Conectado com
Minuto Agro

Avicultura Saúde Animal

Infecções subclínicas em frangos de corte: perdas silenciosas de elevado impacto econômico

Existem diversas doenças que têm apresentações subclínicas ou leves que na maioria das vezes não são diagnosticadas

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Artigo escrito por Jorge Chacón, M.V. MSc. PhD. dos Serviços Veterinários da Ceva Saúde Animal

Para as diversas doenças infecciosas que afetam os frangos de corte, é possível conhecer seu impacto econômico quando suas manifestações clínicas são evidentes e facilmente observáveis, porque elas permitem sua quantificação.

Para o caso das doenças de Gumboro e coccidiose, se sabe que existem os quadros clínicos e subclínicos, e que ambas formas destas doenças precisam ser controladas e prevenidas devido aos prejuízos econômicos consequentes, mesmo na ausência de sinais clínicos evidentes. Porém, existem outras doenças que também têm apresentações subclínicas ou leves que na maioria das vezes não são diagnosticadas, e com isso, levam a perdas de produtividade silenciosas e não controladas.

Origem das infecções subclínicas

Para a maioria das doenças infecciosas das aves, o tipo do quadro clínico e sua severidade dependem de vários fatores relacionados ao hospedeiro (frango), agente (patógeno) e ambiente (fatores externos).

Quadros clínicos muito severos podem resultar do envolvimento de uma cepa muito virulenta (por exemplo vírus de alta patogenicidade da Influenza aviária ou velogénico do vírus da Doença de Newcastle), mas outras vezes podem ser consequência do envolvimento de patógenos primários e secundários ou condições ambientais inadequadas para a criação do frango (temperatura, umidade, ventilação, qualidade de ar, etc).

Mas, mesmo que as condições ambientais sejam adequadas para o frango, e não existem agentes secundários no aviário, os agentes infecciosos primários podem se multiplicar em aves saudáveis. Nestes casos, quando existe um elevado nível de contaminação com o agente primário, será possível observar sinais clínicos severos.

A multiplicação do patógeno (seja vírus, bactéria ou parasita) na célula do hospedeiro, neste caso, o frango de corte, levará a perda do funcionamento e morte da célula, reação inflamatória e dor. Logo, as consequências são variadas, por exemplo, morte das células do trato digestivo prejudicará a absorção de nutrientes; dano das células do trato respiratório levará a dificuldade da respiração; a resposta inflamatória sistêmica levará à febre e dor que prejudicará a ingestão de ração; dano das células renais encarregadas da eliminação de substancias tóxicas do metabolismo levará a intoxicação e morte.

Desta forma, é fácil entender como a multiplicação dos patógenos, mesmo em casos de baixa pressão de infecção, comprometerá o desempenho zootécnico do lote. Muitos casos de infecções subclínicas, levam a aumento ligeiro da mortalidade final (<1%) que pode passar despercebido, mas se multiplicamos aquele 1% pelo tamanho do lote, ou pelo abate diário da empresa, podemos ter uma ideia clara do custo desta infecção subclínica.

Considerando um exemplo de uma empresa que abate 100 mil  aves dia, um aumento de 1% da mortalidade representaria uma redução de mais de 63 toneladas de frangos para processamento, e uma perda direta de mais R$197 mil  em receita para empresa (frango vivo).

Diagnóstico das infecções subclínicas

A falta de monitoramento laboratorial dos lotes de frango de corte de forma rotineira impossibilita detectar a circulação de patógenos nos aviários. Mas, como foi mencionado anteriormente, apenas a presença dos patógenos primários já prejudicaria o desempenho produtivo do lote. Desta forma, o impacto econômico das infecções subclínicas pode ser elevado.

