Conectado com

Avicultura Saúde Animal

Infecções subclínicas em frangos de corte: perdas silenciosas de elevado impacto econômico

Existem diversas doenças que têm apresentações subclínicas ou leves que na maioria das vezes não são diagnosticadas

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Artigo escrito por Jorge Chacón, M.V. MSc. PhD. dos Serviços Veterinários da Ceva Saúde Animal

Para as diversas doenças infecciosas que afetam os frangos de corte, é possível conhecer seu impacto econômico quando suas manifestações clínicas são evidentes e facilmente observáveis, porque elas permitem sua quantificação.

Para o caso das doenças de Gumboro e coccidiose, se sabe que existem os quadros clínicos e subclínicos, e que ambas formas destas doenças precisam ser controladas e prevenidas devido aos prejuízos econômicos consequentes, mesmo na ausência de sinais clínicos evidentes. Porém, existem outras doenças que também têm apresentações subclínicas ou leves que na maioria das vezes não são diagnosticadas, e com isso, levam a perdas de produtividade silenciosas e não controladas.

Origem das infecções subclínicas

Para a maioria das doenças infecciosas das aves, o tipo do quadro clínico e sua severidade dependem de vários fatores relacionados ao hospedeiro (frango), agente (patógeno) e ambiente (fatores externos).

Quadros clínicos muito severos podem resultar do envolvimento de uma cepa muito virulenta (por exemplo vírus de alta patogenicidade da Influenza aviária ou velogénico do vírus da Doença de Newcastle), mas outras vezes podem ser consequência do envolvimento de patógenos primários e secundários ou condições ambientais inadequadas para a criação do frango (temperatura, umidade, ventilação, qualidade de ar, etc).

Mas, mesmo que as condições ambientais sejam adequadas para o frango, e não existem agentes secundários no aviário, os agentes infecciosos primários podem se multiplicar em aves saudáveis. Nestes casos, quando existe um elevado nível de contaminação com o agente primário, será possível observar sinais clínicos severos.

A multiplicação do patógeno (seja vírus, bactéria ou parasita) na célula do hospedeiro, neste caso, o frango de corte, levará a perda do funcionamento e morte da célula, reação inflamatória e dor. Logo, as consequências são variadas, por exemplo, morte das células do trato digestivo prejudicará a absorção de nutrientes; dano das células do trato respiratório levará a dificuldade da respiração; a resposta inflamatória sistêmica levará à febre e dor que prejudicará a ingestão de ração; dano das células renais encarregadas da eliminação de substancias tóxicas do metabolismo levará a intoxicação e morte.

Desta forma, é fácil entender como a multiplicação dos patógenos, mesmo em casos de baixa pressão de infecção, comprometerá o desempenho zootécnico do lote. Muitos casos de infecções subclínicas, levam a aumento ligeiro da mortalidade final (<1%) que pode passar despercebido, mas se multiplicamos aquele 1% pelo tamanho do lote, ou pelo abate diário da empresa, podemos ter uma ideia clara do custo desta infecção subclínica.

Considerando um exemplo de uma empresa que abate 100 mil  aves dia, um aumento de 1% da mortalidade representaria uma redução de mais de 63 toneladas de frangos para processamento, e uma perda direta de mais R$197 mil  em receita para empresa (frango vivo).

Diagnóstico das infecções subclínicas

A falta de monitoramento laboratorial dos lotes de frango de corte de forma rotineira impossibilita detectar a circulação de patógenos nos aviários. Mas, como foi mencionado anteriormente, apenas a presença dos patógenos primários já prejudicaria o desempenho produtivo do lote. Desta forma, o impacto econômico das infecções subclínicas pode ser elevado.

Existem dois cenários comuns que acontecem nas empresas com lotes acometidos por infecções subclínicas:

  • Primeiro cenário, devido à ausência de manifestações clínicas, os responsáveis pela sanidade dos lotes, não se preocupam com o acompanhamento sanitário nem produtivo do lote. Desta forma o patógeno, mesmo sem causar sinais clínicos evidentes, estará afetando a produtividade dos lotes rodada a rodada, e a empresa estará perdendo toneladas de ração, ou de frango, ou de carne de frango;
  • Segundo cenário, quando foi detectado uma queda no desempenho do lote, a ausência de sinais clínicos evidentes leva os profissionais a procurar a causa desta queda de desempenho do lote em outras áreas. Assim, erroneamente, muitas vezes o programa nutricional, ou o sistema de manejo ou até a linha genética é culpada pela queda de desempenho. Mudanças feitas para corrigir esta queda de desempenho em áreas que não são as causadoras do problema levarão a investimentos desnecessários.

