Conectado com
FACE

Bovinos / Grãos / Máquinas Nutrição Animal

Inoculantes e barreiras de oxigênio: vamos fazer silagem de qualidade?

Silagem tem papel de conservar forragem, de forma que vários pontos cruciais devem ser respeitados para que tenhamos manutenção da qualidade nutricional na abertura do silo

Publicado em

em

Divulgação

Artigo escrito por Bruna Gomes Alves, especialista Técnica em Saúde Animal da Ourofino Saúde Animal

Antes de pensarmos em como fazer uma silagem de qualidade, precisamos definir alguns conceitos essenciais dentro desse cenário. Silagem é o produto obtido pela fermentação anaeróbica, com produção de ácido lático por bactérias específicas, diminuição do pH e metabolização dos açúcares, naturalmente presentes na planta original. A silagem tem o papel de conservar a forragem, de forma que vários pontos cruciais devem ser respeitados para que tenhamos manutenção da qualidade nutricional na abertura do silo. Todas as etapas do processamento da silagem são bastante importantes, e quando não respeitadas, podemos ter um material fermentado muito diferente do esperado. Dentro das principais premissas, e digo isso pois são fatores essenciais na definição de uma boa silagem, estão a criação de um ambiente ausente de oxigênio, que esteja pronto para rápida diminuição do pH.

Independentemente da cultura utilizada para a ensilagem, devemos concentrar nossa atenção na escolha de uma boa lavoura, maquinários específicos, mão-de-obra qualificada, utilização de inoculantes de boa qualidade, vedação correta, bem como todo o suporte técnico necessário. O ideal seria que tivéssemos sempre à mão, uma cultura de alta produtividade, com matéria seca ajustada em torno de 34%, alto teor de carboidratos solúveis (vão servir de alimento para as bactérias fermentadoras), baixo poder tampão (facilidade de abaixamento do pH), e claro, boa aceitabilidade pelo animal, resultando em boa digestibilidade e aproveitamento do alimento.

Para todo processo de fermentação sempre teremos basicamente 4 fases: Respiração, Fermentação Inicial, Fermentação Lática e Estabilização, que ao todo, normalmente acontecem em torno de 14-15 dias. Durante essas fases, vemos o consumo do oxigênio residual, crescente produção de ácido lático e estabilização do pH em torno de 3,5 a 3,8 (Figura 1). Em condições naturais de fermentação, sem a presença de aditivos inoculantes, teremos o abaixamento do pH pela fermentação de bactérias naturalmente presentes na planta, o que pode representar um problema, já que não sabemos ao certo a concentração dessas bactérias e de que forma vão atuar em sinergismo para que haja correta fermentação.

Para que haja então uma organização no processo fermentativo e que saibamos exatamente quais produtos serão formados e quais as bactérias envolvidas, podemos utilizar os inoculantes bacterianos, aplicados no momento da compactação da silagem. Os inoculantes podem atuar em diversas fases dependendo da sua composição, a fim de inibir produtos indesejáveis e diminuir as perdas por calor ou microrganismos patogênicos. Dois grandes grupos de bactérias podem formar um inoculante: as bactérias homoláticas e as heteroláticas. As homoláticas são mais eficientes, já que consomem o açúcar presente na forragem e o transformam diretamente em ácido lático. Por outro lado, as bactérias heteroláticas formam o ácido lático juntamente com outros compostos, como o dióxido de carbono e outros ácidos.

Alguns inoculantes do mercado possuem características muito importantes, tais como cepas funcionais que inibem microrganismos patogênicos, por isso, é sempre bom lembrar de escolher empresas idôneas e respeitadas pela qualidade de formulação de um inoculante, pois a mistura de cepas bacterianas, se feita desordenadamente, pode representar um problema como baixa taxa de inoculação, ou ocorrência de competição entre elas ocasionando a baixa performance em conjunto. Portanto, em geral, inoculantes com menor número de cepas e maior taxa de inoculação têm desempenho melhor.

A escolha do tipo de inoculante vai depender, no entanto, do cenário de cada propriedade, seja da matéria seca da lavoura no momento de corte, da eficiência do manejo de retirada e da presença de altas concentrações de açúcares por exemplo. Cada cenário vai nos mostrar o principal desafio daquela silagem, e dessa forma saberemos como organizar melhor o processo como um todo e orientar para melhores resultados. Tudo deve andar como uma engrenagem, se tudo for bem feito porém a compactação for insuficiente, teremos silagem de baixa densidade (presença de ar no meio das partículas), o que pode favorecer contaminação. Da mesma forma, se todo o processo for eficiente e a etapa de fechamento não funcionar, teremos perdas substanciais na superfície do silo (Foto 1).

