos com o envolvimento de nossos clientes brasileiros no Conexão Aviagen. O Brasil tem imensa importância como mercado-chave para a Aviagen e estamos comprometidos com investimentos contínuos, colaboração e compartilhamento de conhecimento para apoiar o crescimento e sucesso de nossos clientes”, disse o diretor de Operações da Aviagen no Brasil, Leandro München.

Confira abaixo os registros da “Conexão Aviagen” em todo o Brasil:

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas

GenoMar Genetics Group nomeia novo CEO

Gustavo Bozano foi nomeado como novo CEO do GenoMar Genetics Group e começará em sua nova posição no dia 1 de maio de 2024.

Publicado em

em

Gustavo Bozano, novo CEO do GenoMar Genetics Group - Foto: Assessoria

Gustavo é cidadão brasileiro e tem mais de 30 anos de experiência na indústria de aquicultura brasileira, onde ocupou diversas posições técnicas, gerenciais e de liderança. Durante 19 anos, ele foi Sócio-Gerente na AquaLagus Consultoria e Representação Agropecuária. A empresa foi particularmente envolvida em consultorias sobre análise operacional e econômica do desempenho biológico na produção de tilápias.

Além disso, Gustavo também trabalhou como Diretor Técnico e de Operações na Mcassab, produtora brasileira de tilápias, e como Gerente Comercial e de Marketing para ração animal no Grupo InVivo, uma empresa de fabricação de alimentos e bebidas.

Ele possui um Mestrado e Doutorado em Ciência Animal pela Universidade de São Paulo, Brasil. Também estudou estratégia empresarial na University of La Verne, Califórnia, EUA.

“Estou muito entusiasmado em me juntar à GenoMar para desenvolver ainda mais sua posição como fornecedora líder mundial de genética de tilápias. Tenho vivenciado o valor da genética e a distribuição eficiente de produtos genéticos como um contribuidor chave para uma indústria de tilápias saudável e lucrativa”, diz Gustavo Bozano.

“Estamos satisfeitos que Gustavo tenha aceitado a posição de CEO da GenoMar”, destaca o presidente do conselho, Odd Magne Rødseth.

“Sua reputação na indústria de tilápias e experiência extensiva cobrindo toda a cadeia de valor da tilápia, desempenharão um papel decisivo no processo de melhoria contínua dos produtos e serviços da GenoMar para nossos clientes, bem como no desenvolvimento das habilidades e competências da equipe”, pontua Magne.

Alejandro Tola Alvarez, que serviu como CEO do GenoMar Genetics Group pelos últimos 7 anos, foi nomeado como Diretor Executivo para Não-Salmões na Blue Future Holding.

A história de Alejandro na GenoMar abrange um período de 18 anos durante o qual ele trabalhou desenvolvendo a tecnologia e operações de GenoMar em genética, incubatório e engorda, primeiro como COO na Ásia e mais tarde como CTO e CEO, posicionando a GenoMar como uma marca premium tanto na Ásia quanto na LATAM e líder global na distribuição de genética de tilápias.

“Eu quero agradecer à diretoria por me dar a oportunidade de liderar a GenoMar por 7 anos. Sinto-me realmente orgulhoso de nossa contribuição para uma aquicultura global mais sustentável e lucrativa através da genética e produção de sementes. Agora, estou ansioso por novas oportunidades dentro do grupo”, enfatiza Alejandro Tola Alvarez.

“Em nome do conselho e de todos os funcionários, gostaria de agradecer a Alejandro por seu forte compromisso e contribuição. Ele foi a pessoa-chave liderando a empresa em um período de grande inovação e expansão de nossas operações de tilápias na Ásia e LATAM”, conclui Odd Magne Rødseth.

Em seu novo papel, Alejandro utilizará sua ampla experiência industrial e rede em aquicultura global para apoiar os esforços da Blue Future Holding na identificação, avaliação e integração de novas oportunidades de investimento. Ele também apoiará as empresas do portfólio atual em suas jornadas de escala e crescimento, incluindo a GenoMar onde ele fará parte do Conselho de Administração e continuará a atuar como Diretor de Criação e P&D.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas Saúde avícola

Conheça o mais novo membro da Família Zoetis

Obtenha proteção rá­pida contra as doenças de Gumboro e Marek.

Publicado em

em

Divulgação Zoetis

Os vírus da Doença Infecciosa da Bursa (IBDV) continuam sendo uma das mais desafiadoras preocupações de saúde avícola em todo o mundo. A proteção rápida contra IBDV é importante para reduzir a amplificação viral e a imunossupressão. No Brasil, o potencial de infecção por IBDV nas primeiras 3 semanas de idade é alto, uma vez que frangos de corte são criados em cama reutilizada, e os anticorpos maternos transmitidos pelas reprodutoras diminuem por volta dos 14 dias de idade a níveis não protetivos.

Os vírus de maneira geral, evoluem com o passar do tempo, baseado na pressão ambiental, vacinal, recombinações e rearranjos, o que torna a prevenção, controle e erradicação de doenças virais muito complexo.

Nesse sentido, as vacinas como ferramentas imunoprofiláticos exercem um papel fundamental para redução de perdas na avicultura.

A Zoetis, alinhada com o seu proposito de trazer inovações para o mercado de saúde animal, orgulhosamente apresenta o mais novo membro das vacinas vetorizadas, a Poulvac ® Procerta HVT-IBD. Essa vacina é uma poderosa ferramenta atualizada para proteger os lotes contra os vírus de Gumboro e Marek que circulam entre os plantéis de frangos de corte no Brasil, incluindo a cepas variantes de Gumboro.

Um dos grandes desafios das vacinas vetorizadas é o estabelecimento de imunidade precoce, e é exatamente nesse ponto, que a Poulvac ® Procerta HVT-IBD se diferencia quando comparado com as vacinas vetorizadas de mercado.

Em estudos recentes a Poulvac ® Procerta HVT-IBD demonstrou alta precocidade nas repostas imunes, protegendo os pintinhos mais rapidamente (onset of immunity), e ofereceu melhor proteção geral aos desafios atuais do DIB em comparação com os concorrentes¹, no gráfico abaixo é possível visualizar essa diferença, e demonstrou proteção eficaz contra em pintinhos com altos níveis de anticorpos maternos, além disso, se mostrou eficiente contra cepas variantes².

Gráfico 1: Numa avaliação da atrofia bursal, apenas o Poulvac ® Procerta HVT-IBD forneceu mais de 90% de proteção após um desafio clássico de DIB no dia 14.

Poulvac ® Procerta HVT-IBD

Na produção avícola o tempo vale ouro. E é por isso que a Zoetis oferece uma vacina vetorizada que coloca o tempo ao seu favor. Respaldada por inúmeros trabalhos, a Poulvac ® Procerta HVT-IBD, administrada por via in ovo ou subcutânea gera imunidade contra os vírus clássicos (virulentos ou muito vi­rulentos) e variantes de Gumboro. Obtenha proteção rá­pida contra as doenças de Gumboro e Marek.

Por: Gleidson Salles, Médico Veterinário, Mestre, Doutor em Biotecnologia, Gerente de Marketing – Poultry.

 

Fonte: Comunicação Zoetis
Continue Lendo
SIAVS 2024 E

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.