Os agentes primários mais comuns que causam doença clínica nos frangos de corte incluem os vírus das doenças de Gumboro, Bronquite Infecciosa, Newcastle, Marek, Anemia infecciosa e Artrite; coccideas e Salmonelas tíficas. Desta forma, a empresa deve ter um programa de monitoria adequado que pesquise a circulação destes patógenos nos lotes e mesure o nível de proteção conferido pelos programas vacinais implementados.

Obviamente, é impossível fazer um diagnóstico clínico na ausência de sinais clínicos, desta forma, se faz necessário o uso de testes laboratoriais para detetar a circulação do agente infeccioso. Para o caso de algumas doenças como a Bronquite Infecciosa, os resultados sorológicos não são definitivos, porque estes testes têm a limitação de poder detectar infecções tardias. Nestes casos, se faz necessário o uso de técnicas moleculares. Pesquisas mostram a detecção de lotes positivos e negativos ao vírus BR usando a sorologia de ELISA e o PCR como testes de diagnóstico. Pode-se observar no gráfico que o PCR é mais sensível e que os testes de ELISA detectam menos de 50% dos lotes realmente positivos.

Os quadros subclínicos da doença de Gumboro e Coccideose são bem conhecidos, mas múltiplas pesquisas recentes vêm demostrando que existem infecções subclínicas causadas pelo vírus da Bronquite Infecciosa, agente de maior prevalência e impacto econômico nos plantéis de frango de corte do Brasil.

Erroneamente acreditava-se que as infecções pelo vírus da Bronquite Infecciosa sempre têm que causar sinais ou doença respiratória. Porém, numerosas monitorias consistentes e apoiadas por testes sorológicos e moleculares têm mostrado que existem quadros clínicos não clássicos da Bronquite Infecciosa, onde apenas se observa aumento moderado da mortalidade final e baixo desempenho produtivo. Em muitos destes casos, apenas se observa depressão das aves e diminuição do consumo da ração. Monitorias visando a detecção do vírus da Bronquite Infecciosa, em meses que não apresentam doença respiratória evidentes em granjas do Sul do Brasil, têm encontrado elevadas taxas de positividade que superam os 90%.

Impacto econômico das infecções subclínicas

Os impactos econômicos causados pelas infecções subclínicas não são tão elevados quanto os provocados pelas infecções clínicas, com sinais evidentes. Porém, as infecções subclínicas levam a perdas de produtividade e econômicas expressivas. No caso da doença de Gumboro por exemplo, se conhecem os efeitos causados pelas infecções subclínicas sobre a produtividade. Pesquisas apresentam os resultados de produtividade de lotes de aves com e sem a doença subclínica de Gumboro. Os lotes com programa vacinal que protegia adequadamente contra casos clínicos e subclínicos da doença de Gumboro tiveram melhores resultados zootécnicos e uma receita adicional de mais de R$ 35 para cada mil aves, mesmo na ausência de sinais clínicos, mostrando o efeito subclínico do vírus de Gumboro.

A Bronquite infecciosa com sinais clínicos respiratórios convencionais e aumento de condenações sanitárias no abatedouro leva a perdas milionárias. Estes casos de doença respiratória têm uma apresentação sazonal, com padrão que varia segundo a área geográfica. São conhecidas as perdas produtivas nos casos de doença com sinais clínicos evidentes, mas não existem trabalhos que abordem o efeito das infecções do vírus da Bronquite Infecciosa sobre a produtividade no caso da ausência de sinais clínicos. Numa empresa de São Paulo, foram realizadas monitorias para detectar o vírus BR da Bronquite em meses com e sem apresentação de distúrbios clínicos evidentes. Nestas monitorias, o PCR foi usado para discriminar os lotes positivos e negativos para o vírus BR. Os resultados zootécnicos de lotes positivos e negativos foram comparados nos meses com e sem problemas sanitários evidentes. A monitoria, avaliação e comparação de 127 lotes desta empresa mostrou claramente piores resultados de produtividade nos lotes infectados com o vírus BR. Estas diferenças foram maiores nos meses quando se observavam no campo distúrbios clínicos. Mas, o prejuízo sobre a produtividade em infecções subclínicas também foram elevados: R$ 127,63 para cada mil aves alojadas, mesurando os resultados de Conversão Alimentar ajustada, GPD e mortalidade após os 35 dias.

