Conectado com
OP INSTAGRAM

Notícias International Fish Congress

IFC prospecta desenvolvimento competitivo, sustentável e global da cadeia de pescados

Proposta do IFC é unir o setor, as entidades, promover diálogos, aproximar, definir pautas e estratégias comuns

Publicado em

em

Divulgação

O II International Fish Congress e a II Fish Expo Brasil 2020 reúnem digitalmente toda de cadeia produtiva de pescados nos dias 01, 02 e 03 de dezembro. A partir de estúdio em Foz do Iguaçu, Paraná, serão transmitidas palestras de 32 conferencistas, sendo 14 internacionais para todo o Brasil. “Das águas à mesa do consumidor – Uma cadeia competitiva e sustentável” é o tema do International Fish Congress e da Fish Expo Brasil 2020.

Às vésperas do evento, Altemir Gregolin, ex-ministro da pesca e presidente do IFC Brasil, destaca a expectativa para as discussões de um dos setores produtivos com maior potencial de crescimento e renda.

Programação Inovadora

“Encaramos o desafio de organizar um evento híbrido e tecnológico, apresentando os melhores conferencistas nacionais e internacionais”, afirma Gregolin. Os participantes acompanharão temas vindos do Brasil, Chile, China, Equador, Estados Unidos, Israel, Itália Malásia, Noruega e Vietnã. As diretrizes da programação técnica incluem temas de conjuntura e estratégia relacionadas ao mercado interno e de exportação. “Teremos debates interessantes em torno de tendências e competitividade, nutrição, sistemas de produção, sanidade, biossegurança, tecnologias, entre outros. Ou seja, o que tem mais moderno a nível mundial no setor de pescados”, exemplifica.

Nesta segunda edição, a Exposição Feira terá a participação dos principais players do mercado de tecnologias e serviços para aquicultura e pesca. O evento apresenta ainda a Arena do conhecimento com o Aqua 5.0 destinado a Startups, Inova Aqua para demonstração de tecnologias de ponta e rodada de negócios digitais (marketplace). As apresentações de trabalhos científicos serão coordenadas pelas universidades Unioeste, Unila, IFPR, UFPR e Univali.

Evolução e potencial da cadeia de pescados

Gregolin destaca a grande evolução da cadeia de pescados brasileira na última década, especialmente na aquicultura e na indústria. “Além de fortalecer o mercado interno, estamos ampliando as exportações e nos inserindo no mercado externo, o que é muito relevante. Ao escoar nossa produção para o mundo, temos maiores condições de desenvolver o potencial pesqueiro e aquícola, que é o nosso grande desejo”, afirma.

O Brasil tem um potencial gigante, com capacidade para produzir 20 milhões de toneladas/ano. “Temos as melhores condições do mundo para a produção, clima favorável, uma costa gigante de 8.500 km de extensão, 13% da água doce do mundo, espécies nobres, além de fontes de matéria-prima como soja e milho para ração de qualidade. Para isso, precisamos ter a cadeia estruturada e sermos competitivos globalmente. O evento se propõe a avançar nessas discussões”, enfatiza.

IFC, uma bússola para o setor

Diante deste latente potencial, o International Fish Congress destaca-se como uma bússola para a organização de cadeia de pescados. “Na perspectiva de desenvolvimento competitivo, sustentável e focado no mercado global. Esse é o tripé do evento”, informa Gregolin. “Desde a primeira edição, em 2019, o IFC tem esse mote. Por isso é um evento de cadeia”, completa.

A difusão de informações é fundamental para o desenvolvimento da cadeia. “Todos os atores precisam conversar, ter unidade e estratégia. Tudo começa com o  nivelamento adequado de informações, apresentar o que tem de mais moderno e, a partir daí, definir estratégias numa visão de longo prazo, compreendendo as tendências mundiais”.

