Conectado com
VOZ DO COOP

Bovinos / Grãos / Máquinas Nutrição Animal

Inoculantes e barreiras de oxigênio: vamos fazer silagem de qualidade?

Silagem tem papel de conservar forragem, de forma que vários pontos cruciais devem ser respeitados para que tenhamos manutenção da qualidade nutricional na abertura do silo

Publicado em

em

Divulgação

Artigo escrito por Bruna Gomes Alves, especialista Técnica em Saúde Animal da Ourofino Saúde Animal

Antes de pensarmos em como fazer uma silagem de qualidade, precisamos definir alguns conceitos essenciais dentro desse cenário. Silagem é o produto obtido pela fermentação anaeróbica, com produção de ácido lático por bactérias específicas, diminuição do pH e metabolização dos açúcares, naturalmente presentes na planta original. A silagem tem o papel de conservar a forragem, de forma que vários pontos cruciais devem ser respeitados para que tenhamos manutenção da qualidade nutricional na abertura do silo. Todas as etapas do processamento da silagem são bastante importantes, e quando não respeitadas, podemos ter um material fermentado muito diferente do esperado. Dentro das principais premissas, e digo isso pois são fatores essenciais na definição de uma boa silagem, estão a criação de um ambiente ausente de oxigênio, que esteja pronto para rápida diminuição do pH.

Independentemente da cultura utilizada para a ensilagem, devemos concentrar nossa atenção na escolha de uma boa lavoura, maquinários específicos, mão-de-obra qualificada, utilização de inoculantes de boa qualidade, vedação correta, bem como todo o suporte técnico necessário. O ideal seria que tivéssemos sempre à mão, uma cultura de alta produtividade, com matéria seca ajustada em torno de 34%, alto teor de carboidratos solúveis (vão servir de alimento para as bactérias fermentadoras), baixo poder tampão (facilidade de abaixamento do pH), e claro, boa aceitabilidade pelo animal, resultando em boa digestibilidade e aproveitamento do alimento.

Para todo processo de fermentação sempre teremos basicamente 4 fases: Respiração, Fermentação Inicial, Fermentação Lática e Estabilização, que ao todo, normalmente acontecem em torno de 14-15 dias. Durante essas fases, vemos o consumo do oxigênio residual, crescente produção de ácido lático e estabilização do pH em torno de 3,5 a 3,8 (Figura 1). Em condições naturais de fermentação, sem a presença de aditivos inoculantes, teremos o abaixamento do pH pela fermentação de bactérias naturalmente presentes na planta, o que pode representar um problema, já que não sabemos ao certo a concentração dessas bactérias e de que forma vão atuar em sinergismo para que haja correta fermentação.

Para que haja então uma organização no processo fermentativo e que saibamos exatamente quais produtos serão formados e quais as bactérias envolvidas, podemos utilizar os inoculantes bacterianos, aplicados no momento da compactação da silagem. Os inoculantes podem atuar em diversas fases dependendo da sua composição, a fim de inibir produtos indesejáveis e diminuir as perdas por calor ou microrganismos patogênicos. Dois grandes grupos de bactérias podem formar um inoculante: as bactérias homoláticas e as heteroláticas. As homoláticas são mais eficientes, já que consomem o açúcar presente na forragem e o transformam diretamente em ácido lático. Por outro lado, as bactérias heteroláticas formam o ácido lático juntamente com outros compostos, como o dióxido de carbono e outros ácidos.

Alguns inoculantes do mercado possuem características muito importantes, tais como cepas funcionais que inibem microrganismos patogênicos, por isso, é sempre bom lembrar de escolher empresas idôneas e respeitadas pela qualidade de formulação de um inoculante, pois a mistura de cepas bacterianas, se feita desordenadamente, pode representar um problema como baixa taxa de inoculação, ou ocorrência de competição entre elas ocasionando a baixa performance em conjunto. Portanto, em geral, inoculantes com menor número de cepas e maior taxa de inoculação têm desempenho melhor.