Monitorias de prevalência do vírus BR, em lotes de seis empresas da região Sul do Brasil, foram conduzidas em meses sem apresentação de doença clínica evidente. A avaliação de 109 lotes das seis empresas mostrou o impacto das infecções do vírus BR da Bronquite infecciosa sobre os principais parâmetros de produtivos e sanitários. Estas monitorias que incluíram a avaliação de mais de 4 milhões de aves mostraram que o vírus BR, mesmo sem causar doença clínica evidente, afeta os principais indicadores de produtividade. Ainda que as empresas não relatavam problemas evidentes nos frigoríficos por terem condenações baixas, a condenação parcial por aerossaculite nos lotes positivos ao vírus BR foi aproximadamente o dobro comparado aos lotes negativos. Os lotes com índices elevados de condenações tiveram maiores custos de processamento devido ao retrabalho causado pelas condenações sanitárias. Estes achados foram observados em todas as empresas avaliadas mostrando que o vírus BR causa perdas econômicas, mesmo na ausência de sinais clínicos evidentes e clássicos e as consequências podem ser mensuradas nas granjas e nos frigoríficos.

Controle das infecções subclínicas

Um programa imunoproxilático consistente e a correta execução de medidas de biosseguridade evitaram a circulação de patógenos, e em consequência a apresentação de quadros clínicos e subclínicos. Essa estratégia tem que ser rigorosamente mantida o ano todo, mesmo na ausência de sinais clínicos severos ou mortalidade, pois um relaxamento destas medidas levará a perdas de produtividade e ao aumento da pressão de infecção para os próximos lotes. Práticas dirigidas a economizar nos programas preventivos como: subdosagem de vacinas, substituição por vacinas mais baratas, porém menos protetivas por exemplo, facilitariam a circulação dos patógenos primários e o estabelecimento de infecções subclínicas.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de abril/maio de 2019 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito + 9 =

Avicultura Saúde Animal

Solução neuro sensorial para o estresse na avicultura

Produção moderna é obrigada a priorizar a produção global em vez do desempenho individual

Publicado em

em

Divulgação

Artigo escrito por Jean-François Gabarrou, PhD, gerente Científico Animal Care, Phodé, França

Sabemos que o potencial genético dos animais de produção aumenta de maneira contínua. No entanto, os indicadores de desempenho na produção animal permanecem inferiores ao potencial indicado, mesmo tendo tanto domínio nos parâmetros de produção: arraçoamento, ambiente, condições sanitárias…

A avicultura de alta densidade, enfrenta constantemente um menor consumo de ração, o que, por sua vez, resulta em menor desempenho no crescimento. Este fenômeno é amplamente compensado pela produção ganha através da superlotação das instalações de produção.

A produção moderna é obrigada a priorizar a produção global em vez do desempenho individual. Mas isto é contraditório? Para recuperar o desempenho individual, mantendo a mesma densidade, temos de identificar a causa dessa queda de desempenho, que em sua maioria é o estresse.

O conceito do Better-Being” e o enfoque holístico

O conceito do “Melhor Estar” é usado pelos especialistas em olfação que criam aditivos neuro moduladores para reduzir as consequências do estresse na produção animal moderna. O princípio base é simples:

  • Os animais estão sempre em busca do “Melhor Estar”, cabe a nós oferecer-lhes uma solução para que expressem este ”Melhor Estar”.
  • Algumas moléculas olfativas têm efeitos na percepção do estresse e podem oferecer esta solução.