Tendências globais de consumo de pescados como praticidade, produção sustentável social e ambientalmente são questões que impactam a cadeia. “O consumidor quer saber como a proteína foi produzida, qual o impacto regional, em termos de emprego e renda, como impacta nas condições de vida das pessoas, de preservação ambiental, entre outros. Tudo isso com competitividade e qualidade”, afirma.

Público do IFC Brasil

Em três dias de transmissão, o IFC será acompanhado por aquicultores, pescadores, cooperativistas, empresários do setor, fornecedores da cadeia de suprimento, formadores de opinião, pesquisadores, profissionais do setor, pesquisadores, estudantes e investidores.

Apoio do setor

“O setor percebeu no IFC uma proposta que envolve as necessidades do setor. Não queremos segmentar, mas unir toda a cadeia produtiva para pensar junto”, enfatiza. Para Gregolin, competitividade engloba todos e não somente um elo da cadeia. “Com isso, o IFC une o setor, promove diálogos, aproxima, define pautas e estratégias comuns”.

Gregolin destaca ainda a construção do IFC com a participação conjunta das entidades, empresas e cooperativas, especialmente a Copacol. O apoio do Governo do Paraná, do Ministério da Agricultura e da Secretaria de Agricultura e Pesca também são essenciais para a realização do evento. “O Sebrae Nacional tem sido decisivo, com ações na área da aquicultura e uma motivação de desenvolver o empreendedorismo. Isso é fundamental, pois a grande maioria dos produtores na área de aquicultura são pequenos e médios. Temos quase 300 mil aquicultores no Brasil e 95% deles tem até 5 hectares de lamina da agua”, finaliza Gregolin.

Inscrições

As inscrições ainda podem ser realizadas pelo site www.ifcbrasil.com.br

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × 4 =

Notícias Safra 20/21

Mapa publica novo zoneamento agrícola do trigo

O zoneamento indica o melhor período para o plantio

Publicado em

em

Divulgação/AENPr

Foram publicadas no Diário Oficial da União de quinta-feira (14) as portarias 1 a 17, com o Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc), ano-safra 2020/2021, para o cultura do trigo. O zoneamento indica o melhor período para o plantio.

Nas regiões tradicionais de cultivo comercial de trigo no Brasil, os maiores riscos de perda de produção são: geada no espigamento (região temperada); excesso de chuva/umidade elevada, que, na fase inicial de enchimento de grãos, pode causar doenças de espiga de difícil controle (giberela na região temperada e brusone na região tropical) ou acarretar, no período de colheita, a perda de qualidade tecnológica dos grãos; e deficiência hídrica e temperatura elevada (região tropical).

A atualização do Zarc de trigo, ano-safra 2020/2021, levou em consideração algumas demandas propostas pelo setor produtivo ao longo do ano de 2020 e envolveram, basicamente, a inclusão dos solos tipo 1 e a reanálise dos períodos de semeadura de alguns munícipios do norte do Paraná e sul do estado de São Paulo, além de prospecção de novas áreas com aptidão tritícola na região tropical, especialmente nos estados de Minas Gerais, Goiás e Bahia, que vêm se configurando como um novo polo de expansão da triticultura.

Estão contempladas no Zarc de Trigo, ano-safra 2020/2021, dez unidades da Federação: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Goiás, Distrito Federal e Minas Gerais, para o sistema de sequeiros; e São Paulo, Mato Grosso do Sul, Goiás, Distrito Federal, Minas Gerais, Mato Grosso e Bahia, para o sistema irrigado.

Maiores produtores de trigo no BR

Os maiores produtores de trigo do país são Rio Grande do Sul e Paraná, responsáveis em torno de 85,8% da produção nacional, conforme dados da Conab, divulgados em dezembro de 2020. Com a finalização da colheita do trigo nos principais estados produtores, a produção nacional estimada é de 6,183 milhões de toneladas. Nas principais regiões produtoras, a nova safra 2020/21 tem plantio começando em abril ou maio, com a colheita ocorrendo no decorrer do segundo semestre de 2021.

