Conectado com

Avicultura

Indústria ainda busca substituto ideal para antibióticos

Consultor do jornal O Presente Rural avalia cenário de mudanças, mas destaca que alternativas aos antibióticos ainda precisam melhorar

Publicado em

em

Produzir com o mínimo ou sem nenhum uso de antibiótico é uma tendência para a avicultura brasileira. Apesar de ainda liberados, algumas indústrias estão preferindo trocar as moléculas medicamentosas por produtos naturais, por exemplo, como óleos essenciais. Antibiótico só se for curativo. No entanto, essas tecnologias são mais caras e ainda não alcançaram o desempenho zootécnico proporcionado pelos antibióticos.

É o que sustenta o médico veterinário e consultor do jornal O Presente Rural, Pedro Tomasi. Para ele, as pesquisas ainda precisam avançar para que essas alternativas que o mercado está propondo como substitutos aos antimicrobianos promotores de crescimento alcancem o desempenho antes observado. “O setor avícola, e de produção animal como um todo, sabe que reduzir o uso de drogas na produção é um caminho sem volta. Vamos usar cada vez menos drogas. Para isso, existe uma série de produtos que têm objetivo de promover o desempenho das aves, mas nenhum deles tem a mesma ação. Ácidos orgânicos, óleos, entre outras, mas nenhuma é tão eficiente como o antibiótico. Se achar algo bom como antibiótico, vai ser outro antibiótico”, aponta Tomasi.

Além disso, orienta, o custo de produção aumenta, o que também torna a avicultura menos competitiva. “Essas tecnologias podem encarecer o processo de produção. Ou seja: não têm o mesmo resultado zootécnico e a tecnologia é mais cara”, comenta. “Na minha opinião, se você tem grupo seguro, não tem o porquê não usar. Não tem motivo para encarecer o custo de produção em razão de apelo comercial”, opina o profissional.

No Brasil é permitido legalmente o uso de antibióticos, com algumas restrições, ressalta o especialista. “Algumas moléculas são proibidas. A Vancomicina foi a primeira droga proibida que tenha impacto importante na produção de aves, há cerca de 15 anos. A última foi a Colistina, que é um é antibiótico não absorvido pela ave e mata a bactéria Gram negativa, para controle de E. coli. A mais famosa é a Avoparcina, que era muito bom como promotor e controlava Gram positivas, que é o principal problema da avicultura”, enumera o profissional. “O objetivo do promotor de crescimento é fazer controle de bactérias não desejáveis. A principal é Clostridium. O promotor de crescimento, em seu conceito clássico, não pode ser absorvido pela ave. Ou seja: deve funcionar na luz do intestino, fazendo o controle da microbiota”, aponta. Com a proibição do uso como AGP, a indústria precisou recorrer a outros estimuladores.

Quem paga por isso?

Pedro Tomasi tem preocupação com o mercado brasileiro, que, em sua visão, ainda não está pronto para pagar a mais pelo fato de o produto ter origem sem AGP. Ao contrário da Europa, cita, no Brasil uma ampla parcela de consumidores leva em conta o preço na hora de escolher sua proteína. “Na Europa os promotores estão banidos desde 2006. Na Europa e Estados Unidos existem dois tipos de frango bastante comuns. Aliás, existe mais na Europa, nos Estados Unidos esse mercado está se abrindo. É o frango “no antobiotic ever”, ou sem antibiótico. Ele nunca recebe antibiótico. Se um lote precisa ser medicado, tem que ser comercializado sem esse apelo”, aponta.

“Mas há um preço maior na carne. Na Europa, são ricos. Nós não podemos”, emenda o consultor. Ele cita que além de uma renda inferior, “é difícil mudar uma cultura. O mercado demanda, o preço vai ficar mais caro, o consumidor vai querer pagar?”, sugestiona.

Mais informações você encontra na edição de Aves de setembro/outubro de 2018 ou online.

Fonte: O Presente Rural

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

nove − 5 =

Avicultura Nutrição

Indústria de ração sente impacto de menor crescimento do setor de aves

Revisão se deve principalmente a uma menor produção a ser demandada pela indústria de frango de corte

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A indústria de ração animal do Brasil prevê para este ano um crescimento menor do que o projetado inicialmente, já contabilizando o impacto de restrições às exportações de carne de frango do país, como as da Arábia Saudita, anunciadas em janeiro, afirmou um dirigente do Sindirações nesta segunda-feira (18).