Embora o conceito seja simples, sua aplicação é mais complexa:

  • A seleção dos extratos vegetais e de seus fornecedores tornam este produto complexo.
  • O desenvolvimento de uma galênica específica que permita a liberação dos princípios ativos ao longo do tempo, requer uma fabricação única e tecnificada.
  • A determinação do modo de ação de um aditivo neuro sensorial, que atua diretamente no cérebro, necessita complexas ferramentas de investigação e uma pesquisa base de longo prazo.
  • Por último, como prova decisiva, permanece os resultados dos efeitos no animal, sobretudo em diferentes situações de estresse.

Complexo

O aditivo neuro sensorial é um produto complexo, geralmente fabricada à base de extratos vegetais voláteis. Outra particularidade é a sua galênica especial, que permite ao alimento veicular seus princípios ativos, evidentemente até a zona digestiva, mas sobretudo aos órgãos da olfação.

O aditivo neuro sensorial atua no cérebro modulando a percepção do estresse, estimulando o circuito da recompensa e favorecendo assim os comportamentos mais adaptados ao estresse percebido pelo animal.

Assim, após inúmeros teses em diferentes situações de estresse típicas da produção animal, o aditivo neuro sensorial atua com alta eficiência na redução do estresse térmico, estresse de densidade, estresse de manejo, estresse nutricional e estresse social, por exemplo.

Como compensar a queda no desempenho individual devido ao estresse

Nossos modelos de estresse de densidade indicam que as aves domésticas observadas, a partir da semana 4, demonstram um alto nível de estresse através da redução de sua atividade de alisamento das penas. Este comportamento de higiene é um indicador de que as aves se ajustaram ao seu ambiente, e uma redução na quantidade de tempo gasto nesta atividade revela o nível de estresse que a ave está passando.

O uso de aditivos neuro sensoriais restaura a atividade de alisamento das penas em um nível aceitável, indicando uma redução no estresse por densidade. Neste contexto, o bem-estar das aves é considerado um indicador de desempenho. De fato, a queda de desempenho na produção de alta densidade observada no final do ciclo de produção corresponde diretamente à redução na atividade de alisamento das penas. Graças a uso de aditivos neuro sensoriais, os animais retornam a uma atividade natural, resultando em um melhor desempenho.

Este exemplo ilustra como o conceito de Melhor Estar” pode ser aplicado para ajudar os animais a lidar com todos os tipos de estresse. Dado que o estresse está sempre presente em todas as diferentes fases da produção, desde a chegada do animal até sua retirada, é fácil imaginar que este conceito, quando aplicado constantemente, pode levar a um aumento significativo no desempenho na produção e uma grande queda na mortalidade causada por agressões ou estresse (vacinação, retirada, transporte, etc.).

Os aditivos neuro sensoriais são uma solução única que mantém o desempenho nas condições de produção mais exigentes, levando em consideração o “Melhor Estar” individual do animal.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de junho/julho de 2019.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Avicultura Saúde Animal

Efeito de extrato a base de lúpulo e prebiótico na permeabilidade intestinal de galinhas em sistema cage-free

Eliminação completa ou diminuição do uso de antimicrobianos na indústria de proteína animal pode causar efeitos no bem-estar animal e rendimentos na produção

Publicado em

em

Divulgação

Artigo escrito por Fabrízio Matté, consultor Técnico da Vetanco Brasil

A redução ou, preferencialmente, eliminação do uso de melhoradores de desempenho com atividade antimicrobiana é uma tendência internacional, fortemente recomenda pela Organização Mundial da Saúde (OMS), devido a sua associação direta ou indireta à diversos problemas de saúde pública, humana e animal. A eliminação completa ou diminuição do uso de antimicrobianos na indústria de proteína animal pode causar efeitos no bem-estar animal e rendimentos na produção. Com o objetivo de mitigar estes efeitos, há interesse crescente no uso de produtos alternativos aos antimicrobianos, principalmente aqueles derivados de extratos naturais, com menor probabilidade de apresentar efeitos negativos associados aos antimicrobianos clássicos.

Neste trabalho, foram utilizados dois aditivos alimentares associados: um que contém uma combinação de extratos herbais e excipientes ativos do lúpulo e gérmen de trigo e um Prebiótico, composto por ácidos orgânicos (acético, fórmico e propiônico) e parede de levedura purificada (MOS e Betaglucanos), inseridos em uma partícula mineral protetora, tornando-os capazes de agir nos diferentes segmentos do trato intestinal das aves.