A escolha do tipo de inoculante vai depender, no entanto, do cenário de cada propriedade, seja da matéria seca da lavoura no momento de corte, da eficiência do manejo de retirada e da presença de altas concentrações de açúcares por exemplo. Cada cenário vai nos mostrar o principal desafio daquela silagem, e dessa forma saberemos como organizar melhor o processo como um todo e orientar para melhores resultados. Tudo deve andar como uma engrenagem, se tudo for bem feito porém a compactação for insuficiente, teremos silagem de baixa densidade (presença de ar no meio das partículas), o que pode favorecer contaminação. Da mesma forma, se todo o processo for eficiente e a etapa de fechamento não funcionar, teremos perdas substanciais na superfície do silo (Foto 1).

A qualidade do filme plástico e o quão bem ele foi aderido à forragem são peças-chave para eliminar a deterioração de superfície. Lonas convencionais (PVC ou polietileno – dupla-face) têm sido utilizadas para cobertura dos silos, porém, embora possuam boa resistência mecânica e boa proteção contra raios UV, elas não impedem a passagem de oxigênio. Dessa forma, ainda com a utilização de lonas resistentes, podemos observar perdas consideráveis na superfície do silo, seja trincheira ou superfície. Alguns estudos já conduzidos tratam que camadas de 10 a 15 cm de perdas correspondem a cerca de 40 toneladas de silagem, estabelecidas para um tamanho padrão de silo.

Para resolver essa questão, as barreiras de oxigênio têm tomado espaço na busca para melhorar não só a camada superficial do silo, como também favorecer a fermentação pela melhor estabilização do ácido lático na massa ensilada. Essa melhora se dá basicamente pela redução expressiva da passagem de ar. Uma medida que usamos para conseguir determinar essa passagem é a taxa de passagem de oxigênio (OTR, no inglês). Essa taxa avalia o quanto de volume de oxigênio é passado a cada 24 horas por cada metro quadrado de lona. Nos materiais convencionais, essa OTR chega a valores de 1500 cm³/m² ao passo que nas barreiras de oxigênio esse número cai para perto de 39 cm³/m². Essa menor quantidade de oxigênio presente na massa ensilada implica em menores contagens de levedura, silagem mais fresca com menor produção de calor, maior qualidade e aceitabilidade.

Portanto, a atenção na confecção da silagem é essencial, desde a lavoura até a abertura do silo. Respeitando corretamente todos os passos, teremos ao final um material de boa qualidade, seja milho, gramíneas ou grão úmido. O uso de tecnologias como os aditivos (inoculantes) ou a barreira de oxigênio somente vão somar resultados quando a base (processo em si) já está sendo bem executada. E aí, vamos fazer silagem de qualidade e sem perdas?

Outras notícias você encontra na edição de Bovinos, Grãos e Máquinas de junho/julho de 2021 ou online.

Fonte: O Presente Rural

Bovinos / Grãos / Máquinas Encadeamento produtivo

Investimento na melhoria genética proporciona evolução na cadeia láctea em Santa Catarina 

Ações de aprimoramento da cadeia láctea fazem parte do Programa Encadeamento Produtivo, que oportuniza conhecimentos e técnicas para melhorar a gestão do empreendimento, a avaliação de oportunidades e a inserção de inovações.

Publicado em

em

Foto: Shutterstock

Apresentar os resultados obtidos com o melhoramento genético na bovinocultura leiteira. Com esse objetivo o Sebrae/SC e a Aurora Coop promovem nesta quinta-feira (20), uma missão técnica com visita em duas empresas rurais na região Oeste catarinense. As ações de aprimoramento da cadeia láctea fazem parte do Programa Encadeamento Produtivo, que oportuniza conhecimentos e técnicas para melhorar a gestão do empreendimento, a avaliação de oportunidades e a inserção de inovações.

A programação consiste em visita às 09h45 na propriedade de Laudir Bisolo, localizada na Linha Chapada, interior do município de Arvoredo. Na sequência, no período vespertino, a visita será na empresa rural de Ivonei Nespolo, situada na Linha São Geraldo, no município de Concórdia. A intenção é observar a campo os ganhos genéticos e os benefícios proporcionados a esses produtores associados à Copérdia e que fazem parte do projeto Modelo Genético Aurora Coop (MGA). Por fim, às 16 horas, está previsto encerramento com debate sobre as visitas.