Existem dois cenários comuns que acontecem nas empresas com lotes acometidos por infecções subclínicas:

  • Primeiro cenário, devido à ausência de manifestações clínicas, os responsáveis pela sanidade dos lotes, não se preocupam com o acompanhamento sanitário nem produtivo do lote. Desta forma o patógeno, mesmo sem causar sinais clínicos evidentes, estará afetando a produtividade dos lotes rodada a rodada, e a empresa estará perdendo toneladas de ração, ou de frango, ou de carne de frango;
  • Segundo cenário, quando foi detectado uma queda no desempenho do lote, a ausência de sinais clínicos evidentes leva os profissionais a procurar a causa desta queda de desempenho do lote em outras áreas. Assim, erroneamente, muitas vezes o programa nutricional, ou o sistema de manejo ou até a linha genética é culpada pela queda de desempenho. Mudanças feitas para corrigir esta queda de desempenho em áreas que não são as causadoras do problema levarão a investimentos desnecessários.

Os agentes primários mais comuns que causam doença clínica nos frangos de corte incluem os vírus das doenças de Gumboro, Bronquite Infecciosa, Newcastle, Marek, Anemia infecciosa e Artrite; coccideas e Salmonelas tíficas. Desta forma, a empresa deve ter um programa de monitoria adequado que pesquise a circulação destes patógenos nos lotes e mesure o nível de proteção conferido pelos programas vacinais implementados.

Obviamente, é impossível fazer um diagnóstico clínico na ausência de sinais clínicos, desta forma, se faz necessário o uso de testes laboratoriais para detetar a circulação do agente infeccioso. Para o caso de algumas doenças como a Bronquite Infecciosa, os resultados sorológicos não são definitivos, porque estes testes têm a limitação de poder detectar infecções tardias. Nestes casos, se faz necessário o uso de técnicas moleculares. Pesquisas mostram a detecção de lotes positivos e negativos ao vírus BR usando a sorologia de ELISA e o PCR como testes de diagnóstico. Pode-se observar no gráfico que o PCR é mais sensível e que os testes de ELISA detectam menos de 50% dos lotes realmente positivos.

Os quadros subclínicos da doença de Gumboro e Coccideose são bem conhecidos, mas múltiplas pesquisas recentes vêm demostrando que existem infecções subclínicas causadas pelo vírus da Bronquite Infecciosa, agente de maior prevalência e impacto econômico nos plantéis de frango de corte do Brasil.

Erroneamente acreditava-se que as infecções pelo vírus da Bronquite Infecciosa sempre têm que causar sinais ou doença respiratória. Porém, numerosas monitorias consistentes e apoiadas por testes sorológicos e moleculares têm mostrado que existem quadros clínicos não clássicos da Bronquite Infecciosa, onde apenas se observa aumento moderado da mortalidade final e baixo desempenho produtivo. Em muitos destes casos, apenas se observa depressão das aves e diminuição do consumo da ração. Monitorias visando a detecção do vírus da Bronquite Infecciosa, em meses que não apresentam doença respiratória evidentes em granjas do Sul do Brasil, têm encontrado elevadas taxas de positividade que superam os 90%.

Impacto econômico das infecções subclínicas

Os impactos econômicos causados pelas infecções subclínicas não são tão elevados quanto os provocados pelas infecções clínicas, com sinais evidentes. Porém, as infecções subclínicas levam a perdas de produtividade e econômicas expressivas. No caso da doença de Gumboro por exemplo, se conhecem os efeitos causados pelas infecções subclínicas sobre a produtividade. Pesquisas apresentam os resultados de produtividade de lotes de aves com e sem a doença subclínica de Gumboro. Os lotes com programa vacinal que protegia adequadamente contra casos clínicos e subclínicos da doença de Gumboro tiveram melhores resultados zootécnicos e uma receita adicional de mais de R$ 35 para cada mil aves, mesmo na ausência de sinais clínicos, mostrando o efeito subclínico do vírus de Gumboro.