A qualidade do filme plástico e o quão bem ele foi aderido à forragem são peças-chave para eliminar a deterioração de superfície. Lonas convencionais (PVC ou polietileno – dupla-face) têm sido utilizadas para cobertura dos silos, porém, embora possuam boa resistência mecânica e boa proteção contra raios UV, elas não impedem a passagem de oxigênio. Dessa forma, ainda com a utilização de lonas resistentes, podemos observar perdas consideráveis na superfície do silo, seja trincheira ou superfície. Alguns estudos já conduzidos tratam que camadas de 10 a 15 cm de perdas correspondem a cerca de 40 toneladas de silagem, estabelecidas para um tamanho padrão de silo.

Para resolver essa questão, as barreiras de oxigênio têm tomado espaço na busca para melhorar não só a camada superficial do silo, como também favorecer a fermentação pela melhor estabilização do ácido lático na massa ensilada. Essa melhora se dá basicamente pela redução expressiva da passagem de ar. Uma medida que usamos para conseguir determinar essa passagem é a taxa de passagem de oxigênio (OTR, no inglês). Essa taxa avalia o quanto de volume de oxigênio é passado a cada 24 horas por cada metro quadrado de lona. Nos materiais convencionais, essa OTR chega a valores de 1500 cm³/m² ao passo que nas barreiras de oxigênio esse número cai para perto de 39 cm³/m². Essa menor quantidade de oxigênio presente na massa ensilada implica em menores contagens de levedura, silagem mais fresca com menor produção de calor, maior qualidade e aceitabilidade.

Portanto, a atenção na confecção da silagem é essencial, desde a lavoura até a abertura do silo. Respeitando corretamente todos os passos, teremos ao final um material de boa qualidade, seja milho, gramíneas ou grão úmido. O uso de tecnologias como os aditivos (inoculantes) ou a barreira de oxigênio somente vão somar resultados quando a base (processo em si) já está sendo bem executada. E aí, vamos fazer silagem de qualidade e sem perdas?

Outras notícias você encontra na edição de Bovinos, Grãos e Máquinas de junho/julho de 2021 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 + nove =

Bovinos / Grãos / Máquinas Nutrição Animal

Antifúngicos de ácidos orgânicos: Lidando com a conservação da qualidade de grãos e rações

O principal objetivo do uso de antifúngicos é melhorar o desempenho dos animais e maximizar os lucros

Publicado em

em

Divulgação/AENPr

Artigo escrito por Natália Vicentini, gerente de serviços técnicos da Kemin do Brasil

O milho é o principal grão utilizado pela indústria de nutrição animal, dentre outros insumos também utilizados em grandes quantidades, e a ocorrência de fungos se mostra um problema desde as fases de produção a campo, passando pelas fases de armazenamento desses grãos, até a ração final.

Os fatores que afetam o desenvolvimento de fungos são principalmente teor de umidade, temperatura, disponibilidade de tempo, condição física (no caso de grãos quebrados), nível de inóculo do fungo, conteúdo de oxigênio, insetos e ácaros.

Os fungos mais importantes pertencem aos gêneros Fusarium, Aspergillus e Penicillium, e sua incidência em grãos e rações reduz não só a qualidade, causando perdas fisicas e econômicas para a indústria, mas também pode esconder um outro problema: a presença de micotoxinas são metabólitos secundários tóxicos produzidos por algumas espécies de fungos presentes nos grãos e dessa maneira níveis de micotoxinas podem ser controlados pela limitação do crescimento de fungos – priorizando o desempenho ideal de animais e qualidade de rações.

Um claro exemplo de micotoxina é a aflatoxina, produzida pelo fungo do gênero Aspergillus, que demonstrou reduzir a atividade de enzimas digestivas: nuclease, tripsina, lipase e amilase, em frangos de corte, resultando em menor digestão e crescimento mais lento.

Proteger o grão do crescimento de fungos resultará em grãos de maior valor nutricional: Certo pesquisador demonstrou em seu trabalho que rações com presença de fungos requerem 3% de gordura adicional para superar a perda de energia, sem perdas na conversão alimentar de frangos de 28 dias de idade.

Kao e Robinson, em seu trabalho demonstraram que as consequências do crescimento fúngico também são sentidas em nivel de aminoácidos totais e lisina, com redução em 21% e 45%, respectivamente em trigo. Economicamente, o crescimento de fungos é muito custoso a indústria de nutrição animal.

Apenas o crescimento dos fungos, na ausência de micotoxinas, já é uma preocupação importante para produtores. A contagem de bolores e leveduras pode ser utilizada como uma ferramenta para uma utilização mais eficiente da ração.

Testes a campo realizados nos EUA mostram que as contagens de fungos são reduzidas em aproximadamente 75% em milho tratado com antifúngico a base de ácidos orgânicos comparando-se ao milho não tratado. Pellets de ração produzidos com este insumo tratado também apresentaram uma contagem significativamente inferior. Considerando a análise de dias para mofar observou-se um incremento de 100% do período entre rações que levaram milho tratado comparando-se com rações com milho sem nenhum tratamento.

