Conectado com
OP INSTAGRAM

Notícias Paraná

Frigorífico de peixes de Alvorada do Sul incrementará produção paranaense de tilápias

Capacidade de produção alcança 36 toneladas de peixes por dia

Publicado em

em

Divulgação/AENPr

O governador Carlos Massa Ratinho Junior participou na quinta-feira (22) da entrega de um novo frigorífico para abate e processamento de peixes em Alvorada do Sul, no Norte do Paraná. Idealizado pela prefeitura do município em 2005 e com obras iniciadas em 2010, a Unidade de Beneficiamento de Pescados Luís Carlos Bufalo foi construída em uma parceria dos governos federal, estadual e municipal. O investimento foi de R$ 4,2 milhões, sendo R$ 1,3 milhão do governo federal, R$ 2 milhões da prefeitura e R$ 900 mil do Estado, através da Secretaria Estadual da Agricultura e do Abastecimento.

Com a entrega, o espaço passa a ser administrado pela Cooperativa Agropecuária e Industrial (Cocari), que venceu a concessão de uso da planta por 30 anos. Ela será responsável pela integração com os produtores e pelo processamento da proteína. Em um projeto de intercooperação, a Cooperativa Central Aurora participará de parte do processo, embalando e comercializando o produto final. A Cocari já iniciou o cadastro de produtores interessados em integrar a iniciativa e deve iniciar a venda dos primeiros produtos no início de 2022.

A planta tem área total de 53 mil metros quadrados, sendo 1,6 mil metros quadrados de área construída. A instalação abarca administrativo e o industrial. O espaço tem capacidade de processamento de cerca de 12 toneladas de peixes por turno. Com três linhas de produção, deverá produzir até 36 toneladas de peixes por dia.

“Qualquer lugar do mundo só vira uma potência quando descobre o que faz de melhor. No Paraná, o que sabemos fazer de melhor é produzir alimentos. Hoje, exportamos comida para centenas de países, mas nosso maior desafio é ir além do grão da soja e do milho, industrializando esses alimentos. O Governo tem a responsabilidade de incentivar a criação de um ambiente que amplia a indústria de transformação. Quando conseguimos construir toda a cadeia produtiva, geramos emprego e produzimos com valor agregado”, explicou Ratinho Junior.

“Esse frigorífico é um exemplo dessa indústria. Vamos industrializar o peixe produzido, dar renda aos produtores, gerar mais empregos e incentivar outras cidades a também buscar sua vocação”, acrescentou.

“Isso é oportunidade de renda e gente trabalhando na roça, na criação, nos frigoríficos ou na cadeia inteira. Agora, miramos na face Norte do Paraná, com aproveitamento racional das águas do Rio Paranapanema”, acrescentou o secretário estadual de Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara.

A expectativa é que o novo frigorífico proporcione a geração de 50 empregos diretos nos primeiros 24 meses de trabalho, número que aumentará para 75 empregos após dois anos. Além disso, a concessão fomenta a produção de pescados, diversifica a cadeia produtiva e incentiva a ampliação da renda familiar rural e o agronegócio.

Produção

Toda a nova instalação será destinada à produção de tilápias, o que ajudará o Paraná a aumentar a liderança nacional nesse segmento. O sistema de cooperativa se inicia com o fomento à produção de peixes por produtores associados, que recebem insumos e ração para criá-los. O manejo pode ser realizado tanto em tanques escavados como em tanques-rede.

Serão integrados à cooperativa entre 60 e 80 tanques de 5 mil metros quadrados de lâmina d’água para abastecimento da produção no primeiro ano da concessão, podendo dobrar o número de associados no ano seguinte. A expectativa é que produtores em um raio de 100 quilômetros da sede da Cocari, em Mandaguari, possam ser beneficiados pelo negócio, atingindo cerca de 50 outros municípios paranaenses. A proximidade com a sede auxilia na logística de entrega de insumos.

“Com um tanque de 5 mil metros quadrados, o produtor já possui viabilidade econômica”, explicou Marcos Pinduca, prefeito de Alvorada do Sul. “Já temos muitos produtores em tanque-rede, e o foco da cooperativa é tanques escavados, existentes no Oeste do Estado. Com essa rede integrada, teremos uma enorme produção”.

