Conectado com
VOZ DO COOP

Suínos / Peixes

Ganho compensatório é viável na suinocultura?

O ganho compensatório na produção de proteína animal é um fenômeno que ocorre quando animais, como gado, suínos ou aves, experimentam um período de restrição alimentar seguido por uma fase de alimentação quando têm acesso à quantidade de alimento que necessitam.

Publicado em

em

Foto: Shutterstock

O ganho compensatório é um conceito complexo que envolve o crescimento acelerado de animais após um período de restrição nutricional, visando recuperar o peso perdido e restabelecer o equilíbrio corporal. Existem estudos que demonstram a existência do ganho compensatório em algumas espécies, como aves e peixes, mas ainda há dilemas e dificuldades em mensurar e estimar o ganho compensatório em suínos.

O ganho compensatório na produção de proteína animal é um fenômeno que ocorre quando animais, como gado, suínos ou aves, experimentam um período de restrição alimentar seguido por uma fase de alimentação quando têm acesso à quantidade de alimento que necessitam. Durante o período de restrição alimentar, os animais recebem uma quantidade insuficiente de alimento ou determinados nutrientes para atender às suas necessidades de crescimento e produção. No entanto, quando a restrição alimentar é encerrada e os animais são alimentados à vontade, eles tendem a crescer e ganhar peso mais rapidamente do que aqueles que sempre foram alimentados adequadamente.

Esse ganho compensatório ocorre devido a várias adaptações fisiológicas que os animais desenvolvem durante o período de restrição alimentar. Durante a restrição, eles podem reduzir o gasto de energia, diminuir o crescimento e utilizar de forma mais eficiente os nutrientes disponíveis. Quando a alimentação é restaurada, essas adaptações permitem que eles absorvam e utilizem os nutrientes de maneira mais eficaz, resultando em um aumento rápido no crescimento e no ganho de peso.

Mariana Boscato Menegat, médica-veterinária – Foto: Giuliano De Luca/OP Rural

O ganho compensatório é um conceito importante na produção animal, pois permite aos produtores otimizar o uso de recursos, como alimentos, reduzindo os custos de produção. No entanto, é essencial controlar o período de restrição alimentar para evitar efeitos negativos sobre a saúde e o bem-estar dos animais. Além disso, a genética, a idade dos animais e outros fatores podem influenciar a magnitude do ganho compensatório observado em diferentes espécies e sistemas de produção.

Conforme a médica-veterinária, Mariana Boscato Menegat, mestra em Reprodução de Suínos e PhD em Nutrição de Suínos, a restrição alimentar controlada é geralmente implementada por um curto período de tempo, geralmente de semanas, dependendo do objetivo do produtor. Durante esse período, os suínos recebem uma quantidade de alimento que é insuficiente para atender plenamente suas necessidades de crescimento ou recebem dietas mais pobres em algum nutriente, como lisina, proteína bruta ou lipídios, por exemplo. Como resultado, eles podem experimentar uma desaceleração no crescimento e no ganho de peso.

Quando a restrição alimentar é encerrada e os suínos são alimentados à vontade, várias coisas acontecem. A eficiência de conversão alimentar melhora, pois os suínos que passaram pelo período de restrição alimentar tendem a utilizar os nutrientes de forma mais eficiente, transformando a comida consumida em ganho de peso com maior eficácia. Além disso, pode haver maior consumo de alimento, o que contribui para o ganho de peso acelerado.
Com o aumento da ingestão de alimentos e a melhora na eficiência de conversão, os suínos experimentam um rápido crescimento e ganho de peso durante o retorno à fase de alimentação com os nutrientes que necessitam. Isso resulta em um ganho compensatório, permitindo que eles alcancem o peso desejado em menos tempo.

De acordo com ela, o ganho compensatório é vantajoso para os produtores de suínos, pois pode reduzir os custos de produção, incluindo alimentação, e otimizar a produtividade nas fábricas de rações. No entanto, a gestão adequada é fundamental para garantir que os suínos não sofram estresse ou impactos negativos em sua saúde durante o período de restrição alimentar.