Outra proposta dessa revisão de estudos a campo realizado nos principais produtores de frangos de corte nos EUA demonstrou que a utilização do alimento pelo animal é melhor aproveitada, melhorando de 6 a 8 pontos a conversão alimentar quando o aditivo antifúngico a base de ácidos orgânicos é adicionado ao grão inteiro a uma taxa de cerca de 1 kg por tonelada de grãos 6.

Um teste a campo realizado no Brasil demonstrou que como resultado da utilização de produtos a base de ácidos orgânicos no controle de fúngicos, também foi possível diminuir significativamente a contaminação por aflatoxinas em milho tratado e estocado aos 60 e 120 dias.

Os níveis de fungos e micotoxinas aumentam à medida que o grão é colhido, armazenado e transportado para as fábricas de ração. Níveis não controlados de fungos e micotoxinas continuarão a aumentar até que a ração seja consumida pelos animais causando prejuízos a saúde dos animais ou até mesmo a segurança dos alimentos.

Dada a situação e o cenário atual de custos de insumos, é prudente utilizar ferramentas e boas práticas que assegurem a qualidade do produto. Tratar os grãos de maneira preventiva com antifúngicos a base de ácidos orgânicos antes do armazenamento a fim de evitar que tais condições ocorram é uma estratégia que pode trazer retornos fantásticos. O tratamento de grãos pré armazenamento pode reduzir o desafio com infestação por fungos. Outra possível oportunidade para tratamento na pós-colheita de grãos seria nas fábricas de rações, quando recebido.  O principal objetivo do uso de antifúngicos é melhorar o desempenho dos animais e maximizar os lucros, provendo alimentos de qualidade ao campo e contribuindo com a segurança dos alimentos.

Outras notícias você encontra na edição de Bovinos, Grãos e Máquinas de junho/julho de 2021 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas Pecuária

Metionina Protegida: Saiba o papel no desempenho de vacas leiteiras durante a fase de transição

Vacas recebendo metionina protegida tiveram maior ingestão de matéria seca quando comparado ao grupo controle

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Artigo escrito por Claudia Parys, Evonik Nutrition & Care, GmbH, Alemanha; e Tales Lelis Resende, Nutrition & Care, Evonik (CSA), Brasil

No ciclo produtivo de vacas leiteiras, o período de transição apresenta-se como a fase mais crítica, caracterizado principalmente pelo desafio ao sistema imunológico. Prevenir desordens metabólicas nesta fase é a chave para maximizarmos a performance no pico de lactação. Ao iniciar a lactação a vaca leiteira enfrenta um balanço energético e proteico negativo. Aplicar estratégias nutricionais para aumentar a ingestão de matéria seca (IMS) no pré-parto e suportar o ótimo funcionamento do sistema imunológico garantirá um bom começo de lactação e melhorará a saúde geral da vaca.

Metionina é considerada o primeiro aminoácido limitante na maioria das vacas leiteiras de alta produção. Metionina não é apenas um aminoácido essencial, mas também é responsável por manter diversas funções imunológicas. Portanto, conduziu-se o presente estudo buscando determinar os efeitos da suplementação de metionina protegida com etil-celulose na performance produtiva e saúde de vacas de alta produção durante o período de transição e o pico de lactação.

O estudo realizou-se na Fazenda Leiteira Experimental da Universidade de Illinois, nos Estados Unidos. Sessenta vacas da raça Holandês, multíparas, foram distribuídas em dois tratamentos em blocos totalmente randomizados. Os tratamentos foram; 1. Controle, com o fornecimento de dieta base (pré-parto, pós-parto e alta produção) sem metionina protegida, e 2. Teste, dieta controle com 0,09% de inclusão de metionina protegida por kg de matéria seca (MS) no pré-parto e 0,10% de inclusão por kg de MS no pós-parto e alta produção. A suplementação assegurava uma relação 2,8:1 para lisina:metionina. As dietas pré-parto, pós-parto e alta produção foram fornecidas do dia 28 antes do parto ao parto, do dia 1 ao 30 pós parto e do 31 aos 60 pós parto respectivamente.

Os resultados demonstraram que vacas recebendo metionina protegida tiveram maior ingestão de matéria seca quando comparado ao grupo controle. A suplementação aumentou significativamente a média de IMS (P<0,05) das vacas durante o pré-parto em 1,2 kg/dia, no pós-parto em 1,6 kg/dia e alta produção em 1,5 kg/dia. No pós-parto imediato, a produção de leite diária (4,1 kg/dia), produção de proteína (0,20 kg/dia), produção de gordura (0,17 kg/dia) e produção de lactose (0,25 kg/dia) foram maiores no grupo teste (P<0,05) comparado ao controle. No período de alta produção (31 a 60 dias em lactação) a suplementação de metionina apresentou resposta similar aumentando a produção de leite em 4,4 kg, proteína em 0,17 kg, gordura em o,19 kg e lactose em 0,30 kg/vaca/dia.