De acordo com o gerente corporativo lácteos da Aurora Coop, Selvino Giesel, essa iniciativa evidenciará o progresso genético obtido a partir de características de interesse econômico (produção, qualidade, volume, percentual de proteína e gordura, redução de contagem de células somáticas) e de conformação do rebanho (animais para a produção de sólidos, mais longevos, mais saudáveis, livres de doenças genéticas e que proporcionam melhor rendimento para a indústria e maior remuneração aos produtores).

Foto: Divulgação/Arquivo OPR

Genética avançada
Em julho de 2014, a Aurora Coop foi pioneira com o levantamento genético pela técnica de genotipagem do gado leiteiro. A tecnologia foi desenvolvida por cientistas de vários países com apoio do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos e Universidades do Canadá e EUA. O objetivo foi auxiliar o modelo de seleção genética existente até então, o chamado teste de progênie.

Foram coletadas amostras de 2.500 animais de vários produtores, inicialmente das raças Jersey e Holandesa, para identificar e aferir a situação do patrimônio genético da região, seus pontos fortes e fracos. A análise permitiu conhecer 94 características do genoma dos animais, proporcionando analisar o mapa genético do rebanho, o que inclui informações sobre produção, saúde e conformação. Com base na definição do padrão genético foi desenvolvido o MGA.
O estímulo para a adoção dessa tecnologia foi a constatação de que muitas propriedades apresentavam dificuldades para atender as exigências da Instrução Normativa nº 62 (IN-62) – que estabelece padrões definitivos para a qualidade do leite cru refrigerado –, mesmo com assistência técnica, aperfeiçoamento do manejo, nutrição e outras modalidades de apoio e assistência. Isso porque muitos problemas estavam relacionados à genética, a exemplo de doenças deletérias e imperfeições no composto de úbere, composto de patas e pernas.

Esse investimento proporcionou informações para que os empreendedores rurais pudessem tomar as melhores decisões no uso da genética, atendessem a legislação vigente, maximizassem os ganhos e produzissem um leite de melhor qualidade, com mais sólidos, animais mais saudáveis e com maior longevidade. Além de contribuir para que o empresário rural e a indústria obtivessem melhor rendimento.

E, as ações para melhoramento na cadeia láctea prosseguiram após a genotipagem. Atualmente, são realizados o Controle Leiteiro das Filhas do MGA, Modelo Genético Próprio (MGP), Análise Genômica e Controle Morfométrico das Filhas do MGA. Como resultados obtidos estão a melhoria nos sólidos do leite, diminuição das taxas de doenças genéticas nos animais, correção dos aprumos, sistema mamário e características de estrutura e aumento nos índices de saúde e bem-estar animal.

Encadeamento produtivo

A iniciativa é do Sebrae e da Aurora Coop com o apoio de vários parceiros. Em Santa Catarina com Senar, Sescoop, Sicoob, Cooperalfa, Itaipu, Auriverde, Coolacer, Copérdia, Caslo, Cooper A1, Copercampos e Coopervil. No Rio Grande do Sul, conta com a parceria do Sebrae, Sicredi, Cooperalfa, Cooper A1, Copercampos e Copérdia. No Paraná participam o Sebrae, a Cooperalfa, a Copérdia e a Cocari e, no Mato Grosso do Sul, Sebrae, Cooasgo e Cooperalfa.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas

Economista aponta 12 tendências do setor de leite e derivados até 2030

Panorama revela como os produtores precisam se preparar para um futuro onde a eficiência, a sustentabilidade e a organização serão determinantes para o sucesso da atividade.

Publicado em

em

Foto: Shutterstock

A indústria de leite e derivados está em constante transformação, impulsionada por mudanças demográficas, econômicas e tecnológicas. Para entender as principais tendências que vão moldar este setor até 2030, o Jornal O Presente Rural entrevistou com exclusividade o economista, doutor em Economia Aplicada, pesquisador e assessor da Presidência da Embrapa, Paulo Martins.

