Conectado com

Notícias

Frigoríficos mineiros participam de missão comercial em Buenos Aires, capitaneada pela ASEMG

A comitiva teve como objetivo a abertura de relações com o país porteño

Publicado em

em

Fotos: Divulgação ASEMG

Representantes do Frigorífco Saudali em rodada de negócios.

Entre os dias 16 e 17 de maio a Embaixada Brasileira em Buenos Aires recebeu a primeira missão comercial liderada um governo estadual, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (SEDE) e Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (SEAPA) em conjunto com entidades de classe a Associação dos Suinocultores do Estado de Minas Gerais (ASEMG) e  Associação dos Avicultores de Minas Gerais (AVIMIG).  Representando a secretaria de Agricultura, o subsecretário João Ricardo Albanez destacou a importância da missão comercial. “Esta missão é uma oportunidade para o setor produtivo mineiro estreitar as relações comerciais e diversificar a pauta exportadora com a inclusão de produtos de maior valor agregado”, avaliou.

A empreitada contou com seis empresas dos setores de carnes de suínos (Adeel Alimentos, Nutrili Alimentos e Saudali Alimentos) pela ASEMG  e aves convidadas da AVIMIG . A missão teve o  objetivo de desenvolvimento de negócios entre empresas de ambos os países por meio do fomento da abertura de novos mercados para as empresas mineiras. “A missão vai de encontro ao trabalho de inteligência comercial e prospecção de mercados realizado pela DIPEX (Diretoria de Promoção de Exportações), que direciona a política estadual de promoção de exportações amparada em dois pilares: a diversificação de pauta exportadora e de destinos de exportação de nossos produtos” comentou Marcello Faria, diretor de Promoção de Exportações da SEDE/MG.

A incursão ao país vizinho nasceu do Seminário de Exportações para a Carne Suína, realizado de forma on-line em novembro de 2021, pela ASEMG em conjunto com a SEDE e a SEAPA, onde foi percebido a possibilidade de estreitamento de laços comerciais e de negócios importantes para ambos os países. “Entendemos que a ampliação das exportações de carne suína mineira é de suma importância para o bom andamento do mercado de compra e venda de suínos do nosso Estado, por isso nos empenhamos em dividir informação com as indústrias a respeito de diversas praças, durante o Seminário, e ao percebermos as reais oportunidades de negócio com a Argentina trabalhamos fortemente para que essa missão se tornasse uma realidade e estamos muito felizes com as perspectivas de novos negócios com o país vizinho” disse Bianca Costa, gerente executiva da ASEMG.

As ações preparatórias envolveram a realização de seminários de qualificação, realizados em parceria com o Ministério das Relações Exteriores do Brasil, por meio da Embaixada em Buenos Aires, e também o Ministério da Agricultura por meio da Adidância Agrícola do Brasil em Buenos Aires.

O primeiro dia de atividades da Missão foi voltado para a realização de rodadas de negócios entre as empresas mineiras integrantes da comitiva e importadores argentinos, dentre os quais destacam-se distribuidores, importadores especializados e redes de supermercados.

Gabriel Palotti representante do Frigorífico Adeel participando da Rodada de Negócios.

As rodadas de negócios aconteceram dentro da Embaixada do Brasil em Buenos Aires com uma média de 14 reuniões por empresa mineira. No segundo dia, no período da manhã, foi realizado um seminário de potencialidades de exportação do estado de Minas Gerais para o mercado argentino. O evento foi voltado a entidades de classe argentinas que concentram um grande número de empresas importadoras e possuem grande capacidade de influência junto a parceiros estratégicos. Na ocasião, cada empresa e entidade participante da comitiva teve a oportunidade de se apresentar e falar um pouco de sua atuação e, no caso das indústrias, também sobre seus  produtos. “Eu, particularmente, achei a missão sensacional! Conhecer pessoas que já estão nesse processo, que foram responsáveis para que todas as reuniões acontecessem em seus devidos horários e tornando a missão muito bem organizada. Nós da Adeel, saímos com ótimas expectativas, os argentinos estão descobrindo a carne suína, e na missão, tivemos a oportunidade de conversar com mais de 15 empresas que desejam trabalhar mais com nossa carne”, disse Gabriel Palotti, diretor Adeel.

No período da tarde, foi realizada uma visita técnica a um dos maiores grupos de varejo com atuação no mercado argentino, a rede Jumbo. O encontro serviu ao propósito para as empresas conversarem com um grande distribuidor sobre o processo de importação em larga escala, e quais são requisitos específicos aplicados pelas autoridades argentinas no processo.

Carlos Lana Júnior, consultor da Nutrili apresentando seus produtos durante a missão.

Esta visita também teve como objetivo de as empresas mineiras conhecerem como se dá a comercialização final dos produtos nas gôndolas dos supermercados, e a política de preços e cortes. “A missão foi muito boa e nos permitiu possibilidade de grandes negócios, pois nos permitiu ver o quanto devemos focar na Argentina. A Nutrili está passando por um processo de expansão, estamos, juntos ao Ministério da Agricultura, em busca da aprovação da habilitação para exportação, e por esse motivo, a missão e os contatos realizados vieram a calhar e foram muito importantes para a empresa” disse Carlos Lana Júnior, consultor da Nutrili.