Mariana ressalta que é importante observar que a magnitude do ganho compensatório pode variar com base em fatores como a genética dos suínos, a duração da restrição alimentar e a qualidade da alimentação. “Os fatores determinantes para o ganho compensatório são genótipo, estratégia de crescimento durante a restrição, método de limitação nutricional e padrões de restrição e recuperação”, frisou. Portanto, explicou, os produtores devem ajustar estrategicamente seus planos de alimentação para otimizar o ganho compensatório sem comprometer a saúde dos animais.

Na prática 

“Se a gente só olhar para o conceito, parece que todas nossas preces foram atendidas. Será que a gente consegue fazer uma redução de desenvolvimento dos animais e minimizar os custos de produção, mas mesmo assim ganhar em alto desempenho e maximizar a produtividade? Isso seria ideal, mas o ganho compensatório é mais complexo do que isso. No entanto a gente pode utilizar ele, ter benefícios na prática utilizando o conceito de ganho compensatório”, destacou. “Em algumas espécies de aves e peixes o ganho compensatório está não somente bem descrito, mas utilizado na prática. Mas nos suínos ainda existem bastantes dilemas, é difícil de estimar e mensurar o ganho compensatório”, ampliou a palestrante.

A palestrante citou como exemplos pesquisa com dois grupos de suínos, um que teve restrição alimentar e outro que não passou por isso. “Nesse período de restrição é normalmente induzido por restrição nutricional. Durante esse período os animais vão ter crescimento desacelerado em relação aos animais que não tiveram restrição. Assim que a restrição nutricional é removida e os animais voltam a uma dieta nutricionalmente adequada, eles passam por um período de recuperação, quando o crescimento é acelerado em relação aos animais que não tiveram uma restrição prévia”, acentuou. “O mecanismo fisiológico que leva ao ganho compensatório é uma tentativa de tentar recuperar o peso perdido para atingir o peso esperado na idade fisiológica e tentar reestabelecer o reequilíbrio corporal de lipídios e proteína ao qual os animais estão geneticamente predispostos”, explicou a especialista.

Para Mariana, uma das principais atenções dos produtores deve estar no período em que é realizada a restrição. “O estágio de crescimento durante a restrição determina a capacidade do suíno em expressar o ganho compensatório. A restrição deve ser feita no estágio inicial de crescimento, antes do animal atingir a maturidade e antes de atingir seu máximo potencial de deposição proteica”, que ocorre quando o suíno tem entre 70 e 85 quilos, de acordo com a especialista.

“É importante ser uma restrição nutricional moderada, por um período curto, passando por um período mais longo de recuperação, com níveis de lisina atendendo as necessidades dos animais ou acima dessas exigências”, recomenda. “Em síntese, o ganho compensatório é uma limitação nutricional através da formulação da dieta. A restrição deve ser feita no estágio inicial de crescimento, antes da maturidade. A restrição deve ser curta, com níveis moderados de limitação de lisina, e recuperação longa e com níveis adequados de lisina”, reforçou.

A profissional citou ainda importantes aspectos a campo que podem influenciar positiva ou negativamente no ganho compensatório. Entre eles estão a sanidade da fazenda, o espaço de comedouro, a ambiência das instalações, a qualidade da água, a densidade de animais e a variabilidade de peso do plantel.

Para ficar atualizado e por dentro de tudo que está acontecendo na Nutrição e Saúde Animal clique aqui. Boa leitura!

 

Fonte: O Presente Rural

Suínos / Peixes Oportunidade para elas

Frimesa celebra Dia da Mulher incentivando cadastro de currículos para oportunidades de trabalho

Candidatas podem procurar as agências do trabalhador presenciais dos municípios que possuem unidades industriais da cooperativa: Medianeira, Matelândia, Marechal Cândido Rondon e Assis Chateaubriand.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Arquivo OPR

Valorizar a diversificação nos ambientes de trabalho e inclusão no processo de recrutamento, além de abraçar as forças individuais e respeitar as diferenças são princípios que norteiam o trabalho equipes eficientes. Como parte desse esforço, a Frimesa convida mulheres interessadas em oportunidades de emprego para cadastrarem seus currículos no dia 08 de março, Dia Internacional da Mulher, próxima sexta-feira.