A Bronquite infecciosa com sinais clínicos respiratórios convencionais e aumento de condenações sanitárias no abatedouro leva a perdas milionárias. Estes casos de doença respiratória têm uma apresentação sazonal, com padrão que varia segundo a área geográfica. São conhecidas as perdas produtivas nos casos de doença com sinais clínicos evidentes, mas não existem trabalhos que abordem o efeito das infecções do vírus da Bronquite Infecciosa sobre a produtividade no caso da ausência de sinais clínicos. Numa empresa de São Paulo, foram realizadas monitorias para detectar o vírus BR da Bronquite em meses com e sem apresentação de distúrbios clínicos evidentes. Nestas monitorias, o PCR foi usado para discriminar os lotes positivos e negativos para o vírus BR. Os resultados zootécnicos de lotes positivos e negativos foram comparados nos meses com e sem problemas sanitários evidentes. A monitoria, avaliação e comparação de 127 lotes desta empresa mostrou claramente piores resultados de produtividade nos lotes infectados com o vírus BR. Estas diferenças foram maiores nos meses quando se observavam no campo distúrbios clínicos. Mas, o prejuízo sobre a produtividade em infecções subclínicas também foram elevados: R$ 127,63 para cada mil aves alojadas, mesurando os resultados de Conversão Alimentar ajustada, GPD e mortalidade após os 35 dias.

Monitorias de prevalência do vírus BR, em lotes de seis empresas da região Sul do Brasil, foram conduzidas em meses sem apresentação de doença clínica evidente. A avaliação de 109 lotes das seis empresas mostrou o impacto das infecções do vírus BR da Bronquite infecciosa sobre os principais parâmetros de produtivos e sanitários. Estas monitorias que incluíram a avaliação de mais de 4 milhões de aves mostraram que o vírus BR, mesmo sem causar doença clínica evidente, afeta os principais indicadores de produtividade. Ainda que as empresas não relatavam problemas evidentes nos frigoríficos por terem condenações baixas, a condenação parcial por aerossaculite nos lotes positivos ao vírus BR foi aproximadamente o dobro comparado aos lotes negativos. Os lotes com índices elevados de condenações tiveram maiores custos de processamento devido ao retrabalho causado pelas condenações sanitárias. Estes achados foram observados em todas as empresas avaliadas mostrando que o vírus BR causa perdas econômicas, mesmo na ausência de sinais clínicos evidentes e clássicos e as consequências podem ser mensuradas nas granjas e nos frigoríficos.

Controle das infecções subclínicas

Um programa imunoproxilático consistente e a correta execução de medidas de biosseguridade evitaram a circulação de patógenos, e em consequência a apresentação de quadros clínicos e subclínicos. Essa estratégia tem que ser rigorosamente mantida o ano todo, mesmo na ausência de sinais clínicos severos ou mortalidade, pois um relaxamento destas medidas levará a perdas de produtividade e ao aumento da pressão de infecção para os próximos lotes. Práticas dirigidas a economizar nos programas preventivos como: subdosagem de vacinas, substituição por vacinas mais baratas, porém menos protetivas por exemplo, facilitariam a circulação dos patógenos primários e o estabelecimento de infecções subclínicas.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de abril/maio de 2019 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

treze − seis =

Avicultura Avicultura

One Health do campo à mesa

One Health faz parte dos nossos acertos, das experiências anteriores e da aplicação das melhores práticas

Publicado em

em

Divulgação

 Artigo escrito por Filipe Fernando, gerente de Produtos da Boehringer-Ingelheim

No século 19, o médico Rudolf Virchow cunhou o termo “zoonose” e manifestou que não deveria haver divisão entre a medicina humana e a medicina animal. Na época, ele criou o conceito “One Medicine”, que mais tarde se tornou “One Health”, colocando ênfase na promoção da saúde e prevenção em vez do tratamento de doenças. One Health trata da integração entre a saúde humana, a saúde animal e o ambiente, bem como a adoção de políticas públicas efetivas para a prevenção e controle de enfermidades.

No setor produtivo, é possível imaginarmos que a interconexão de animais, humanos, plantas e o meio ambiente, gera um fator holístico que deve ser conectado de forma a gerar uma combinação multifatorial para um fim das partes isoladas. O princípio geral do holismo pode ser resumido por Aristóteles, na sua obra Metafísica, quando afirma que “o todo é maior do que a simples soma das suas partes”. Nesse sentido, imaginemos a interconexão entre o início da cadeia produtiva que começa com a produção de grãos, transporte, processamento e entrega para alimentação animal. Os animais alimentados farão parte de uma cadeia que terá como destino final a mesa do consumidor, que por sua vez será impactado por todo e qualquer acerto ou erro desde a produção do grão, conversão em proteína animal e entrega para consumo (Figura 1).