Em média, as tilápias levam entre seis a dez meses para chegar ao peso de 1 quilo – estágio em que normalmente são abatidas. Os peixes serão entregues à Cocari, que assume no frigorífico as etapas de abate e processamento da proteína.

“O peixe será descamado, passa ao filetamento e depois será congelado. A temperatura média do frigorífico deve ser entre 14 e 16 °C durante todo o processo”, explicou o engenheiro de pesca Luiz Eduardo Sá Barreto. “Do peixe se aproveita tudo: vísceras, pele, escamas, todos os subprodutos”.

Por fim, uma vez realizados os cortes, a Cooperativa Central Aurora será responsável pela etapa final do processo, referente a embalagem e venda para mercados de todo Brasil.

Cooperativismo

O governador também destacou a importância da cultura cooperativista para a região. “O Paraná é o Estado que mais tem cooperativas no Brasil. Para nós, essa é uma solução tanto para o desenvolvimento econômico como para o social, porque o produtor sozinho não consegue ter o volume de produção ou o preço necessário para competir no mercado com o que produz. A cooperativa vem para dar assistência técnica, capacitação para venda e melhorar a produção. Entrando nessa região, a Cocari automaticamente colabora para organizar a cadeia produtiva, tão importante para o associativismo”, endossou Ratinho Junior.

Segundo o presidente da Cocari, Marcos Antonio Trintinalha, o início do projeto de expansão da cooperativa para a piscicultura começou em 2018. “Quando descobrimos essa obra, eu vi que poderíamos realizar esse sonho”, comentou. “Na Cocari, queremos buscar aquele produtor para agregar valor à sua propriedade e para que ele possa viver melhor no campo. Nossa cooperativa nasceu há 59 anos em Mandaguari, e hoje temos em torno de 8,7 mil associados no Paraná”.

O frigorífico foi idealizado pelo prefeito de Alvorada do Sul no início do seu primeiro mandato, em 2005. À época, ele diagnosticou junto aos produtores locais uma necessidade de uma unidade de filetagem de peixe. O projeto foi desenvolvido pelo município e apresentado ao Ministério da Agricultura à época.

Entre 2009 e 2010, ainda na gestão de Pinduca, o município viabilizou o início da construção das obras. Mais próximo ao fim da sua execução, a prefeitura abriu o edital para concessão, cuja vencedora foi a Cocari. A obra leva o nome de Luis Carlos Bufalo, ex-vereador do município cuja família de origem foi pioneira na cidade.

“É o que a gente sonhava, porque eles vão fazer uma integração com o pequeno produtor. Não é uma empresa que vai utilizar o espaço apenas para abater o peixe: eles vão fornecer os insumos, e o produtor fica com o lucro”, ressaltou o prefeito. “Um tanque pode dar 60 mil peixes, que serão abatidos com 900 gramas, em média – um total de 50 mil quilos. A previsão de preço é de até R$ 1 por quilo. Ou seja, com um tanque, ele recebe de R$ 40 mil a R$ 50 mil a cada seis meses”.

Para Antonio Carlos Barreto, chefe do núcleo regional da Secretaria de Agricultura em Londrina, a integração entre cooperativas e piscicultores deve gerar um impulso notável na renda dos municípios envolvidos. “Hoje uma das maiores rendas para o agricultor paranaense vem da produção de proteína animal, como frango, suíno e o próprio boi”, explicou. “Temos diversas secretarias municipais já interessadas em cadastrar agricultores para fornecerem para essa cooperativa. O peixe é hoje uma enorme fonte de renda, em que se vende até pele e escama, aproveitando 100%”.

Produção

Os produtores paranaenses atingiram em 2020 um total de 172 mil toneladas de peixes. O valor representa 21,4% do total da produção brasileira, que atingiu 802,9 mil toneladas no último ano. Cerca de um terço de toda a produção do Estado (34,1%) é apenas de tilápia. Segundo dados da Secretaria Estadual da Agricultura e do Abastecimento, o Valor Bruto da Produção (VBP) de 2019 chegou a R$ 983,5 milhões, o que corresponde a 1% da produção agropecuária do Estado. A tilápia, por sua vez, corresponde a 0,67%.