Zarc

Os agricultores que seguem as recomendações do Zarc estão menos sujeitos aos riscos climáticos e poderão ser beneficiados pelo Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) e pelo Programa de Subvenção ao prêmio do Seguro Rural (PSR). Muitos agentes financeiros só permitem o acesso ao crédito rural para cultivos em áreas zoneadas e para o plantio de cultivares indicadas nas portarias de zoneamento.

Fonte: ClimaTempo
Continue Lendo

Notícias Política Agrícola

Mais de 197 mil agricultores familiares vão receber benefício do Garantia-Safra de 2019/20

O benefício será pago em parcela única de R$ 850 para agricultores de 249 municípios em oito estados

Publicado em

em

Divulgação/MAPA

Mais de 197 mil agricultores familiares, de oito estados, irão receber pagamento do Garantia-Safra referente à safra 2019/20. A Portaria SPA/MAPA Nº 2, que determina o pagamento, foi publicada nesta segunda-feira (18) pela Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Neste mês, receberão o pagamento agricultores de Alagoas, da Bahia, do Ceará, Maranhão, de Minas Gerais, da Paraíba, de Pernambuco e do Piauí. O montante autorizado chegará a mais de R$ 168 milhões.

Diante do cenário imposto em relação a pandemia do Covid-19, será mantida, de forma excepcional, a antecipação do pagamento das parcelas do benefício Garantia-Safra, na safra 2019/2020. O pagamento será feito integralmente em parcela única de R$ 850.

O Garantia-Safra tem como objetivo garantir a segurança alimentar de agricultores familiares que vivem em regiões sistematicamente com estiagem ou enchente levando à perda da safra. Têm direito a receber o benefício os agricultores com renda mensal de até um salário mínimo e meio, quando tiverem perdas de produção em seus municípios igual ou superior a 50%. O Garantia-Safra é disponibilizado obedecendo o calendário de pagamento dos benefícios sociais.

Notificação de agricultores com benefício bloqueado

Com a disponibilização do serviço “Solicitar Requerimento de Defesa após Bloqueio do Benefício Garantia-Safra”, na plataforma gov.br, os agricultores que tiveram a concessão do benefício bloqueado nos municípios autorizados a efetuar o pagamento em janeiro deste ano, devem cumprir as orientações dispostas na Portaria Nº 25, de 8 de julho de 2020 para regularização do benefício. 

Caso o benefício esteja bloqueado, o agricultor deve acessar o seu perfil no Sistema de Gerenciamento do Garantia-Safra, neste link e verificar o motivo do bloqueio por meio da notificação que consta no perfil. O agricultor terá até 30 dias, após a publicação da Portaria que autoriza o pagamento do benefício, para se manifestar quanto o bloqueio.

A relação dos agricultores com benefício bloqueado, de forma cautelar, será encaminhada pelas coordenações estaduais aos gestores municipais.

Fonte: MAPA
Continue Lendo

Notícias

BRF tem novo gerente na unidade de Francisco Beltrão

Com 22 anos de carreira na empresa, Cláudio Ferreira Jaime, de 45 anos, assumiu o cargo em janeiro.

Publicado em

em

Cláudio Jaime está na companhia há 22 anos - Foto: Divulgação

A BRF, uma das maiores companhias de alimentos do mundo, tem novo gerente em sua unidade industrial de Francisco Beltrão, no sudoeste do Paraná. Com 22 anos de carreira na empresa, Cláudio Ferreira Jaime, de 45 anos, assumiu o cargo em janeiro.

Formado em Administração de Empresas, Jaime iniciou na BRF em 1999, como técnico de manutençãoem Marau (RS). Foi supervisor e gerente de manutenção da unidade e, em 2017, assumiu a gerência de processo do frigorifico de aves em Marau, cargo que ocupava até chegar à gerência em Francisco Beltrão.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
CONBRASUL/ASGAV

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.