Economista, doutor em Economia Aplicada, pesquisador e assessor da Presidência da Embrapa, Paulo Martins: “A demanda por produtos lácteos no Brasil deve continuar crescendo, impulsionada por uma combinação de avanços tecnológicos, mudanças nas preferências dos consumidores e um aumento na renda per capita” – Foto: Arquivo pessoal

O especialista apresenta 12 tendências da pecuária leiteira, abordando desde o crescimento do consumo global e regional até a necessidade de inovação tecnológica e adaptação às demandas dos novos consumidores. Este panorama revela como os produtores precisam se preparar para um futuro onde a eficiência, a sustentabilidade e a organização serão determinantes para o sucesso da atividade. A seguir, vamos explorar em detalhes cada uma dessas tendências, oferecendo uma visão abrangente e estratégica para todos os envolvidos na cadeia produtiva de leite e derivados. Confira!

A primeira tendência é que o consumo de leite vai continuar crescendo no Brasil e no mundo, especialmente na Ásia, em que o consumo antes era baixo devido à falta de hábito e de renda da população. No entanto, essa região, que abriga 51% da população mundial, está se tornando uma grande compradora de leite. Com o crescimento da renda per capita, o consumo de proteína animal, especialmente o leite, que é o mais barato, está aumentando. Apesar dos esforços para aumentar a produção local, a Ásia enfrenta limitações específicas em terras agrícolas e água renovável. Portanto, a demanda por leite nessa região deve ser suprida por importações de outros países. No Brasil, também há uma perspectiva de crescimento contínuo do consumo de leite. Em 1996, o brasileiro consumia, em média, 133 litros por ano, e agora esse número subiu para 170 litros. Isso reflete tanto o crescimento da população quanto o aumento do consumo per capita. À medida que o rendimento melhora, a população tende a consumir mais, e um exemplo disso é o aumento no consumo de queijo, que é uma forma concentrada de consumir leite.

A segunda tendência é a redução no número de produtores, sendo que cada produtor vai passar a ter uma produção cada vez maior. Isso representa um desafio, pois os pequenos produtores vão precisar se esforçar para crescer e, ao mesmo tempo, buscar a integração em cooperativas para aumentar sua capacidade de negociação na compra de insumos e na venda de seus produtos. Essa dinâmica já está em andamento no Brasil há algum tempo, especialmente entre os maiores laticínios.

A terceira tendência observada globalmente é o aumento do número de vacas por propriedade. Não se trata apenas de vacas com maior produtividade, mas de um crescimento real do rebanho. Isso torna mais atraente para os laticínios comprarem leite desses produtores, pois conseguem adquirir maior quantidade de leite em um único local. É preciso estimular os produtores para aumentar seus rebanhos, seja comprando mais animais ou melhorando a reprodução em suas propriedades, para que possam expandir suas operações.

A quarta tendência é a alteração no perfil dos produtores. À primeira vista, parece que nada mudou, já que a produção de leite no Brasil tem se mantido estável nos últimos 10 anos. No entanto, houve uma transformação substancial. Os maiores produtores estão investindo pesado e não falam em crise. Eles aumentaram significativamente a produção porque perceberam que, quanto maior a produção de leite, menor o custo unitário por litro. Isso ocorre devido à diluição dos custos fixos, como construções e manutenção dos animais. Ou seja, estão ampliando seus rebanhos e aumentando a produção para reduzir os custos de produção.

A quinta tendência é a especialização regional da produção de leite. Embora praticamente todo o Brasil produza leite, há uma concentração significativa entre Cascavel e Passo Fundo, abrangendo o Oeste do Paraná até o Rio Grande do Sul, região em que já temos uma “Minas Gerais do leite”. Outras regiões também estão se especializando, como o Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba, além do Sudeste, Nordeste e algumas áreas do Norte, que vêm aumentando a sua produção. Essa especialização regional é interessante e tem levado os laticínios a migrar para essas regiões.

Foto: Ari Dias

A sexta tendência diz respeito ao crescimento da cadeia produtiva. A produção vai crescer não em propriedades que se tenha vacas de melhor genética, mas em regiões em a cadeia seja mais organizada fora da fazenda. O sucesso no setor é definido pela colaboração entre instituições, produtores, sindicatos, cooperativas e todos os níveis de governo, especialmente o municipal. A forma como cada comunidade se organiza define o sucesso na produção de leite. Coincidentemente, as regiões onde a produção de leite está crescendo e se tornando mais densa são também aquelas com maior organização social.