Patógenos entéricos, classicamente controlados com uso de subdoses de antimicrobianos, podem produzir toxinas que induzem lesões na barreira intestinal. A barreira intestinal é constituída de uma monocamada contínua de células epiteliais fortemente unidas por complexos de junções intercelulares, que quando saudáveis e íntegras, previnem a translocação paracelular de compostos indesejados, incluindo grandes moléculas, toxinas e microrganismos do lúmen do intestino para a lâmina própria e posteriormente para a corrente sanguínea. Desta forma, a medida da integridade intestinal é um forte indicador da saúde intestinal em aves de produção.

Materiais e métodos

Foram utilizados dois aviários com 9.000 aves cada, entre 74 e 75 semanas de idade. O aviário tratado recebeu inclusão de 1kg/ton do Extrato Herbal a base de lúpulo e 1,5 kg/ton de Prebiótico no alimento das aves, enquanto o aviário Controle não recebeu nenhum prebiótico ou antimicrobiano. O tratamento ocorreu por um período de 23 dias. Foram realizadas duas coletas de sangue periférico para análise da integridade intestinal.

A determinação da integridade intestinal foi realizada utilizando metodologia previamente descrita por estudos. Primeiramente, moléculas fluorescentes grandes (FITC-dextran 4000 kDA) são administradas pela via oral nas aves e, passado o tempo necessário para trânsito intestinal (2h30min), são coletadas amostras de sangue periférico, e o soro é analisado em um leitor de fluorescência. A existência de lesões intestinais com danos nas junções intercelulares pode permitir a passagem de moléculas tóxicas da luz intestinal para circulação sanguínea. Desta forma, lesões ou processos inflamatórios na mucosa intestinal, também permitem a passagem pela via paracelular do corante fluorescente FITC – dextran, que poderá ser detectado na corrente sanguínea e quantificado.

Resultados

Antes do período de tratamento, na primeira coleta, não foi possível identificar diferença significativa na integridade intestinal entre os grupos Controle e Tratado.

Entretanto, após os 23 dias de tratamento combinado com Extrato Herbal e o Prebiótico, uma segunda coleta foi realizada (44 dias depois do início do tratamento). Nesta segunda coleta, foi possível identificar aumento significativo (Teste T de Student, P < 0,05) na permeabilidade intestinal no grupo Controle (n=14), quando comparado ao grupo Tratado (n=12).

Discussão

O uso de compostos naturais, como exemplo os extratos naturais ricos em humulonas e lupulonas, assim como a parede de levedura (ricas em oligossacarídeos de manana – MOS) e os ácidos orgânicos, apresentam alto potencial para controle de Clostridium perfringens, Salmonella spp. e outros patógenos entéricos altamente prejudiciais à saúde intestinal.

Os principais componentes encontrados no lúpulo, são os α-ácidos (Humulonas), responsáveis pelo característico sabor amargo do vegetal, e os β-ácidos (Lupulonas), qual possuem uma excelente atividade bactericida frente a bactérias Gram-positivas.

Por outro lado, o uso de uma associação de ácidos orgânicos e parede de levedura protegidos por um carrier mineral atua favorecendo a multiplicação e colonização dos segmentos intestinais por bactérias acidófilas (ácido-tolerantes e produtoras de ácidos) no intestino de aves.

O uso associado de Extrato Herbal e do Prebiótico em aves apresentou um efeito significativo na proteção da integridade intestinal.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de junho/julho de 2019.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Avicultura Nutrição

Nutrição de precisão em frangos de corte tem quatro pontos-chave

Ajustes serão necessários para adequar às condições de criação e necessidades específicas

Publicado em

em

Divulgação/Agroceres

Artigo escrito por Flávio José de Araújo Ruiz, gerente regional de vendas da Agroceres Multimix

Quando pensamos em “precisão”, algumas palavras vêm à mente, como: exatidão, certeza, acerto, impecabilidade, perfeição e primor. Antes de termos a precisão em qualquer situação, precisamos definir o objetivo – o alvo -, pois sem a acurácia do acerto no objetivo não alcançaremos a precisão. A definição do objetivo estabelece as metas, que direcionam nossos esforços. Já dizia o ditado: “para quem não tem destino, qualquer caminho serve”. Temos, portanto, que definir – primeiramente – nossos objetivos, como: peso ao abate, produção em toneladas de carne, qual conversão alimentar e qual custo, entre outros.