A expectativa, ao final do ano passado, era de que a produção de ração animal e sal mineral crescesse cerca de 3% em 2019, mas a projeção foi revisada para 2,1%, o que ainda seria um novo recorde de 73,7 milhões de toneladas. Essa revisão se deve principalmente a uma menor produção a ser demandada pela indústria de frango de corte, maior consumidora de ração do país entre todos os setores, que incluem bovinos e suinocultura, entre outros.

Antes, o Sindirações projetava um aumento de 2% na produção para a avicultura de corte, que consome quase metade de toda a ração produzida no país, maior exportador global de carne de frango. Agora a entidade vê alta de 1,4%, após o segmento que produz ração para frangos ter enfrentado queda de 2% em 2018, ano em que a greve dos caminhoneiros atingiu a indústria fortemente.

“É uma previsão até otimista para 2019, difícil ter mais sucesso do que já estamos projetando”, disse o vice-presidente-executivo do Sindicato Nacional da Indústria de Alimentação Animal (Sindirações), Ariovaldo Zani, em entrevista à Reuters, referindo-se ao volume global de produção.

Além das questões que afetam a avicultura, como a confirmação de tarifas de importação pela China ao frango do Brasil —exceto para 14 empresas que venderem acima de determinado preço—, há incertezas relacionadas a custos de produção.

Assombram o setor maiores despesas com frete após o tabelamento pelo governo. Questões tributárias indefinidas e cambiais também estão no radar, enquanto o novo governo lida para aprovar uma reforma da Previdência, algo considerado fundamental para animar o mercado e atrair investimentos.

“Havendo melhora de renda, evidentemente a pessoa não vai comer ovo todo dia, primeiro vai no frango, depois no suíno e no bovino”, disse Zani, lembrando que o consumo de ração para galinhas poedeiras em 2018 aumentou 10%, com o forte consumo de ovos por pessoas que deixaram de comer carne em meio à crise.

Embora a exportação de carnes do Brasil tenha impacto importante da indústria de ração, é o consumo interno a grande alavanca do crescimento do setor. “Mas ainda não vemos reação da economia. Está todo mundo esperançoso, ainda estamos surfando em cima de um sonho. Oxalá, ele se torne realidade”, declarou o dirigente do Sindirações, lembrando que há também notícias boas de fora, como a retomada de compras de carnes pela Rússia, que já foi um dos principais destinos do produto brasileiro.

Ele disse ainda que as previsões do Sindirações já consideravam uma maior demanda externa por carnes do Brasil por conta de maiores vendas aos russos e aos chineses, que estão importando mais carne de porco em meio à disseminação da peste suína africana, que tem reduzido plantéis no país asiático.

Safra Menor

Com o milho respondendo por entre 60 e 70% da formulação da ração, enquanto o farelo de soja outros 20%, o custo da produção está intrinsecamente ligado ao tamanho da safra brasileira e aos mercados de commodities, assim como ao câmbio, que interfere no preço das matérias-primas.

Segundo o dirigente do Sindirações, a expectativa era de que o setor estivesse enfrentando menores custos com matérias-primas, considerando os bons estoques de milho, neste início de ano. “Havia expectativa de outra safra generosa, imaginamos que o milho estaria em outro patamar”, disse Zani, comentando que, embora a safra de soja tenha sido quebrada pela seca, a indústria da oleaginosa tem apontado uma estabilidade na produção de farelo.

Enquanto o Brasil espera uma grande produção na segunda safra de milho, em processo de plantio, de olho nos custos a indústria de ração ainda torce para que as discussões sobre a reforma da Previdência se desenvolvam bem no Congresso. “Dependendo das condições políticas, se as coisas não acontecerem, o câmbio volta a influenciar o custo das matérias-primas e, aí, embora tenhamos grãos suficientes, tem um aumento de custo, aí é um tormento para o produtor”, comentou, lembrando dos efeitos negativos do câmbio para o setor em 2018.

Com a indústria de ração trabalha com matérias-primas que também são exportadas, como soja e milho, se o dólar fica mais forte frente ao real, a tendência é um encarecimento de tais produtos agrícolas.