Ácidos graxos não esterificados (AGNE) e γ-glutamil transferase tiveram seus teores séricos reduzidos em 25 e 37% respectivamente no grupo suplementado comparado ao grupo controle. A redução de AGNE e γ-glutamil transferase no sangue indicam melhor função hepática e status imunológico de vacas leiteiras.

Com base no s resultados obtidos neste estudo, conclui-se que suplementar metionina protegida com etil-celulose no período de transição melhora o consumo de matéria seca e a saúde de vacas leiteiras. Fornecer desde o 28° dia pré-parto melhora a performance produtiva não apenas no pós-parto imediato, mas também até o pico da lactação.

Figura: Efeito da suplementação de metionina protegida com etil-celulose do 28° dia pré-parto aos 60 dias em lactação

Outras notícias você encontra na edição de Bovinos, Grãos e Máquinas de junho/julho de 2021 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas Taninos

Uso de misturas taninos na nutrição de ruminantes

Uso de taninos na nutrição de bovinos, como aditivos nutricionais vem sendo amplamente estudado, e com resultados positivos e com grande repetibilidade

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Artigo escrito por Marcelo Manella, médico veterinário, PhD e diretor de Nutrição Animal da SilvaFeed Brasil

A busca, e demanda por produção de proteína animal livre de antibióticos promotores de crescimento é uma crescente tendência no mundo todo, quer seja por demanda de consumidores, ou por legislações governamentais. Porém com as restrições, que vem sendo impostas pelos mercados, quais alternativas restam ao produtor? A resposta, está na natureza, ou melhor nas plantas, onde as pesquisas demonstram grande potencial das misturas de taninos, como aditivos que possam auxiliar a melhora no desempeno animal bem como na saúde dos mesmos.

Os taninos por muito tempo foram considerados compostos anti-nutricionais, por seus efeitos deletérios no consumo de alimentos. Porém nos últimos anos, diversos trabalhos tem apresentado o potencial dos taninos na nutrição de ruminantes.

Todas as plantas apresentam taninos, em concentrações variáveis, e funções específicas. Eles podem ser encontrados, em maior ou menor quantidades, dependendo de idade da planta, estado fisiológico e clima, nos frutos, folhas, sementes, troncos, etc. Os tanino são mecanismo de defesa das plantas contra predadores.

Os extratos de taninos, no caso as misturas de Quebracho e Castanheira, apresentam efeitos comprovados, como flavorizante, no metabolismo proteico, função ruminal, e efeito antimicrobiana, com descrito na tabela 1.

Tabela 1: Resumo de efeitos de Extratos Tanicos de Quebracho e Castanheira em ruminantes

O uso de misturas de taninos de quebracho e castanheira tem sido amplamente usado nas dietas de bovinos de corte. Os taninos além de aumentar o consumo de matéria seca, apresenta um efeito positivo no desempenho de bovinos de corte, como melhora no ganho de peso vivo (GP), ganho de peso diário (GPD), consumo de matéria seca (CMS), eficiência alimentar (GPD/CMS) e os ganhos de carcaça. Em trabalho realizado pela UFG (Universidade de Goiás), o uso das misturas de taninos, associados ou não com a Monensina, ou com redução em 10% nos níveis de proteína da dieta. Nas dietas isoprotéica, aumentou o consumo, porém refletiu de forma significativa em maiores ganhos de peso vivo e peso de carcaça, sem alteração nas eficiências alimentares. Já o uso de taninos, em dietas reformuladas, os animais apresentaram consumos de MS similares, assim como os ganhos e peso de carcaça, porém com dietas com 10% menos proteína bruta permitindo a redução nos custos pela reformulação (Tabela 2).

Em uma compilação dos dados de trabalhos publicados, em bovinos de corte, onde em média o uso de taninos apresentou ganhos 8,45% superior e conversão alimentar 4,5% melhor (Grafico 1), e 9,41 kg a mais de carcaça (Grafico 2) que o controle.

O uso de taninos na nutrição de bovinos, como aditivos nutricionais vem sendo amplamente estudado, e com resultados positivos e com grande repetibilidade. A mistura de taninos de quebracho e castanheira, além de modular a fermentação ruminal, também atua no metabolismo proteico, com redução na degradação proteica, e consequentemente maior fluxo de proteína metabolizável para os intestinos. Isto permite melhora nos parâmetros produtivos, com maior ganho de peso, e melhor eficiência alimentar.

Outras notícias você encontra na edição de Bovinos, Grãos e Máquinas de junho/julho de 2021 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
CONBRASUL/ASGAV

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.