Costumo dizer que a avicultura se assemelha muito à Fórmula 1. O que há de mais novo em tecnologia está nessa atividade. A velocidade de mudança é alta e constante. A cada ano, um novo carro ou uma nova genética. A corrida é curta. São 42 voltas ou 42 dias. As tomadas de tempo são medidas na terceira casa decimal, assim como o custo do frango também é avaliado. Todos os corredores estão na mesma volta, já na avicultura, quem não está no mesmo padrão de custo está fora do mercado. Assim como cada corrida é única, tem um circuito específico, um ajuste de carro diferente, na avicultura precisamos fazer os ajustes necessários para cada objetivo, de cada empresa e de cada mercado. O mecânico e os engenheiros fazem os ajustes necessários para atingir todo potencial do carro, da mesma forma que os nutricionistas fazem para aprimorar todo o potencial do frango.

O processo de nutrição de precisão envolve todo sistema de alimentação das aves e se assemelha ao PDCA. O PDCA é uma ferramenta de gestão na qual temos a fase de planejamento (Plan), execução (Do), checagem (Check) e de agir ou ajustar (Act).

Na fase de planejamento, definimos as exigências nutricionais das aves com base no nosso objetivo de desempenho e determinamos as matrizes nutricionais dos alimentos que vamos trabalhar. As exigências nutricionais das aves são obtidas de diferentes fontes. Podemos tomar como base manuais de linhagens, experimentos de doses-respostas, equações de exigências de nutrientes, o conceito de proteína ideal, programas de modelagem biológica, sempre levando em conta o custo final da operação. A definição de objetivos de desempenho, de mercado (interno/externo), de custo, de comercialização (carcaça/corte), de restrições (ração vegetal/antibiotic free), vai nos guiar na definição inicial das exigências nutricionais.

Ajustes serão necessários para adequar às condições de criação e necessidades específicas. Genética, sexo, desafio sanitário, clima, temperatura, umidade, qualidade do ar, tipo de galpão, respostas de desempenho, densidade, oferta e qualidade de matéria prima, capacidade e qualidade da fábrica de ração, são alguns aspectos a serem considerados. O programa de promotores e anticoccidianos vai ser ajustado de acordo com os desafios de campos e as restrições de uso do mercado a ser comercializado. O perfil de vitaminas também deve ser ajustado, se a ração for peletizada ou extrusada.

O nutricionista deve coletar as informações necessárias, para definição dos níveis nutricionais a serem trabalhados. Hoje, já existem aplicativos que ajudam na coleta dessas informações, gerando um amplo banco de dados com históricos que facilitam a tomada de decisão. Programas de modelagem abastecidos com diversas variáveis de criação e com equações que refletem a realidade também auxiliam na definição da estratégia nutricional, porém todas estas ferramentas não substitui a visita técnica do nutricionista ao campo.

Ingredientes

A determinação e acurácia das matrizes nutricionais dos ingredientes escolhidos são de extrema importância para que o nível nutricional da formulação pré-definida corresponda à realidade. A amostragem define a representatividade do que se realmente tem na fábrica. Um plano de amostragem deve ser definido baseado na quantidade, no número de fornecedores e na frequência de entrega da matéria-prima. Um laboratório para controle de qualidade é crucial para um bom banco de dados de nutrientes. Hoje o uso do Nirs (Near Infra Red Spectrometry) nos possibilita um número muito grande de informações que devem ser trabalhadas, pois, de outra forma, continuam sendo apenas dados. As análises de matérias-primas nos possibilitam atualizar as matrizes e nos ajudam a manter a qualidade, monitorando e qualificando fornecedores.

Após definido os níveis nutricionais da fórmula e as matrizes dos ingredientes, podemos executar a formulação. Essa já é uma fase do “fazer” do PDCA. No processo de otimização de fórmula podemos ter alguns estudos, como uma análise paramétrica, na qual avaliamos a viabilidade econômica de ingredientes alternativos. Verificamos também a melhor distribuição de um ingrediente restrito para o melhor custo no geral. Verificamos o consumo total de matéria-prima durante o mês, o peso do custo de cada ingrediente e a contribuição nutricional de cada um.