Doenças de origem animal que podem ser transmitidas ao homem, como exemplo a influenza aviária, a influenza suína e as salmoneloses, representam risco mundial para a saúde pública. Agentes infecciosos que são transmitidos principalmente de pessoa para pessoa também podem circular entre animais ou utilizá-los como reservatório, podendo gerar impacto direto à saúde pública, como é o caso da recente epidemia do vírus Ebola, desencadeada principalmente em países africanos. Esses riscos aumentam com a globalização, com as mudanças climáticas e com o comportamento humano, dando aos patógenos um leque de oportunidades para colonizar novos territórios e evoluir para novas formas. Essa conectividade pode levar ao surgimento de novas doenças. Por isso, é necessária a abordagem One Health afim de melhor compreender a dinâmica das zoonoses e das doenças infecciosas. A priorização dessas enfermidades significa realizar vigilância, planejar atividades de resposta a surtos e criar estratégias de prevenção de doenças para reduzir a infecção de pessoas e animais.

No âmbito econômico, a ruptura do One Health é sempre caracterizada por deterioração de mercados, queda nos índices de investimento, distorção na produção e abastecimento de proteína animal e baixa circulação de valores gerados pelo turismo. Nos últimos 20 anos, nosso planeta experimentou um pouco mais das epidemias que rompem continentes e atingem todas as nações. Dado que 60% de todos os agentes infecciosos humanos são originários de animais, setores agrícolas envolvidos em surtos zoonóticos frequentemente sofrem impactos econômicos significativos que são subestimados. No entanto, o incentivo ao setor agrícola para investir na prevenção de doenças infecciosas está diretamente correlacionado com a relevância econômica da indústria para o PIB nacional.

Dentre os exemplos mais recentes e que incluem doenças de origem animal, podemos considerar a SARS (Síndrome Respiratória Aguda Severa), a MERS (Síndrome Respiratória do Oriente Médio), a Influenza pandêmica por H1N1 e o Ebola. Citando apenas o exemplo dessas quatro doenças, os setores de produção, turismo e viagens somaram aproximadamente 25 bilhões de dólares em impacto econômico negativo nos países mais afetados, como México, Singapura, Coreia do Sul e Arábia Saudita (Figura 2).

Covid-19

Durante a confecção desse artigo, a economia global estava passando por danos expressivos, prevendo uma recessão, recessão global ocasionada pela disseminação do coronavírus humano SARS-CoV-2, popularmente denominado Covid-19. A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) prevê que o COVID-19 reduzirá o crescimento do PIB global em meio ponto percentual em 2020 (de 2,9 a 2,4%). Já a Bloomberg Economics adverte que o crescimento do PIB pode cair para zero no cenário de uma pandemia (artigo escrito antes da pandemia ser declarada). As indústrias relacionadas ao turismo e viagens estarão entre as mais atingidas, já que as autoridades incentivam o “distanciamento social” e os consumidores a ficarem dentro de casa. A Associação Internacional de Transporte Aéreo prevê que o COVID-19 possa custar às companhias aéreas entre US$ 63 bilhões e US$ 113 bilhões em receita em 2020.  Mais uma vez, trata-se de um vírus que rompeu seu comportamento natural ao infectar e sobreviver em animais (até essa data não foi confirmado a partir de qual animal) para infectar e por vezes causar letalidade aos humanos.

Diante a tudo isso, o One Health ganha ainda mais importância pelo impacto econômico-social, tanto que a “One Health Initiative” foi fundada em 2006 com foco em trabalhos de educação sobre o conceito.