Fonte: Reuters
Continue Lendo

Avicultura Mercado Internacional

China isenta de taxas 14 empresas do Brasil que exportam carne de frango

Brasil é o maior exportador mundial de carne de frango e o maior fornecedor estrangeiro para a China

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A China isentará 14 empresas brasileiras, incluindo a BRF e a JBS, das tarifas antidumping sobre as importações de produtos de frango, desde que as vendas sejam feitas acima de um preço mínimo não divulgado. As isenções seguem-se a meses de negociações entre produtores brasileiros de carne de frango e a China, enquanto o Brasil buscava resolver uma questão antidumping lançada em agosto de 2017. O Brasil é o maior exportador mundial de carne de frango e o maior fornecedor estrangeiro para a China.

Uma determinação preliminar em junho do ano passado colocou impostos entre 18,8 e 38,4% sobre todas as importações chinesas de frangos de corte brasileiros. Sob uma decisão final emitida pelo Ministério do Comércio nesta sexta-feira (15), Pequim manterá tarifas entre 17,8 e 32,4% a partir de 17 de fevereiro por cinco anos.

No entanto, uma lista de empresas será excluída das tarifas como parte de um “compromisso de preço” acordado entre os dois lados, e divulgado pela Reuters no mês passado. O acordo estabeleceu preços mínimos para as vendas para a China, mas esses não foram publicadas nesta sexta. A decisão veio depois que os preços chineses da carne de frango atingiram níveis recordes de 11,2 iuanes (US$ 1,65) por kg no final do ano passado, devido ao aumento da oferta doméstica.

A China baniu as importações de aves reprodutoras de muitos fornecedores importantes por causa de surtos de gripe aviária, prejudicando a produção doméstica. O país é o segundo maior produtor e consumidor de frango do mundo. A demanda por carne de frango também parece ter aumentado após os surtos de peste suína africana.

Apesar dos resultados preliminares da investigação antidumping, as exportações brasileiras de frango para a China devem apresentar alta de cerca de 10% em 2018 em relação ao ano anterior. Mas a concorrência está aumentando, com a China no ano passado abrindo seu mercado para as importações da Rússia e suspendendo uma proibição de anos sobre a Tailândia. “Se o mercado cair e houver uma concorrência mais forte, alguns produtos de baixo preço não entrarão no mercado”, disse uma fonte do setor familiarizada com os preços acordados. A fonte recusou-se a ser identificada devido à sensibilidade do assunto.

O Brasil exporta principalmente pés, pernas e asas de frango para a China, produtos que estão com demanda em alta e escassos no mercado interno.

Fonte: Reuters
Continue Lendo

Avicultura De 2018

Produção de ovos bate recorde no quarto trimestre

Quantidade registrada representa alta de 1% sobre o trimestre anterior e de 8,2% em relação ao quarto trimestre de 2017

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A produção de ovos de galinha atingiu 928,42 milhões de dúzias no quarto trimestre do 2018, a maior quantidade da série histórica, iniciada em 1987. A informação faz parte dos dados preliminares das Pesquisas Trimestrais da Pecuária, divulgados nesta terça-feira (12) pelo IBGE.

A quantidade registrada representa alta de 1% sobre o trimestre anterior e de 8,2% em relação ao quarto trimestre de 2017. “Esse aumento tem sido verificado a cada trimestre”, observa o gerente da pesquisa, Bernardo Viscardi. Ele completa que por “ser uma proteína barata e de fácil consumo, a demanda é cada vez maior”.

Além disso, a pesquisa registrou o abate de 1,42 bilhão de cabeças de frango no quarto trimestre, com quedas de 0,7% em relação ao terceiro trimestre e de 0,9% na comparação com o mesmo período de 2017.

Também foram abatidos 8,09 milhões de bovinos e 11,10 milhões de suínos, uma queda de 2,3% e de 4%, respectivamente, na comparação com o terceiro trimestre de 2018. Em relação ao quarto trimestre de 2017, houve pequeno aumento, de 0,4% tanto para os bovinos quanto para os suínos.

Os resultados completos das Pesquisas Trimestrais da Pecuária serão divulgados em 14 de março e, além dos dados definitivos do trimestre, trarão o fechamento do ano e os resultados por unidade da federação.

Fonte: IBGE
Continue Lendo
Nucleovet 2
Biochem site – lateral
APA
Facta 2019

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.