Ao final do dia, o Diretor de Promoção de Exportações da SEDE, Marcello Faria, o Subsecretário de Economia Agrícola da SEAPA, João Ricardo Albanez, a Gerente Executiva da ASEMG, Bianca Costa e a Analista de Inteligência de Mercado da ABPA, Laiz Foltran; foram recebidos pelo Ministro Maurício Fávero da Embaixada do Brasil em Buenos Aires para uma reunião a respeito do balanço da missão, e a perspectiva de expansão e continuidade das atividades.

Os números ainda estão sendo apurados, mas há expectativa dos negócios que serão desenvolvidos ao longo do ano a partir das tratativas iniciadas na missão são extremamente positiva “Está missão nos proporcionou a possibilidade de contatos importantes, pois são contatos para a realização de trabalhos futuros. Saímos da missão com expectativas de concretizar negócios na Argentina em breve.” afirmou  Adriano Pacheco, diretor comercial do Saudali.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × 5 =

Colunistas Artigo

100 anos: cooperativismo faz bem

Para assegurar recursos ao setor rural e outros setores da atividade econômica, surgiram as cooperativas de crédito que fomentaram a base produtiva e dinamizaram as cadeias de suprimento, dando musculatura à economia local e microrregional.

Publicado em

em

Presidente da Organização das Cooperativas do Estado de Santa Catarina, Luiz Vicente Suzin - Foto: Divulgação/Ocesc

Neste primeiro sábado de julho comemora-se em todo o mundo o Dia Internacional do Cooperativismo. Em 02 de julho, pela centésima vez, essa emblemática data será festejada. Uma reflexão acompanha a marca dos 100 anos dessa efeméride: o cooperativismo pode ser a solução para todos ou praticamente todos os problemas da humanidade.

Um dos maiores flagelos da atualidade – a fome – é combatida pelas cooperativas do ramo agropecuário, responsáveis pela organização de produtores e empresários rurais na estruturação da produção de cereais, frutas, hortigranjeiros, lácteos e proteína animal. Essas cooperativas levaram tecnologia ao campo, capacitaram agricultores, abriram mercados e incorporaram milhares de pequenos produtores, transformando-os em competitivos agentes econômicos. Disso resultou a maior oferta de alimentos e a redução da fome no país e no exterior.

Para assegurar recursos ao setor rural e outros setores da atividade econômica, surgiram as cooperativas de crédito que fomentaram a base produtiva e dinamizaram as cadeias de suprimento, dando musculatura à economia local e microrregional. Da mesma forma, as  cooperativas do ramo da infraestrutura levaram sistema de abastecimento de energia elétrica ao campo e aos municípios isolados. As cooperativas de trabalho médico organizaram profissionais de saúde e criaram formidáveis aparatos que envolvem desde a atenção primária à saúde até a medicina de alta complexidade, aliviando o sistema público de saúde, este sempre no limiar de um colapso.

As cooperativas, portanto, exercitando uma doutrina de livre associação, meritocracia e estímulo ao esforço individual, premiando a todos na proporção direta do esforço de cada um tornou-se um fator essencial da livre-iniciativa – que deixou de ser uma ficção constitucional para tornar-se fator indispensável à saúde da vida econômica. Os paradigmas se espraiam por todos os ramos: transporte, consumo, habitacional etc.

Nesses tempos em que as mudanças e transformações tecnológicas estão destruindo empregos, as cooperativas do ramo de trabalho podem oferecer uma alternativa para a empregabilidade. Transformações disruptivas em curso tendem a tornar anacrônica ou obsoleta a legislação trabalhista. É um fenômeno mundial inescapável. A Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), editada em 1º de maio de 1943 – há 79 anos, portanto –  marcou território na defesa dos trabalhadores, inaugurando um novo tempo nas relações de trabalho e impregnando conceitos  de dignidade, humanidade e justiça social.

Mas os tempos mudaram e, hodiernamente, os 922 artigos originais – que depois derivaram em milhares de normas via portarias, decretos, instruções etc. – regulamentam excessivamente aspectos como identificação profissional, jornada de trabalho, férias, salário mínimo, aviso prévio, rescisão contratual, estabilidade, direito judiciário do trabalho, organização sindical, negociações e dissídios coletivos, profissões com tratamento diferenciado etc. Surgiu uma suspeita de que a excessiva regulamentação tornou-se um fator de desempregabilidade. O legislador original teria  ignorado a realidade social e econômica brasileira, como prova a intensa judicialização que há quase 80 anos congestiona a Justiça do Trabalho.

Acreditamos que a organização de trabalhadores e profissionais qualificados de nível operacional, básico ou superior em regime de sociedade cooperativista poderia ser uma grande alternativa no combate ao desemprego em muitas regiões brasileiras. A resistência observável, de potenciais contratantes ou dos próprios trabalhadores é uma decorrência dessa cultura fulcrada na CLT que impregna o mercado de trabalho no Brasil.  É possível que o amadurecimento das relações sociais em face das transformações distópicas e que nos referimos possa revalorizar e proporcionar uma ressignificação às cooperativas do ramo de trabalho.