No Brasil, e usando como exemplo a avicultura, o sistema One Health é sem dúvida um exemplo e uma conquista que tem ganhado “musculatura” e destaque ano a ano. Trata-se de um trabalho conjunto e colaborativo do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA), Ministério do Meio Ambiente, indústria, produtores e associações (cita-se a Associação Brasileira de Proteína Animal – ABPA). Nesse contexto, cada instituição é corresponsável pela criação, aplicação, checagem e melhorias dos padrões e regras vigentes.

Conforme ilustrado na Figura 1, o princípio One Health é regido pela interconexão do ser humano, animal, meio ambiente e políticas públicas que visem a prevenção da ruptura do equilíbrio entre esses integrantes. Na produção de aves, podemos considerar o ponto inicial a plantação dos grãos que comporão a ração animal. Esses grãos deverão atender aos padrões de qualidade que se referem à umidade, teor de proteína, presença de agentes estranhos e outros. Seu processo de transporte e armazenamento deverá garantir a preservação das características até a chegada ao silo de armazenagem na fábrica de ração, que em seguida irá misturar aos demais ingredientes para compor a alimentação animal. Como parte integrante da garantia de qualidade sistêmica, os aviários e os animais devem ser continuamente monitorados por programas sanitários para detecção de patógenos, como exemplo as monitorias constantes na Instrução Normativa nº 20, de 21 de outubro de 2016. Esse monitoramento permite que os animais submetidos ao abate sejam qualificados de acordo com as regras de segregação dentro da planta de processamento.

No segundo momento, os animais serão abatidos e novamente monitorados conforme os padrões do Decreto n° 9,013/2017- RIISPOA – Regulamento e Inspeção Industrial e Sanitária de produtos de Origem Animal e portaria n° 210 de 10 de novembro de 1998, a fim de garantir a qualidade do produto final. Ao mesmo tempo, os resíduos gerados seguem o destino preconizado tanto pela Instrução Normativa n°34, de 28 de maio de 2008 (MAPA) que regulamenta a inspeção higiênico-sanitária e tecnológica do processamento de resíduos de animais e a Norma Brasileira (NBR) ISO 14001 que estabelece os padrões de tratamento de resíduos. Perceba que todo esse processo é conectado com a saúde humana e meio ambiente, para que haja equilíbrio e gere o menor impacto ao planeta.

O ser humano

Na ponta da cadeia está o ser humano, que, apesar de termos incluído aqui como a “ponta”, está de fato inserido como o agente impactante em todas as etapas do processo e irá absorver direta ou indiretamente as ações geradas em cada uma delas, seja uma ação de desvio que impacta o meio ambiente, um desvio sanitário ou mesmo social como resposta a uma doença contraída após a ingestão do alimento que quebrou o equilíbrio One Health.

Nosso planeta passa por transformações tecnológicas com uma velocidade incrível, e que traz “a reboque” uma infinidade de opções para interconexão entre sistemas, informações e contatos. Contato humano – ainda que à moda antiga – é a mais primitiva forma de troca. Do mesmo modo que há aproximadamente 10 mil anos os seres humanos passaram a domesticar animais para alimentação e dominar a agricultura, nosso mundo tecnológico e “descolado” ainda permite que doenças possam ser compartilhadas entre animais, nós e o ambiente. Como parte do mundo industrial que produz alimentos de origem animal, somos obrigatoriamente responsáveis pelo One Health, e devemos ser proativos para que, além do conceito, a prática seja parte da nossa atuação.

Na história da evolução humana, mais especificamente a partir do homus erectus, que adquiriu a habilidade de caçar e consumir mais proteínas e menor dependência de grandes quantidades de vegetais para a sobrevivência, seguido da domesticação de animais pelo homo sapiens, nos tornamos parte do processo coevolutivo que nos pôs em contato direto com os animais. Essa troca, no entanto, deve seguir regras estabelecidas pelo “protagonista” humano, ao certo que é dotado de uma bagagem de milhares de anos de experimentação, acasos e tentativas com erros e acertos.