As candidatas podem procurar as agências do trabalhador presenciais dos municípios que possuem unidades industriais da cooperativa: Medianeira, Matelândia, Marechal Cândido Rondon e Assis Chateaubriand. A agência do trabalhador de Toledo também realizará cadastros. Além do atendimento presencial, a Frimesa dispõe do Portal do Candidato pelo endereço frimesa.com.br/trabalheconosco.

Esse mutirão faz parte da programação de atividades que marcam a Semana da Mulher realizada pela empresa de 04 a 08 de março com o tema “Reconheça Sua Grandeza”. A ação visa atualizar e registrar dados de possíveis candidatas a vagas da cooperativa, com o foco nas mulheres que desejam integrar a equipe. Além de reconhecer a importância das mulheres no mercado de trabalho, destaca o compromisso da Frimesa em promover a igualdade de oportunidades e o empoderamento feminino.

São várias vagas de trabalho ofertadas, principalmente no âmbito industrial e no Frigorífico de Assis Chateubriand. Entre as possíveis vagas estão: operador de produção, auxiliar de expedição, eletromecânico, auxiliar de controle de qualidade, auxiliar de laboratório, eletricista, auxiliar de eletricista, operador de empilhadeira, operador de transpaleteira e outros. Ao ir de encontro às mulheres e o ambiente profissional, a cooperativa reforça seu compromisso com a diversidade e o reconhecimento do talento feminino, iniciativa que traz impactos positivos para a empresa e aquelas que desejam ingressar ou crescer em suas carreiras.

Presença feminina e diversidade

Ao final de 2023, 50% do quadro funcional da Frimesa era composto por mulheres que atuam nas diversas áreas, desde o operacional até o administrativo. De 2022 para 2023 houve um aumento de 17% no número de mulheres em cargos de liderança, subindo de 79 para 92 líderes femininas. Até 2030 a cooperativa tem meta de alçançar 30% dos cargos de gestão ocupados por mulheres e outras minorias.

Benefícios

Além do salário, a Frimesa oferece uma série de benefícios aos seus colaboradores, incluindo acesso ao restaurante da empresa, vale transporte, presente de aniversário, plano de saúde, participação nos resultados, presente no Dia do Trabalho, auxílio educação, oportunidades de treinamento e desenvolvimento, além de uma cesta de Natal. Esses benefícios visam não apenas garantir o bem-estar dos funcionários, mas também promover um ambiente de trabalho saudável e incentivar o crescimento profissional.

Sobre a Frimesa

A Frimesa Cooperativa Central é uma empresa brasileira, fundada em 13 de dezembro de 1977, em Francisco Beltrão, Paraná para industrialização de carne suína e leite. A sede fica em Medianeira, no oeste paranaense. É composta por cinco cooperativas filiadas (Copagril, Lar, C.Vale, Copacol e Primato).

É a 1ª maior empresa paranaense de abate e processamento de suínos e em 2023 esteve entre as 10 maiores empresas do Brasil de recebimento de leite. Atualmente conta com 6 unidades industriais, e atua em todo o mercado nacional e internacional, exportando para aproximadamente 30 países.

São mais de 12 mil colaboradores. No ranking das maiores empresas do agronegócio Brasil, segundo a Revista Globo Rural, ocupa o 78º lugar, e entre as empresas do agronegócio na região sul está em 23º lugar. É a primeira cooperativa a anunciar publicamente compromissos ESG para um futuro mais sustentável.

Fonte: Assessoria Frimesa
Continue Lendo

Suínos / Peixes

Pork Expo Brasil & Latam 2024 impulsiona inovação e sustentabilidade na suinocultura

Profissionais, produtores e executivos do setor vão se reunir em Foz do Iguaçu (PR), nos dias 23 e 24 de outubro, no Recanto Cataratas Thermas Resort & Convention, para dois dias de imersão total.