Quaisquer que sejam as reflexões, a 100ª comemoração do Dia Internacional do Cooperativismo renova uma sólida e evidente convicção – cooperativismo faz bem em todas as atividades humanas.

Fonte: Ascom Ocesc
Continue Lendo

Notícias

Coopeavi recebe inscrições para 2º Torneio de Silagem de Milho

Podem participar do evento lavouras de milho plantadas no período de 1º de junho a 31 de julho de 2022.

Publicado em

em

Foto: Leandro Fidelis/Coopeavi

O inverno chegou e é tempo de se preparar para manter nutrido o gado leiteiro sem contratempos. Com a meta de reduzir em 15% a sazonalidade da produção de alimentos para bovinos leiteiros até 2024, a Cooperativa Agropecuária Centro Serrana (Coopeavi) abre inscrições para a 2ª edição do Torneio de Silagem de Milho.

O concurso é voltado aos pecuaristas associados que fornecem leite à cooperativa, com destaque para as bacias leiteiras onde a Coopeavi realiza captação atualmente (Espírito Santo e Leste e Noroeste de Minas Gerais). A ficha de inscrição e o regulamento podem ser acessados no link https://bit.ly/TorneioSilagemCoopeavi2022. A taxa é de R$ 50 por amostra.

Podem ser inscritas no Torneio lavouras de milho plantadas no período de 1º de junho a 31 de julho de 2022. As amostras serão coletadas por técnicos do Programa “Leite Certo” e ligados às unidades comerciais, que ficarão responsáveis pelo acompanhamento desde o plantio do milho até a colheita.  A coleta deverá ser feita com no mínimo 30 dias após a ensilagem.

Serão premiados os três primeiros colocados, sendo que o vencedor ganhará um kit bar completo, o 2º lugar, uma smart TV 50”, e o 3º lugar, um vale combustível no valor de R$ 1.500. O resultado será divulgado em evento de premiação, ainda sem data confirmada.

Na primeira edição do Torneio, em 2021, Carlos Eduardo Delogo Lacerda, de Águia Branca (ES), bateu a melhor marca com 97,2 pontos, seguido de Anderson Sian (95,39), de Nova Venécia (ES) e Geroni Rodrigues Toras (93,42), de Águia Branca.

A importância da qualidade da silagem de milho

A silagem de milho é um alimento estratégico para a produção de leite e carne no Brasil, especialmente em função da sazonalidade na produção das pastagens ocasionada pelas variações de temperatura, precipitação pluviométrica e comprimento dos dias, levando a grande déficit na disponibilidade de alimento forrageiro e perdas produtivas dentro dos rebanhos bovinos.

As forragens conservadas, como as silagens, podem apresentar grandes variações na composição em função dos procedimentos empregados na produção e conservação, além dos fenômenos bioquímicos e microbiológicos ocorridos durante o processo.

O conhecimento da composição bromatológica da silagem de milho utilizada na alimentação do rebanho é fundamental para o correto ajuste da dieta. Além disso, a composição da silagem pode fornecer informações técnicas importantes ao produtor sobre várias etapas do processo de produção, como o ponto de colheita adotado, a regulagem do maquinário utilizado na colheita do material, características da fermentação, entre outros.

Fonte: Ascom Coopeavi
Continue Lendo

Notícias

Aurora Coop celebra Dia C com ações em diversas cidades do país  

Além das comemorações presenciais, a programação nas unidades conta com mobilização dos colaboradores para doação de sangue e de alimentos não perecíveis.

Publicado em

em

Divulgação

A Cooperativa Central Aurora Alimentos (Aurora Coop) preparou uma programação especial para comemorar o Dia Internacional do Cooperativismo, celebrado neste sábado (02). A iniciativa integra as ações do dia Dia C — programa de reponsabilidade social do cooperativismo criado pelo Sistema OCB para incentivar o voluntariado.

O diretor presidente executivo, Neivor Canton, destaca que a data representa um momento para celebrar e reconhecer o importante papel do cooperativismo para o desenvolvimento econômico e social de toda a comunidade. “Será um dia para comemorar e reforçar que os movimentos de cooperação e intercooperação representam atos simples, mas com um significado grandioso na vida das pessoas”.

Serão diversas ações em várias cidades onde a Aurora Coop possui unidades, realizadas em parceria com as cooperativas filiadas, entidades e prefeituras, visando promover um dia de lazer, diversão, voluntariado e promoção da saúde e qualidade de vida das pessoas. Confira abaixo a lista de cidades e as ações que serão realizadas.

Além das comemorações presenciais, a programação nas unidades conta com mobilização dos colaboradores para doação de sangue e de alimentos não perecíveis. As ações tiveram início no dia 16 de maio e seguem até 30 de junho e os itens arrecadados serão destinados a entidades beneficentes. A iniciativa conta com a parceria das cooperativas filiadas e da Fundação Aury Luiz Bodanese.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
PORK 2022

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.