A sétima tendência é que o leite não pode mais ser tratado de forma amadora; é um negócio sério. Quem está na atividade precisa pensar como um capitalista, fazendo muitas contas antes de gastar ou investir qualquer quantia. Ao mesmo tempo, é necessário ser audacioso, como todo empresário, equilibrando a cautela financeira com a coragem para inovar. Além disso, é essencial ser um bom administrador e, se possível, participar do trabalho na propriedade para entender melhor os problemas administrativos.

A oitava tendência é a necessidade de medir o desempenho do negócio de forma eficaz. Existem várias maneiras de fazer isso na propriedade, incluindo o uso de aplicativos modernos que facilitam o monitoramento. Contudo, é igualmente importante observar fatores externos, como a variação dos preços. Por exemplo, atualmente o preço do leite está subindo rapidamente. No entanto, é irreal esperar que o preço se mantenha em R$ 3 por litro a longo prazo. Portanto, quando o preço atingir esse valor os produtores não devem se precipitar em fazer investimentos de longo prazo, como comprar vacas, com base em um aumento momentâneo. É preciso ter cautela.

A nona tendência é que, além de medir o desempenho, é fundamental acompanhar os mercados. É importante monitorar os mercados de soja e milho para decidir sobre a alimentação animal, além de estar atento às decisões governamentais. Não basta focar apenas na propriedade; é necessário ter uma visão ampla e olhar para fora dela também.

A décima tendência é que o setor de leite vai continuar operando com margens muito estreitas. Essa é uma característica específica do setor, onde a margem, que é a diferença entre o preço e o custo, é limitada. Com o preço sendo praticamente fixo, os produtores precisarão se esforçar cada vez mais para reduzir seus custos. Isso exige o uso de planilhas de custos planejadas para identificar onde o dinheiro está sendo gasto e encontrar pontos de desperdício. É essencial monitorar e controlar essas áreas, pois as margens no setor de leite são extremamente baixas em todo o mundo.

Foto: Divulgação

A décima primeira tendência é a necessidade de se conectar claramente com o novo perfil de consumidor. Esse consumidor quer saber mais do que apenas se o produto é gostoso; ele quer saber como é produzido, se os animais são bem tratados e se há preocupação com questões ambientais. Para atender a essas demandas, os produtores precisam fazer mudanças importantes, mas não podem fazer isso sozinhos. É necessário o apoio dos laticínios, da pesquisa e da assistência técnica. Estamos entrando em um novo mundo, onde o consumidor está altamente preocupado com a sustentabilidade ambiental, a responsabilidade social e a transparência nos negócios. O setor de leite precisa se adaptar a essa nova realidade, pois essa tendência veio para ficar.

A décima segunda tendência é que o leite hoje não é apenas mais uma commodity; ele exige tecnologia avançada. É o que a gente chama de food truck. É o único produto que, por força de lei, deve obrigatoriamente passar pela indústria antes de chegar ao consumidor, ao contrário de outros produtos que podem ser comercializados diretamente. Portanto, tanto os laticínios quanto as propriedades precisam se tornar cada vez mais digitais, utilizando aplicativos para tomar decisões mais assertivas. É preciso ter mais precisão na tomada de decisões, uma vez que não há mais espaço para decisões baseadas no achismo.

Demanda por produtos lácteos até 2030

A evolução da demanda por produtos lácteos até 2030 será marcada por uma série de fatores, incluindo mudanças nas perspectivas do consumidor e avanços tecnológicos. Segundo Martins, essa questão é central nas tendências observadas atualmente no mercado. “Um dos principais elementos a considerar é a preocupação crescente dos jovens consumidores com a sustentabilidade e a produção do leite. Há estudos internacionais que apontam que o arroto da vaca e dos bezerros causa impacto ambiental. No entanto, pesquisas realizadas pela Embrapa e universidades brasileiras demonstram que a atividade leiteira pode mitigar esses efeitos por meio de práticas inovadoras e sustentáveis, como o sistema de integração lavoura, pecuária e floresta, que é facilitado pelo ambiente tropical brasileiro. Além disso, há esforços contínuos para minimizar a produção de gases no rúmen dos animais, com a introdução de produtos específicos que são importantes para essa redução”, explica o assessor da Presidência da Embrapa.

Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Martins acredita que, com esses avanços, será possível entregar leite carbono zero de forma mais rápida do que se imagina. “Esse desenvolvimento é essencial para manter o interesse dos jovens consumidores em produtos lácteos. Com o aumento da renda per capita brasileira, que atingiu em média US$ 10 mil, há uma tendência de crescimento no consumo de queijos e outros derivados lácteos, enquanto o consumo de leite fluído se mantém estável”, aponta o economista.

As mudanças nos hábitos alimentares também estão impulsionando a demanda por derivados lácteos. “Os jovens adotam cada vez mais bebidas lácteas, enquanto os adultos continuam a preferir o leite fluído. Atualmente, o consumo de leite no Brasil é de cerca de 170 litros por habitante ao ano, mas há potencial para aumentar esse número para 270 litros nos próximos anos. A indústria láctea tem respondido a essa demanda com novas soluções, como o whey, que é o soro do leite e tem sido amplamente aceito pelos jovens devido aos seus diversos usos industriais e benefícios nutricionais”, afirma o doutor em Economia Aplicada.

Enquanto isso, o consumo de leites vegetais, que teve um crescimento significativo na Europa e nos Estados Unidos, agora está em declínio. No Brasil, esses produtos ainda são caros e atraem um público limitado, principalmente aqueles preocupados com questões ambientais. No entanto, Martins salienta que os leites vegetais não oferecem a mesma qualidade nutricional que o leite natural, sendo compostos por uma mistura de ingredientes que não replicam os benefícios do leite. “A demanda por produtos lácteos no Brasil deve continuar crescendo, impulsionada por uma combinação de avanços tecnológicos, mudanças nas preferências dos consumidores e um aumento na renda per capita. A indústria láctea está bem posicionada para atender a essa demanda, oferecendo produtos sustentáveis ​​e inovadores que atraem tanto os jovens quanto os adultos”, ressalta o profissional.

Evolução do setor de lácteos

As regulamentações e políticas governamentais também vão exercer um papel relevante na evolução do setor de lácteos nos próximos anos, especialmente em termos de segurança alimentar e práticas de bem-estar animal. Martins aponta que muitos produtores ainda não perceberam que as mudanças climáticas não devem ser assunto apenas da política, mas, sobretudo, do setor de produção. “As recentes enchentes no Rio Grande do Sul são um exemplo claro de como os fatores climáticos representam riscos significativos para a atividade leiteira”, salienta.

Foto: Rubens Neiva

A necessidade de conceber novas tecnologias que levem em conta a variabilidade climática é urgente. Universidades, institutos de pesquisa e a Embrapa estão trabalhando para desenvolver essas tecnologias, que não visam apenas a sustentabilidade ambiental, mas também a eficiência e a previsibilidade da produção. No entanto, é fundamental que haja uma política pública robusta para apoiar esses avanços tecnológicos.

O pesquisador é enfático ao afirmar que as políticas públicas devem focar na criação de seguros que protejam os produtores dos impactos climáticos extremos. Martins aponta que é fundamental que o Brasil reconheça a realidade das mudanças climáticas e implemente políticas que incentivem boas práticas de produção. “O setor privado, especialmente os laticínios, deve estimular a adoção de tecnologias mitigadoras de impactos ambientais. Por outro lado, o poder público, em suas diversas esferas, precisa fornecer infraestrutura básica como água e estradas, essenciais para a produção agrícola”, enfatiza.

De acordo com o pesquisador, o governo federal está em um debate intenso para melhorar a previsibilidade das crises climáticas e reduzir os riscos por meio de zoneamento agrícola. “A Embrapa, junto com o Ministério da Fazenda e o Banco Central, está desenvolvendo políticas de crédito agrícola para incentivos a boas práticas de produção. Os governos estaduais e municipais também têm um papel fundamental em criar mecanismos de apoio e garantir a infraestrutura básica para os produtores”, frisa.

