Conectado com

Avicultura BEA

Granja do Paraná lança inédita produção cage-free

Granja Refem produz 220 mil ovos/dia com sistema livre de gaiolas; empreendimento recebeu certificação Sisbi em julho

Publicado em

em

Divulgação/AENPr

Um dos principais objetivos do avicultor atual é atender às demandas do consumidor moderno: bem-estar animal, sem antibióticos, animais criados da forma mais livre e natural possível. É isto que uma granja do Paraná vem fazendo. Com um projeto pioneiro de avicultura, começou a funcionar neste ano em Cascavel, no Oeste do Estado, a Granja Refem, que produz ovos de galinhas de forma mais natural, com aves livres de gaiolas e de excessos de químicos nos medicamentos e na ração. Esse empreendimento preconiza as adequações que serão exigidas por resolução da Organização das Nações Unidas (ONU) até 2030.

A granja está instalada numa área de 1,2 mil hectares, sendo 700 hectares de reflorestamento. O investimento total foi de R$ 110 milhões, dos quais R$ 27 milhões na reformulação do empreendimento, que gera 140 postos de trabalho. Cerca de 60% dos recursos são de capital próprio e 40% da linha Inovagro do BNDES. A capacidade da granja é de produzir 600 mil ovos por dia, informa o dirigente da granja, Renato Festugato. Além da granja, o empreendimento conta com uma fábrica própria de ração e um entreposto para comercialização dos ovos.

Segundo o empresário, a iniciativa visa atender ao aumento da demanda por produtos mais naturais no mercado externo e interno. “As grandes redes de supermercados estão pedindo esse tipo de produto”, ressaltou. São ovos livres de antibióticos e de subprodutos de origem animal na ração. As galinhas ficam soltas, não são estressadas, o que contribui para um produto mais livre de cargas de estresse e de químicos. Atualmente, a granja produz 220 mil ovos/dia e vende para cinco Estados brasileiros.

Certificação

Atendendo ao que pede consumidores e autoridades, em julho a granja recebeu a certificação Sisbi (Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal). O certificado, emitido pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e prefeitura, permite a comercialização de ovos em todo território nacional. O Sisbi-POA, que faz parte do Sistema Unificado de Atenção à Sanidade Agropecuária (Suasa), padroniza e harmoniza os procedimentos de inspeção de produtos de origem animal para garantir a inocuidade e segurança alimentar.

Segundo Festugato, a granja honra os compromissos da agenda global de desenvolvimento firmados pelos países-membros da Organização das Nações Unidas (ONU), a qual o Paraná tem a missão de implementar. “Devemos ter um retorno mais longo na atividade, mas acreditamos no futuro de que o consumidor vai remunerar este ovo. Estamos um passo adiante, temos que melhorar a produtividade e desenvolver produtos compatíveis com o que o mundo está fazendo”, afirma.

Ele citou que a Europa já proíbe a comercialização do ovo de galinhas de gaiola, que os Estados Unidos já consomem 30% na modalidade cage-free e, o Brasil, menos de 1%. “Nosso país consome hoje 110 milhões de ovos por dia e somente 650 mil a 700 mil ovos têm a preocupação do bem-estar animal. Teremos capacidade de chegar a um milhão de ovos por dia. É um mercado em expansão e viável, só teremos um período maior de maturação”, completa.

Granja totalmente adequada às normas

A Granja Refem já está adequada às normas sanitárias da ONU, que vai exigir, a partir de 2021, que a produção em todo o mundo seja feita de forma mais natural, com aves livres de gaiolas e proibição do uso intensivo de químicos, medicamentos e na ração. Até 2030, não será mais permitida a produção de ovos em sistema de gaiola.

A empresa também já inaugurou um entreposto para distribuição dos ovos com credenciamento do SISBI. Ele se soma aos granjeiros e ao resto da cadeia de produção, seleção e distribuição.

Atualmente, o negócio conta com 250 mil aves e com uma produção diária de 220 mil ovos. A granja emprega 140 pessoas. “A nossa granja deve ser a primeira no Paraná com a certificação internacional, a Certified Human, que está em 187 países. São objetivos difíceis de cumprir pelas exigências, mas temos feito todos nas formas necessárias e conseguimos a certificação”, afirmou Festugato. A projeção é adequar ainda mais a área de aviários para atingir 500 mil aves de postura e produção diária de um milhão de ovos.

Além do mais, o empreendedor informa que a produção é focada no mercado interno. “As famílias estão de olho em um ovo livre de antibiótico, com uma energia vital que vem da galinha dentro do ovo melhor. Esses consumidores já enxergam esse ovo para colocar na mesa, também uma preocupação com a saúde animal”, diz.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de setembro/outubro de 2019 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × quatro =

Avicultura CORONAVÍRUS

Corrida às prateleiras aquece demanda por ovos

Coopeavi defende versatilidade da proteína para dieta no período da quarentena

Publicado em

em

Foto: Coopeavi

A demanda por ovos, já habitual no período da Quaresma por conta da substituição da carne vermelha, se aqueceu ainda mais nos últimos dias com a crise do novo coronavírus (Covid-19). Com medo de desabastecimento durante a quarentena, os consumidores correram aos supermercados para garantir a proteína.

Com sede no município atual maior produtor de ovos do Brasil, Santa Maria de Jetibá (ES), a Coopeavi sempre registrou aumento do consumo de ovos no período de 40 dias seguido por luteranos e católicos e que termina na Páscoa.