Publicado em

em

Foto: Jaqueline Galvão/OP Rural

A Pork Expo Brasil & Latam retorna em outubro como o principal polo de inovação, conhecimento e promoção de alimentos saudáveis e sustentáveis para impulsionar seu empreendimento. É o evento mais prestigiado e esperado tanto na suinocultura brasileira quanto mundial. Com 22 anos de história, o evento demonstra como a cadeia produtiva da carne suína pode ser eficiente, tecnológica e rentável.

Profissionais, produtores e executivos do setor vão se reunir em Foz do Iguaçu (PR), nos dias 23 e 24 de outubro, no Recanto Cataratas Thermas Resort & Convention, para dois dias de imersão total. O evento vai oferecer cinco experiências em um único local, promovendo conexões cruciais para a suinocultura nacional e das Américas.

CEO da Pork Expo Brasil & Latam, Flavia Roppa: “Oportunidade única no mundo, que vai unir todos os profissionais que atuam na produção da nossa carne nos cinco continentes” – Foto: Divulgação/Pork

“O momento não poderia ser mais propício para as nossas granjas e indústrias, além de todos os milhares de pontos de varejo. A produção de carne suína brasileira atingiu 5,3 milhões de toneladas no ano passado e deve crescer 1% em 2024. O consumo por habitante deve se elevar ainda mais, chegando a 21 quilos e o apetito pela carne mais saborosa e consumida no planeta ainda vai ajudar nosso país a ocupar a segunda colocação internacional no consumo de proteínas de origem animal, com 103 quilos per capita, só perdendo para os Estados Unidos. E nossas exportações também marcarão um novo recorde, de 1,3 milhão de toneladas”, exalta a CEO da Pork Expo Brasil & Latam, Flavia Roppa.

Para celebrar tamanha performance, a PorkExpo Brasil & Latam 2024 traz os momentos mais significativos de um evento envolvendo a moderna suinocultura internacional. “Oportunidade única no mundo, que vai unir todos os profissionais que atuam na produção da nossa carne nos cinco continentes, de ponta a ponta da cadeia, da granja ao prato”, enaltece Flavia.

Congresso Latam de Suinocultura

O 12º Congresso Latam de Suinocultura vem um novo formato de palestras e apresentações da jornada científica. Presença de criadores, pesquisadores, executivos, professores, empresários, especialistas em carnes e consumidor, além de chefs de cozinha de mais de 20 países.

Apresentação de todas as novas tecnologias e os últimos resultados das pesquisas envolvendo a suinocultura mundial por meio de painéis interativos, com mesas redondas reunindo todos os palestrantes.

E ainda participação dos principais especialistas mundiais em temas como nutrição, sanidade, bem-estar animal, inovação, gestão, biossegurança e muito mais.

Congresso Nacional Mulheres da Suinocultura

E o festejado Congresso Nacional Mulheres da Suinocultura, que tanto sucesso fez na primeira versão. O Congresso volta com força total para reunir e destacar a força e a experiência das criadoras, trabalhadoras, pesquisadoras, mães e esposas que atuam na granja e ajudam a fazer os resultados da suinocultura latino-americana, responsável pela produção de quase sete milhões de toneladas de carne suína por ano.

Outras novidades

Mas a Pork sempre traz novidades para envolver os participantes em experiência ligadas à culinária, festa da carne suína, celebração e congraçamento. Como a OktoberPork, a festa da cerveja na PorkExpo Brasil & Latam, uma festa para homenagear a suinocultura realizada na região Oeste do Paraná, berço da área que engloba os três estados que mais produzem carne suína do nosso país, além de serem tradicionais produtores de grãos, como milho e soja, base da nutrição dos rebanhos: Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

E a Tríplice Fronteira, formada por Brasil, Paraguai e Argentina, onde se encontra o maior centro de produção de proteína animal do mundo, ao lado de agroindústrias, cooperativas e produtores independentes.