Esses temas foram amplamente discutidos no 2º Fórum Nacional do Leite, realizado em abril pela Associação Brasileira dos Produtores de Leite (Abraleite). O evento destacou a importância de uma abordagem integrada entre o setor público e privado para enfrentar os desafios climáticos e garantir a sustentabilidade da produção láctea no Brasil.

Para ficar atualizado e por dentro de tudo que está acontecendo no setor de bovinocultura de leite e na produção de grãos acesse a versão digital de Bovinos, Grãos e Máquinas, clique aqui. Boa leitura!

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas

Por que monitorar os preços do leite e dos lácteos?

O crescimento econômico deriva, sim, de investimentos estruturais, como assistência técnica, melhoria em nutrição, saúde e reprodução animal, treinamento de mão de obra, adoção de ferramentas gerenciais nas fazendas e laticínios. Depende também de infraestrutura e logística. Mas tudo isso exige um ambiente institucional que favoreça a diminuição das assimetrias de informação e dos custos de transação.

Publicado em

em

Foto: Rubens Neiva

A importância do sistema agroindustrial (SAG) do leite no Brasil é inegável. Nosso País é o quinto maior produtor de leite do mundo e nossa produção corresponde a quase 5% do total mundial, segundo dados da FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura). As estatísticas nacionais mostram que são mais de 1,17 milhão de produtores no campo e cerca de 130 mil pessoas empregadas na indústria de laticínios (IBGE, 2017; RAIS, 2022). Os últimos dados disponíveis do Cepea indicam que o setor lácteo gerou R$ 77,1 bilhões em 2020, valor que representou 4% do PIB do agronegócio naquele ano.

Fotos: Divulgação/Arquivo OPR

Apesar da grande importância que o setor tem no agronegócio brasileiro, ainda há gargalos expressivos para seu desenvolvimento, com relação a produtividade no campo, qualidade do leite cru, eficiência dos laticínios e, finalmente, competitividade brasileira. Isso fica claro ao se observar que o Brasil, embora tenha grande potencial na produção de proteína animal, não é autossuficiente na produção de lácteos, o que torna o País dependente de importações. Em 2023, os volumes adquiridos no mercado externo triplicaram e pressionaram as cotações internas. Se entre 2003 e 2022 as importações representavam, em média, 4% da captação industrial nacional, em 2023, elas passaram a corresponder por 9%.

A menor competitividade dos lácteos brasileiros frente aos estrangeiros não é a causa da fragilidade do setor, mas, sim, o sintoma mais agudo de uma estrutura produtiva que ainda carece de investimentos específicos e que engendra e é engendrada por estratégias de negócios apoiadas em estruturas de governança pouco coordenadas e focadas sobretudo nos retornos de curto prazo.

Pesquisas do Cepea indicam que as estruturas de governança que regem a aquisição do leite cru são fortemente influenciadas por incertezas, sendo as principais a dificuldade dos agentes em avaliar seu desempenho e a imprevisibilidade das flutuações de oferta e demanda, o que, por sua vez, se reflete em elevada volatilidade dos preços do leite cru.

Em termos práticos, essa incerteza torna a avaliação do contexto de mercado, a tomada de decisão e as ações dos agentes mais propensas à divergência. Isso significa dizer que a leitura do mercado pode destoar entre os agentes da cadeia produtiva, como se produtores tivessem acesso a uma foto do mercado e os laticínios, a outra. Essa divergência pode ocorrer até mesmo entre os agentes de um mesmo segmento, o que explicaria condutas diferentes para a organização dos negócios e para os investimentos, por exemplo.

De qualquer maneira, esse contexto de incerteza eleva as dificuldades de alinhamento dos segmentos da cadeia produtiva, levando a uma baixa intensidade de coordenação entre eles. As relações pouco coordenadas, por sua vez, dificultam a geração e a distribuição do valor dentro da cadeia produtiva, elevando os custos de transação. Com isso, fica cada vez mais difícil de se atingir objetivos estratégicos e comuns ao desenvolvimento do SAG.

Foto: Shutterstock

A redução da incerteza ocorre a partir da diminuição das assimetrias de informação. Quando fatores ligados à incerteza passam a ser monitorados e mensurados, criam-se informações. A distribuição e o acesso homogêneos a essas informações entre os agentes do SAG têm o potencial de transformar a incerteza em risco. E o risco, ao contrário da incerteza, pode ser gerenciado.