O propósito da Coopeavi é unir famílias que alimentam famílias. Em todas as unidades da cooperativa e nas granjas de 94 famílias de avicultores associados, a produção já era a prevista desde o ano passado, sem interferência do surto da Covid-19.

Em 2019, a cooperativa comercializou um total de 443.799 caixas de ovos com 30 dúzias cada- sendo 80% da produção para a Bahia, além do Espírito Santo, Minas Gerais, São Paulo e Sergipe. O gerente executivo de produção da CoopeaviLuis Carlos Brandt, defende a versatilidade do produto na dieta.

“O ovo é muito versátil para o preparo de diversas refeições e entrou na lista de prioridades nesse momento no qual o consumidor temeu um pouco o desabastecimento que não aconteceu”, destaca Brandt.

O consumidor enxerga essa versatilidade até no armazenamento. A recomendação é armazenar os ovos sob refrigeração para estender a validade por semanas. E, segundo o gerente de produção, na geladeira o prazo de validade é de pelo menos 21 dias.

“Além de ser proteína de alta qualidade, o ovo é um produto rico em vitamina D, citada por especialistas até como benéfica na prevenção do coronavírus. São vários os atributos e qualidades que levam o consumidor a optar pelo ovo. E ele ainda é uma proteína acessível, mesmo com alta nos preços”, completa Brandt.

 

Compromisso

Segundo o gerente de produção, a diferença com a evolução da pandemia foi somente a antecipação dos consumidores nos supermercados, por isso não teme um desabastecimento nas gôndolas até pelo excesso da oferta.

“No caso da avicultura de postura, a cooperativa não tem como alojar novas estruturas de produção de ovos em menos de cem dias, que é o tempo de recria das pintainhas, ou seja, a produção não é elástica”, explica.

Apesar da crise, a Coopeavi conseguiu cumprir todos os compromissos com os parceiros, dentre distribuidores, supermercados e clientes, além de tentar viabilizar a parte nutricional para a produção de rações, que também sofreram forte reajuste. De acordo com Luis Carlos Brandt, o milho e soja compõem entre 80% e 85% de todas fórmulas de ração na avicultura.

O aumento do custo da matéria-prima acaba sendo passado no valor final para o consumidor. E a cooperativa teve um papel importante ao estar preparada para suportar o produtor de ovos nesses picos de aumento.

“A Coopeavi tem um estoque que acaba funcionando como amortecedor, pelo menos no curto prazo, para não ter um pico tão alto. A cooperativa já tinha negociações em andamento que ainda possibilitaram não passar todo o aumento das rações para o seu quadro de cooperados”, afirma Brandt.

 

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Avicultura Mercado

Marrocos abre mercado para genética avícola brasileira

Exportação será de pintos de um dia e ovos embrionados

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O Escritório Nacional de Segurança Sanitária dos Alimentos (ONSSA) do Marrocos autorizou a importação de pintos de um dia e ovos embrionados provenientes do Brasil, informou esta semana o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) à Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

O pedido de exportação ao mercado do Norte da África foi apresentado pela ABPA ao MAPA em 2019.   A viabilização dos embarques dependia da constituição de um Certificado Zoossanitário Internacional (CZI), o que foi finalizado pelas autoridades brasileiras e marroquinas este ano.

De acordo com o presidente da ABPA, Francisco Turra, a autorização das exportações fortalece a posição brasileira como plataforma exportadora de material genético para o mundo. “Livre de Influenza Aviária e com um dos melhores status sanitários entre os produtores avícolas internacionais, o Brasil agora contará com um novo destino para embarcar produtos de alta segmentação e valor agregado.   Brasileiros e marroquinos serão beneficiados com a viabilização destas exportações”, ressalta.

Fonte: ABPA
Continue Lendo

Avicultura Mercado

Enquanto exportação segue estável em março, liquidez e preço do frango diminuem no Brasil

Para os próximos meses, agentes de mercado têm expectativa de que o ritmo dos embarques volte a crescer

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O volume de carne de frango exportado pelo Brasil em março foi praticamente o mesmo do registrado em fevereiro. Segundo dados da Secex, foram embarcadas 324,64 mil toneladas de proteína de frango in natura em março, leve alta de 0,1% frente ao resultado de fevereiro/20 e aumento de 2,2% frente a março/19.

O ritmo dos embarques, no entanto, diminuiu de fevereiro para março. Ainda de acordo com a Secex, o Brasil embarcou 14,76 mil toneladas por dia no mês passado, contra 18 mil toneladas/dia em fevereiro e 16,7 mil toneladas/dia em março/19. Diante disso, a sustentação no volume embarcado em março esteve atrelada ao maior número de dias úteis.

Para os próximos meses, agentes de mercado têm expectativa de que o ritmo dos embarques volte a crescer, fundamentos em uma possível intensificação das compras chineses no Brasil. No mercado interno, após o setor ter registrado incremento nos pedidos em meados de março, principalmente por parte de mercados, as vendas de carne de frango se desaqueceram de 25 de março a 1º de abril.

Segundo colaboradores do Cepea, além da retração da demanda por ser a última semana do mês, a redução das compras por parte de restaurantes, hotéis e demais serviços de alimentação, reforçaram a baixa liquidez e, consequentemente, as quedas nos preços.

Fonte: Cepea
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.