O controle de qualidade de uma fábrica de ração está tanto no processo de planejamento, ajudando a construir a matriz nutricional, quanto na rotina de execução de uma fórmula. Análises rápidas, como: classificação do milho, urease do farelo de soja, peróxidos em farinhas de origem animal e óleos, ajudam muito a restringir a entrada de ingredientes de baixa qualidade na fábrica, possibilitando, inclusive, a elaboração de um ranking de fornecedores, ajudando no direcionamento de compras. A verificação de todo processo de produção ajuda a manter a qualidade do produto acabado.

Fábrica coração

A fábrica de ração é o coração de uma integração de frangos de corte. Ela é capaz de contribuir com o sucesso ou fracasso de toda a operação. As Boas Práticas de Fabricação (BPF) nos auxiliam a manter esse processo em conformidade, com os padrões pré-estabelecidos. Em todo processo produtivo deve ser checado os pontos críticos e cada um deve ter seu padrão e seus indicadores a serem avaliados. O cuidado na recepção da matéria-prima, direcionamento ao silo correto de armazenagem, evitando contaminação cruzada, fazendo uma devida pré-limpeza do milho – se possível utilizando uma mesa densimétrica para melhorar ainda mais a qualidade do milho a ser armazenado -, tudo isso contribui para garantir que cada ingrediente tenha seu destino correto dentro da fábrica.

O processo de armazenagem deve preservar a qualidade do ingrediente estocado. Além disso, a moagem dos ingredientes favorece a homogeneidade das partículas e facilita a mistura; e o diâmetro geométrico médio (DGM) deve ser monitorado. A pesagem é parte crucial do processo, e uma pequena variação pode levar ao fracasso, por isso as balanças devem ser aferidas e esta etapa deve ter um cuidado especial. A qualidade de mistura é crucial para que a ração fique homogenia, evitando segregação de partículas e contribuindo para que todas as aves, ao se alimentarem, possam ter acesso aos mesmos nutrientes e aditivos. Esse processo deve ser monitorado através do coeficiente de variação de mistura (CV).

O direcionamento de silo para armazenagem do produto acabado deve ser verificado para evitar contaminação cruzada, colocando em risco todo o processo produtivo. A expedição e transporte devem ser controlados para evitar equívocos de envio de rações erradas. Não adianta todo processo anterior ter a “nutrição de precisão”, ou seja, uma fórmula perfeita, que corresponde integralmente a realidade dos ingredientes misturados, processos de fabricação adequado, mas entregue uma granja que não corresponde à sua fase.

Na granja

Na granja, a alimentação das aves deve ser garantida. Ter fácil acesso ao alimento e água, uma boa relação de equipamentos, densidade compatível com o tamanho da granja e número de equipamentos, água de qualidade, favorecerão o bom resultado. Nessa etapa, além da execução da alimentação, está a fase de “check”. Dados devem ser coletados para verificarmos o andamento da resposta à formulação, como: o peso das aves, semanal ou diário. Já existe tecnologia de balanças dentro do galpão que nos dão informação em tempo real. O consumo de ração pode ser monitorado com avaliação do volume nos silos, diariamente. Existem silos com células de carga que nos dão o consumo on line da ração.

A medição do consumo de água nos evidencia qualquer alteração no comportamento das aves. O monitoramento da saúde intestinal, junto com o desempenho do plantel, nos auxilia na resposta ao programa de aditivos. A manutenção da biossegurança e o acompanhamento de desafios também permitem ações corretivas rápidas. O controle de uma boa ambiência e qualidade do ar favorece o desempenho e manifestação de todo o potencial das aves com o alimento.

O monitoramento das respostas deve ser seguido de perto pelo nutricionista que, prontamente, fará as correções necessárias da formulação. Essa seria a fase do “act”, agir. Dessa forma, inicia-se uma nova formulação, que deve ser guiada pelo nutricionista em todo o processo (fórmula), até chegar ao bico da ave e se transformar em carne. Lembrando que: sempre guiado pelo objetivo central de produção da empresa.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de junho/julho de 2019.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
TOPIGS – BRASIL PORK EVENT 2019
AB VISTA Quadrado
Biochem site – lateral
Evonik Aminonir

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.