É aqui, então, que a pergunta feita no título desse texto é respondida: monitorar e mensurar aspectos de um mercado são importantes para diminuir a incerteza, gerar informação e reduzir os custos de transação. É nesse sentido que se estrutura a missão do Cepea de fornecer dados que possam orientar as estratégias dos agentes de mercado e contribuir para uma leitura mais precisa do curto e longo prazo.

Em entrevista realizada com 33 indústrias de laticínios, que captam quase 24% de todo leite brasileiro, quase 88% dos entrevistados concordam que as informações do Cepea são importantes para avaliar desempenho, e 72,8% concordaram que são informações relevantes para serem usadas como referência de precificação.

Ainda dentro da porteira, o Cepea monitora os custos de produção, identificando os coeficientes técnicos das fazendas modais brasileiras e analisando as variações dos preços dos insumos da atividade. No segmento produtivo, é divulgado mensalmente o indicador do preço do leite ao produtor. Para se ter ideia da extensão da rede de colaboradores que compõem esse projeto, a Média Brasil é calculada com base em mais de 48 mil dados mensais. Quinzenalmente, os colaboradores recebem os preços da pesquisa do leite spot, para, assim, acompanhar as movimentações do preço do leite cru no campo. No segmento industrial, a pesquisa do Cepea monitora quinzenalmente preços dos lácteos negociados com canais de distribuição. Para o estado de São Paulo, os indicadores são semanais, no caso do leite em pó fracionado (400g), e diários, nos casos do leite UHT e queijo muçarela.

Aqui, vale destacar o motivo da escolha destes três lácteos como indicadores para a pesquisa do Cepea. Estima-se que aproximadamente 30% de todo leite cru seja utilizado na produção de UHT; outros 30%, na fabricação de leite em pó; e mais 30%, na produção de queijos, com a muçarela sendo a mais comum. Esses lácteos são considerados commodities, mas possuem estratégias de fabricação e comercialização distintos. Tanto o UHT quanto o leite em pó são produtos que não necessitam de refrigeração e têm prazo de validade mais longo, permitindo aos laticínios estocagem e expansão do mercado de atuação. Por outro lado, a produção desses itens demanda um leite de qualidade superior, com alta estabilidade térmica. Já no caso da muçarela e dos queijos, em geral, há uma maior flexibilidade quanto à qualidade da matéria-prima. A variabilidade da qualidade faz com que haja maior impacto da marca na negociação. Como a muçarela é um produto que tem data de validade mais limitada, sendo dependente de refrigeração para a logística e venda, é necessário que a produção ocorra por encomenda.

A cadeia do leite é, assim, monitorada pela equipe do Cepea para que se possa compreender a geração de valor entre os segmentos. A síntese mensal desses resultados é publicada no Boletim do Leite, mas os participantes da rede de colaboradores do Cepea recebem outros informativos também.

O preço não é só uma cifra: ele é também uma informação, que auxilia os agentes de um SAG a mensurar seu desempenho, a oferta, a demanda e os impactos de diferentes estratégias que eles podem adotar para gerir seus negócios. Ao se munirem de informação, os agentes da cadeia do leite podem não apenas compreender melhor o cenário atual, mas se prepararem para cenários futuros. É essa constante adaptação, no curto e longo prazos, que possibilita a resiliência dos negócios, mesmo diante das adversidades do mercado.

Esse texto busca relembrar o papel da informação no desenvolvimento do agronegócio. O crescimento econômico deriva, sim, de investimentos estruturais, como assistência técnica, melhoria em nutrição, saúde e reprodução animal, treinamento de mão de obra, adoção de ferramentas gerenciais nas fazendas e laticínios. Depende também de infraestrutura e logística. Mas tudo isso exige um ambiente institucional que favoreça a diminuição das assimetrias de informação e dos custos de transação. Por isso, é preciso que a sociedade apoie, colabore, financie e valorize as iniciativas que geram informações sobre as cadeias produtivas.

Fonte: Por Natália Grigol, pesquisadora da equipe leite do Cepea
Continue Lendo
AJINOMOTO SUÍNOS – 2024

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.