One Health faz parte dos nossos acertos, das experiências anteriores e da aplicação das melhores práticas, tornando possível e mais provável a manutenção do equilíbrio da interação entre homem, animal, planta e meio ambiente.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de abril/maio de 2020 ou online

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Avicultura Saúde

Epidemiologista acalma trabalhadores das fazendas: “Se sintam tranquilos, são as pessoas que menos perigo enfrentam”

Masaio pede para a sociedade refletir o motivo pelo qual as doenças estão acometendo sucessivamente as pessoas em todo o planeta

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

 O jornal O Presente Rural conversou com exclusividade, por chamada de vídeo, com a consultora do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Masaio Mizuno Ishizuka, uma das mais respeitadas epidemiologistas do Brasil. Graduada em Medicina Veterinária, doutora em Medicina Veterinária pós doutora área de Medicina Veterinária Preventiva, atualmente é ainda professora Adjunta em Medicina Veterinária Preventiva e Saúde Animal, da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ), da Universidade de São Paulo (USP). E ela dá um recado reconfortante para produtores e trabalhadores rurais: “Se sintam tranquilos, são as pessoas que menos perigo enfrentam”.

A professora alerta para que os funcionários das fazendas adotem as medidas de prevenção à Covid-19 preconizadas pelo Ministério da Saúde, como “lavar as mãos, não colocar a mão no rosto e manter a higiene”. Além disso, cita que as medidas de biosseguridade adotadas na fazendas, como na produção de suínos e aves, podem contribuir para o cenário atual. “Trocar a roupa quando entra na granja de aves, tomar banho antes e depois, são medidas que a avicultura e outras atividades adotam e que podem ser benéficas para manter as fazendas livres do Coronavírus.

Para ela, por ser lugar aberto, as propriedades rurais sofrem menos e podem manter suas atividades, como a relação com quem transporta ração e outros insumos até as propriedades e quem faz a recolha de animais ou assistência técnica. “Se as pessoas estão sadias, serviços essenciais devem seguir normalmente. O Coronavírus é de fácil transmissão, mas é um vírus frágil, morre com radiação solar, em condições do meio ambiente. Se ele não tiver protegido por matéria orgânica, que é a secreção (do corpo), ele morre. Não é um problema no campo, pois lá não há aglomeração em recintos fechados e sem ventilação”, pontua a epidemiologista. “Isso vale para avicultura, para suinocultura, para bovinocultura e assim por diante”, amplia.

Mas ela alerta, pois se o produtor ou funcionário viajou para regiões onde o vírus está, há procedimentos que é preciso seguir. “Sempre que se viaja para região onde doença não ocorre no brasil, ao chegar, independentemente de ter contato de pessoas com doença ou não, nós (veterinários, por exemplo) somos chamados comunicantes, pois estivemos expostos. Portanto, a pessoa terá que entrar em quarentena de 15 dias, que é o período de incubação”, orienta. “E se tiver sintomas da Covid-19, não sair de casa”, amplia.

Casos

A doutora Masaio explica ainda que “não se sabe muito sobre a doença”, mas abem sobre o que é preciso fazer caso infectado. “Suponhamos que pessoa tenha se infectado, é preciso tempo para multiplicar o vírus (incubação). A quantidade de vírus vai aumentando. Depois de vencido o período de incubação, que vai de 6 a 15 dias, começa a desenvolver sintomas. Antes do aparecimento dos sintomas, o vírus pode estar presente, mas não pode infectar outras pessoas, embora isso não esteja comprovado”, sugere. De acordo com a especialista, “a rigor o vírus sai pela tosse e entra no outro organismo perlas narinas durante a inspiração”, crava. A partir dos sintomas e do diagnóstico médico, a pessoa doente vai para isolamento”, amplia.

Vivendo sucessivas crises de doenças

Masaio pede para a sociedade refletir o motivo pelo qual as doenças estão acometendo sucessivamente as pessoas em todo o planeta. “Estamos vivendo sucessivas crises de doenças. A Covid-19, A Sars, a Mers, a Influenza Aviária. Se voltarmos um pouco mais, a febre amarela, a dengue. E porque isso está acontecendo? Por que invadimos o espaço dos animais”, credita a especialista.