Ainda vai ter o Prêmio Pork da Suinocultura – Melhores do Ano da Suinocultura, para conceder prestígio ao trabalho dos profissionais envolvidos na produção de suínos e que contribuem para o desenvolvimento do setor.

Uma nova versão do Prêmio Melhores do Ano da Suinocultura da Revista PorkWorld. Serão quinze 15 categorias: jovem empreendedor, inovação, sustentabilidade, pesquisador, professor universitário, bem-estar animal, sucessão familiar, técnico de cooperativa, técnico de empresa, influencer, liderança feminina, produtor, cooperativa, personalidade da suinocultura, varejo, inovação, consumo e marketing.

“É a festa da carne suína do continente americano, que vai te conectar com as pessoas certas e te preparar para o futuro. Evento totalmente focado na suinocultura, que completa mais de duas décadas entregando inovação e tecnologia em 2024”, ressalta Flavia.

A CEA ainda salienta que a Pork, como é carinhosamente conhecida há décadas, é o evento certo para quem procura conhecer as principais tecnologias disponíveis para a suinocultura, manter conexão total com as pessoas que fazem a suinocultura acontecer, marcar presença dos profissionais e das marcas em evidência, impulsionar suas carreiras, investir em conhecimento e relacionamento, mantendo sempre posição à frente dos seus competidores. “Dois dias de imersão total. Cinco eventos em um único ambiente. Muito conhecimento e conexão. Vejo você em Foz do Iguaçu”, enfatizou.

Fonte: Com assessoria
Continue Lendo

Suínos / Peixes

Com grande potencial, peixes nativos esbarram em velhos problemas que travam seu crescimento

Faltam planos de negócios eficazes para retomar o crescimento desse segmento essencial para a piscicultura brasileira.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Arquivo OPR

O Brasil produziu 263.479 toneladas de peixes nativos, em 2023. Esse desempenho é 1,3% inferior ao ano anterior (267.060 toneladas). Com esse total, o segmento repre­senta agora 29,7% da produção total do país.

“Não se pode dizer que o resultado do cultivo de peixes nativos no ano passado foi positivo, mas também não foi tão negativo. O resultado foi impactado por problemas de fora da cadeia pro­dutiva. Falta atenção maior das autoridades estaduais, que pre­cisam priorizar essa atividade tão importante para as economias locais, além de gerar centenas de milhares de empregos. A ques­tão ambiental é prioritária, assim como é necessário definir – e levar adiante – um modelo de negócios atrativo para o investi­mento da iniciativa privada. Os estados que estão nesse caminho apresentam melhor desempenho”, analisa Francisco Medeiros, presidente executivo da Associação Brasileira da Piscicultura (Peixe BR), entidade responsável pelo levantamento da produ­ção nacional de peixes de cultivo.

Os peixes nativos estão, prioritariamente, na região Norte. Ron­dônia é o maior produtor (56.500 toneladas), porém teve queda em 2023 (-1,2%).

Entre os cinco maiores produtores, somente Mato Grosso teve ligeiro aumento da produção. Além de Rondônia, Ma­ranhão, Pará e Amazonas tiveram recuo, como mostra o quadro.

Diversidade de oferta

Carpas, trutas e pangasius são as espécies mais importantes desse segmento, que mostrou estabilidade, em 2023, mas tem potencial de crescimento.

A produção de outras espécies de cultivo – liderada por carpas, trutas e pangasius – se manteve estável em 2023. No total, o segmento foi responsável pela oferta de 44.470 toneladas, que representa 5% da produção total. Em 2023, participava com 5,03%. “Este é um nicho liderado por carpas e trutas, espécies de regiões mais frias. A notícia positiva é o crescimento da pro­dução de pangasius, especialmente em estados da região Nor­deste, como Maranhão e Piauí”, informa Medeiros.

O Rio Grande do Sul, com 17 mil toneladas, em 2023, lidera o cultivo dessas espécies, seguido por Santa Catarina e Maranhão, que apresentaram que­da da produção, enquanto Piauí e São Paulo tiveram crescimento.

Fonte: Com assessoria Peixe BR
Continue Lendo

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.