Fonte: AEN/Pr
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

6 − três =

Notícias Suínos

Poder de compra frente a insumos cresce

Principais componentes utilizados na ração da suinocultura, o milho e o farelo de soja, estão em queda no mercado brasileiro

Publicado em

em

Foto: O Presente Rural

De acordo com pesquisas do Cepea, a maior procura por novos lotes de suínos para abate, verificada especialmente no início do mês, elevou os preços médios do animal vivo no mercado independente em outubro frente aos de setembro.

Já os valores dos principais componentes utilizados na ração da suinocultura, o milho e o farelo de soja, estão em queda no mercado brasileiro.

Segundo pesquisadores do Cepea, esse cenário vem favorecendo o poder de compra de suinocultores em outubro quando comparado com o mês anterior.

Já em relação a outubro do ano passado, o poder de compra atual frente aos dois insumos está menor.

Fonte: Fonte: Cepea 
Continue Lendo

Notícias Mercado

Preços do boi e da carne seguem em queda

Segundo pesquisadores do Cepea, no caso do boi gordo, as cotações têm sido pressionadas pelo afastamento de grande parte dos compradores

Publicado em

em

Foto: O Presente Rural

Os valores da arroba do boi gordo e da carne seguem recuando. No entanto, levantamento do Cepea mostra que os preços do animal para abate vêm caindo de forma um pouco mais intensa que os da proteína negociada no atacado.

Segundo pesquisadores do Cepea, no caso do boi gordo, as cotações têm sido pressionadas pelo afastamento de grande parte dos compradores. Esses agentes evitam adquirir grandes lotes de animais, diante da manutenção da suspensão dos envios de carne à China, o maior destino internacional da proteína brasileira.

Além disso, pesquisadores do Cepea indicam que a oferta de animais de confinamento tem crescido, reforçando o movimento de queda nos preços da arroba. Ressalta-se que esse cenário vem reduzindo as margens de pecuaristas, sobretudo os que utilizam o sistema de confinamento, que apresenta custos bastante elevados.

Quanto à carne negociada no atacado, o aumento na oferta de animais se soma ao poder de compra fragilizado da maior parte da população brasileira.

Fonte: Fonte: Cepea 
Continue Lendo

Notícias Consulta Pública

Mapa propõe melhorias na regulamentação da identidade e qualidade do hambúrguer

As alterações propostas são aplicáveis ao hambúrguer produzido em estabelecimento com SIF e buscam atender às demandas atuais dos consumidores.

Publicado em

em

iStock/Mapa

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) publicou, na quarta-feira (20), a portaria nº 420 que submete à consulta pública, pelo prazo de 60 dias, a proposta de portaria sobre os Requisitos de Identidade e Qualidade (RTIQ) do Hambúrguer. A nova norma revogará o anexo IV da Instrução Normativa nº 20/2000.

Entre as melhorias propostas estão a previsão de moldagem do hambúrguer em formas diversas, além da tradicional em disco; a padronização para indicação na rotulagem do corte cárneo utilizado para obtenção do hambúrguer e a padronização para a denominação do produto quando utilizada carne de mais de uma espécie. Segundo a proposta, no caso de produto que contenha indicação dos cortes utilizados, não será permitida a adição de proteína vegetais. Outra mudança é o aumento do limite máximo de gordura permitida, de 23% para 25%.

“A proposta de revisão normativa busca harmonizar o RTIQ com o Decreto 9.013/2017 e suas alterações, bem como busca englobar atualizações necessárias levantadas pelo setor e pelo próprio Mapa ao longo dos últimos anos”, destaca a diretora do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal, Ana Lúcia Viana.

As alterações propostas, aplicáveis ao hambúrguer produzido em estabelecimento com SIF, buscam atender às demandas atuais dos consumidores, garantir a segurança e inocuidade dos produtos, manter as características do produto, padronizar entendimentos e atender às demandas do setor produtivo.

As sugestões tecnicamente fundamentadas deverão ser encaminhadas por meio do Sistema de Monitoramento de Atos Normativos (Sisman), da Secretaria de Defesa Agropecuária, por meio do link: https://sistemasweb.agricultura.gov.br/sisman/. Para ter acesso ao Sisman, o usuário deverá efetuar cadastro prévio no Sistema de Solicitação de Acesso (SOLICITA), por meio do link: https://sistemasweb.agricultura.gov.br/solicita/.

Fonte: Mapa
Continue Lendo
SBSBL

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.