Ela explica: “No passado, o meio silvestre e o meio urbano eram distantes um do outro. Por alguma razão o homem se aproximou do ecossistema silvestre, seja pela expansão das cidades, caça, mineração ou outra razão. O homem invadiu o território que não era nosso. E lá temos todos tipos de animais, como macacos, morcegos, gambás, e cada um tem os seus vermes, vírus e bactérias. Em via de regra, não fazem mal a eles. E o bírus que nada causava aos macacos, ao homem causou a febre amarela. Isso acontece com várias outras doenças, como Ebola, Mers, etc. Fica meu alerta”.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de abril/maio de 2020 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Avicultura Avicultura

O papel do médico veterinário e ferramentas ao seu alcance na produção avícola nos programas com foco em Saúde Única

O ideal é que as alternativas sejam posicionadas em conjunto, para que atuem de forma sinérgica

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

 Artigo escrito pela doutora Patricia Aristimunha, gerente de Serviços Técnicos Kemin

Segundo consta no documento publicado pelo Ministério da Saúde “Plano de Ação Nacional de Prevenção e Controle da Resistência aos Antimicrobianos no Âmbito da Saúde Única, 2018 – 2022” (PAN-BR), a resistência aos antimicrobianos (AMR) é um dos maiores desafios, com importante impacto na saúde humana e animal. Embora o desenvolvimento da AMR seja um fenômeno natural dos microrganismos, está ocorrendo uma maior pressão seletiva e disseminação por:

  1. mau uso de medicamentos antimicrobianos na saúde humana;
  2. programas inadequados ou inexistentes de prevenção e controle de infecções, o que favorece a transmissão da resistência entre os microrganismos e a exposição de indivíduos a microrganismos resistentes;
  3. antimicrobianos de má qualidade;
  4. fraca capacidade laboratorial;
  5. vigilância e monitoramento inadequados;
  6. insuficiente regulamentação e fiscalização do uso dos medicamentos antimicrobianos.

No PAN-BR vários dos objetivos possuem intervenções estratégicas envolvendo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) que instituiu, em 2017, o Programa Nacional de Prevenção e Controle de Resistência a Antimicrobianos na Agropecuária (AgroPrevine). Isso ocorre porque a medicina veterinária é a única profissão que opera rotineiramente na interface e conexão desses três componentes do One Health, estando em contato com uma grande variedade de animais domésticos e silvestres, sistemas de diagnóstico, sistemas regulatórios locais e nacionais para saúde animal, segurança alimentar e saúde pública.

O AgroPrevine visa o fortalecimento das ações para prevenção e controle da resistência aos antimicrobianos na agropecuária, considerando o conceito de Saúde Única, por meio de atividades de educação, vigilância e defesa agropecuária. Dentro das ações previstas por este plano estão: educação sanitária; estudos epidemiológicos; vigilância e monitoramento do uso e resistência aos antimicrobianos; fortalecimento da implementação de medidas de prevenção e controle de infecções e promoção do uso racional de antimicrobianos.

Neste cenário, faz-se necessária a adoção de ações mais holísticas dentro da produção avícola e de novos programas que envolvam diferentes estratégias de biosseguridade, manejo, nutrição, gestão e treinamentos dos profissionais envolvidos. Destaca-se ainda a utilização de tecnologias de substituição gradual aos antibióticos promotores de crescimento antibióticos, com foco no uso de combinações de soluções disponíveis, tais como os probióticos, prebióticos, ácidos orgânicos e óleos essenciais, que modificam de uma maneira menos agressiva o microbioma intestinal promovendo um melhor equilíbrio deste, com melhoria na saúde e status imunitário das aves.

Probióticos são definidos como suplementos alimentares a base de microrganismos vivos, que afetam de forma benéfica a saúde animal, melhorando o balanço da microbiota. Dentre os mecanismos de ação dos probióticos estão a exclusão competitiva, a manutenção da integridade da barreira epitelial intestinal, melhoria na absorção de nutrientes e da resposta imune intestinal. Porém, cada probiótico, dependendo da sua geração, possui mecanismos de ação específicos. Os probióticos de primeira geração agem simplesmente por exclusão competitiva e os de segunda geração adicionam à exclusão competitiva a produção de substâncias antibacterianas com ações específicas em determinados patógenos.

Os probióticos normalmente utilizados na produção avícola são os Bacillus subtilis, Bifidobacterium spp. e Lactobacillus spp. As características de um probiótico ideal contemplam a sua origem, sendo preferencialmente da própria espécie em que será utilizado, que não seja patogênico, seja resistente às condições de pH do trato gastrointestinal, produza componentes antimicrobianos, promova o crescimento de bactérias comensais, module de forma positiva a resposta imune, melhore a performance animal e seja compatível com o processo de produção de rações (inclusive compatível com outros promotores de crescimento, antibióticos ou alternativos).

No que se refere aos ácidos orgânicos existe uma diversidade de produtos disponíveis no mercado, com diferentes propriedades físicas e químicas, para uso via água ou ração, disponíveis individualmente ou em combinações. A indústria moderna tem dado foco ao uso de ácidos orgânicos protegidos (encapsulados) em função dos mesmos apresentarem liberação mais lenta, chegarem ativos às partes mais distantes do trato gastrointestinal, serem de mais fácil manipulação e sem odores.

O ácido butírico é reconhecido como a mais importante fonte respiratória e de energia para a proliferação das células do epitélio intestinal, e está diretamente e indiretamente envolvido em vários mecanismos regulatórios da diferenciação, crescimento, permeabilidade e expressão gênica celular, contribuindo como suprimento de energia para os enterócitos, ampliando a área absortiva e reduzindo a permeabilidade da mucosa pela ação nas tight junctions. Em estudos sobre proliferação, dano celular e morte programada, foi revelado que o butirato aumenta a velocidade de maturação (no desenvolvimento) e reparo após dano, sendo um dos mecanismos o aumento do índice mitótico no intestino delgado. Além disso, ele aumenta a atividade secretória das células caliciformes secretoras de fator de crescimento epitelial no intestino grosso e estimula a liberação de peptídeos gastrointestinais.

Soluções compostas de ácidos orgânicos e óleos essenciais são ferramentas antimicrobianas extremamente eficazes, atuando com eficiência em bactérias de difícil controle como a Salmonella. O modo de ação combinado dos ácidos orgânicos (cuja forma não dissociada consegue penetrar na parede celular dos microrganismos e alterar sua fisiologia, reduzindo o pH interno das bactérias) e dos óleos essenciais (que aumentam a permeabilidade da parede celular para prótons e íons, e a formação de um gradiente iônico faz com que ocorra uma deficiência nos processos básicos levando a morte celular) trazem um sinergismo que potencializa a ação antimicrobiana destes produtos.

Outra ferramenta muito importante nesse processo de uso racional dos promotores de crescimento antibióticos é o cromo orgânico. O propionato de cromo é uma fonte segura e de alta biodisponibilidade de cromo para uso nas dietas de aves, sendo o cromo um mineral essencial que age na redução dos efeitos do estresse, melhorando a eficiência alimentar e o rendimento no frigorífico.

Em face aos diferentes desafios que a produção avícola apresenta, além das alternativas com efeito antimicrobiano direto e com efeito na melhoria da qualidade e morfometria intestinal, dentro de um programa de uso racional de promotores de crescimento, conivente com o conceito dos programas no âmbito da Saúde Única, deve-se considerar o uso das demais ferramentas que mantém a saúde e desempenho dos lotes, como os imunomoduladores, biosurfactantes, antioxidantes, agentes controladores de estresse e adsorventes de micotoxinas. O ideal é que as alternativas sejam posicionadas em conjunto, para que atuem de forma sinérgica, perfazendo diferentes modos de ação e objetivos alvo, maximizando os resultados do programa de substituição dos promotores de crescimento e preservando a capacidade de tratamento das atuais moléculas antibióticas.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de abril/maio de 2020 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
PORK EXPO

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.